Tesla quer trocar baterias dos seus carros em apenas 15 minutos


Destaques PPLWARE

25 Respostas

  1. Asdrubal says:

    hmmm… acho que não.

    Já há muito tempo que existe essa ideia de troca de baterias, e, sinceramente, sempre pensei numa mudança de baterias como num equipamento eléctrico normal, tira e mete, coisa de 1 ou 2 minutos para a “complexidade” de um veículo.

    Já a ideia de troca de baterias, leva o condutor a pensar duas vezes a troca por baterias que já estiveram noutro veículo… trocar umas novas por umas usadas…

    É melhor pensar em tecnologias para carregar baterias em 2 minutos.

    • Miguel Silva says:

      As baterias ainda não tem essa capacidade 🙂 …. Por enquanto

    • Ze says:

      ” trocar umas novas por umas usadas…”
      Se forem alugadas qual é a diferença?
      Ou compras o gas na própria garafa de gas?
      Que eu saiba chegas lá e trocas correcto?
      Logo compras uma nova e nunca a mais vês!

    • JJ says:

      Se a troca de baterias for geria pela Tesla, dando a respectiva garantia, e o preço for praticamente equivalente, julgo que para o utilizado acaba por ser irrelevante.

      Basta por exemplo, a bateria trocada, ir primeiro a um ponto de manutenção, antes de ficar disponível para ser novamente colocado num carro.
      Estes pontos de troca de bateria, podem ter um stock de 50 baterias, as que são trocadas, ficam guardas, para o final do dia a Tesla ir recolher as baterias trocadas e repor o stock das 50.
      Tendo em conta que isto só será útil para pessoas que estão com pressa e que o carregamento rápido não é suficiente para o percurso que vão realizar, as trocas serão poucas. Tornando-se fácil fazer essa gestão.

    • Belmiro says:

      As baterias não são”contagiosas” daí não haver problemas de usar as doutro veículo lol

      O que fazem vários construtores franceses é um serviço de troca de baterias mediante um aluguer fixo. Pagas x por mês e quando esvaziar a bateria, em vez de esperar para carregar vais a um ponto de troca e mudas.

      Sinceramente a tecnologia de baterias ainda tem muito que melhorar até termos tudo eléctrico. Trocar baterias não é para todos e para ser por máquinas exige investimento alto das “gasolineiras”. Por outro lado muitos andam 500-1000 km/dia, se uma bateria em autoestrada não passa dos reais 400 km (se tanto) e um carregamento até 80% muito mais que um descanso e a bateria passa os 500 ciclos/ano, torna se caro e demorado.

  2. Vasco Nogueira says:

    podiam apostar num sistema misto, uma bateria permanente e outra bateria de aluguer que podia ser trocada vazia em qualquer lado, como uma botija de gás

    • Vasco Nogueira says:

      Tipo, 33% a permanente para servir de reserva e a de consumo, 67%, que carregaria a permanente, caso estivesse vazia e faria mover o automovel

      • Belmiro says:

        As baterias são extremamente pesadas e grandes, ou trocas a bateria ou carregas muito rápido. Esse sistema mixto ocuparía demasiado espacio e peso para uma bateria de emergência.

  3. TugAzeiteiro says:

    Esta sim é solução para os caros eléctricos… pelo menos enquanto não houver tecnologia desenvolvida para carregar as baterias a 100% em 5/10 min! E não esquecer que a grande maioria dos carros dorme na rua… por isso deve sair muito mais caro espalhar milhentos postos de carregamento pelo país/mundo!
    Esta ideia não é nova, mas pelo menos na Tesla é desenvolvida e até que aposto que vai ser posta em prática muito em breve… claro está que o sistema que tem ser rápido e fiável para todos nós o podermos utilizar.
    Em vez de irmos ao habitual posto de combustível onde estão armazenados XXXX litros de combustível e atestarmos o carro (vá colocar 20€..), vamos ao posto de baterias onde estão armazenadas XXXX baterias, e basta trocar a nossa sem carga por uma carregada!
    A questão das baterias serem usadas ou novas, isso é igual ao litro.. já que a ser assim, ninguém iria ter uma bateria completamente nova.. visto estar sempre o trocar por outra carregada!

    • Belmiro says:

      Uma gasolineira com 1000 metros cúbicos de gasolina tem uma densidade energética para muitas centenas de milhares de km percorridos. Esse mesmo espaço/peso em baterias daria para 10x menos (já a ser simpático). A troca de baterias deixou de ser uma solução (foi a solução inicial apresentada) devido a não ser prática.

      No caso de camiões podem ter 2 postos de fornecimento por veículo, carregando duas ou três unidades de bateria simultaneamente. No entanto a gasolineira e rede eléctrica teriam que ser brutalmente reforçadas de quisessem ter um par de camiões e meia dúzia de carros ao mesmo tempo, daí que num futuro próximo tudo isso será impraticável.

      • TugAzeiteiro says:

        Olha que as baterias estão a evoluir de ano para ano… antigamente davam para 150km’s… hoje em dia já passam dos 500km’s… para o ano quem sabe se não chegam aos 800km’s ou 1000km’s.. Num futuro o que eu vejo como possível (até porque já há modelos em prática), é a transformação das estradas em produtores de electricidade, nem que seja para iluminação pública. Há também a possibilidade de carregamento por indução.. que não está ainda desenvolvido, mas… é como digo, de hoje para amanhã…

    • Rui says:

      Entre uma carga rápida de 30 minutos e a substituição de uma bateria que leva alguns minutos e que ainda por cima tinhas de ter a sorte de seres o único cliente que aparecia na oficina logo com um mecânico à tua espera!!!!!!!!

      • TugAzeiteiro says:

        loool mecânico a minha espera? Sabes o que é automação certo? A ideia da troca de baterias é ser tudo feito autonomamente e rápido para poderes seguir viagem… mecânicos como os conhecemos é coisa do passado! Por acaso gostava de saber como se irão chamar daqui a 20/30 anos com o mercado quase todo ele eléctrico.. é que não será certamente um mecânico de hoje em dia a mexer num carros destes!

        • Rui says:

          Ai sim? Então quem vai meter os pneus, discos, calços, embraiagem, etc….. não me digas que vais comprar um carro de usar e deitar fora 🙂
          Meu caro, a experiência diz-me que quanto mais sofisticado é um veículo, mais manutenção precisa!
          Sabes onde podes tirar essas dúvidas? Olha para a aviação, olha para os navios, olha para o sector ferroviário. Pega por exemplo neste último, não tenhas a menor dúvida de que uma máquina a vapor precisa de muita menos manutenção do que um TGV por exemplo!
          Vê o exemplo de um telemóvel à 20 anos e repara agora e depois diz-me qual precisa de mais manutenção!!!!!!!
          Eu já tenho décadas de vida para perceber que é assim o percurso natural, e sabes porquê? Uma tecnologia nova tem sempre mais falhas do que a precedente que já atingiu o pico de melhorias!!!!! Isto é válido para qualquer área, quer tu queiras, quer não.

  4. Daniel says:

    Para automóveis o caminho parece não ser este, mas para camiões em que a bateria é bem maior, a solução pode ser mesmo a substituição da mesma.

  5. Christopher Domingues Prazeres says:

    Não da pra entender mesmo a indústria de patentes, já existem umas 300 ideias assim (eu mesmo na tentei patentear algo sem sucesso)…agora a Tesla consegue??? Muito estranho não???

  6. Nuno says:

    A solução de troca de baterias, como forma de ultrapassar os tempos de carregamento, exigiria uma normalização de sistemas de encaixe e de terminais das baterias entre as marcas e modelos (difícil e moroso de conseguir!), processos de troca muito mais expeditos, sistemas de armazenamento e de carga de baterias bastante volumosos e com intensidades de corrente muito elevadas. Todas estas condições combinadas tornam provavelmente essa hipótese economicamente inviável, pelo menos nos próximos 10-15 anos… e não vamos poder esperar tanto tempo.
    O aumento de autonomia das baterias, e dos carros que as usam, não é verdadeiramente o problema! O problema é no número de postos de carga, respectivas capacidades de carregamento, instalação doméstica desses postos, etc, etc, etc! Ter um carro com uma autonomia de 500Kms mas que depois exige 6-7h de carregamento está longe de ser prático, e vai ainda demorar muito tempo a que este tempo possa ser reduzido, não tanto pela tecnologia necessária para tal, mas principalmente pela disponibilidade de postos em quantidade e distribuição geográfica suficientes para serem úteis.
    Até todas estas questões estarem ultrapassadas, só vejo 2 caminhos possíveis: 1) os carros híbridos em que um motor a combustão “convencional” carrega as baterias e/ou auxilia na produção de movimento, ou 2) a adopção de sistemas de carga em movimento, em troços localizados nas estradas, seja no pavimento, seja usando os rails, ou qualquer outro sistema. Sei que existem soluções destas já pensadas, e parece-me a solução de implementação mais rápida e economicamente mais viável.

  7. X says:

    Isto só tem um senão: o que fazer às baterias depois do prazo de validade ultrapassado. Não é possivel simplesmente colocá-las num aterro.

    • Nuno says:

      É verdade! Mas isso é um problema universal, e que se aplica a baterias de automóveis, de smartphones, ou de qualquer outra coisa. E é de facto um problema grave, e tenho a certeza que haverá quem ande a tentar encontrar soluções.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.