Quantcast
PplWare Mobile

iSense: O conceito de iPad para invisuais

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Marisa Pinto


  1. maurycio says:

    Excelente!!!

  2. Guilherme de Sousa says:

    Isto sim é revolucionário!

    cumps!

  3. Gabriel Martínez says:

    Realmente é inovador. A dificuldade aqui vai ser programar a tela para detectar quando é clique ou quando é leitura com os dedos. Se carregarem numa parte do ecrã para ler o que lá está como será distinguido de um clique?
    Fiquei curioso de saber como vai progredir este conceito.

    • ajbadboy says:

      Isso é fácil, por exemplo premir a tecla espaço enquanto se toca e se não for premida essa tecla não é clique, é apenas leitura.

  4. Manuel Mimoso says:

    Muito bom !!!!

  5. Ivan Silva says:

    “Disclaimer
    The iSense product is NOT real and IS NOT available for purchase (…)”

    Como e entao?

  6. fran says:

    é muito bonito mas praticamente impossivel de realizar…

    como é que uma película fina consegue processar os diferentes tipos de símbolos que podem aparecer no ecrã e transformar no respectivo símbolo?? tem que ter um processador qualquer e mais não sei o que (não sou especialista) para conseguir funcionar… ficaria caríssimo para alem de que hoje em dia ainda é impossível.

    • Rui Peres says:

      Se a película tiver ligada ao iPad não é impossível. É só programação!

      PS: É só uma ideia

    • Pedro Lopes says:

      Tinha de vir aqui o chico esperto afirmar que é “praticamente impossível”, mas duas linhas abaixo volta cheio de interrogações e ainda se auto-retrata de não especialista…

      Santa paciência!

      Depois admiram-se que estamos em crise. Com opiniões destas, pudera…

    • Gonçalves says:

      Não creio que seja assim tão… “quase impossível”.
      Segundo o que percebi (que não está livre de erros lol) é o próprio iPad que faz a tradução e não a película.

      Aproveitando o que foi dito na primeira resposta: é só fazer com que o iPad detecte a película e programação.

    • Paulo says:

      Tu ao menos leste o artigo ?! Percebeste que a pelicula é sensivel à luz?

      • Gonçalves says:

        Sim. segundo o artigo a película é sensível à luz. No artigo não está implícito que a película é formada por circuitos, portanto a minha intuição diz-me que as bolhas são o resultado de alguma reacção a um determinado tipo de luz e que de alguma forma o iPad é capaz de detectar a película e a partir daí o iPad faz a “tradução” do que está a ser apresentado no ecrã. A forma como as bolhas são criadas ou como o iPad detecta a película não sei, mas esta é a minha percepção de como funciona… Mas posso estar errado…

  7. BBC says:

    É tão bom ver ideias destas em prática.

    Muito bom…

  8. Nuno Faria says:

    São iniciativas como esta que valem a pena louvar.

  9. STP says:

    Excelente ideia! Espero que consigam por em pratica!

    • ... says:

      Não amigo, por acaso não é.
      Para demonstrar foi usado um produto da Apple, mas este conceito foi desenvolvido por privados e não pela Apple, é só leres o que está escrito no fim do vídeo.

      The iSense product is NOT real and IS NOT available for purchase. Furthermore – Apple™ Inc. and the Ipad™ is NOT in any way involved with this product or commercial.

  10. Filipe says:

    À parte deste conceito que está soberbo, caso seja levado em frente, poderia ser pensado de maneira a que, tome a forma do objecto retratado pelo ecrã. teriamos assim ecrãs tacteis, com relevo, para dar uma ideia de realismo superior.

  11. sLiD says:

    Esta iniciativa vem abordar a lacuna que existe nos terminais touch que neste momento dominam o mercado. Um conceito realmente inovador. Agora é esperar por mais novidades.

  12. Ciscobald says:

    iLove 🙂

  13. José Fonseca says:

    Espectacular!
    Isto é mesmo real?

  14. Rui Fernandes says:

    O iPad e o iPhone, graças às opções de acessibilidade já são usados por cegos com muito sucesso.
    Tenho visto ao longo do tempo, com agrado, este tipo de conceitos e também considero, como o autor do artigo e os vários comentadores que seria fabuloso assistir à sua implementação.

  15. Nuno says:

    Espectacular!! Acho muito bem que desenvolvam coisas deste tipo… os invisuais também têm direito!! 😉

  16. At says:

    o meu tio é invisual, até agora tem usado symbian com recurso a um sintetizador de voz. Isto proporciona um enorme avanço! não fazem ideia de quão caro é uma linha braille! e quão básicas são as funcionalidades que esta proporciona! nunca experimentei mas julgo que o iOs já trazia um sintetizador de voz mas nada se compara a isto! Venha o mesmo para iPhone!

  17. Ricardo says:

    Isto é o que os comandos da Wii2 terão!

  18. Ricardo says:

    Isto sem dúvida é uma inovação espectacular, mas tenho que fazer um pequeno reparo! Não se usa o termo0 invisual. As pessoas são cegas ou têm baixa visão. Estes termos são assim usadas internacionalmente e reconhecidas pela ACAPO e outras associações portuguesas. Existem muitos cegos que ficam ofendidos com o termo invisual.

    • Marisa Pinto says:

      @Ricardo, o termo invisual não está incorrecto, assim como cego.
      Tenho vários amigos invisuais que me ensinaram, eles próprios, a melhor forma de me referir a pessoas com incapacidade/dificuldade visual. Penso que o termo varia de pessoa para pessoa, e há as que preferem cego e as que preferem invisual.
      Apesar de tudo, invisual é um termo correcto, adoptado também por várias instituições e estudos científicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.