Autenticação.Gov – Já pediu a sua Chave Móvel Digital?


Destaques PPLWARE

23 Respostas

  1. Jose Neves says:

    Mto útil
    Grato pela divulgação

  2. Kabuki says:

    Uso a chave móvel à algum tempo, bastante prático.

  3. luis says:

    se fosse possível registar para obter a chave era altamente, mas o site entre em “loop”? e não sai do mesmo sistema que é o login…

    • Pedro Pinto says:

      Deves estar a usar as credenciais erradas.

      • luis says:

        Em: “Faça a sua autenticação com :” escolho chave digital móvel e em seguida autorizo.
        Pede numero de telemóvel e pin, como não tenho registo, mais a baixo diz: “Se já tem Chave Móvel consulte aqui os seus dados. Se ainda não tem, registe-se aqui”

        Quando carrego no link para me registar, regressa a pagina inicial de autenticação.

        Consegues me explicar onde estou a falhar?

    • Catarino says:

      Normalmente penso que o problema , é termos de usar um leitor de cartões antes de fazer qualquer tipo de registo, o que acaba por ser estúpido.
      Pelo menos eu só consegui usando o leitor de cartões antes e só depois de o usar consegui aceder à chave móvel.

  4. Tiago Valente says:

    Pela descrição no artigo, não consegui perceber qual o objectivo da chave móvel..

    • int3 says:

      “(…) Cartão de Cidadão é um documento electrónico que possibilita a realização de várias operações sem necessidade de interacção presencial.”

  5. k0izo says:

    Isto é tudo muito bonito, mas ainda gostava de saber o que é que a Autoridade Europeia para a Proteção de Dados (AEPD / EDPS) e a CNPD têm a dizer sobre isto.

    Ainda vejo isto como não apenas uma futilidade como também como mais uma forma de abuso sobre o direito à privacidade de cada um, e mais uma forma de nos irem ao bolso.

    Mas não é só isso, estas medidas informáticas/eletrónicas são geridas automaticamente por computadores e não por pessoas, se houver alguma falha, prazo caducado, impossibilidade momentania, etc.. ninguém vai conseguir resolver o problema no momento… “É o sistema.”

    E depois ainda há a questão disto abrir portas para a nova “Xulisse” no seu estado mais tecnológico. Exemplos disso: ora é um passaporte eletrónico para ir os US onde mal se sabe onde vão parar os dados de cada um ,mais o gasto e tempo gasto extra e para o obter.

    Ou é um certificado eletrónico para uma pequena empresa participar num Concurso Público, no qual é preciso efetuar um registo para obter o certificado de autenticação (http://www.anogov.com/) sendo que os certificados digitais devem ser obtidos junto de uma entidade certificadora que esteja credenciada junto da entidade responsável pela credenciação de empresas certificadoras (Digitalsign, Multicert, ACINGOV, GATEWIT…). E de seguida para participar nos procedimentos (submeter documentos, apresentar propostas, etc.) terão de adquirir Selos Temporais (validade: 12 ou 24 meses), os quais tem um custo de aquisição a preço de amigo https://pt.scribd.com/document/337041159/Plataformas-Eletronicas-de-Contratacao-Publica-Nota-informativa-Precos-Selos-Temporais 😉

    Se calhar não devia ter lido o kafka… -_-

    • int3 says:

      Eu vejo muita coisa boa. Imagina o que é não precisares de ir esperar manhãs na segurança social, tardes na loja do cidadão ou o mesmo nas finanças. E o pior é não podes ir aos feriados e fins de semana… O cartão tem um certificado assinado e permite-te autenticar-te como sendo tu e agora estes problemas acima descritos serem resolvidos de vez. Numa era tecnológica a andar com papeis acho ridiculo…
      Os dados no sistema tem que ser encriptados conforme as normas….

      • joão says:

        Tudo o que dizes é verdade. no entanto, recentemente, “para facilitar o processo”, os certificados gerados para cada cartão começaram a ser guardados pelo estado. Anteriormente, estes existiam apenas no cartão e, se perdido o acesso a eles, só fazendo um novo cartão é que se voltaria a poder usar a autenticação e assinaturas digitais.
        Um nabo qualquer achou que isso era chato e, destruindo todo o sistema de segurança, mandou guardar todos os certificados qd são gerados.
        Li isto numa noticia algures, confesso q n encontro a fonte neste momento mas quem souber mais sobre o processo, venha cá elucidar o pessoal.
        Uma nota: diz-se “cifrados”, não “encriptados”, “encriptados” e´apenas o “aportuguesamento” de uma palavra inglesa. não existe em português.

        • Alberto Silva says:

          Encriptados existe no Português sim senhor! Vem de cripta, que significa literalmente túmulo selado! No inglês também existe a “cypher”, cifra em Português!

  6. daiquiri says:

    Leitor de cartões de cidadão aqui 😀
    Mas excelente dica

  7. poio says:

    Nao percebo a real vantagem, o meu laptop com leitor smart card é muito mais prático

  8. Joao 2348 says:

    Porque toda a gente sabe que as redes móveis são tão (IN)seguras… vamos permitir autenticar via meio inseguro… mas que boa ideia!
    Já não bastava os certificados digitais RSA de 1024 bits do cartão de cidadão para autenticação e assinatura digital, ainda temos autenticação móvel… o que é que não pode correr mal?

    • N'uno says:

      Até bancos usam os códigos enviados por sms, que todos sabemos poderem ser interceptados, e até agora não encontrei nenhum que permitisse o uso da autenticação com o cartão de cidadão. O máximo que vi foi a utilização de um certificado gerado pelo banco. Acho que ainda não acordámos verdadeiramente para o tema da segurança… 🙁

      • xtremis says:

        Acho que não estou a ver a questão pelo prisma certo. Eu não testei a Chave Móvel, mas em relação aos códigos enviados por SMS pelos Bancos, trata-se de uma segunda autenticação! Ou seja, mesmo que alguém intercepte o SMS, não serve de nada se o bandido não tiver já comprometido a nossa primera forma de autenticação (a password ou o tal certificado, por exemplo). Além disso, no caso do BPI (que é o banco que eu uso), os SMS só entram em ação para operações de valor mais elevado. Para as restantes, é usada a grelha de coordenadas.
        O SMS é apenas uma forma adicional de proteger certas operações, como os pagamentos, transferências, etc. Caso alguém consiga a vossa password para o home banking, para poder efetivamente usar o guito,tinham de ter também o telemóvel que está registado na vossa conta 🙂
        E agora podem perguntar: ah mas e se nos roubarem tudo?! Bem, no limite alguém pode raptar-vos e obrigar-vos a dar todas as passwords e códigos que tenham, e aí não há segurança que resita… Mas não há dúvida que “comprometer” 2 formas de autenticação diferentes dá muito mais trabalho do que só uma!

    • int3 says:

      Deves ter parado em 1990 nas redes GSM… E os certificados são de 2048 bits não entendo onde foste buscar essa informação.

  9. JS says:

    Já tentei pedir a renovação do cartão de cidadão e manda-me para:

    Poderá efetuar o pedido de Cartão de Cidadão:
    • Nos Balcões de atendimento do Instituto de Registos e do Notariado;
    • Nos Postos Consulares Portugueses.

    Em que ficamos?
    Obrigado

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.