PplWare Mobile

Apple chega a acordo com clientes e evita multa de $840 milhões


Gestora de conteúdo e de redes sociais do Pplware. Mestre em Economia, foi o fascínio pelo universo da tecnologia e da comunicação que falou mais alto.

Destaques PPLWARE

  1. Gerardo says:

    Se os consumidores ganharam é porque eram representados pelo Harvey Specter 😀

  2. inelson says:

    claro que o preço em formato digital tem de ser mais caro na apple…. se a apple tem 1000% de marguem de lucro nos seus produtos, e mesmo assim existem milhões de pessoas a fazer fila para pagar…
    Realmente o que é que custa pagar mais uns $ para comprar um livro digital??? alias eu até acho que o livro digital para a ebook da apple, ate devia ser mais caro que um livro impresso… devido a qualidade gráfica das letras XD

  3. Nunes says:

    Falta referir que o que foi acordado está dependente do resultado do recurso que a Apple apresentou. Isto é, se o tribunal de recurso der razão à Apple, é bem possível que esta não venha a pagar nada!

  4. Nelson says:

    Isto não faz qualquer sentido…

    Qual seria a vantagem para a Apple de vender livros mais caros que a concorrência?

    No iPad, pode-se ler e comprar livros da Amazon, da Kobo, e de outras que tais… O iBooks é uma app da Store, como essas app’s de outras lojas, nem sequer vem pré instalado, como vem no tablet da Amazon, por exemplo…

    • FanaticoReligioso says:

      Mas sabes que vocês gostam de pagar mais, quando se trata de o vendedor ser a Apple.
      Até por um livro que seria mais barato noutra loja sem qualquer diferença um utilizador da Apple preferiu pagar mais, esta cientificamente comprovado.

      Como diz o outro talvez as iLetras sejam melhores.

    • Nuno Vieira says:

      Lê um bocado sobre o caso antes de comentar. A Apple e várias distribuidoras americanas conspiraram para aumentar o preço dos ebooks. O aumento do preço não iria apenas afectar a loja da Apple, mas sim todas, incluindo a Amazon.

      Uma vantagem de aumentar o preço dos ebooks? Hmm,… ora deixa-me cá ver! A Apple recebe uma percentagem do valor da venda, se este valor aumentar, também o lucro da Apple aumenta.

      • Nunes says:

        Os únicos preços que aumentaria seria num período inicial dos livros novos. Isso fica bem patente pelo facto do preço médio dos livros ter descido.
        Quanto a aumentar os preços em todas as lojas, a história não é assim tão simples. Seriam as editoras a decidir os preços praticados na loja da Apple, e teriam que assegurar que não ofereciam melhores preços às outras lojas – uma coisa que a Apple fazia com outros conteúdos. Mas dependendo do modelo de negócio o preço ao consumidor feito pelas outras lojas poderia ser diferente.
        A vantagem de aumentar os preços era acabar com o “dumping” que a Amazon estava a fazer nos preços, que acabava com a concorrência. Os preços praticados pela Amazon estavam artificialmente baixos e a destruir as outras vias de negócio das editoras. O que eu acho incrível é que nunca tenham feito uma investigação às práticas da Amazon.

        • Nuno Vieira says:

          Eu não estou a dizer que o que a Amazon faz é correcto ou legal. Estamos aqui a discutir o que a Apple, juntamente com 5 editores fizeram, e o que fizeram é claramente ilegal. Os 5 editores já se pronunciaram como culpados e chegaram a um acordo. A Apple foi a única que levou isto aos tribunais, onde perdeu. A Apple recorreu da decisão, mas tenho as minhas duvidas que esta mude.

          • Nunes says:

            Havia provas das 5 editoras terem contactos directos entre si por causa dos preços e da Amazon, antes sequer da Apple aparecer, e isso é ilegal.
            Já as provas contra a Apple são circunstanciais e dependentes da interpretação da lei – não é assim tão claro.
            Uma das justificações para a condenação foi ter provocado um aumento de preços, mas como é que se pode entrar com essa argumentação sem ter em conta a artificialidade dos preços anteriores? Esse é um dos pontos que a Apple levanta contra a decisão do tribunal!

          • Nuno Vieira says:

            A Apple e as 5 editoras não foram processadas por subirem o preço, mas sim porque conspiraram para os alterar, algo que vai contra a lei da competição. Seria igualmente ilegal se os tivessem baixado.

            E não só foram usadas provas circunstanciais no tribunal. Aqui está a citação do Juiz no final do processo: “the Plaintiffs have shown not just by a preponderance of the evidence but through compelling direct and circumstantial evidence that Apple participated in and facilitated a horizontal price-fixing conspiracy.”

          • Nunes says:

            A acusação recai sobre a subida de preços de alguns livros, ignora até a descida do preço médio dos livros.
            As únicas provas directas é da Apple fazer acordos com as editoras com um novo modelo de negócios. Não houve provas de que foi a Apple a instigar as editoras a fazer chantagem à Amazon e a obrigar a Amazon a mudar o seu modelo… que é o que desencadeou este processo.
            A juíza achou que por haver interesses comuns a Apple é necessariamente culpada por ter feito o acordo.

          • Nuno Vieira says:

            É irrelevante se os preços baixaram ou aumentaram, não é isso que está em julgamento. O que está em julgamento é se a Apple esteve ou não envolvida na tentativa de manipulação dos preços dos livros electrónicos. Segundo o resultado do julgamento, sim, são culpados. Ou os resultados dos tribunais só são válidos quando estes são a favor da Apple?

          • Nunes says:

            O que está em causa nesta discussão não é se o tribunal decidiu A ou B, mas até que ponto é que as provas são claras quanto à Apple! É uma discussão sobre opiniões, e encontras na internet quem tenha outra interpretação da lei invocada e de como vê os factos conhecidos.

      • Nelson says:

        Eu leio “Apple e cinco das maiores editoras dos Estados Unidos”, não leio distribuidoras.

  5. Antonio Alves says:

    a Apple pratica preços abusivos em tudo que vende, ponto final.
    Mas ainda há por aqui pessoal que diz “o que é bom paga-se caro”, um BMW é bom, mas comprar BMWs a preço de Bugattis…

    • Nunes says:

      tens a noção que os preços dos livros não são fixados pela Apple mas pelas Editoras?

      • akha says:

        Leste o artigo Nunes??

        • ACS says:

          o nunes tem razão e não tem. Sim são fixados pelas editoras mas como a apple queria 30% dos lucros feitos pelas editoras na sua plataforma as editoras para não perderem dinheiro iriam aumenta o preço.

          • Nunes says:

            30% não é assim tanto quanto parece, pois a loja tem várias despesas, entre impostos, custos com entidades de pagamento, servidores, etc.
            O preço médio dos livros até desceu. A única coisa que realmente subiu foram os livros novos

        • Nunes says:

          O acordo da Apple coloca as Editoras a definir os preços – é o modelo de negócio. Em tudo idêntico ao que acontece com a loja de música e aplicações da Apple.

    • ACS says:

      A apple não queria ebooks mais caros. Eles apenas queriam fatia do bolo mas como é obvio as editoras não ia dar parte dos lucros que tinham e por isso com o acordo feito com a apple para compensar iriam aumentar o preços do ebooks no geral pois não dava para justificar uma subida de preço nos ebook comprados na apple e noutra loja como amazon continuarem ao mesmo preço. No final quem seria prejudicado seria o consumidor e a razão por ser considerado má pratica.

  6. Zefra says:

    No produto deles ok façam o que entenderem mas não podem exagerar no produto que não é deles. Ok que querem vender e fazer lucro mas vender mais neles só porque é vendido na casa deles… vão-se lixar.

  7. Benchmark do iPhone 5 says:

    Então é assim.
    A Amazon vendia best-sellers a $9,99, abaixo do preço de custo – e isto é que é importante.

    Várias editoras – e Apple, porque não foi só a Apple – entenderam-se, para passar a vender na Apple, o que forçou a Amazon a subir os preços, senão as editoras não lhes entregavam os livros mas sim à Apple.

    É tão-somente isto e não mais do que isto. A Apple alega que não fez nada de errado – e que aumentar os preços faz aumentar a concorrência e não diminuí-la. Pode parecer estranho, mas para quem tiver familiarizado com a proibição do “dumping” (vender abaixo do preço de custo, eliminando a concorência) não fica.

    De maneiras que a Apple, nessa base, continua uma ação contra o Governo americano para que isso seja reconhecido.

    O acordo a que a Apple chegou, a que se refere o post, é com alguns Estados americanos (não confundir com o Governo, central, dos EUA) e com alguns consumidores. Com isso a Apple evita um julgamento separado, que lê podia custar até 800 milhões de dólares, mas – isto é que é importante – se ganhar a ação contra o Governo nos Estados Unidos, vai ter que ser reembolsada de grande parte (não se sabe quanto é) que entregou no acordo a que se refere o post. Na verdade, o que a Apple está a entregar neste acordo é uma espécie de caução, para garantir que não há um julgamento separado (que talvez perdesse) do julgamento contra o Governo dos EUA.

    Muito obrigado pela vossa atenção. Sempre ao dispor para dizer alguma coisa, no caso de as parvoíces serem mais do que a conta 😉

    • Hapéle says:

      A Amazon não fazia dumping, praticava margens baixas, senão era a Amazon que seria processada. Da forma que escreveste parece que a Apple e as e as editoras é que vieram “salvar” a situação….

      • Benchmark do iPhone 5 says:

        As grandes superfícies (leia-se Amazon) fazem promoções à custa dos fornecedores (leia-se editoras). Não há dúvida que beneficiam os clientes, à custa dos fornecedores (aqui a questão central é se os forçam a vender abaixo do custo) e em prejuízo de outras grandes superfícies e lojas.

        Tudo leva a crer que os fornecedores encontraram outra grande superfície (leia-se, a Apple) para lhes comercializar os livros. E que fizeram um acordo do tipo: o preço a que fornecem os livros à Apple é o mesmo que fornecem à Amazon – o que forçou a Amazon subir os preços de venda em prejuízo dos consumidores.

        Como os consumidores são vistos como sacro-santos (e nos EUA rendem votos, aos procuradores estaduais e federais) há grandes hipóteses de ações judiciais (e de posts) a favor dos cosumidores e contra a malvada da Apple.

  8. Joe says:

    Bem resumindo e concluindo ainda bem que a Apple fez esse acordo fantastico com as editoras senao era so prejuizos para os consumidores e realmente não se entende o porque do governo americano andar nestas coisas e a alegar coisas sem sentido, como tambem não se entende o porque de a Apple ter chegado a acordo com governos federais e outras entidades/pessoas. O que interessa é que no fim a Apple de certeza que vai ser reembolsada de todos os prejuizos e incomodos que esta a ter com uma coisa que nada tem a ver com eles 😀

    • Benchmark do iPhone 5 says:

      Não apanhaste bem a ideia. A seguir à Google, que é a mais boazinha, que só pensa nos consumidores e não no lucro, a empresa a seguir é a Amazon. A Apple como se sabe, é que só quer ganhar dinheiro e é a pior de todas, nem lhe interessam os consumidores para nada.

      Por acaso, na história mais recente, do post do link, é a Amazon que não quer vender livros de um editor (Hachette) com desconto e a Apple está prontinha para os vender (e ganhar dinheiro com isso) 🙂

      Nas histórias anteriores a lógica foi sempre a mesma – desacordos quanto a dinheiro entre a Amazon e editoras que a Apple procurou aproveitar a seu favor. “Ah, mas foi à custa dos consumidores!”. Pode ser verdade, mas se a Amazon, como alega a Apple, estava a forçar as editoras a vender abaixo do preço de custo, o caso muda de figura.

      Estamos a falar de negócios, que e muitas vezes metem governos e tribunais. O que o tribunal vai decidir quanto à ação principal, contra o Governo dos EUA (da qual depende o destino final da verba do acordo do post) ninguém sabe.

      http://recode.net/2014/06/17/apple-is-happy-to-sell-you-the-hachette-books-amazon-wont-stock/

      • Joe says:

        Apanhei a ideia bem demais ;).

        – A amazon vendeu cerca de 75 bilhoes de dolares e desse lucrou cerca de 254 milhoes no ano de 2013;

        – A Apple vendeu 170 bilhoes de dolares e lucrou 37 bilhoes.

        Simplificando por cada 100 dolares vendido a amazon lucrou 34 centimos e a apple lucro quase 22 euros desses 100 de vendas.

        As empresas sao criadas para dar lucros e como tal a apple é uma empresa boa 😀 e certamente melhor investimento que a amazon.

        • Nunes says:

          Estás a esquecer a natureza de cada uma das empresas.
          O que dá lucros à Apple é o hardware que produz.
          A Amazon é um retalhista, não produz quase nada e tem sido muito agressiva nos preços a que vende os produtos de outros, para minar a concorrência. O seu “jogo” é de médio-longo prazo, chegar a uma dimensão tal em que terá poder suficiente para recuperar o dinheiro que “perdeu”. Isso já se começa a ver, não só pelas táticas com a Hachette e outros, mas na grande subida de preço nalguns serviços
          Se fores a comparar os preços nos conteúdos comuns que cada uma vende, verás que praticam preços médios quase iguais

          • Joe says:

            A Apple lucra em tudo o que mexe e vai bem mais pralem da venda de hardware. E a store deles é exemplo disso. A historia da amazon estar na corrida a longo prazo é falaciosa tanto mais que nem sequer é a maior retalhista do mundo.
            A alibaba fatura mais que o ebay e a amazon juntas.
            O que interessa numa empresa sao lucros actuais ou expectaveis é isso que da valor a uma empresa. A amazon teve queda de cerca de 30% do valor do mercado o ano passado não so por nao ter lucros visiveis atualmente como por nao ter expectativas de os gerar num futuro proximo.

            http://economia.ig.com.br/2014-06-16/receita-do-alibaba-cresce-36-menor-nivel-em-seis-anos.html

          • Nunes says:

            :S
            creio que não fazes ideia dos vários anos que a Amazon andou a perder dinheiro para ganhar dimensão, desde que foi formada. O Jeff Bezos tem a sua própria estratégia e foi sempre contestada. O facto é que a Amazon ganhou enorme dimensão por não se preocupar muito com os lucros do momento!
            Não compares com a Alibaba, não só a Alibaba e a Amazon quase não competem ente si por existirem em mercados diferentes, como a Alibaba está num mercado muito maior, entra em mais segmentos, e não tinha grande concorrência.

            “A Apple lucra em tudo o que mexe e vai bem mais pralem da venda de hardware. E a store deles é exemplo disso.”
            desculpa, mas se os preços são semelhantes para os conteúdos que ambas vendem, parece-me que o teu argumento não faz grande sentido. É por demais falado que o negócio da música não é muito rentável para a Apple.
            A Apple vende os conteúdos como chamariz para o seu hardware, para formar plataforma. A única coisa que a preocupa nos conteúdos é não perder dinheiro. Os lucros vêm do hardware. Até há pouco tempo o que depois dava mais lucro à Apple era o seu próprio software, mas dado que baixou o preço a tanta coisa que faz (imagina), passou a ser a loja de aplicações a dar mais lucro, que mesmo assim é totalmente eclipsada pelos lucros do hardware.

  9. Joe says:

    Não o conhecendo Nunes não posso fazer juizos de valor em relação ao seu acompanhamento em relação ao assunto. Mas quanto a mim ate preferiria nao fazer ideia de ha quantos anos a amazon demorou a implementar a estrategia de crescimento que adoptou que se calhar me permitirira ter menos alguns anos emcima.
    Sendo que a amazon esta longe de ser uma startup que se dá margem para isso acontecer e é frequente haver bussiness angels dispostos a sacrificar lucros com base no crescimento no caso deles isso esta já longe de acontecer dai haver tanta critica quanto ao modelo que ao fim de 20 anos de mercado ainda não apresenta lucros de uma forma estavel e continuada.
    O alibaba não sou eu que o comparo é o mercado e a amazon tambem não tem competidor no ocidente digno desse nome e lidera claramente e isoladamente e não é por isso que da lucros.
    A store da apple já rendeu 15 bilhoes não sou eu que digo isso e se acha que 30% disso diretamente para a apple é pouco acho que estamos conversados mas acho que a amazon não se importaria de ter tido esse lucro desde a sua criação.
    http://www.apple.com/pr/library/2014/01/07App-Store-Sales-Top-10-Billion-in-2013.html?sr=hotnews.rss

    • Nunes says:

      “O alibaba não sou eu que o comparo é o mercado”
      desculpa, mas o que tu disseste não passa duma citação da Wikipedia sem qualquer relevância para este discussão, ou para o peso da Amazon no mercado Americano e junto de editoras, etc. As duas para todos os efeitos não competem uma com a outra.

      “A store da apple já rendeu 15 bilhoes não sou eu que digo isso e se acha que 30% disso diretamente para a apple é pouco acho que estamos conversados mas acho que a amazon não se importaria de ter tido esse lucro desde a sua criação.”
      Esse valor é referente a rendimentos da loja de aplicações, não a conteúdos, que é o cerne da comparação que se estava a fazer entre as duas companhias.
      É rendimento ao longo de vários anos, e ao contrário do que pensas não dá 30% de lucros, já que a Apple tem que arcar com as despesas de manutenção, pessoal, suporte, análise, entidades de pagamento, etc. A Amazon recolhe a mesma percentagem das vendas na sua loja, o que torna o teu argumento vazio e esta discussão cada vez mais sem sentido.

      O rendimento da loja de aplicações representou menos de 6% da facturação da Apple no ano passado (10 em 174), e nos lucros a percentagem é ainda inferior, já que as margens no hardware são superiores a 37% e na loja não deve ultrapassar os 10-15% – não deverá representar mais do que 2% dos lucros; 1 “bilião” em 65 “biliões” de lucro bruto. Uma percentagem muito pequena, tal como já tinha afirmado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.