PplWare Mobile

Alerta: Não caia neste esquema fraudulento em nome da Autoridade Tributária


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. João Roberto de Oliveira Furtado says:

    E não será a própria AT um esquema fraudulento? Pagamos impostos para supostamente suportar serviços publicos mas na realidade andamos a salvar bancos

    • mlopes says:

      então é a assembleia da república que é um esquema fraudulento, já que as decisões dos chamados “resgates” são da sua responsabilidade!

    • Jorge says:

      Tocou na “ferida”.

      A AT/ASAE e outras variantes transformaram-se em unidades de “caça/furto” ao dinheiro de quem trabalha e gera riqueza.
      A informação que reúnem sobre os contribuintes é assustadoramente perigosa para estar nas mãos de tantos incompetentes/corruptos. Não sou do tempo da PIDE, mas tenham a consciência que a informação que AT detém neste momento sobre “todos”, é muito superior e muito mais perigosa.
      A troco de meia dúzia de tustos em retorno do IRS previamente sacado, “o povo” fornece voluntariamente (n.º de contribuinte) o histórico da sua vida (saúde, compras, viagens, lazer, alimentação, etc.). Não se admirem se no futuro chegarem a certos sítios (hospitais, seguradoras, etc.) e as “portas” fecharem-se sem explicação.
      Mas como diz o adágio popular: “Cada um sabe de si”.

    • Carlos Oliveira says:

      Hmm está um pouco confuso. Apesar de a AT “ser Estado” a AT é diferente de Estado/Governo. Apesar do legislador ser o Estado/Governo apenas cabe à AT aplicar essas regras elaboradas e impostas pelo legislador. Sejam declarativas ou do tipo de cobrança.
      A aplicação e destino dados a “desses dinheiros” nada tem a ver com a AT.

      • Sujeito says:

        Isso é desresponsabilização de dialética falaciosa.

        É a velha história do “eu matei-os mas estava só a seguir ordens, não tenho culpa”.

        A AT, e outras instituições, são manifestações em formato físico das medidas do tal Estado/Governo. Consequentemente, são uma extensão dele, criado por ele, para aplicar as suas decisões, sem sofrer na pele diretamente.

  2. Redin says:

    Tendo como base a possibilidade desse endereço de email nem sequer existir nem estando registado, é mais um prova de que um modelo que obrigue o remetente a só libertar as mensagens depois da resposta do destinatário com interesse em receber a mensagem, faria com que elas ficassem no remetente no lugar de ficar nas pastas dos destinatários.

  3. Asdrubal says:

    A própria Autoridade Tributária é uma fraude.

  4. Bruno says:

    e-mail fraudulento são os que recebemos das finanças

  5. Adolfo Dias says:

    São fraudulentos, nomeadamente aqueles emails enviados para os caloteiros e trafulhas parasitas desta sociedade….

    • Darkman says:

      E assim anda Portugal! Só sabem dizer mal do “vizinho”.
      As leis são feitas na Assembleia da República, não se esqueçam disso!
      E ninguém quer passar facturas, ninguém quer pagar impostos, etc
      E depois reclamam do estado do país!
      São sempre os mesmo a pagar as crises e as dívidas públicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.