Quantcast
PplWare Mobile

LibreOffice 5.1 – É hora de abandonar o Office da Microsoft?

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Pinto


  1. João says:

    Se vier com 1Tb em uma nuvem, 60min em um voip, eu troco.
    Do contrário, continuo com o msoffice.

    • car v alho says:

      nem mais!

    • Joe Fagundes says:

      Suponho que, com o que se poupa na licença, se consiga bastante mais do que 1TB de alojamento e 60mins em chamadas.

    • Antonio says:

      e ainda levas a miuda da foto

    • Victor says:

      Really? Não tens mesmo mais onde gastar o dinheiro!?

    • EC says:

      Ainda acrescento algumas funcionalidades que para mim é fundamental:
      Permite ligação de dados à databases relacionais, tais como SQL Server e Oracle?
      Tabelas Dinâmicas avançadas e projecção de cenários em folhas de cálculos?
      SmartArts eficazes e sem problemas de compatibilidade?
      Ferramenta de gestão e emails e integração ao Sharepoint?
      Colaboração e co-criação de documentos em tempo real?

      Utilizo ferramentas para trabalhar a sério e produzir em menor tempo possível. Libre Office é uma boa opção para uso pontual, simplório e pouco exigente, mas para ambiente produtivo empresarial multiplataformas ainda está anos luz do MS Office. O barato sai caro…

      • rui says:

        Se isto desse para colocar imagens gif nos comentários como resposta, usaria um popular no 9gag que mostra cena de um filme qualquer (não sei qual é) em que aparece o actor Steve Carell a bater na mesa e a dizer “thank you”. Finalmente alguém que mostra que estas suites gratuitas não servem para trabalhos “a sério”. Para coisas tipo trabalhos da escola e para aquelas empresas que usam o office apenas para documentos mais simples, ou apresentações simples para ambiente interno e outras coisas assim simples, uma destas suites gratuitas serve muito bem. Não estou a dizer que são más. Bem pelo contrário. O libreoffice penso que até é a mais potente das gratuitas e bastante completa, dado que experimentei todas numa máquina virtual em tempos. Mas para coisas complexas que requiram por exemplo “Colaboração e co-criação de documentos em tempo real” como referiste, só aí, para mim caíam as gratuitas todas pois é uma feature que uso quase todos os dias. Aliás, do que referes só a parte das bases de dados relacionais é que nem sempre tenho necessidade de mexer. Agora o resto é quase todos os dias, tanto pelos meus cursos como pelo trabalho. O office é caro? Pois é. Isso ninguém tem dúvidas. Mas se juntarmos tudo o que se pode ter com aquela subscrição, complementando as gratuitas com outras ferramentas e adquirindo o resto à parte, o preço final seria superior. Mas os haters não sabem fazer contas. Só sabem dizer que não presta, mas nunca precisaram de mexer em grande parte das funções.

      • André says:

        MSOffice, o ERP mais utilizado do mundo….
        Queridos amadores 🙁

      • Pedro says:

        O LibreOffice oferece práticamente as mesmas funcionalidades que o Microsoft Office mas ambos têm diferenças.
        O Calc em termos de funcionalidades é práticamente igual ao Excel e tem uma vantagem que é reconhecer muitos mais tipos de ficheiros que o Microsoft Office. No entanto tem um UI menos intuitivo que o Excel em certos aspectos.

        O Write está práticamente igual ao Word. Já o Impress é que é está mais rudimentar que o Powerpoint embora tenha tido grandes progressos.

        Depois tem o Draw que é uma aplicação de desenho vector based (tipo Inkscape), o Math que se pode usar para fazer equações, etc.

        No entanto, o LO não é um clone do Microsoft Office, não tem um overlap total do software. Por exemplo, falta-lhe uma ferramenta de gestão de bibliografias nem tem uma alternativa ao Outlook (para isso existem outros softwares open-source.
        Além disso, como a Microsoft nem sequer respeita o seu próprio standard aberto OOXML, existem sempre ligeiros problemas de compatibilidade entre os dois softwares (nota-se muito nas apresentações Powerpoint e não no resto).
        Logo exige sempre adaptação se houver uma transição de um para outro.

        Pessoalmente, uso os dois e acho que são complementares. Mas num ambiente empresarial para ser considerado como uma alternativa vale mais a pena apostar numa versão paga do Libre Office com suporte técnico garantido da Collabora.

    • David says:

      Não concordo com este tipo de artigos que colocam estes grandes softwares como vantagens o ser gratuito. Admiro muito o Libreoffice e toda a filosofia em torno do Open Source e também compreendo o autor do artigo.

      Penso, uma vez mais que ninguém tem qualquer interesse de vos dar nada. Para dizer a verdade não é essa a “missão do open source”. O que se pretende principalmente é partilhar conhecimentos.

      Se queres espaço João tens de o pagar. O libreOffice não quer dar-te nada acredita. Eles não são uma misericórdia. Eles partilham um trabalho fantástico para pessoas que queiram usa-lo como usuários ou para estuda-lo, modifica-lo, etc. É gratuito, mas não vamos pensar que por ser gratuito que não é pago. Podemos contribuir com o projecto monetariamente ou com o nosso trabalho.

      O que devia ser mais destacado são as funcionalidades da suite. Não sou um utilizador antigo, uso-o a muito pouco tempo para poder ajudar. Posso dizer que a nivel o calc em comparação ao excel consigo fazer tudo e é feito praticamente da mesma maneira.

      O office da microsof é muito bom e continua a ser o melhor a nível de usabilidade além de ter muitas ferramentas interessantes. Se o pagas-te tens todo o direito a usa-lo.

    • Khidreal says:

      sim sim… quer dizer, é gratuito, não tem publicidade e ainda te dão suporte totalmente de graça… e ainda queres que a Documment foundation the pague 1TB de cloud e 60min em chamadas? poupa-me pá…

      é por isso que eu digo que esta gente não sabe pensar, sinceramente… a MS, pagas 100 euros pra ter o office e depois quando sai outra versão ainda tens de pagar mais 100 euros… e o suporte é péssimo segundo ouvi dizer…

    • Omniscious says:

      Se não quero nuvem, nem voip porque raio é que haveria de estar a pagar uma renda à Microsoft?

  2. Jonh says:

    Acho o LibreOffice cada vez mais parecido com o MSoffice, veja-se pelas novas funcionalidades e funções no calc: “Ocorreu um erro” 🙂

    • Luís Lemos says:

      Ri-me mais do que de via quando vi esse erro!!!! 😀

    • N'uno says:

      Não estou a ver o que o LibreOffice possa ter a ver com esse erro. Para além disso, o vídeo que deveria estar aí está acessível no topo da barra do lado direito.
      Esta ironia denota algum escárnio. Não vou comentar…

    • jorge santos says:

      O vídeo deve estar alojado no Sapo.
      O Pplware deve começar a colocar os vídeos no Youtube para não haverem problemas de visualização constantes. Lá vou ter de ir ao Youtube procurar este vídeo…

      • N'uno says:

        Às tantas é uma daquelas publicidades com que nos brindam no início que está marada! 🙂
        Youtube não deve ser solução, pois está bloqueado em muitas empresas…

  3. ZarkBit says:

    Alguém que esteja atualizado em relação ao libre office, como está a compatibilidade em relação ao Office da Microsoft?

    • Wagner says:

      Olha… eu não sei quanto a criar documentos no LibreOffice nativamente. No entanto, semana passada criei uma planilha com gráficos no Excel, salvei como XLSX, normalmente, e por curiosidade tentei abri-la no Calc: o resultado foi péssimo! Todos os gráficos descaracterizados. Não houve compatibilidade alguma.

    • Nuno Cardoso says:

      Uso no trabalho o Draw uma vez que não tenho disponível o Publisher para criação de rótulos e neste a compatibilidade é fraca, apresenta desformatação a nível de imagens e textos. A única coisa que mantem certo são as caixas de texto. Das outras aplicações não posso comentar.

    • N'uno says:

      Se a ideia é editar documentos nos dois mundos, diria que ainda não está lá, embora perto. Contudo, para utilizações mais simples, que servirão uma larga maioria de utilizadores, já poderá ser suficientemente compatível.

    • João says:

      Não está perfeita, naturalmente.

      Mas diria que está bastante aceitável (naturalmente que há sempre sacrifícios a fazer de qualquer um dos lados)!

    • urtencio says:

      Uso o libre office à muito tempo, é certo que para poucas coisas mas até agora nunca tive nenhum problema. No que toca à compatibilidade também não tenho nada assinalar, e julgo que cerca de 90% dos documentos que abro com o Libre Office são oriundos do Microsoft Office.
      Recomendo

    • Zaark says:

      Se nem o documentos Office são totalmente compatíveis entre versões graças a tanta invenção sabe-se lá de quê e um certo desrespeito pelos standards, admirado ficaria eu se a compatibilidade com qualquer outra suite chegasse sequer a 80%.

    • Alexx says:

      Com o Cal tenho tido alguns sabores em folhas mais complexas, a formatação excel não é respeitada, a relação de cálculos e formulas entre diversas folhas sujeitos a erro. Isto é, o que é feito no excel é para lá ser utilizado, o que é feito no calc é para lá ser trabalhado, andar com as coisas de um lado para o outro é um convite ao erro e a ter muito, mas mesmo muito trabalho (p.x, dá mais trabalho corrigir do que criar). Claro que falo pela versão anterior à agora apresentada.
      Conclusão é uma boa “suite de produtividade” mas … para quem têm preocupações ou exigências mais avançadas e obrigatoriedade de partilhar documentos … é melhor ficar-se pelo office da ms.

    • 34 says:

      se te cingires ás funções mais básicas está quase lá (tenho-o no pc de casa e cinco estrelas), á medida que começas a usar funções avançadas, como formatações condicionais, macros, bases de dados, etc… nada funciona bem, ou não funciona nem bem nem mal, conforme…

      • N'uno says:

        Essas funcionalidades já começam a ser mais elaboradas e, para além disso, seguem lógicas proprietárias da Microsoft. Deve ser quase impossível manter alguma compatibilidade a menos que se paguem direitos. Mesmo assim, coisas como macros dificilmente funcionarão, a menos que o .Net seja efectivamente portado e venhamos a ter suporte para VBA em linux…
        Para grande parte das utilizações não serão estritamente necessárias, ou terão alternativas no Libre.

      • Douglas Ferreira says:

        Exatamente.

        No Calc mesmo tem algumas coisas que atrapalham um pouco com relação a funções: se usar uma função cujo nome tenha qualquer letra acentuada deve digita-la exatamente como segue. Assim, se for usar a função máximo() tem de digitar com o acento agudo. O mesmo acontece com éímpar() e várias outras.

        Outra coisa que me incomoda é trabalhar com planilha grandes no Calc. Qualquer planilhazinha com 1000 linhas corre sério risco de travar o aplicativo. Quando é algo mais sério tenho de salvar a cada alteração para ter certeza que não terei nada perdido.

        Macros eu já quase não tento mais.

        O software ainda está muito atrás do MS Office e não há o propor em troca.

  4. Zaark says:

    “Sem custos ao nível de licenças e normalmente sem suporte” – sem suporte?

    • Pedro Pinto says:

      Não tens suporte como tens na Microsoft.

      • N'uno says:

        Ok, mas daí a não ter suporte vai uma grande distância… E no caso Microsoft também depende do que pagares, entenda-se!

        • Pedro Pinto says:

          Lá está. Mas se o comprares podes pedir suporte.

          • pedrostrik says:

            o suporte da M$ é de bradar aos céus, principalmente na Tuga, para as empresas significa sempre em gastar euros em troca de suporte que nunca devia ter existido desde a origem, e veja-se a constante (in)evolução do interface do Excel , parece sempre propositado para obrigar as empresas a ter mais despesas em formação, em cima do preço da própria actualização.
            Por isso é que muitas empresas e institutos continuam com o office 2003, para mim um dos melhores excepto no word que foi e é muito mau , de longe a pior peça do office.

          • N'uno says:

            O suporte M$ é discutível e estupidamente caro. E muitas das questões remetem para o sistema operativo e/ou as suas ligações em rede. Esse suporte então custa os olhos da cara! Se vamos comparar suportes teremos que alargar o âmbito, e estamos muito longe de não ter equivalências no mundo open…

  5. Dedo Maroto says:

    Eh lá, mas caganda Office, isso é de borla?

  6. HP says:

    A única coisa que me prende ao MSOffice é a compatibilidade entre os dois software. Nos tempos de estudante usei por várias vezes o LibreOffice e tinha sempre problemas de incompatibilidade a nível de formatação quando abria o mesmo ficheiro num dispositivo com MSOffice. Sim, salvar como PDF resolvia o assunto, mas a realidade de grupos de trabalho e dissertações é feita a nível de word e era aí que havia problemas.

  7. carlos says:

    se não era hora de abandonar com o libreoffice 5.0 não vai ser uma mera cosmetica com a 5.1 que vai fazer abandonar o MS-Office. Além disso ficheiros grandes no libreoffice é um pain in the ass comparativamente com o MSO!

  8. João SIlva says:

    O Calc já deve trazer o novo operador para o Centeno junto com o Galamba fazerem contas de sumir!

  9. kekes says:

    Agora tem black screen of death

  10. Gentleman says:

    Qual é o melhor entre o libre office e o kingsoft office?

    • Alexx says:

      Pessoalmente prefiro o Kingsoft Office só que … Depois de algum tempo somos “aconselhados” a adquirir a versão comercial e ficamos impossibilitados de trabalhar. O KO respeitas as formatações word e Excel, o que Open ou Libre não fazem. Pagar pelo KO, bom então prefiro pagar pelo Office da MS.

  11. Paulo S. says:

    Uso o OpenOffice à anos e é quase, quase a mesma coisa.
    Muito bom para aquilo que faço.

    • Vlad says:

      Não é quase a mesma coisa. O OpenOffice é quase um morto vivo, anda por aí moribundo mas recusa-se a morrer. O OpenOffice Têm uma comunidade extremamente pequena quando comparado com o LibreOffice. Devido ao seu licenciamento não pode implementar código do LibreOffice enquanto que vice versa isto já não é verdade. Tem estado cada vez mais estagnado com falta de funcionalidades quando comparado com o LibreOffice,… Eventualmente o OpenOffice vai morrer.

  12. Alucard says:

    Já o uso há algum tempo e não me arrependo. Na minha experiência, trabalho com bastantes docx e xlsx e não tenho tido problemas de maior.

    • Alucard says:

      Deixo só uma primeira impressão sobre a nova versão 5.1. “Interface totalmente renovada”, moderem as vossas expectativas que eles não resolveram reinventar a roda nem copiar a Microsoft (e ainda bem). A melhor e mais significativa alteração tem a ver com a reorganização dos menus de aplicação. Por exemplo, os itens mais utilizados passam a figurar nas primeiras escolhas de cada um. Em Inserir, a opção imagem é agora a terceira opção, antes tínhamos que ir quase até ao fim do menu para a encontrar. Os menus estão mais limpos, mais lógicos, com mais ícones e menos subcategorias. Existem também três novos menus; no Writer o menu “Estilos”, no Calc o menu “Folha” e no Impress o Menu “Diapositivo”. Os painéis laterais ganham mais alguns ícones e existem novidades também nos menus de contexto.

      Em suma, é uma pequena grande revolução, julgo que não se mexia de facto tanto na interface do LibreOffice desde a introdução do painel lateral e nunca se mexeu tanto nos menus de aplicação desde o OpenOffice 1.0, provavelmente. Não há planos para imitar a interface Ribbon. Se gostavam do LO até aqui, ficou muito melhor. Se gostam da Ribbon da Microsoft, não é esta versão que vos vai fazer mudar de opinião.

  13. Justiceiro says:

    Recuso-me a usar essa App e a do MS Office. Só uso Oracle (Open Office).

  14. Serato says:

    Office é Office, o resto são imitações…

  15. Rocha says:

    Só aqueles menus do século passado levam-me a fugir.
    Ficaram parados no tempo.
    Por experiência e posso dizer que trabalho com ele profissionalmente todos os dias por imposição dos serviços, de compatibilidade com formatos microsoft, não tem nada.
    É só problemas de configuração a abrir esses documentos.
    Agora, para quem nunca trabalhou com nada, é como se diz em português “desenrasca”.

    • N'uno says:

      Os formatos Microsoft são proprietários e pouco amigáveis, até mesmo entre versões Microsoft.
      O problema de quem tem que trabalhar com formatos Office é que fica agarrado aos mesmos, até mesmo dependente. Afinal, nunca viram alternativas, e dificilmente aceitarão outras abordagens que não as que conhecem…
      Mas aposto que os formatos “open” que o Libre e todas as outras aplicações do mundo Open Source não dão metade dos problemas!
      Resumindo, quem não é obrigado a trabalhar com Office, não perde nada em utilizar o Libre.

    • jAugusto says:

      Instala o libreoffice-gtk que falta sempre na instalação para depois usares os icons e aspecto à escolha.

  16. rrp says:

    Quem é que paga a licença de MSOffice?

    • Luís says:

      quem tiver mais de 500€ paga mas depois as outras contas ficam por pagar. eu uso e só me socorro do office 2007 quando o tempo aperta. para utilizador comum chega. open source e reclamam de quê. e na conta de mail é thunderbird. open source all the way

    • rui says:

      Não vou estar aqui a incitar o uso de certas coisas não legais, mas se fores para uma empresa ou usas genuíno ou se houver problemas ao nível de licenças levas com as culpas também. Depois em vez de chorares pelos “500€” choras por bem mais que os 500 e pelo despedimento. Posso dizer por outras palavras que o teu comentário é um dos mais inúteis que está aqui neste artigo.

    • Mikes says:

      Eu! Office 365 e pago 69€ por ano.
      Com ele ganho o suficiente para pagar a sua licença e mais umas quantas coisa.

  17. Manuel says:

    Como ferramenta de trabalho parece-me muito interessante, se procuram compatibilidade, esqueçam. Então se têm docs com vba, é mesmo para esquecer. É uma excelente ferramenta mas não como alternativa para abrir docs do ms office.

  18. Henrique says:

    Não consigo gostar do LibreOffice Calc. Já tentei, juro que sim, mas não consigo.
    Infelizmente sou obrigado a trabalhar com ele mais de 9h por dia. Não gosto só por não gostar, eis uns exemplos: Gravar ficheiros csv é fantástico com isto (excepto que o BOM vai à vida, coisa que já foi reportada e verificada e mantém-se), mas vá lá, é coisa de perder mais um minuto e abrir o notepad++ e codificar com BOM outra vez. Crashes constantes, principalmente em ficheiros com mais de 15MB. ADORO! ADORO mesmo ter de começar coisas de novo quando estava prestes a acabar. Mas dizem vocês, “oh inteligente, e manteres o autosave activo?” Sim claro, experimentem e depois partilhem essa experiência (uma vez mais, estou a falar de ficheiros pesados). Os filtros têm um comportamento errático, então com a última implementação a UI passava-se mesmo. E finalmente, tal como alguém disse já, fazer gráficos no Excel é simples e fica com uma formatação bonita e moderna e passando para o calc, adeus formatação. Ainda assim, sem dúvida que dá para desenrascar, mas por opção, nunca será a ferramenta de eleição.

    • N'uno says:

      Deduzo que estejamos a falar da versão Windows. Mas o ponto aqui não será esse, mas sim o encoding utilizado para o texto. Provavelmente existe forma mais fácil de contornar. Agora, trabalhar numa folha de cálculo com um volume de dados dessa ordem de grandeza é que me parece uma prática pouco recomendável. No Office existe a pretensão de o utilizar como uma base de dados com um potente motor de BI, mas quando começamos a ter muitos registos, tudo pára e/ou começa a dar problemas. Eu trabalho todos os dias com Office, e uso exceis extremamente complexos, ligados a BDs, cubos e outras fontes, e posso afirmar que o Excel é um canivete suíço fantástico, mas ainda assim tem severas limitações e também dá grandes problemas. Não é tão cor de rosa quanto o querem pintar…

  19. jAugusto says:

    Uso e abuso.
    Existe quem se queixe do aspecto porque não instalaram o libreoffice-gtk.
    O writer e calc são porreiros e compatives para 99% dos usuários – basta saber gravar como – agora o que está um pouco menos bom é o Impress, mas o google slides está brutal e simples para desenrascar

  20. Filipe Coelho says:

    Acho o WPS office melhor que este, tem boa compatibilidade, tem possibilidade de ter uma cloud para partilha de documentos, funciona tanto em Android, iOs, Linux, Mac OS e Windows.

  21. chines says:

    se usarem ficheiros gravados com a suite libre tudo ok, senao dor de cabeça. uso e recomendo à anos. para empresas com orçamento apertado excelente alternativa aos xupoes que agora cobram mensalmente.

  22. Games2You says:

    Sempre usei e é uma alternativa poderosa ao Ms Office. Recomendo

  23. Osvander says:

    Engraçado li aqui nestes post sobre a incompatibilidade do libreoffice, eu só tenho arquivos ou documentos da msoffice da faculdade tanto do word quanto excel e principalmente de estatísticas avançadas. Todos abrem perfeitamente no libreoffice sem problemas. Não abro mão do libre, a anos o uso no linux.

  24. ww55 says:

    Gostaria de saber como será a gestão documental no futuro para as pessoas que trabalham com msoffice, pois a incompatibilidade de versões do msoffice é clara.

    • N'uno says:

      Como todos os formatos proprietários, caso a M$ se desintegre (nunca sabemos o dia de amanhã), todos os documentos do Office se tornarão uma boa dor de cabeça. A dependência que a malta tem a este nível é assustadoramente perigosa! Não creio que estes formatos sejam facilmente admissíveis para qualquer sistema de gestão documental que tenha como requisito durar alguns anos…

  25. ww55 says:

    1T de alojamento e 70 min de skype a ms pode retirar a qualquer momento.

    • Mikes says:

      Não, não pode! Esses extras fazem parte do Office 365. Só ficas sem isso se não renovares a licença!
      A mesma coisa acontece com o Adobe CC Que te dá uns quantos extras que deixam de funcionar a partir do momento que não renoves!
      SaaS – software as a service é isto mesmo. Pagar por uma licença que inclui uma quantidade de serviços extra e actualizações constantes.

  26. Nuno Santos says:

    Office da Miccroftsh§§§§ ja se foi xd

  27. O Movimento Livre says:

    Em Linux, ainda estou com a versão 5.0.4, mas parece-me igual… Qual é a diferença?

  28. Alucard says:

    Vê o meu comentário de ontem às 21h. A alteração que salta mais à vista é uma grande reorganização lógica dos menus Ficheiro, Editar, Inserir… E por enquanto acho que está bem feita e era necessária.

    Depois há muito mais, novas funções para menus de contexto, mais funções em painel lateral, suporte a várias “nuvens” em servidor remoto, etc.

    Dependendo do suporte da tua distribuição, provavelmente vais receber ainda a versão 5.0.5 e não a 5.1.0. Mas podes instalar os pacotes binários no sítio do LibreOffice para teres a mais recente.

  29. António says:

    Na versão para o Windows vista o impress está constantemente a encerrar, desistalando, parece que ainda não é desta.

  30. João Barnabé says:

    o problema é e será sempre a (in)compatibilidade com o ms office!

  31. Ruy Sabino says:

    Fico cada vez mais desanimado com estes embates desnecessários, sem embasamentos verdadeiros, levados quase aos tapas, basicamente emoções ou pelos “achismos” como se fala no Brasil. A resposta para esta matéria é bem simples: Sim e Não…Depende de cada caso, e do tipo de uso / usuário, aplicado à Suite Office, existem usuários que mal sabem fazer uma função de Soma no Excel..então lhes digo é necessário pagar o alto valor de um Ms Office para este tipo de usuário? Agora se o usuário já tem uma estrutura de conhecimento mediana, trabalha focado em produtividade, compensa pagar uma licença? Claro que sim. Sou usuário Linux “DESKTOP” a mais de 15 anos, aprendi usar o OpenOffice..depois BrOffice a agora LibreOffice..só fico a desejar quando trabalho com planilhas que eu mesmo fiz no Excel e tem alguma programação em VBA, só isto! Prefiro o Writer ao Word..Power Point / Impress só uso para abrir alguma apresentação que me enviam, criar uma..? acho que nem sei mais como se faz de tanto tempo..Exigir compatibilidade? Criticar o trabalho voluntário de milhares de desenvolvedores?? Jamais!!! Então antes de criticar, apontar falhas ou defeitos, seja mais realista! Quem é você e quem lhe dá este direito? O Libre Office está ai pra quem quiser usar ou aprender a usar, não estão te obrigando a pagar por isto! Senão gostou tudo bem, parta para outro rumo! Se gostou bem vindo ao time! Alternativas tem aos montes, então boa escolha e com trabalho!!

    • N'uno says:

      O problema, Ruy, é que pelo menos em Portugal maior parte dos utilizadores desktop confundem folha de cálculo com Excel, processador de texto com Word, etc. e, acima de tudo, sistema operativo com Windows. Cresceram nisso, não sabem trabalhar com outras coisas, se é que sabem trabalhar mesmo com as que têm… Criticar quando não se sabe é fácil e, concordo, fútil.
      O SDK do LibreOffice permite desenvolver macros em Java, Python, C++, Basic, etc. Não tenho dúvidas que se conseguem desenvolver análises complexas no Calc e implementar os mais variados automatismos, até porque a filosofia subjacente é open e permite um elevado nível de integração de fontes diversas. Como tudo, é necessário investir!

  32. abiper says:

    Nova funcionalidade, abrir ficheiro remotos. Tudo isto de borla, só usa quem quer.

  33. paulo g. says:

    Para quem tem linux ubuntu e derivados e não se importa de usar ppa’s, aqui vai a forma mais fácil de atualizar, usando o terminal:
    sudo add-apt-repository ppa:libreoffice/libreoffice-5-1
    sudo apt-get update && sudo apt-get dist-upgrade

  34. Khidreal says:

    eu uso o WPS Office e estou contente com ele. é muito parecido com o office, tem cloud… a unica coisa que falta é efeitos para as imagens no powerpoint, que de resto não me queixo de absolutamente nada!

  35. Ricardo says:

    Sério que vcs estão preocupados com 1Tb em nuvem para ficar no MS Office? Aff…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.