Quantcast
PplWare Mobile

Toshiba lança a primeira impressora do mundo de tinta apagável

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Vítor M.


  1. joao says:

    Uma boa noticia, mas lá está o contra de ser amigo do ambiente e tudo mais, os ricos falam mais alto…
    É por isso que ainda andamos confinados ao petroleo e às centrais hidroelectricas.

  2. Pedro says:

    Quanto tempo demorará a limpar meia duzia de folhas? e um maço?
    Será que a electricidade que gasta a apagar uma folha compensa o que se poupa nessa mesma folha?

    • Vítor M. says:

      Certamente terá, como em tudo, o tempo necessário para amortização do investimento, mas como estes dispositivos são de longa utilização, ao fim de alguns tempo e dependendo do tipo de consumo… de certeza que há uma poupança efectiva.

      • LM says:

        É importante destacar que a legislação em outros países, como USA e UK, está adaptada a este novo formato. Face à possibilidade de se fazerem burlas, foi estabelecido que estes documentos para terem validade legal necessitam de ser validados por um organismo independente, um notário por exemplo. Dessa forma evita-se logo à partida uma data de chatices.

        Sabendo-se da forma como as coisas se fazem em Portugal arrisco em dizer que vem por aí borrasca…

        Tenham cuidado…

        • Vítor M. says:

          Quando apareceu o PDF e se começaram a fazer assinaturas digitais… ouvi o mesmo que escreveste e as preocupações e actualmente, é já uma prática comum e segura. Há processos complementares que se criam e nada pára a evolução.

          • LM says:

            Casos diferentes e incomparáveis, Vitor. A assinatura digital nunca foi tão polêmica e sempre se percebeu que era um avanço tecnológico desejável. No caso deste tipo de tinta é sem dúvida um grande avanço, ambiental acima de tudo, só temos que legislar convenientemente e informar que documentos destes NÃO tem validade legal.

  3. Jorge says:

    A verdade é que mts das vezes o papel que é imprimido tem de ser guardado.

  4. okapi says:

    A ideia é porreira mas, demorou 30 anos e vai demorar mais outros tantos até que se torne generalizado. A meu ver, vai ser mais uma ideia que saiu tarde demais e que nem vai ter sucesso, também se dizia que o formato eletrotécnico ia dar lugar ao papel e o que é certo cada vez mais se produz e gasta-se papel de office.

    • pixar says:

      Não me parece que demore 30 anos a ser implementada esta tecnologia. O problema dela é que na maior parte das vezes existe mesmo a necessidade do papel. A legislação ainda e um pouco avessa ao formato digital e muitas coisas têm de ser impressas. Além disso, se estiverem agrafadas já não servem. Ou então, se tiverem uma assinatura também ficam inutilizadas.
      Mas concordo quando dizes que a utilização dos computadores, ao contrário do que se esperava, ainda aumentou mais o consumo do papel.

      • okapi says:

        Só um exemplo na UK desde a 1ª classe até ao 12º ano e mesmo na Universidade ou Colégios Profissionais não existem* livros tudo funciona na base da Fotocópia, agora imaginem as ton, de papel e tintas/toner que não se gasta. Nas repartições do estado para qualquer insignificância lá vai uma carta em papel ou se por qualquer motivo não atendes uma chamada a confirmar uma consulta medica, lá vai informação por correio.
        * Existem livros nas Univ’s mas de serem tão caros, para cima de 60 libras ( no caso cá de casa) poucos são os que compram, ou mesmo os que os compram recorrem noutros à fotocópia ou ao formato digital. A matéria dada nas aulas está em formato digital online mas acaba-se sempre por tirar um print de alguma coisa mais importante. Não é esta tecnologia que vai resolver o assunto, porque separar papel e ver qual o que dá para imprimir é perda de tempo e hoje sabemos que poucos são os que têm paciência para tal.Já agora eu não disse que ” vai demorar 30 anos a ser implementada” mas sim ” que vai demorar mais uns tantos anos a ser implementado”. Coisa sem importância. 😉

        • pixar says:

          Não é que isso seja importante, mas tu disseste:
          “demorou 30 anos e vai demorar mais outros tantos até que se torne generalizado”
          Nos outros tantos, eu entendi que eram mais 30.
          Na minha opinião, e seguindo a tua linha de pensamento, com a qual concordo, acho que nem 30 nem nunca. Mesmo as fotocópias de livros são sublinhadas, anotadas, etc que inviabiliza a reutilização.
          Na prática nem metade da folhas serão reutilizadas.

  5. RG says:

    Deve haver uma gralha no texto. Só aceita papel entre 64 e 80 gr/m2? É muito pouco, normalmente usamos papel navigator de 90gr/m2. Deve haver alguma gralha ou então há muitos tipos de papel que ficam de fora!!!!

    • Vítor M. says:

      Gralha? Não conheces papel de outras gramagens? O papel não pode ser muito rijo, mas, não havendo qualquer gralha no texto, sugeria que desses um look nas especificações da máquina.

  6. Valente says:

    Por cá também se vai poupando aos poucos.
    Ainda há pouco num Centro de Saúde precisei dum P1 para ir a um Hospital. O P1 foi enviado pela internet e passado 2 dias recebia um telefonema do Hospital para lá ir tal dia á consulta.

    Não foram precisos papeis.

  7. Filipe YaBa Polido says:

    Não entendi… para o utilizador comum, é facilmente identificável uma folha impressa dessa forma?!
    Ou seja, vamos começar a desconfiar de qualquer papel assinado?

    • Vítor M. says:

      Atenção, lê bem, estamos a falar em apagar o toner, aquele toner especial azul que, como diz no texto, tem algumas especificações.

      Ao assinares alguma coisa, por norma, pedimos cópia para nós, assim como actualmente já assinas muitas coisas em formato digital.

      Chama-se evolução.

    • Gerardo says:

      Fiquei exactamente a pensar o mesmo. Vai ser lindo para as burlas. Muitas vezes ficamos com uma cópia, mas por exemplo em contexto de trabalho, existem pessoas que passam o dia a assinar papéis.

  8. Jorge Santos says:

    Algo bom ajudando a faze de transição em que a evolução se encontra.. a verdade é que com o decorrer dos tempos o papel vai deixar de existir enquando suporte de dados escritos e imagem.. a era digital ja começou a muito mas claro leva algum tempo a implementar-se em todas as areas. Quando uma resma de papel custar 30 euros e cartao de memoria custar 5 centimos tudo mudara. :)viva o futuro!

  9. dajosova says:

    …ainda há dias usei uma caneta com tinta e borracha especial… útil para quem quer fintar o adversário

    just kiddin’
    :p

  10. RFonseca says:

    De certeza que este equipamento deverá ser a próxima aquisição do actual governo… com tantos enganos e rectificações de orçamento, nem imagino o papel gasto 😐

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.