PplWare Mobile

TDT: Saiba já quais as novas frequências no seu distrito


Fonte: ANACOM

Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. Alceu RD says:

    Deve fazer MAIS TESTES quanto aos malefícios para nosso corpo humano, principalmente cérebro ,
    do que os já feitos e publicados em revistas científicas.
    Afinal, nós e nossos familiares estão na linhacdessa radiação.

    • KodiakShadows says:

      ahahahahaah!!!

    • LuisF says:

      Nem mais
      o 5G é altamente prejudicial ao ser humano já temos Países na UE que bloquearam tudo para que se façam novos testes , na Holanda ao fazerem testes tudo o quer era pássaros morreram na área.
      O 5 G é tecnologia militar temos muitos médicos e não só contra esta tecnologia.
      Parece que temos gente interessada em matar e dominar populações.

      • José says:

        @LuisF Isso não verdade. Os pássaros morreram por causa de um virus. Não hove nenhum teste 5G nessa altura. Caíste numa notícia falsa. E em relação a dominação.. pois já estás sendo dominado…pelo teu medo irracional porque lês sites de conspiração.

    • Martins says:

      Ou vocês são trolls, mentirosos ou mesmo ovelhas que acreditam em fake news. O 5G faz tão mal como o 4G o 3G ou 2G… ou seja ZERO. Não existe nenhum estudo científico que comprove que o 5G tenha algum impacto para a saúde humana.

      • Nightingale says:

        Qual 5G qual quê? O malefício para a saúde e para o cérebro em especial, resulta após longos períodos de exposição aos programas da manhã e da tarde cheios de 761.

    • Nuno says:

      Mais ainda? Ja foram feitos varios testes que indicam que o 5G é seguro!
      Pra nao falar nos habitantes da america e da Coreia do sul que ja o usam e ate agora ninguém morreu.

  2. SANDOKAN 1513 says:

    E se não me engano a licença para o 5G será logo libertada no início do próximo ano de 2020,estando a Vodafone à frente do pelotão para começar logo a operar nessa banda larga.Além disso junto com o 5G virão mais 2 novos canais para a TDT.A ampliação da banda larga não irá afectar a introdução destes novos canais.Li isto hoje.Muito bom mesmo. 😀 P.S.-leiam este artigo da APW Portugal sobre a tecnologia 5G que é muito esclarecedora-(https://www.apwportugal.pt/o-que-e-o-5g-e-como-vai-impactar-a-sua-vida/)

    • rui says:

      A utilização virá com a release 16 do 3gpp, começará testes no inicio do ano, prevêem estar concluído em junho 2020.
      Penso que ainda terão de ser feitos leilões de venda de frequências duvido que estejam concluídos até ao final do ano, deverão poder fazer alguns testes de cenário real no inicío do ano mas nada de comercial.
      A release 15 que está em fase de conclusão, veio indicar as arquitecturas a utilizar e frequências, daí agora os reguladores terem de ajustar o espectro, estando já a gama e canais definidos (embora já tivesse definido a gama por alto e já terem trabalho efetuado)
      https://www.3gpp.org/release-16

  3. silvio says:

    Eu acho “piada” é ás informações erradas que vejo na televisão, telejornais e anúncios, dizendo que a rede 5G fará as comunicações mais “rápidas”. Isso depende do ponto de vista. A internet no telemóvel e portanto a navegação será mais rápida? Streaming de vídeos mais rápido? E que tiver Internet móvel (com router) terá internet mais rápida? Não sei se será bem assim!.
    Recordem-se quando estávamos na rede 2g e surgiu a 3G houve grande excitação, e quando mudámos para a 4G também houve grande alarido mas ficou tudo quase na mesma. Porque o número de antenas emissoras é o mesmo, a rede só aumenta a frequência do sinal, mas o NÚMERO DE UTILIZADORES E DISPOSITIVOS ligados “pendurados” na rede é o mesmo ou aumenta, e a “velocidade” ou sinal dividido entre todos faz com que fique tudo na mesma.
    Já repararam que em horários de ponta, no Verão, e á hora de jantar quando maior número de utilizadores estão todos em simultâneo a utilizar internet com os seus dispositivos, a net fica mais lenta? (Estou a falar de net móvel, e não de fibra).
    Além disso os novos smartphones preparados para rede 5G vão também exigir cada vez mais velocidade e largura de banda, os sites mobile também, os jogos de telemóvel também vão exigir mais transmissão de dados etc.

    Antigamente há vinte anos atrás a internet podia ter velocidades de 120kbps por exemplo, os sites eram leves, com poucos elementos visuais. Hoje em dia temos velocidades de 100 ou 200mbps ( e mais de 1gbps em empresas) net rápida, mas os sites também estão mais pesados com streaming de vídeo e muitos elementos.
    Quanto mais velocidade tivermos de internet mais “pesados” vão ser os sites e aplicações e jogos, com ficheiros mais pesados, exigindo mais transferência de dados e velocidades.

    Antigamente um filme a 340 pixeis pesava 600mb por exemplo, hoje em dia um filme bom em HD pesa de tamanho cerca de 4gb, daqui a uns anos um filme para download em 4k pode ter 10gb de tamanho. Percebem…

    Quanto mais rápida for a internet, também mais exigentes vão ser os dados, ficheiros, conteúdos, navegação, websites, jogos. E com tantos milhares de utilizadores pendurados no sinal em simultâneo (por cada cidade), e smartphones a consumir cada vez mais dados, esta velocidade divide-se por todos.

    Bem reparei quando surgiu a rede 3G e depois a 4G, nada de especial.
    E com a 5g vai ser o mesmo.

    • João Reis says:

      Investiga e lê sobre o 5G e percebe rapidamente.
      Começa por ver a capacidade de utilizadores de cada antena.
      É um salto a multiplicar por 1000

      • rui says:

        e o backbone? que onde há normalmente os estrangulamentos e não no número de clientes por antena.
        ainda por cima se forem para a arquitetura NSA suportada por ligações LTE

        • ze says:

          Errado, estrangulamentos são na antena, deves andar fora do circuito há muito tempo, hoje em dia em países com dimensão de Portugal só terias problemas em limitações nos backbones caso as operadoras estivessem paradas em investimento.

          • rui says:

            há uns anos a maior parte dos “4g” fora das “capitais” tinham backbone a 100mbit, a maior parte agora “atualizada” nas zonas rurais vais dizer quantas têm mais de 1gbit no backbone para o público? com ofertas atualmente nos 300mbps no dito 4g achas que podes multiplicar por 100 os clientes e não tens problemas de backbone?
            nunca deves ter utilizado 4g em zonas onde só tens essa oferta.

          • rui says:

            acho que houve confusão de backbone, quero-em referir da ligação da antena até à internet (backbone da rede do operador) não parte do backbone entre datacenters do operador e centralização de ligação à internet

        • Joao reis says:

          Será reforçado também mas o maior problema era mesmo a capacidade da antena processar as ligações.
          Se o problema for só esse, resolve-se, o problema atual não é esse, as antenas não aguentam. Começaram a limitar só agora os dados em tarifários ilimitados, finalmente, isto porque por uns pagavam outros.

    • maxgiger says:

      Concordo contigo em apenas algumas coisas que dizes. Uma delas é quanto mais velocidade, mais exigem na transmissão de dados pois metem uma serie de tretas nos sites e claro, uma ligaçao baixa torna tudo mais lento.
      “Antigamente um filme a 340 pixeis pesava 600mb por exemplo…” – Lembro-me de fazer download de videos de 700mb e levava +- uma semana. Hoje são segundos! Mas repara que hoje ao fazer download de um video de 10gb levas umas 2 ou 3 horas, ou seja o aumento de banda é proporcional ao aumento da qualidade desses dados. Afinal de contas vivemos no mundo do HD, 4K, fotografia de alta resoluçao, etc, etc

      “Bem reparei quando surgiu a rede 3G e depois a 4G, nada de especial.” – Aqui estou COMPLETAMENTE em desacordo pois a diferença é muito grande. Até acrescento que mesmo o salta para o 3.5G fez toda a diferença. Obviamente que se testares hoje o 3G, vais notar a enorme diferença, mas mesmo na época do pequeno salto para o 3.5G, percebia-se bem a diferença.

      No 3.5G os sites do costume abriam mais rápido, o carregamento das imagens por vezes era quase instantâneo(depende da qualidade/peso do ficheiro da imagem e até um streaming de qualidade baixa raramente parava. Até nas chamadas por voip houve uma diferença brutal, com mais fluidez e a nossa voz nao tarda em chegar ao outro lado!

      Agora e com o 4G? Sites abrem instantaneamente (mesmo com o modo de poupança de dados desligado), streaming de alta qualidade (se bem que prefiro a baixa/media qualidade para nao gastar muitos dados moveis), chamadas por voip de grande qualidade de som e bem rápidas ( quando digo rápidas é no tempo que a nossa mensagem tarda em chegar ao outro lado), chamadas de vídeo fluídas (claro que ambos utilizadores tem de ter boa ligaçao de net).

      Agora eu acredito sim é que nao vou notar muita diferença no 5G, pois já que no pequeno salto para o 4G+ ou 4.5G a diferença foi pouca.

    • Rafael Duque Da Mata says:

      Compreendo o que diz, e sim para “o comum mortal” a coisa vai dar quase ao mesmo.
      Mas uma das questões do 5G é, por exemplo, latencia! Vai permitir que se desenvolvam coisas que até à data não eram possíveis.

      • rui says:

        a latência vai ser a última parte a ser implementada, não sei se já considerada na release 17 nos próximos 2 anos se ainda será só na 18.
        o marketing dos operadores e terminais vai andar a chamar 5.5G, 5g+ e coisas do géneros, mas está tudo na mesma especificação que é o 5G e o roadmap definido.

  4. paulo says:

    o capitalismo nao quer saber!
    eles precisao desta tecnologia para implementar a tecnologia IOT sem elas nao havera investimentos como nos outros paises!

  5. Rui says:

    Para o 5G ser aprovado já foram feitos IMENSOS TESTES em diversos paises e ninguem esta contra, nem existe provas que faça mal.

    Caiem nas noticias falsas e nos titulos do FB é o que dá.
    Os especialistas que sabem não as pessoas que so ficam na net a ler noticias.

  6. carlos alberto Silva says:

    Resolvam lá o diley que á na transmissão de TV pois o meu vezinho tem TDT e ouve os golos alguns 45s ou mais antes de mim agora 5g isso e para meninos

  7. informado says:

    A TDT é uma vergonha. Mais qualidade e canais em HD.

  8. PAULO says:

    Engraçado como se fala em 5G e a minha sogra em pleno coração de uma vila perto de Lamego anda ás moscas para apanhar sinal para efectuar/receber chamadas, quanto mais net..

  9. Jose says:

    Resumindo é tudo uma m#%}@

  10. David Silva says:

    É com esta tecnologia que se tem canais HD?

  11. David Silva says:

    É com esta tecnologia que se tem canais HD?

  12. Andre Silva says:

    Alguem sabe quanta potencia tinham os emissores analógicos? Pois a realidade que conheço era a seguinte:
    Emissor Lousã (coimbra) – Potencia Radiada = 500kW
    Potência á saida do Emissor (para cada canal) ~ 30kW
    A TDT atualmente emite com potencias talvez 10x inferiores (ou mais).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.