PplWare Mobile

IT Fair Contracting – chegou a Revolução no Outsourcing IT


Gestora de conteúdo e de redes sociais do Pplware. Mestre em Economia, foi o fascínio pelo universo da tecnologia e da comunicação que falou mais alto.

Destaques PPLWARE

  1. Dennis says:

    Tudo muito bonito, mas …..
    Pelo formulário de registo na JobDeploy, dá para ver ao que vêm. Preenchimento obrigatório de dados contratuais actuais, tais como:
    – Cliente onde está colocado;
    – Função que desempenha;
    ….
    – Nome do responsável no cliente;
    – Email do responsável no cliente … 🙂
    Esta última então é de rir. Não sabem o que são dados confidenciais?
    Resumindo, pretendem os dados do cliente porque assim a papinha está toda feita mas pode correr muito mal para o consultor por divulgar dados confidenciais.

  2. jm says:

    Até que enfim alguém começa a fazer alguma coisa!

  3. Eu says:

    Finalmente.
    O outsourcing é um veneno na nossa sociedade.
    Há quem lhes chame a p.. da programação.

  4. Pedro says:

    Não estou ligado ao Outsourcing, mas este serviço parece um pouco caro. Pela simulação que fiz, com um rate mensal de 1500€ dava menos de 750€ de salário líquido. Não sei quanto fica numa “empresa normal”. Nas não acho que seja bom para quem quer fazer trabalho remoto.
    Até gostava de saber mais opiniões.

    • Eu says:

      Tinha feito o mesmo teste e exactamente com o mesmo valor.
      Fiquei na dúvida se era bug.

    • Eu says:

      Pedro, as consultoras na praça muitas das vezes (em praticamente todas, há exceções muito pontuais) pagam aos consultores uma pequena fracção do que cobram ao cliente.

      Imagina que tu para prestares um serviço queres uma remuneração liquida os tais 1500€ líquidos, a consultora para te pagar esse valor mensal cobra cerca de 4500 a 5000€ ao cliente (sim é verdade, por vezes mais), sendo que o teu salário bruto mensal (engenharia deles) é bem menor que o valor correcto para ganhares os tais 1500€ (imagina 1100€ brutos) depois o restante é pago em modo de “despesas”, “deslocações fictícias” e subsídios de alimentação, duodécimos de ferias e natal, etc… até chegar ao valor que pediste. Quando fazes as contas ao ano é que vês a diferença.

      Na verdade aquilo que é cobrado pelo teu trabalho é obsceno face aquilo que tu recebes, e essa é a grande razão pela proliferação das consultoras neste país. Faz lembrar um pouco o tempo de ouro de wall street, eles tao-se a marimbar se o teu projecto dura 2, 3 ou 5 anos, um dia termina e vais para outro lado, se não vais, vem outro…

      Se souberes fazer a coisa bem até ganhas com isso mas sair desse mundo é difícil. Para te dar um exemplo pratico (o meu) estive ligado a uma consultoraseca dessas todas super nices, mega fixes e caturreira (uma m€rda igual as outras) passei de 1400€ brutos para 2700€ brutos (interno numa empresa normal) e o meu salário liquido não mexeu um cêntimo. É obra…

    • Não Quero says:

      A rate que eles estao a falar é a rate que vão buscar ao cliente. Ou seja, é uma rate de X * 11 (Porque o cliente so paga o tempo de trabalho).

      Desse total têm de sair vários descontos, subsidio de férias e de natal. E mais 20% a 40% para quem anda a mamar a conta do trabalho dos informáticos.

    • Woot! says:

      Como assim? Isto é uma empresa normal. Se tens uma rate de 1500€ o cliente está a pagar a esta empresa 1500€.
      Esses 1500€ que são cobrados ao cliente já vêm com IVA, ou seja já são menos 345€.
      A empresa recebe dos supostos 1500€, apenas 1155.
      Tiras 10% de lucro para a empresa, já só sobra 1040€.
      Depois não te esqueças que a empresa ainda tem de pagar a TSU que são mais 23,75%

      Uma rate mensal de 1500€ como vês não é nada e é claro que dá 700 e poucos euros.

      Das duas uma, ou não fazes ideia como funcionam os salários ou não percebeste o que de facto é a “rate”.

  5. Joao V. says:

    Mas no fundo é mais uma “consultora” como Olisipo ou Reditus, apenas cobra menos que as mesmas.. As pessoas continuam a trabalhar como “consultores” e não como internos.
    Ou percebi mal?

    • Eu says:

      Exacto.
      A diferença é que o fee deles segundo dizem é fixo.
      É tipo como o Google Play ou App Store. Dão-te um espaço para teres a App e mamam um bocado na teta.

    • Woot! says:

      É mais ou menos isso, tem um bonus relativamente à Reditus, esta empresa, como é nova, por enquanto ainda paga o ordenado 🙂 A Reditus não!!

    • José Rodrigues says:

      Lol.. Chamar a isso “consultor”, mesmo que com aspas é de rir. Uma consultora e consultores nada têm a ver com esse modo operando nem com essas práticas de trabalho.

    • Pedro Oliveira says:

      Exato… A diferença é que estes não pagam segurança social nem contratam os recursos…

  6. Pois says:

    Dizem que cobram menos, tudo bem, mas continuo sem perceber porque é que alguém fica com 10%. Podem recrutar e receber pelo serviço prestado com base na minha remuneração, mas a partir do momento em que estou no cliente, devia receber 100% do que o cliente paga e não ficarem na mama ad-eternum por um trabalho que já não estão a desenvolver.

    O meu problema é que está instalado um sistema de mama e cunhas em portugal em que os Clientes nem sequer aceitam pagar a trabalhares freelance, ou vais pela empresa X dos amigos ou não entras.

    • lm says:

      acho que não estás a compreender o conceito de outsourcing… O problema é que o cliente final não quer contratar diretamente para não aumentar os quadros. Logo, tem de haver um intermediário, daí ficarem com uma fatia. Esse intermediário é uma empresa de serviços que tem de ter lucro. Para além disso, tem de pagar o pc com que vais trabalhar, o teu subsídio de férias e natal (que o cliente não paga porque só estás lá a prestar um serviço), TSU, SS, etc. etc.

      • Pois says:

        Compreendo sim senhor. O meu cenário é como se faz, por exemplo, no Reino Unido e em Espanha nalguns sítios, onde tenho conhecimento de causa exactamente de como é feita a situação.

        O trabalhador não tem que pertencer aos quadros da empresa. Em portugal fala-se em precariedade precisamente porque é possível contratar sem inserir nos quadros durante X anos.

        O que eu quero é receber 11*5000 (ou qual for a minha rate) e cortar quem se encontra no meio. O dinheiro extra que pagam às empresas de outsourcing podem simplesmente pagar 1/10 disso por um departamento de recursos humanos que faça processamento salarial.

        O Outsourcing tem lugar em necessidades pontuais de certos clientes que precisam de mais 3 ou 4 pessoas durante 3 a 6 meses para o push final. Aí não faz sentido o cenário que tracei ou sequer ter departamento de recursos humanos. Mas todos os projectos de outsourcing onde estive inserido até agora são projectos com necessidades permanentes e onde o único objectivo do outsourcing é espalhar dinheiro pelas mãos dos intermediários. Isto é chulice e o facto de 90% da oferta ser nestes moldes é estúpido.

        • slyzer says:

          Se não és interno, quem é que te paga? com que dinheiro?

          • Pois says:

            Não sou interno. Recibos verdes. Não fazes parte dos quadros. Não é difícil de perceber que passar recibos a título individual não implica um contrato laboral que te enquadre nos quadros.

  7. Zé Sousa says:

    aquele simulador não reflete a realidade do outsourcing, a maior parte do pessoal outsourcing recebe ajudas de custo etc… que ajuda a ter um liquido mensal maior… não vai tudo ao base… e os rates realizados por eles não são nada de especial…

  8. VS says:

    Acho que há aqui variantes que não são retratadas.
    Como o Zé Sousa disse e bem, muitas, se não praticamente todas, arranjam “truques” para que os consultores recebam um bocado mais, prémios em seguros, deslocações “fantasmas”, km’s, etc o que dá para um consultor IT, mesmo nessa situação precária, muitas vezes, conseguir safar-se com mais algum.

    Neste caso, não me parece que isso exista, o que trocar burro por cavalo, não sei quem irá na conversa.
    De qualquer forma, é preciso inovar e haver oportunidades e se esta for mais uma, mesmo que diferente e com o mesmo cheiro, é bem vinda.

  9. Luis says:

    Eu próprio já pensei em ser o meu próprio intermediário… a empresa para quem trabalho paga 5x mais do que eu recebo. No entanto há muito mais pelo meio q a empresa exige, como espaço, materiais, certificações e segurança que não é fácil ter como individual. Parece-me mais um intermediário a tentar a sua sorte.

  10. K0izo says:

    Neste caso eles parecem querer é fazer lucro com os dados.

    E relativamente as empresas de outsourcing e trabalho temporário deveriam preencher as necessidades precisamente temporárias, se usam essa desculpa para preencher quadros permanents então mais não são do que cancros a remover do mercado de trabalho.

    Sabem lá as devolucoes de valores que as próprias empresas recebem por baixo da mesa vindas das empresas outsourcing de modo a compendarem os gastos avultados. No meio disto tudo o programador ou outro pessoal de it contratado precariamente é que perde sempre. Isto até dava matéria para uma reportagem do Sexta às Nove.

  11. Engoutsourcing says:

    outsourcing = escravidão
    outsourcing = corrupção
    outsourcing = falta de qualidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.