Qual é a linguagem de programação mais popular?


Destaques PPLWARE

75 Respostas

  1. Fernando says:

    Não acho correto aprender C++ antes de aprender o C. É no C puro que temos o melhor conceito de programação e depois migrarmos para o C++, que é um superset do C.

    C++ sem o STL é praticamente um C com suporte melhorado à objetos. É no STL do C++ que toda a mágica acontece.

  2. Victor F. says:

    Eu ando a ganhar coragem para ler um e-book chamado “Think Python” onde o conceito é muito interessante, pois ele diz que o fundamental não é aprender uma linguagem mas a programação da mesma e a partir daí enveredar para outras variações .

    “Focus on programming, not the programming language.” – Allen Downey, Think Python

    • toni da adega says:

      E faz todo o sentido, o mais importante é a arquitetura do sistema e como é desenvolvido. A linguagem embora seja importante fica sempre em segundo plano.

    • Alexandre Queiroz says:

      quando puderes ler, lê. É muito bom.

    • Carlos M. says:

      É verdade e faz todo o sentido. E vai contra o que a maioria das empresas (em Portugal) querem, como não sabem em que linguagem ou linguagens vão programar, tentam recrutar um programador que saiba muitas linguagens. Pensando que, quantas mais linguagens souber, melhor é o programador. O que é Errado!

  3. Aguamenti says:

    Pena o Delphi não ser mais divulgado pela Embarcadero. Ainda existe a ideia da “linguagem fraca” que remonta a uns 45 anos atrás com as origens do Pascal.

    Para iniciação, recomendo Python antes do C. Já C++ ainda é um pouco proibitivo para iniciação, apesar do C++14 já ser um standard bem conseguido.

    • andre says:

      A primeira definição deve estar associada ao paradigma a ser usado.
      Se for paradigma de programação estruturada o C é a melhor opção.
      Se for paradigma de programação orientada a objeto temos 3 opções, C++, Java, Python.
      Se quer desempenho a opção natural é C++; Se for para web Java; Se for protótipo de software ou software de pequeno porte, sem demanda de velocidade, Python é bacana.
      A ideia de que C++ é proibitivo para iniciação é equivocada. Não é necessário aprender tudo de C++, é perfeitamente possível um iniciante aprender diretamente C++, é só não usar os recursos avançados.
      Tem muitos livros de C++ para iniciantes.
      Ademais, outra grande vantagem de C++ é que você aprende o básico, faz vários algoritmos, depois o intermediário e só depois de já ter feito alguns programa aprende o avançado. Aliás, deve ser assim com qualquer linguagem.
      Quem aprende C++, aprende C e Java em poucos dias.

  4. Redin says:

    Procuro um programador Java para o meu projeto de parceria em sociedade.
    http://www.portugal-a-programar.pt/forums/topic/74283-co-founder-para-start-up/

    • Ricardo Lopes says:

      Condições oferecidas: Proposta de sociedade por quotas e com possibilidade de habitação sem custos.

      Mas quem é que vai aceitar estas condições? Vives em que mundo?

  5. Manuel Santos says:

    Isto é uma treta. Linguagens como Java ou Python ou C, são linguagens para aprender. Mais tarde em ambiente empresarial o seu uso é residual.

    • Gonçalo says:

      java residual?

    • Fernando says:

      Programo em C para microcontroladores e posso dizer o seguinte: Para aplicativos comerciais e de acesso a banco de dados geralmente não faz sentido usá-lo, mas para programação de firware ele é praticamente o padrão do mercado.

    • Aguamenti says:

      Quando acabares o débito de asneira, avisa. Podem não ser usadas na(s) área (s) em que trabalhas, mas inserem-se em muitas outras.

      • Manuel Santos says:

        Ando nisto há mais anos que tu. E passei por várias empresas e em nenhuma delas era pedido essas linguagens e ao longo desses anos vi poucas a pedirem Python, Java e muito menos C. Agora .NET C#, VB, Javascript, disso vi muito. Nomeia empresas que usem essas tecnologia…

        • Sérgio J says:

          Depende do que fazes. Se alto nível para o segmento empresarial , sim. Net na sua maioria. Se for para o mundo mobile tens o Java em força. Se for para o mundo dos embebidos tens c/c++ em esmagadora maioria. Provavelmente o Peyton é muito usado na segmento net, mas aí não é o meu segmento e não posso falar.

        • APereira says:

          Nao me parece que andes nisto há tantos anos quanto queres fazer parecer, principalmente por nao saberes o background dos users que por cá andam.

          Para te dar uma dica, quando iniciei a minha vida enquanto programador ainda nao existia .NET, e nao existiu durante mais praticamente 1 decada.

          Sim Java, Phyton e C sao amplamente usado, só quem nao conhece o mercado é capaz de dizer que nao… é complicado contratar pessoal a programar nessas linguagens? Sim é, mas que é muito usado é.

          • Manuel Santos says:

            Ando em programação desde 1989. O background dos users que cá andam é dos que aprenderam C e Java. O problema do C é que é muito específico e em Portugal é um “nicho”. O problema do Java é que tem muitas variações no ambiente de programação e isso é mau para arranjar trabalho mais facilmente. Se são populares? são sem dúvida mas porque foram linguagens académicas obrigatórias…

          • APereira says:

            Sim sim, pela quantidade de asneiras que já disseste aqui deves mesmo de andar nisto desde 1989…

            Ou isso, ou és daqueles que se acomodou a uma linguagem e por nao saber mais anda nem ter capacidades para aprender agora fala mal de outras.

            Qualquer forma, como disse… se estás nisto desde 1989, estas a relativamente pouco tempo mais do que eu.

          • APereira says:

            Ja agora, ainda a minutos dizias que ninguém usava Java nem C…agora já sao populares… certo.

          • Manuel Santos says:

            em ambiente empresarial são pouco usados… (ou muito usados mas em poucas empresa). isto foi o que eu disse

          • APereira says:

            @Manuel Santos,

            Mesmo que tivesses dito isso, está errado.

        • Nocode says:

          Manuel dou-lhe 4 nomes que usam java ou c# ou javascript a nivel empresarial:
          -Novabase
          -Celfocus
          -wedo (sonaecom)
          -critical software

          Todas elas quer para clientes nacionais como estrangeiros. Se a industria ao nivel empresarial que conhece nao usa nao significa qur seja transversal…facilmente nas telcos ou energia se usa este tipo de tecnologia ja na banca esta agarrada às velhas guardas do cobol.

    • Manoel Angelo says:

      Quais linguagens que se utilizam mais em meio empresarial?

      • toni da adega says:

        Em meio empresarial diria .NET (C#) e Java

      • Manuel Santos says:

        .NET C# / VB devem ser metade delas. A seguir HTML5/Javascript. Depois Java e depois as outras todas…

        • APereira says:

          Oh meu caro…

          Depende dos projectos e dos requisitos…uma boa software house deve de ser versatil o suficiente para poder aceitar projectos em quase tudo.

          .NET é muito usado sem duvida… nao estou a ver VB a ser muito usado…c# sim.

          Depois disso, PHP, Java, C++.

          Se formos mais deep, ainda encontras algumas empresas a usar ruby.

    • Jorge Arada says:

      Já que o seu uso é assim tão residual, quais são as mais comuns no nas empresas? Cobol e RPG?

      • Manuel Santos says:

        já respondi a isso…

        • Jorge Arada says:

          Em todas as empresas por onde passei a main language era Java. (EE e SE)
          Onde trabalho atualmente, uma das maiores empresas do pais, 65% do software é .net based (c#). Mas temos muita coisa em pyton (data Science stuff), java, Scala (bigData stuff e Android), swift (IOS) e todos os front offices são feitos em JavaScript entre outras coisas que existem por aqui que nem conheço

          • Manuel Santos says:

            Essa última empresa condiz com o que disse… .NET e javascript dá para a maior parte… depois vem alguns projectos noutras linguagens… Empresas a pedir Java EE/SE tenho visto muito poucas

          • APereira says:

            Ok… já percebi que o Manuel Santos pensa que Java é JavaScript…

            Desde 1989… oh meu Deus.

    • RuiZ says:

      Ridiculo, Java é de longe a linguagem mais usada em ambiente empresarial.

  6. Filipe says:

    Sem dúvida a tua opinião. No entanto, reforço o que os outros já escreveram aqui, que a maior parte dos programadores a “sério” sabem que o .Net é a melhor solução para programar. E o java é trampa como a tua fuça 🙂

  7. Filipe says:

    Essa é a tua opinião. No entanto, reforço o que já foi escrito aqui por vários leitores e experientes da matéria. Programação a sério é o .Net e o melhor IDE é o Visual Studio. Várias empresas de programação afirmam que o java é trampa, tal e qual como a tua fuça 🙂

    • Carlos M. says:

      Queres dizer VB.NET(Visual Basic .NET)? Porque o .NET não é nenhuma linguagem programação, pelo menos que eu conheça. Agora o IDE Visual Studio .NET, é sem dúvida um dos melhores IDE que permite programar em várias lingagens, VB.NET, C#, ASP.NET, etc.

  8. Fernando says:

    E o Qt? Está no mesmo pacote do C++ ?

  9. Az8teiro says:

    C para baixo nível; Python/java para alto nível; Java é muito usado no mundo empresarial, e é bom mas leva algum tempo a aprender.

    Python, é o típico exemplo de faz qualquer coisa em 10 linhas. Qualquer miudo com 14 anos consegue aprender rapidamente, é de aprendizagem fácil, produção/deploy do mais rápido que conheço, numa hora fazem-se programas complexos… Há suporte para quase tudo*

    É capaz de ter ligeira desvantagem para o C a nível de eficiência, mas enquanto se demora uma hora para fazer um programa em C, em python é menos de 15min..

    • andre says:

      Isso só é verdade se considerar que as bibliotecas auxiliares estão disponíveis para Python e não estão para C.
      Existem milhares de sites com bibliotecas de código pronto em C.
      É só baixar e usar.
      E esconde um fato desastroso. Python é quase uma centena de vezes mais lento. Ou seja, rápido fazer, mas quem paga o pato é o usuário…
      Só faz sentido usar Python em programas comerciais em que a demanda por processadores é pequena.

  10. owZee says:

    Estas conversas de qual a melhor linguagem são sempre a mesma coisa … Cada um a achar que é melhor que o outro porque conhece uma linguagem e besteiras desse genero… “a minha(linguagem) é maior que tua” 😀

  11. rui says:

    isto talvez seja um pouco off-topic mas o k é k têm a dizer sobre cursos profissionais de ti(10,11 e 12 anos)??

    • O Silva says:

      Depende do local, dos formadores e dos formandos.
      Podes sair com boas bases para o mercado de trabalho ou melhorares apenas alguns conhecimentos.

    • Rudy says:

      Fiz um curso profissional, e recomendo. O nível de programação que tive era praticamente o mesmo que se aprende nos primeiros anos da Univ.
      Isto já foi há uns 15 anos, não sei como está agora. De qualquer forma, é uma boa preparação para a vida profissional no aspecto de teres objectivos e horários mais rígidos.
      Também é uma boa forma de fugir à seca que é ter todas as disciplinas teóricas 😉

      • rui says:

        hoje em dia o no 10º dá-se essencialmente a lógica de programação por exemplo pascal ou delphi e nos anos seguintes outras linguagens como por exemplo visual basic e mysql entre outras

  12. O Silva says:

    Quanto as linguagens, depende dos projetos.
    Se já têm muita coisa desenvolvida numa determinada linguagem é natural que a utilizem mais.
    E depois do âmbito de utilização(PC, móvel, web, sistemas embebidos).

  13. nelson vasco says:

    Para que se desenvolva um software sempre ira precisar de uma linguagem de programação,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.