Quantcast
PplWare Mobile

Pluton: O processador de segurança que a Microsoft criou para proteger o Windows 10

                                    
                                

Fonte: Microsoft

Autor: Pedro Simões


  1. Rui says:

    O T1 da Apple é anterior ao TPM? Além que o T1 e o T2 já foram quebrados.

    Esta tecnologia é a que a MS usou na Xbox One e usa nas Xbox Series, tendo em conta que a One acabou o seu ciclo de vida sem ser quebrada parece-me uma boa solução, há quantas décadas uma consola não fechava a geração sem ter sido crackada?

  2. Nuno says:

    Mais uns meses e vao quebrar lhe a segurança tal como aconteceu com o T1 e o T2 da apple apesar do que a microsoft conseguiu com a Xbox acho que foi um caso diferente

  3. Joao Ptt says:

    A Xbox apesar de ser provavelmente um alvo interessante, talvez não atraia tanta gente experiente no assunto como irá atrair este “pluton”. Sinceramente espero que melhore verdadeiramente o cenário de segurança no mundo Microsoft e que permita a utilização de soluções de terceiros onde a compatibilidade for desejável para o utilizador final… e não seja só mais uma forma de tentar forçar só soluções Microsoft, que este tipo de empresas ama restringir a concorrência tanto quanto lhe for possível sem irem para a prisão.

    • Luis Silva says:

      Acho que vai ser proprietário só a soluções windows, duvido que dê para outras plataformas

      • Rui says:

        Creio que será só para o Windows.

        João Ptt, as consolas são bastante apetecíveis e são alvos primários para serem cackadas.

        • Joao Ptt says:

          Concordo Rui, que são bastante apetecíveis, mas a Xbox é um mercado pequeno em relação ao do Microsoft Windows… quando a escala é na casa das centenas ou milhares de milhões de máquinas é mais provável ter os académicos e empresas de segurança especializada a interessar-se pela tecnologia e a colocá-la verdadeiramente à prova em larga escala (“todos” a tentar)… e se há coisa que ano após ano esta gente prova é que é extremamente criativa para atingir o seu fim.
          Espero que de facto tenham conseguido finalmente fazer algo bem, mas que não é simples as actualizações de segurança de tudo e mais alguma coisa mês e ano após ano o comprova repetidamente um pouco por todo o lado.

          Se é só proprietário para soluções Windows é que é mais preocupante, porque esse era um dos problemas e preocupações relativas ao Trusted Platform Module (TPM), já sem falar que os serviços de segurança alemães estavam muito preocupados com as vulnerabilidades que poderia introduzir e acho até com o facto de poder ser usado de alguma forma para facilitar o acesso, coisa que as recorrentes falhas de segurança descobertas parecem dar razão uma e outra vez a tais receios. E pensando nisso, já que a NSA está sempre ao barulho, creio que tal sistema não poderá ser verdadeiramente seguro a menos que a mesma possua as “chaves” que permitem fazer as mudanças necessárias.

  4. Paulo says:

    Embora entenda que a segurança tem de estar sempre na primeira linha do pensamento, preocupa-me mais que se possa estar a criar condições para que uma futura versão do Windows 10 exija esse novo processador que esteja presente no hardware e assim se forçar a obsolescência de milhares de equipamentos sob o pretexto da segurança. Imaginar que por exemplo, passa a ser requisito da versão 2304, e que essa seria uma atualização obrigatória e que todas as versões anteriores seriam descontinuadas pela Microsoft… Espero que não aconteça mas a possibilidade existe.

  5. informado says:

    A Windows que não tente mandar nos fabricantes de hardware . Especialmente para BLOQUEAR a instalação de Linux nos computadores. Vai comprar uma guerra . Não vai adiantar pq vai perder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.