PplWare Mobile

Também a Microsoft prevê o fim das palavras-passe no futuro


Gestora de conteúdo e de redes sociais do Pplware. Mestre em Economia, foi o fascínio pelo universo da tecnologia e da comunicação que falou mais alto.

Destaques PPLWARE

  1. Sempre atento... says:

    O único motivo pelo qual as tecnológicas e outras empresas querem acabar com as passwords é para poderem adicionar os dados biométricos (íris, impressão digital, ADN e ouros) às mega bases de dados que a NSA e outras entidades de “governos” ocultos e não eleitos e escrutinados pelo público. Destina-se a reunir o máximo de informação sobre as pessoas, de forma cada vez mais invasiva e obter o controlo total e absoluto da população, um governo totalitário e tirano, bem ao tipo de “1984”, de Geroge Orwell.
    Para ajudar, contam com a ignorância e/ou de alguns lacaios artolas que não sabem o que escrevem, porque não têm visão a longo prazo. Dêem-lhes os dados todos e depois queixem-se que são cada vez mais escravos!

    • DAMIAN says:

      lol… ha cada “kook”

    • Daniel says:

      Sim, porque quando vais fazer o CC, não te medem, não te tiram uma foto nem te tiram a impressão digital. Quando vais ao médico fazer análises não podem tirar de lá o teu ADN… entre outros.

      Usa chapéus de alumínio já agora…

    • Zaark says:

      Basicamente todos os países têm os dados dos seus cidadãos em bases de dados cuja segurança da esagadora maioria é uma… you know. Achas que a NSA não consegue obter os nossos dados dessa forma? Achas que só com a biometria vão começar a recolher essas informações? És tão atento que a base das bases te escapou.

      • nope says:

        A questão está entre saber alguma coisa e saber tudo. Talvez exista alguma diferença entre uma coisa e a outra. Não achas ? Eu, e todos nós, abdicamos de parte da nossa liberdade para viver numa sociedade moderna. A questão é, até que ponto, como sociedade, estamos dispostos a abdicar da nossa privacidade, ou que parte da nossa privacidade estamos dispostos a abdicar. E eu não ponho isto em termos de tudo ou nada, como muita gente aqui faz. Como já tihna dito antes, a verdade está algures no meio …

        • Zaark says:

          Concordo contigo na forma em que colocaste a questão, não concordo com o @Sempre atento na forma como ele colocou a questão. Ele disparou a teoria da conspiração potencialmente sem pensar, tu colocaste os argumentos claramente pensados. There’s a *huge* difference 😉

    • alguem says:

      nem mais, o poder esta no conhecimento e nos recursos… agora cada um faz o que pretender 😉

    • nope says:

      A verdade é que ninguém conhece a verdade. Entre “kooks” que acreditam em qualquer teoria da conspiração e “pseudo-geeks” que acham que a massificação destas tecnologias são inofensivas para o indivíduo, deverá estar qualquer coisa parecida com a verdade. De qualquer forma, concordo que a massificação – e é a massificação, não é o uso pontual – de tecnologias biométricas, acabarão com a privacidade como a conhecemos hoje. Sinceramente, não sei se quereria viver numa sociedade destas … e sim sim até ia viver para o Nepal, escusam de apontar o óbvio …

    • Carlos says:

      Se achas que os governos precisam disso para sacar a tua informação biométrica, incluindo o ADN, és um idiota.

      Se tens o CC ou um passaporte, os camones já têm os teus dados biométricos. Aliás, como é que achas que aquelas maquinetas no aeroporto funcionam?

      E isso não é teoria da conspiração, é a realidade.

  2. David Guerreiro says:

    O que mais aborrece nas passwords é que à medida que a complexidade das mesmas aumenta, mais fácil é esquecermo-nos das mesmas. Passwords enormes com letras, números, símbolos é facílimo errar. Daí que exista a tendência para passwords mais fáceis, com palavras comuns, mais fáceis de decorar.

  3. Realista says:

    Antigamente:
    Vilão: Diga-me a password.
    J.Bond: Não digo
    Vilao: Então é tortura…
    J.Bond: Não digo
    E não diz.

    Era moderna:
    Vilão: Diga-me a password
    J.Bond: Não digo
    Vilão: “Estica o dedo ao soldado” password aceite.

  4. Miguel Sousa says:

    Não se esqueçam que a Microsoft também se juntou à Apple no anúncio que os PC estavam mortos e os tablets-telemóveis-phablets dominariam mais de 90% do mercado mundial de equipamentos informáticos em 2014… e viram o desastre que foi o windows 8.

    Deviam era olhar para o que se passa no Japão, onde os smartphones já perderam quase 89% do mercado que tinham conquistado. Ao ponto dos japoneses andarem a comprar telemóveis que o mercado americano já não absorve, porque só vendem smartphones.
    A opção da microsoft de vender telemóveis com baterias que duram muito tempo, é muito mais eficaz e dará mais lucros a longo prazo do que andar com estas ideias… onde já perderam muito dinheiro.

    • RootMAXX says:

      É!

      Vamos voltar aos PC’s com DOS.

      • nope says:

        Mas é claro que não, vão-se todos transformar em ábacos. Oh pá …

        Para o RootMAXX não há cinzentos. Ou é preto, ou é branco. Polarizar o argumento é uma forma de conforto quando não se tem a inteligência de se questionar se realmente existem mais possibilidades. Mas, tudo bem, é bem mais fácil viver na ignorância …

    • Carlos says:

      Acho que estás a fazer confusão.
      A Microsoft NUNCA disse que os PCs estavam mortos. Nem podia, visto que o grosso de receitas da Microsoft vêm da venda de software para PCs.
      Que a Apple tenha dito isso (e não acredito que o tenha feito alguma fez) até faz algum sentido porque o grosso das receitas da Apple vêm da venda de iPhones.

  5. Joao says:

    Não acho que as senhas acabem, apenas que podem vir a ser reduzidas a apenas uma ou duas.

    O sistema que me agrada é o SQRL (https://www.grc.com/sqrl/sqrl.htm), pois é gratuito, livre para qualquer um implementar, não está dependente de terceiros na parte da autenticação… somente a própria pessoa e o sistema remoto é que estão envolvidos… baseado em chave pública/ privada Curve25519. É fácil imaginar tal sistema expandir-se para o mundo fora da Internet.

    Em teoria não é preciso usar qualquer senha para se identificar perante o programa que usa a chave privada, embora o criador do protocolo recomende que todos usem senha por operação para impedir que terceiros se possam autenticar por si se por exemplo emprestar um smartphone desbloqueado, com o programa instalado, para a outra pessoa fazer uma chamada ou coisa parecida… ou se estiver instalado no computador e se ausentar por alguns minutos ninguém possa aproveitar para entrar em alguma conta sua (sem saber a senha) (acho que os mais jovens certamente já muitos fizeram isso a outros ou já lhes fizeram isso).

    • Filipe Coelho says:

      O OpenID é outra alternativa mais famosa. Mas o problema disso é que tens 1 e 1 só senha, se alguém a obtiver, tem acesso a tudo o que é teu…

      • Joao says:

        São totalmente diferentes.
        OpenID depende de terceiros, o SQRL não envolve terceiros! É uma relação directa entre a pessoa e o servidor onde quer aceder sem terceiros envolvidos na operação, da mesma forma que o sistema de utilizador e senha, que é o que o SQRL substitui.

        Se alguém obter a chave privada que é o que a senha (se a pessoa colocar uma) protege os outros só podem aceder à conta.
        Se quem aplicar o protocolo o cumprir, a pessoa legítima pode, uma vez que descubra esse furto/ roubo, bloquear a utilização dos outros da sua chave privada em web sites onde a utiliza, e substituir por uma nova, recorrendo a uma senha especial que só é exibida a primeira vez que se cria a chave privada. Tudo a partir directamente do programa ou aplicação que utilizar para autenticar-se via protocolo SQRL… por isso nem tem de andar à procura em cada web site, basta aceder ao web site, escolher o método SQRL e no programa que utilizar bloqueia e/ ou remove a chave antiga por uma nova para cada conta afectada nesse web site.

        Por isso sim, podem roubar a chave privada (espera-se que não), mas se roubarem só podem aceder à conta, e o utilizador legítimo pode bloquear o acesso à conta e pode mudar a chave que protege a conta, sem que quem roubou a chave original o possa fazer pois teria de saber o código especial que só foi exibido uma vez quando se criou originalmente a chave.

        Muito mais informação sobre isto pode ser encontrada no web site do autor (em inglês)… ou por exemplo aqui: http://sqrl.pl/guide/ também em inglês mas ilustrado… não deixa de ser técnico mas talvez seja um pouco mais fácil de compreender.

        Um vídeo (inglês) onde o autor explica o conceito aqui: https://youtu.be/PtfFwOYxCnc?t=5m14s

  6. Pedro Ferreira says:

    Mas ninguém se lembra que o “amigo” Sócrates forneceu há uns anos atrás todos os dados biométricos dos portugueses ao governo americano num esforço de colaboração para o combate ao terrorismo? Afinal esles querem é só actuaizar os dados. Mais nada!

    • Carlos says:

      Tchh… É cada um que parecem dois.

      Não sabia que o Sócrates era um gajo assim tão importante que conseguiu obrigar a União Europeia a fazer um acordo de partilha de informação com os EUA.

      É como o Coelho que se não fosse ele não tinha havido acordo com a Grécia, né?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.