PplWare Mobile

Hackers roubam milhões de dólares das máquinas ATM em 2h


Apaixonado por tecnologia, encontro no Pplware a forma ideal de mostrar aos outros os meus conhecimentos e de partilhar tudo o que me interessa neste intrincado universo

Destaques PPLWARE

  1. Asdrubal says:

    Achei piada há dias, estava a dar o T2 num canal, e no filme foi cortada a cena do puto a sacar dinheiro no multibanco com o cartão roubado.

  2. Ui... says:

    Abençoados gajos!

  3. OPateta says:

    Não tenho pena nenhuma dos bancos, como em Portugal dão milhões de prejuízo aos contribuintes, e não acontece nada a esses CEO, Diretores, gestores da treta.

  4. RDastr says:

    1º Tinham de copiar os dados das contas + ter o pin de cada cartão
    2º Como memorizavam tantos pins? Usaram sempre o mesmo para os 16000cartoes=

    • André says:

      Tinham os dados dos cartões. Fizeram cartões onde introduziram o chip. Terão usado uma aplicação móvel para terem os pins dos cartões, tendo já sido encontrados mais de 5000 cartões que foram deitados para o lixo nas redondezas das máquinas dispensadoras de notas. Ao terem os pins, bastava colocar um número no cartão e o pin estava na aplicação móvel. Realizavam os 4 levantamentos permitidos, cartão fora, próximo cartão… quando terminaram, a polícia suspeita que terão saído do Japão quer por vôos quer por barco. Já existindo uma suspeita com uma casa de câmbios a ter trocado mais de 10 milhões de ienes, ás 10 da manhã de Domingo a 4 jovens malaios. Assim como uma casa de câmbios na China, onde alguém trocou mais de 50 milhões de Ienes por dólares americanos, na tarde de Domingo.
      O esquema foi muito bem engendrado e dá a parecer que quem o fez conhece, muito bem, o sistema bancário. Desde o roubo da base de dados, passando pelos dados dos chips e a sua montagem, até a usarem o Japão, que difere as operações de crédito nas máquinas dispensadoras de notas, durante as manhãs de Domingo, só processando as operações e enviando os pedidos de transferência dos valores, no final do dia… quando já é noite na África do sul, só sendo verificados na manhã seguinte.
      E já será a 5 vez que acontece algo semelhante no oriente. Em 2015 foi em Singapura, onde alguém terá levantado quase 5 milhões de dólares, com cartões roubados a um banco da Tailândia.

    • Vito Kú says:

      Pelo que percebi os cartões não são clones, são gerados com os dados roubados, logo, poderão ser criados com um código partilhado entre todos.

  5. Jorge Sequeira says:

    São das pessoas que mais admiro!

    • Vito Kú says:

      Porque não foste lesado, o dia que o fizerem com o teu dinheiro já cantas outra musica.
      Com a idade e a experiencia de vida, associadas ao teu desenvolvimento como pessoa durante a idade adulta, irás aprender a avaliar as coisas com base em factos, em realidades, em algo que seja lógico, e essa mais madura mentalidade irá ajudar-te a pensar duas vezes antes de dizeres asneiras.

      • Andreia says:

        Se é para perder dinheiro, que seja com os hackers. Cada dia que passa dou mais valor a estas pessoas e só tenho pena de não saber fazer o mesmo ou pelo menos ter o conhecimento e audácia deles. Por mim podem buscar 1000€ a cada português, todos nos sentiríamos melhor e não nos sentiríamos roubados pelo estado.
        Venham a Portugal por favor!

    • fr says:

      São tipo ladrões de bancos amadores que foram bem sucedidos…os profissionais gerem-nos

  6. JMC says:

    Se os dados dos cartões bancários foram roubados, quem ficou sem o dinheiro foram os titulares dos cartões (os clientes) e não os bancos. Os bancos vão fazer tudo para não assumir a responsabilidade.

    • sómaisum says:

      Eles têm a responsabilidade na mesma, visto que foram os dados roubados (dados “impressos” noutro cartao), e não o cartão fisico. A culpa é do banco por não ter segurança suficiente.

      Se isso chega para eles não assumirem a culpa? Sei lá.. não punhas mãos no fogo…

    • André says:

      Não.
      Se o cliente não estiver estado no Japão e apresentar o cartão verdadeiro em 48 horas, o banco tem de activar o seguro de crédito, para além de ter de proceder ás trocas de todos os cartões que foram usados nesta actividade.
      É uma situação “comum” em sítios como o Brasil e o México, onde são feitas clonagens dos cartões em demasiados sítios. Se a pessoa já estiver fora do país quando o cartão é usado, o banco responsabiliza-se e reembolsa o cliente.

      • Marco Lima says:

        O mínimo que o banco pode fazer, afinal eles já utilizam o nosso dinheiro para fazer investimentos mensais aos quais não tem dinheiro. Agora você imagine se cada um está a sacar todo o dinheiro que tem no banco. Sabendo que a maior porcentagem das falhas de seguranças estão dentro da empresa. Incrível o quanto temos “investidores” que gostam de arriscar suas carreiras por alguns mireis…

      • Grammar_Nazi says:

        *tiver estado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.