Quantcast
PplWare Mobile

Teletrabalho obrigatório em todos os concelhos até 13 de junho

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Mirtilo says:

    E quando e obeigatorio voltar ao escritorio? O bom do teletrabalho e que ando a viajar e trabalho onde quero.

  2. SANDOKAN 1513 says:

    Se Deus quiser a partir desse dia acaba-se a mama do teletrabalho.Vocês vão ver.

  3. Pedro says:

    Com teletrabalho ou sem, viajar e trabalhar ou estar no escritório de casa, etc….
    O que importa é cumprir objectivos, e que o trabalho apareça feito.

    • FreakOnALeash says:

      Não faço teletrabalho mas compreendo logo +1

    • Some_IT_Guy says:

      É mesmo pensamento à Tuga: Desenrascar e no fim logo se vê. Não é só cumprir objetivos, mas cumpri-los com plenitude profissional.

      Nós não temos a cultura voltada para a produtividade. Se comparamos com os alemães, eles têm uma visão mais ampla quando se trata de produtividade. Os tugas podem ser trabalhadores, mas a maioria de nós não é particularmente produtiva. Cá na tugalândia é normal deixar tudo para as últimas. Durante o confinamento mais apertado era mato encontrar lojas e ruas cheias de teletrabalhadores, principalmente as sextas-feiras. E quando estamos nas empresas, também é normal ver trabalhadores encostados à máquina do café, brincarem no posto de trabalho, escreverem quilómetros de mensagens nos telemóveis e navegarem na net durante o horário de trabalho.

      Mas também é culpa dos empregadores. Os funcionários acrescentam valor à empresa a longo prazo se forem saudáveis física e psicologicamente e puderem atualizar constantemente as suas habilidades. Isso significa que os empregadores precisam oferecer um bom equilíbrio entre vida pessoal e profissional para tentar mudar este estigma, o que em geral fazem na Alemanha.

      • Zé Fonseca A. says:

        É tudo uma questão cultural, os nordicos não andam a atender chamadas pessoais nem às mensagens nem a navegar na web indefinidamente precisamente porque culturalmente para eles estar no trabalho é estar a produzir, para a maioria dos tugas estar no trabalho é passar o tempo, isto culpa de sermos um povo com mais convivio e com menos brio profissional, por isso a maioria quer tachos na função publica para não fazer nenhum e nunca ser despedido.

        Por mim o teletrabalho não devia sequer ser permitido em Portugal, não estamos preparados como povo para o mesmo, é só ver a degradação de todos os serviços ou projectos desde Março do ano passado.
        No meu caso pessoal precisava de mais 2h de trabalho para ser igualmente produtivo, por isso voltei ao escritório 3 dias por semana assim que foram reabertos os restaurantes. Em casa o nível de concentração não é o mesmo, mesmo para quem está habituado a ser produtivo.

        • Jorge says:

          Eu estou a trabalhar em casa desde 16 de março de 2020 e no meu caso para atingir o nível de produtividade de quando estava no escritório precise de menos 2 horas. (produtividade =trabalho\tempo)
          Sei que existe muita gente a coçar a micose por este Portugal fora, mas não podemos generalizar. Existem muitos profissionais com brio. A produtividade não depende apenas e exclusivamente do trabalhador existem muitos fatores entre eles a motivação para o trabalho. as condições as ferramentas.
          Se um trabalhador não é muito produtivo devem ser analisadas causas, não se pode dizer logo que ele não gosta de trabalhar e que a culpa é dele. Todos nós sabemos que quando gostamos ou estamos entusiasmados com algo que as coisas tendem a correr bem.

      • ANti Antitugas says:

        Parece-me que estás no país errado… precisas de um bilhete de ida?

        • Some_IT_Guy says:

          És a prova real de quem está mal é quem procura o êxito.
          Falta ao trabalhador o conceito intraempreendedorismo. Promovo isso nas minhas empresas e tenho consigo formar grandes equipas produtivas.

      • Administra Dor says:

        Não sei que Alemanha imaginas, mas gostava de ir para lá. A única coisa que os alemães são bons é a esticar trabalho. Se tens uma tarefa para fazer é planeada para dar para as horas que faltam para acabar mesmo no minutinho de ir embora. e equilibrio entre vida pessoal e profissional…há, mas é na forma de corte completo, estou fora do trabalho o trabalho não me interessa, aí os portugueses pecam as vezes por não querer deixar os colegas na m***a porque sabem quanto custa, mas ao contrário podes esquecer. Para além de não haver vida fora do trabalho, só work eat sleep repeat.

      • XneloX says:

        Aqui não se pode ser nem muito produtivo nem muitos competente, senão esse fantástico trabalhador passa a ter muita mais carga laboral e responsabilidade.

        • Valdemar Santos says:

          …e a ganhar o mesmo. (faltou essa parte)

          • Some_IT_Guy says:

            Como pensam tão poucochinho….
            Estes vossos comentários de teorias marxistas “valor-trabalho” não cabem num mundo altamente competitivo.
            Felizmente não trabalho por conta de outrem. Para quê enriquecer os bolsos de outros? Sejam empreendedores e definam o vosso futuro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.