PplWare Mobile

Cientistas do CERN cada vez mais perto da antigravidade


Editora no Pplware e psicóloga de profissão. Desde cedo que a tecnologia é uma paixão, interessando-se em particular com o impacto que esta tem na nossa vida e nos comportamentos que as pessoas adotam nas redes sociais.

Destaques PPLWARE

  1. Jo§e says:

    Já estou mesmo a ver o filme:
    De manhã saio de casa com um frasco de antimatéria para aplicar no carrro, e lá vou eu…

    Espera aí…suponho que teria de ser uma quantidade de antímatéria equivalente ao peso do carro. Hummm será que consguiria chegar ao carro cum um frasco desses ou chegaria antes à Lua? »:o)

    • Artur B. says:

      Usas AntiUranio assim ja n deves precisar de muito. 😉

    • -_-' says:

      Tu não vais aplicar antimatéria em lado nenhum!
      Primeiro, não se contém antimatéria sem ser no vácuo.
      Segunda, se aplicares antimatéria no teu carro, o teu carro é simplesmente destruído, aniquilado. A antimatéria destrói matéria.

      • Black25 says:

        O resultado do contacto entre matéria e anti-matéria com a massa de um carro, provavelmente destruias não só o planeta inteiro como o resto do sistema solar, e ainda era capaz de sobrar algo para umas estrelas a uns valentes parsecs…

        lol, mas compreendi o sentido do que querias dizer. Mas se fosse possível, a resposta era não. Anti-matéria não um combustível, é estilo como se fosse um iman inverso, é constante. Era só aplicado de fabrica e pronto!

        • bigkax says:

          A anti-matéria e matéria quando entram em contacto transformam-se em energia.

          Não sei porque é que alguém teria tanta anti-matéria(capaz de destruir o sistema solar) para meter num carro, era simplesmente estúpido.
          Não sei se sabes mas durante uma trovoada é frequentemente criada anti-matéria:

          https://www.youtube.com/watch?v=lXKt7UVjd-I

      • Jo§e says:

        Humor, chama-se o que eu tentei fazer, topas? 😉

  2. Pedro says:

    Bom dia. O CERN fez-me ter amplas expectativas na questão da antimatéria e das colisões a altas velocidades. Depois os resultados não foram nada de especial. Será que desta vez, o maior acelerador de partículas do Universo nos vai oferecer a gravidade?

    Não sei mas duvido, Einstein afirmava que a força gravítica era a força mais fraca do Universo. Stephen Hawkins no seu livro “Universo numa casca de Noz” remata com a teoria dos Universos Paralelos onde afirma que a Einstein só faltava ter dito que a força Gravítica era fraca por se distribuir por todos os Universos tal como um elástico…

    • Eduardo Garcia says:

      Certamente a força gravitacional é a mais fracas das 4 forças fundamentais, mas, não é só um corpo que produz gravidade, toda matéria a produz, quanto mais distante de um objeto estiver a força da gravidade é a que fica mais fraca, é a força que se consegue “vencer” com mais facilidade.

  3. Carlos B. says:

    BAZINGA !!

    😀

  4. RF says:

    @ Pedro: “o maior acelerador de partículas do Universo nos vai oferecer a gravidade?” Não sabemos se é o maior.. o Universo é MUITO Grande, e provavelmente com mais vida inteligente nele! 🙂

  5. R says:

    Se matéria é o contrário de antimatéria, então temos que:
    M=-A.
    Se se acredita que o universo tem tanto de M como de Antimatéria, Então temos que:
    M+(-A)=0
    Logo, o UNIVERSO NÃO EXISTE…
    😯

    • Ecchin says:

      Errado. Pois a matéria e a antimatéria estão neste momento separadas. Se juntares, de alguma forma, as duas, então sim, tens o nada, que era o estado anterior ao big bang.

    • Frederico says:

      boa, mas tens uma falha aí.deveria ser:
      “Logo, é possivel que o universo nao exista.”

      • UnderRadiationNoise says:

        Boa! acho que será mais isso…
        mais possibilidades…mais quântico ?! dai a tal possibilidade do uno ?! de estar em todo o lado ?!
        vejam esta documentário(What the Bleep do we Know) se gostam deste tipo de problemas …

    • says:

      Uma das teorias é: pensa-se que aquando do big bang, quando se formou toda a matéria e anti-matéria, formou-se um pouco mais da primeira que da segunda. Toda a antimatéria foi aniquilada ao reagir com a matéria e o que existe agora é apenas a diferença.
      Isto pelo que já li, e dito de forma simples que não sou nenhum entendido na matéria.

    • Jaime says:

      O que dizes não tem lógica.

    • J-Rod says:

      M=-A;
      M+(-A)=M+M=2M

      logo, não sabes fazer contas!

      • bigkax says:

        Tecnicamente
        M=A
        M-A=0

        E matéria e anti-matéria só são cerca de 30% do Universo, os outro 70% são energia negra e e matéria negra. E alem disso nada pesa mais que todo o universo, existe “matéria” a aparecer e desaparecer constantemente e tão rápido que não pode ser classificada como algo. O individuo que descobriu isto ganhou um prémio Novel.

        • Eduardo Garcia says:

          É por isso que o “NADA” me surpreende… 😀

          “No senso comum, e o que a teoria nos indica, é que estes dois componentes são opostos e se repelem…”

          Como se repelem? se ao colocarem juntas elas se aniquilam?… Se são opostos eles se atraem.. naum?

          Outra: Coloca-se a mesma quantidade de matéria e antimatéria o que se gera é: 100% energia (raios gama=fótons de alta energia), como nosso tio Einsten previu E=mc², e fotons de alta energia produzem eletrons… depois da festa toda a matéria se formaria denovo… ¬¬

    • kekes says:

      Só que por algum fenomeno desconhecido a coisa que conhecemos como materia “ganhou”. O mais engraçado destas coisas é que os nomes são dados dependendo do ponto de vista das coisas 🙂

      Vamos esperar por mais teorias nos proximos anos para desvendar completamente este problema actual 😀

    • Bruno G. says:

      A minha matemática já está um bocado enferrujada mas se bem me lembro e aplicando à tua teoria.

      M=-A
      e
      M+(-A)=0 (-A)+(-A)=0 (-2A)=0 A=0

      Logo o que não existiria seria a antimatéria

      Ou
      M+(-A)=0 M+M=0 2M=0 M=0

      Logo a matéria também não existe

      Conclusão,vivemos no vácuo lol

  6. Tiago Martins says:

    Puto isto é lindo!!
    Ainda bem que vivo no séc. XXI, cada vez fico mais fascinado com a ciência +.+
    Só faltam mais uns aninhos para aparecerem os primeiros carros voadores 😛

  7. Raziel says:

    Boa!!!

    Isso vai é trazer alguns problemas para alguns desportos.
    Já estou mesmo a ver nos jogos olimpicos um gajo a fazer um salto em altura e a ir parar à lua! 😛

  8. Nuno José says:

    “desabilita a gravidade”

    O que é desabilitar? Existe esse verbo?!!! Disable em Português é inabilitar.

    • Marisa Pinto says:

      Não era tradução, era mesmo desabilitar, eheh 🙂
      Desabilitar:

      -> Tornar inábil ou inapto.

      • Nuno José says:

        Mas é um termo incorrecto apesar de aparecer na infopédia, pois não tem origem, aliás tem origem no “false frind” disable. Somos portugueses de Portugal e dizemos inabilitar e não desabilitar.

        • Eduardo Garcia says:

          “Somos portugueses de portugal…”

          O que queres dizer?

        • Marco Mendes says:

          Lá vem o racismo. Há Portugueses que sejam de Marte, é?

          • Nuno José says:

            Não é uma questão de racismo até porque também temos alguns erros de “false friends” e que os brasileiros não têm. Mas é mau começarmos a usar os erros deles e vice versa. O melhor é corrigirmos.

            Racista aqui não fui eu e nem vale a pena entrar por aí levam 200 a 0. Proteger a nossa língua não tem nada de errado.

          • R says:

            LOL… é uma dentro de outra.
            Racismo–> raças
            Xenofobia–> nacionalidades.
            De Marte seriam “Martieses” ou “Martienses”… LOL.
            Português fala-se também no brasil, em Macau e não só e aqui no fórum não são todos portugueses…

          • Eduardo Garcia says:

            @Nuno José

            cara, sua opinião deve ser referida ao contexto em que se escreva a palavra ‘desabilitar’, porque se for dizer que a palavra não existe, esta completamente errado, não tem cabimento.

            PS: Eu sou brasileiro! 😛

          • Nuno José says:

            Não fui eu que usei a palavra racismo ok e terminou aqui a conversa pois não estão a ser assertivos.

        • dajosova says:

          @ Nuno

          Eles não foram assertivos e tu levantaste uma boa questão em defesa da Língua Portuguesa. Porém a língua não é estática e jamais conseguirás erradicar false friends quanto mais estrangeirismos!

          Não vale a pena essa batalha! Vai por mim 😉
          continua a escrever bem que já estás a dar um bom contributo!

  9. Mixer says:

    Finalmente vou poder chegar á m**** da lâmpada do telhado!!!!
    😛 😛

  10. Nuno™ says:

    “Einstein afirmava que a força gravítica era a força mais fraca do Universo.”: verdade, mais correctamente, é a de menor intensidade sendo, no entando, juntamente com a interacção electromagnética, a de maior alcance (alcance “infinito”), se bem que segundo a Teoria da Relatividade a gravidade resulte de uma distorção no espaço-tempo (o gravitão, partícula hipotética mediadora da interacção gravítica, ainda não foi, tal como a designação de “hipotética” indica, encontrada :P).

    Relativamente ao “estado *antes* do big bang”… esta questão não faz sentido pois a noção de tempo não existe ‘antes’ do big bang pelo que o “estado do universo” só passa a ser com o próprio big bang ^^;

    De resto, para mais info sobre a assimetria matéria/anti-matéria cf. Violação CP (não sou propriamente um grande conhecedor desse tema =X)

    • Ruaben says:

      então segundo a teria de relatividade se eu parar a distorção eu posso viajar no tempo? lol

      • Eduardo Garcia says:

        Não vc pararia no tempo…

        Seguindo a teoria de relatividade quanto maior a distorção mais o tempo passa devagar, o que não se pode falar com uma grande massa… se pode fazer através da velocidade da luz: quanto mais próximo a ela mais lento o tempo passará, hipoteticamente, se passássemos dessa velocidade (o que violaria a teoria) conseguiremos voltar no tempo, ah e existem tambem os “wormholes” mais isto já é outra história 🙂

  11. Rodrigo says:

    mas antimateria e antigravidade sao coisas muito diferentes!! antimateria é materia (particulas) com as cargas invertidas. o inverso de materia nao é o vazio..é materia na mesma. do mesmo modo que a anitgravidade nao é a falta d gravidade. nao ha certezas mas especula-se que a gravidade seja partículas e se assim for, antigravidade teria o inverso das cargas tambem.

    espero que me tenha explicado bem 🙂

    • Nuno José says:

      Não é bem assim, a gravidade não tem partículas, ela resulta da distorção do espaço tempo pela massa. Se houver antimassa haverá antigravidade.

      • techdani says:

        Então teria de haver um anti-bosão de Higgs. No entanto, actualmente, creio que se aceitam as duas explicações, quer pela troca de gravitões entre dois corpos (exemplo: eu e a Terra) quer pela distorção do espaço-tempo…

      • Eduardo Garcia says:

        Como não tem particulas? Já provaste?
        Ainda estamos na primeira particula da “ponta do iceberg” ainda há muito a descobrir… 😛

      • Nuno José says:

        Não era essa a questão, o objectivo foi de explicar a relatividade geral que tinha sido mal entendida. Além disso, digo não tem partículas porque o gravitão é uma hipótese e a relatividade é uma teoria só por isso. Quando for uma teoria falaremos disso. Procurem método cientifico. O gravitão não é um especulação, foi uma hipótese gerada pela Lei de Newton de Gravitação Universal. Acontece que esta não conseguia explicar muitas coisas e o gravitão nunca foi descoberto até que a relatividade geral veio explicar tudo (no macro) e por isso se pôs de parte o gravitão. A relatividade no micro já não funciona e aí se usa as mecânica quântica que Einstein tanto desprezava. A distorção espaço tempo foi comprovada como uma experiência olhando para um eclipse da lua. Se quiserem aprofundar procurem na net irão encontrar.

        • Nuno José says:

          Correcção: Eclipse do sol

        • Eduardo Garcia says:

          Nunca se aprofundaste em “teoria das cordas” ou outras mais?
          Já me aprofundei sobre a distorção da luz das estrelas quando se passa ao redor do sol, as cidades em que foram vistas em Sobral no CE (Brasil) e em outra parte da África.
          Einsten nunca desprezou a mecânica quântica, só não a compreendia. “Deus não joga Dados!” 😛

          • Nuno José says:

            A teoria das cordas é mecân iaca quantica e é muito para o micro como disse. ed sim einsteins despresava mecânica quantica e passou a vida a tentar fazer uma teoria para o micro que a refitasse e não conseguiu.

          • Marisa Pinto says:

            Vá estamos em Portugal, vamos a falar português, oh sr. “despresava”, eheh
            🙂

          • FDAD says:

            “cidades em que foram vistas em Sobral no CE (Brasil) e em outra parte da África. Portanto o Brasil fica em Africa…

            É cada distração…

          • Eduardo Garcia says:

            Esqueceu-se do “E”
            Espere ai: Sobral no CE (Brasil) “E” em outra parte da Africa no qual esqueci-me do nome…

  12. João Rodrigues says:

    Eu acho que descobri a antimatéria muito antes dos nerds do CERN… So tenho que começar a fazer colheitas… É que essa #### está a levar-me o cabelo todo!

    Sintomas: 1º o cabelo deixa de responder às normais leis da gravidade aquando de uma simples tentativa para o pentear. 2º tenho reparado que muito dele tem desaparecido nos últimos anos…

    Só pode ser culpa da antimatéria!

  13. Jeff says:

    Aqui em casa já tenho antimatéria, se chama Junior, tem 7 anos, em tudo que ele coloca a mão é destruido.

  14. techdani says:

    Pessoal, há umas confusões para aí! xD Pelo aquilo que tive a oportunidade de assistir em várias palestras com físicos, actualmente, considera-se que DEVIAM ter sido produzidas iguais quantidades de antimatéria e matéria, no entanto, há uma diferença mínima. Foi dessa diferença mínima (foi criada mais matéria que antimatéria no Big Bang) que, após a aniquilação matéria-antimatéria no universo primordial,deu as galáxias até chegarmos nós! Bem, quanto ao que está no artigo, actualmente aceita-se que é a energia escura que é responsável pela expansão do universo e não a repulsão matéria-antimatéria! É que para além de matéria e antimatéria, existe matéria escura que ninguém consegue determinar experimentalmente o que é e existe energia escura, que supera a gravidade e é responsável pelo afastamento das galáxias e expansão do universo!

  15. Rogério says:

    A antimatéria não pode andar pelo mundo fora pela seguinte razão, ela para alem de ser um combustível e poder vir a substituir as actuais energias, também pode ser o pior pesadelo (uma bomba muito superior a uma bomba nuclear).

    A recriação da explosão do Big Bang pela CERN nunca teve como objectivo criar antimatéria, mas sim estudar o que foi produzido pela explosão. Eles já fizeram mais do que uma experimentação.

    Produzir antimatéria é algo muito difícil, seja pelos materiais envolvidos ou devido às pequenas quantidades que são produzidas.

    A ideia de a antimatéria poder vir a substituir as actuais energias só deverá acontecer daqui a uns bons anos (50 100 anos), na altura que aparecerem os primeiros reactores solares.

  16. Nuno Dias says:

    não existe esse conceito de antigravidade. Não é como se existisse uma força contrária.
    Parece-me que está a haver alguma confusão, conseguir reter em condições especiais antimatéria durante algum tempo em nada se relaciona com antigravidade.

  17. Joao Henriques says:

    Quando li o titulo do artigo pensei logo: ‘isto vai dar que falar’. E nao no bom sentido, ja’ vao perceber porque. Quando terminei de ler o artigo obtive a confirmacao do mesmo. Agora que acabei de ler os comentarios, estou profundamente abalado. NAO FALEM DO QUE NAO SABEM!! A materia e a antimateria NAO SAO SIME’TRICAS! Alias e’ um dos grandes paradoxos relativos a esta a’rea da fi’sica. Existe mesmo um ramo da fi’sica quantica chamada barioge’nese. Isto e’ so’ a ponta do iceberg do que pretendia refutar relativamente a este artigo, mas nem vou gastar mais o meu Latim a discutir este assunto com pessoas que nao dominam o assunto. So’ para terminar, a ANTI-GRAVIDADE nao e’ o oposto da gravidade!! A anti-gravidade e’ a ausencia de gravidade. O oposto da gravidade seria sermos repelidos por um corpo de massa muito superior ‘a nossa, em vez de sermos atraidos para o mesmo com uma aceleracao constante. Peco desculpa pela falta acentuacao e cedilhas, mas este teclado e’ Norte Americano.

    • Marisa Pinto says:

      “Não falem do que não sabem”
      Ótima ideia, na medida em que, no mundo, ninguém sabem tudo, nem ninguém, sabe nada. E é através do erro que se chega ao conhecimento.
      Por exemplo: por muitos comentários “errados/meios certos/correctos, eu fiquei a aprender muita coisa aqui, não só neste mas em todos os posts aqui escritos.
      🙂

      • Joao Henriques says:

        Claro. Tem toda a razao. E’ por isso que nao falo de Psicologia, sobre o qual nada sei. Falo do que sei, que por acaso acontece estar relacionado com o artigo aqui publicado. 🙂

      • NeMewSys says:

        Então vamos todos pensar assim e não sabermos nada. Assim deixa de haver medicos, engenheiros etc etc Porreiro pah.

        • Marisa Pinto says:

          O que tem isso a ver com o que disse?
          Vou repetir de forma sucinta:
          É bom discutirmos, mesmo que se erre, pois a discussão fomenta conhecimento, aprendemos uns com os outros.
          Onde se encaixam aqui os médicos/eng? E olha que conheço muitos que são bastante ignorantes, portanto..

    • Eduardo Garcia says:

      OOOHHH… Chegou nosso mais promissor cientista quântico… O.O , apesar de tanta inteligencia, “..sermos atraídos para o mesmo com uma aceleração constante…”? Será mesmo? Vejo que não viu o mapa da gravidade, não deve ter tido muito tempo por causa dos seus experimentos…
      Ah, e um artigo a respeito se a matéria e anti-matéria é simétrica ou não: http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=assimetria-entre-materia-antimateria

      • Marisa Pinto says:

        Bem, estou a ver que já tenho aqui muitas referências quando quiser ir para a NASA, eheh 🙂

        • Eduardo Garcia says:

          Te encontro lá.. 😀

          • Marisa Pinto says:

            Epa.. és da NASA e não dizias nada? eheh

          • Eduardo Garcia says:

            Ainda não… 😛

          • Marisa Pinto says:

            Espero que quando fores, espalhes o pplware por lá 😀

          • Eduardo Garcia says:

            Vamos fazer isso juntos..! 😀

          • Joao Henriques says:

            Antes de ires para a NASA tens que aprender a escrever (entre outras coisas). A Sra. Marisa Pinto, nunca ira para a NASA porque e’ psicologa. Esta tudo dito a esse respeito. Segundo pronto: Envias-me um semi-artigo escrito em Portugues do Brasil? Desculpa mas nao ‘compro’. Da proxima vez que quiseres fazer alguem ler o que quer que seja retira um artigo de uma revista cientifica de impacto respeitavel. Quanto ao mapa de gravidade (que e’ obviamente resultado da anisotropia da terra!!), um corpo sera’ sempre atraido com velocidade constante para a terra, desde que se desloque numa posicao ortogonal a uma qualquer tangente da superficie terrestre. Tenho dito.

          • Marisa Pinto says:

            As pessoas não estagnam…
            Sou Psicóloga hoje, mas posso vir a ser astronauta amanhã, então com a antigravidade isso era o mais fácil, eheh
            A Física é uma das muitas ciências do meu interesse, e penso que nunca é demais querer sabermos.
            Tal como penso que não há problema, mesmo o João não sabendo, falar de Psicologia.. afinal todos temos cérebro.
            Cumprimentos 😀

          • Joao Henriques says:

            Pequena errata. Em velocidade constante, deve ler-se aceleracao constante.

          • Joao Henriques says:

            Ainda bem que estamos todos de acordo neste aspecto, Marisa. So’ acho feio fazer-se ‘chacota’ de um dos poucos cometarios feitos com conhecimento de causa. Na minha humilde opiniao, nao se devia premiar a falta de exactidao, mas pronto, cada um tem a sua maneira de pensar. Eu ca tenho a minha, e sentirei necessidade de corrigir quem quer que seja sempre que se estiverem a cometer erros que possam comprometer a verdade cientifica.

          • Eduardo Garcia says:

            O que tem contra nós do Brasil? Acha porque é um “Portuga” (sem ofender os outros daqui) são superiores “arianos”? O exato site do que falas é a principal referência aqui no Brasil, além de ter seu nome gravado em uma pastilha de silício colocada no Satélite Glória (Glory), faça-me o favor! Antes de rebaixar os outros os conheça primeiro.

      • Diogo Vila Viçosa says:

        Só para deixar claro que o João faz mesmo «experimentos» nessa matéria obscura que é a mecânica quântica. Costumava até fazê-los ao meu lado mas agora pôs-se a andar;)

    • NeMewSys says:

      Partilho a tua opinião.

  18. Pedro says:

    essas formulas ‘comeram-me’ a cabeça. Já deixei de estudar há “tótil” -> termo tótil usado no final dos anos 80 início dos 90.

    • dajosova says:

      Pedro… nem todos são putos da geração de 90 😉

      Além do mais é perfeitamente percetível no contexto 😉

      Já agora, mesmo para os mais novos utilizadores da palavra “bué”, fiquem ao menos a saber que é o diminutivo da palavra angolana [quimbundo] “buéréré”… não, não é o programa da Ana Malhoa que vocês viam quando tinham 6 anos mas a palavra é a mesma 😉 Bom FDS

  19. dajosova says:

    Marisa:

    não sei se vais ler isto mas obrigado pela notícia acerca da anti-gravidade e tal, é interessante.

    Mas explica-me, por favor, como é que se recria algo que nunca foi criado!?

    • Marisa Pinto says:

      Já sei que és céptico, tive oportunidade de ver a tua opinião na altura do outro post da recriação do Big Bang.
      Respeito essa tua posição, tal como espero que respeites a de quem acredita.
      No entanto isso não invalida que possamos discutir, é saudável como venho dizendo, e benéfico (até para a longevidade).
      Agora, para se discutir uma ideia/teoria, wtv, é necessário estar-se aberto a novas “crenças”, diferentes perspectivas e novas possibilidades. Não se ser alguém que só vê para a frente, se é que me entendes..
      Não tens que agradecer do post, aqui no pplware fazemos para que as boas notícias cheguem aos leitores (e em primeiro) 😀

      • dajosova says:

        Mais crente do que eu só tu. Tenho mais provas do que tu em como o Big Bang não existiu do que realmente existiu. Do que tu e do que o CERN… e não, não estou a brincar.

        Se respeito a opinião dos outros? Sim… até determinado ponto. Por isso se diz que a liberdade de um termina onde começa a do outro!

        Não preciso de estar aberto a crenças do tipo das do CERN. Sou apologista da ciência fundamentada, observada e exata. Onde essa não existe, aí sim poderá coexistir a tal crença!

        Ver para a frente porque se usa óculos de cabedal é uma coisa; ver na amplitude mas focar para a frente já não é nada mau. A ciência já provou tanta coisa e provou também que ela própria estava errada. Não me vou alongar, mas a datação através do carbono 14 é uma delas.

        Claro que tenho de agradecer. Gosto de reconhecer o que deve ser reconhecido e sinto que devo criticar quando tem de ser. Os artigos são bons. Os melhores são aqueles que são totalmente imparciais ou que não assumem inverdades 😉

  20. Ghost Rider says:

    O melhor é voltar ao homem primitivo e comer uns mamutes… É mais simples!

  21. franchico says:

    Pessoal, dá para por anti-matéria na minha sogra?!
    1- Se ela sair voando para o espaço…tá bom.

    2- Se a velha explodir em mil pedaços…Seria maravilhoso de mais!!!

    Quem quer fazer o experimento com sua sogra?!

    kkkkkkkkkkkkkk

    • Eduardo Garcia says:

      Com a sua?
      Mande ela para o CERN pra ver o que acontece se ela estiver no caminho de dois íons quase na velocidade da luz.. 😀

  22. BIGMAC says:

    Segundo comentários antes do BIG BAG existia o nada.

    Então duas perguntas o que é o nada?…será que o nada existe, simplesmente o nada tem de ser alguma coisa.

    Outra coisa que dá muito que pensar é o infinito, porque se não existisse o infinito, haveria então um finito e para lá dele era o nada…..mas lá está o nada tem de ser alguma coisa??

    A reflectir.

  23. Comentários interessantes.

  24. natacha says:

    bem ,eu nao sou propriamente especialista neste tipo de area , mas enfim é mais um avanço na descoberta de como tudo começou.

  25. Atum Ramirez says:

    Vou fazer o comentario polemico do dia. De onde e’ que apareceram estes brasileiros todos? Estamos num jogo de futebol ou que? Por momentos pensei que me tivesse enganado no site.

  26. rach says:

    Ainda vão descobrir que o Big Bang não explica a origem do universo. E então o objectivo do CERN bum!

  27. Ulisses de Souza Dias says:

    Olá pessoal,

    Eu sou fã da ciência. Admiro muito a natureza. Pelo que já li e tenho conhecimento, muitos cientistas estão equivocados quando tratam de certos assuntos cientificos. Um desses assuntos é a antimatéria. Eles mesmo dizem que antimatéria e matéria se aniquilam quando uma entra em contato com a outra, dessa forma, não existiria nenhuma das duas….eles precisam rever isso.

    Eu também sou super fã do Einstein. Admiro muito sua capacidade de cientista. Mas quando ele diz que a gravidade é resultado da curvatura do espaço-tempo cometeu um grande erro. A gravidade não é resultado da curvatura do espaço- tempo. Einstein, pra falar a verdade, confundiu o efeito pela causa. Na verdade, o espaço-tempo é o resultado da força gravitacional.
    Tenho como provar isso.
    Alegrem-se, pois a antigravidade é possível. Depois que a antigravidade for provada de, maneira prática, vocês vão ver que falo a verdade quanto ao equivoco de Einstein.

    Abraço a todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.