PplWare Mobile

iOS 8 – Conheça todas as novidades


Apaixonado por tecnologia, encontro no Pplware a forma ideal de mostrar aos outros os meus conhecimentos e de partilhar tudo o que me interessa neste intrincado universo

Destaques PPLWARE

  1. Filipe says:

    Ainda não é desta que vamos ter iOS com Siri em PT? Nem que fosse do Brasil já ajudava alguma coisa.

  2. Nelson says:

    Faltou referir das coisas que mais pedem: sistema de ficheiros transversal para todas as app’s, e partilha melhorada para todas as App’s…

    Entre outras coisas…

    Agora tem tudo de bom do iOS 7, mais tudo de bom que o Android tinha e o iOS não, mais uma montanhas de tweaks, e de novas API’s…

    Eu sei que os fandroids vão arranjar mais qualquer treta insignificante para justificarem o seu ódio pela Apple, mas… boa sorte para o Android 5.0…

    • Gaius Baltar says:

      Definição excelente! “O melhor do iOS 7 + o melhor do Android + muitas coisas saídas do jailbreak”. Poderia ser o resumo final do Cook no final da apresentação. 🙂

      • Nelson says:

        Mais muitas coisas que nem num, nem no outro…

        Aquele CloudKit, eles mal falaram, a maioria das pessoas nem compreenderá, mas para quem queira começar com uma App baseada em Cloud, tem ali uma solução muito “caliente”, é claro, iOS-only… 🙂

    • ADMS says:

      no problem, o android 5.0 vem com novidades reais e quando sair já podem começar a pensar no iOS 9 para copiar o melhor do android outra vez.

      • Gaius Baltar says:

        Já que andamos na futurologia, deixo algumas perguntas: quem ganhará o Mundial? Qual será o candidato do PS, Seguro ou Costa? E, não menos importante, quais os próximos números do Euromilhões? 😀

        • Dasse says:

          Segundo o ‘future by apple’, para o euromilhões utiliza os numeros da semana passada mas de ordem inversa, o candidato do PS será o Socrates mas com uma imagem mais limpa e um curso verdadeiro, e vai ganhar o mundial o mesmo que ganhou o ultimo mas com equipamento renovado.

      • Nelson says:

        Podes contar… vamos lá ver se a Google vai providenciar as ferramentas que a Apple está a providenciar aos programadores, e aos utilizadores…

        Se essas “novidades reais”, se vão traduzir em alguma coisa para os 99% dos utilizadores que não têm um Nexus 5 ou Nexus 7 2013 (os anteriores devem ser largados das atualizações)…

        Se finalmente é desta que o Android corre pelo menos tão bem como o Windows Phone…

        • OMG says:

          “Se finalmente é desta que o Android corre pelo menos tão bem como o Windows Phone…”
          Outra vez o mesmo mito?

          • PatricioMorAis says:

            O mesmo mito? Va la todos os android lagam…. Apps nem funcionam como devem ser. Nao tenho iphone porque n gosto de tar preso ao itunes mas n compares um iphone a qq android de 800 euros…o android e um lixo autentico, o iphone e incrivel.

          • golias17 says:

            O moto E ri-se de quem acredita nesse mito!

          • Nelson says:

            LOL, coitado do Moto E…

        • Flávio says:

          “as ferramentas que a Apple está a providenciar aos programadores” ?? Eu vejo por outro prisma, a apple está é a lixar os ditos programadores…

        • Dasse says:

          Deves estas a falar do Maps e afins. Quer queiras quer não a apple desde que foi fundada sempre roubou tudo à concorrencia.

          Se o mundo fosse regida pela aplle tinhamos rodas quadradas de cantos arredondados

          • Nelson says:

            Sim, porque antes do Google Maps, nem sequer existiam outros serviços como o MapQuest… Não é?

            Deves ser daqueles que pensa que a Google inventou a Internet…

          • Dasse says:

            Não, sou daqueles que considera a google como uma das seguidoras do espirito que criou a internet e não uma apple que só pensa em destruir e apropriar-se do que foi feito.

          • Nelson says:

            Ai meu Deus, a formatação é grande aí nessa cabeça…

      • Nosferatu Arucard 1983 says:

        A única coisa que falta no Android é um Servidor X11 e um emulador para correr um sistema Linux “convencional”, como recentemente conseguiram fazer com duas aplicações no Google Play sem desbloquear o aparelho.
        Isto para ampliar o uso de tablets de grande porte com programas Linux X11 e Android a correr lado a lado no mesmo sistema operativo.
        Basta ter esta funcionalidade para que quando quererem lançar laptops Android (como o HP SlateBook 14), pelo temos o Android 5.0 permita de raíz instalar uma máquina virtual Debian ou Arch para as aplicações Linux “tradicionais”.
        Se quisessem, a HP podia ter incluído esta ferramenta no aparelho que daria maior valor.

        • Sergio J says:

          Arucard, deduzo que sejas o o mesmo do ssc 🙂 pelo menos o discurso é igual

          O que tu pedes é um Linux. Então deixaria de fazer sentido um android. O Android é a plataforma que corre por cima. O que está por baixo é poderia ser algo proprietário, ou um vx works ou no cúmulo até um DOS. O android tem uma framework poderosa. O Linux é um instrumento para a implementação dessa framework.

          Android não é Linux. Android é uma plataforma que corre sobre Linux.

        • Nelson says:

          Lol… Isso é que é pensar no futuro…

          Compra os raio de um portátil, se quero aplicações de PC… Tipo um chromebook e instala lhe uma distro de Linux

    • flavio says:

      estás a dizer que o iOS8 é bom porque é o iOS7 + android?
      Para um fandroid basta dizer que a apple teve de ir roubar ideias para conseguir “inovar”. Essa lógica não faz sentido

      • Gaius Baltar says:

        Não percebeste bem. O iOS 8 tem o melhor do iOS 7, o melhor do Android e algumas coisas do jailbreak. Um Android qualquer nunca terá o melhor do iOS (FaceTime, iCloud, não travar, etc)

      • Nelson says:

        Tem sentido, porque para o utilizador, o que interessa é o presente e o futuro.

        O Fandroid pode levar a bicicleta para casa, os utilizadores iOS ficam com o que de melhor o iOS tem + o que de melhor o Android tem + novidades no iOS que nenhum tem…

        Agora espera pelo Android, a ver se a Google teve as mesmas ideias que a Apple, e se também foi buscar ideias ao iOS…

        • Ricardo says:

          A lógica do teu comentário é, Google cria, Apple copia.

          Depois claro que o iOS “é melhor”

          • Nelson says:

            Praticamente tudo que a Google tem, foi copiado do iOS, do Windows, e de outros sistemas operativos…

            Por exemplo, a tão afamada barra de notificações veio do Windows, e o taskswitcher veio do webOS (saindo primeiro no Windows Phone, nesse formato para app’s e no Safari para páginas web)

          • Cristiano Alves says:

            Onde está aqui a parte do melhor do iOS7 que o Nelson tambem falou? Foi copiado queres ver?
            LOL

          • Ricardo says:

            @Nelson

            Pronto ok, e agora a Apple copiou do Android.
            A diferença é que a Apple sempre foi conhecida pela inovação, mas agora copia.

          • Nelson says:

            Pois… mas porque é que não falas das novidades introduzidas nesta nova versão?

            Nem tanto na parte visível do iOS, mas nas novas API’s, que é isso que vai definir o futuro do iOS.

          • Ricardo says:

            @Nelson

            Eu já disse noutros comentários que gostei das novidades introduzidas pela Apple, e ai ela teve bem, e nas features “copiadas” do Android também, mas os applefans é que dizem que a Apple inova (na minha opinião já passou esse tempo), e desta vez (e outras) copiou algumas features.

          • Nelson says:

            Pois é… mas isto são features que são fáceis de implementar, tipo um gestor de ficheiros, há quantos anos isso existe?

            A diferença é que a Apple permite isso, mas sem comprometer a segurança!

            Então já reparaste que as fotos que pões no /sdcard do android, depois estão prontamente acessíveis a qualquer app que use o /sdcard também, e a qualquer hora, sem precisar de perguntar nada?

            Num mundo de centenas de aplicações de pequenos programadores em cada smartphone, isso não é aceitável…

            Quanto ao inovar? Onde é que falta a Apple inovar? TouchID? CPU 64b em mobile? Desenho “fora da caixa” do MacPro? Mac’s com Retina? (PC’s com maior resolução à saída, ainda a melhor coisa para um ambiente 100% HiDPI?)? Os novos Kit do iOS? Continuity? Vidros de Safira produzidos em massa? Energias Renováveis? Aparelhos Recicláveis? Design?

            Inovação está viva, e bem na Apple!

        • OMG says:

          Copiar uma cópia? Não faz grande sentido… Se o que interessa é o presente e o futuro, porque invocas constantemente o passado da Apple, onde foi a primeira a desenvolver não sei o quê?
          Onde está a revolução do mercado? Onde está a liderança que outros seguem? Copiar os outros melhorando-o nunca foi apanágio da Apple… da velha Apple… Steve Jobs está neste momento “ás voltas no caixão”.

        • João Tavares says:

          Buscar que ideias ao ios, se a apple roubou quase tudo à google? lol

    • Daniel says:

      Android 4.4 foi lançado oficialmente a 31 de Outubro de 2013. Repito: lançado oficialmente, não anunciado. iOS8: “Coming This Fall”. Leia-se: um ano depois.

      Certo… a expressão “lag behind” aplica-se. No outro tópico fiz uma dissecação meio leviana das “inovações” anunciadas.

      • Nelson says:

        E features que existem no iOS 7 e não no Android? Não existem?

        1 ano depois, e nem 10% dos utilizadores android PODEM usar essas API’s…

        Pior é para os dev’s, que têm de programar para o mínimo denominador comum, e maior parte das app’s encontram-se ainda no Android 2.3, quanto muito, encontram-se no Android 4.0…

        É a mesma coisa que a Dinamarca copiar algumas “ideias” de Portugal, e os portugueses acharem o seu país mais desenvolvidos que a Dinamarca…

        Pff!

        • Ricardo says:

          Não uso iOS por isso posso estar enganado, mas acho que o Android tem tudo ou quase tudo do iOS 7, a única coisa que concordo contigo é a fragmentação.

        • Daniel says:

          Falas em features existentes no iOS7 que não existem em Android mas muito “inocentemente” não referes nenhuma.

          E maioria encontram-se ainda no Android 2.3? Pouco mais de 60% do mercado Android usa Android 4.x, sendo o jelly beans (4.1, 4.2 e 4.3 a levar a fatia de leão com pouco mais de 50%).

          Ah, e esses argumentos de Portugal/Dinamarca… Bem, eu até te respondia com diversos pontos em que sim, estamos à frente da Dinamarca (e qualquer país nórdico, diga-se), mas digo só que o problema de Portugal é de mentalidade. E autoridade para dizer isso? Bem, sou Português, vivi em Portugal grande parte da minha vida por isso posso dizer que conheço a realidade. Por outro lado a minha cara-metade é nórdica (Suomi, ou para nós, finlandesa) e tenho bastante contacto (directo e indirecto) com a realidade nórdica (principalmente finlandesa, sueca, norueguesa e dinamarquesa). Mas largando o desabafo, o problema não é que tenham copiado algumas ideias, é que não aparentaram nada de novo e já o fazem há bastante tempo, no entanto os defensores invés de se tornarem exigentes e não deixarem o mercado cair no risto de estagnar, colocam-se de joelhos e lambem o pretenso chão por onde a inovação não passou.

          Quanto a ser melhor: o rei vai nu!

          • Nelson says:

            Inocentemente:

            – Suporte 64 bit
            – Backgorund Tasks (sem Background Services)
            – AirDrop
            – Conectividade Peer-to-Peer standarizada
            – AirPlay em todo o sistema (já a funcionar)
            – Controlo de reprodução multimédia em todo o sistema
            – Passbook
            – Audio de Baixa Latência

            Etc… isto sem falar de App’s que existem no iOS, e não têm substituto no Android comparável.

          • Ricardo says:

            @Nelson

            As únicas que se aproveitam ai é a primeira e a ultima, porque o resto o Android já tem à sua maneira

          • Nelson says:

            iCloud backups

            iCloud sync, por exemplo, vou a um cafe com o iPhone, e peço a pass, e ligo-me, se voltar com o iPad ou Mac, estes já sabem a pass..

          • Ricardo says:

            @Nelson

            O Android também tem isso.
            Tinha ido a um restaurante com o meu tablet android e ia a ligar ao wifi de lá e para o meu espanto já tava ligado, porque anteriormene ja tinha ligado pelo telemovel.

            E sempre que mudo de rom’s, ele restaura as definições e apps que tinha anteriormente.

        • Dasse says:

          As features boas que existem no iOS7 foram roubadas ao android. Basicamente o unico original é o iOS1. o resto é copias da concorrencia.

          • Nunes says:

            onde é que está o iBeacon no Android?
            só um exemplo

          • Nelson says:

            Onde é que está a facilidades para utilizadores com incapacidades (acessibilidade) que existe no iOS, para Android?

          • Ricardo says:

            @Nunes

            Se não estou enganado, o iBeacon funciona no Android, porque é uma funcionalidade do Bluetooth Low-Energy.

          • Nunes says:

            @ Ricardo
            O iBeacon não é uma funcionalidade do BLE. O iBeacon usa funcionalidades do BLE, mas não só.
            No Android as aplicações vão ter que ser escritas com bibliotecas especiais baseadas na implementação da Apple, mas sem a precisão da implementação da Apple e sem todas as funcionalidades, já que cada aplicação tem que estar aberta para ver os Beacons!
            No iOS as aplicações não precisam de estar abertas para receber as notificações, ou determinar a localização, o sistema faz isso e dá a possibilidade ao utilizador de abrir a aplicação caso queira. Uma grande diferença.

          • Ricardo says:

            @Nunes

            Sim, eu sei que usa o BLE, e sim cada app tem se ter a sua implementação, mas já vi na NET o protocolo e é muito simples e fácil e rápido de se fazer (sou developer), mas a parte de ser necessário ter a app aberta é completamente falsa. No Android existe uma coisa chamada Serviços (programas a correr em background no sistema) e permite que as apps estejam fechadas enquanto o serviço faz o seu trabalho e notifica as apps quando necessário.

          • Nunes says:

            @ Ricardo
            Quando disse abertas não estava a referir a estar a ser usadas activamente… acho que até dava para subentender isso quando digo “cada aplicação tem que estar aberta” – implica que há aplicações que não estão em uso!
            Cada uma irá estar a correr exactamente a mesma coisa para poder receber avisos. Se tiveres interesse que 20 aplicações acompanhem Beacons, implica 20X o peso em recursos, e sem a certeza que o sistema não fechou algum deles pelo caminho.
            É diferente, menos eficiente e menos fiável que ter o próprio sistema a tratar disso centralmente
            O iBeacon é tb um serviço de localização, tem isso ciente. Há partes que essas bibliotecas não conseguem duplicar do serviço da Apple.

          • Nunes says:

            e já agora, isto era um exemplo de algo desenvolvido pela Apple que não existia no Android. Se tens agora no Android aplicações que permitem parte da funcionalidade é porque seguem o que a Apple desenvolveu!

          • Ricardo says:

            @Nunes

            Sim, o mais provavel é haver vários servicos a fazer basicamente o mesmo.
            Mas um servico pode ser utilizado por todas as apps, por isso basta haver um servico que faca isso e todas as apps tiram partido dele.
            E por teres falado em servico de localizacao lembrou-me de outra cena. No android é possivel adicionar servicos de localizacao, por isso depois basta seleccionar iBeacon (ou o nome que lhe derem) em vez de GPS, e assim nao é preciso um servico por app ou um servico para todas as apps.
            E todas as apps conseguem utilizar sem ter de implementar novas API’s

          • Nunes says:

            @ Ricardo
            Um serviço fazer isso para todas as apps significa introduzires suporte no sistema, e as aplicações saberem dele – não é isso que existe actualmente no Android
            Quanto ao serviço de localização não me parece que possas fazer isso dessa maneira sem introduzir verdadeiro suporte no sistema para os beacons! O serviço de localização é baseado nos dados recolhidos dos Beacons, que por sua vez só são identificados pelas aplicações, pois são estas que sabem quais os beacons relevantes e onde se encontram geograficamente. Ter só o serviço de localização não te iria permitir saber dos beacons, necessitas de integrar tudo, isto é, fazer o que a Apple tem no iOS.
            E o Android necessita tb de mudanças na stack de bluetooth para receber todos os pings dos beacons, e dessa forma aumentar a precisão! Creio que mesmo assim continuaria a haver diferenças, pois o método de localização da Apple não é conhecido na sua totalidade

          • Nelson says:

            Tanta confusão!

            O iBeacon não funciona em Android, o iBeacon é perfeitamente capaz de correr em qualquer plataforma, seja iOS, Android, WP, Tizen, etc… com o mesmo hardware instalado…

            Isto, é claro, desde que o software esteja pronto!

          • Ricardo says:

            @Nunes
            Mas ai é que está a beleza do Android, basta a instalacão de um servico e todas as apps podem usufruir dele sem ser preciso mexer no sistema. Olha o chromecast por exemplo, no android a API do chromecast está numa aplicação chamada Google Play Services.
            Não é preciso cada app ter uma implementacao do protocolo usado no chromecast.

            http://developer.radiusnetworks.com/ibeacon/android/

          • Nunes says:

            @ Ricardo
            andas às voltas e voltas, mas nada do que estás para aí a imaginar existe no Android, nem as bibliotecas para usar beacons no Android estão implementadas para isso. Não sei se reparaste, eu não estou a dizer que não é possível o Android vir a ter algo parecido ao que a Apple já tem, só te estou a dizer que não existe nem as bibliotecas foram feitas nesses moldes.
            Instalar um serviço desses seria dar suporte via sistema no sentido lato, mas desconfio muito desse tipo de implementação em termos de segurança.

          • Ricardo says:

            @Nunes

            Meti um link para uma biblioteca que utiliza os serviços com o iBeacon.

            E continuas com uma coisa que talvez ainda não tenhas percebido. No Android, para adicionar novas API’s não é preciso mexer no sistema! Basta instalar uma app (ou serviço) que forneca essa API e depois todas as apps conseguem utilizar!
            Um grande exemplo:
            Nos dispositivos Samsung, o DLNA está “integrado” no sistema. Porque entre aspas? Porque não está no sistema, são apenas uns serviços que podes instalar em qualquer dispositivo e fica com as mesmas API’s de DLNA dos dispositivos samsung, e qualquer app pode utiliza-los!
            http://developer.samsung.com/allshare/repository/android/latest/components/services/

            E também já te dei o exemplo do chromecast, em que as API’s estão num serviço (https://play.google.com/store/apps/details?id=com.google.android.gms, vê a secção das novidades) que é atualizado constantemente na play store, e sempre que vem uma nova atualização, é como se viesse um update do sistema Android

          • Nunes says:

            @ Ricardo
            :S mas estás a desconversar?
            O Google Play Services é controlado pela Google, com acesso especial ao sistema e implementando permissões, conhecido por todos os programadores, por isso sabem a que serviço ligar na aplicação – centralização.
            Não tens isso para o iBeacon no Android agora. Cada programador terá de criar o seu serviço e não faz ideia se há outros a fazer a mesma coisa no aparelho. O que leva a multiplicação de trabalho. Pode alguma entidade tentar estabelecer um serviço comum para todas as aplicações, mas para isso terão que criar/usar outras bibliotecas que permitam esse tipo de integração, preferencialmente com a instalação de um serviço independente. Haverá questões de segurança e privacidade, necessitará de estabelecer permissões quanto à informação que cada aplicação recebe, para não se espiarem umas às outras.

          • Nunes says:

            @ Ricardo
            O teu primeiro comentário só apareceu mais tarde!
            O primeiro link que deste é o que já existe há vários meses. Cada aplicação cria o seu próprio suporte, não ficas com um serviço a tratar de todas as aplicações

            “No Android, para adicionar novas API’s não é preciso mexer no sistema! Basta instalar uma app (ou serviço) que forneca essa API e depois todas as apps conseguem utilizar!”
            Para as aplicações usarem as novas API/serviço necessitam de duas coisas. O serviço tem que ser instalado à parte, possível de identificar por essas aplicações usando API previamente definidas, e o serviço tem que ser capaz de gerir os pedidos das várias aplicações de forma segura.
            Todos os exemplos que dás fazem isso e tem acesso especial ao sistema.
            Não é o caso do iBeacon neste momento. Cada aplicação usa bibliotecas em que cria um serviço só para si.

          • Ricardo says:

            @Nunes

            Eu já disse que o mais provavél é todas as apps terem o seu serviço, não me estou a referir a isso.
            E o facto de o Google Play Services ser controlado pela Google nada tem a ver, porque também já te dei o exemplo das API DLNA da Samsung que funcionam da mesma maneira!!!! E não são controladas pela Google!!
            E se dúvidas que não funciona, então podes experimentar a minha app do wareztuga que faz uso desses serviços de DLNA!!

          • Nunes says:

            a minha primeira resposta foi sem ver o teu primeiro comentário, por isso não pus em causa o serviço de DLNA da Samsung.
            Mas para as aplicações usarem esses serviços têm que usar API comuns que reconheçam a presença desses serviços. E o próprio serviço tem que usar APIs do sistema, de preferência com bom controlo de permissões. Se quiseres um serviço seguro convém que seja de fonte de confiança

          • Ricardo says:

            @Nunes

            Bam!
            http://www.androidpolice.com/2014/06/06/exclusive-google-will-soon-introduce-nearby-to-let-other-people-places-and-things-know-when-youre-around/

            Um serviço de localização integrado no Google Play Services que fará o que o iBeacon faz e mais!

            Para veres como eu tinha razão que basta um update ao Google Play Services e incorporar um serviço de localização para ter uma funcionalidade como o iBeacon!

            Eu sou programador, já fiz ROM’s (compiladas é claro) e por isso sei bem como funciona o Android.

          • Nunes says:

            @ Ricardo
            :S what!?
            Em primeiro lugar, nunca neguei que fosse possível a Google introduzir o seu “iBeacon” pelo Google Play Services, apenas coloquei em causa a segurança duma solução dessas feita por terceiros – o Google Play Services funciona como processo do sistema, com permissões especiais, com nível de segurança elevado – volta a ler o que escrevi, se faz favor.

            Em segundo lugar isto não é o “iBeacon” da Google. Se leres com atenção apenas diz que descobre que existem coisas à volta e que poder realizar determinadas acções segundo contexto, é uma amálgama de funções/APIs, e fico até com a ideia que não determina a localização geográfica.
            A comparar com alguma coisa do iOS seria com a framework que dá suporte a serviços como o AirDrop, etc, não com o iBeacon que é muito mais específico do que o que é descrito para o Nearby. O iBeacon é um protocolo que agrega várias tecnologias para obter uma localização geográfica e notificações associadas a aplicações.

          • Ricardo says:

            @Nunes

            O iBeacon não determina a localização geográfica assim do nada. Precisa de ter os chamados Beacons numa determinada região e depois o iOS faz a triangulação para saber a sua localização dentro daquela região.
            Para além disso, os Beacons têm a capacidade de mandar informação extra para o iOS para este mostrar notificações ou usar essas informações para outro fim.

            O Nearby, para além de receber informação dos dispositivos (que permite fazer tudo que o iBeacon faz, incluindo a pseudo localização), também consegue enviar informação para esses dispositivos, o que possibilita uma funcionalidade como a do AirDrop nativa do sistema sem ser preciso apps de terceiros.

          • Ricardo says:

            @Nunes

            Não sei se o comentário anterior já apacereu ou não.
            Mas para continuar, a localização do iBeacon não é extata e é apenas uma pseudo-localização em que o dispositivo executa acções dependendo do Beacon que estiver mais perto.
            Uma app é que pode implementar o seu proprio algoritmo para triangular a localização, mas devido a ser numa área pequena, não tem precisão suficiente.
            http://prezi.com/_d87norw9zk3/indoor-localization/

          • Nunes says:

            @ Ricardo
            Creio que necessitas de procurar por um pouco mais de informação sobre como o iBeacon funciona.
            O iBeacon é primeiro que tudo um protocolo que usa o BLE, que define como é que os Beacons se devem comportar e identifcar. Não é simplesmente ter bluetooth e ver um identificador, os Beacons têm que fazer Pings dentro de determinada frequência e potência, e informar sobre as suas propriedades aos dispositivos à volta.
            É este comportamento dos Beacons que permite determinar distâncias relativas pelo dispositivo com alguma precisão – esta aumenta com a frequência e dentro de certos limites de distância, que varia com a potência de sinal. Por outro lado, o UDID do Beacon permite determinar o local geográfico, já que as aplicações instaladas têm informação sobre os UDID que interessam, sabem onde estão – outra parte do protocolo. É por saber onde é que está e a quem pertence o Beacon, que o sistema determina se deve haver alguma interacção. O sistema pode igualmente melhorar o cálculo da sua posição relativa dentro dum espaço físico, mas isso depende duma boa disposição dos beacons no espaço.
            O iPhone pode até ser transformado num Beacon.

            “O Nearby, para além de receber informação dos dispositivos (que permite fazer tudo que o iBeacon faz, incluindo a pseudo localização)”,
            Desculpa mas não fazes a mínima ideia disso, não tens informação que te permita perceber que o Nearby estabelece algum protocolo para determinar localização da forma que já expliquei por alto.
            Aliás a descrição feita dá a ideia de que simplesmente vê que UDIDs estão por perto. Diz que pode ligar periódicamente o WiFi, bluetooth, etc; ora para poder fazer o que o iBeacon faz, o bluetooth tem que estar sempre ligado, não é só de vez em quando. Chega inclusive a dizer que a Google necessita de dados de localização do aparelho para que se possa usar o Nearby… Não precisas de nada do género para o iBeacon

            Tal como disse o iBeacon é muito específico.
            Se queres comparar o Nearby terás que pegar noutra coisa, talvez o multipeer connectivity
            http://www.wired.com/2014/03/apple-multipeer-connectivity/
            embora tb não seja a melhor comparação

          • Ricardo says:

            @Nunes

            Nesse comentário disseste o mesmo que eu, os iPhone/iPad só consegue ver uma localização aproximada de onde esta, não consegue saber as coordenadas exatas. Apenas sabe que esta perto daquele, daquele e daquele beacon, por isso esta no meio deles os 3. E não precisas de explicar o protocolo, porque eu já o conheco, aliás, num outro comentário eu disse que já tinha visto o protocolo e é bastante simples.

            Quanto ao Nearby, se ele liga o bluetooth de certeza que é para receber os broadcasts de dispositivos, por isso suponho que seja para receber os broadcast de beacons e de outros dispositivos android, o wifi é para a transferência de dados grandes, o microfone para conseguir também descobrir dispositivos perto (que emitem um frequencia inaudivel) e também para isto http://www.androidpolice.com/2014/02/16/google-acquires-slicklogin-a-sound-based-password-system-that-uses-your-phone-for-authentication/
            e a localização para poder ainda melhor saber a localização extata do dispositivo em vez de estar a depender dos beacons que dão uma localização aproximada.

          • Nunes says:

            @ Ricardo
            Não, não disse o mesmo. Expliquei-te que o protocolo dá-te uma localização geográfica, e uma posição relativa ao Beacon, não é uma pseudo-localização, pois o seu objectivo é conhecer a posição real da pessoa para transmitir a informação relevante para o local.
            “Apenas sabe que esta perto daquele, daquele e daquele beacon, por isso esta no meio deles os 3”
            Desculpa mas para quem diz que leu parece que não leu a parte em que consegue calcular a distância relativa a cada um. Assim consegue determinar a posição com bastante exactidão. Os problemas que tu levantaste é para certas aplicações que requerem ainda maior exactidão, em que é preciso ajustar o tamanho de célula.

            Quanto ao Nearby, esse sim é pseudo-localização, já que a informação que interessa é a existência de outros na proximidade, sem retirar daí informação geográfica.
            “se ele liga o bluetooth de certeza que é para receber os broadcasts de dispositivos”
            Parece que não percebeste que se fosse idêntico ao iBeacon, o bluetooth não andava desligado, doutra forma não escuta nada, nem transmite nada. E um broadcast por si só não implica saber a posição geográfica…

            “e a localização para poder ainda melhor saber a localização extata do dispositivo em vez de estar a depender dos beacons que dão uma localização aproximada.”
            Isso já andas a divagar…
            Explica como é que vais saber uma localização exacta sem ter mais do que um ponto de referência com posições exactas? É para isso que se usa os Beacons, a sua posição é conhecida no mundo e é possível determinar a posição da pessoa no mundo. É o princípio para todos os sistemas de localização em uso.

          • Ricardo says:

            @Nunes

            Continuas a teimar…
            Com o iBeacon tens uma pseudo-localização!!
            Queres provas? Ok.

            http://support.apple.com/kb/HT6048
            “…an app can estimate your proximity to an iBeacon…”
            so fala em um !

            Agora vamos a uma parte mais tecnica.

            https://developer.apple.com/library/ios/documentation/userexperience/conceptual/LocationAwarenessPG/RegionMonitoring/RegionMonitoring.html

            “Apps can use region monitoring to be notified when a user crosses geographic boundaries or when a user enters or exits the vicinity of a beacon”
            Novamente, só fala em um.
            Quanto à parte do “geographic boundaries”
            “geographical region monitoring (iOS 4.0 and later and OS X v10.8 and later)”
            Ora no iOS 4.0 ainda não existia o iBeacons, por isso isto usa os servicos de localização normais (ex: gps)

            “While a beacon is in range of an iOS device, apps can also monitor for the relative distance to the beacon”
            Ai vem a localização relativa, ora vamos lá ver então
            “Monitoring Beacon Regions”
            “Determining the Proximity of a Beacon Using Ranging”
            “The value in the proximity property of the CLBeacon object gives a general sense of the relative distance to a beacon”
            Ora vámos lá ver que valores pode tomar a propriedade proximity
            https://developer.apple.com/library/ios/documentation/CoreLocation/Reference/CLBeacon_class/Reference/Reference.html#//apple_ref/occ/cl/CLBeacon
            @property (readonly, nonatomic) CLProximity proximity;
            Ok, Enum CLProximity
            “typedef {
            CLProximityUnknown,
            CLProximityImmediate,
            CLProximityNear,
            CLProximityFar
            } CLProximity;”

            Como podes ver, uma app apenas consegue saber se um beacon está:
            mesmo à beira (CLProximityImmediate)
            Perto (CLProximityNear)
            Longe (CLProximityFar)
            Desconhecido (CLProximityUnknown)

            E se continuas a dizer que com o iBeacon consegues uma localização do iPhone/iPad numa região, então quero provas disso!

          • Nunes says:

            @ Ricardo
            Mas será que não entendeste de que a aplicação tem informação sobre os UDID dos beacons, informação como a localização geográfica…
            Estás a confundir a parte com o todo. Estás a confundir a parte do protocolo em que determina a posição relativa face a um beacon, com o todo do protocolo em que é se determina uma posição real usando o resto da informação disponível.
            Percebeste agora???
            O método de localização é idêntico a muitos outros, como os que usam as redes WiFi, ou até mesmo pelas redes celulares. Identificas um ponto de referência e verifcas onde é que este se encontra por outra parte do método – não é o ponto de referência que te informa a posição geográfica, mas uma base de dados.
            E se implementares um protocolo que consiga determinar distâncias face a pontos de referência, consegues melhorar a exactidão do local calculado. Daí a vantagem dos beacons, já que foram pensados para terem um comportamento que facilite o cálculo. Não consegues o mesmo só por um dispositivo qualquer fazer um broadcast, já que os broadcasts ocorrem a muito menor frequência e diferentes potências, não dando informação suficiente para melhorar a exactidão, sabendo apenas que está por perto, tanto faz se ao lado ou a 40 metros.

      • Fernando says:

        Eu não sou fã da apple, muito pelo contrario, mas tenho de concordar que o Android ja começa a fartar.
        Acho que no meu próximo telefone vou sem sombra de duvida experimentar o windows 8.1 e espero que o tão aclamado android 5.0 venha e me deixe arrependido que era sinal que trazia algo mesmo de surpreendente e inovador, mas duvido que isso aconteça.

    • OMG says:

      Acho que o que os users mais pedem são mesmo as app’s de terceiros, mas acho que ainda vai demorar mais uns anos. Devem estar a estudar os concorrentes para aprimorarem a solução. Não tem tudo do Android, mas tem grande parte daquilo que os users pediam e isso são boas noticias…
      Repara que até já se vai poder trocar de teclado, e não percebo porquê, uma vez que já tinha “o melhor teclado que existe e agora vai ser só para andarem sempre a experimentarem um e outro sem nunca estarem satisfeitos” (lembras-te?).
      Os que ligaram as fotocopiadoras podem voltar a desligar, copiar cópias não interessa…

    • Ricardo says:

      Fácil. Open-Source -> possibilidades infinitas!

    • Marco says:

      Tbm me lembro quando o suposto multitask aparecer no IOS, sim multitask de nada tem, tem la tirar fotos ao mesmo tempo que fazem sync com o dropbox ou outra app? nop isso não e multitask o IOS basicamente pausa a app.

      E NFC? fica para o Iphone 6… maybe

      Haters go Hate@@@

      • Nelson says:

        Multitask, tipo estou a escrever um mail, depois chego à beira do meu Mac, e continuo a escrever o mail?

        Isso é que é multitask!

        • OMG says:

          Parvoice! Fazer UMA task em dois sitios diferentes não é MULTITASK. Multitask é fazer no mesmo sitio mais que uma task… talvez no próximo OS a Apple “oiça” esse desejo dos clientes.

        • Marco says:

          Multitask: http://en.wikipedia.org/wiki/Computer_multitasking

          Sera que querias dizer…

          iSync: http://en.wikipedia.org/wiki/ISync

          Sistema de notificações: invés de ter toggles, são simplesmente atalhos..

          keep trying hater @

          • Nelson says:

            O que é que isso tem a ver com o iSync?

            LOL

            Mas fica lá com o teu NFC, que eu fico com o AirDrop, iBeacon, etc… pelo menos serve para alguma coisa…

        • Marco says:

          AirDrop partilhas arquivos por BT e WiFi… hum isso ja nao tinham os telemoveis a 5 anos? XDDDD mas va eu arrajo te um app para android que faz o mesmo, oh oh espera ate te arranjo dois apps:

          https://play.google.com/store/apps/details?id=com.sand.airdroid

          e

          https://play.google.com/store/apps/details?id=com.pushbullet.android

          iBeacon o android tem isso por retail desde o 4.3

          nice try…
          cya Inerd!

          • Nunes says:

            AirDrop não tem muito pouco a ver com os exemplos que dás.
            O exemplo semelhante ao AirDrop é uma solução que da Samsung (SBeam creio). Permite fazer transferência sem ter que andar a emparelhar dispositivos ou andar a “esfregar” aparelhos com NFC. Os aparelhos reconhecem-se e envias por WiFi por uma ligação adhoc.

            iBeacon não encontras no Android. Tens é suporte no Android para BLE, que é uma das tecnologias que o iBeacon usa.
            Algumas aplicações no Android foram “buscar” parte da tecnologia da Apple para terem funcionalidade semelhante, aproveitando tb o suporte de BLE do Android, que por sinal fica aquém do que se encontra na Apple. Consegues transformar um iPhone num Beacon, mas não consegues isso no Android sem algum hack ao sistema!

          • Nelson says:

            Isso nem tem nada a ver…

            Já se pode utilizar há muito o iTunes sem ligar o cabo para aceder aos ficheiros no iOS.

            E já a maioria das app’s permite transferências pelo browser, como o airdroid.

            Mas o que não havia, e continua não haver no android, é uma maneira de transferir do pc para o dispositivo móvel sem a ajuda de uma ligação wifi. O AirDrop funciona em qualquer situação, podes estar no meio do deserto, sem wifi, podes estar em tua casa, podes estar com um dispositivo com uma rede wifi, e o outro fora…

            E posso enviar diretamente os ficheiros de/para as aplicações, não ter de os depositar no sdcard…

          • Ricardo says:

            @Nelson

            Se calhar ainda não ouviste falar no Wifi Hotspot, Wifi Direct e Bluetooth

          • Nelson says:

            LOL, eu tenho aqui um Gnex com isso tudo, com o 4.4…

            Diz-me lá como é que eu faço?

            Pois… transferência de ficheiros por bluetooth? LOL, outra vez 1999?

          • Nelson says:

            Nenhuma dessas faz o que faz o AirDrop, que é criar uma ligação Wifi directa, caso haja rede Wifi já estabelecida, ou não!

            Essa dos QR, realmente é muito engraçada!

          • Nunes says:

            @ Ricardo
            nenhuma dessas aplicações faz o que o AirDrop faz em termos de identificar e emparelhar aparelhos automaticamente, na ausência de rede.
            No Android tens que ter os dois aparelhos lado a lado para iniciar o protocolo, por NFC ou um código qualquer, pelo menos ainda não vi nenhuma solução a usar o Bluetooth para os aparelhos se verem e fazerem automaticamente e à distância o emparelhamento para a transferência por WiFi

          • Ricardo says:

            @Nunes
            @Nelson

            Ambas as apps criam uma ligação wifi direta (ou caso o dispositivo não suporte, cria um hotspot, e caso não suporte isso, cria uma ligação bluetooth), se já estiverem ambos os dispositivos ligados a uma rede, utilizam essa rede. E o Drop também consegue procurar dispositivos no alcace. Sem instalar até podem ver isso logo no 1º screenshot na play store

    • kyk says:

      o qe vais fazer com as API’s? es dev?

      • Ricardo says:

        Esse comentário é completamente estúpido.
        Ele pode não ser dev, mas quem for aproveita as API’s e faz aplicações com novas funcionalidades, ficando o utilizador final mais feliz.

      • Nelson says:

        Se sou ou não sou, não interessa, mostra bem porque é que o hater Apple o é: ignorância pura…

  3. Mona Lisa says:

    Eu na apresentação fiquei com a impressão de ter visto a bandeira brasileira quando referiram-se a novas línguas suportadas pela siri. Corrijam-me se estiver errado mas reparei nisso enquanto via em directo.

    • BM says:

      A bandeira do Brasil apareceu foi na nova funcionalidade de escrita inteligente das mensagens. Nas novas línguas da siri não apareceu nada.

  4. Sergio J says:

    Eu acho que o ios 8 tras muitas novidades, mas não nas funcionalidades. Para mim é na estrutura interna que estão as maiores novidades.

    As apps vão poder comunicar entre si, isto abre muitas portas.
    Poderão ser instalados novos teclados. novos widgets, etc. Nota-se uma abertura aos terceiros, mas sendo tudo na mesma controlado pelo ios. Para mim esta é a grande novidade

    O Teclado preditivo é algo que já fazia muita falta a muito tempo. Os Andoidianos vão dizer que não é novidade. para nós no ios é.

    Outra coisa que me agradou muito, mas mesmo muito foi o family sharing. A minha ex-mulher deu a pass a minha filha para instalar apps, mas o cartão de crédito é meu. Ela nunca instalou nada a pagar, mas sempre tive o coração nas mãos. Agora passo a controlar as compras directamente no meu iphone. Outra coisa é o facto de podermos partilhar compras compradas. Eu já o fazia. Mas tinha de andar a abrir e fechar as contas.

    • João Pereira says:

      O Teclado preditivo é algo que já fazia muita falta a muito tempo.

      Se, suporte para PT!

      • Ricardo says:

        Oh, mas assim vão deixar de haver aquelas imagens do auto-correct a lixar as mensagens xDD

      • Sergio J says:

        Sim com suporte para Português.

        Aqui está uma das vantagens claras do novo acordo ortográfico.

        • Nunes says:

          O acordo ortográfico não traz grandes vantagens nesse departamento – ainda mais quando ainda nem foi implementado no Brasil, ao que parece.
          Há muitas palavras de uso comum no Brasil que não são usadas em Portugal e vice-versa. A gramática tb é um pouco diferente, o que tb pode influenciar, se usar as regras gramaticais para ajustar a previsão.

          • Nelson says:

            O teclado usa a língua portuguesa de Portugal.

            O sistema de detecção de dados é que é brasileiro, ou seja àquela funcionalidade de ler as mensagens anteriores, está adaptada para a sintaxe brasileira… Na prática nao faz diferença…

          • Nunes says:

            @ Nelson
            O QuickType está feito para o Português do Brasil! É óbvio que vai resultar muitas vezes já que é português, mas há bastantes diferenças para prever que não funcione tão bem como desejado.
            Vais ver muito gerúndio nas sugestões isso é garantido

          • Nelson says:

            O QuickType vai aprender com a tua escrita, se escreves em pt-pt, vai aprender pt-pt.

      • João Pereira says:

        Tá calado xb é irritante e o pior é que corrigia para erros algumas. O suporte para PT do teclado é horrível. E agora vem em PT-BR e não PT-PT… mas pronto.

  5. ADMS says:

    Gosto das caras redondas como seu usa no google+, dos widgets como o android e o sistema igual ao picasa. Finalmente umas coisas em condições.

  6. Gaius Baltar says:

    Começo por pular os comentários do tipo: “Ah, isso já existia no Android”, “Não houve grandes novidades”, etc. Widgets, liberdade de abrir conteúdo em várias apps, teclados de terceiros, etc. são coisas boas não são? Então para que a gritaria acerca de ter sido primeiro no Android? O que preferem, ter sido o primeiro a ter sexo com a Megan Fox ou te-la agora, no auge da forma? 😉 Portanto, meus caros ser o primeiro a fazer algo nem sempre significa o primeiro a fazê-lo bem.

    • ADMS says:

      Nem tem haver com o ser o primeiro.Tem haver com o ser os copiadores que se queixam que são copiados. Um lixo de SO que as únicas coisas boas são copiadas. Em vez de gastarem dinheiro em trollices de patentes da tanga deviam era realmente desenvolver inovação. BTW eu tenho um Iphone.

      • Gaius Baltar says:

        Há diferenças entre implementar funcionalidades devidamente licenciadas de empresas adquiridas e simplesmente copiar. Uma coisa é pagar por um pão e comê-lo com o que lhe apetecer, outra bem diferente é rouba-lo ao padeiro.
        É dorido ver que nem a própria Foogle “defende” seus incondicionais. A prova disso é que TODOS os serviços relevantes da Google (e também o Google+ 🙂 ) estão disponíveis para iOS. Por que? Porque nessa história a Apple é uma pedra e o Google um ovo. Jogas uma pedra no ovo, parte o ovo. Jogas um ovo na pedra, parte o ovo! 😀
        PS: Se a Apple realmente tivesse vendido um iPhone a todos os haters que vem aos comentários dizer que têm um já teria atingido um bilião de euros de valor de mercado!

        • Gaius Baltar says:

          “Google” (gralha)

        • AADMS says:

          Vendo um Iphone 4 e um 3s, interessado? Não sou hater, simplesmente detesto ver vanglorearem um monte de baboseiras.

          • Gaius Baltar says:

            Esse 3S é iPhone? Sei sei… :-D.
            PS: “Hater é um termo usado na internet para definir pessoas que postam comentários de ódio ou crítica sem muito critério.”(Fonte: Wikipedia)
            Exemplo de um comentário sem critério: “Um lixo de SO que as únicas coisas boas são copiadas.”

          • AADMS says:

            Onde está a ser usado o osx? nos comboios? aeroportos? auto-estradas? Não se usa em lado nenhum a não ser em casa… muito bom para brincar aos djs, ao paint e não passa disso. Diz-lá onde se usa o OSX num serviço critico????? como digo Lixo, não serve para nada

          • Nunes says:

            @ AADMS
            vejo muitos Macs a serem usados em investigação, em diferentes áreas, etc.
            O mundo e o trabalho não se resume a serviços críticos, nem tudo o que é útil tem que ser pensado para ser usado em serviços críticos.

          • AADMS says:

            As áreas de investigação onde se usa o OSX o mesmo trabalho pode ser feito por um eeepc, que é ler relatórios ou ver imagens que foram geridas/capturadas/tratadas por um sistema linux ou windows. Um linux ou Windows vais precisar de certeza, o mac podes usar mas não é obrigatório.

          • Nelson says:

            @AADMS

            Onde é que vês o Windows ou o Linux a ser utilizado em sistemas críticos?

            Ooops, não vês…

            Sistemas críticos controlados por computador utilizam desde DOS, a QNX, passando por RTEMS, entre outros…

            Horses for corses… os combóios e etc’s… não precisam por exemplo, de ver videos no youtube…

          • Nunes says:

            @ AADMS
            uau, mesmo? trabalhas em investigação?
            Nas áreas de biologia molecular, bioengenharia, etc, o Mac tem uma forte presença. Muitos programas em biologia molecular começaram no Mac
            Antes de atirares com esses comentários pensa um pouco e não fales

          • OMG says:

            @ Nelson, não digas baboseiras!
            Monitores clinicos correm em Linux! Queres mais critico?

          • Nelson says:

            De certeza que não correm linux!

            Sistemas críticos necessitam de um SO de tempo real, o Linux ainda não é um sistema estável para isso… para investigação? OK, para crítico? Não.

          • OMG says:

            Gosto do teu à vontade, da confiança com que fazes afirmações daquilo que não sabes e estão erradas. Não disse o que disse porque me apeteceu, é porque tenho a certeza do que digo.

        • Dasse says:

          Depois de ler a noticia e os comentário só se pode chegar a uma conclusão: A evolução natural do smartphone será um Iphone com Android.

    • Ricardo says:

      Sim, são ótimas!
      O que as empresas mais precisam é de concorrência, assim faz com que trabalhem para se superarem umas às outras, e o consumidor final feliz com grandes novidades que elas trazem!

      Gostei da parte da Megan Fox, apesar da comparação não ser a ideal.
      E também existem pessoas que preferem ter sexo com virgens xDD.

      E o facto do Android ter as mesas funcionalidades à mais tempo não quer dizer nada, apenas as tem e pronto. Faz com que a Apple trabalhe para ter as mesmas e outras (o que vai de encontro ao que disse acima), e o que faz com que o próximo Android tenha novas funcionalidades da Apple e outras (novamente de encontro ao que disse acima).

      • Gaius Baltar says:

        A comparação é a ideal sim! Eu prefiro ter sexo com um mulher que sabe o que quer e como fazê-lo, do que com uma que não sabe nem por onde começar! Américo Vespucio não foi o primeiro a chegar às terras “descobertas” por Colombo, mas este ultimo só foi homenageado em um país, enquanto o primeiro dá nome ao continente.

    • Nelson says:

      “ter sido o primeiro a ter sexo com a Megan Fox ou te-la agora, no auge da forma?”

      Ahaha!

      As maiores novidades, as pessoas não falam, nem dão destaque.

      As maiores novidades, como o CloudKit, HealthKit, HomeKit, Metal, uma linguagem de programação mais “limpa”, um desenhador de GUI’s mais avançado, vão-se traduzir em coisas que só depois quem usa, vai notar…

      Lá está, a principal diferença entre o Android e iOS, mesmo depois deste iOS8, vai continuar a ser o ecosistema que permite uma utilização individual mais rica, e de fragmentação, reveja-se que até o 4S e o iPad 2 vão ter direito a iOS 8!

      • Ricardo says:

        Isso sim, é a principal vantagem do iOS, o ecosistema, o problema é que é bastante fechado, e produtos da apple são caros. De fragmentação é 10-5 para a apple. E porque 5 para o Android?! Porque muitas das API’s da Google vêm com o Google Play Services, o que permite ter funcoes de versões acima em versões mais abaixo, isto é possivel graças ao sistema modular do Android, coisa que não existe no iOS.

    • OMG says:

      Se for a Apple a ter sexo com a mulher interessa ser o primeiro, virgem e tal, o primeiro é sempre inesquecível, etc. Se forem outros, o que importa afinal é que ela esteja em forma, mesmo que http://goo.gl/o1DBhi
      É a chamada dualidade de critérios, indissociável dos verdadeiros fanboys.

      • Nelson says:

        A primeira vez foi em 2007, quando viste o futuro

      • Gaius Baltar says:

        Se reparares bem a Apple não é criadora de quase nenhum produto que a tornou tão grande. Não criou o leitor de MP3, nem o smartphone, muito menos o tablet. Mas foi a que conseguiu trazer a melhor experiência para o utilizador, seja ele avançado ou iniciante. Conheço hard users e noobs que utilizam os mesmos equipamentos da empresa. Obviamente que nós geeks tiramos muito mais proveito dos nossos equipamentos, mas o que fez a Apple crescer foi dar oportunidade ao utilizador comum aceder a serviços que este nunca acederia nos dispositivos da altura. Então não há dualidade de critérios, pois todas as pessoas equilibradas sabem que esses serviços são bons. A vantagem para os utilizadores Apple é que agora funcionarão muito melhor.

        • OMG says:

          Não discordo do que disseste, mas não deves ter assitido ás discussões que por aqui tem havido recentemente acerca daquilo que supostamente a Apple criou, incluindo com o boss daqui (Vitor M.).

    • Dasse says:

      Pela conversa só compras telemoveis em segunda mão. E elas nunca esquecem o primeiro, os seguintes são só mais uns 😀

      • Gaius Baltar says:

        Nota-se quem já teve “telemóveis” de verdade e quem ainda “brinca com joysticks”. 😀 Acredite, hoje em dia o mais importante não é ser o primeiro homem de uma mulher mas sim o último! Se conheceres alguma é só perguntar. 😉

        • Dasse says:

          Deus me livre em ser o ultimo. Dasse… Sou um gajo inovador gosto de renovar. Nem que seja como o Iphone, trocar a antiga por uma exactamente igual mas mais nova. rsrsrsrs

  7. fluester says:

    Enfim isto tudo deveria ter vindo no iOS7… não sei porque o atraso se já antes muitos queixavam-se das funcionalidades ainda não implementadas pela apple, deviam ter dado ouvido ai.

    4000 novas APIs os que tratam do jailbreaking vão gostar disso! Quanto ao jailbreaking do iOS 7.1.1/7.1 será que ainda existirá? Já que o meu iPhone4 não vai receber esta nova versão meter-lhe o jailbreak era fantástico.

  8. irlm says:

    Sempre o ipad mini 1 tem suporte de upgrade para ios, confirma-se?

  9. o tio do Nelson says:

    novidades que existem no Android há anos..

    • O avô do nelson says:

      A novidade é… A inovação da Apple!
      trazer para o presente o que a concorrência já chama de passado.
      Muito bom 😉

    • Gaius Baltar says:

      Sim, e agora funcionarão em um ambiente muito melhor e em equipamentos que não travam! 😉

      • Ricardo says:

        Ambiente melhor porquê?
        Não existe tal coisa, cada um é melhor que o outro à sua maneira!
        Android é um sistema mais aberto, modular e com possibilidades infinitas, iOS é mais fechado mas coeso.

        • Nelson says:

          O iOS era mais fechado, agora é mais aberto e modular que o Android…

          Vês a diferença?

          Tens a loira, a morena e a ruiva!

          • Ricardo says:

            É mais aberto sim, e finalmente que sim, mas na mesma mais fechado que o Android.
            E mais modular? Consegues com que uma aplicação forneça API’s a outras?
            No Android basta instalares uma app e tens um OS novo com mais API’s.
            Que é o que a Google faz com o Google Play Services!
            No Android continuas com a possibilidade de substituir TUDO do OS (Home screen, lock screen, settings, etc…).

          • Ricardo says:

            E mais uma cena, sendo o Android open source, existem rom’s, mods, kernel’s, etc, por ai, ou seja, para utilizadores que gostam de saber no que mexem, existe novidades todos os dias, e podem ter essas novidades no mesmo instante no seu dispositivo.
            E não venhas com o jailbreak e cydia e cenas dessas, porque sabes perfeitamente que é 1000000x mais fácil e rápido desenvolver funcionalidades para sistemas open-source do que para closed-source.

          • Nelson says:

            Em que é que uma App pode fornecer API’s a outras?

            Sem ser o “partilhar”, já que isso já existe há muito no iOS, e foi aumentado nesta versão…

            Quanto ao Homescreen/Lockscreen… para que é que eu quero isso? Muito bonito de se ver, pouca diferença na prática…

          • Ricardo says:

            @Nelson

            No Android uma app consegue fornecer as API’s que quiser a outra.
            De certeza que sabes que no Android uma app tem a extensão *.apk, ora se fores ver ao sistema do Android, é TUDO apk’s, o sistema é constituído por modulos (apps, apk’s) que comunicam entre si de todas as maneiras possíveis.

            Vou dar o exemplo do HomeKit da Apple (que foi a funcionalidade que gostei mais), basta instalar um apk no Android chamado HomeKit.apk e TODAS as aplicações conseguem usar as API’s dessa app, ficando assim um OS com mais funcionalidades sem ser preciso lançar um update com essas funcionalidades.

            Quanto ao resto, vocês também diziam que os widgets eram desnecessarios e agora que os tem são awesome.
            Instalar keyboards era desnecessário porque o da Apple é o melhor que ha.
            Só experimentado novos lock screens é que vais ver que existem uns que te facilitam a vida. Experimenta o cover no teu galaxy nexus e vais ver.
            E também só disse o que disse para dar um exemplo de como o Android é modular.

        • Gaius Baltar says:

          Por ser muito mais fácil de trabalhar e muito mais amigável ao utilizador. Utilizo diariamente os dois sistemas (aliás os três, pois também utilizo o Windows Phone) e prefiro claramente o iOS, por sua interligação total entre serviços e dispositivos. E digo mais, na altura em que o Windows Phone estiver mais maduro ultrapassará em muito o Android em facilidade de utilização e integração entre serviços.

          • Ricardo says:

            Isso da facilidade de utilização é muito subjetivo, depende de app para app, e há pessoas que acham o android mais facil do que os outros. Tambem já mexi em windows phones e acho um pouco complicado, para coisas simples é bom, mas sinto que nao tem muito espaco de evolucao, mas posso estar enganado.

            Quanto à interligação de serviços, todos eles o têm dentro do seu ecosistema, com a diferenca do da apple ser mais fechado.
            Achas que o da apple é melhor porque se calhar possuis outros produtos da apple.

            E como ja disse em cima, o iOS é mais coeso, é uma das suas vantagens.
            São gostos, por isso e que nao podes dizer que um é melhor que o outro, tudo acaba por depender dos gostos.

          • Gaius Baltar says:

            A questão principal é que as pequenas coisas que não tens no ecossistema Apple são largamente compensadas pelo o podes fazer dentro dele. A questão do custo pode ser determinante se estivermos a falar de Androids entrada de gama e iPhones 5s, mas se formos ver bem um Galaxy S5 livre de operadora não é muito mais barato que um iPhone 5s. Um Galaxy Tab 10″ não é mais barato que um iPad e um ultrabook Samsung equivalente a um MacBook Air não dista muito deste em preço. Não falemos dos Nexus, que são vendidos abaixo do valor de mercado, em quantidades relativamente pequenas e com o objetivo puramente publicitário. Tanto é assim que não existirá um Nexus 6.

          • Nelson says:

            Usar iOS é bastante fácil, se compreenderes o processo de “partilha”…

            Depois de se instalar uma App do género “Documents” da Readle, torna-se mais natural fazer certas coisas… porém…

            Isto é um pouco de system-wide Readle…

      • dwz says:

        mas se não travar bate 😮

        não entendo sempre esses comentários do “android crasha”, epa nunca tive problemas desses em mais de 3 anos que uso android e tenho sempre os telemoveis ligados meses a fio, não sei o que andam a fazer com os vossos telemoveis para estarem sempre a crashar. Já usei um iphone 4s durante uns meses e breakava mais e era bem mais laggado que o meu android na altura.

  10. Ricardo says:

    Grandes novidades! Muito boas mesmo!
    Finalmente a Apple comeca a dar luta!
    Agora é que isto vai ser interessante.

    Venham os fanboys

    **Grabs porcorn**

  11. João Reis says:

    Gostei muito de algumas novas features.

    Esmeraram-se em ouvir os utilizadores. Também não é fácil ouvir 500 Milhões de pessoas e juntar numa ideia só.

    Caminha para um ecossistema Apple ainda mais forte.
    Gosto que a Apple mantenha a exigência no software, e apenas colocar as coisas úteis e não deixar a conta do utilizador que acaba por isntalar e estragar tudo.

    Outra boa novidade, o iPhone 4S (por acaso é o que tenho) vai ter 4 anos de suporte com o iOS mais recente.

    Inacreditável tempo de vida o mais actual possível.

    iPhone 4S
    De Outubro de 2011 até Outubro 2015 (data aproximada, normalmente é quando lançam novo sistema final iOS)

    Grande apresentação ao estilo Apple, continuam a fazer manuais de como Apresentar Tecnologia em grande estilo e com simplicidade da palavra.

    Repetem é muito a palavra “Super” não sei se repararam 🙂

  12. ADMS says:

    Depois andam em tribunal a processar pela grande evolução do Slide to Unlock ahahahaha

  13. Joao says:

    voces falam de a apple copiar cenas do android mas esquecem se que que revolucionou o setor dos smartphones tables e mp3 players foi a apple e nao os dispositivos android, esse vieram depois!!

    • Ricardo says:

      Verdade, mas segundo a lógica de outras pessoas, o que vem depois é sempre melhor.
      Por isso decidam-se, ou quem inova é melhor, ou quem vem depois é melhor. Não pode ser as duas.

    • Dasse says:

      Correcto mas come está dito muitas vezes nestes comentários o que copia faz sempre melhor. Windows phone Rules

  14. arjoloro says:

    Gosto sempre de assistir às guerras entre o fans do android e os fans do IOS 😀

    Mas desta vez tenho que dar razão à malta do android por um só motivo: É que antes desta apresentação a malta do IOS falava mal dos widgets do android… diziam que não faziam falta e agora que o IOS vai ter widgets já acham a ideia interessante

    P.S.: Eu estou fora destas guerras por dois motivos… primeiro porque se for necessário utilizo qualquer sistema operativo e segundo porque atualmente até tenho o windows phone 😀

  15. OMG says:

    Os fanboys agora já não querem falar do “start your photocopiers”? 😉
    Agora isso não importa para nada, o que importa é que tenha e funcione bem, se foi copiado ou não é irrelevante… pelo menos nos próximos tempos… até a Samsung lançar algo novo.

    • Ph says:

      Sabes, é que agora está num dispositivo que não trava, os verdadeiros ifans continuam a querer acreditar que só o iOS é fluído (devem ter perdido a talk sobre o project butter, mas eu deixo aqui o link https://www.youtube.com/watch?v=Q8m9sHdyXnE&feature=kp).

      Vamos esperar para ver o que é que a google apresenta no Google I/O deste ano.

      • OMG says:

        A Google vai apresentar as novidades do próximo iOS9, i.e., o Android 5 😀

        • Nelson says:

          É…

          A Google está a dar uma volta de 360º no Android, que o utilizador comum nem se passa…

          Estão a abandonar tudo: Art e Dalvik, e a apostar no NDK.

          O que faz o NDK? Sabes?

          Por isso, debaixo da camada de gosma verde do Android, a Google está efetivamente a seguir a Apple -> Aplicações em código nativo…

          • Ricardo says:

            Onde viste que a google vai usar ndk?!
            Ela já usa isso desde o inicio para fazer codigo nativo para correr mais rapido, mas nunca ouvi dizer que irá abandonar a VM, a proxima aposta é a do ART.

          • Ricardo says:

            Mas isso sim, é o MAIOR trunfo do iOS sobre o resto!!
            Mas oh nelson, agora imagina que o android ficava mesmo só com código nativo…
            Na minha opinião ficava mesmo imbativel, e deixavam-se de queixar por completo do suposto lag.

          • OMG says:

            Sim. código nativo é invenção da Apple, não é?

          • Nelson says:

            Ricardo, vai á página do Google IO 2014, e vê o Schedule, fácilmente verificas o caminho deles, a julgar pelas apresentações (LOL, no caso da Apple eles puseram uns “é segredo” antes da keynote)

            Vê bem, de certeza que vai utilizar mais código nativo, ou pedir aos devs para usarem mais código nativo e menos java e garbage collection…

            Depende da qualidade das ferramentas que a Google vai pôr, é que o Android corre em tantas plataformas ao mesmo tempo (x86, ARMv7, ARMv8, etc…), que se não for bem feito, virão graves problemas de compatibilidade…

            Agora… Android realmente sem lag?

            Vamos ver… 😀

            Se os fabricantes não estragarem no hardware…

            De qualquer forma, torna-se numa situação engraçada, a Apple a comer a vantagem da Google, e a Google a comer a vantagem da Apple, é que são duas coisas a acontecer ao mesmo tempo… 🙂

            Assim como no hardware… com iPhones supostamente de 4,7″ e 5,5″, é preciso mais? Espero que saia um também de 4″, para quem prefere este tamanho…

          • Ricardo says:

            @Nelson

            Ah, mas foi uma inferência tua. Porque a google abandonar completamente a VM não pode ser, senão todas as apps que existem até ao momento deixavam de funcionar. Mas o Android usar codigo nativo é umas das coisas que eu desejo que aconteca desde que conheci o Android por dentro (já ha muitos anos), e vepois vem esse problema das várias arquiteturas, com a VM uma app corre em tudo, com código nativo tinha de ser feito um app para cada arquitetura.

            O melhor caminho a seguir é mesmo o ART, e optimizá-lo até não poder mais, porque assim continua-se a programar em Java, mas no dispositivo corre como código nativo.
            Ah, e implementar um tipo de ARC no compilador e mandar o GC co car***o

            Ai sim, continua com a mesma facilidade mas corre tudo muito mas mesmo muito mais rápido e sem os breaks do GC.

          • Nelson says:

            Não estou a dizer que a Google vai largar o ART 😉

            Estou a dizer que vai puxar mais pelos developers para usarem NDK.

            O Java, podes programar em Java, e depois compilar para código nativo…

            A Google utiliza primariamente VM, para poder correr em vários CPU’s muito diferentes…

            Coisa que a Apple não precisa de se preocupar, tem controlo total da plataforma, tem fat binaries.

            O engraçado, é que tens já vários casos de sucesso no Android a usar NDK, que foram portados do código do iOS, acho esta empresa muito interessante:

            https://www.apportable.com

            Que tal está o port do “Monument Valley” no Android, p.ex.?

          • Ricardo says:

            @Nelson

            Pois, lá está, usa o VM por causa da quantidade de arquiteturas em que o android corre.

            Mas não conhecia esssa do apportable, é realmente muito interessante

          • Nelson says:

            Já corre em ARMv8, i.e. ARM 64 bit? LOLOLO!

            Nesse caso, a Apple não tem de preocupar, eles é que fazem as ferramentas de desenvolvimento, eles é que desenham os CPU’s, tá tudo controlado…

          • Ricardo says:

            @Nelson

            1º Eu não disse que corria em arm v8, apenas disse que corria em arquiteturas diferentes, não mencionei o arm v8

            2º Sem contar com o CPU da Apple, ainda não ha CPU’s arm v8 em dispositivos, por isso se o Android corre ou não, não sei, mas também para já não vale a pena visto que não há CPU’s.

      • Nelson says:

        Continua na mesma com lag…

        FAIL!

        Vai sempre ter, usam GC, é isso…

        • OMG says:

          A burra a fugir e tu a dares-lhe. Atualiza-te! O garbage colector já não tem o impacto que tinha há bastante tempo, e o pouco que tem é facilmente absorvido pela grande capacidade de computação dos dispositivos Android que não low-end; o lag que alguns possam ter deve-se a bloatware. O meu G2 não tem lag NENHUM, já o note 10.1 não posso dizer o mesmo (stock rom).
          Tomara o iOS ter um gestor de memória decente que impedisse de crashar por falta de memória sem sequer um relatório de erros… talvez agora as coisas mudem… agora.

          • Nunes says:

            O “garbage collection” já não tem muito impacto no processador, mas tem impacto na memória, o que por sua vez pode ter impacto na performance, embora não da mesma maneira.

            “crashar por falta de memória sem sequer um relatório de erros”
            o crash duma aplicação tem sempre relatório de erros, deves estar a confundir com não dar aviso de erro ao utilizador, mas isso é uma escolha da Apple no sistema, não é do gestor de memória – encontras o relatório nos dados de diagnóstico.

          • Nelson says:

            Atualiza-te?

            Eu estou bem atual, lê documentos factuais de vez em quando antes de ver só revistas.

            Nota-se bem que não percebes nada da pesca, para dizer o que acabaste de dizer…

          • OMG says:

            Então mostra-me lá os documentos factuais onde leste isso.
            Memória e processador não são problemas actualmente para os Smartphones “normais”. Já não desenvolvo para iOS há uns tempos, mas o que referi era uma realidade, bastante chata por sinal. Não é por acaso que as apps de iOS crasham mais que as de Android, segundo um estudo que até foi apresentado por aqui.

          • Nunes says:

            @ OMG
            A maioria das apps que “crasham” não é por mau gestor de memória, mas por bugs nas aplicações e “memmory leaks”

          • Nelson says:

            Be my guest

            http://people.cs.umass.edu/~emery/pubs/gcvsmalloc.pdf

            Podes ver, que se tiveres 5x o tamanho de memória necessária, o GC, é tão rápido ou mais rápido que memória explicita.

            Mas se só tiveres 2x o tamanho da memória necessária, o GC atrasa-te em 70%…

            Muita fruta!

            Se for para correr app’s do género “calculadora”, GC serve bem… agora para correr app’s mais pesadas, multimédia, intensivas na computação… esquece… iOS é que é bom, ou NDK no Android…

          • OMG says:

            @ Nunes:
            Um memory leak acontece por má gestão do utilizador. São casos frequentes, e os mais chatos de resolver. Não havendo garbage collector (só com o ARC, automatic reference counting) não é suficiente para tirar dos programadores o trabalho de fazer gestão de parte da memória manualmente.

            @ Nelson:
            Ou nunca usaste NDK ou não estás a ver bem o filme. NDK serve para fins bem específicos, onde tens de desenvolver software de alto desempenho, e não para aplicações comuns.
            https://developer.android.com/tools/sdk/ndk/index.html :

            “The NDK is a toolset that allows you to implement parts of your app using native-code languages such as C and C++. For certain types of apps, this can be helpful so you can reuse existing code libraries written in these languages, but most apps do not need the Android NDK.
            Before downloading the NDK, you should understand that the NDK will not benefit most apps.”

            Por isso não estou a ver a google a incentivar o uso do NDK (que nem sentido fazia, visto a trabalheira que aquilo é).
            É como te digo, tens de te atualizar; apesar de não “ser de uma revista”, essa bibliografia já tem quase uam década, baseado para aí no Java 5; entretanto já vai na versão 8, MUITA coisa mudou entretanto… por exemplo em 2011 o Chrome teve uma grande melhoria no GC e depois também o Firefox. Estamos a falar de uma grande variação, algo do género de 200ms para 10ms, para veres o quão desatualizado andas e como a influência do GC depressa se torna negligenciavel. Por esas e por outras, os ultimos smartphones mais “limpos” não têm lag, mas é fixe continuar a alimentar o mito, para podermos justificar porque é que o iPhone é mais caro; com tantos motivos verdadeiros, não deviam era pegar num falso.

          • Nunes says:

            @ OMG
            “Um memory leak acontece por má gestão do utilizador”
            deves ter cometido algum engano – não entendo o que queres dizer.
            Um memory leak é resultado dum bug no código do programa, o uso de ARC não ajuda a prevenir todos os bugs, mas o garbage collection tb não, no máximo reduz a frequência com que aparecem.
            Mas isso vem da qualidade do código feito pelo programador, não da qualidade do gestor de memória.
            O gestor de memória no iOS faz até uma gestão mais eficiente, já que o garbage collection demora mais a libertar a memória.

          • Nelson says:

            Mas tu já usaste o NDK?

            Pois, bem me parecia…

            De qualquer forma, este ano, a Google I/O, qualquer um pode ver o Schedule, está bastante centrada no NDK.

            As coisas mudam… há uma semana atrás, o ObjectiveC era a única linguagem para iOS…

          • OMG says:

            “Um memory leak é resultado dum bug no código do programa, o uso de ARC não ajuda a prevenir todos os bugs, mas o garbage collection tb não, no máximo reduz a frequência com que aparecem.”
            O gestor de memória não serve para prevenir bugs. Trata-se de um mecanismo (como o nome indica) de gestão de memória. Se essa gestão de memória for automática (como é o caso do garbage collector), é retirado do programador o peso de tratar manualmente a libertação de recursos. Por outro lado com a gestão manual, o peso continua no utilizador e é mais fácil cometer um pequeno erro que resulta num crash do programa por exceder a memória atribuída pelo SO ao programa.
            Logo “Mas isso vem da qualidade do código feito pelo programador, não da qualidade do gestor de memória.” em relação aos bugs está certo, o que ainda dá mais razão ao facto do garbage collector ser melhor.
            “O gestor de memória no iOS faz até uma gestão mais eficiente, já que o garbage collection demora mais a libertar a memória.”
            Isso já foi discutido acima, e não foi essa a conclusão.

            @Nelson
            “Mas tu já usaste o NDK?
            Pois, bem me parecia…”
            Sim, já usei para fazer operações low level ao nível do C. Tudo o resto que sejam coisas que se possam fazer em Java, é apenas desperdício de tempo, uma vez que tens de implementar o wrapper para a função em Java, depois implementas em C a função recorrendo aos tipos do JNI. Se estivermos a fazer coisas que podemos fazer perfeitamente em Java, pra mim isso é só desperdício.

            “De qualquer forma, este ano, a Google I/O, qualquer um pode ver o Schedule, está bastante centrada no NDK.
            As coisas mudam… há uma semana atrás, o ObjectiveC era a única linguagem para iOS…”
            Vamos ver o que acontece na google I/O. A apple escolheu o objective-c, quando a google fez uma escolha mais fácil para os programadores (Java). Agora que a apple deu um passo para a frente com o swift, não me parece que a google dê um passo para trás e siga o caminho do C.

          • Nunes says:

            @ OMG
            não entendeste o que eu queria dizer.
            Já agora o ARC não é a gestão de memória, é um método/mecanismo ao nível do compilador que escreve automaticamente o que o programador teria que escrever para a gestão de memória.
            A gestão em si continua a ser por reference counting – que por sinal não é manual, já que é feita por um algoritmo. Só que O ARC não faz tudo automaticamente para o programador, este tem ainda a responsabilidade de cuidar dos casos de excepção ao ARC.
            E é aqui que muitas vezes sucedem bugs… Logo o ARC não é suficiente para prevenir todos os bugs neste tipo de gestão de memória! Percebeste agora??
            Quanto ao garbage collection, tb não é perfeito. Apesar de retirar trabalho ao programador e fazer uma gestão de memória automática, tb acontecem memory leaks por outros motivos, com a desvantagem de ser menos eficiente face ao Reference Counting, pois a memória não é logo libertada. Isto é um facto, escusas de negar, procura.

          • Nelson says:

            “Sim, já usei para fazer operações low level ao nível do C. Tudo o resto que sejam coisas que se possam fazer em Java, é apenas desperdício de tempo, uma vez que tens de implementar o wrapper para a função em Java, depois implementas em C a função recorrendo aos tipos do JNI. Se estivermos a fazer coisas que podemos fazer perfeitamente em Java, pra mim isso é só desperdício.”

            Eu bem sei que tudo o que podes fazer em C, podes fazer em Java, com meia dúzia de linha de código, e 1/5 do trabalho de debugging.

            Mas quando se quer rapidez…

            Eu não sei se a Google vai puchar tanto ou não pelo NDK, mas ao que parece pela agenda do Google I/O…

            Quanto ao ARC, é assim, iOS = gestão de memória manual e não paginação.

            É para ser rápido, ponto final.

            O ARC ajuda, porque a probabilidade de ter erros é menor, e porque o código fica mais legível, mesmo fazendo free dos objectos logo quando deixam de ser necessários…

            Mas só usas se quiseres…

          • OMG says:

            não entendeste o que eu queria dizer.
            Já agora o ARC não é a gestão de memória, é um método/mecanismo ao nível do compilador que escreve automaticamente o que o programador teria que escrever para a gestão de memória.
            A gestão em si continua a ser por reference counting – que por sinal não é manual, já que é feita por um algoritmo. Só que O ARC não faz tudo automaticamente para o programador, este tem ainda a responsabilidade de cuidar dos casos de excepção ao ARC.

            Arc significa Automatic Reference Counting. Dizes: “Já agora o ARC não é a gestão de memória” e depois “A gestão em si continua a ser por reference counting”. Em que ficamos?

            Depois “que por sinal não é manual, já que é feita por um algoritmo.” e “Só que O ARC não faz tudo automaticamente para o programador”. Então é automática ou manual?

            “E é aqui que muitas vezes sucedem bugs… Logo o ARC não é suficiente para prevenir todos os bugs neste tipo de gestão de memória! Percebeste agora??”
            Então estás a concordar com o que eu disse atrás: “Por outro lado com a gestão manual, o peso continua no utilizador e é mais fácil cometer um pequeno erro que resulta num crash do programa”.

            “Quanto ao garbage collection, tb não é perfeito. Apesar de retirar trabalho ao programador e fazer uma gestão de memória automática, tb acontecem memory leaks por outros motivos, com a desvantagem de ser menos eficiente face ao Reference Counting, pois a memória não é logo libertada. Isto é um facto, escusas de negar, procura.” Mais uma vez, isto já foi discutido atrás. Não sei se já tiveste oportunidade de programar iOS e Android, mas eu já e sei qual o custo de usar ambos.

    • Paulo says:

      A inovação tem um preço, diziam eles…lol

      • Dasse says:

        a tecnologia de ponta do ‘slide to unlock’ vale uns valentes milhões. Acho que não existiria telemoveis se esta funcionalidade não tivesse sido inventada.

  16. MarioM says:

    Parece-me que ainda não será desta que vou comprar um Iphone.
    Continuo a esperar pelo ubuntu phone,tem algumas ideias que me agradam,mas pelo visto continua a passos de caracol.

  17. Tobias says:

    Muitas dessas novidades já existiam há muito tempo no Windows Phone 8!

  18. Manuel says:

    Conclusão:

    Mais um disposito Apple para o balde dos obsolentos cá de casa- Iphone 4.

    Obrigadinho, Apple!!!

    • Gaius Baltar says:

      Conclusão nº 1: O iPhone 4 foi lançado em 24 de Junho 2010 estará actualizado até meados de Setembro de 2014 (cerca de 4 anos e 3 meses de suporte oficial).
      Conclusão nº 2: Em 16 de Dezembro de 2010 foi lançado o Nexus S, que deixou de ser suportado em 13 de Novembro de 2012 (cerca de 1 ano e 11 meses depois).
      Conclusão nº 3: Quem falou aqui em obsolescência? 😉

    • Nuno says:

      Diz ai o nome de um dispositivo android, com 4 anos de suporte? Só um, não precisa de mais basta um!!!

      • OMG says:

        O meu Galaxy S! Suporte da marca? Não. Suporte da comunidade, sim. Corre o kitkat, não a 100%, mas é usavel. A questão é, o iPhone4 conseguiria correr o iOS 8 de forma minimamente satisfatória? Provavelmente não; por mais que se optimize o sofware, mais cedo ou mais tarde vai acabar por esbarrar nas limitações do hardware.

        • Nelson says:

          Quer dizer… “suporte de marca? Não”…

          LOL!

          Então a Samsung não te pediu 700 notas, no mínimo pelo telélé?

          Não era suposto ser tão bom ou melhor que o iPhone, e mais barato?

          LOL…

          O iPhone 4, já não recebe o iOS 8, pena, mas fica-se pelo 7.

          O facto do software só deixar de suportar o hardware quando se esbarra nas limitações do hardware, só demonstra os cuidados da Apple.

          Enquanto tu tens de andar com o cabo micro-USB e o telemóvel no colo, a ler fóruns e a sacar e flashar zip’s, e custom recoveries, a Samsung anda-se a rir da tua dedicação neste momento, e ainda te corta a garantia!

          • Nuno says:

            A 2.ª é que dificilmente tens o equipamento a funcionar a 100%, existe sempre alguma coisa que não funciona e falo com conhecimento de causa.
            A 3.ª é que a grande maioria das pessoas não sabe sequer qual é a versão do OS que tem no equipamento quanto mais colocar uma rom.

          • OMG says:

            “Sabe de nada não inocente”!

            700 euros por um telemovel? Eu disse que tenho um SGS, não um iPhone. Pelo preço de um iPhone 4 da altura comprei o SGS e sobrou-me para outro quando deixou de ter atualizações da marca. As roms não oficiais têm problemas? É verdade, mas a Samsung até mo reparou gratuitamente quando o brickei com essas brincadeiras (lá se vai a tua ladaínha).
            Não funciona a 100%, é verdade, mas a minha mulher ainda anda com ele, bem satisfeita e como digo, com o fresquinho kitkat.
            Nelson, desatualizado como sempre, isso já foi tempo, a cyanogen agora facilita tudo, sem leres nada e sem fios (pasma-te!).

        • Nuno says:

          O iPhone 4 vai fazer 4 anos em Setembro e tem a ultima versão do iOS (7.1.1).
          A questão não é se o iPhne 4 conseguiria correr iOS 8. É, diz ai o nome de um equipamento android lançado em setembro de 2010 que corra a ultima versão de android (Kit Kat 4.4.3)? Talvez nem um de 2012 encontras.e esquece lá isso do suporte da comunidade porque isso é treta de 3 formas:
          A 1.º é que a empresa que te vendeu o equipamento ganha o dinheiro á conta do trabalho de outros, incluisvé do teu

          • flavio says:

            O meu saiu em 2012, custou 130€ e corre kk 4.4. O problema nem está em correr ou deixar de correr, está na marca não lançar actualização oficial

  19. Hugo Cardoso says:

    Eu a grizar me com os fanboys…
    Finalmente a apple melhora o iOS tentando ter o melhor de dois mundos.
    But still, prefiro Android. Mais funcionalidade,open source e para mim mais facil de usar.

  20. kekes says:

    Nada novo, ja la vai o tempo que a Apple andava a frente da concorrência, agora limita a seguir-la.

    • Tobias says:

      Exacto, muitas das novas funcionalidades até no Windows Phone 8 existem ao tempo! É que já nem falo do Android!

    • Paulo says:

      Espera que o Gaius Baltar responde já a isso com “mas agora não trava”, o que significa que provavelmente nunca usou um Htc one ou um nexus 5 e a única experiencia que tem com Android foi com um galaxy ace.

      E o Nelson responde a isso dizendo que agora já esta mãos aberto… Bem, isto já não consigo justiçar as razões, mas é o que diz mais a cima…

      Enfim, tal como o iOS7 mais uma data de novidades totalmente inovadoras que noutros já existem à anos. Mas mais engraçado que isso é ver o pessoal que defendia ecrãs ideais, e teclados ideais, e funções ideais para justificar as furtunas gastas, e agora afinal…o ideal sempre foi o que os outros sempre tiveram por um valor bem inferior.

    • Gaius Baltar says:

      Sim, concordo. A Swift, o Home Kit ou o Healthkit são coisas que já vemos em outros sistemas. Oh, wait… 🙂

  21. Carlos says:

    As duas grandes novidades são a surpreendente abertura a terceiros e o Metal. A primeira indica que finalmente a Apple percebeu que não pode competir com o Android sem ajuda, a segunda significa o fim do OpenGL porque basicamente quem puxava por ele era a Apple.

    O resto, os outros kits, não são nada que a concorrência não tenha já. Aliás, há até rumores que o CloudKit é pouco mais que um wrapper do Azure, entre outras razões porque a Apple não tem como disponibilizar serviços desses a nível global (e a Microsoft tem) e porque há uma clara aproximação à Microsoft noutras áreas (a integração do Bing no Spotlight é um bom exemplo).

    • Nunes says:

      o Metal não significa o fim do OpenGL, por enquanto é só para o processador A7 e no iOS. Tb não é só a Apple a usar o OpenGl, o Android tb faz uso
      Creio que o Metal mostra que a Apple vai introduzir uma nova AppleTV com capacidade para jogos, dado que com as outras tecnologias apresentadas a Apple tem agora uma plataforma de desenvolvimento de jogos própria. Um dispositivo como a AppleTV seria o rastilho para a adopção mais rápida destas tecnologias, e asseguraria uma maior diferenciação face à oferta no Android.

      Já o CloudKit tem mais importância do que imaginas, mesmo que até seja um wrapper… é uma porta para a adopção do iCloud pelos programadores, e isso é uma peça fundamental para muitas das novas funcionalidades, e que tem diferenças face à concorrência.
      A Apple está a aumentar a sua infra-estrutura própria, por isso terá a possibilidade de no futuro ter quase tudo nos seus servidores…

    • Nelson says:

      o OpenGL é usado, para além do Mac e iOS, no Android, Linux, PlayStation, Nintendo, etc… Enfim, é um standard…

      Mas quem puxava por ele, era a Apple?

  22. João Silva says:

    Não há uma alminha que consiga saber se o Siri realmente funciona com mais línguas? Que treta! Falam em mais 22 (não me parece!) idiomas e não há sítio nenhum a dizer quais são? Não está já disponível a beta?

  23. Dasse says:

    Sempre achei que a Apple devia deixar o mundo tecnológico e dedicar-se ao que faz melhor: Clonagem

  24. Benchmark do iPhone 5 says:

    O pessoal afecto à concorrência ficou com uma grande azia.

    O Android tinha, o iOS não tinha … e passou a ter 🙂

    Acho que a azia já vem do “copy/paste” – quando a Apple, finalmente, o implementou era (e é) o melhor de todos.

    Descontando o Mapas (que não era uma funcionalidade era um serviço,complexo) quando a Apple implementa uma funcionalidade melhora-a significativamente em relação à concorrência – e ao imaginativo pessoal que desenvolve tweaks, via Cydia, para iOS com jailbreak, e onde a concorrência também vai buscar inspiração.

    Por isso se querem ver a mesma funcionalidade a funcionar em condições é esperar pelo iOS 8.

    P.S. Ninguém quer escrever qualquer coisa sobre o HomeKit?

    • OMG says:

      Não queres tu falar de fotocopiadoras? A “azia” vem mesmo de quem tem telhados de vidro e se põe a atirar pedras para os vizinhos e depois… o resultado está à vista.

      Essa do copy/paste… como é que um copy/paste pode ser melhor que outro, sem um copy/paste é simplesmente isso… copy…paste?

      • Nunes says:

        acho melhor ires procurar como é que o Copy/paste era implementado no Android até a Apple introduzir no iOS… Necessitavas de muitos mais passos para realizar essas tarefas

  25. diogo says:

    Alguém me pode confirmar se já se pode ditar em português de Portugal?

  26. Dasse says:

    Quero um iPhone com Android e ui do windows phone.

  27. diogo says:

    Boas, a função para ditar funciona em português de Portugal!! já esta confirmado, funciona também em português do brasil. Fica aqui o link com todas as linguas:
    http://9to5mac.com/2014/06/03/heres-all-24-new-dictation-languages-arriving-in-ios-8-os-x-yosemite/

  28. JorgeC says:

    O que eu queria era um sistema de ficheiros decente e não como está, app a app.
    Fico fo**** quando tenho centenas de megas duplicados entre fotos, vídeos, pdfs, etc

    A Apple deve pensar que todos usam uma única app para o que se pretende fazer.

  29. helcap06 says:

    O iOS 8 já chegou a mudança não é totalmente estética, mas é profunda.
    Parecem os políticos de Potugal a falar

    Os utilizadores de IOS falava mal dos widgets do android… diziam que não faz falta e agora que o IOS vai ter. Ui que maravilha e poder trocar de teclado que bom mas se ja era o melhor vão trocar para pior? Não percebo a sim vão trocar para PT-BR.

    “O melhor do iOS 7 + o melhor do Android + muitas coisas saídas do jailbreak”
    IOS 7 = IOS com mais BUGs de sempre por isso vamos copiar o android para parecer que evoluimos muito.

    Se no android existisse uma “SIRI” em PT-Br ai jesus é porque isto porque aquilo no IOS temos muita sorte já é BR. Vergonha tantos anos de IOS e ainda não ter suporte PT-PT o pais dos Descobrimentos.

    Nota-se quem já teve “telemóveis” de verdade e quem ainda “brinca com joysticks”. 😀 Acredite, hoje em dia o mais importante não é ser o primeiro homem de uma mulher mas sim o último! Então fica la pelas velhinhas do asilo
    + 1 corvo manso a dar palpites do que não sabe
    devias experimentar ser unico não consegues da muito trabalho.

    Não sabia que os “joysticks” ja faziam chamadas e mandavam SMS
    é para isso que serve um telemovel, para ti deve ser o vibrador que conta porque vibra mais e gasta menos bateria, vais ter prazer durante mais uns míseros segundos e o melhor não encrava.

    Apple copia, uma cópia é sempre melhor que ser original.
    Bonecas insuflaveis não transmitem doenças logo devem de ser melhores que as verdadeiras.

    Google tem uma ideia logo não presta, depois é copiada e ainda tem sorte se não for processada.

  30. EacHTimE says:

    A Apple revolucionou o mundo com o iPhone e trouxe algo impensável até a altura. Foi uma inovação fenomenal que o Jobs trouxe. Mas nesta era pós Jobs parece-me que é a Apple que anda atrás dos outros.

    Parece que a Google, Samsung, Microsoft e afins aprenderam melhor com o Jobs do que a própria Apple..

    Ao ver a apresentação da Apple vi-os a apresentar coisas q já todos tem exceto eles que ainda não tinham como se fosse algo ultra inovador quando na verdade estão apenas a dar o braço a torcer a coisas que eles não puseram até agora para não dar ares de copiar os outros mas que viram que não tinham alternativa… viu-se nas várias funcionalidades que o Android já tem e que só agora as colocaram também como se fosse algo nunca visto.. e o ecrã maior do próximo iPhone vai ser mais um exemplo disso

  31. Paulo says:

    Ja tive varios android de origem e com roms e sem duvida que um iphone com jailbreak esta anos luz de qualquer android

  32. nuno machado says:

    tenho um iPhone 4s e nao consigo instalar o ios 8 alguem sabe porque?

  33. OMSG says:

    É desta que:
    – O Siri a funcionar sem ter de estar ligado à wi-fi?
    – O relatório de entrega de sms (sem ter de colocar *not# antes da msg)?

    Isso é que era essencial no iOS 8!! Nem sei como é que a Apple, que tanto estimo, ainda não ‘pensou’ nisso……!

    • Nelson says:

      “O Siri a funcionar sem ter de estar ligado à wi-fi?”

      Funciona com GPRS/3G/4G… é impossível fazer o mesmo sem ajuda da Cloud…

      “O relatório de entrega de sms (sem ter de colocar *not# antes da msg)?”

      Tu já tens relatório de entrega de SMS, e não sabes…

      Quando envias uma SMS, aparece uma barra verde em cima, quando chega a meio, é sinal que a operadora já recebeu a SMS, quando chega ao fim, significa que foi entregue. Quando falha, ele avisa-te…

  34. OMSG says:

    @Nelson. Quanto ao Siri só funcionar graças à Cloud, é mesmo uma funcionalidade a rever, gostava de poder ‘ditar as ordens a executar’ sem ter de aceder à net que nem sempre tenho disponível….Mas ok, vamos aguardar que isso aconteça em breve, se possível.

    Quanto aos relatórios das msgs, não sabia mesmo!! Muito obrigada!! Já tinha reparado na barra verde, mas apenas associei ao envio da sms, não sabia que também tinha a ver com a entrega da mesma! Muito obrigada pela dica 🙂

    • Nelson says:

      Pois, seria bom, mas a Siri necessita do iCloud, para que pensem por ela (é muito para um simples telemóvel), e para ficar mais inteligente a cada dia 😉

      Tens é de começar a exigir net ao teu operador, já que não é só para a Siri, que dá jeito, não?

      • Omsg says:

        O pbm de ter de espar ligada à net é tambem o de a bateria gastar se mais depressa, mas tudo bem 🙂 já agora, a tal de barra verde não substitui o relatório nem me parece ter a ver com a entrega. Pois eu fiz a experiência enviar uma SMS para um tlm desligado e a barra chegou ao fim. Continuamos a não ter relatórios de entrega, o q na minha opinião deveria ser resolvido pela Apple.

  35. Adriano says:

    A novidade é que com ios 7 eu conseguia sincronizar os meus dispositivos com iTunes via WIFI em Mac, agora com ios 8 não consigo. Nem em Mac nem Windows.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.