PplWare Mobile

Veículos elétricos: Uso de AVAC com o frio influencia negativamente a autonomia


Pedro Pinto

Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. José Pedro says:

    Já por isso é que muitos fabricantes (exemplo Tesla) aquecem e arrefecem a bateria activamente. E por isso é que já existem teslas com quase 1milhao de kms e ainda prontos para as curvas

    • Luis carreira says:

      e tambem há donos de teslas a queixarem-se que com o frio as portas não abrem…. é tudo relativo

    • MarioM says:

      Sim por isso é que ficou no meio da tabela. E aquele que lida melhor com o frio é o Nissan.

    • Toninho says:

      Ora viva

      Aquecer ou arrefecer activamente as baterias é preciso energia, onde a vão buscar? Só pode ser à bateria… que chatice ainda mais diminuída fica a autonomia.

      E o estudo é sobre a utilização do aquecimento/arrefecimento dos carros e não da temperatura da bateria. Todos gostamos de usar o AC do pópó quando está frio ou calor e todos sabemos que isso faz subir o consumo…

      Carros com 1 milhão de kms só os táxis em Portugal, lá fora não há disso.

    • Pedro says:

      Gostava de ver um com um milhão

    • Pedro says:

      Gostava de ver um com um milhão

    • Bruno says:

      Ca confusao que prai vai!
      O estudo fala sobre o aquecimento do interior da viatura….totalmente diferente de aquecimento o arrefecimento da bateria
      Alias para baterias ao dia de hoje so existe o arrefecimento (pois o calor tem um impacto muito maior que o frio na bateria, so abaixo de -30ºC tem impacto o que é raro o sitio onde essas temepraturas se fazem registar)
      O nissan n tem arrefecimento das baterias, so a nova tem fluxo de ar….os proximos zoe e nissan vao ter arrefecimento com liquido de refrigeracao tanto para os electricos como para os hibridos

    • Daniel says:

      Sim! Aquecer a bateria resolve o problema por completo.
      O carro aquece a bateria no inverno usando energia do…. Da…..de… Pronto, não interessa pois de certeza que não é usada energia da bateria para manter a temperatura da bateria. Sendo a Tesla deve ser para aí magia ou fusão a frio…
      Estranho é que o único modelo que apenas usa aquecimento/arrefecimento passivo da bateria foi o que menos autonomia perdeu……
      (Alguém que tenha paciência que explique física simples ao pessoal que faz os comentários pois eu não me apetece)

      • José Pedro says:

        Os fabricantes não são estúpidos. Só aquecem/arrefecem a bateria se virem que o ganho de autonomia no procedimento é superior à perda de energia nesse aquecimento.

        Quanto ao Nissan Leaf, acredito que tenha a ver com a química das baterias deles, que é manifestamente diferente da dos teslas, por exemplo. Em todo o caso o grande problema do Leaf (e falo porque tenho um) é precisamente o facto de não ter TMS.

      • Bruno says:

        Mas quem aquece a bateria??? Os principais vendedores de electricos no mercado (Nissan e Renault) com baterias la LG Chem ou AESC ou DACCU nao tem aquecimento da bateria…ponto
        O arrefecimento nem todas as baterias tem e atualmente é com ar, atraves de GMV ou circulacao do carro (depende se esta a carregar ou nao)

    • Wishmaster says:

      Estás a confundir autonomia com durabilidade…. Não tem nada a ver uma coisa com a outra… Falaste de durabilidade e o artigo fala de autonomia.
      Mas força, compra um eléctrico para andar na cidade às voltas. E depois um de combustão para fazer 400km numa velocidade decente.

  2. Filipe says:

    Mais um motivo para deixar estes meninos (carros eléctricos) marinar mais uns 10 anos, pelo menos, antes de sequer se pensar em investir.
    A implementação deles agora, foi claramente algo feito em cima do joelho por causa de interesses e cheiro a dinheiro. Apenas e só. Ainda há muitos e muitos problemas por resolver.

    • Wishmaster says:

      Também já tive e continuo a ter em parte essa opinião. Mas se não se começar a ter mercado é evoluir então não se investiga…
      Ainda assim, acho que, ou se evolui para fontes de energia que permitam produzir mais ou não vamos lá…

    • Random Webster says:

      Quem não pode investir num eléctrico sim, deve aguardar mais alguns anos.

      Quem pode investir num eléctrico sim, já pode comprar hoje um eléctrico com autonomia mais que suficiente para a maioria das deslocações diárias.

      Sim, ainda há muitos problemas para resolver. Mas se ninguém apostar nestas tecnologias e ninguém apresentar modelos que funcionem, ainda que com alguns problemas e/ou limitações como é que se financia o desenvolvimento de novas alternativas aos combustíveis fósseis?

      Os carros com motores de combustão interna demoraram décadas (pode até dizer-se mais de um século) a chegar ao ponto em que estão. Começaram por ser caros, inseguros e vistos apenas como brinquedos para pessoas ricas (paralelismo estranho!). Mas os eléctricos têm que aparecer de um dia para o outro, prontos para o mercado generalista e global, sem problemas e ainda mais baratos e seguros do que os de combustão interna? Não é de um dia para o outro, mas a meu ver estamos a caminhar a passos largos para esse futuro.

      Aguarde quem não pode. Quem pode que avance …quanto mais depressa melhor.

  3. Daniel says:

    O texto conclui que as baterias perdem autonomia com o frio e o calor.
    Contudo depois os testes são feitos com o ar condicionado ligado, assim fica-se sem saber se a perda de autonomia tem a ver com o frio ou com o ar condicionado. A té um carro a combustão perde autonomia com o ar condicionado ligado!

    De todo o modo este texto fez-me lembrar um aspeto. Qualquer carro a combustão tem capacidade para aquecer um pouco o habitáculo sem o uso de ar condicionado, os elétricos não, pelo que tem de utilizar mais ar condicionado no inverno.

  4. paulo says:

    Muita euforia com os tais carros elétricos e pouca avaliação do contra.

    • José Pedro says:

      Realmente, pouca avaliação do contra de ter poupado quase 4mil euros em gasóleo, no último ano… É chato. Para as gasolineiras.

      • unknown says:

        Então? Compraste um elétrico a custo 0? Caso contrário ainda não poupaste nada

        • José Pedro says:

          Nop, comprei dois. Um por 10mil (100-120km de autonomia), outro por 25mil (220-270 de autonomia). E ainda deduzo o IVA dele, não pago IUC, o preço das revisões são uma comédia…

          E a parte melhor? Com os 50% de impostos que tu pagaste sobre o gasóleo, eu ando aí a carregar à borla e a fazer viagens a custo 0. Realmente… Há bastantes contras nos elétricos. Para ti 🙂

          • Avelino Rosas says:

            Desde os primeiros veículos completamente electricos e condução autónoma que começaram a ser instalados em algumas unidades industriais portuguesas os (LGVs),a partir do ano 1994 ,passando pelos primeiros trezentos carros electricos PEUGEOUT lançados em Paris em 1995,tecnologicamente a evolução foi grande.Terá que se evoluir muito mais para que se possa afirmar que é barato e bom.

          • Luis carreira says:

            Nem toda a gente tem uma empresa para fazer a dedução do IVA… Quanto ao preço das revisões é relativo porque so não mudas oleo, filtro de oleo e de ar. Tudo o resto é igual… (revisões periodicas). Continuas a ter travões, transmissões, casquilhos, suspensoes, filtro de habitáculo, carregamento de AC’s… etc…

          • Bruno says:

            Luis….nao tens filtro de combustivel nao tens filtro de oleo nao tens oleo nao tens filtro de ar…so nisso ja esta menos que a metade do valor
            Se tiveres a sorte de ter um VE com travagem activa ainda poupas mais nas pastilhas….n tem comparacao o preco de revisao de VE com ICE

          • José Pedro says:

            Luís diz-me onde fazes uma revisão de um ICE de 30 em 30 mil e pagas 80€. Na marca.

      • MarioM says:

        As vezes o barato sai caro.

      • Wishmaster says:

        Quanto é que te custou o carro eléctrico?

  5. Nicolas_RS says:

    Já perguntei e pergunto de novo! Quais são essas supostas inúmeras vantagens? Demora horas para carregar uma bateria, a autonomia dos elétricos é bem inferior a dos a combustão! O preço é absurdo!

    Pra quem vai para o trabalho até compensa, mas quem anda muito… é um tiro no pé!

    • José Pedro says:

      Eu faço 200km com ele duas vezes por semana, sem problemas. Demora horas a carregar, sim: aquelas em que estou a dormir (cerca de 8h). Quando chego de manhã tenho novamente 240km para usar, pelo menos.

      Custou-me 25mil, ou seja o mesmo do que um carro qualquer da mesma gama de equipamento (câmaras 360°, navegação, propilot, etc).

      Mas eu continuo a dizer: é pá esqueçam os elétricos. Não comprem. Senão qualquer dia tenho de começar a pagar os carregamentos na rede pública, etc… É chato…

  6. MarioM says:

    E falta uma coisa de que ninguém fala.
    Como fazem a Seguradoras com os carros eléctricos que têm acidentes ?

    • Bruno says:

      Que queres saber?
      Se recuperam a bateria? os seguros de electricos podem ser com ou sem bateria assegurada (isto quando a bateria é propriedade do cliente)
      No caso de estar assegurada o preço de recuperacao transporte e diagnostico paga a seguradora
      A viatura tal qual um ICE se der para reparar repara, se nao compensa vai para abate

  7. Sujeito says:

    Título Problemático.

    Então se usar o AVAC no calor influencia positivamente a autonomia?
    Mas há alguma coisa que se use no veículo que influencie sequer a autonomia que não seja de forma negativa?

  8. António says:

    Faço entre 1500 e 2500km por semana de 5 dias… não sou taxista nem motorista de transportes pesados. tenho clientes desde Caminha até Faro. eléctrico não é solução. pior ainda, a economia assenta na base do movimento de mercadorias… ora se a nossa via férrea não transporta para a europa e ainda não existem graneleiros e porta contentores eletricos, o futuro infelizmente ainda jaz nos combustíveis fósseis. não é um pais a deslocar-se para o trabalho que movimenta a economia (estamos a falar dos serviços tugas que representam somente 15% do pib e não movimentam grande coisa a economia… são os camiões a deslocar exportações, os grande barcos a transportar mercadorias, os aviões a trazer turistas.
    Meus caros, temos de começar por algo, correto… mas matar a economia continuando neste caminho de ideologia absolutamente radical só nos vai colocar de novo em crise… continuem-se a rir com os preços do gasoleo e gasolina a subir… quando virem o preço do pão e do leite a subir em consequência disso dpeois coloquem a mão na consciência.
    Eletrico será futuro quando normalizarem o sistema de baterias em termos de encaixes e criarem o sistema de click and go, que numa area de serviço, o pack de baterias é trocado por um totalmente carregado em sistema automático a partir do chão de forma a não demorar mais de 5 minutos no processo… as baterias terão de ter 4 vezes mais autonomia.
    O motor de combustão interna será nos próximos 40 anos o dominante, quer seja a combustíveis fósseis, quer seja através do hidrogénio, que é bem mais limpo que as baterias e produz somente vapor de agua… mas é verdade, os chineses como não produzem hidrogénio para exportar e como virtualmente todos os países conseguiriam produzir a matéria prima, então não interessa… negócio das baterias… algém tem de ganhar muito dinheiro com isso e é verdade, os chineses são os donos das eletricas tugas, tanto na produção como no transporte… portanto interessa potenciar isso…
    Falemos de poluição… a produção de um carro de combustão interna polui menos a produzir que um carro eletrico… o carro eletrico para ser mais leve implica materiais compósitos… a sua manufatura provoca polui (poluição contida na fábrica, mas quem nos garante…) a extração do litium e produção de baterias, também é um risco grande para o ambiente… ninguém se lembra desse aspecto… é tudo um mar de rosas. os combustíveis fósseis têm emissões, algumas bem elevades, é certo… mas com o andar da tecnologia, com filtros de particulas e catalizadores mais avançados e anorma euro7, vamos ter veículos de série bem abaixo dos 70grms…
    isto é como tudo, existem pros e contras. temos é de ter atenção à nossa economia e fazer as coisas com conta e medida, senão daqui a meia duzia de anos estamos de novo com intervenção do fmi…

    Podem bater à vontade, mas cada um tem direito à sua opinião.

    • Wishmaster says:

      Sem contar que para ter baterias nas estações de serviço é necessário que existam tantas baterias como as que estão em milhões e milhões de automóveis……É uma quantidade de matéria-prima absolutamente absurda…

    • Random Webster says:

      > Se faz 300-500Km por dia um eléctrico pode muito bem ser solução.
      > Camiões eléctricos já existem e mais estão para aparecer nos próximos anos.
      > Barcos e aviões eléctricos já existem, de curto alcance (dezenas a poucas centenas de Km). De longo curso ainda não há previsões.
      > Como é que os eléctricos matam a economia? E como é que provocam a subida do preço dos combustíveis?
      > “as baterias terão de ter 4 vezes mais autonomia” – Porque é que temos que ter eléctricos com 1500-2000Km de autonomia?
      > E se carregar a bateria com mais 200-300Km de autonomia em menos de 10min? Já ficaria mais interessado? É que já existem sistemas que prometem fazer isso mesmo.
      > A ideia de produzir hidrogénio para alimentar motores de combustão interna que por sua vez alimentam baterias que alimentam sistemas motrizes eléctricos – o que dizer desta lógica?
      > Hidrogénio mais limpo? Onde o vai buscar? Como o armazena? Como o distribui?
      > Se os chineses são donos da electricidade de Portugal agradeça aos nossos políticos com visão estratégica microscópica.
      > Não me parece correcto dizer que a produção de um carro eléctrico seja mais prejudicial do que a produção de um carro CI. Estrutura será idêntica.
      > Sim, a extracção de alguns dos elementos que fazem parte das baterias tem riscos associados. Tal como a extração de petróleo, que serão bem maiores, mas sobre isso não interessa falar.
      > “mas com o andar da tecnologia …vamos ter veículos de série bem abaixo dos 70grms” – Emissões reais ou daquelas que só em laboratório/certificadas pelo “sistema dieselgate”. E já agora: mas com o andar da tecnologia daqui a 5 anos temos baterias sólidas que carregam em menos de 1min e que duram 50 anos.
      > “temos é de ter atenção à nossa economia e fazer as coisas com conta e medida” – Ter atenção à nossa economia e continuar a poluir sem se preocupar com as consequências. Quando elas aparecerem em força (e já se começam a notar) quero ver o que é que a economia vai fazer pelas pessoas.
      > “senão daqui a meia duzia de anos estamos de novo com intervenção do fmi” – Pode contar com isso, com ou sem eléctricos.

      > E não é bater …é debater.

  9. GARFIELD says:

    Ora bem! Não gasta nas revisões…. ao fim de 8/10 anos lá vão 5000€ ou mais para trocar as baterias porque perderam capacidade! Quem tem apartamentos sem garagem como procede?
    Isto dos carros eléctricos é muito bonito mas para o pobre rico ainda não dá! Depois com o tamanho de cada estação não estou a ver a colocarem nos passeios á porta do prédio esses monos por todo o lado. Chegará uma altura em que andarão todoas à estalada para carregar o carro, filas para carregar, etc… Ainda falta bastante para esse admirável mundo novo. Eu cá continuarei com o meu poluidor a não ser que troque de casa para uma com garagem, aí já equacionarei a compra de um eléctrico daqui a 10 anos, talvez!

  10. Adel says:

    O meu prius plug in tem pouca autonomia eléctrica 50km, mas no meu dia a dia chega. Quando acaba a bateria tenho um híbrido que consome entre os 2,8 e os 3,5l/100km. Faço cerca de 2000km mês e normalmente ando com uma média de 1,3l/100km. Se não consigo carregar a bateria na mísera de infraestrutura Eléctrica existente no nosso país, tenho um híbrido muito económico que consegue fazer mais de 1200km com um depósito, há o depósito tem somente 43l.

    • Zevaz says:

      Se bem entendi, o seu Prius plug in permite-lhe fazer, no seu dia a dia, uma média de 1,3l/100km, rodando os tais cerca de 50Km em modo eléctrico e os restantes poucos kms em modo híbrido. No Em viagens mais longas, de 100, 200, 300kms faz, então, entre os 2,8 e 3,5l/100kms? Com alguma contenção no acelerador, é certo?
      No Inverno e com muito calor não será um pouco mais?
      Seja como for, bonita média. Claro, há que ter em conta o preço do “bicho”!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.