PplWare Mobile

A importância do Software Livre no mundo de hoje


Just another gamer ...

Destaques PPLWARE

  1. Nelson says:

    Viva o Software Libre!

    Convidava ás pessoas para substituirem o seu software proprietário por software 100% livre!

    Sugestões:

    Google Chrome -> Chromium Project
    Google Chome OS -> Linux (Debian, Mint, etc…)
    Google Android -> Cyanogenmod Android (sem instalar as gapp’s)
    Flash Player -> HTML5 no Youtube
    Google Maps (software baseado) -> OpenStreetMaps (software baseado)
    Google Search -> Duck Duck Go
    Google Drive -> ownCloud
    App “Gmail” do Android -> App “Mail” do Android
    Google Docs -> Open-Xchange e LibreOffice
    Google Hangouts -> Qualquer serviço baseado 100% em XMPP
    Google+ OSN -> https://diasp.org
    Google Analytics -> Piwik
    Google Code -> Github
    Google TV -> XBMC
    Gmail Notifier -> GmailAssistant

    • Paulo Henriques says:

      Boa Lista.Notas tomadas 😉
      Alguém acrescenta mais a esta lista?

    • Nuno Vieira says:

      E porquê que só dás alternativas para o software da google?

    • Luis Da Costa says:

      As propostas foram boas e é de agradecer a contribuição 😀 No entanto a maioria do software que indicou não é totalmente livre. Nomeadamente porque apresentam pedaços de códigos (importantes ao seu funcionamento) que são de licenças “obscuras” ou totalmente proprietárias.

      Exemplos disso são :
      – Chromium
      – Debian, Mint, Ubuntu (contém pedaços proprietários para o último, quanto ao primeiro, já limpou tudo o que não é software livre mas ainda têm proposto ao utilizador um servidor de software proprietário, insitando assim o utilizador à utilização desse mesmo software. No entanto têm vindo a fazer um trabalho fantástico como sempre).

      – Cyanogemod (igual ao chromium, é uma versão dita OpenSource porque temos acesso ao código fonte, mesmo se nem sempre é o caso, mas no entanto contém ainda blobs). Como alternativa livre existe o Replicant Project.

      Quanto à maioria dos outros pouco sei deles.

      No entanto é sempre bom de ter uma lista à mão onde podemos encontrar os nossos softwares favoritos e saber se são ou não software livre, desta forma até podemos encontrar alternativas que nos possam agradar tanto ou mais como as suas “rivais” proprietárias.

      • Nelson says:

        Boas.

        O Chromium é 100% open source, aliás, é isso que o separa do Google Chrome.

        Quanto ao Mint/Ubuntu, não sei bem, mas deve ter razão.

        Quanto ao Debian, é 100% código open source, e só open source.

        O Cyanogenmod, sim, tem blobs proprietários, mas caso contrário, não poderiamos ter acesso a todo o hardware do equipamento, ou até nem funcionava… temos de ter também um equipamento com hardware com drivers 100% open source (muito dificil)

        Já agora, um que está na minha lista, e não está na sua, o Open-Xchange, tem partes proprietárias.

        • Luis Da Costa says:

          Boas de novo.

          Chromium – Pois aí está xD 100% “open source” e não 100% Free Software. Todo o código está acessível mas nem todo tem uma licença livre, portanto não todo respeita as 4 liberdades essenciais. Pior ainda, esses pedaços de código não livres fazem parte integrante do seu funcionamento e não podem ser removidos.

          Mint/Ubuntu – É o mesmo problema que a maioria das distribuições Gnu/Linux, vêm com código proprietário já no Kernel (entre outros).

          Debian – Mais uma vez correcto mas tal como disse “100% Open Source”. No entanto o Debian é sempre um assunto interessante. O Debian é 100% Software Livre na sua origem, mas existe algo que o torna não livre à vista de muita gente e esse “algo” é o facto de propor servidores que possuem software proprietário. Fazendo com que seja não ético ao propor esse género de software (basta activar o servidor na lista dos servidores). Mas o Debian em si comprometeu-se (e muito bem aliás) a se tornar 100% livre, no qual até o Kernel está limpo de qualquer blob.

          CyanogenMod – Não é bem verdade mas também depende do telemóvel. Um exemplo é o Replicant que permite, em alguns telemóveis tais como o HTC Dream G1, de ter um telemóvel 100% livre e isto até nos drivers e firmwares que usa (não fazendo uso de nenhum blob). Neste caso específico tudo é livre menos o Bootloader e o firmware do Modem, tudo o resto é livre fazendo com que seja possível usar o telemóvel com este OS sem blobs e até fazer chamadas !

          Quando ao Open-Xchange, por acaso desconhecia o programa. Mas normalemente o programa que tem “Open” no nome vem sempre da ideia do software Aberto (Open) e não Free (Livre). Não digo que isto o torna proprietário automaticamente, mas poderá torná-lo mais facilmente não “Livre” devido a esta falta de atenção quanto ao termo e ao seu significado… Depois também é verdade que cada um faz do seu software o que quer.

      • Pedro says:

        Citando Luis da Costa: “Debian (…)já limpou tudo o que não é software livre mas ainda têm proposto ao utilizador um servidor de software proprietário, insitando assim o utilizador à utilização desse mesmo software”. A distribuição Debian na sua ramificação principal do repositório, a “MAIN” é 100% software livre. Não é por acaso que Gnewsense se baseia no Debian e não no Ubuntu.Porque no Ubuntu misturam coisas proprietárias com coisas livres. “Incitando o utilizador à utilização desse mesmo software” , Debian não incita nada. Não força a instalar coisas proprietárias. Não diz “para além do repositório principal vocês devem também fazer download do repositório proprietário”. Ninguém é obrigado a instalar coisas proprietárias.Posso concordar contigo que, no entanto, Devian devia retirar do seu servidor repositório não-livre. Isso sim, para os menos avisados não fazerem download aos chutos e pontapés.É o mesmo que termos um martelo na mesa mas isso não implica que vamos usar o martelo para começar a partir a mesa toda, a janela e por aí fora… Uma das coisas que me irrita na distribuição Trisquel é o quesito segurança. São 5 estrelas no que é software livre. Tiro o meu chapéu. Mas a segurança infelizmente não é o forte deles… até porque a versão 6.0.1 supostamente que saiu agora, tem problemas com google dns,e se é para ser 100% livre então que devam apostar mais na segurança para de facto ser mesmo 100% livre. Não é 99% nem 99,9% mas sim 100%. Infelizmente não há nenhum sistema operativo perfeito. Neste momento estou a experimentar o Fedora, somente com actualizações livres e no entanto também tem as suas falhas…não lê mp3,wave, etc como acontece com o Trisquel. Fedora, Debian, tanto quanto sei podem ser distribuições 100% livres desde que não se faça, como é óbvio, download de software proprietário. Só depende do utilizador. Se tem consciência disso ou não.

        • Pedro says:

          Perdão queria corrigir a última frase… “(…)Fedora, somente com actualizações livres e no entanto também tem as suas falhas…não lê mp3,wave” ao contrário do Trisquel que consegue ler mp3 mpeg-4, com a vantagem de ser uma distribuição que luta com unhas e dentes para ser uma distribuição 100% livre em todos os aspectos.
          Obrigado

        • Luis Da Costa says:

          Boas,

          O problema do Debian continua aí mesmo. O Debian nem sempre seguiu as normas de software livre promovidas pela FSF (e nem tem de o fazer). Eles fazem a limpeza dos repositórios e nesse sentido fazem um trabalho maravilhoso, mas acaba aí. O Kernel do debian nem sempre foi livre de blobs (firmware proprietários, etc..), os eles têm programas proprietários no mesmo servidor que programas livres (e dá para facilmente activar) e para além disso alguns dos programas do repositório Contrib fazem download de software proprietário. O debian está a lutar contra isto tudo e nós só temos é de os felicitar pelo empenho e dedicação, e isto para além do facto de serem a meu ver a melhor distribuição Gnu/Linux em termos de Estabilidade e Segurança alguma vez lançada.

          Quando se fala em distribuição 100% livre o importante aqui é realmente a promoção deste factor, e a impossibilidade do utilizador de se enganar. Até posso dar um exemplo parvo mas que acaba por fazer algum sentido que é : “Pela mesma razão que nunca irá conseguir descarregar o GIMP ou o Unity através do Windows Update também nunca irá conseguir descarregar nada proprietário de um Sistema 100% Livre” e o ‘jogo’ está todo aqui, alguém que pede Windows com Windows Update sabe o que tem, e alguém que pede um OS 100% deveria de saber o que tinha. O debian nunca será promovido como 100% livre enquanto tal acontecer porque existe a possibilidade de o utilizador (por mais avisado que seja) descarregar ou utilizar software proprietário.

          O Trisquel é baseado em Ubuntu por ser mais fácil a “tranformar”. Eu sei que isto pode parecer parvo dito assim mas acaba por ser um facto. O Ubuntu é uma distribuição que nunca irá desaparecer (pela mesma forma que o Debian nunca irá desaparecer), mas cada uma tem a sua visão. O Debian quer ser o mais seguro e estável possível e o Ubuntu quer ser o mais moderno e concorrer com toda a gente de forma a ganhar partes do mercado (e olhem que estou a ser simpático com o Ubuntu). Como o Ubuntu é mais actualizado e fácil de instalar do que o Debian, há muita gente que o prefere, e daí ser mais interessante o libertar, basta pensar assim, se o OS Gnu/Linux mais utilizado é (supostamente) o Ubuntu então ele será mais adaptado para se tornar livre.

          Quanto ao Fedora, o Fedora é algo de bastante díficil de compreender a meu ver. Existia uma versão livre do Fedora chamada BLAG que tinha por objectivo retirar tudo o que era proprietário do Fedora. O Fedora diz que só usa Software Livre mas acaba por não ser totalmente verdade, a prova disso é o Kernel cheio de blobs, programas com licenciamento ambíguo ou não livres de todo (como o Firefox) a serem instalados. O outro “problema” do fedora é as licenças para os conteúdos multimédia, o Fedora baseia-se muito na lei Americana, e na lei Americana existem alguns codecs que não podem ser utilizados (ou melhor, distribuídos) sem licença, e isto independentemente se o código é livre ou não, isto acontece para os mp3 e outros h264, daí o Fedora não incluir nenhum deles. A única forma de os incluir seria activar um repositório que não faz a diferenciação entre livre e não livre (logo não é solução).

          Espero ter respondido a tudo.

          Cumprimentos,
          Luis Da Costa

          • Pedro says:

            “O debian (…)para além do facto de serem a meu ver a melhor distribuição Gnu/Linux em termos de Estabilidade e Segurança alguma vez lançada” e “O Debian quer ser o mais seguro e estável possível”, é precisamente isso que eu procuro. Mas como disseste “eles têm programas proprietários no mesmo servidor que programas livres (e dá para facilmente activar)” é isso que me faz pensar duas vezes e abraçar o projecto Trisquel. Contudo, Trisquel fica atrás no quesito de segurança, há muito mais vulnerabilidades…no entanto,tem uma comunidade muito activa e excelente, apesar de pequena.
            Quanto aos comentários dito “parvo” não achei nada, até pelo contrário, bastante inteligente e elucidador. Não sabia dessa situação no caso do fedora que para instalar algo que leia mp3 e demais patentes fosse necessário instalar partes não-livres, logo, não é uma solução viável. Como o artigo fala em “importância do software livre” queria saber também acerca de software baseado em emails. Toda a gente sabe que gmail, hotmail, yahoo são proprietários. A minha questão é, como pode alguém usar software livre para comunicar com alguém com software não livre, respeitando a privacidade e liberdade de cada um? Tal como no artigo diz: “Com o Software Livre são Vocês que controlam a vossa computação” ; Fazendo uma analogia: “Alguém que quer ir à casa de banho, para fazer as suas necessidades, regra geral, fecha a porta para ficar à vontade, lendo uma revista, por exemplo, (lol). Ninguém gosta de fazer necessidades com a porta aberta, ou com as pessoas a passar e a espreitar. Aqui é a mesma coisa. Toda a gente tem direito à privacidade. E essas empresas tendo políticas com “terceiras partes” nós não sabemos quem são esses terceiros nem para onde se vai esses dados (quem, o quê e onde)e acho que é uma política que deixa pensar duas vezes…
            Muito obrigado pelo teu comentário. Realmente ajudou-me a esclarecer coisas sobre o fedora.

    • iFernando says:

      Software (livra) que se fosse a pagar ninguém comprava:
      LibreOffice vs MSOffice
      Ubuntu vs Windows 8.1
      Android vs iOS
      Inkscape vs Coreldraw
      e…….

      • Luis Da Costa says:

        Olá iFernando,

        Peço desculpa mas não entendi bem o comentário :S…

      • Nelson says:

        É a tua opinião…

      • foca says:

        ifernando tu tens iproblema. Se leres os comentários em cima como eu ias aprender mais.

        Os softwares livres não são livres porque ninguém os comprava. Existe um conceito em torno deles de liberdade.

        O coreldraw? Se ainda falasses do illustrator da adobe. O Inskape ultrapassa o corel de olhos fechados.

        O windows 8.1 tem codigo fechado porque os seus desenvolvedores têm vergonha do trabalho que fizeram. Penso que durou tanto quanto o Vista.

        Mas nem é por serem melhores ou piores. Existem valores que ultrapassam esses comentários elementares.

    • Leonardo Alves de Sousa says:

      MatLab > SciLab

  2. Rodrigo Hernandes says:

    “Por fim, o tema do Hardware é ainda hoje um tema sensível. Hoje em dia podemos afirmar que não existe nenhuma solução 100% livre comercialmente disponível”

    e este aqui não poderia ser considerado

    http://www.fsf.org/news/gluglug-x60-laptop-now-certified-to-respect-your-freedom

    venda :
    http://shop.gluglug.org.uk/

    • Luis Da Costa says:

      Embora tenhas razão, a meu ver o gluglug não se pode considerar uma solução “comercial”. É verdade que o termo utilizado não foi dos melhores e uma correcção poderá ser feita ao artigo. Mas quando me referi a “comercial” referia-me a algo feito por uma empresa para a venda ao público. O projecto gluglug é simplesmente computadores IBM Lenovo Thinkpad x60 que foram arranjados e onde se foi colocado o coreboot completamente livre de código proprietário. Mesmo se tal iniciativa representa um enorme avanço no mundo do Software Livre, continua a não se apresentar como algo “viável comercialmente” já que a qualquer altura o mesmo deixará de ser vendido, tendo em conta a idade e escassez do material em sí.

      No entanto é verdade que deveria ter feito um apontamento quanto a esse projecto, foi um erro meu.

      • lmx says:

        o coreboot esta em franca espansão…alias até o chrome book da google ja é suportado, e muitos outros já o são!!

        O problema do projecto é que depende da boa vontade de muita gente…

        A google tem se mostrado empenhada(ela tem muito a ganhar com isso), mas por exemplo a maioria dos dispositivos suportados são lenovo…mas não é a lenovo que lhes dá suporte, mas sim a comunidade…também existem equipamentos dell suportados entre outros…

        A questão é que se trata de um projecto comunitario, quase que a 100% 🙁

        Mas está a avançar a passos largos…

        cmps

        • Luis Da Costa says:

          Olá lmx,

          Realmente o coreboot é algo do qual eu me esqueci de falar no post então que se trata de algo de muito importante na tentativa de ter um hardware 100% controlado pelo utilizador.

          No caso dos Chromebook infelizmente, e mesmo graças ao excelente trabalho da Google (o que prova que é uma das empresas que pode fazer a diferença nesta área se o quiser), o mesmo não é 100% livre. Não estou a falar do OS mas sim do Coreboot, já que para poder funcionar, tem de ter diversos blobs, principalmente os dos CPU. É no entanto um dos melhores em termos de software livre que podemos encontrar hoje em dia (sabendo que o melhor a meu ver é mesmo o projecto gluglug para os IBM Lenovo Thinkpad x60.

          Eu próprio estou confrontado a esses problemas quanto as boards que estou a tentar converter com o coreboot, quando se fala de AMD então na maioria das vezes consegue-se algo de quase 100% livre (há sempre algumas excepções), mas do lado da Intel é impossível, chegamos ao CPU e acaba-se o percurso).

          Talvez o melhor seria nos afastarmos da Intel de vez, mas até lá o caminho ainda é longo.

  3. tony says:

    vejam o exemplo do Ministério da Justiça é o maior parque instalado no País tribunais secretarias judiciais, mesmo com o apoio da comunidade e com o esforçado trabalho dos carolas que lá trabalhavam e mentores do soft livre que nem dormiam o prejuízo ao fim de 3 anos foi tão grande que tiveram de voltar a Microsoft, e agora com custo de aquisição de novos pacotes e não renovação.

    mesmo os últimos estudos no Brasil já se fala em repensar a situação a inação e atraso provocado pelo soft livre por imposição é demasiado e já palpável não vale a pena impor nada é na escola que se tem de abrir a escolha e aprendizagem.

    • Luis Da Costa says:

      Seria possível forneceres um link ou algum documento que relate essas informações ? Estou curioso em entender a razão por detrás desse “prejuizo”. Muito certamente que existiu algo de “importante” que possa ter levado a tal situação.

      • tony says:

        informa-te no MJ e vê nas compras publicas o balúrdio de licenças novas que eles tiveram de comprar por terem deixado de ter contrato e olha que ninguém se levantou para atirar a pedra ou criticar a mudança o mal estava feito, o que aconteceu de importante é que o soft livre não atinge os patamares de operacionalidade desejados

        • Luis Da Costa says:

          Terei então de pesquisar mais sobre isso já que tal acontecimento me parece ser ou origem de má fé ou origem de má organização para te ser sincero. Mas posso estar errado e é com isto em mente que irei analisar o assunto. Se encontrares alguma informação não hesites em partilhar.

        • lmx says:

          mas isso nada tem a ver com software livre, mas sim com má gestão e luvas…e não..não estou a falar de luvas para o frio…

          cmps

      • foca says:

        Sou teu fã +1

  4. Marco says:

    Tenho em mente o desenvolvimento de 1 nova plataforma bastante inovadora (Web e Mobile) e que o produto final vai ser código livre.
    Preciso de voluntários para o desenvolvimento.

    Alguém sabe onde posso encontrar uma equipa dispostas a ajudar-me?

  5. Cláudio Esperança says:

    O artigo está interessante embora o conceito de free software para mim seja um bocado estranho, talvez por o estar a associar a freeware, quando pela tua definição penso que se trata de software opensource que também é gratuito.

    Relativamente à tua sugestão da inclusão de software livre na educação concordo plenamente, embora nem seja tanto pela questão monetária (as empresas que vendem software geralmente oferecem as licenças para as escolas, patrocinam eventos nessas instituições para promover a utilização dos seus produtos nos currículos académicos), mas sim por uma questão de principio: é muito fácil aprender e saber como as coisas funcionam com software opensource do que com software fechado numa caixa negra com acesso muito restrito.

    • Luis Da Costa says:

      Olá Cláudio,

      Vou tentar explicar melhor. Ambos tratam-se de formas de diferenciar um código de um outro. Na realidade é uma questão de licenças mas eu tentei abordar o assunto de uma forma diferente.

      Um software open-source o livre pode ou não ser grátis. O Livre não significa livre de dinheiro mas sim de liberdades. As liberdades associadas é que são importantes. Desta forma podes ter programas pagos que são livres e programas grátis que não são livres (e vice-versa). Igual para o OpenSource.

      A questão monetária não se coloca, e é por isso que não falei dela, já que software é software e as licenças livres (tipo GPLv3) não impedem a comercialização do produto, até pelo contrário promovem-no.

      Por fim, a diferença resumida entre o open-source e software livre, é mesmo em termos de licença. Ambos são de código aberto (já que o acesso ao código é uma pré-condição para ser livre), mas no entanto o open-source deixa de ser livre a partir do momento que propõem uma licença que nos retira uma das quatro liberdades citadas anteriormente… Podes pegar o Chromium como exemplo.

  6. Luis Trindade says:

    Caros

    Gostaria de vos lançar um desafio :
    uma vez que quando se compra um PC/Notebook no valor do mesmo já está incluído o Windows eu gostaria de saber que software livre recomendariam para se ter num PC/Notebook
    Ou seja alternativas livres a :
    Office
    Outlook
    AutoCAD
    Photoshop
    Corel
    Antivirus
    Etc
    Ou seja será possível ter um equipamento plenamente funcional sem gastar nada ? Considerando que o SO já está incluído no valor de aquisição ?
    É possível ou teremos sempre de gastar dinheiro em algum software?

    • Luis Da Costa says:

      Olá Luis,

      Vou tentar fazer por lista com os que conheço, não queira dizer que seja o melhor mas é o melhor que conheço.

      PC/Notebook – ThinkPenguin Snares Penguin (ver site)
      Office – LibreOffice
      Outlook – Claws Mail ou Evolution
      AutoCAD – LibreDWG
      Photoshop – GIMP
      Corel – Inkscape
      Antivirus – Não necessário
      OS – Trisquel Gnu/Linux

      A compra do material é sempre obrigatória como é claro (a não ser que faças parte de uma associação que te permita de ter computadores de forma gratuita como doação), quanto ao software existem versões pagas de excelente software livre mas também podes arranjar versões gratuitas em grandes quantidades.

      • Luis Trindade says:

        Obrigado Luis Da Costa
        No entanto em relação ao Autocad eu gosto muito do Double CAD XT.

        • Luis Da Costa says:

          Olá Luis,

          Desconhecia totalmente esse software. Dúvido que seja 100% software livre mas posso estar enganado (pelo que vejo é opensource mas não consigo entender se é totalmente ou não). Irei dar uma vista de olhos.

      • foca says:

        Atenção que o inskape não serve para imprimir, ou seja não tem cmyk. Penso que para isso têm de instalar também o scribus e usa-lo para imprimir.

    • tony says:

      só vejo problemas no AutoCad

    • iFernando says:

      Alternativas grátis:
      Outlook ou Windows Live mail ou Windows Mail do Windows8
      Photoshop ou Picasa3
      Antivírus ou Microsoft Security Essentials

  7. Dani says:

    No projecto da minha licenciatura trabalhei com o Nutch da Apache. É um motor de pesquisa Open Source escrito em Java, a documentação não é a melhor, mas o código é bastante organizado, e permite o desenvolvimento de plugins. Todo o mecanismo de crawling, atribuição de ranking das ligações encontradas, indexação e pesquisa está bem estruturado.
    Está montado por cima de outro projecto também bastante interessante, o Hadoop.

    Foi uma grande experiência sem dúvida! 🙂

    • Luis Da Costa says:

      Olá Dani,

      A vantagem (e por vezes até desvantagem) das soluções Software Livre (e OpenSource) 100% dirigidas pela comunidade é na maioria das vezes essa. Podem ser programas/bibliotecas de excelente qualidade e muito bem estruturadas, mas depois em termos de documentação há uma falta de documentação importante.

      É realmente a falta de alguém dedicado a esse problema. Depende muito a importância que o “chefe de projecto” lhe dá. Não digo que seja SEMPRE assim mas na maioria das vezes costuma ser.. No entanto, um grande professor meu dizia sempre “Uma bom código não necessita de documentação” e por vezes penso que é verdade 😀

      Obrigado por essa partilha !

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.