Quantcast
PplWare Mobile

Apple regista patente de caneta que recolhe notas remotamente

                                    
                                

Autor: Pedro Simões


  1. Alexandre says:

    Tive um equipamento parecido na universidade registava o que eu escrevia. Além de escrever a tinta no papel guardava na memória o que eu tinha escrito (só textos).

    É sempre agradável ver que se aposta não só em tablets e smartphones nos dias de hoje.

    • Nunes says:

      É parecido, a diferença é que esse provavelmente usava uma câmera para determinar o movimento da caneta, enquanto que aqui usava sensores de movimento – acelerómetro, …

  2. Benchmark do iPhone 6 says:

    A patente diz taxativamente: “Uma caneta para escrever sobre qualquer tipo de superfície, como um pedaço de papel ou um quadro branco e, posteriormente, exibir as imagens ou textos escritos no ecrã de um dispositivo de computação digital”.

    Está no post, tudo bem, mas depois a segunda imagem é de um “stylus” para escrever no ecrã do computador – e depois diz-se que “Steve Jobs era um acérrimo detrator deste tipo de dispositivos de introdução de dados.”

    Está aqui uma grande baralhada. Steve Jobs referia-se a um stylus para escrever no ecrã no computador. A frase dele foi “se precisarmos disso (para escrever no ecrã do computador em vez do dedo) falhámos”. Sucede que a patente não é sobre um stylus desses, nem Steve Jobs disse o que se diz que disse 🙂

    • Benchmark do iPhone 6 says:

      … Uma correção ao meu 3º parágrafo – Steve Jobs referia-se a uma stylus para escrever no ecrã do iPhone (não no de um computador, nem a questão se punha).

    • Benchmark do iPhone 6 says:

      .. o que disse efetivamente Steve Jobs, em 2007, na apresentação do iPhone “Who wants a stylus?” … se tem multi-touch.

      Não se estava especificamente a referir a escrever no ecrã, mas a deixar de ser necessário usar os stylus que acompanhavam os equipamentos então existentes.

      A caneta para escrever no papel/ quadro branco não tem nada a ver.

      https://www.youtube.com/watch?v=4YY3MSaUqMg

    • Nunes says:

      Realmente isto é bastante diferente daquilo que Steve Jobs criticava, até as canetas que a Samsung usa nos seus aparelhos ou as que são vendidas para usar nos iPads, são diferentes daquilo que Steve Jobs criticava, pois a crítica era para os aparelhos requererem as canetas para ser minimamente funcionais por causa dos interfaces minúsculos e dos ecrãs resistivos.
      Outro ponto importante é que esta patente é da época de Steve Jobs, é até anterior ao “reaparecimento” de canetas (com outros objectivos) em alguns aparelhos.

    • lmx says:

      mas…

      já existe este tipo de dispositivos, e comunicam a info para o pc por Bluetooth.

      Bem deve ser uma melhoria 😉

    • DASSE says:

      Gosto das explicações destes genius… afinal uma caneta não é uma caneta, é uma caneta. So para informação destes iluminados http://www.lightinthebox.com/pt/r/site-map/Gadget-iPad_c4137/hot-products.html

      • Benchmark do iPhone 6 says:

        O stylus a que Steve Jobs se referia e que disse que o iPhone não precisava por ter multi-touch era este, como se lembram os que já eram crescidos na altura 😉

        http://www.windowscentral.com/sites/wpcentral.com/files/resource_images/TMobile_20TP2_20stylus_20side.jpg

        • DASSE says:

          O que o Steve Jobs se referia era que os smartphones da época só funcionavam com stylus como exemplo os WP 5.x da HTC 93xx, Nokias 9xxx e Palms; e o grande objectivo da Apple era o uso de um UI que usava exclusivamente os dedos sem precisar de stylus ou outro adereço qualquer. Se não conseguirem fazer isto era um fail para a Apple. Não se referia a um stylus X ou Y ou X mas o conceito deste. A Apple ou o SJ sabiam muito bem que o stylus é um adereço necessário para qualquer tablet ou telemóvel no capitulo da precisão e handscripting daí terem registado uma patente (à qual não deviam ter direito visto que já existe muito antes de pensarem nisso) para não ficarem de fora devido a violação de patentes. Os que eram crescido na altura perceberam a mensagem da SJ como ela foi enviada e qual o objectivo principal da aposta no Iphone naquela época.

  3. apolo says:

    AHAHAHA um Inote, kkkkkkk

    • Nunes says:

      Esta patente não tem nada a ver com “NOTES” ou “iNOTES”. É uma caneta que funciona em qualquer superfície, não necessita de um ecrã sensível ao toque. A somar a isso a patente já é de 2010, está quase a fazer 5 anos.

      • lmx says:

        mas já existem coisas destas ai a venda, ha uns anos.

        • Nunes says:

          há algo parecido, mas não é mesmo género, creio. Há canetas já há algum tempo com câmera/sensor óptico incorporado, que é o que mais se aproxima disto.

          • lmx says:

            Boas Nunes,

            sim é verdade, mas algumas dessas canetas incorporam um acelerómetro(ou vários não sei), e com base na aceleração dos gestos utilizados ao escrever, elas calculam o traço da escrita.

            Algumas até, com base nisso, transcrevem para letra de computador a escrita manual.

            Mas como também não sei exactamente o que esta da Apple vai fazer também é difícil estimar…

            Muito provavelmente será uma integração do que já existe, com algum protocolo que a Apple inventou para a transferência e interação de dados, entre caneta e dispositivos…

          • Nunes says:

            @ lmx
            :S os ratos com sensores ópticos não precisam de acelerómetros para determinar movimento. Por isso não sei onde é que foste buscar a ideia de que as canetas com câmera/sensor óptico usam acelerómetros.
            Outras canetas usam um sensor externo à base de ultrassons para determinar movimento.

          • lmx says:

            Nunes,

            :S eu não falei em Ratos…lê o meu comentário outra vez 😉

            eu não disse que as canetas que usam sensores opticos, usam acelerómetros!

            Eu disse que ALGUMAS usam!
            Muito provavelmente para escrever em áreas onde não é possível usar ….sensores opticos, caso contrario não os utilizariam…
            A não ser que seja um complemento para conjugar os dois métodos e trazer mais precisão…

            cmps

          • Nunes says:

            @ lmx
            ainda não há nenhuma caneta no mercado que faça uso de acelerómetros para determinar o que a pessoa escreve ou desenha! Procura por uma que não vais encontrar. O que há é muita gente a tentar desenvolver essa ideia. Ou então canetas activas de tablets que usam acelerómetros para funções acessórias, não para o reconhecimento do movimento – obviamente não permite ser usada em qualquer superfície, apenas no ecrã.

          • lmx says:

            Boas Nunes,

            Unsando apenas sensores de gravidade, não é fácil encontrar, confesso que só encontrei uma!

            Mas existe muita malta que já fez o seu gadjet por essa net fora, baseados em acelerómeros…e escrevem em papel, e posteriormente, quando passam a info para o pc, um programa, avaliando a aceleração da pen, faz a conversão para texto…procura e encontras.

            Depois existe muita investigação, e até alguns destes pdf’s te dizem como fazer uma!

            Aqui ha cerca de um ano, tenho quase a certeza que li nas specs de uma na FNAC de Almada, que usava um sensor de gravidade…mas também não consigo encontrar nenhum registo de uma na net que faça isso, e que se encontra por exemplo na FNAC!

            Posto isto, já não tenho a certeza sobre isso! 😉

            Contudo deixo apenas a Smart Quill Pen, que foi inventada em 1997, por uma investigadora da Microsoft( enquanto dormia 🙂 )…contudo e apesar de muitas imagens e artigos…não a encontro a venda!

            http://www.scribd.com/doc/29082188/Smart-QUILL-Seminar-Report#scribd

            cmps

          • Nunes says:

            @ lmx
            Protótipos existem mas não há à venda!
            O que mostras aí é um protótipo, tal como tantas outras patentes da Microsoft que podes encontrar no desenvolvimento desta tecnologia. Se fosse assim tão simples para qualquer um construir um aparelho minimamente fiável já os encontrarias à venda. O que há é muita gente a investigar a solução e os problemas que são precisos ultrapassar.

          • lmx says:

            Boas Nunes,

            A Smart Quill Pen, foi abandonada porque não reuniu fundos necessários para o seu lançamento…era uma tecnologia que foi lançada muito a frente do seu tempo…

            Estou a falar um pouco de memoria, mas penso que foi em 2000 e picos que está caneta parou o seu desenvolvimento..no entanto esta caneta, não era apenas uma caneta, era um computador…ou perto disso, muito parecido com outros gadjets dos dias de hoje.

            Se esta caneta fosse lançada hoje e com menos funcionalidades, teria reunido os fundos necessários, e o publico aderia em massa.

            Eu não sei se esta caneta era da Microsoft…ela foi inventada por uma trabalhadora que na altura trabalhava na Microsoft, o desenvolvimento da Pen, não sei se ficou na Microsoft..
            E esta pen, tinha uma qualidade de escrita, ou conversão de escrita analogica para digital, brutal…

            é tudo uma questão de lançar uma tecnologia na altura certa… 😉

            Quanto aos gadjets que vês por ai, pois é evidente que haverá muita situação que não é coberta, mas a facilidade de fazeres uma pen é muito grande!

  4. Andre says:

    Poderei ter percebido mal, mas esta caneta permite escreve sobre várias superficies e transmitir/digitalizar os dados para um iDevice, enquanto uma stylus serve para escrever ou desenhar num equipamento. O objectivo portanto é bastaste diferente. Algo como assinar uma folha e digitalizar para um email por exemplo ou um pdf?

  5. Luis Silva says:

    Isto não é parecido aquele sistema de caneta e tapete, que atéusam pra fazer desenho e projectos em PC?
    Embora que aqui claro dá para transmitir para um sistema movel.

    Outra coisa que continuo a não gostar seja em que empresa for, é as patentes, gosto mais da liberdade de todos poder usar a mesma tecnologia, só assim as coisas evoluem, e não apenas uma pode utilizar e pronto, por isso não gosto desta maneira das coisas, patentes pra tudo e mais alguma coisa, por isso haver tanta guera inutil.

  6. João Carvalho says:

    A tecnologia pode ser um pouco diferente, mas nada de novo, existem várias soluções parecidas no mercado e esta Wacom Inkling Digital Sketch Pen é uma delas… http://inkling.wacom.eu/
    Nada de novo!!!!

    • Nunes says:

      O objectivo pode ser semelhante mas a prática é diferente, com a patente da Apple a falar até na possibilidade de nem sequer ser necessário uma superfície para desenhar, podendo ser usado num espaço tri-dimensional. A solução da Wacom e outras idênticas, cria alguns problemas com o uso dum sensor externo, coisa que não sucede com a proposta da Apple. Certamente que a ideia da Apple tb terá os seus problemas e dado que nem sequer existe no mercado até podem ser grandes, mas isto serve para dizer que não é a mesma coisa.

      • João Carvalho says:

        Sim a tecnologia é diferente… mas o que queria dizer é que na essência é o mesmo.

        • Nunes says:

          A essência dos antigos TabletPCs para muitos tb seria a mesma do iPad e deu no que deu! O facto é que as soluções actuais para canetas que escrevam em qualquer superfície, têm problemas, e é por isso que muita gente anda a tentar desenvolver a mesma ideia que a que é mostrada na patente da Apple

  7. kekes says:

    Mas canetas destas já não existem aos anos?

  8. LP says:

    Vindo da Apple, parece-me que virá a ser util.

    • DASSE says:

      A coisa mais espectacular é usar a stylus nos Tablets com Windows 8.1. Depois da experiência não se quer outra coisa. Há os tablets W8.1 e os gadgets…

  9. Zacarias Do Mato says:

    Isto já não existe?
    Se bem me lembro até existe uma empresa portuguesa com uma.

    • lmx says:

      pois já…

      Eu não sei qual a tecnologia que esta caneta vai usar…mas parece que vai patentear coisas que já existem há anos…

      Isto da-me ideia que é um caso como nós tivemos com a TomTom e a Microsoft…

      A Microsoft tinha patenteado tecnologia que já ara usada há uma década ou perto, pelo software opensource, no qual a TomTom é baseada,foi uma vergonha.

      Eles queriam forçar a TomTom a usar o windowsCE

      A TomTom com a FSF fizeram-lhe um manguito 🙂

    • lmx says:

      vê os comentários acima…

      Sim ha uma Portuguesa, mas acho que não é baseada em acelerómetros, usa é ou uma camera, ou outros métodos…não sei.

  10. DASSE says:

    Mais uma grande palhaçada das patentes e Apple. Uma tentativa clara de impedir a concorrência de usar as tecnologias que a apple não tem e fazem diferença actualmente na escolha de aparelhos.

  11. WPMM says:

    Mas a Wacom já tem uma coisa cuja base parece ser a mesma ideia: Wacom Inkling
    Que tem um sensor separado onde se armazenam os desenhos/sketchs, etc (esta caneta foi pensada mais para ilustradores, designers, etc.). Depois, descarrega-se para o computador.
    Na pratica, permite digitalizar o nosso esboço em qualquer lugar e em qualquer altura, tipo sketchbook digital.
    O grande problema desta ideia da Wacom é a falta de precisão em que por vezes se torna demasiado grande quando se tenta fazer um esboço mais detalhado.
    Vamos ver o que sai da Apple e qual a sua aplicação prática.

  12. Winetree says:

    A sério, comparar esta patente à Stylus de um smartphone que o Steve Jobs não gostava???
    Alguém não gosta mesmo da Apple…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.