PplWare Mobile

É importante criar partições no disco do seu PC?


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. Sérgio says:

    No meu velhinho PC, disco de 400GB, 4 partições

  2. Catarino says:

    Pessoalmente não aconselho, poderá existir alguma melhoria na rapidez no caso dos HDD “normais” e no caso de ser necessário formatar sistema é simples de usar uma partição para backup, no entanto infelizmente já tive caso de centenas de clientes em que o disco está particionado e grande maioria deles acaba por ficar com o disco cheio porque não usa as outras partições.
    Actualmente prefiro um SDD para sistema/programas e HDD normal para outros dados.

    • Catarino says:

      SSD*

      Dava mesmo jeito a opção de edição de comentários.
      E já agora uns likes 😀

    • Mario says:

      Já tive um disco 500 GB com 2 partições, mas tive a impressão que por vezes o sistema ficava um pouco mais lento, talvez por causa do Antivirus, ou do serviço de indexação (ou algo do género). É que eram 2 partições, mas uma única cabeça de leitura (ainda que múltipla), que não conseguia estar nos 2 sítios ao mesmo tempo. Atualmente tenho esse mesmo disco como secundário (partição única), mas instalei um SSD 128 MB para o SO e programas. O 2º disco tem backups, e fotos e vídeos. Faço backups importantes para outras unidades externas diversas, para prevenir alguma calamidade na máquina. E estou satisfeito com esta solução.

    • Paulo says:

      Já a muitos anos que crio 2 partições, uma para sistema e outra para dados/ficheiros, e tenho o cuidado de reencaminhar as pastas de documentos, fotos,musica, transferências para a 2º partição, deixando a 1º só para programas, torna mais facil a formatação e instalação do sistema operativo. Por ter 2 partições já consegui salvar os meus dados após um disco ter dados erros de arranque (sectores de arranque danificados).

    • Paulo Figueiredo says:

      O facto dos clientes não usarem a outra partição tem a ver com a configuração que é feita para que o perfil do utilizador fique na partição que não a do sistema. Todos sabemos que o utilizador dito “normal”, carrega o “desktop” com ficheiros (que não deveria), logo se o perfil do utilizador estiver corretamente configurado ele só estará a encher a partição destinado para ele.

    • Daniel says:

      6 discos, 2 SSD 128GB não particionados, 3 SATA normais em raid 0, 1 outro SATA normal.

      Os que estão em raid 0 faz 5 partições, o outro normal são 2 partições. No total são 9 unidades de disco que tenho disponíveis no PC. E uso-as a todas.

    • slyzer says:

      o teu argumento é simplesmente que os utilizadores não têm conhecimento suficiente para saberem usar as 2 partições que têm e isso não é argumento… das duas 1a: ou a pessoa que pôs as partições deveria tê-lo feito bem (programas e jogos para 1 lado; e tudo o resto para outro, incluindo pasta do utilizador) e não o fez, ou então o utilizador não sabe usar o seu pc…

      • Catarino says:

        Normalmente quando tenho pcs de clientes, as partições vem definidas da marca.
        Por isso que grande maioria deles não se apercebe que elas existem.

        Tendo em conta que basta mudar o nome de um atalho de “Email” para “Outlook” para não saber o que faz, imagina explicar que deverá colocar dados de um lado e resto do outro.
        São pequenos detalhes que para a maiores de nós é simples mas uma grande “fatia” da população é uma dor de cabeça.

        Ou seja eu não disse que não se deve fazer, disse que não aconselhava, e expliquei o porquê.

    • Magno Campos says:

      faz como eu… pegas nas bibliotecas no caso do +windows 7 e colocas-as na partição criada, funciona como ginjas…
      redireccionas ainda o ambiente de trabalho também para a partição e tambem os downloads e voilá, ng mais te chateia.. XD

    • Magno Campos says:

      faz como eu… pegas nas bibliotecas no caso do +windows 7 e colocas-as na partição criada, funciona como ginjas…
      redireccionas ainda o ambiente de trabalho também para a partição e tambem os downloads e voilá, ng mais te chateia.. XD

  3. Leandro says:

    Tenho 3. E dá bastante jeito.

  4. João says:

    Pessoalmente uso várias partições.
    Principalmente para separar o Sistema dos restantes ficheiros. Tudo o que não quero perder coloco numa partição que não a do Sistema, assim se por qualquer motivo tiver que formatar o PC não perco nada Importante.

    • ZarkBit says:

      É o que costumo fazer aos meus clientes, partição de sistema e partição com as pastas pessoais (Meus DOcumentos, Minha Músicas, etc, etc), desse modo quando for necessário efectuar uma limpeza a fundo, é muito mais fácil repor essas pastas.

      Já eu pessoalmente, é um disco para cada coisa.

  5. Realista says:

    Tenho duas.
    Um para o sistema e outro para ficheiros, se o sistema for à vida tenho os ficheiros a salvo.

  6. joao says:

    Em relação aos HDD já se sabe que acaba por ser útil, e quanto aos SSD? tenho ouvido o contrário, aconselham também?

  7. Jeremias says:

    pessoalmente uso duas partições mais o meu disco externo oferecido, dá-me imenso jeito. Mas partições nunca são demais

  8. Ana says:

    Uso apenas uma.

  9. Haadok says:

    Sempre tenho Windows e Ubuntu instalados em minhas máquinas.
    O Windows 10 cria automaticamente 3 partições. Crio ainda uma participação para dados (D).
    No Ubuntu, crio às participações do sistema, swap e boot. A de boot é necessária para a instalação em UEFI.
    Ao total são seis partições.

  10. Leoni says:

    Já tive hds particionados, mas hoje tenho 3 hds: 1 ssd de 120gb; 1 hd de 500gb e 1 de 1 tera.

  11. Hugo Freitas says:

    Isto é uma pergunta estúpida e de resposta simples. É importante criar partições no disco do seu PC? Sim… se efectivamente desejar utilizar o espaço do disco é sempre necessário criar uma que seja. O Win7, 8, 8.1 e 10 usam uma partição de BOOT e outra com o SO propriamente dito. Se uma pessoa desejar dualboot com Win e Linux terá obrigatoriamente de ter no mínimo 3 partições (recomendável 4 no mínimo). Antigamente (win2k/xp) gostava de ter 2 partições: uma para SO e programas e outra para dados. Era-me mais confortável assim. Agora tendo um SSD o mais normal será ter 2 discos (1 SO e outro dados).
    Tudo depende do que se quer fazer… agora… pelo menos uma terá de haver sempre!

    • Daniel says:

      Aqui a questão não são as partições que não são “úteis” (como as de boot ou recovery), mas sim as que se dão uso explícito e não somente de suporte ao funcionamento.

  12. Miguel G. says:

    As partições também são úteis do ponto de vista do utilizador e não só do sistema.
    Facilita a organização das coisas e a blindagem de blocos.
    Uso 3 partições, uma para SO e instalação de programas, outra para arquivo geral e uma última como zona de quarentena para download/upload (net) ou sincronização pontual entre dispositivos.

    Cada qual com a capacidade ajustada ao seu contexto de utilização, não faria sentido ter três partições com a mesma dimensão.

  13. Luis C says:

    A questão da vantagem das partições acho que é indiscutível num Hard Disc Drive. O que realmente é discutível e deve ser levado em conta é a gestão do espaço de cada partição. Relativamente aos Solid State Drive, bem…, se me perguntarem se prefiro um Fiat ou um Ferrari, a minha resposta é óbvia, tal como o é nesta situação. Se posso comprar o ferrari, aí a questão já é outra! Genial não é a sugestão de investir em hardware melhor para resolver a questão, mas sim encontrar a melhor solução para o problema com a configuração existente. Não sei porque o Sr. Catarino desaconselha o particionamento do HDD, quando o mesmo admite que melhora a velocidade, sendo o problema apenas o dimensionamento das partições. Enfim, cada um tem a sua opinião e respeito-a, tal como respeito quem tem máquinas topo de gama e quem tem PC´s velhinhos. Reitero: genial é quem resolve, não quem põe mais dinheiro em cima da mesa!

    • Catarino says:

      Pessoalmente continuo achar melhor ter 2 HDDs nem que seja um para sistema outro para dados.
      Isto porque usar partições para guardar dados nem sempre funciona muito bem tendo em conta que se o disco tiver problemas tanto deixamos de ter acesso a uma partição como às outras todas.
      Ou seja, no lugar de termos um disco de 500Gb ou 1Tb investimos em 2 de 250 ou de 500, em que um seja para sistema outro para dados.
      Reitiro: genil é quem previne, não quem põe mais dinheiro sem cima da mesa.

      • Douglas Ferreira says:

        Se é para ter 2 HDDs, preferiria usar em RAID 1, onde os dados são espelhados, gerando uma espécie de backup instantâneo e aumentando a velocidade de leitura. Porém, mesmo com Raid 1 eu ainda particionaria, principalmente por conta da facilidade de reinstalar o SO sem afetar os arquivos pessoais.

        • Daniel says:

          Se queres mesmo raid e sem perderes performance, redundância ou espaço útil em demasia tens raid 5. Aos anos que as boards que têm controladoras RAID suportam raid 5.

          • Douglas Ferreira says:

            Pelo pouco que sei, raid 5 precisa de no mínimo 3 HDDs. Com dois é possível reais 0 (split) ou 1 (mirror).

          • Daniel says:

            Stripe (não “split”, embora que seja o que acontece na verdade), e sim é necessário no mínimo 3 discos, no entanto:
            Com raid 0 não tens segurança acrescida (mirroring ou parity) sendo que indo um disco ao ar perdes tudo o que tinhas nos dois, no entanto tens performance de a informação ser dividida entre dois discos, e o espaço total disponível (1/1);
            Com raid 1 não tens aumento de performance e perdes um dos discos para redundância, sendo que o espaço total é sempre metade (1/2). Vantagem é que perdendo um dos discos consegues recuperar tudo.
            Com raid 5 tens performance (stripping) e redundância (parity) mas com o custo de perderes 1/3 do espaço, sendo que fica disponível 2/3 do espaço em disco.

            Isso tudo vai depender do quão confortável estás em perder os dados ou quanto necessitas de espaço em discou ou de alguma segurança. Eu tenho uma configuração em raid 0 pois não preciso de redundância (tenho backups do que é essencial, e do que não é perco uma tarde a reinstalar tudo de novo) e o que pretendia era performance e espaço em disco (3 discos, podia ter ido para raid5 mas como disse, o factor “redundância” não entrava aqui). No entanto no servidor já tenho em raid 5 visto ser onde faço backup e preciso de performance e o max espaço disponível. Haverá situações que raid 1 é realmente importante, mas não encontro grandes cenários no uso doméstico (aos anos que uso a tecnologia de redundância por paridade, como criar ficheiros de parity check e recover para backups) e bate aos pontos a simples duplicação de dados pois mesmo se tiver algum ficheiro corrompido recupero com qualquer ficheiro de parity. Mesma lógica se aplica ao raid 5, mas ao nível dos discos.

          • Daniel says:

            Esqueci-me de dizer: se fosse uma questão de performance + redundância escolheria sempre raid 10 (isso se me apetecesse torrar dinheiro em discos decentes e com grande capacidade para ter pelo menos 4 a fazer stripping e mirroring dos stripped (mas continuava sempre somente com 1/2 da capacidade total).

            E o outro comentário onde eu estou a responder a isto já irá aparecer, está a aguardar moderação 🙂

          • Daniel says:

            E queria dizer que perdes o espaço efectivo equivalente a um dos discos, não que um dos discos é usado para parity, todos os discos são usados para parity blocks (em relação ao raid 5).

            Se parecer estranho este comentário é porque o outro está a aguardar moderação.

      • Luis C says:

        Continuo com a mesma opinião, Sr. Catarino. O que está em discussão é a partição ou não de um HDD. De acordo com o que diz, prudente e previdente será quem tiver 10HDD de 100gb cada com copias de segurança em todos, sendo um deles para o SO, em vez de um disco de 1Tb?! As permissas em discussão são: Um HDD; partição ou não. Não questiono as vantagens da sua solução, são boas e até ha melhores, mas acho que são offtopic…

        • Catarino says:

          E eu continuo com a mesma opinião que para um HDD, se for um utilizador experiente tem vantagens talvez em nível de rapidez , para quando se pretende formatar o pc etc etc

          No entanto para o utilizador comum que normalmente não sabe sequer o que é uma partição aconselho apenas uma, pelas razões que já expliquei anteriormente.
          Acho que mais claro que isto não posso ser.

  14. censo says:

    Nos meus pessoais tenho duas ou mais partiçoes, uma em exclusivo para sistema, tal como em todos os pcs que passam pela minha mão.

  15. iDroid says:

    Tenho um ssd com o sistema operativo e o restante software, dois discos migrados de um pc mais antigo (um de 250GB e outro de 640GB) com informação de menor importância, e um de 2TB que é uma cópia espelhada de um externo de 2TB. Não vejo nececssidade de mais do que uma partição em cada um dos discos.

  16. Paulo Jorge says:

    Bem eu uso vários Discos, um SDD para o arranque e depois tenho mais 3 Discos internos, para backup uma NAS e ainda um Disco externo, caso tudo falhe alguns dados os mais sensiveis estão encriptados numa cloud.

  17. Christian Nogueira de Faria says:

    Basta as que o sistema cria ao ser instalado, quanto menos partições melhor!

    • ALVEGA says:

      Porquê ?
      Seria de bom tom fundamentar as afirmações, neste caso e outros claro.
      Pois muitos como eu que frequentam o pplware não são “experts” e ao invés de apreenderem algo e esclarecerem duvidas, pior ficam.

      Sem ofensas.

      • Christian Nogueira de Faria says:

        Organização de arquivos!

      • Douglas Ferreira says:

        Na verdade é justamente o contrário. O melhor é sistema operacional e programas numa partição e outras partições separadas para os arquivos.

        Isso facilita inclusive a desfragmentação do disco que se faz no Windows. É muito mais rápido desfragmentar uma partição que tem apenas o SO do que uma partição gigante lotada de arquivos todos misturados – quando digo “misturados” não me refiro a estarem em apenas uma pasta, mas sim em estarem em uma única partição, visto que aos utilitários interessa principalmente que os arquivos sejam contíguos, ou seja, estejam escritos setores lado a lado.

        Concordo com sua convicção de que quando se opina deve-se fundamentar a explicação. Se o autor do texto disse que as vantagens de particionar são maiores que as desvantagens, quem não concorda deve ao menos explicar o porquê, e não simplesmente dizer que “é melhor porque é melhor”.

        • Christian Nogueira de Faria says:

          Estando em partições juntas ou separadas o tempo de desfragmentação total será sempre o mesmo!
          E sobre a organização por experiência própria, varia árvores fazem uma bela bagunça nos arquivos!
          http://b.1339.cf/lovsdtp.png

          • Douglas Ferreira says:

            Se você tem uma partição onde arquivos são alterados constantemente ela certamente ficará muito mais fragmentada que uma partição onde estão diversos MP3 que são usados somente para reprodução, sem sofrerem alteração de dados. Dessa forma, apenas a primeira partição tomaria grande tempo de desfragmentação.

  18. Jorge Gabriel says:

    tenho no meu desktop 3 partições no SSD para o Sistema operativo (Linux)
    Uma para o directorio “/” , outra para o EFI e uma ultima para o Swap. num outro disco mecanico tenho o diretorio “/home”
    Dá muito jeito porque caso algo aconteça ao SSD (sistema corrompido, …. ) é muito mais fácil salvaguardar os ficheiros

    No windows também é possível ter os ficheiros do utilizador noutra partição mas tem de ser dar mais umas voltinhas xD

    • Douglas Ferreira says:

      Essa questão de manter o /home em uma partição separada é interessante também para quem usa mais de uma distribuição Linux em dual boot, pois dá para ter os arquivos na área de trabalho, no documentos, musicas, downloads etc, independente de qual SO estiver usando, pois é sempre a mesma partição montada para /home em todos os SO.

      E indo mais além, seria bem interessante ter o /home de todos os usuários em um disco de rede. Assim, em qualquer computador que se logue teria acesso fácil à seus arquivos bem como preferências de aplicativos e configurações pessoais.

      • Daniel says:

        Eu normalmente quando instalo linux tenho diversas partições (e que é como está actualmente no servidor):

        /
        /home
        /opt
        /boot

        A de swap não tenho pois no servidor com a quantidade de memória nunca chega perto do limite (por enquanto) e é mais prático criar um swapfile on demand do que ter uma partição a “ganhar pó”.

        E a razão é simples, se quiser fazer backup de algo é-me mais simples fazer um tar.gz do que se fosse por inteiro… se correr mal só tenho de arrancar com uma pen, montar a partição e siga para bingo com a recuperação.

        Já usei LVM e é muito porreiro, mas para o que eu precisava acabei por desistir pois na altura em que usei tinha tudo disperso por vários discos, agora é uma configuração em RAID já me faz o que necessitava do LVM (que era criar um único “disco” de diversos e depois particionar, além de que não necessito de fazer redimensionamento on-demand enquanto o sistema está a funcionar).

  19. davi@Dikiapp says:

    Gosto de separar as partições para “/”, “swap”,”/opt” e “/home”

  20. Simão says:

    Bom, bom e ter dois disco fisicos SSD (para SO) HDD para dados e programas. várias vezes clientes com várias partições e disco rigido com bad sectors ou mesmo problemas electricos….conclusão…vai cão, vai casota, vai tudo…

    • Douglas Ferreira says:

      Eu já diria que o melhor mesmo seria 3 SSDs em Raid 5 para o SO e programas, assim dá para garantir maior velocidade, espaço e segurança para o sistema. Não vejo vantagem em manter programas instalados no HDD quando se tem SSD, o tempo de abertura fica bem maior no SSD. Os arquivos eu concordo que é melhor deixar no HDD, unicamente por conta de espaço.

  21. José António says:

    Já tive um pc c/disco HDD c/2 e 3 partições e resultou ser muito útil, quando o sistema operativo deu problemas e fui obrigado a formatar o disco (partição do sist. oper.)
    Atualmente p/ o sistema operativo + office + diverso software, tenho um disco HDD de 250 GB, de 1 partição.
    Os backup são feitos automaticamente p/um disco externo HDD de 1 TB.

  22. LMA says:

    Há ainda a questão do tamanho dos sectores que variam em função do tamanho de cada disco/partição o que na prática se traduz em poupança/perda de espaço. Se bem que com o tamanho que os discos têm hoje em dia isto vale o que vale..

  23. irlm says:

    Um bom artigo acerca de partições em LVM
    http://m.youtube.com/watch?v=8AzZwKk9zUw

  24. mjmft says:

    Não tenho, porque por mais incrível que pareça, não as sei fazer, A única vez que tentei fazer acabei por formatar o disco.

  25. Paulo Figueiredo says:

    Eu aconselho pelo menos a ter duas partições, dependendo da capacidade do disco. Uma partição para o sistema operativo e aplicações e a outra para os dados e perfis de utilizadores. Assim no caso de haver problemas com o Sistema e tendo por exemplo uma imagem do computador, poderemos repor só por exemplo a partição do sistema operativo

  26. Rafael says:

    Nas máquinas do meu local de trabalho, duas. Uma para SO outra para “Documentos”.
    Nos meus de casa… Deixa cá ver…:
    1 Mac OS X
    1 Linux ext4
    1 Linux ext4
    1 Windows ntfs
    1 Windows ntfs
    1 SWAP
    1 “Documentos”.
    Desvantagens, não conheço
    Vantagens: Quando a partição de sistema fica marada, formato e instalo, deixando a outra intacta.

  27. Reinaldo Lima says:

    Tenho 3 Hds, 1 HD de 1 Tera para Dados, 1 HD de 500 para Windows Ultimate e Windows 10 e um HD de 160 Gb com 8 Sistemas Linux instalado.
    Gosto muito de testar sistemas operacionais, especialmente Linux.

    • Douglas Ferreira says:

      Eu também gosto de testar várias distros Linux, apesar de que meu uso a maior parte do tempo é com o Mac OS X.

      Atualmente, como uso um MacBook com 8 GB de memória, prefiro usar máquinas virtuais que instalar em dual boot, tanto por manter o Linux rodando ao mesmo tempo do OS X, quanto por poder fazer testes de comunicação via rede entre os dois sistemas e até entre máquinas virtuais distintas. Lógico que o desempenho não é o mesmo, mas poder testar se um serviço no Linux está acessível via rede sem precisar de outro computador é muito útil.

  28. Bruno Ferreira Cantante says:

    Na minha opinião o particionamento não faz muito sentido em discos com capacidade reduzida e quando o utilizador opta por fazer um backup num disco externo.
    Por outro lado concordo que para quem não usa um disco externo e têm um disco com algum espaço, particionar para ter o SO numa partição e os ficheiros noutra é uma mais valia. Por experiência posso afirmar que é mais frequente encontrar sectores danificados que albergam ficheiro do SO do que sectores que albergam ficheiros dos utilizadores, isto acontece derivado à diferença de actividade, por norma os ficheiros do SO sofrem mais alterações e estando separados em partições diferentes por norma é mais fácil de recuperar.
    Qualquer das formas, a minha recomendação é manter a informação em mais do que um lado e hj em dia, com soluções como dropbox, onedrive, owncloud, etc, é muito fácil.

    • Daniel says:

      Concordo com os discos de capacidade mais reduzida.
      O resto vai depender muito de pessoa para pessoa. Se for a minha mãe ela está-se a borrifar, instala tudo no mesmo sítio, guarda os ficheiros no primeiro sítio que os programas dizem que vão gravar (e depois queixa-se de não os encontrar mais tarde). Eu no meu caso não me imagino a ter um PC sem partições, é como se o SO não tivesse directorias (e eu cheguei a ver pessoas, no tempo do DOS, a conseguirem a proeza de instalarem e copiarem tudo para dentro da raiz do C:… e depois nada funcionar por apagarem coisas erradas 😉

      No entanto houve tempos em que era essencial criar partições, por limitações do FAT32 e Windows até ao Vista ou o 7, não me recordo qual (o limite era 32GB? Já não me recordo, mas acho que era).

  29. Miguel says:

    Eu pessoalmente prefiro ter os meus ficheiros organizados por pastas. Quando noto que o sistema fica mais lento ao acessar uma pasta com muitos ficheiros, crio subpastas nesta, e reparto os ficheiros.
    Até agora não tive qualquer tipo de problema e recomendo!

    • Rui Costa says:

      Sim, essa é realmente a melhor forma de organizar os ficheiros tendo como objectivo a eficiência. É pena muita gente não saber disso e por vezes queixam-se do computador estar lento e recorrem a malware tipo ccleaner, quando este pequeno truque consegue ser muito mais eficaz. Trabalho há 15 anos como administrador de sistemas e em todos os sistemas que faço gestão, só coloco um ficheiro por pasta.

  30. João Terra says:

    No meu disco tenho 3 partições. 2 partições para o windows 7 e 10 e a outra partição que já vinha de fabrica ficou para backup de dados e outras coisas, bem como um cartão sd para expandir memoria ou colocar dados

  31. Alexsandro says:

    tenho 2 ssd’s (1º com 1 partiçao NTFS/windows 2º com linux/ext4 e swap) e 1 HDD com 2 partiçoes NTFS

  32. Douglas Ferreira says:

    Interessante ressaltar que, devido ao formado de disco do HDD, e devido ainda ao início do disco ser justamente nas trilhas externas e ao fim ser mais próximo do eixo, as primeiras partições terão um tempo de acesso a dados menor que as últimas partições, pois numa trilha mais externa (com circunferência maior) há mais setores que numa trilha interna (de circunferência menor), o que faz com que mais dados sejam lidos em cada giro do disco no início do HDD, em contra partida aos poucos setores lindos próximos ao eixo.

    Pensando dessa forma, quem particiona o disco com intuito de manter uma partição para o sistema operacional e outra partição para os dados deve, preferencialmente, instalar o sistema na primeira partição.

    O mesmo eu recomendaria para quem usa mais de um SO. Quem tem Linux e Windows instalados na máquina, mas usa com muito mais frequência o Linux, deve deixa-lo na primeira partição, aproveitando o melhor desempenho na leitura dos dados nesta partição.

    Um problema que teoricamente poderia surgir com o particionamento é o “envelhecimento” de uma parte do disco bem antes da outra. Imagine uma partição onde setores são gravados e regravados continuamente, enquanto outra partição fica praticamente sem uso. Os setores da partição mais utilizada “envelhecerão” antes dos setores da outra partição. Acredito que este problema seja mais crítico nos SSD.

  33. Zaark says:

    Laptop: 6 partições: SSD, antiga partição do OS no HDD, partição de dados e 3 para Ubuntu (swap, / e /home). No desktop são 3: Windows, Dados e uma lógica para Ubuntu.

  34. RJCA says:

    Pois eu adoptei a teoria de em vez de criar partições num disco apenas, uso 2 no meu PC (1 de 200GB e outro de 500GB). Desta forma uso o mais fraco para o sistema operativo e demais programas e o de 500GB para o resto. Salvaguardei também no 2º disco ter precisamente as pastas correspondentes do “Os meus Documentos”…

  35. YaBa says:

    4
    – NTFS (S.O.)
    – NTFS (Dados)
    – ext4 (Linux)
    – swap (Linux)

  36. Leitor atento says:

    E depois temos as estupidezes monumentais de fabricantes como a Lenovo que nos vendem portáteis nos quais, se criamos partições o sistema de recuperação de fábrica deixa de funcionar. Or so I’ve read. GG!

  37. raulleal says:

    eu uso sempre pelo menos duas partições em casa para SO e DADOS, e a razão e não so a questão de poder reinstalar de urgência, mas também para evitar fragmentação exagerada, assim o SO faz a m*** que quiser que não afeta o resto. e ainda se tiver um ficheiro de outlook maciço(tipo 10-15 GB) faço uma partição exclusivamente para isso para não fragmentar o mesmo.

  38. Pedro says:

    Acho que quem fez essa noticia, não fez o seu trabalho de casa completo.
    Desde quanto é melhor criar partições dentro do mesmo disco.
    Para quem não sabe, cada partição criada, perde uma percentagem do disco, onde guarda a informação da própria partição. Logo muitas partições perdemos mais do que 1gb de disco.
    Não é necessário ter partições para proteger o conteúdo, podemos proteger a pasta, e também podemos adicionar as respectivas cotas.
    Agora o mais grave é dizer que os chamados “bad sectors” se um sistema tem o outro não. Como assim, se o disco é o mesmo, até pode estar nas duas partições, para isso basta que os sectores danificados estejam nas duas partições. Em relação aos backups, quando o disco avaria, avaria todas as partições, nunca se deve fazer backup para dentro do mesmo disco físico.

    • Pedro Pinto says:

      🙂 Leio com casa coisa 😀
      Então vais criar partições em discos diferentes’????
      Quando ao perder é normal, até porque tens de ter os superblock, groupblocks, tabela de inodes e afins.

      • Pedro says:

        Onde disse criar partições em discos diferentes.
        Apenas disse que criar varias partições no mesmo disco, não compensa, nem para sistema de backups, nem para protecção de conteúdos.
        Para quem quer ter protecção, tem de as copiar para fora do disco em questão.

        Administrador de sistemas

      • Daniel says:

        Esses termos foi para fazeres parecer que percebes disto? LOL
        O que tem a ver bad sectors com sistema de ficheiros?? Um sistema de ficheiros é a forma como os dados estão organizados. Pode haver um problema no sistema de ficheiros sem que haja badsectors. O bad sector é simplesmente um sector problemático que deverá invalidar todo o cluster.

        A verdadeira utilidade do particionamento no que diz respeito a bad sectors é a possibilidade de os isolar, criando uma partição antes, depois fica espaço livre com os bad sectores e depois uma partição no restante espaço. Era essa a dica que ali devia estar.

        Outra dica que não está e devia estar (se soubesses) é o ganho em velocidade de transmissão, já que os primeiros sectores num disco HDD estão na sua periferia, logo a agulha percorre uma área maior e consequentemente a velocidade é maior. O sistema deve assim estar numa partição não muito grande para que esteja sempre a ser utilizada a área mais rápida do disco para o sistema.

        Deixa-te desses termos e aprende o que interessa.

  39. Luis Gil says:

    discos físicos diferentes em vez de partições
    mais rápido e menor probabilidade de erros com todas as vantagens indicadas no artigo
    neste momento tenho 5 discos, sistema operativo, dados, multimédia, jogos, backup

    • Douglas Ferreira says:

      O problema é que nem todo mundo pode ter mais de um disco, e nem sempre é questão de dinheiro:

      – é impossível colocar mais de um HDD na grande maioria dos modelos de notebooks;

      – quem tem computador de mesa pode ter escolhido montar um gabinete pequeno com somente uma baia;

      – o consumo de energia aumenta;

      Um detalhe que reparei no seu post, é que usa um HD somente para multimídia. Eu, por conta do espaço limitado do SSD do MacBook, me desprendi do hábito de armazenar multimídia.

      Quando quero ouvir música uso algum serviço de streaming, por vezes até o YouTube serve.

      Quanto aos filmes, eu baixo, assisto e apago. Tenho TV por assinatura e Netflix, isso reduz e muito minha necessidade de baixar filmes. E Dificilmente vou assistir o mesmo filme e novamente.

  40. Lucky Luck says:

    Criar partições (volumes) em vários discos é bastante válido para configurar diferentes raids.

    Ao particionar um disco pode-se evitar sectores danificados já conhecidos; agora, se surgirão novos em qualquer uma das partições, só Alá é que sabe.

  41. Gerardo says:

    Na minha experiência no mundo real, quando existe uma partição de dados, 90% das pessoas não a usa. A partição de sistema fica cheia, e depois existem dezenas ou centenas de gigas por utilizar. A menos que as pessoas saibam formatar o PC e não tenham nenhum meio externo para fazer backup dos dados, aconselho uma partição única com o espaço total do disco (é assim que formato os PC’s dos meus clientes).

    Quanto ao resto que aqui se fala de outros sistemas operativos e sistemas de ficheiros, isso é misturar as coisas, pois nesses cenários o melhor ou pior não se pões, é uma necessidade. Mesmo assim eu instalaria um SO por disco se tivesse essa possibilidade.

  42. Antonio Tuano says:

    Boas a todos,
    O particionamento de disco é importante entre outras coisas para você poder usar a nova partição criada como seguro de arquvios importantes (Fotos, Documentos, Videos e etc…), assim a partição onde fica o sistema não fica sobrecarregada e sem espaço de trabalho. Caso de algum defeito você tem onde recuperar os arquivos.
    Muito Obrigado

  43. Morgado says:

    Boas,

    Eu uso 4 partições num HDD de 500GB num portátil.

    1 partição com Win7 (uso habitual)
    1 partição com WinVista (o nativo da máquina, para salvaguarda)
    1 partição com o ambiente de trabalho, documentos e afins, partilhada entre ambos. Assim tenho um só desktop para os 2SO’s.
    1 partição com o “resto” do espaço para o que der e vier (por exemplo, testar outro SO).

  44. GIL_M says:

    Será que alguem me pode dizer quando falam em partições para vários sistemas se posso colocar numa o XP e noutra o Windos 7?

  45. GIL_M says:

    Será que alguem me pode dizer quando falam em partições para vários sistemas se posso colocar numa o XP e noutra o Windows 7

  46. José Rato says:

    No meu velho PC tenho 2 partições num disco de 500
    Mas juntei mais um disco de 1 TB
    e o PC está mais lento, que fazer?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.