Quantcast
PplWare Mobile

1 em cada 3 utilizadores do Android não usa bloqueio de ecrã

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Simões


  1. L. Kanbaru says:

    Lel eu não usava isso, mas com o touch id no Xperia Z5 já não me importo de perder um décimo de segundo de cada vez que preciso do telemóvel.

  2. Porreiro says:

    Eu faço parte a estatística do título da notícia. Não tenho nada no telemóvel que me preocupe. Não tenho fotos; não tenho mensagens; não tenho vídeos; não tenho cookies; não tenho sessões; não tenho histórico.

    Apenas tenho contactos.

  3. cenas says:

    Não ter código e possuir uma app/sistema que permita localizar o telemóvel e etc, aumenta as chances de se conseguir recuperar o equipamento. (Em tempos, correu pela web a história de um tipo que conseguiu recuperar o macbook)

    Quando um tlv/pc possuí código, o gajo que o rouba pega nele percebe que n pode fazer nada e tenta formatar aquilo, se n der … lixo. Contudo se n tiver código, o tipo começa logo a mexer, liga-se á rede wifi de casa e etc e tudo isto ajuda a localiza-lo.

    (Para tudo correr bem, é preciso que a malta n possua passwords guardas e logins automáticos em sites importantes) (tbm é bacano ter uma conta de gmail falsa com login automático, assim que o larápio aceder ao gmail pelo browser, fica logo lá chapado o IP do moço nos acessos) 😀

    [Óbvio que n se pode aplicar o método de n ter password, se possuem fotos *fixes* e outro material sensível no tlv, caso contrário será a devassa total]

    • M.Póvoa says:

      estás a defender que é preferível lembrar e escrever sempre diversas passwords a ter que escrever sempre uma só password que pode proteger tudo. Não é preciso alguém andar a mexer no telemóvel para ser localizável e nos dias de hoje cada vez + os ladrões sabem dos cuidados a ter com este tipo de serviços.

    • Fernando says:

      Esse Macbook recuperado foi o meu.

      Houve um “agarrado” que me partiu o vidro do carro e vendeu, o macbook, a indivíduo que achou o negócio interessante… comprou por 100€ um macbook que tinha custado, há poucos meses, cerca da 1.100€.

      Acedeu à net 3 vezes. Eu tinha o serviço de localização activado. Mas,no caso, de pouco serviu. A zona era muito povoada, apesar do erro não ser grande.

      Apanhei os IP, porque o meu macbook, assim que liga, vai verificar a existência de novos emails.

      Como dizes, foi através da monitorização do GMAIL que identifiquei os IP de acesso (para quem não sabe, experimente no canto inferior direito em “detalhes”, tem lá os últimos 10 acessos).

      Assim, tivemos de ir os 3 a Tribunal. Resultado: foram condenados.

      Acho que, o indivíduo que comprou o meu macbook, nunca mais compra nada de origem duvidosa.

      Resumindo: tive a possibilidade de apagar o conteúdo do macbook e de o recuperar. Por isso, se tivesse password de acesso, a coisa seria muito mais difícil.

  4. Boss says:

    O tempo que se perde nos desbloqueios não compensa o que se pode ganhar no caso de se perder o telemóvel; um sistema eficiente como o do iPhone é outra história e aí não teria qualquer problema em utilizar, assim, nunca usei bloqueio nenhum.

  5. Sérgio says:

    tirando o Touch ID acho uma perde de tempo meter código no telemóvel.

  6. Tiago says:

    Mas para quê? Porque vamos estar a por um código de segurança se com um wipe data do recovery limpa isso tudo? Para proteger os dados tudo bem, mas eu vejo isso como um impedimento que me fiquem com o telemóvel quando roubado

    • M.Póvoa says:

      Não é seguro que o remote wipe irá sempre funcionar, pois requer ter rede, o que deixa as pessoas parcialmente expostas a certo tipo de “atacantes”. E tendo oportunidade qualquer pessoa pode bisbilhotar num telemóvel sem password sem ter que roubar o aparelho, sem o dono se aperceber.

    • Big Boss says:

      Isso nos novos telemóveis vai deixar de ser possível com o surgimento de sensores de impressões digitais.

      Já se começa a ver em novos modelos como o Samsung Note 5 que possuem um “Reactivation Lock “, onde pede a password do Gmail antes de se poder efectuar um Factory Reset. Nem resetando o firmware é possível remover esta protecção.

      A partir do próximo Android N devera ser standard segundo previsões de alguns analista. Igualando assim o Icloud lock da concorrencia.

  7. Sergio J says:

    Eu tenho pin que só pede após 10 minutos de bloqueio

  8. Pll says:

    usar termos como Jailbroken em dispositivos android, ve-se bem para que empresa a companhia que fez este estudo joga.

  9. daiquiri says:

    não uso porque quero acreditar se um dia perder o telemovel, ele nao ter bloqueios facilita-me a vida a voltar a encontra-lo

    • Lucas says:

      Hoje em dia todos os Smartphones permitem um texto em roda-pé no ecra bloqueado. Pode-se deixar la o numero de rede fixa, nome etc.

    • JBM says:

      se tiver password também podes encontrar o aparelho.
      Não ter password não te garante que seja melhor nesse aspecto. Em certos aparelhos até reduz substancialmente a segurança dos dados

  10. Diogo says:

    E tudo isto porque é extremamente aborrecido estar sempre a meter o código, façam como eu, comprem uma mi band e assim sempre que a usarem o telemóvel está desbloqueado, ou seja para o utilizador está sempre desbloqueado mas se alguém levar o telemóvel ou se perder está bloqueado 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.