Quantcast
PplWare Mobile

Comprimido micro-câmara é usado para detetar cancro no intestino

                                    
                                

Autor: Vítor M.


  1. Mike says:

    JTLYK – Esta tecnologia, ou algo muito semelhante, também é utilizada em Portugal.

  2. Nightingale says:

    Ainda não percebi porquê enfermeira e não enfermeiro, que designa ambos os sexos, mas tudo bem. Quanto à notícia, isto não é novidade nenhuma, há muito tempo que já é usado mesmo em Portugal (no intestino, já útero, sim uma novidade, mas é demasiado caro em comparação com a citologia cervico-vaginal que custa cerca de 20€ no final).

  3. David Guerreiro says:

    Essa tecnologia já existe há muitos anos, foi desenvolvida em Israel, mas não substitui a colonoscopia de todo. Primeiro porque não é possível controlar a cápsula, que pode não filmar determinadas partes do intestino. Além de que se existirem pólipos, não podem ser extirpados, nem podem ser colhidas biópsias. Nos dias de hoje, o mais chato da colonoscopia não é o procedimento em si, mas sim a preparação para a mesma. Porque é possível fazer-se colonoscopia com sedação profunda (propofol), em que não se sente absolutamente nada porque a pessoa está num estado “quase de anestesia geral”. O paciente acorda e o efeito da sedação passa rápido. O máximo que pode sentir é algum desconforto abdominal temporário do ar que utilizam para insuflar o intestino, ou mais algum no caso de ter existido remoção de pólipos. Simplesmente essa tecnologia da cápsula é pouco ou nada utilizada pela comunidade médica.

  4. ToFerreira says:

    Como já foi dito, endoscopia por cápsula não é novidade nenhuma. Que notícia é esta?

  5. ana says:

    580€ ?

    ok ta bom

  6. Pipocas says:

    Como já foi dito atrás, isto já existe há muitos anos, pelo menos há mais de 15 anos….

    • Vítor M. says:

      Existir é uma coisa, ser usado de forma massiva e, neste caso, de forma doméstica, é outra. Mostra um avanço quer na tecnologia, quer na forma como a medicina se adapta a estas tecnologia revolucionárias.

  7. Jose Garcia says:

    Essa notícia é de …..2014 (https://www.sonoticiaboa.com.br/2014/08/15/chega-de-endoscopia-comprimido-com-mini-camera/) e por cá, em Portugal usada há anos

    • Vítor M. says:

      Não, isso foi a criação da tecnologia, mas o uso generalizado e doméstico, só agora.

      • Jose Garcia says:

        Tem a certeza? então leia este artigo e veja a data https://www.sns.gov.pt/noticias/2016/08/03/enteroscopia-por-capsula/

        • Vítor M. says:

          Mas onde diz que é a mesma tecnologia que permite a qualquer pessoa, quando recebe o kit, fazer em casa? É que o que diz no artigo é precisamente isso. Generalizar de tal forma a tecnologia que qualquer pessoa pode fazer em casa. Aliás, essa que diz nesse artigo, seguramente é muito restrita, que em todo o lado o que se faz não é com esse recurso.

          A tecnologia já existe há alguns anos, mas era usada em casos muito particulares. A novidade agora é a forma simples da tecnologia ser usada em casa quer para a análise do intestino como de outras áreas do corpo humano.

          Que importa que em Portugal de faça isso num local e que não seja um sistema disponível a qualquer pessoa? Essa é a grande conquista destas tecnologias.

          Isto vem no decorrer do discurso que quando aparecem tecnologias algumas pessoas pensam “isto nunca chegará ao dia a dia, fica na área da ficção cientifica” 😉

          Já agora, já fez alguma com esta tecnologia? 😉 eu não conheço ninguém que tenha feito…

  8. Nick says:

    Esta cápsula já existe cá há mais de 20 anos. Não sei qual a novidade e colonoscopia ainda pontua porque pode retirar logo os pólipos que estão em crescimento.

    • Vítor M. says:

      Não existe nada. Esta e a forma como refere a entidade existe há muito pouco tempo. E da forma simples e doméstica, ainda nem existe. Aliás, em Portugal até nos hospitais tens o método tradicional. Ninguém usa esta tecnologia de forma convencional.

      • Luis says:

        No hospital de Santarém é feita há pelo menos 5 anos. Eu já fiz.
        É feita quando existe indicação para tal (enterografia).
        A pessoa vai ao hospital, engole a capsula e o enfermeiro fornece o receptor de imagem, que deve acompanhar a pessoa.
        No final do dia a pessoa volta ao hospital e entrega o equipamento.
        Os termos tradicional e convencional nem se deveriam aplicar nesta situação. Existem indicações específicas para a realização deste exame que diferem da endoscopia e da colonoscopia. São exames diferentes e não se substituem.
        Sou profissional de saúde.

        • Vítor M. says:

          A notícia fala sobre o uso doméstico a alargado desta tecnologia para deteção do cancro do intestino e outros tipos de doença. O que era inovação para uma utilização esporádica, usada apenas nalguns casos e só em determinados hospitais, passará a ser usado como kit que a pessoa leva para casa e faz no conforto de não ter de fazer uma colonoscopia invasiva, por vezes com anestesia geral. Cá não se faz este tipo de tratamento, quando se usa esta tecnologia é apenas nalguns casos, não existe o kit de monitorização de uso doméstico e usa-se muito muito pouco. Praticamente não se usa, em comparação com a tradicional colonoscopia.

          • Luis says:

            Aqui faz-se pelo menos 4 a 6 doentes por semana e a escolha do exame tem a ver com indicação clinica e não com o exame em si.
            O Vitor continua a insistir no uso doméstico. a unica diferença será a ida do profissional a casa em vez de ser o doente a deslocar-se ao hospital.
            Volto a dizer-lhe que este exame não substitui a colonoscopia, são exames complementares de diagnostico diferentes.

          • Vítor M. says:

            Em Portugal não existe este tipo de exame generalizado conforme o NHS está a instituir, não vale a pena estar a mostrar uma realidade que cá não existe. Esse dispositivo nem está disponível sequer na maioria dos nossos hospitais (e nos que existem são residuais os exames que se fazem através desta tecnologia). Segundo o NHS este tipo de exame acrescenta e em muitos casos, conforme referem, substitui a colonoscopia tradicional. Além disso, esta tecnologia vai permitir outro tipo de exames que podem ser importante na deteção precoce de outras doenças. Está bem explicado no artigo, não é necessário inventarmos uma realidade paralela cá quando isso não é verdade. Existe cá, mas é tão residual, tão escassa a tecnologia, que até nem se pode falar numa utilização de norte a sul. Quanto mais ao nível de um kit doméstico.

          • Luis says:

            Concerteza Vitor.
            Não vou teimar consigo.
            Deixo-lhe um link que talvez o possa elucidar a si e a todos os leitores, pois é esse o meu objetivo, e não de o contradizer.

            https://sicnoticias.pt/programas/edicaodamanha/2018-05-29-Video-capsula-do-intestino-delgado-e-utilizado-como-meio-de-diagnostico-em-Portugal-desde-2001

  9. Sandro A. says:

    O meu filho já fez duas vezes esse exame com essa capsula Pillcam, a primeira vez foi à cerca de 3 anos no hospital Dona Estefânia.

    • Vítor M. says:

      Com estes exemplos, vindos do RU, poderemos estar a caminhar para se fazerem muitas mais e para todos os pacientes. Na Inglaterra, a tecnologia parece que vai ser colocada ao dispor de todos. Um dia poderá chegar a Portugal, e deixaremos de ter os métodos invasivos e centralizados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.