Quantcast
PplWare Mobile

Banco de Portugal quer “obrigar” comércio a aceitar cartões ou MBWAY

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Pinto


  1. SeiMaisDoQuePensam says:

    LOL Isso queriam eles! O Dinheiro vivo não o podem controlar na totalidade.
    Sabem muito…

  2. Jorge says:

    Os comerciantes não querem ter MB porque assim deixam de poder fugir à sua responsabilidade. Em Vila Real de Santo António, por exemplo, algumas clinicas médicas/dentárias não têm MB, porque será…. e quando se pergunta o preço da consulta, vem sempre a pergunta: com ou sem factura?! Se todos pagarmos, todos pagamos menos.

    • Miguel says:

      Era bom que: “Se todos pagarmos, todos pagamos menos.” venderam essa ideia, mas a realidade mostra que não é bem assim.
      E sim ainda existe muito esse conceito do “com ou sem factura” bem como em certos orçamentos aparecer o valor+IVA, quando para o cliente final isso não faz sentido.

      • Jorge says:

        Certo Miguel, é essa a realidade que urge mudar

      • Ricardo Silva says:

        O que não faz sentido é eu fazer uma venda com um lucro de 15% e o estado ficar com 23%. Todos os orçamentos que entrego é sempre com o valor mais IVA ou, então, dou o valor final mas com uma nota a dizer que o valor inclui x valor correspondente à taxa legal do IVA. Desta forma, o cliente sabe que determinado valor é impostos e não lucro da venda.
        Claro que preferia vender tudo com faturado e com IVA, mas se assim o fizesse, os clientes acabariam por fugir para a concorrência. E já tive casos de clientes particulares, mas pessoas ligadas ao governo, que perante o orçamento pedem se não dá para fazer sem o IVA.

      • David Guerreiro says:

        Quanto mais pagarmos, mais eles esbanjam. Qualquer pessoa vê que os dinheiros públicos não são bem geridos. Daí, que mais imposto cobrado, é mais dinheiro para esbanjarem.

      • GM says:

        Faz todo o sentido aparecer o valor do bem / serviço acrescido do IVA, não para convidar a que haja fuga ao imposto, mas apenas para prestar o devido esclarecimento do valor do bem/serviço, já que o IVA não é do prestador / comerciante, mas sim do Estado. O prestador / comerciante é simplesmente um fiel depositário num período de até 5 meses, caso o regime de IVA seja trimestral. Sou prestador de serviços e os meus orçamentos mencionam sempre o valor do serviço acrescido do valor do IVA em vigor à data da emissão da factura. Não faço menção aos 23%, pois pode acontecer que à data de emissão da factura a taxa de IVA pode ter mudado. Os meus honorários, não, a menos que o prazo de validade do orçamento possa ter expirado e/ou as condições do serviço tenham sido alteradas que impliquem a revisão do orçamento. E, para saber o valor final a pagar, tal como diria o actual Secretário Geral da ONU, é só fazer as contas. Qualquer telemóvelzeco tem uma máquina de calcular.

    • Hélio Musco says:

      É bastante triste, porque é com mentalidades como essas que o país não anda para a frente.

    • JP says:

      Pois. Mas há sempre este ou aquele ignorante que acha que o Estado vive do Ar, que não tem contas a pagar.
      Se ninguém pagasse impostos, iam queixar-se que o Pais parece a Mongolia.

      • Jorge says:

        Os que mais fogem aos impostos são os que depois mais reclamam apoios do estado.

      • Euéquesei says:

        Sim, queremos isso tudo.
        Onde estão?
        Acha que pagamos poucos impostos?
        Temos uma das maiores cargas fiscais do mundo, não chega?
        Qualquer dia mais vale entregar o ordenado ao estado e trazer senhas refeição.
        Acho lhes cá uma piada…
        Ainda há gente que acha que pagamos pouco.
        Um povo destes é o sonho de qualquer político, não haja dúvidas…

        • JP says:

          É precisamente por pagarmos demais que temo s que assegurar que quem não ajude tenha que começar a ajudar. Não pode calhar sempre ao mesmo.
          Sempre ouvi dizer que todos pagassem os seus impostos, eramos ricos.
          Se não temos governantes à altura, é verdade, mas isso é outra conversa.
          O que custa é ver alguns patrões com vidas luxuosas, e mesmo assim com ideias novas sobre como fugir às suas obrigações.

        • Jorge says:

          Eu faço-te o desenho.

          Imagina que o Estado “custa” 1000,00 e o país tem 1000 habitantes. Se os mil habitantes pagarem, só pagam 10,00€ cada um. Se 500 forem como tu, os outros 500 já têm que pagar 20,00€ cada um. Mas se 900 forem como tu, cada um dos 100 honestos tem que pagar 100,00€ – 10,00€ da sua quota-parte e 90,00€ da quota-parte dos chico-espertos.

          É assim de simples!

          • Jorge says:

            Correção – 10 000 habitantes e não mil

          • Jorge says:

            Correcção à correcção – custa 10000,00€ E não 1000,00€

          • Euéquesei says:

            Jorge, eu faço um desenho diferente e no final veja qual o desenho mais parecido com Portugal.

            O Estado cobra de impostos 10 euros ( vamos falar em números pequenos senão é zeros por todo o lado ), desses 10 euros, 5 são roubados através de má gestão, roubo puro e duro, corrupção e tudo o que sabemos.
            Sobram 5.
            Não chega, faz-se dívida para os mais novos e os que ainda não nasceram, pagarem, se por cá ficarem.
            Pede-se 20, rouba-se 10, da mesma maneira e por aí adiante.

            Se todos pagarmos, o estado recebe 50, mas rouba 30, mais ladrões a roubar mais, depois não chega, faz-se dívida….
            Está a perceber o retrato de Portugal?
            Isto é assim, é o que temos.
            Idealismo, infelizmente, não resolve este problema.

            Não querer ver o problema como ele é não resolve nada, só piora…

            Em relação aos políticos que temos, em democracia cada povo tem os políticos que merece.

    • N/A says:

      Deveria denuncias essas empresas junto às Finanças. Se todos esperarmos por fiscalização, bem tudo fica como está.

    • Euéquesei says:

      Se todos pagarmos, todos pagamos menos?
      Oh amigo, parabéns. Ganhou o prémio de ingénuo do ano.
      É que nem deu hipótese…

      Isso que disse pode ser verdade noutros países, mas não em Portugal.
      Acorde…

      • JP says:

        Então se calhar é deixá-los não pagar, e pagamos nós a parte deles.
        Ou se calhar, deixavamos todos de pagar.

        • Euéquesei says:

          JP, vc tem grandes camadas da população que não pagam nem nunca pagarão impostos.
          São profissionais do subsídio que vão aos CTT de Audi e Mercedes levantar os cheques com valores totais de fazer corar de vergonha qualquer pessoa que se levante de manhã bem cedo para trabalhar enquanto essa gente fica em casa ou na esplanada ou quando não andam no gamanço ou a fazer porcarias…

          O engraçado é que uma loja que não passe factura pode levar uma multa de milhares de euros mas um tipo da feira que vende roupas falsas e sei lá mais o quê já pode estar ali com a polícia à frente dele a receber dinheiro sem facturas nenhumas e nada acontece.

          Estamos a falar de muita, mas mesmo muita gente e cada vez são mais.
          Enquanto houver quem pague, isto vai aguentando, quando já não houver, logo se vê…

          Único conselho que eu dou aos mais novos é, quem puder que fuja daqui.
          Vem cá todos os anos ver a família até que os filhos e netos se esqueçam disto…

          • JP says:

            Só me dá razão. Não pode ser “pague quem não puder fugir.” Se todos pagarem, a carga fiscal ficaria mais leve. Isso acontece nos paises para onde você fugiria daqui. Lá, você paga, mas não paga só você: pagam todos. A diferença é que lá, os dinheiros publicos são controlados e bem gastos. aqui não. Mas a solução não pode ser nunca fugir aos impostos.

    • David Guerreiro says:

      Curiosamente nem pagam IVA, pois os tratamentos dentários estão isentos de IVA, por serem atos médicos.

  3. DB says:

    Já uso MBWAY á dois anos, em pagamentos, e levantamentos etc…ainda noto muito atraso nas versões de muitos terminais multibanco já obsoletos

    • Jorge says:

      É uma realidade. Ainda existem imensos terminais obsoletos mas acredito que havendo mais utilizadores, forçará as entidades a actualizarem os equipamentos

    • Blackbit says:

      Deixei de usar depois de passarem a ser cobradas comissões.
      Se querem tornar obrigatório, ou pelo menos promover o uso do MBWay então acabem com as comissões senão isso não vai ter sucesso.

  4. João says:

    Acho muito bem, na verdade, se puder, evito espaços comerciais que não aceitem cartões.

  5. Alexandre Costa says:

    E tudo muito bonito e quem paga ao comércio as taxas e comissões que cobram por termos mb????? Falar é fácil quem está do outro lado mas obriguem os bancos e a Sibs a não cobrar também as comissões aos comerciantes e vão ver que a adesão e quase total.

  6. João R says:

    Acho uma boa medida, contudo, fica a questão:

    Quem suporta os custos de aceitar pagamentos por contactless?

    Taxas de Serviço a Comerciante (APENAS PARA ACEITAR TRANSAÇÕES POR CONTACLESS – Acresce comissão bancária de utilização)
    Cartões Consumer Visa/Mastercard emitidos na Espaço Económico Europeu (EEA)

    Transações a débito: 0,60%
    Transações a crédito: 1,10%

  7. Sergio says:

    Notem que algumas lojas não usem pagamento multibanco não par fugir ao fisco, que pode ser evitado pedindo sempre fatura, mas devido a comissão das entidades bancárias para poder usar este sistema.
    Uma loja pequena, que fatura pouco e sempre com valores baixo, estar a pagar uma mensalidade e mais comissões por cada venda… é complicado.
    Nas farmácias que faturam muito, são poucas aquelas que aceitem cartões de crédito, isto por causa da comissão que a entidade cobra.

    • Jorge says:

      Sérgio, é verdade o que diz mas já existem instituições que cobram 5 cêntimos por operação. Só cobram essa comissão é nada mais. Se uma empresa não consegue pagar essa comissão….

      • Sergio says:

        Vai a loja compras uma chicle de 10 cêntimo.
        A loja deve ter no máximo um lucro de 2 cêntimo.
        Se pagares com MB, a loja fica com prejuízo.

        E os 5 cêntimos por operação é o valor mínimo.
        Se o valor da compra for 10€, aí já pagas mais cerca de 9 cêntimos.
        As taxas são +/- 0.9% com MB e cerca de 1.5% com C.Crédito.
        E todas (acho eu) tem taxa mensal cerca de 30€

        Ao fim do dia, já não são cêntimos.
        Ao fim do mês já tás quase a pagar um salário para a entidade bancária.

  8. Pirata das cabernas says:

    Quem tudo quer tudo perde. Metam mb em todo o lado e vão ver muitas lojas a fechar.
    Ou vocês acham que alguns conseguem sobreviver se faturar tudo? Primieor há que vir o exemplo de cima.. As grandes empresas são as primeiras a fugir aos impostos

    • Jorge says:

      Bom pensamento! E depois queres educação grátis, mais médicos e enfermeiros, mais hospitais, mais polícia….

      • Euéquesei says:

        Sim, queremos isso tudo.
        Onde estão?
        Acha que pagamos poucos impostos?
        Temos uma das maiores cargas fiscais do mundo, não chega?
        Qualquer dia mais vale entregar o ordenado ao estado e trazer senhas refeição.
        Acho lhes cá uma piada…
        Ainda há gente que acha que pagamos pouco.
        Um povo destes é o sonho de qualquer político, não haja dúvidas…

        • Jorge says:

          Segue o exemplo:

          O Estado “custa” 1000,00 e o país tem 1000 habitantes. Se os mil habitantes pagarem, só pagam 1,00€ cada um. Se 500 forem como tu, os outros 500 já têm que pagar 2,00€ cada um. Mas se 900 forem como tu, cada um dos 100 honestos tem que pagar 10,00€ – 1,00€ da sua quota-parte e 9,00€ da quota-parte dos chico-espertos.

          É assim de simples!

          A obrigatoriedade de existir factura SEMPRE, faz com que os chico-espertos paguem a sua parte, aliviando assim os outros

          • Filipe says:

            O problema é que quem governa quer (e vai) colocar os 1000 a pagar 10 cada um na mesma. Não querem saber. Porque vão usar esses 9 a mais para darem aos que não querem pagar nem querem fazer rigorosamente nada. Enquanto não se deixarem de colocar os mesmos dois sempre no poder alternadamente, nunca nada irá mudar. Isso e o “não votar” deveria ser crime.

  9. Xnelox says:

    Quem quiser fazer evasão fiscal tem uma solução legal, vende no olx

  10. Redin says:

    Um pagamento por MBWay também permite fazê-lo pela opção “enviar dinheiro” para o NR de telemóvel do comerciante…

    • Jorge says:

      Não sei se os cartões MB de contas empresariais tem acordo com o MBway

    • Redin says:

      O comerciante também é uma pessoa individual. Daí que para receber dinheiro, pode usar um cartao de débito pessoal.
      A gestão que ele faz com o dinheiro que recebe, é outra coisa.

      • Sérgio Nuno Rodrigues Alcobia says:

        não é bem assim, o mbway tem versao particular (a nossa )e verssao comercial (Paga para comerciantes).
        A versao particular tem um limite de mensal em que só permite a recepção mensal de 50 transferencias e um maximo de 2500€ mensais

      • David Guerreiro says:

        Não é assim. Se existir uma empresa, o dinheiro faturado tem de ir para a conta da empresa, não para a conta do gerente.

        • Redin says:

          Estás certo e não poderia ser esperado outra coisa. Mas entre o “ter de ir” e o “escolher ir”, já é uma opção que o comerciante pode decidir em dado momento fazê-lo com montantes e numero de vezes que ache confortável.
          Se ele transfere ou não depois para a conta comercial, é outra coisa que nós não vemos.

          • GM says:

            E o TOC / CC faz a reconciliação bancária, como????? Como é que atesta que as compras / vendas, isto é, pagamentos / recebimentos, conferem com o extracto bancário? Podes fazer isso em situações pontuais, não por sistema.

          • Xnelox says:

            GM, se eu receber um determinado valor na minha conta pessoal para pagar uma fatura da empresa, tiro o recibo e transfiro o volor para a conta da empresa. Qual é a dificuldade de reconciliação?

      • Miguel Porto says:

        Correcto, já paguei consultas medicas assim.

      • GM says:

        Não pode, simplesmente. O dinheiro que é movimentado por meio da actividade empresarial / comercial tem de ser na conta da actividade. Como é que o Contabilista consegue verificar os movimentos bancários afectos à actividade???

        • Xnelox says:

          GM, se eu receber um determinado valor na minha conta pessoal para pagar uma fatura da empresa, tiro o recibo e transfiro o volor para a conta da empresa. Qual é a dificuldade de reconciliação?

  11. RM says:

    Simples, isenção das taxas de utilização do meio eletrónico e puff fez-se o chocapic ..

  12. Dionisio says:

    Eles que obriguem os bancos a baixar a comissão de pagamento (aumentaram em plena pandemia)

  13. cross says:

    E aí está mais um passo no sentido de acabar com o dinheiro físico. Esta é uma estratégia que todos os governos querem. Quando não houver dinheiro físico, todos e quaisquer pagamentos serão controlados pelas entidades bancárias=estado. Controlando o dinheiro, controla-se as pessoas.
    Não mais vou ser capaz de aquirir um produto ou dar dinheiro a alguém sem que outras o pessoas saibam.

    • Euéquesei says:

      Cross, eu disse isso mesmo aqui há uns meses neste mesmo sítio, que o querer acabar com o dinheiro físico, que nunca acabará porque senão como é que os políticos mandavam o dinheiro para as offshores? é uma ideia terrível com possíveis consequências de tal ordem que as pessoas nem pensam nisso sequer.

      Imaginemos o seguinte cenário, não há dinheiro físico, tudo é digital.
      De um momento para o outro, por um motivo qualquer, o estado fecha o acesso ás contas, ou há um ataque de um grupo que mando o sistema abaixo ou outro motivo semelhante.
      Fica tudo sem dinheiro? É isso?

      Será que as pessoas não percebem que se o dinheiro for todo digital ficamos à mercê do estado?
      Será que há assim tanto desmiolado que nem isso entenda?

      Pelos vistos ninguém se lembra do que aconteceu no Chipre ou na Grécia por alturas da crise de 2008…
      Também não vou aqui explicar isso, não me apetece agora…

      Informem-se e depois verão o que pode acontecer…

      • Redin says:

        Temos a Venezuela ou a Argentina para aprendermos com o que o povo está a fazer. Criaram uma economia baseada em Bitcoin. Guardam as poupanças nessa moeda, pagam com essa moeda e transferem entre famílias com essa moeda entre países. As taxas são irrisórias e o dinheiro está sempre salvaguardado das intenções politicas dos governos.
        É assim que conseguem definir a sobrevivência.

      • Nem says:

        Esse comentário é ignorante,explico:esse “dinheiro” que fala é aquilo que se chama moeda/F.I.A.T.; emitido por um Estado,no nosso caso,uma União Económica; experimente,rasgar uma nota “sua”,ou fotocopiar essa nota,e tem uma penalidade criminal;afinal,esse “dinheiro” é de quem?Seu ou do Estado?
        -existem formas de acumular valor sem o aval estatal,como a moeda; a moeda tem defeitos como a inflação etc…querer fugir ao controlo estatal e lutar para esse controlo se manter,ignorância.
        obs;o propósito deste comentário não é ofender ou atacar ao descrever a ignorância que apresentou,pretende esclarecer,obrigado pela atenção

  14. Joao Ptt says:

    Querem promover a tecnologia de pagamento sem contacto quando a mesma é insegura!
    Este banco de Portugal é uma vergonha!

    Sou a favor de pagamentos por proximidade, mas apenas quando a tecnologia permitir que tal seja completamente seguro, não no sentido de podermos reclamar ao banco se houver algo que não tenhamos sido nós, mas no sentido de nem ser possível fazer a operação em primeiro lugar sem ser de forma realmente segura… sei lá, aparecer no cartão o montante da operação e o nome da empresa e ter de colocar o código via cartão ou pelo menos impressão digital, para garantir no mínimo que a pessoa tem de deter o cartão físico no momento da operação.

    Para os senhores dos bancos e banco de Portugal que ganham fortunas talvez não seja problema que lhes furtem saldo, mas para a restante malta a viver o mês a mês sempre no limite pode ser muito problemático.

    Vale ainda lembrar que se reclamarmos de uma operação o comerciante poderá processar a pessoa, logo no limite vão estar a arranjar problemas às pessoas, problemas que as pessoas não criaram por sua auto-iniciativa… mas que acontecem/ acontecerão só porque alguns nabos decidiram que queriam assim… tudo mais fácil só por que sim.

  15. Christian Couteiro says:

    É tudo muito bonito… mas depois há o reverso da medalha…
    Eu concordo que devemos todos pagar os nossos impostos, mas cuidado com o ataque à moeda física… ele já começou, por exemplo a proibição de pagamentos acima de 3000€ em numerário.
    A reportagem não é nova (e deixo aqui o link) e chamava precisamente a atenção das pessoas para isto…

    https://www.youtube.com/watch?v=PQV8xQnQ-Dg

    É mais 1 degrau na escadaria… para a total dependência das instituições financeiras.
    Eu utilizo imenso os diversos meios de pagamento electrónico, MB, MBway, Paypal, transferências, mas, também faço muitos pagamentos em dinheiro vivo e conservo sempre algum dinheiro comigo…
    Atenção não sou profeta de desgraça nem adepto de teorias de conspiração, mas, dá que pensar…
    Concordo que se devem encetar esforços para que a tecnologias chegue a todos e não só aos grandes grupos económicos, mas cuidado com as reais intenções por detrás de certas medidas…

    • Redin says:

      Comecem a aprender a guardar o vosso dinheiro em carteiras cripto numa moeda que valoriza como o Bitcoin. Nenhum governo do mundo poderá congelar esses ativos e impedir que os uses.
      Façam disso uma reserva de valor.

  16. Luisão says:

    Na minha opinião ao invés dos comerciantes pagarem taxas por pagamentos MB. MBWAY, VISA, MasterCard, etc. deveriam de pagar por numerário.
    Por outro lado, devido a ainda haver um número substancial de pessoas que não sabem ou não podem usar esses meios de pagamento poderá dificultar o pagamento do mesmo

  17. Luis says:

    Temos app de cada banco, mas deveria de colocar opção de ativar e desativar o chip e banda magnética. imagina o contactless que suporta 50 euros e encontras o cartão multibanco, estas a ver o filme!

    • David Guerreiro says:

      E daí? Vais ao supermercado e compras 50€ em compras. O proprietário faz queixa, e está tudo filmado. Num instante vais parar ao xilindró.

      • GM says:

        Vais no Metro em hora de ponta e sacam-te 3×50€ sem dares por isso. Onde é que está a câmara CCTV a comprovar que foste roubado?

        • RM says:

          Que comentário de m3rd@.. Já existe à muitos anos carteiras com segurança contactless e se for no tlm da para desligar o NFC.. Quando está tecnologia apareceu muita gente foi enganada, mas hoje em dia só é roubado quem quer..

          • GM says:

            Sim, existe. E para protegeres o teu cartão, tens de comprar uma carteira que te custa no mínimo 25€, quando a segurança do contactless deveria ser nativa no cartão. Já o TM, pode ou não ter chip NFC, e se tiver, o emissor pode ser desligado. Agora, achas que a avózinha de 70 anos com nível baixo de instrução, por circunstâncias da vida, tem esse conhecimento? E grande parte da população? O cartão MB da minha conta principal, que recebi em Setembro, passou a ter contactless. Já ponderei pedir à entidade bancária desligar a funcionalidade, apesar de que na cidade onde vivo o perigo de roubo por essa via é muito baixo, até porque tenho que me deslocar em viatura própria, ou a pé, por falta de rede de transportes públicos abrangente.

          • Luis says:

            Xii fala o xico esperto! já existe a anos… boa e eu pergunto ao xico esperto, quantas pessoas tem essa carteira? quantas pessoas sabem que se pode sacar a guita sem darem por isso? humm?
            a tantas coisas na nossa vida em equipamentos e não só, que muita gente desconhece a total funcionalidade!

        • Luis says:

          deixa-o falar como se fosse preciso ir as grande superfícies para fazer comprar, a tantas formas essa é uma delas e mais usada no estrangeiro!

  18. SC says:

    Sempre os mesmos no final, os bancos a querem lucrar sem fazer nada. Os comerciantes tem de pagar para ter o terminal e ainda pagam uma taxa todas as vezes que utilizam o terminal.

  19. ervilhoid says:

    Agora imaginem uma pequena loja a ter lucro de cêntimos e chegar lá alguém e comprar 2 ou 3 coisas e pagar com cartão, lá se vai o lucro

    • David Guerreiro says:

      Se permitirem que se imponha um mínimo de compra para pagar com cartão, fica resolvido. Senão é ver pessoal a pagar uma chiclete com contactless.

      • GM says:

        E no limite, sem dinheiro físico, como compras a chiclete, se só tiveres pagamentos electrónicos? Ah, já sei: aguardas até teres um valor de compras que ultrapasse o mínimo par poderes comprar com o cartão ou TM. Fixe!

    • JP says:

      mas já acontece as pequenas lojas declinarem pagamentos mensos que x€, e eu entendo. Agora, acabar com esses pagamentos não.

  20. darksantacruz says:

    Todos têm as suas opiniões e de certa forma é uma medida interessante para o estado mas…

    Quem paga os custos das comissões bancárias pelo uso dos terminais? Se o estado quer que seja obrigatório certamente não deveria obrigar as empresas a suportar o custo (ja não chega os impostos que as empresas têm de pagar?)

    Todos deveriam pagar impostos? Sim mas a carga fiscal existente é das mais altas da Europa e enquanto os problemas reais não forem resolvidos (por exemplo corrupção, má gestão, etc) podemos todos pagar que não vai resolver nada.

    Dependência bancária, todos ao usarmos cartões bancários ao invés de dinheiro estamos nas mãos da banca ha quem ache que isso seja positivo na minha opinião não é.

    Privacidade usando apenas cartões bancários tudo o que fizer com o meu dinheiro será controlado pelo estado e banca. Novamente positivo para alguns para mim não é.

  21. Kartolas says:

    Controlo total em a o mundo é uma prisão. Não obrigado.

  22. José Maria Oliveira Simões says:

    Interessante ver o Banco de Portugal a querer obrigar as empresas privadas a aceitar o meio de pagamento que eles querem. Esta “mania” , diria mesmo, “tiques de intervenção” nas empresas privadas (que não são propriedade do Banco de Portugal), são a continuação dos “tiques de prepotência” em que obrigam as empresas a fechar as portas e as pessoas a ficar trancadas dentro das próprias casas, sem poderem trabalhar para poderem pôr comida em cima da mesa. Os ataques às liberdades mais básicas das pessoas, continua a todo o vapor. E não tem pinga de vergonha na cara. Se quisermos pagar, somos proibidos de o fazer com o nosso dinheiro que tanto nos custou a ganhar. Tenham vergonha. Não somos todos uma cambada de criminosos, nem malandros. Não andamos todos a roubar. Pagamos os nossos impostos a tempo e horas. Esta tecnologia não é segura e os próprios bancos não se responsabilizam pelos problemas que possam causar. Pode-se ficar sem o dinheiro e ninguém será responsável pelo que possa acontecer. O cheque e o cartão sem tecnologia contactless é de longe muito mais seguro. Desafio quem quer que seja a provar o contrário. Preparem-se para começar a ter os cartões dentro dum caixa/embalagem de metal para impedir que os ladrões roubem o dinheiro

  23. Miguel says:

    Muitos sugerem guardar dinheiro em criptocoin… É uma opção, que fica na mesma à mercê do sistema, pois depende dos servidores de internet permitirem essas ligações. E melhor, está dependente que a internet funciona bem sempre, que não existem firewall ainda mais aperfeiçoadas que a chinesa.

    A minha sugestão é que convertam o dinheiro em conhecimento em várias áreas, assim como na soberania alimentar dentro do possível.

    • Redin says:

      Como é que é, Miguel?
      Tens noção da falta de informação de que estás a dar?
      Para ficares sem internet nesses modos, o país inteiro ficaria na bancarrota e mesmo assim o teu valor não desaparecia.

  24. AlexX says:

    Dinheiro na forma física tem os dias contados. Agora, acreditar que bancos, esse grande amigo, vão deixar de cobrar o seu preço quer ao cliente porque lá tem economias ou dívidas, quer ao vendedor pelo mesmo + uso do terminal + por transacção, mesmo que estes venham a ser repartidos por ambos… E acreditar que ao usar exclusivamente transacção digital não haverá margem para corrupção…. Possível é. Mas pela forma como este comboio está sendo movido, uma espécie de sociedade Snowpiercer é mais viável de acontecer e terão que esperar pelos filhos ou netos da geração alpha, talvez esses acordem, vejam que algo está mal e se unam para tomar medidas.

    • Euéquesei says:

      AlexX, eu não acredito que o dinheiro físico acabe totalmente.
      Por um motivo simples, há muitos interesses em que haja dinheiro vivo para o colocar ao fresco sem dar nas vistas.
      Se for digital deixa sempre traço que pode ser descoberto.

      • AlexX says:

        Creio que já existem alguns municípios que criaram uma moeda local própria, ninguém pode impedir isso. Qualquer coisa pode ser usada como moeda de troca para bens e serviços logo que ambas as partes estejam de acordo. Mas será apenas em meios pequenos. Quando o cliente quiser adquirir um bem ou serviço que a comunidade local não possa providenciar e tenha que vir do estrangeiro ou até da cidade vizinha, terão que usar a moeda implementada pelo sistema. E a nível mundial, a moeda digital já está em agenda desde os anos 80, provavelmente até desde bem antes, estão desertinhos por implementá-la. Maior controlo sobre o povo. Será um processo gradual como foi a transição escudo-euro.
        Para pôr ao fresco existem outras formas, apesar de menos que existiam há 30 anos atrás. No peixe graúdo dificilmente alguém vai mexer por motivos… E para todos os efeitos, tudo é sempre feito com o consentimento da maioria, quem manda nisto e não são os governos, o BdP, o BCE nem o G20, sabe muito bem como funciona a mentalidade humana e como manipulá-la para conseguirem o que querem nem que seja 7 ou 8 gerações depois…

  25. Euéquesei says:

    “A diferença é que lá, os dinheiros publicos são controlados e bem gastos. aqui não.”
    JP, para que raio quer vc colocar mais vinho na mesa do bêbado?
    Estado Português com mais dinheiro = a mais corrupção, mais ladroagem, mais compadrios, etc.
    Melhorias para o povo, zero.
    No final, recebam de impostos qualquer quantia que seja, é sempre insuficiente.
    Não há nada a fazer.
    Cada um que se safe o melhor que puder.

  26. Luis Henrique Silva says:

    Pelo menos acho que todos os estabelecimentos deveriam ter terminal e que aceita-se tanto cartões e Mbway já me aconteceu ter que ir de prepósito a cascos de rolha porque um sitio só aceitava dinheiro…..eu pelo menos tento evitar andar com dinheiro, e o que levanto é pouco, uso bastante MB Way é bem rápido o pagamento, uso também revolut em certos casos…..

  27. Robin says:

    A preocupação desta gente é outra, a preocupação deles e controlar, mas desde que sejam eles a controlar.

  28. Ru says:

    Eu pago tudo em €€. Quantas vezes levanto no terminal MB ao lado, só para poder pagar a seguir em dinheiro.
    Não estou muito interessado em deixar rasto do que faço ou deixo de fazer. A minha vida interessa só a mim.

    • Luis Henrique Silva says:

      não é uma questão de deixar rasto, é porque nós não somos cumpridores dos nossos deveres! Quem pede contribuinte quando compra algo??, Quem paga impostos correctamente sem tentar fugir ao fisco?? Muitos poucos fazem correctamente, por isso não andamos pra frente. hà paises Europeus têm impostos altos mas esses cidadãos fazem-no para que tudo ande bem e eles andam bem, já não sei bem que pais é, mas penso ser a Finlândia ei lá.
      Se nós queremos as coisas direitinhas e exigimos do governo, temos de cumprir, mesmo que possa ser difícil, mas temos de dar a césar o que é de césar.

      • Ru says:

        Temos o bom exemplo do governo. Submarinos, e outros tantos casos…. Condenados, penhorados, nah. O povo que pague.
        Uma auditoria (em condições) às contas do estado e lixar quem nos lixou, nunca vai acontecer. Belo exemplo que temos.
        Mas podemos sempre contar tostões e pagar impostos altíssimos (para os nossos salários), que eles agradecem.
        Com isto não digo que devemos fugir aos impostos, mas que não está bem, não está.
        Voltando ao meu comentário inicial, uso dinheiro vivo por questões de privacidade. Felizmente o big brother ainda não vê tudo.

        • Luis Henrique Silva says:

          loool essa velha história da privacidade, ok vai dormindo então, como se não estivessem sempre a mostrar os vossos dados a toda a hora em diferentes maneiras…..
          Raios parta à mania de que estão a tirar a privacidade…..enfim….fica-te então com essa……..

  29. costacurta says:

    Depois apanham políticos como o Carlos Zorrinho que gastam o nosso dinheiro à grande e dizem que são os custos da democracia, com ar de desdém.
    “Carlos Zorrinho recorreu ao Facebook para esclarecer os seus “amigos” sobre o aluguer de um Audi A5 e 3 VW Passat. Foi “a solução mais económica”. “Pagamos mensalmente 3.700 euros de renda. É dinheiro dos contribuintes? Claro que é. Mas quem quer uma democracia sem custos, o que verdadeiramente deseja é uma não democracia.”
    Falo neste caso, porque achei caricato, em relação às outras opções de outros políticos, mais em conta, versos a resposta artística. É apenas um exemplo em milhões. Pagar ou não pagar, impostos?

  30. falcaobranco says:

    Estão no caminho de darem razão á Finlândia que já tinha apresentado duas vezes a mesma proposta á Uniao Europeia e foi recusada… acabar com o €€€ fisico e ser tudo por cartões… o COVID veio simplesmente acelerar isso e sou completamente de acordo…para mim, acabava com o €€ fisico já amanha…

  31. Rikardo S. says:

    O Zé povo paga tudo. Punho fechado e …o povo unido já mais será comido… óCosta…,

  32. semnome says:

    Os cartões contactless são muito porreiros, mas inseguros.
    E se perderem o cartão já sabem o que pode acontecer… O limite diário é de 150,00 Euros.
    Num caso real de uma pessoa já idosa só deu conta que perdeu o cartão passado 2 dias, ficou sem 300,00…

  33. Miguel Santos says:

    A triste mentalidade de muito portugueses, ainda é esta que está refletida em muitos destes comentários. Impressionante (e até mesmo repugnante), é que muitas destas pessoas que defendem a fuga aos impostos, são os mesmos que passam a vida a reclamar pelos serviços públicos deficientes, pelas estradas com buracos, pelos hospitais com falta de médicos e enfermeiros, pelas listas de espera, pelas escolas sem condições para os seus filhos, pela falta de polícia na rua… a lista seria interminável. Sim, tudo isso custa dinheiro. Mas é mais fácil dizer que a classe política é toda ela corrupta, mesmo que (felizmente) na nossa democracia a classe política seja escritunada 24 horas por dia, seja pelo escrutínio partidário recíproco, seja pelas diversas autoridades competentes, seja pela comunicação social. Portugal felizmente é muito menos corrupto do que todos aqueles países com aparente menor índice de corrupção (alguns nem aparecem na lista) pelo simples facto de não terem uma democracia saudável que permita esse escrutínio. Sim, todos temos que pagar impostos. E sim, se todos pagássemos o que é devido, todos pagaríamos menos. É matemática do mais elementar. Enquanto o pagamento de impostos for apenas para o trabalhador por conta de outrem, que maioritariamente tem salários baixos, vamos continuar a ver profissionais liberais a passear de mercedes e bmw, cujos filhos recebem todo o tipo de apoios do estado por supostamente os pais não terem rendimentos. Posso dizer que ando com uma nota de 50 euros na carteira, seguramente desde o passado mês de Março. Faço todos os pagamentos com cartão, e sim, peço sempre fatura com NIF, nem que seja de um simples café. E acho uma grande lata quando me peguntam “Quer factura?”. Respondo sempre: “Se a emissão de factura é obrigatória, o documento é meu, é óbvio que quero a factura”. E só para terminar que o texto vai longe: há uns anos atrás, ter todas as factura por onde passo, foi o que me livrou de uma acusação de ter abastecido o veículo numa autoestrada e não ter pago. Tratava-se de um veículo com matrícula falsa. Foi a minha sorte, ter facturas em minha posse que demonstravam onde eu tinha estado naquel dia e aquela hora.

  34. Sem Nome says:

    O desenho é simples, é caçado a fugir ao fisco, até 1000 euros …
    1 mês na prisão, paga os 1000 euros e a respectivas estadia outros
    1000 euros. Onde está a dúvida ? Demais fugas proporcionais

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.