Quantcast
PplWare Mobile

É programador? Emirados Árabes Unidos oferecem-lhe visto gold

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Pinto


  1. SANDOKAN 1513 says:

    Caramba,aproveitem.Quem sabe de programação pode ganhar nos Emirados Árabes Unidos um balúrdio.Ganhem coragem e emigrem.A vossa vida pode mudar completamente.

    • ToFerreira says:

      Não! Dinheiro não é tudo. Vejam bem aquilo de que têm de abdicar num país daqueles.
      Mais vale trabalhar cá em outsourcing para eles e ir lá de vez em quando durante uns dias.

      • SANDOKAN 1513 says:

        Isso diz você.É a sua opinião.Mas não é a de muitos outros,e ainda bem.

      • Zé Fonseca A. says:

        No Dubai e em Abu Dhabi não tens de abdicar de nada, estão 100% ocidentalizados apenas tens de ter em conta que o custo de vida é elevado, tirando isso é tao bom quanto outro qualquer, pouca violência, bons serviços, piscina na maioria dos prédios habitacionais, casas é que têm áreas reduzidas e o clima é demasiado quente para o meu gosto. A diferença com o que se ganha la em profissões de tech não me parece compensar, embora seja bastante perto, 6h de voo em Emirates é um tiro, aviões sempre cheios de tugas que trabalham la.

        • Heribert says:

          Trabalho em abu dhabi numa das maiores empresas do ramo energético e so posso dizer bem. Ganho 12 mil euros limpos por mes mas o nivel de vida também é significativamente mais elevado. Ainda assim compensa e muito

          • Zé Fonseca A. says:

            Isso é o bom do Dubai, eu para ganhar 12 mil€ limpos aqui tinha de ter uns 25k brutos mensais.
            Outra coisa muito boa são os voos, para todo o lado e relativamente baratos.

          • jAr says:

            E remote, pode ser?

          • Zé Fonseca A. says:

            jAr, remote nessas empresas tipicamente só depois de teres passado uma temporada (anos) a trabalhar presencialmente e eles terem confiança suficiente em ti.
            Fiz isso uns tempos antes de voltar para PT a 100%, 3 semanas cá e 1 fora para reuniões e afins, com viagens e hotel e per diem pagos como se tivesse fora, mas ao final de 1 ano a viajar todos os meses começas a desmotivar, claro que cada caso é um caso, às vezes aparecem aí trabalhos remote a pagar acima de 500k ano, só que como trabalhador independente levas um estoiro de 60/70% sobre esses ganhos a menos que constituas empresa e consigas meter muitas despesas, para mim não dava.

        • iDroid says:

          Não se abdica de ter a família perto e vê-la sempre que se quiser?

          • Fla says:

            Isso vai sempre depender de cada um. Eu emigrei há quase 1 década e vejo a familia toda 2-3x por ano, para mim é mais que suficiente. A única coisa de que me arrependo é de não o ter feito mais cedo.

          • asdasa says:

            Familia por perto para que? Importante é fazer dinheiro e levar uma boa vida, a familia chega por zoom e ir la uma vez por ano passar o natal e chega. A maioria deles sao invejosos por terem pior nivel de vida por isso n se perde muito

          • Zé Fonseca A. says:

            Depende do que consideras familia, eu casei e emigrei com a minha mulher e os meus filhos já nasceram fora de Portugal, se tivessem nascido em Portugal teria emigrado com mulher e filhos.
            O resto da familia não é nuclear, nunca precisei de os ver todos os dias, passo bem sem ver os meus pais 1 ou 2 anos se for preciso.
            Passados 15 anos voltei e tenho a minha vida feita, só trabalho para manter o nível de vida que quero e porque gosto do que faço, podia já só viver de rendimentos se quisesse levar uma vida mais modesta.

          • Louro says:

            Depende de caso para caso, eu estou emigrado já há mais de duas decadas, vejo a minha familia muito mais vezes do que aquelas que via em Portugal, isto porque em Portugal andava ocupado a trabalhar até as 500 e nao tinha tempo para nada a nao ser trabalhar e dormir.

            Como disse o @Fla, só me arrependo de nao ter tomado a decisao muito mais cedo e de ter recusado várias propostas antes.

            A maioria das pessoas que ouco com o argumento de familia e amigos, tem uma vida similar e raramente viam a familia.

      • antunesn says:

        Engraçado… vivo ca há 8 anos (junto com mais 10.000 portugueses) e nao tenho planos de sair daqui tão cedo.
        Deve ser por se tratar de um pais evoluido em que tudo funciona, o dinheiro é gasto nas infraestruturas que importam e praticamente nao existe criminalidade!!
        Nao percebo o que te referes com “um pais daqueles”?? Ou o que terás de abdicar?!
        Estas muito mal informado e antes de teceres comentarios tristes, procura mais informacao.

        • Zé Fonseca A. says:

          Nunca deves ter viajado na vida, nem mesmo para o Brasil de onde vem esse artigo feito para ignorantes.
          Já passei longas temporadas no Dubai, Qatar e Oman assim como em São Paulo e Rio de Janeiro, e mais depressa me via a viver com os “arabes” desses países.

          • Zé Malaio says:

            Cada país tem direitos e deveres. Regras para cumprir. Mas também muitas vezes criasse uma imagem de certos países que não têm na haver. Estigmas que não são bem assim. O Japão por exemplo às vezes até é pior que outros países… e atenção que gosto da cultura e gastronomia.
            A respeito desses países Árabes ou até Muçulmanos, também não tenho muito que criticar. No meu caso a Malásia e Indonésia são excelentes países. Na qual nunca tive quaisquer problemas. Gosto imenso deles. E lido todos dias com Muçulmanos, Indianos, Chineses, etc.
            Uma imagem que se cria é que os Muçulmanos não são toleráveis. Coisa errada. Porque também vai depender de que país e se esteve em guerra ou não. Porque em todo o mundo um país que teve guerra vai criar sempre uma barreira na qual as pessoas criam…

  2. Só mais um says:

    Sinceramente não percebo essa discussão, cada um é livre de fazer as suas escolhas, só desejo sucesso para os que emigram, bem como os que cá ficam, um abraço.

    • Fla says:

      Exacto! Às vezes existe gente quase a desejar a outros que falhem sem quaisquer razōes para tal. Que todos tenham sucesso e cheguem onde desejem, o resto é conversa 🙂

  3. PorcoDoPunjab says:

    O problema familiar resolve se criando uma família nova no país onde está.
    Uma em Portugal e outra do outro lado.
    Desde que não saibam uns dos outros, 5 estrelas.

    • Zé Fonseca A. says:

      Mesmo à tuga, como fizemos nos descobrimentos e como fizemos desde sempre nas ex-colonias.
      Lamento informar-te mas isso era como viviam os marinheiros, uma mulher em cada porto, nem sempre os filhos eram do homem dela… 😀

  4. Alex says:

    Os EAU são extremamente homofóbicos, é crime até. Por isso, não.

  5. Carlos Santos says:

    o artigo tem zero fontes?! nem um link para mais informacoes?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.