Quantcast
PplWare Mobile

Rumor: Possível iPhone 6 poderá ter a aparência do iPod Touch

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Vítor M.


  1. ANDROID +1 says:

    Tanta inovação 😉

    • Pedro says:

      Parece-me um bocado feiinho, mas já os leaks do 5 eram, e acabou por não ser feio (na minha opinião)…
      Agora, parece-me a nivel de design muito identico ao HTC… faltava era o melhor: as colunas frontais!

    • Vítor M. says:

      ANDROID +1, tens razão, há sempre que inovar, que dizer ao mercado qual é a tendência e a Apple tem feito isso, em design e em specs. Mesmo que seja para dentro do seu “ecossistema”, para dentro do seu mundo de seguidores.

      A Apple sempre teve um design arrojado, teve sempre um cuidado no design, isso remonta por exemplo a 1984, com o lançamento do Macintosh.

      Depois e sugiro que vás ver, em 1990 o Macintosh Classic, linhas sóbrias tempos complexos, no que toca ao aspecto do hardware.

      Em 1991 a Apple lança o seu primeiro portátil, com muitas especificações que fizeram escola no mundo da computação, com o Powerbook.

      Em 1993 a Apple lança o pai dos tablets/smartphones, com o Newton Message Pad, estava definida a tendência, quando o mercado ainda falava de palmtops.

      O iMac, lançado em 1998, definiu um conceito novo, um tudo-em-um. Um ecrã com tudo lá dentro, até drive de disquetes e drive de cds.

      Em 1999 o Powermac define uma nova linha de equipamentos de alta produção, sem que com isso se perca o design, a inovação no aspecto de uma computador.

      Em 2000 mil a Apple lança o que, na minha opinião, é o Mac mais bonito de sempre, o Power Macintosh Cube.

      Em 2002 o iMac dá mais um salto, torna-se numa máquina super optimizada, algo que nunca ninguém se havia atrevido a fazer.

      O alumínio chega em 2003 com o PowerBook G4, uma poderosa ferramenta aliada a um design moderno fornecido em materiais arrojados.

      Também em 2003 o Power Macintosh G5 leva ao mundo empresarial, ao grande desempenho, um inovador look, afinal os Macs não são para esconder debaixo das secretárias.

      Mas… 2003 é o ano do iPod. O mundo da música fica marcado com um gadget que aposta na qualidade dos materiais, na aquisição de música online, num codec purista para reprodução da música e o conceito de mobilidade com modernidade.

      Em 2004 a Apple mostra o iMac G5 com um aspecto que hoje ainda é seguido e nasce o iPod mini.

      Em 2005 a Apple lança mais um inovador comutador, o Mac Mini, onde uma pequena caixa de alumínio traz uma máquina para trabalho árduo, até hoje ainda é uma máquina fantástica e a um preço muito acessível.

      2006 nasce o Macbook Pro, o ainda hoje conceituado portátil que estás em todas as linhas. Ainda hoje é uma máquina que serve de “modelo” para as outras marcas do mercado copiarem os seus vários pormenores, desde o corpo em alumínio ao detalhe do teclado.

      Em 2007 aparece a Apple TV, um conceito inovador que leva conteúdos e tecnologia à sala de estar, que faz a ponte entre vários segmentos de entretenimento, até hoje é um gadget com imenso potencial e margem de progressão.

      Mas… é nesse ano que a Apple muda o mundo das comunicações móveis, pelas mãos de Steve Jobs nasce o iPhone. Nunca mais o mundo foi como era e actualmente tudo está a convergir para um dispositivo que a Apple deixou de legado ao futuro.

      Em 2008 a Apple faz uma máquina super fina e ainda assim, com um aspecto muito agradável. Estava lançado no mundo o Macbook Air.

      Em 2010 a Apple volta a marcar o mundo da tecnologia ao lançar o iPad, algo que todos diziam que o mercado não precisava, que iria ser um flop e ainda hoje não tem concorrente à altura.

      Em 2010 a Apple lança o iPhone 4 que veio dar um rumo novo ao seu smartphone e desde então os incrementos são técnicos, com novidades viradas para a sua utilização, ecrãs de grande qualidade, estrutura em aço e vidro e um sistema operativo novo, o iOS.

      Desde então a Apple tem mexido com o mercado não tanto na inovação de segmentos mas com a inovação na forma como se utiliza o smartphone e o tablet. Há um novo mundo de software, mais e melhores serviços e começa a fechar-se o cerco em volta daquilo que todos perseguem, mas só a Apple tem: ecossistema (hardware, software e serviços)

      😀 depois a Google, que era muito popular dentro do iOS, potenciou o seu Android à imagem do iOS… a inovação faz-se com história e a Apple tem histórias 😉

      PS: os restantes também lançaram produtos muito bons, mas nunca em tantos segmentos e com tanta relevância como a Apple. 😉

      • OMG says:

        Portanto a Apple inovou até ter morrido o Steve Jobs, desde aí, “bla bla bla, whiskas saquetas”.
        História tem, futuro é que não me parece, pelo menos a julgar pelo presente…

        • Vítor M. says:

          Não é bem assim, embora tenha muito a ver. Há, como em todas as empresas, um tempo necessário para haver uma adaptação a novas políticas de liderança. Desde a morte de Steve Jobs que há uma procura por uma linha de orientação num mercado cheio de novidades em volta das “coisas” que a Apple lançou no passado. Não se fala em nada mais que novos smartphones, novos tablets e pouco mais.

          Falta algo, estão a aparecer os gadgets para “usar”, os relógios, as pulseiras, os sensores biométricos e outras tecnologias, inovadoras, mas em volta dos mesmos gadgets. Falta algo, falta um salto…. e isso ninguém avança, estão à espera da Apple.

          • OMG says:

            Acho que se ele fosse vivo já haveria um iWatch, que pegando no conceito já existente conseguiria de alguma forma inovar e destacar-se da concorrência, seria esse “o próximo segmento de mercado”, assim, vem aí o iPhone 6 sem nada de novo relevante…

          • Vítor M. says:

            Pois, também disseste que o iPhone 5S não tinha nada de novo… afinal marcou o mercado, o sensor biométrico já está no Galaxy S5 😉 (fora o cada vez mais utilizado processador M7), mas isso não conta não é verdade? 😀 Ora pois claro.

            E até já vaticinas que o novo iPhone não traz nada de novo e nem sabes (ninguém sabe) o que aí vem, mas é assim mesmo, a tua convicção ilumina o teu caminho.

            Quanto ao iWtach, bastou falar-se dele e a corrida foi louca, mas de facto, por faltar ali uma linha orientadora… saíram relógio medonhos… porque será? Eu tenho uma opinião… 😀 mas deixa vir o da Apple e depois veremos.

          • OMG says:

            Marcou o mercado??
            Fizeste-me rir! 😀
            Reinventou a roda…
            Que acrescentou a quem utiliza um smartphone? Nada… melhorou um pouco isto e aquilo, como a concorrência, nada de NOVO.
            Se o 6 trouxesse algo de novo, não se falava de outra coisa, como o “revolucionário” ecrã de safira…
            Os smartwatch existiam antes dos rumores do iWatch, mas podes continuar convicto do contrário!

          • Vítor M. says:

            É rir disfarça sempre ago 😉 ri-te que faz bem à saúde.

            Abraço.

          • Nelson says:

            @OMG

            Não, o iPhone 5S não marcou o mercado.

            Vai marcar daqui a um ano ou dois, quando a plebe (WP e GA) tiver as principais novidades que introduziu no smartphone:

            a) CPU 64bit (e software)
            b) TouchID bem imitado
            c) Dual-tone flash (HTC a aproveitar o acordo que tem com a Apple)

            Aí, eles vão publicitar com força o quão melhor é o CPU de 64 bit no seu novo modelo, e quão melhor é o “TouchID” (fingerprint reader quadrado… para começar), e aí os fãs do android como tu, e haters da Apple, aí já vão querer ter o que o iPhone 5S introduziu, tudo a funcionar bem, em 2013…

            Assim como há uns anos, o iPhone não prestava por não ter teclado QWERTY… afinal não passava de badmouthing da concorrência que não tinha touchscreens rápidos, responsivos o suficiente, etc…

            Tens de “aprender” que a Apple sempre esteve no futuro, nunca no presente…

          • OMG says:

            É como digo, melhorou o que já havia (e implementou-o), mas alterações/novidades de relevo para o mercado… zero!
            “Apple sempre esteve no futuro” -> “em 2013″… “há uns anos”…
            Confuso entre o futuro e o passado?

          • Vítor M. says:

            Zero porque não estás atento, porque desconheces o mercado, olha por exemplo o teu rico Android, na mais relevante marca, apresentou este ano uma inovação da Apple, o leitor biométrico 😀 já sei que foste ver à net que já a motorola havia colocado um antes da Apple e tal… pois, nada que fosse funcional e capaz de ter a capacidade que este inovador leitor biométrico tem, por isso a Samsung copiou o que a Apple fez, após a Apple fazer 😉

            Assim como tudo o que a Apple tem feito, que vem alguém dizer que afinal já há uns séculos alguém havia feito… mas que só depois da Apple lançar é que deram conta que afinal faz falta, que resulta que é esmo isso que é preciso 😀 hehehehe

          • OMG says:

            Sabes lá o que eu conheço ou deixo de conhecer. Falas como se me conhecesses de algum lado e esqueces-te que toda a gente sabe alguma coisa de ti, da tua parte pública e tu sabes quase nada de nós, mas adiante…

            Se a Apple não copiou porque um funciona bem e o outro não, então a Samsung também não copiou, pela mesma razão… um funciona bem e o outro não. 😉

          • Vítor M. says:

            OMG, calma não te aborreças, o que conheço é o que tu deixas nos teus comentários, basicamente é tudo o que sabes. Não leves a mal 🙂

            Todos sabemos da tua queda pela Apple, ou melhor, por esse trambolhão que tens pela marca da maça.

            Vai com calma, percebe as coisas como elas são, não como queres que sejam, assim trocamos ideias.

            Quanto ao que de mim está a público 😀 só está o que eu quero 😉

        • Nelson says:

          Não te parece?

          Que não pareça…

          A concorrência está a léguas do que se pode encontrar facilmente no iPhone, iPad e MacBook Pro.

          Há… e alguém falou nisto?

          https://www.apple.com/mac-pro/

          Primeiro design inovador desde o Apple II.

          Haters gonna hate, mas é o desktop mais avançado do planeta terra.

          • Nelson says:

            500x melhor que os PC’s normais, que sim, parecem e são funcionalmente idênticos a um caixote.

            Inveja é lixada LOL!

          • Paulo Costa says:

            @OMG

            Não confundir, a imagem da esquerda é da Samsung. Tipo, maior, “The Next Big Thing is Already Here”, existe em tudo o que é lugar, estão sempre cheios de trampa e as pessoas passam-lhes ao lado.

            Original: http://imgur.com/OBbCiUa

            😀

          • OMG says:

            Estás enganado, a da esquerda é mesmo de um caixote do lixo, de onde a Apple copiou o “design inovador”…
            O significado disso? deixo à consideração de cada um 😀

          • Nunes says:

            @ OMG
            uau, mesmo!?
            não fazia ideia que os caixotes do lixo tinham núcleo térmico e ventilação forçada. Também não fazia ideia que eram pensados para dissipar calor por convecção. Ou que se podiam ligar a periféricos!

          • Vítor M. says:

            😀 este OMG é fantástico hehehehe… pelo menos é divertido!!!

          • Nelson says:

            Entre um caixote do lixo e um caixote de lixo… Prefiro o primeiro… Sempre tem utilidade…

          • OMG says:

            Acalmem aí a azia que está-se a falar do “design inovador” e da sua inspiração inovadora! Mais Rennie e menos café para essas bandas…
            Para o Vitor: “É rir disfarça sempre ago 😉 ri-te que faz bem à saúde.”
            E com um grande abraço! 😉

          • Nunes says:

            @ OMG
            claramente não fazes ideia do que é design, já que passas o tempo a confundir forma com design

          • OMG says:

            Já estava à espera dessa, não é nova…

          • Nunes says:

            @ OMG
            Se já estavas à espera, então deves estar à procura de ser palhaço. É o que encaixa com o resto do comportamento, muita palhaçada, nenhum conteúdo

          • OMG says:

            @ Nunes:

            Acalma a azia e guarda os insultos para ti.

            Não estamos aqui a defender nenhuma tese, não estamos aqui a dar aulas nem estamos perante o juiz num tribunal, estamos sim num local que serve para troca de ideias e sobretudo de opiniões. Eu exponho as minhas de forma espontânea, leve e despreocupada como a situação, o momento, o tema, o local e tudo o resto aconselham, e sem medo de cometer um erro que alguém corrigirá.

            Procuras sempre demonstrar grandes conhecimentos, mas acabas por demonstrar que não sabes o básico, não sabes estar.

          • Nunes says:

            @ OMG
            Onde é que está o insulto? Por dizer que vens para aqui fazer palhaçada? Acho que isso se tornou óbvio para qualquer um.
            Há uma grande diferença entre troca de opiniões e fazer galhofa! E tb há uma grande diferença entre galhofa e frases bem humoradas.

        • Hugo says:

          Este OMG é demais LOL farto-me de rir com as asneiras que ele diz… Mac Pro até pode ter o design parecido com um balde de lixo, eu tenho um balde de lixo no meu escritório que é um pouco parecido, e dai?? Eu pessoalmente adorei o design do novo Mac Pro, só acho que a cor devia ser mesmo preta e não aquele cinza escuro, ou então a cor cinza que é usada em todas as linhas da marca… Há e para não falar que aquele “balde de lixo” é considerado uma das melhores ou se nao a melhor máquina para uso profissional… Quero acrescentar que não sou nenhum fanboy da Apple até porque gosto de Android também… e OMG não fiques prai a defender a samsung, até porque ela é muito conhecida por copiar outras os seus concorrentes.

          • Nelson says:

            Do ponto de vista técnico, aquilo está para cima de brutal…

            Pôr um Xeon, e duas GPU’s num cilindro tão pequeno, e uma única ventoinha, extremamente sileciosa, não deixar aquilo ficar horas e horas, ou até dias, a processar à capacidade máxima, e não sobreaquecer?

            Pois…

      • Rui says:

        Faltaram aí umas referências a computadores que fritavam, ratos redondos, telemóveis que só funcionam numa das mãos, mapas perigosos…

        • Vítor M. says:

          Bom, em centenas de produtos, nem todos foram topos de gama, serviram para refinar outros 😉 mas posso alargar a lista, afinal a Apple “inventou” o teu rato 😉

          Mas aposto que não conheces todos os produtos, aposto que nem sabes ao certo os segmentos onde a apple tem produtos…. aposto contigo que a seguir vais à wikipedia 😀

          • Rui says:

            Não apostes, que perdes! 😉

            Mas se achas que a Apple inventou o rato, se calhar também podias fazer uma visitas à Wikipédia xD

          • Vítor M. says:

            Ó meu caro, não preciso 😀 mas já vi que já lá foste 😀

          • Nuno Vieira says:

            Como? Típico de quem é cegueta por uma marca. Não, a Apple não inventou o rato. Não, a Apple não foi o primeiro computador a ser comercializado com um rato.

            A invenção do rato pertence a Engelbart. Se não souberes quem é, recomendo-te a ler mais sobre a história da informática. Recomendo-te também a ver uma conferência que este senhor deu no final dos anos 60, que nós agora referimos a esta como “the mother of all demos”, em que Douglas apresentou conceitos que precisaram de mais de uma década para serem concretizados.

            O primeiro computador a ser comercializado com um rato foi da Telefunken no final dos anos 60, ainda nem sequer o Steve Jobs sonhava na Apple.

            Em vez de dizeres que a Apple inventa tudo e mais alguma coisa, recomendo-te a rever a história dos computadores. Mas antes de o fazeres tens que deixar para trás o preconceito e a predisposição que tens sobre os produtos Apple.

          • Vítor M. says:

            Isso é muito bonito, mas está descrito, comercializado e tudo o que tenhas lido… no teu dia a dia não se materializa, tal como queres acreditar meu caro 😉 a realidade que acreditas é um sonho, é uma vontade assim… possessiva que queres acreditar, olha em redor e vê quem está com esses produtos, quem está no pináculo do mundo tecnológico, quem tem história, quem tem tradição… os factos falam por si meu caro… e até a Xerox que acredita ter sido inventora de algo… não tem mais que isso… uma crença.

            😀 mais cego é aquele que não quer ver 😉 mas há quem diga que isso te passa.

          • Nuno Vieira says:

            Depois do teu comentário em que distorces completamente a realidade, a frase final é mesmo descabida.

            Para ti os inventores têm direito a zero de reconhecimento. Quem merece o reconhecimento só são aqueles que têm sucesso. Os insucessos anteriores que tornaram esse sucesso possível são meramente descartados e esquecidos. Como por exemplo o Dennis Ritchie, que morreu no esquecimento. Apenas se lembraram dele no momento da sua morte. Não vi ninguém aqui a escrever uma crónica quando fez um ano da sua morte. No entanto são homens como ele, Douglas Engelbart e muitos outros que a tecnologia avançou para o que temos disponível hoje. No entanto ninguém lhes dá o crédito que realmente merecem.

            Agora eu pergunto quem é que é realmente cego.

          • Nelson says:

            Pronto…

            Mas em suma, o rato foi inventado pela Apple. E o primero computador a vir com um rato foi o Macintosh.

          • Nunes says:

            @ Nelson
            A Xerox chegou a vender computadores com ratos antes da Apple.
            A Apple não inventou o rato, apenas criou um rato bastante melhor!

          • Nuno Vieira says:

            Deves ter um certo problema compreensão textual. Se queres saber quem inventou o rato e qual foi o primeiro computador a ser comercializado com um rato lê o meu comentário um bocado mais acima.

          • Vítor M. says:

            Hreheh não tenho não, bem pelo contrario 😉 e como estou atento, desde há várias décadas, estou ciente no que disse, isto à luz do que vale hoje cada inovação e cada pedaço da história. Tu podes é não estar a perceber o valor do que foi feito e o que isso representa em termos de “propriedade intelectual” de cada uma das criações.

            Se colocares as coisas nesse pé, quem foi que criou o conceito rato… ok, Douglas Engelbart criou… ok o primeiro “sistema” a usar o rato foi Xerox Alto (há quem tenha outras versões), mas até aparecer em 1984 o Macintosh 128K com o Lisa Mouse melhorado, funcional, com futuro… a base do que usamos hoje… provavelmente não haveria o rato tal como o conhecemos hoje e tal como deu o ser ao Windows.

            É nessa vertente que afirmo o que afirmei. E é o que faz o mundo rolar.

          • OMG says:

            Esta conversa está interessante… portanto, quem inventou/criou o automóvel foi Ford porque criou um automóvel “melhorado, funcional, com futuro… a base do que usamos hoje…”

            Estas teorias são engraçadas! 😀

          • Vítor M. says:

            Misturas tudo, mas é compreensível 😀 não consegues perceber. Ficamos assim. 🙂

          • Vítor M. says:

            Lá estás tu a misturar as coisas 😀 mas, como te disse, é normal, tens de ir passo a passo para entenderes.

          • Nuno Vieira says:

            O comentário da compreensão textual era dirigido ao Nelson.

            A Xerox não foi quem lançou o primeiro computador com rato. Foi, como disse atrás, a Telefunken. De notar que o rato da Telefunken é diferente do rato de Engelbart. O rato de Engelbart usava duas rodas perpendiculares para traduzir o movimento do rato. O rato da Telefunken usava uma bola que fazia girar dois eixos perpendiculares, tal como os ratos mecânicos de não à muito tempo atrás.

            Outra coisa que parece que não tens noção, a Microsoft já tinha um rato antes de existir o Windows e um ano antes de existir o Lisa Mouse.

            Eu não disputo o facto de que sem a Apple utilizaríamos o rato de maneira diferente. Mas eu agora pergunto-te se consegues refutar este facto: Se Engelbart, Telefunken, Xerox e outros não tivessem dado os primeiros passos no desenvolvimento do rato, simplesmente não teríamos o rato, ponto final.

            Logo, por mais que tentes distorcer a realidade. A Apple não inventou o rato como afirmaste, nem sequer foi a primeira a comercializar um computador com um rato.

          • Vítor M. says:

            Por isso disse que há divergências quanto ao conceito “rato” tal como o conhecemos.

            E sim a Microsoft já tinha, mas lá está, o que está em causa é a Interface gráfica, penso que não é difícil perceber que tudo só funciona com a Interface gráfica? E repara, tudo o que havia antes do Lisa Mouse simplesmente não estava nem de longe nem de perto capaz de entrar no mercado, estava na sombra, não tinha sequer viabilidade. E não tinha muito a ver com o que a Apple introduziu.

            “Se Engelbart, Telefunken, Xerox e outros não tivessem dado os primeiros passos no desenvolvimento do rato, simplesmente não teríamos o rato, ponto final.” Pois claro, para isso servem as patentes 😀 mas, contudo, não basta ter a patente, não basta ter a ideia, é preciso ter utilidade, é preciso dar vida às invenções, é preciso dar futuro, se não for dada utilidade, nunca nada sai do papel, mesmo que seja uma boa invenção, materializar é outro assunto meu caro… muito para além das intenções, porque houve muito mais depois que antes, na invenção. Até há pouco tempo e com o Magic Mouse, o rato quase nada tinha evoluído 😉 percebes a ideia?

            Não é distorcer a realidade é ver a realidade tal como ela é, e não como tentas desvalorizar o trabalho feito desde essa altura até hoje. Podes não gostar, mas é a realidade.

          • Nelson says:

            Vocês são todos malucos, pá!

            O rato apareceu pela primeira vez no Apple Macintosh de 1984.

            Tão certo como o Ford T ter sido o primeiro automóvel.

            E os primeiros astronautas terem sido o Neil Armstrong e Buzz Aldrin.

          • OMG says:

            @Nuno:

            Não vale a pena explicar a quem não que entender (quando na verdade sabe bem que está errado, mas não assume).
            O melhor é mandar uma do tipo:

            “Misturas tudo, mas é compreensível 😀 não consegues perceber. Ficamos assim. :)”

            E pronto…

          • Nunes says:

            @ Nuno Vieira
            O Lisa da Apple apareceu meses antes da Microsoft lançar o seu rato.

          • Vítor M. says:

            Há dois modelos, um antes e um depois, o depois é o mais actualizado e modelo mais perfeccionista, acho que é assim.

          • Vítor M. says:

            OMG pelo menos o Nuno e muito bem, sabe o que esteve em causa no que se entende pela ideia, pelo início do que, só mais tarde, de descobriu que ia ter sucesso… sucesso pela mão de alguém que, embora sem ser quem patenteou ou pensou na ideia original, descobriu a utilidade, deu sentido, fez com que aquilo tivesse uma vida útil, o que deu vida portanto. Esse é o conceito, o que tenho estado a falar, mas nisso e em muito mais.

            Só falta não perceberes isto também, porra!!!

          • Nunes says:

            @ Vítor M.
            Segundo a própria Microsoft, o seu primeiro rato foi lançado em 1983, provavelmente em Maio (segundo outra fonte).
            O Lisa foi lançado em Janeiro de 1983.

          • Nuno Vieira says:

            @Nunes
            Tens toda a razão.

            É para ver se aprendo que para a próxima tenho que consultar uma fonte para confirmar se as datas que tenho na cabeça são as correctas ou não. Eu, erradamente, estava na ideia que o Microsoft Mouse tinha sido lançado em 82.

            Obrigado por me corrigires.

          • OMG says:

            Não te preocupes que é fácil de perceber… a tua distorção da realidade… é que nem tens jeito nenhuma a disfarçar…

          • Nunes says:

            @ Nelson
            “E os primeiros astronautas terem sido o Neil Armstrong e Buzz Aldrin.”
            essa é de doidos

          • Nelson says:

            Esta gente não percebe o hip-hop.

            O Ford T foi o primeiro carro, porque antes, eram um brinquedo de ricos, não tinham utilidade prática nenhuma, era sempre preferível um cavalo e uma carroça, porque era o que fazia sentido. Eram máquinas muito difíceis de manter, que não tinham sequer para as pessoas que as compravam utilidade, porque não se iam abrir estradas como as que temos hoje para meia dúzia de pessoas, e o mais normal era avariarem, pois as peças eram feitas á mão, e logo as folgas eram imensas…

            Pegar num motor a vapor, combustão interna ou eléctrico e liga-lo a umas rodas, não faz um meio de transporte, faz uma experiência.

            Assim como o Mac, foi o primeiro computador com rato, o rato, não foi inventado por uma empresa de bens de consumidor, nem microsoft nem nada, foi uma experiência de um engenheiro da SRI:

            http://sloan.stanford.edu/mousesite/1968Demo.html

            Este é que é o primeiro rato de computador, até porque já existiam outros dispositivos apontadores iguais ao rato, para outros aparelhos electrónicos que não computadores.

            Mas o que distingue um computador de uma máquina, é que o computador é capaz de ter múltiplas aplicações, significa correr diversos e diversificado software.

            É isso que fez o Mac, anteriormente, os estúpidos Lisa e o “concept” Xerox Alto, não chegaram bem a ser computadores, eram mais uns processadores de texto/folhas de cálculo.

            O Macintosh de 84 foi a primeira máquina que prometia ser algo que uma pessoa podia comprar, chegar a casa, fazer várias coisas com ele, desde trabalho de escritório, a fazer uns desenhos, até correr uns jogos.

            Foi o primeiro produto comercial que definiu o facto de que se compra um PC com um rato, não porque vai fazer coisas que os outros não fazem, porque ninguém tem interesse em fazer coisas que não precisou de fazer. Mas como um meio de interagir melhor com o computador, uma simbiose de que era um produto tão avançado que, como tinha uma interface gráfica, e um rato para ela, permitia a qualquer utilizador trabalhar mais rapidamente e mais precisamente.

            O resto é história.

          • Hugo says:

            A Apple não inventou o rato, ele reinventou… Assim como reinventou os Smartphones com o seu iPhone, os Tablets com o seu iPad, e futuramente espero, os SmartWatches ou SmartBands, as SmartTv’s e por ai fora… a Apple é uma empresa que reinventa, faz com que os seus produtos sejam mais acessíveis para os consumidores (não no preço :P), ela faz com que seus consumidores tenham uma experiência de uso melhor que seus concorrentes… E sim em muita coisa ela é a primeira a fazer. Há e a diferença da Apple para as concorrentes, é que ela Copia a ideia e modifica-a e torna-lhe melhor e fácil de se usar (exemplo: leitor biométrico…), enquanto as concorrentes copiam descaradamente igual e nem deixam a sua marca de diferença (exemplo: Leitor Biométrico no Galaxy S5), até mesmo a ideia de o por o sensor no botão “home” a Samsung copiou… Enfim é isso, Apple é uma grande empresa, e como o Vítor M. diz ela é uma empresa com história, ao contrário de muitas outras…

          • Nelson says:

            @Hugo, sem dúvida!

            Quanto ao preço, é o normal para produtos da crista da onda (normalmente até são mais caros).

            Por exemplo, o LG Prada, custava tanto, ou quase (mais de 500€), e era muito pior, aquilo mal se mexia e não fazia coisas como ter um browser completo, ou google/apple maps com localização!

            Hoje em dia, é claro, já se passaram 7 anos, já há uma indústria a competir, que é capaz de apresentar smartphones até decentes, como o Moto G, por 199€…

            Mas quando saiu o iPhone ou outros produtos, muitas das peças eram um fornecedor e era isso… fica caro…

        • Nelson says:

          Isso é o mesmo dizer que a NASA é incompetente porque um foguetão explodiu…

          Quem não faz nada, ou espera que os outros inventem, também não erra…

        • Nunes says:

          @ Nelson
          continuas a dizer baboseiras.
          Desde quando o Lisa era estúpido. O sistema do Lisa era muito parecido ao do Macintosh em termos gráficos e até em muitos aspectos era mais avançado, e com hardware mais capaz – não era só processador de texto ou folha de cálculo. O rato que usava era quase o mesmo que foi depois usado no Mac.
          A Xerox não teve só o Alto, teve o Star que chegou a ser vendido mas com pouco sucesso.

          • Nelson says:

            O Lisa era estúpido porque era caro (preço de um carro, mais ou menos), não era fácil desenvolver para ele, para quem era mesmo o lisa?

          • Nunes says:

            Agora já não era fácil de desenvolver? E a tua teoria de que não chegavam a ser computadores?
            O Lisa chegou a correr programas do Mac, até ao início era usado para desenvolver programas para o Mac, já que tal não era possível no Mac.
            E desde quando é que o preço define se é um computador ou não? Houve modelos mais baratos, tal como houve Macs muito caros!

          • Nelson says:

            Qualquer idiota compreende que para desenvolver um computador, é preciso ou fazer á mão, ou outro computador qualquer para isso…

            O Lisa não era fácil de desenvolver, porque nenhum programador ia comprar uma máquina daquelas, quando saiu para o mercado, só havia app’s da apple, e o resto tinha de comprar uma máquina de $10k que ninguém tinha, o Jobs notóriamente deu o Mac a muitos developers (entre os quais, a Microsoft) para fazerem software para ele.

            Quando saiu, já era útil, já tinha software gráfico.

          • Nunes says:

            “Qualquer idiota compreende que para desenvolver um computador, é preciso ou fazer á mão, ou outro computador qualquer para isso…”
            e é preciso um idiota para não perceber que se estava a falar em desenvolver programas e não o sistema. Durante alguns anos, depois do lançamento, não era possível criar os programas directamente no Mac.

            “o Jobs notóriamente deu o Mac a muitos developers (entre os quais, a Microsoft) para fazerem software para ele”
            É preciso o hardware para saber se o programa corre como deve ser, e corrigir os erros, ainda mais naquela altura em que tudo era mais limitado. Tal como actualmente é conveniente para um programador ter um iPhone se quer programar para esse dispositivo, mas não consegue programar directamente no iPhone por falta de ferramentas! E tantos outros exemplos idênticos.

          • Nelson says:

            ” Durante alguns anos, depois do lançamento, não era possível criar os programas directamente no Mac.”

            Durante quê?

            Tu ao menos sabes do que falas?

            Naqueles tempos, não era como é agora, onde tens um IDE com tudo á mão, tudo bacano, documentção, etc…

            Nesses tempos, compilavas em C e outras linguagens para Assembly, depois usavas um Assemblador para converter para código máquina, e depois enfiavas num executável lá que o Mac OS 1 usaria.

            As API’s? Não eram implementadas em software, em bibliotecas como hoje em dia!

            Eram chamadas ao sistema, em que tinhas de colocar os argumentos na stack do 68k, depois fazias umas chamadas de sistema, e aquilo corria-te coisas, como desenhar botões e etc…

            A API estava muito bem documentada em livros “Inside Macintosh”, e era por aí…

            Enfim…

            Não tem nada a ver com o iPhone, mas mesmo nada, hoje em dia, consegues programar para iPhone com o Xcode, e até consegues fazer coisas que a Apple não deixa o público em geral, usando as API’s não documentadas, é daí que sai o software Jailbreak.

            Além disso, o MDS (Macintosh Developer System) saiu no fim de 84 (o Mac saiu no início de 84), para o Mac 512K, que saiu em Setembro e custava mais 12%.

            O primeiro “IDE”, o MPW (Macintosh Programmers Workshop) foi em 85. Um ano depois…

            Onde é que estão “os anos”?

          • Nunes says:

            @ Nelson
            tanto latim e no fim dizes o que eu disse! Durante bastante tempo não havia ferramentas no Mac… Para quem estava a implicar com o Lisa por causa da programação para dizer que não contava como computador, sendo que o Lisa era usado para programar para Mac, creio que para bom entendedor…
            E sim foram anos, a ferramenta que mencionas só foi lançada em 1986 (não em 85). Até aí usavam ferramentas no Lisa!

            O paralelismo feito com o iPhone era com a situação que levantaste de a Apple dar Macintoshes aos programadores! Servia para avaliar as aplicações, tal como hoje avaliar a aplicação num iPhone é um dos passos para os programadores!
            Em lado algum fiz um paralelo com o tipo de programação naquela altura.

      • Inovation says:

        loool tanto coisa inovadora para tão pouca penetração no mercado.

        Realmente cada um vê o que quer ver.

      • André Gouveia says:

        Bom dia a todos.

        Vitor factualmente o que dizes creio ser tudo verdade se nos remetermos só e apenas a datas…
        Apartir daí concordo contigo em algumas qualificações de factos e não concordo tanto em outros.

        Mas
        E tal como já tive oportunidade de te dizer em tempos, embora eu entenda o porquê, creio que o nível de paixão que colocas no que defendes é muito alto e tornas verdades possíveis em verdades absolutas.

        Mas tal como te disse eu entendo o porquê… E a verdade é que o objetivo está conseguido… basta correr esta página por exemplo.

        Ainda assim eu não duvido muito que seja de facto aquilo em que acreditas, fazendo de ti uma pessoa feliz ao juntar o útil ao agradável.

        Aquele abraço

        • Vítor M. says:

          😀 estás enganado André, não há verdades absolutas meu caro, em nada nesta vida. São tudo verdades passíveis de serem reais, até prova em contrário. Isso não tem nada de paixão, é análise, anos a fio a olhar e ver, esquece a paixão e tudo o resto, uma mente aberta acompanha sempre a realidade factual e não a realidade imaginativa ou clubista.

      • Pedro Pisco says:

        Boas,

        Embora a grande maioria das inovações esteja correcta, apenas 2 pequenas correcções:

        Em 1993 o Newton era uma evolução sobre o Psion Série 3, mas o Psion já era um PDA na sua plenitude e embora o Newton estivesse à frente, o Psion tinha algumas funcionalidades extra, isto a fazer valer a review de uma das minhas ComputerWorld dessa época.

        Em 1998 o All-In-One da Apple, o iMac, foi realmente um grande lançamento, mas os All-In-One já tinha tido sucesso em 1984 quando a própria Apple lançou o seu Macintosh 128K (uma grande máquina que eu ainda utilizei por muitos anos) e a Compaq no inicio dos anos 90 teve um também com grande sucesso.

        Quanto ao resto é como disse.

        • Nelson says:

          Lá está, o primeiro all-in-One foi o commodore pet.

          Mas para isso, mais valia estarem quietos, por isso, o primeiro all-in-one foi o Mac de 84.

  2. Sergio J says:

    é uma linha de evolução que tem a sua lógica, mas não passam de suposições de um tipo qualquer.

    Alguém ha-de ficar perto do iphone 6. Depois essa pessoa passará a ser vista como um guru da área porque preveu como seria o iphone 6. Mas na realidade será apenas o que acertou. 🙂

    Eu tb faço suposições. Do genero achar que não serão 4.7, mas sim 4.6 (ou 4.5) porque isso obrigaria o iphone a ser mais largo, ou o vidro ir completamente até às boardas. Mas lá está, são suposições de um gajo qualquer 😀

  3. Gualter says:

    Super Feio.

  4. joao says:

    o flash regrediu, cheira me a fake.

  5. João Tavares says:

    Espero que seja mesmo assim. É mesmo feio. Hehe

  6. Luna Wolf says:

    Para quem está a dizer que é feito, não se esqueçam que isto não se trata de mais do que protótipos inacabados (que nem sequer sabemos se são mesmo verdadeiros) e não de produtos finais. E a Apple tem sempre standards muito elevados quando a design, especialmente hoje em dia. 😉

  7. Joao says:

    sou e sempre fui utilizador android, gosto mais e adapto-me melhor mas… dizer que é feio? lol..

    Acho bem bonito, tanto o tamanho como a forma, a fazer lembrar o S3 (do qual sou utilizador).

    Mas agora também tenho curiosidade em saber se o fanboys da Apple já acham este o tamanho ideal e se o do 5 deixou-o de ser.

    • Vítor M. says:

      Ó Steve 😀 essas intenções de tentar chegar primeiro não passam disso 😉 dizer que roubou mas e provar? Isso é tónico para os haters… enjoy!

    • Nunes says:

      A Xerox recebeu “dinheiro” da Apple por tudo o que a Apple usou. Quanto ao rato, a Apple adquiriu a patente original.

      • Vítor M. says:

        Obviamente. A Apple foi quem desenvolveu o rato, quem o criou, a partir de algo que era ainda pouco consistente e quem nem interface gráfica tinha ainda, ou pelo menos com o que foi feito pela Apple e comercializado, passando de uma intenção para o mercado. A Apple criou o rato.

        • Nunes says:

          A Apple não criou o rato! O que se pode dizer é que aperfeiçoou, tornando-o durável e fiável – criou um rato (não o). Tem o crédito na evolução da engenharia de construção, sem ter roubado nada!
          A Xerox já tinha uma interface gráfica, que por sinal dependia dos três botões do rato para ser funcional! No entanto, a Apple deu um grande salto no conceito da interface gráfica.

          • Vítor M. says:

            Sim sim, mas não é isso que está em causa, está o colocar no mercado, a evolução, o criar hábitos. Isso de criar “coisas” para a gaveta não traz vantagem 😉 temos visto muita gente a dizer que já tem algo assim ou assado… anos depois nunca vê luz.

            A Apple, por tudo o que fez e evoluiu o rato, a sua interface gráfica e a aplicou no dia a dia, nos seus computadores, nos seus sistemas operativos, que foram o embrião de todos os outros sistemas operativos nesses aspecto, tem o ónus da inovação, isso é inegável (está tudo devidamente arquivado na história, não faltam bons artigos a mostrar essa evolução).

            A história resume-se dessa forma, e todos sabemos o que o Steve foi fazer ao Xerox PARC e sabemos que a Xerox estava a desenvolver a sua interface gráfica. Mas faltou tudo o resto…

          • OMG says:

            “o colocar no mercado, a evolução, o criar hábitos…” é diferente de criar/inventar… ai esses conceitos!

          • Vítor M. says:

            OMG 😀 não é necessário puxares muito, entende o que te digo sobre a evolução do que existe hoje face ao que foi colocado no papel e que mesmo no papel a Apple teve há umas décadas um desempenho importante.

            Não precisas de estrear o conceito, basta que o ligues ao teu dia a dia 😉

            Andas sempre com a Apple atrás de ti, isso incomoda-te está visto!!! 😀

          • OMG says:

            Fazes-me lembrar o outro, falas, falas e não dizes nada… em vez de um site de tecnologia, experimenta um de poesia… estou a falar a sério!

      • Miguel says:

        foi ao contrário

        a Apple é que recebeu dinheiro da Xerox
        e autorização para a visita do Jobs
        em contrapartida de um generoso lote de ações

        • Nunes says:

          o lote de acções da Apple valiam dinheiro, muito dinheiro, muito mais do que o que foi em sentido contrário!
          Daí ter escrito “dinheiro”, para não entrar numa discussão acessória!
          E não houve só autorização para a visita. A Xerox acabou por licenciar muita da tecnologia à Apple.

    • Nelson says:

      Isso é estúpido, porque a Xerox estava a roubar a invenção do rato a Englebert, da SRI International.

      SJ, depois comprou a patente do rato a Englebert para a Apple, portanto, a Apple é a verdadeira dona.

      • Bacans says:

        OMG, só para teres a noção até mais ou menos até dezembro fui odiava a Apple. Comecei a ter contacto com mais aparelhos da Apple, enquanto antes só usava android’s, tinha um Galaxy S4 e um S2. Em março decidi comprar um iPod touch 5ª geração de 32 gb, e agora tenho vergonha de ter dito que a Apple era horrível, e pior, de ter gasto dinheiro em Samsung’s. É incrível como um processador dual core (como o do ipod) e 512mb de ram dão cabo de um telemóvel com um quad core e 2gb de ram. A Apple simplesmente abre portas a todas as empresas e o que elas fazem é usar as suas ideias. Acho que não devias falar sem teres usado ou dispositivo Apple, fica a dica, porque falo por experiência propria

  8. Malamen says:

    A única coisa que me atraía no iphone era o seu look arrojado. Isso nunca foi o suficiente para que quisesse comprar um mas, se perder esse look e estas imagens forem reais… meu deus…

    Agora é que não tem nada que me atraia mesmo…

    • Vítor M. says:

      😀 eu acho que sempre que sai uma imagem antes da apresentação oficial… rumor ou até mais que isso, nunca há um consenso, até porque sem o charme do acabamento final, como logo no sitio certo e tudo o mais, nada brilha como um produto final. Espera que vais ver como brilhará o novo iPhone 6 😀

  9. João Reis says:

    Os leaks/mockups deste ano são bastante feios.

    Há quem venda mockups online para voces fazerem videos ou fotos de “leaks”.

    É so ter criatividade.

    Até agora parece confirmado:

    Cantos mais arredondados
    Ecrã 4.7′ confirmado (possivelmente outra versao 5.5, não creio pessoalmente)
    Novos sensores para conectar as Apps novas de Saúde e Bem estar/workout.
    Ecrã protegido por safira, 100% anti riscos, a não ser que usem um diamante para riscar, o que duvido que aconteça a 99,9999% das pessoas.

    Pouco mais se sabe, a camara melhorada, não interessa tanto os Megapixeis, interessa sim outros factores mais importantes que hoje em dia já começam a dar valor.

    Veremos o que sai daqui, possivelmente se vier com ecra safira eu troco o meu 4S, ainda está novo mas já começa a ser curto para o que eu preciso, extra telefone.

    • Nunes says:

      há muita gente a dizer que o ecrã de 4,7 não será de Safira. Considerando que a fábrica que produz a safira ainda não está a 100%, creio que não é muito provável que esse seja o primeiro iPhone com Safira

      • João Reis says:

        Obrigado pela opinião,

        pessoalmente ficaria espantado se não viesse com isso.
        Sim conheço bem o que dizem das fábricas, mas se leres esses artigos, ou pelo menos os mais recente, dizem que com a instalação de mais máquinas/linhas de produção nessas fábricas conseguem resolver o problema.
        Também dizem que possa atrasar o modelo 5,5. Este modelo nem acredito que venha a existir, daí achar que o que tem encomendado chega para apenas um modelo iphone.

        Também te digo, se não vier agora, espero mais um ano. O meu 4S chega perfeitamente para uso diário.

        Se vier com Safira, prevejo que seja o iPhone mais vendido de sempre, por todas as razões e mais algumas. A despreocupação nos riscos de ecra, sem peliculas, e também por ser bastante mais resistente a ser partido. Só vejo vantagem e longevidade.

        Troco de telemóvel de 3 em 3 anos, e pela qualidade de materiais na gama 4 iphone, só imagino em ter outro iphone por mais 3 ou 4 anos.
        A qualidade da Marca, vale o dinheiro.

        • Nunes says:

          A questão é que o tempo é curto para que a produção cresça ao ponto de servir um lançamento em Agosto-Setembro.
          E para aumentar ainda mais o número de máquinas é preciso instalações que ainda não estão feitas.
          É esperar para ver!

          • João Reis says:

            Exacto, tens razão. Mas eles pagaram uns milhões à GTAdvanced precisamente para isso.
            Futuramente irão deixar de depender deles, mas para já o fornecimento é garantido por essa empresa. Alias compraram tudo que eles tinham de produção.

            Estas movimentações não fariam sentido se não fosse já para este ano. Até para antecipar mais uma vez a concorrência e marcar o passo como costume.

            Cumprimentos!

          • Nunes says:

            A Apple pagou à GTAdvanced para criar capacidade de produção para a Apple, mas isso não quer dizer que já tenha atingido a capacidade, pelo contrário, o volume ainda é baixo. Ao que parece a Apple ainda nem entregou todo o dinheiro, ainda falta a última fase do projecto.
            Considerando que se fala em mais do que uma versão do iPhone 6, é possível que só uma delas é que use o ecrã Safira, e que tal só apareça uns meses mais tarde – isto assumindo que é mesmo para o iPhone!

  10. João Reis says:

    Já agora que falam em mockups, deixo um video interessante. Vale tanto quanto estas fotos de mockups na noticia, que é pouco.
    Não será a este nível mas não deve andar longe.

    https://www.youtube.com/watch?v=DHo_0BVSuy0

  11. Gualter says:

    nao precisavam fazer grandes mudancas no visual, ja tava bem bonito como estava. bastava so colocar um visor de 5′ e tava feito dasss

    se for isto, as vendas vao em flash down.

  12. OMG says:

    Mais arredondado como os Samxungas!
    E um ecrã maior para quê se este tinha o “tamanho ideal”? Vão transforma-lo numa telha…
    E não vai haver uma versão 6 C(heapskate)?

  13. Benchmark do iPhone 5 says:

    Os rumores mais recentes sobre o lançamento do iPhone 6:

    – de 4.7″ em Agosto (diz a Reuters)
    – e de 5.5″ – 5.6″ em Setembro (dizem alguns)

    – E do 6C, alterando qualquer coisa no 5S ? Aqui acho que não, começava a ser muita trapalhada. Acho que não vai haver 6C.

    Acho pouco provável o phablet de 5.5″, mas se querem vender 80 milhões de iPhones 6 em 2014, sei lá.

    http://au.ibtimes.com/articles/552094/20140512/apple-inc-iphone-4-7-release-6.htm#.U3ENiPldUWY

  14. B@rão Vermelho says:

    Para mim continuo a achar o 4 o mais bonito de todos, gosto 5, odiei o 3, mas tive dois, o 3, 3GS, e também não sou particular apreciador do 5C, quanto a este por estas imagens não parece ser grande pistola, esteticamente, mas resta saber se é mesmo o futuro Iphone.

  15. Hápéle says:

    “…ecrãs de 4.7″, abandona o vídeo traseiro e torna o iPhone 6…”

    Era mesmo vídeo traseiro que queriam dizer ou vidro???

  16. SPIN says:

    Independente de quem tenha inventado ou impulsionado o quê e como, o que é certo e que esta constante “batalha” tecnológica tem-nos permitido usufruir sempre do melhor da tecnologia. A Apple sem dúvida tem dado o seu contributo e independentemente de se gostar ou não, ser bem sucedida ou não, o que fica é o mote para aparecer alguém e tentar igualar (chama-se cópia) ou melhorar (chama-se inovação).

    (Nelson), não sei se estavas a ser irónico ou não, mas o que é certo é que o Ford modelo T não foi o primeiro carro. Já existiam carros motorizados muitos anos antes de aparecer o modelo T. O Ford T apenas foi o primeiro de produção em série 😉

  17. Hugo says:

    Caramba, sou único a achar esse novo design feio?? não por ele ser parecido com o iPod Touch 5G, isso até que está bonito, mas sim pelo acabamento tipo as linhas grossas de plástico para as antenas que feio que fica, e a posição da câmara, bem que podia estar mais para o canto… e ainda por cima a câmara vai sair fora, como no iPod.. tao feio meus deus… para ser assim deixa ele mais “gordo” e aumenta o tamanho da bateria. espero que isso seja apenas um rumor… gostei do tamanho do ecrã.

  18. Fernando M. says:

    Nossa cara olha o tamanho disso sem falar no apelo ao designer chingling! Essas bordas arredondadas ae parece casca de ovo só falta bater. I alá, os caras troca o botão StandBy de lugar sem nem saber o principal motivo dele estar ali em cima. Iphone 5 vazou igual torneira de pobre agora é o 6.

    Eles estão oficializando a morte de Steve Jobs!
    Pois é partiu comprar Nokia…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.