PplWare Mobile

PSP começa hoje a fiscalizar veículos de duas rodas com motor


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. João says:

    Sim. O pessoal das motas é só malfeitores…

    Aproveitem e fiscalizem os ciclistas que passam sinais vermelhos.

    • jose says:

      Que eu saiba os ciclistas não necessitam propriamente de respeitar a sinalização das viaturas ….

      • Jorge says:

        Creio que é melhor investigar um pouco sobre isso..

      • Rafael Martins says:

        A partir do momento que circulam no mesmo local que as motas ou ligeiros, deverão o fazer, nem que seja por respeito mútuo.

      • Mogshinj667 says:

        circulando na via são todos, sejam velocipedes (bicicletas), ciclomotores ( 50cc), sejam quadriciclos (vulgo papa-reformas) , obrigados a respeitar o sinal vermelho, sinal stop, etc…

      • Joao says:

        Brain Explosion

      • Paulo says:

        Que lei essa dos ciclistas.
        Isto é eu tenho carro e moto pago imposto sobre qualquer um deles, e esses senhores que podem circular na via lado a lado a comprometer quem trabalha e a causar atrasos não são obrigados a nenhum tipo de imposto, muito bonito mesmo, enfim é o que temos

        • radamel says:

          Pelo menos seguro de responsabilidade civil deveria haver. Mas há que ver que não era fácil pois grande parte dos utilizadores das bicicletas são menores e não propriamente responder em tribunal.

          • radamel says:

            Talvez devesse ser por segurado, que fosse de bicicleta, de skate, de monociclo ou a passear o cão.

          • Airaf rasec says:

            Comprei uma bicicleta para deslocações diárias e a primeira coisa que fiz foi um seguro de responsabilidade civil. São menos de 50€ por ano e fica-se precavido de qualquer descuido ou acidente.

        • rui says:

          só podem circular lado a lado se não comprometer o trânsito, ou seja se um carro deixar de poder ultrapassar na mesma faixa por irem lado a lado não podem ir.
          O que podem e o que fazem é muitas vezes diferente incluindo andar em passeios e voltar à estrada como bem entender

          • Miguel says:

            “Artigo 1.º 
            Definições legais

            Para os efeitos do disposto no presente Código e legislação complementar, os termos seguintes têm o significado que lhes é atribuído neste artigo: 

            […]
            f) «Eixo da faixa de rodagem» – linha longitudinal, materializada ou não, que divide uma faixa de rodagem em duas partes, cada uma afeta a um sentido de trânsito; 
            […] 
            h) «Faixa de rodagem» – parte da via pública especialmente destinada ao trânsito de veículos; 
            […] 
            u) «Via de trânsito» – zona longitudinal da faixa de rodagem destinada à circulação de uma única fila de veículos; 
            […]
            x) «Via pública» – via de comunicação terrestre afeta ao trânsito público; 
            […]”

          • Miguel says:

            OBRIGATÓRIO :

            “Ultrapassagem
            […]
            Artigo 38.º 
            Realização da manobra
            […]
            3 – Para a realização da manobra, o condutor deve OCUPAR O LADO DA FAIXA DE RODAGEM destinado à circulação em sentido contrário OU, se existir mais que uma via de trânsito no mesmo sentido, A VIA DE TRÂNSITO À ESQUERDA daquela em que circula o veículo ultrapassado.  
            […]” .

      • int3 says:

        Não necessita de respeitar??? Que mundo vives??

      • rui says:

        até os peões têm de respeitar as sinalizações. O código da estrada é uma legislação como todas as outras, é para todos e o desconhecimento da mesma não iliba ou atenua as infrações.

    • José Carlos da Silva says:

      Muitos não são e não têm culpa de nada. Mas muitos outros que por aí andam mereciam uma lição daquelas para não esquecer…

    • Rola says:

      Malfeitores sao os dos carros que nao respeitao ninguem

    • 3434 says:

      Ainda hoje vi dois carros a passarem um vermelho à minha frente.
      Sou insuspeito para falar, pois sou condutor e ciclista.

    • JFMA says:

      João:
      Os motociclistas não são malfeitores, mas que muitos deixam as regras de trânsito passar ao lado, é uma verdade.
      O que a mim me espanta, é os dias de fiscalização, pensava eu que isso fazia parte das obrigações da polícia o ano todo.
      Cumprimentos
      JA

  2. radamel says:

    Acho bem. E deveria haver inspecção obrigatória para qualquer veiculo motorizado que possa andar na estrada. Bem como imposto anual (se bem que poderia ser muito mais barato que o dos carros).

    • jose says:

      se te ofereceres a pagar isso 🙂 acredito que seja bem aceite

      • LR says:

        jose, porque não hão de ter as motos que fazer uma IPO? Não são veículos motorizados que circulam na via pública? Não têm que ter também as condições mecânicas de segurança asseguradas? Em que são diferentes, para não estarem sujeitas a IPO?

        • Philleas says:

          Porque simplesmente são veículos que estão sempre em boas condições de circulação. Se verificar as estatisticas da ANSR verifica que a “falha mecanica” constitui menos de 2% das causas de acidentes com motociclos.

          • LR says:

            E será que, além de estar sempre em boas condições mecânicas, estão também sempre 100% legais? Cumprindo todos os requisitos legais? Sem alterações à margem da lei? Pois, claro.
            Por essa ordem de ideias, os meus carros também não deviam ir à IPO. Estão sempre em excelentes condições de circulação, com toda a manutenção em dia, correctiva e preventiva.

        • Migs says:

          Porque ao tirar carta de mota, aprendes a sua mecânica e a manutenção dela

    • José Carlos da Silva says:

      Já existe imposto anual. E muitas motas pagam o mesmo que alguns automóveis de gama elevada, o que não faz qualquer sentido.

      • Mogshinj667 says:

        sei que se paga iuc nas motos, mas julgo que ha insenção para algumas, dependendo do ano de matricula. comprei recentemente uma 125cc de 99 e julgo que não paga iuc. como ainda não fiz pedido de DUA para meu nome (ta em nome de meu sogro ainda) não verifiquei essa situação.

        a inspeção até pode ser relevante embora eu seja cuidadoso com todos os meus veiculos (de 2 ou 4 rodas)…. 😉

      • radamel says:

        Há muitas com insenção:

        https://impostosobreveiculos.info/iuc/imposto-unico-circulacao-iuc-2019/#Motos

        Na minha opinião, quando se tem de pagar o imposto e a inspeção, os veículos tendem a estar em melhores condições. Não digo que tenham de pagar muito, apenas algo simbólico. E claro, a inspeção assegurava um mínimo de qualidade na maioria dos casos. O mesmo conceito de um bilhete de 1 euro para um concerto. Afasta logo quem não quer mesmo lá estar.

        • rui says:

          a isenção é abaixo das 125, depois há outras que pelo imposto ser menos de 10€ não tem lugar a pagamento é como o IRS se tiver menos de 10€ a pagar este não é necessário pagar.

    • Fábio says:

      Imposto de circulação todas acima de 300cc pagam sr. Tenho uma 650cc de 2004 que paga 58€ anuais, e um carro 2200cc de 2006 paga 67€… Será que a moto é justificável pagar só menos 9€?

      • Tiago Brito says:

        Se bem me lembro, se tem um carro e mota de antes de 2007 não paga IUC, paga selo que funciona diferente de IUC.

        Eu tenho um carro de 1000cc de 2017 e pago 100€.

        • Fabio says:

          Ok. E sabe quanto paga uma moto que seja por exemplo de 800cc? Mais que o seu carro..

          • José Carlos da Silva says:

            127,44€ é absurdo para uma moto com 790cc, e é um valor de IUC mais elevado que o de um Golf a gasolina de 2018, por exemplo.

            Estamos a falar de duas rodas, 15 ou 20% do peso de um carro, dois passageiros máximo. Sem tejadilho, sem uma série de mordomias de um automóvel, por mais simples que seja.

          • Tiago Brito says:

            E quanto mais emissões faz do que o meu carro? Eu não sei.

    • Fabio Orlando Duarte Pereira says:

      Correção todas as motos até 350cc não imposto de circulação. E anteriores a 1992 também estão isentas. No entanto a minha 650cc de 2004 paga 58€, se longe um valor muito alto para o que é e o espaço que ocupa na via pública.

      • Tiago Brito says:

        Julgo que o imposto de circulação não se aplica a veiculos anteriores a 2007, e não creio que seja por espaço que ocupa na via publica, mas por emissões de CO2, visto que carros electricos não pagam IUC.

    • cesar_panter says:

      Acha que uma pessoa que anda de moto se descuida na manutenção da mesma, como se pode fazer nos carros?
      Muitos fazem o mínimo de manutenção ao carro, ou mesmo nada, até chegar a data da inspecção, e andam carros com condições duvidosas pela estrada fora o ano inteiro, mas pronto…
      Se baterem, ou lhe baterem, se a chapa ainda aguentar, menos mal…
      Agora de moto amigo..
      O caso não é bem assim, para quem anda de moto regularmente…
      Só se tiver ideias de morrer cedo…

      • Hugo says:

        É isto meus amigos…
        Arriscaria a dizer que qualquer motociclista tem constantemente a sua moto em melhores condições que a maioria dos carros acabados de sair dos centros de inspecção.

      • TugAzeiteiro says:

        Ora aqui está… tudo dito e bem explicado neste comentário!

      • Daniel Lopes says:

        Sendo um veiculo motorizado, concordo que tivessem inspeção anual como os carros…
        Eu também tenho imenso cuidado com o meu carro, estando sempre em cima do mais importante e não é por isso que tenho de deixar de ir as inspeções.
        O meu carro é de 2016, nem precisa de ir a inspeção ainda, mas já lhe fiz 2 revisões só para descarto de consciencia. Se fossemos todos pensar assim, a palavra de cara um era é mandatória. “Senhor guarda, juro que fiz a manutenção do veiculo à 1 semana atrás” – “Ok pode ir, não tem inspeção feita, mas pode ir porque vejo que o seu carro tá de boa saude”.

      • Tiago Brito says:

        A julgar pela condução da maior parte dos motociclistas que vejo na via rápida, isso não deverá ser um problema para eles.

        Vai um carro a 100 km/h a ultrapassar outro, e vem uma mota ultrapassar sem qualquer escrúpulo entre os dois carros, é porque não têm qualquer problema em ir cedo.

      • Joao says:

        Esse argumento de que quem tem mota a tem sempre em boas condições Bla bla bla para justificar a inexistência de IPO para as motas é, na minha opinião, estupido e desonesto. Primeiro não se pode legislar na premissa de que quem anda de mota não quer morrer. Depois porque toda a gente sabe que isso não é verdade!!! Quantas motas se vem por aí sem piscas nem retrovisores, motas com material não homologado, escapes sem DB killer ou do AliExpress, motas limitadas em papéis mas não na prática e por aí fora. As motas deviam ter IPO como qualquer outro veículo e não há nenhuma justificação lógica para que não seja assim.

        • Fabio says:

          Tenho carro e moto. A moto está 100% funcional com todos os acessórios e luzes como manda a lei. Levou pneus novos este ano, calços e discos em bom estado, revisão feita com tudo que precisa. O carro já está com o sistema de ajuste do nível dos médios avariado à 3 anos, água do parabrisas não sai uma gota, direção desalinhada durante 2 anos e meio que provocou um desgaste prematuro no pneu traseiro. E passa todos os anos no centro de inspecções sem qualquer anotação . Resumindo estou muito mais preocupado com o estado da moto que o carro, e não é por haver inspeções que vão melhorar. Claro que o que não falta por aí são maluquinhos, mas é como tudo na vida.

          • Joao says:

            Estás a dizer-me que passas o carro na inspeção com os “médios” desajustados?
            Claro que a fiscalização e importante e positivo. Olha o caso de Espanha, onde há IPO para as motas. É raro ver essa palhaçada de ir sem retrovisores e sem “bacalhau” que vez em Portugal, 125’s com 30/40 cv nas mãos de putos de 16anos, etc etc

          • Fabio says:

            Não foi isso que eu disse. Apenas não podem ser ajustados na altura da projeção. Estão devidamente alinhados

    • Vx says:

      Acha bem motos pagarem o mesmo que um automóvel na autoestrada? Que desgaste provoca a moto numa autoestrada relativamente a um carro?

      • João says:

        A mota tem um desconto de 30% nas portagens (excepto Ponte Vasco da Gama).
        Precisa é de ter a via verde.

        Acredite que eu sei.
        Tenho mota e carro.

      • Daniel Lopes says:

        As autoestradas já foram mais que pagas pelos contribuintes ! Pagar portagens, para a manutenção da mesma é um roubo.

        Acho muitissimo bem uma moto pagar o mesmo que um carro ! Porque razão não iriam pagar?

        Obvio que se tens uma 125cc, pagas X e se tem uma ninja 1000 pagas Y… Mas que deve ser pago, deve !

        • Toino says:

          Os camiões pagam mais e não é apenas pela cilindrada, caso contrário haveriam carros a pagar taxa máxima.
          Óbvio porquê?

          • Daniel Lopes says:

            misturei temas, portagens vs iuc…

            A cc da moto/carro não tem nada a ver com as portagens :p

          • Daniel Lopes says:

            Nãoé obvio em que sentido?

            Se um carro 2.0TDI pagas 250€ de IUC, num 1.6TDI pagas “150€”.

            Quanto maior a cc do carro, maior as emissões e é com base nisso que são feitas as contas.

            Não achas que uma MT10 ou uma Ninja 1000 emite mais que uma PCX 125?

          • Toino says:

            Se calhar uma Ninja actualmente até não polui mais que uma motorizada 125 antiga, de qualquer forma o meu carro é de 2002, diesel 2.4 e paga à volta de 70€. Pelo que já li aqui há quem pague 100€ com um 1.0.
            Uma coisa se pode concluir…estas taxas têm tanto a ver com poluição como o IMI. São impostos e pronto.

          • Tiago Brito says:

            Um carro de 2002 paga selo, não iuc, é consideravelmente mais barato.

          • Tiago Brito says:

            Ou se não é selo é uma tabela diferente dos carros de 2007 p a frente.

        • Ah pois é! says:

          Não pagar portagens para manutenção das autoestradas?
          OK. De onde viria o dinheiro para a manutenção? Dos impostos de todos, mesmo dos que não usam autoestradas?
          Olhe, aqui no interior tínhamos as SCUT, agora pagamos portagens. Tudo bem usufruímos das mesmas, embora se tenham perdido turistas, empresas e empregos com isto. O problema está nos contratos com as concessionárias e os lucros garantidos!
          E no entanto, sempre pagámos as obras faraónicas eternamente concentradas (principalmente) em Lisboa, incluindo muito asfalto sem as ditas portagens!

  3. Scurato says:

    Só caça à multa.

    • Tiago Brito says:

      Só pode achar isso se estiver nessa situação, senão deveria estar grato por obrigarem a quem circula na estrada de ter os veículos em condições, para sua protecção.

      • Tiago Brito says:

        *ter os veículos e condução em condições.

      • Joao says:

        Nunca conduziste uma mota verdade?

        • Tiago Brito says:

          E isso é relevante porquê?
          E você, alguma vez fez exame de código?

          Bastará dizer que já apanhei muito susto com motas quando vou a ultrapassar outros carros, por causa de cretinos que acham que esperar não é para eles, mais vale atrapalhar uma ultrapassagem alheia com uma ultrapassagem pela direita, arriscando a própria vida.

          Também já provoquei um par de sustos (nunca propositado) a fazer pisca para retornar à direita (como manda a lei) depois de terminar a ultrapassagem. Faço pisca para a direita, olho pelo retrovisor antes de mudar de via e vejo um urso que se preparava para me ultrapassar pela direita (enquanto eu próprio estou a ultrapassar, e pela mesma via que eu), que se assustou com o meu pisca e travou a fundo e está a tentar controlar a mota para n cair.

    • José Carlos da Silva says:

      Se houver o cumprimento que é suposto, esperado e, acima de tudo, devido, é caça a quê?

      • Pedro says:

        Caça à multa para mim é apenas os radares escondidos/não identificados
        De resto se os agentes andarem identificados não tenho problema nenhum até acho que é algo que deve ser feito como condutor de carro e moto, mas neste caso afeta-me mais quando vou de moto, um carro com repro ou com algum problema no turbo manda numa nuvem de fumo negro que não se vê nada isso devia levar com apertos maiores

  4. Rui Ribeiro says:

    Não faz por quê? Se o imposto é calculado com base nas emissões de CO2, não vejo em que é que o CO2 dos carros seja diferente do das motos…

  5. Zino says:

    Estupidamente já pago muito mais do que a maioria dos carros em imposto. Qto à fiscalização não difere em nada do habitual, capacete, regras de transito, condução sob influencia…
    Mais propaganda para não dizerem que não se faz nada para reduzir as estatisticas. O que vai sair daqui é mais coimas por alterações das viaturas.

  6. int3 says:

    “A operação é justificada pela “gravidade e consequências dos acidentes que têm ocorrido”.”
    Deixa-me rir. Os factos são claros. As fatalidades têm vindo a descer sempre todos os anos.
    É só mais do mesmo. Justificar multas com base em falsidades facilmente demonstrado errado.
    Ainda há pouco vi notícias sobre as motas de alta cilindrada. Passei a saber que acima de 125 é alta cilindrada. Que grande perigo quem tem uma 250 que mal passa dos 120… jornalismo vendido!

    • iDroid says:

      Quando conduzes uma mota a carroçaria és tu; se tiveres um acidente a 120 numa mota não sei se vais estar aqui para contar a história…

      • int3 says:

        E? E se tiver um acidente a 90? a 70? a 50? a 30? a 10? Queres discutir agora as velocidades? Se for por essa ordem de ideias então ninguém andava na estrada muito menos de duas rodas!

        • iDroid says:

          Mesmo que conduzas a uma velocidade muito inferior estás muito mais sujeito a acidentes de gravidade quando andas de mota.

          Eu tive um acidente de mota (uma 650cc) a 50km/h em cidade e parti uma perna contra um carro, destruindo completamente o para-choques traseiro. Posso dizer que tive muita sorte, pois podia ter vindo um carro em sentido contrário e teria morrido na hora.

          Deixei de andar de mota, pois realmente não vale a pena arriscar a vida quando existem outros meios de transporte mais seguros.

    • carlos almeida says:

      Estão apenas a arranjar justificações para aplicar a taxa das inspecções às motos.
      As inspecções não servem para nada e a prova é que os acidentes não desceram mas os automobilistas têm de sustentar essa malta das inspecções periódicas.

  7. iwnl says:

    Já devia ter sido mais cedo.

  8. TugAzeiteiro says:

    Eu só gostava de saber, desse incremento de acidentes que a PSP fala, a percentagem de 125cc conduzidas por malta que só tem carta de carro!?
    É que é tudo muito bonito, mas conduzir uma mota é totalmente diferente de conduzir um carro, e a maioria que compra as 125cc não tem os mínimos de conhecimento! Se com sol já é o que é… com chuva então…….
    E sim… claro que sim, há muito monte de esterco a conduzir motas com cilindradas grandes, que só fazem porcaria, que não respeitam nada nem ninguém…. mas é igual nos carros!
    Todos os dias vejo ultrapassagens perigosas, faltas de piscas, rotundas mal feitas, pneus que já passaram para lá de carecas, malta que nem olha ao retrovisor e manda-se para cima do carro que vem há esquerda… etc etc etc… e nada é feito!!!
    O problema está na PSP em si… que prefere ter o carro com o radar estacionado à sobra, do que fazer patrulhamento diário e punir de imediato os infractores!

    • Daniel Lopes says:

      O problema está nos condutores, que não sabem conduzir em sociedade e da policia, que lá está, prefere tar na sombra da bananeira e só esperar que os patos passem pelo radar…
      Eu como condutor, sei que faço inumeras infrações devido aos outros condutores… E porque que acontece? Falta de civismo descomunal que existe pelo proximo, e se cometes uma infração para ultrupassar o urso, ainda levas bozinadelas e ouves palavras menos amigas…
      “Todas” as infrações que cometo é devido a isso, ao egoismo ou estupides destes condutores.

      Maior exemplo é a faixa da esquerda em Portugal 😉

    • Mojojojo619 says:

      Concordo contigo@TugaAzeiteiro

      Desde que veio as 125 Lisboa parece uma concentração de RAinbows (Aspiradores)
      Eu tenho carta de mota e tenho uma 600 mas nem de longe se compara o que malta que anda a aspirar as faixas faz…
      No outro dia ia levando com capitao bala em cima de uma vespa ~.~

  9. Philleas says:

    Esta semana o jantar vai atrasar na Uber eats 🙂

  10. Luis Silva says:

    E verificação de veiculos com emissoes claramente acima do permitido para dos motociclistas?

    Já agora façam a A5 á paisana e mandem encostar todos aqueles que lancem beatas pelo vidro….fazem o mes em poucas horas

  11. Joao says:

    Boas, eu gostaria de ter mota mas quando conduzo vejo alguns automobilista que pensam que a estrada é deles o mesmo para alguns motociclistas. Eu acho que para reduzir a sinistralidade devia ser obrigatório ter uma camera que gravasse a viagem e se alguém registasse manobras perigosas pudesse enviar as mesmas para a PSP multar. Assim julgo que as pessoas pensassem duas vezes. Eu de certeza que já tinha enviado uns poucos de videos de condutores sem respeito nenhum.

    • José Carlos da Silva says:

      Eu tenho câmaras nas minhas viaturas, gravo N situações perigosas e transgressões gravíssimas que põem em risco diversos utentes. Inclusivamente já identifiquei alguns condutores/empresas e apresentei as imagens às autoridades. O que me foi dito foi algo com “Oh amigo, situações dessas são o pão nosso. Não houve nenhum dano ou acidente, pois não? Não podemos fazer nada”.

      E assim andamos todos nós, impunes e sem responsabilidade, a cantar e dançar alegremente.

  12. Carlos says:

    Tarados há nas motas e nos carros. O problema das motas é que não há chapa para sustentar o cabedal.

    Mto desse pessoal dos enlatados que compra 125cc é um verdadeiro perigo.

  13. O novo do restelo says:

    Como é que eu já adivinhava que este conteúdo daria imensas mensagens e a maioria seriam de motociclistas a dizerem que são “coitadinhos”, que os policias são malvados e que não faz sentido nenhum as motas terem inspeções, respeitarem regras ou até pagarem impostos…. e que razão haveria para tal?! Nenhuma, mas acham -se acima dos outros, inclusive ultrapassarem pela direita, andarem muito acima dos limites permitidos, matrículas que ao andarem sobem (Ou estão dobradas).

    E atenção que sou motociclista, mas vejo o que a maioria faz. Até digo desde já que um conhecido polícia no trabalho fiscaliza, mas horas vagas faz Lisboa- Porto ou Lisboa- Algarve em quase metade do tempo do que se fosse a cumprir limites… assim é Portugal

  14. zéparvo says:

    Para aqueles que reclamam que as bicicletas não são obrigadas a sequer terem seguro… isso vai mudar…

    Retiro do seguinte link isto “Se os carros serão autónomos e as pessoas vão andar mais de bicicleta e trotinete, será preciso alterar os seguros”.
    Link: https://eco.sapo.pt/2019/08/18/tecnologias-vao-ameacar-grandes-partes-do-negocio-dos-seguros-antecipa-ageas/

    Para os actuais fundamentalistas das bicicletas e que gostam de atirar aos outros que não tem de pagar isto e aquilo… “ouch…” Aproveitem enquanto é gratuito mas recordem-se que se forem apanhados a passarem um semáforo encarnado e se fizerem como muitos fazem de ora seguir pelo passeio, passadeira e estrada conforme semáforos verdes… pagam na mesma um valente multa e serão retirados pontos se carta para algum tipo de veiculo motorizado…

    Quanto à noticia… é discriminatório e contra o que está na constituição quanto a direito de tratamento de igualdade, quando se indica uma campanha de fiscalização de “2 rodas em segurança” e apenas se faça a fiscalização às 2 rodas motrizes… ou então é apenas uma falha do marketing da campanha de fiscalização que se esqueceu de mencionar motociclos de 2 rodas – e novamente digo… e os motociclos de 3 rodas ficam safos ne?!

  15. Paulo says:

    O vosso artigo refere a fiscalização dos veículos motorizados de duas rodas (motociclos e ciclomotores) e os comportamentos de risco dos condutores de outros veículos “que coloquem em causa a segurança dos motociclistas/ ciclomotoristas”, tal como consta do comunicado, ou só refere os motociclos?

  16. Marco Dias says:

    A fiscalização deve ser feita, em carros e motas. Inspecções idem.
    Só gostava de perceber o valor exorbitante do IUC nos motociclos.
    Um automóvel 2.0 a diesel, anterior a Julho de 2007, paga 43 euros de IUC. Um motociclo novo de 800cc, para 127 euros e uns cêntimos. O automóvel polui mais que o motociclo, desgasta mais o pavimento e paga um terço do valor?

  17. Dona Rosa says:

    O velho e sempre argumento do imposto de circulação das bicicletas…

    Adoro…

    Eu adorava pagar o IUC… Mas depois o que é que a malta dos carros e motas ia dizer contra as bicicletas?

    Passsar um vermelho depende do civismo de cada um…
    “ha e tal os ciclistas não param nos vermelhos…” eu de carro tb nao paro nos vermelhos e agora ?

    (brain explosion)

  18. Joao Magalhaes says:

    Como civismo não se ensina, a melhor solução é a prevenção através de multas pesadas, aí funciona o provérbio ” quem tem cu tem medo” porque de resto nada funciona, portuguesas têm graves problemas nas mãos e grave problema de respeito pelos outros.

  19. Carlos rodrigues says:

    sim, só os motociclistas é que fazem mer** , os condutores de veiculos de 4 rodas então são super exemplares…posso garantir que grande percentagem dos acidentes são causados por os automobilistas.
    em 200 acidentes que haja durante 1 dia por portugal inteiro, gostava de saber quantos é que são causados por os motociclistas e quantos são causados por veiculos de 4 rodas… só quem anda de mota é que sabe, porque para os automobilistas toda a gente que anda de 2 é arruaceira, mas gostava de saber mesmo quantas motas é que vêm estacionadas em lugares reservados a deficientes…vêm praqui dar musica da taxa de sinistralidade das motas, só podem estar a gozar certo, quando a malta que anda de carro só usa os piscas para pendurar as revisões e os espelhos nem sabem onde eles são, andam dentro do carro de vidros fechados , a ouvir musica e se for preciso ainda vão na conversa com o passageiro ou ao telefone completamente alheios ao que se passa lá fora, mas a culpa dos acidentes é sempre da malta que vai de mota…ah e tal a mota faz muito barulho, grande parte de quem anda de mota por vezes ve-se obrigado a ter os escapes nesse registo devido aos condutores dos veiculos de 4 rodas para ouvirem bem quem vêm a trás, já que não fazem uso dos espelhos.
    Acho piada a noticia , pois se a PSP devia de dar o exemplo e usar os piscas que já por diversas vezes q circulei a trás de carros de patrulha durante um bom tempo e nem um fazem, mas depois querem fazer prevenção de segurança rodoviaria…nem dá para argumentar com isto porque nunca vi nada tão descabido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.