Quantcast
PplWare Mobile

Nem uma granada é capaz de destruir o Nokia 3310 [Vídeo]

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Marisa Pinto


  1. r41m31 says:

    Muito após o desaparecimento da humanidade, da erosão levar todos os vestígios da nossa existência como as pirâmides e a esfinge, no meio da areia e pó, saberão que ali existiu vida provado pelo único artefacto ainda inteiro… o nokia 3310. 😀

  2. ze says:

    “granada”
    mais parece uma bombinha de carnaval. desconfio que nem a unha partia se ele deixasse la a mao

  3. Miguel says:

    Pagava por um smartphone com a grossura do 3310 mas um sensor de câmera de uma polegada e apenas 12 megapixels. Zoom óptico de 10x de possível e flash xenon

  4. Hugo Miguel Cardoso Monteiro says:

    Fake – é uma granada de instrução, se fosse uma granada de pressão ou estilhaços tinha ficado um caco.

  5. RM says:

    Nokia 3310: Help, I don’t feel my legs 🙂

  6. Woot! says:

    Isto não é o 3330? O 3310 tinha o rebordo à volta do ecrã cizento claro em vez deste azulado.

  7. LFC says:

    firecracker não é granada de verdade.
    Usaram uma imitação da granada verdadeira.
    A verdadeira é letal num raio de 3metros.

  8. José Cardoso says:

    Uma “granada”…lol já comi petazetas com mais jarda que isso xD

  9. LFC says:

    Já agora… Se esta é a capa de origem, então é um Nokia 3330 e não um Nokia 3310.
    cumps

  10. Hugo Nabais says:

    Granada?!
    LOL

  11. Íngreme says:

    O meu não precisou de engenho explosivo, de água ou de ir ao chão para ser destruído. Bastou ir no bolso onde estavam uns trocos e as moedas fazerem curto circuito nos contactos que, se bem se lembram, estavam à superfície na parte de baixo.. Não explodiu a bateria nem sequer aqueceu, mas este contacto acidental provocou a inutilização de qualquer coisa nos circuitos do aparelho, o que provocou o seu fim.
    Quanto ao vídeo, talvez fosse útil ter-se mencionado que a “granada” utilizada era uma granada de instrução, não letal, mas que pode ainda assim provocar ferimentos em caso de manuseamento incorrecto. Era giro em vez de terem faito a experiência com uma granada de instrução, terem-no feito com uma das outras (também conhecidas por “ananás”). De certeza que quem a accionou não a ia pôr ali e limitar-se a afastar-se um pouco…

  12. Luis says:

    Deixem de ser picuinhas malta, este vídeo não deixa de provar a resistência que aqueles telefones tinham, é só pela piada.

  13. Valter Schulz says:

    Sinceramente, tenho mais saudades do tempo em que os celulares eram simples, não pelo fator tecnológico, e sim por questão de relacionamentos pessoais, hoje o pessoal fica muito vidrado no virtual, em redes sociais, cada vez mais vorazes por likes e curtidas, se tornando cada vez mais arrogantes, e vão deixando mais de lado a convivência, humildade e generosidade com o próximo.

  14. falcaobranco says:

    Sabem o que a granada provocou ao Nokia? Cócegas… 😀 😀

    Eu tive dois… grandes maquinas mesmo…já não se fazem telemóveis desses…

  15. Bruno Mota says:

    Granada de instrução, se fosse defensiva, ou mesmo ofensiva, não se aproveitava nada lol

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.