Quantcast
PplWare Mobile

Alzheimer: Canábis poderá ser usada na cura da doença

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Vítor M.


  1. Alexandre says:

    Está feito?

  2. Hugo says:

    Sendo legal só compra quem quer.
    Não sejas preconceituoso pois nunca se sabe o dia de amanhã.
    (E não, nunca usei drogas)

    • Bruh says:

      Preconceituoso? Não disse nada de mal quanto ao estudo do uso de drogas deste género para cura de doenças. Apenas já estou a prever o que é normal neste tipo de tópicos. Só se irão ofender aqueles que sabem o que são.
      Não tenho nada contra esta notícia, apenas contra quem se irá aproveitar dela para defender as suas próprias agendas.

      • Nathan says:

        São tão agendas como as pessoas que defendem a criminalização e o status quo.

        • Mylittlelife says:

          As drogas em maior ou menor medida, seja física seja psicologicamente provocam adição e alterações negativas. Se há um composto que possa ser isolado e utilizado óptimo, mas nada a ver com o composto total.

        • Nathan says:

          E achas que o estado vai estar atrás de 11 milhões de pessoas feito mamã?

          Existem centenas de substâncias viciantes que andam por aí, legalmente e ilegalmente, medicamentos que são receitados às pessoas inclusive.

          A cannabis é só mais uma e não é nada viciante comparada com o tabaco e o álcool.

          O estado não estraga negócios bem mais horríveis como os dos medicamentos homeopáticos que não fazem nada, e são vendidos nas farmácias, assim como calcitrins e etc!

          Já para não falar de que a cannabis vendida na rua, se não for a erva em si, podes ter a certeza que leva cortes com coisas muito perigosas para a saúde pública. Mesma coisa como quando nos EUA, que proibiram álcool e eles começaram a fazer moonshine e muita gente morreu, ficou cega, etc. com essa treta!

      • João Costa says:

        Se calhar consomes, por exemplo, açúcar refinado. O que neste caso faz de ti também um drogado, já que é a 3ª droga que mais mata a nível mundial por ano, atrás do álcool e do tabaco.
        Sendo ou não verdade, fica-te mal esse tipo de julgamento.

  3. George Orwell says:

    Sem prejuízo do âmbito médico dos cuidados paliativos ou tratamento de doenças se os “guidelines” da medicina lhe vierem a conferir tal préstimo, o que não dispensaria uma melhor síntese química que o tornasse melhor tolerado, como já acontece com os opiáceos em farmacologia, ao que se seguiria a indispensável avaliação e receituário médico, tenho para mim que a melhor droga ainda é o amor, são os familiares e amigos, o sentir sempre a obrigação de servir alguém a começar pelo Divino a quem devemos a existência, além da consolidação do “insight” de que, tal como afirma a assertiva lírica de Vinicius de Moraes na famosa canção “A Felicidade”, “Tristeza não tem fim / Felicidade sim”.

    Na verdade, é importante ter consciência de que, num mundo que se nos apresenta sob a forma da dualidade e de sortilégios, assim como devemos à sede o simplório prazer de beber água sendo tal prazer directamente proporcional à respectiva privação, também o sofrimento é a antecâmara da felicidade e vice-versa, não existindo um sem o outro uma vez que só o dialéctico contraste entre ambos pode produzir algum desses efémeros estados, tão efémeros como a própria vida terrena.

    Aliás, seguindo as religiões, do Cristianismo ao Budismo tibetano, o sofrimento foi, é e será a redenção.
    Sendo uma realidade incontornável da condição humana, não é preciso chamar por ele, nomeadamente através do uso aditivo e não médico de substâncias estupefacientes que apenas podem trazer um fugaz escape à realidade, viagens de ida e volta que nada acrescentam para além da náusea repetitiva, uma adição cada vez mais tortuosa como Sísifo carregando uma pedra e subindo e descendo uma montanha cada vez maior.
    .
    O sofrimento vem ao seu encontro e a maneira como o encara ou o consegue tornear pode-lhe proporcionar momentos de pura felicidade porque estão interligados como a noite se interliga com o dia.

    “Maktub”!

    • Nathan says:

      É, o amor e a religião vão curar o Alzaimer…

      Diz isso aos cônjuges das pessoas que vivem ao lado de outras pessoas com a doença.

      Sabes o que é andar com uma pessoa na rua, e essa pessoa dar-lhe e por-se a andar para outro lado, e não voltar para o caminho.

      Sabes o que é essa mesma pessoa, se não lhe dares o passeio, ficar a noite toda acordada a querer sair?

      Isto só o começo…

      • BTN says:

        +1
        tudo o que possa ajudar no tratamento deste triste doença, é sempre bem vindo!!

      • George Orwell says:

        Lido diariamente com um familiar dependente por ser portador de doenças crónicas e sei avaliar o sofrimento dos meus semelhantes.

        No meu texto, mais focado no uso não médico de estupefacientes, por DUAS VEZES tive o cuidado de exceptuar esse uso médico tendo referido até o exemplo dos opiáceos em medicina e cuidados paliativos. Porém, parece não ter sido suficiente para compreenderes.

        Mas compreendo que não tenhas nada contra o amor, compaixão, a filosofia, a ciência, e porque não o Divino ?

        Nenhum exclui as outras, todos são importantes.

      • Pablo says:

        é a pior doença q existe na minha opinião (esquecer tudo o q viveste, quem és, quem são os que te rodieam)

  4. KingDi says:

    Se a droga fosse toda como a canábis, andávamos todos e todos os dias alegres… 🙂

    • Bruh says:

      Pois é, e quando te acabar o stock de canabis e a realidade te atingir com tudo o que tem. Fazes á americana e pegas numa arma e toca a limpar o sebo aos que te aparecerem a frente? Pois….

      • Filipe Teixeira says:

        Oh meu deus tanta ignorância junta. Sabes que as piores drogas que existem estão a venda nas farmácias? Sabes que esses que matam nos states não têm nada a ver com drogas ilegais, sejam elas quais forem?

      • PeFerreira98 says:

        Isso e mais heroina e cocaina… Mas isto sou eu a dizer…

  5. Nathan says:

    +1 droga é muito má, se vos derem nas escolas digam que não… agora venham connosco aprender uma coisa sobre o calcitrin…

  6. Mike Delta says:

    Este artigo só demonstra o que é costume dizer de que há estudos para todos os gostos. Tem havido muitos estudos a dizer exactamente o contrário, que o consumo prolongado de cannabis (THC) pode potenciar o aparecimento precoce de Alzheimer e/ou demência por morte das células cerebrais. Agora temos este. É só o cliente pedir.

    • Vítor M. says:

      Tudo depende de quem faz o estudo. Vê onde foi publicado e quem assina o estudo. Diz muito isso 😉

      • int3 says:

        A ciência não é “depende de quem faz” mas devia de ser o mesmo resultado em todo o lado e por toda a gente.
        Isto é só uma manipulação da opinião pública para a legalização de uma droga.
        Para fins médicos ela já é legal. Agora quem é viciado nela e não admite e ainda vem com tretas que deve ser legal para poder usar-la sem problemas é quem devia de se inscrever num programa para se limpar.
        É a maneira que vejo esta “palhaçada” toda.

        • Vítor M. says:

          Não vou entrar por aí, até porque actualmente a indústria farmacêutica usa opiáceos e canabinoides. Há depois vários organismos a estudar com variáveis onde são considerados diversos destes “agentes psicotrópicos e estupefacientes”…

          • says:

            O problema da cannabis medicinal é a separação do THC e CBD, não consegues neste momento ter as propriedades curativas sem a “moca” que dá. A Cannabis faz “melhor” do que “pior”.. Na questão do uso exagerado, tudo o que é em demasia faz mal, é preciso moderação em tudo na vida.

          • Vítor M. says:

            Área que desconheço. Não faço a mínima ideia que tipo de sensação dará o consumo desta planta, mas o que tenho visto é a sua aplicação em determinadas doenças e doentes.

        • e. mendes says:

          O estudo não veio de encomenda da China, veio de um instituto de renome…

          https://en.m.wikipedia.org/wiki/Salk_Institute_for_Biological_Studies

        • Pablo says:

          precisas de fumar um para descontrair… realmente é verdade, os viciados querem q seja legal, mas já agora não ficamos todos a ganhar se for legal?? impostos para o estado (sendo assim as associações criminosas vão deixar de ter uma fonte de rendimento muito grande), provavelmente tens familiares que fumam, e quantos estão na cadeia por terem em sua posse material deste? limpava-se logo metade dos presos… afinal de contas é provavelmente a única droga que nunca causou a morte.. quantos milhões morrem todos os anos com tabaco e álcool? quantos amigos tens que de manhã à noite se encharcam de álcool? e estes? não são toxicodependentes?

          • Bruh says:

            “afinal de contas é provavelmente a única droga que nunca causou a morte”

            Mete no google “Death by cannabis”, e esqueces logo essa tua filosofia que não se morre por usar canábis. Agora, que não o queiras fazer, para poderes fazer de conta que não sabes e continuar a apregoar, isso já é contigo.

          • Pablo says:

            vai mas é fumar um e relaxar, pois esses artigos que viste são a pedido dos traficantes para continuarem a encher os bolsos enquanto for ilegal. um medico conhecido dizia “mais vale fumar um puro de erva que um cigarro”. quer queiras quer não, legal ou ilegal, vai sempre haver drogas

        • victor says:

          Ate pq tabaco eh legal e nao faz mal nenhum…
          hm…

        • Ze says:

          Como se alguém fosse viciado em cannabis.

    • Hugo says:

      O amianto antigamente também era usado como um óptimo material de construção e afinal…

    • City says:

      Podes dar o link para o estudo que referes. Tks

    • Pedro Carneiro says:

      Sr. Mike, pode identificar o estudo que refere e que diz que o consumo prolongado de canábis pode potenciar o aparecimento precoce de Alzheimer ou até mesmo a morte de células cerebrais? Obrigado desde já!

  7. Bruh says:

    Exacto, eu é que tenho falta de inteligencia, mas tu é que achas que um bom argumento contra o meu comentário é partir para o insulto. Não me digas que te identificaste com o conceito de drogado e não gostaste.

    • Pedro says:

      Para este se beberes uma cerveja és alcóolico e para quem fuma uma ganza é drogado. E para quem não tem nada contra já veio comentar cada resposta a favor e faz sempre o mesmo ataque: “servio-te a carapuça”. Acho que todos perceberam a ideia que defendes no primeiro comentário. Agora podes ir para outros fóruns falar da tua ideia.

  8. Alfie says:

    E felizmente para ti que não fumas, não bebes café ou chá, nem alcool, enfim não tocas em nada que te provoque dependencia.
    Ah! enganei-me, respiras és ar dependente…

    • Bruh says:

      Por acaso até nem fumo, não bebo café, nem álcool. Essa do chá não percebi, bebo muito raramente quando fico meio adoentado.
      Ao contrário de pelo menos 3 coisas que referiste, respirar ar permite-te continuar por cá. Enquanto que o fumar, e beber café ou álcool podem te levar a ir mais cedo para a cova.
      Essa tua comparação é típica de alguém que sem argumentos, inventa qualquer coisa só porque gosta de contrariar.
      E sim, tenho algumas dependencias que nem são muito saudáveis, mas pelo menos tenho noção que as tenho, sei admitir que me podem vir a trazer alguns problemas mais tarde, e tento não juntar mais a essas que já tenho.

  9. Filipe Teixeira says:

    A legalização disto já peca por tardia, proibam o álcool o mac donalds e o calcitrin que isso sim, são perigos para a sociedade e saúde pública.

    • joao magalhaes says:

      Para não falar dos milhões de € que o estado perde em impostos, porque em Portugal não é nada difícil comprar a droga que se quiser, só com a diferença que o dinheiro vai para os traficantes e a qualidade do produto muitas vezes deixa a desejar com a quantidade de porcaria que juntam, impostos, mais emprego ( pontos de venda, produção, distribuição etc. ), deixavam de ser necessários tantos policias a combater o tráfico destacando-os para o combate à corrupção e claro, o cliente ia ter um produto de alta qualidade como se encontra na Holanda e EUA, mas prontos, mais vale roubar o povo com impostos e continuar a ser hipócritas com a legalização do tabaco e álcool.

  10. vanozZe' says:

    Tantos comentários interessantes, pena que tenho alzheimer e esqueci onde esta o interesse em todos eles…

    Falam falam mas certo que nem sabem o que é o alzheimer, e muito provavelmente nem tem ninguém próximo (familiar ou não) com a doença pois saberiam o quanto angustiante é estar perto de uma pessoa com a doença e ficarem cansados de repetir centenas e centenas de vezes a mesma coisa, estarem com a pessoa e ela levantar-se e ainda nao estar de pe e pergunta onde é que estava sentada e o que estava a fazer, onde esta onde estava, com ques esta, o porque, tudo o que essa pessoa diz acaba com “?”.

    Mas falávamos da possibilidade de canábis poder ser benéfico para o alzheimer, sim e se for, e se todos nos tivermos de o tomar para evitar a doença ou pélo menos sermos estáveis na vida e poder fazer uma vida digamos “normal” sem ter de estarmos pendente de alguém? Alguém se ira opor? Eu digo já, NÃO, não me oponho poi prefiro fazer uma vida “normal” sem que tenha de estar dependente de alguém. Mas bem vamos esperar para ver.

    NOTA” deixei de comentar estes tópicos pois sei que não da em nada e ninguém respeita ninguém. Muito menos serem capazes de pararem por 2 minutos que seja para pensarem e ponderarem se o outro nao possa vir a ter razão sem ter de o ofender, criticar… Etc

  11. Joaquim says:

    Há muitos estudos científicos feitos a esta é outras plantas, com resultados que só não são divulgados pelos meios massivos de comunicação por não serem rentáveis à indústria farmacêutica.

    • int3 says:

      Como não é rentável? A industria farmacêutica não podia vender cannabis? Iria deixar de vender os medicamentos por causa disto ? lol THC não é o químico que faz milagres colega.
      Gente como o joaquim que é manipulado pelos sites que transmitem a informação errada de que fumar erva faz bem ou não faz mal nenhum… lol é só uma manipulação da opinião pública como desculpa de os viciados continuarem o seus vícios sem problemas com a polícia.

      • Hugo says:

        OMFG como se quem fuma queira saber desses estudos para alguma coisa.
        Toda a gente sabe que o tabaco faz mal e nem por isso vejo a malta a deixar de fumar.
        Em todo o caso o estudo em causa e a legalização da droga nada têm a ver…não sei que confusão vai pra aí…

        • int3 says:

          Lá está. É vício. Sendo assim não faz sentido legalizar uma droga porque “não faz mal” ou a desculpa que for. “Porque cura cancro”. A quimioterapia também cura o cancro dependendo do estado. Sabes a quantidade de porcaria de químicos que são administrados a um paciente??

      • e. mendes says:

        Estás a ser shortsighted, e existem muitas pessoas que fumam e são mais inteligentes e vivem uma vida se calhar mais saudável que tu.

        Para ti, se dizem vêm, são mentira, mas se dizem mal, já são verdade?

        Quem fuma, se fosse droga digna desse nome, não quer saber se faz bem ou faz mal, se é ilegal ou não!

        E em Portugal, consumidores não têm problemas com a polícia.

        • int3 says:

          Felizmente sou bastante saudável. Não fumo nem bebo alcool. Ou digamos que é raro beber alcool. Nem mesmo no tempo da faculdade.
          Tenho um bom trabalho e uma boa vida e, sem ser “convencido”, acho-me bastante inteligente com grandes capacidades.
          Agora,
          Se eu fumasse todos os dias erva desde os meus 18 até agora (22 dá 4anos) acho que tinha uns neuronios a menos. A falar com as pessoas iria estar completamente pedrado. Não faz sentido nenhum.
          Quem fuma erva para “relaxar” é a mesma desculpa de fumar um cigarro para fugir aos problemas, o stress, preocupações. Digamos responsabilidades. Eu não precisei de nada para ultrapassar ou fugir. Sempre enfrentei os problemas da vida com as minhas mãos sem ajudas.
          Em resumo, sou responsável e não preciso de gastar dinheiro em vicios como forma de fugir aos problemas.
          E não venham com tretas de “fumo porque quero” que isso é o que todos os toxicodependentes dizem.

          Respondendo à tua pergunta:
          Cientificamente THC ajuda em alguns aspetos. Verdade. Assim como a quimioterapia faz desaparecer cancro num estado inicial.
          Mas sei perfeitamente e há vários estudos que apontam para o mesmo sítio. THC faz tornar a mente tornando-a menos lógica. Afeta a memória de forma negativa. Induz, ironicamente, Alzheimer a longo prazo. Pode não fazer praticamente nada a curto prazo (algo que o tabaco faz. fumas durnate 1 mês e já nem consegues correr nem metade do que corrias anteriormente).

          No fundo é: És viciado controla-te e limpa-te e não digas que faz bem porque se mostrou que houve algumas coisas boas em certos pacientes com certas doenças…..

          • Pedro Carneiro says:

            Tudo bem com aquilo que o sr. diz. Mas o último parágrafo retira-lhe toda a credibilidade. A partir do momento em que alguém se acha moralmente superior ao ponto de dizer: “És viciado controla-te e limpa-te”, para mim deixa de ser respeitável. Faz-me lembrar Hitler, a Santa Inquisição e todos os outros personagens e instituições que ao longo da história tentaram impor aos outros aquilo que acham correto.

            Para mim, alguém que se considera inteligente sem saber usar acentuação nem pontuação e que escreve “THC faz tornar a mente tornando-a menos lógica” faz muito bem em não consumir canábis, pois sofre de delírios (por se considerar inteligente) e de falta de lógica mental (tendo em conta o que escreveu). Portanto, continue a consumir pouco álcool e a viver uma vida muito saudável e inteligente. Eu sei perfeitamente o que quero fazer com o meu corpo e mente, sem prejudicar ninguém. Não aceito que alguém tente decidir isso por mim.

          • Pedro Carneiro says:

            Tudo bem com aquilo que o sr. diz. Mas o último parágrafo retira-lhe toda a credibilidade. A partir do momento em que alguém se acha moralmente superior ao ponto de dizer: “És viciado controla-te e limpa-te”, para mim deixa de ser respeitável. Nem os psiquiatras que tratam toxicodependentes se atrevem a dizer algo assim. Faz-me lembrar Hitler, a Santa Inquisição e todos os outros personagens e instituições que ao longo da história tentaram impor aos outros aquilo que acham correto com base em perceções subjetivas da realidade.

            Para mim, alguém que se considera inteligente sem saber usar acentuação nem pontuação e que escreve “THC faz tornar a mente tornando-a menos lógica” faz muito bem em não consumir canábis, pois sofre de delírios (por se considerar inteligente) e de falta de lógica mental (tendo em conta o que escreveu). Portanto, continue a consumir pouco álcool e a viver uma vida muito saudável e inteligente. Eu sei perfeitamente o que quero fazer com o meu corpo e mente, sem prejudicar ninguém. Não aceito que alguém tente decidir isso por mim.

      • Joaquim Sobreiro says:

        Fumar não é com certeza a forma medicinal de assimilar THC. Em tintura, óleos essenciais e até mesmo micro dose é a forma de administrar. E já se faz em alguns hospitais. Há uns anos existiu a frase para meter medo: “Droga, loucura morte.” penso que essa ideia ainda persiste.

  12. joao matos says:

    vanozZe, li com interesse a sua descrição, e de facto não parece nada fácil lidar com esta doença. Admito, eu não sei o que é alzheimer…tinha uma ideia mesmo muito vaga. O meu respeito. Sim estou de acordo na aplicação do canábis ou derivados a pessoas com a doença de forma controlada e com supervisão médica, caso se confirme que venha a melhorar a qualidade de vida das pessoas que sofrem desta doença. Cumprimentos.

    • vanozZe' says:

      Obrigado João Matos. Espero que fique bem claro que nao falo so por falar e espero que nao seja so mais um comentário insignificante, infelizmente sei muito bem o que é pois tenho familiares com a doença e sei o quanto é angustiante estar com a pessoa e nao conseguir ajuda-la

  13. NT says:

    Também têm sido mostrados resultados no que toca de cura de cancro(alguns tipos não vamos generalizar) o pior é que o pessoal usa isso com fins recreativos e não para a medicina. Um dos grandes erros é dizer que fumar(canabis) não faz mal. Por exemplo0 se for feito tipo chá os resultados(médicos) são melhores.
    Mas acho que não seja coisa que se vá legalizar porque é um negócio que move milhões por baixo da mesa.

    • Joaquim Sobreiro says:

      Confirmo esta opinião. Há estudos e conheço experiências de muito bons resultados. A utilização médica está a ser feita como “medicamento órfão”

  14. joao silva says:

    a minha mãe tem 89 anos. neste momento começou a arrumar a bagagem. tem estado a colocar as memórias nas malas e a preparar-se para a viagem. o esquecer é um bom paliativo para combater o pânico da proximidade da morte. ainda me conhece e é o que me importa. mas é muito difícil (para mim). agora já não foge (tinha que estar sempre com as portas de casa fechadas). chama pelas irmãs que já faleceram e pelo meu pai (espera que a venham buscar). ela vê coisas que eu não vejo (afinal o que é a realidade?) uma coisa eu sei, “o amor não morre, nem se esquece”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.