PplWare Mobile

Será que algum dia o Ubuntu poderá alcançar o Windows?


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. Joao says:

    Nao existe nenhuma concorrência, mas sim opiniões.
    Cada SO tem a sua “especialidade”, que se alcança melhor às necessidades de cada pessoa.

    • Kalebe Souza says:

      Pessoal! Sou BR e meu comentário vai para todos! Vou brincar com voces blz? #Estou entediado. rsrs
      Quero que resolvam a seguinte situação: Eu não jogo nenhum jogo! Tente me convencer a usar Windows! Lançado o desafio. vcs conseguem me convencer a usar Windows???

  2. Christian Nogueira de Faria says:

    NÃO

    • Homo Erectíssimo says:

      Eh,eh,entendo o uso do teu caps lock,”Christian Nogueira de Faria”. 🙂 Para mim,também é um redundante e óbvio não.O Windows é o melhor sistema operativo que existe,mas de longe !! Perguntem vocês a um simples utilizador de informática a ver se ele sabe trabalhar com o Ubuntu,com Linux,e outros sistemas derivados,e vejam qual será a sua resposta.Trabalhar com comandos e por aí fora ?? Não,muito obrigado.Eu estou neste momento com o Windows 10 e ando maravilhado.Já experimentei uma vez uma distribuição Linux em dual-boot no meu PC e aborreci-me tanto que passado 1 dia desinstalei-a de imediato.Já tive Windows XP,Windows Vista,Windows 7,o Windows 8(e posterior Windows 8.1),e estou neste momento,como já supracitei,no Windows 10.Nunca experimentei os sistemas operativos da Apple,mas isso é por uma questão de não ter guito para comprar sequer qualquer aparelho deles.Tenho dito. 🙂

      • Jr says:

        E quem disse que a sua experiência é o que vale para todos? Sendo assim, eu, depois que conheci o Linux não uso mais Windows faz anos. E, ao contrário do que vc pensa não se faz necessário usar os comandos. Da pra fazer tudo através de ‘janelas’, do jeito que vc gosta. Quem usa os comandos é pq nessa alternativa dá pra fazer tudo muito mais rápido. 😉

        • N'uno says:

          Nem mais, Jr. Para mim conhecimento de um sistema apenas não é propriamente grande experiência. Não para tecer comparações redutoras como esta…

      • N'uno says:

        Um simples utilizador de informática apenas sabe trabalhar com a aplicação do seu trabalho, para a qual provavelmente teve formação… Conheço pessoalmente o drama de quem não usava computador e teve que começar a fazê-lo profissionalmente. Neste caso, mesmo sendo o fantástico e tão simples Windows, a dificuldade foi mais do que muita! Resumidamente, para quem quer aprender tanto dá um sistema como outro, e não me limito aos dois aqui discutidos (há bem mais sistemas que Windows e Linux). Não merecem crédito afirmações do tipo “é o melhor de todos”. Cada um sabe de si.
        Ilustro com o meu caso: Sou da geração do ZX81, Spectrum, Atari, Commodore, Acorn BBC, Apple 2C, IBM XT, IBM AT e por aí adiante. Explorei todos estes sistemas por dentro e por fora (desenvolvimento software e micro-electrónica), e vi nascer o “Windows 1.0” enquanto já brincava com Unix na universidade. Sempre trabalhei em Windows, e dou-lhe o mérito de se ter afirmado a ponto de ser o “holy grail” para muitos:”PC é Windows, ponto”. Ainda hoje tenho que trabalhar nesse ambiente, a nível corporativo. No entanto, a minha preferência vai para Linux. O meu negócio usa Linux e não sente falta do Windows. Radicalismos de quem não tem experiência noutras realidades é, para mim, fanatismo ignorante.

        • Gil says:

          Nuno, não vale a pensa continuar esta discussão. Apenas as pessoas como nós entendem o que é o linux. Para os outros é mais uma versão barata do windows ou do OSX. Não chegam lá…. dizem que este sistema é melhor do que aquele sem saber exactamente o que é o Linux ou serem verdadeiros conhecedores da esperiência que é, do ponto de vista de um utilizador interessado, aprender a utilizar e utilizar o Linux, com as suas vantagens e desvantagens (e são muitas, sem dúvidas). Não se aprende linux em poucos dias ou meses. Leva anos…. a aprender e compreender o conceito associado.
          Eu deteste este tipo de discussão… não vou dizer que um ford focus com caixa automática é melhor que um 911 carrera, porque no caso do segundo tenho uma caixa manual e sinto um coice de cada vez que aperto o acelerador, só porque no caso do primeiro a condução é mais fácil e suave. Em boa verdade, tanto me faz que as pessoas gostem ou não do linux. A única razão pela qual gostaria de subíssemos o número de utilizadores prende-se com o facto de virmos a ter melhores drivers ou mais algum suporte para determinado hardware ou periféricos. Apenas isso, o resto pouco me importa.
          Gostei dos teus comentários anteriores sobre este assunto, mas acho que está na hora de os deixares levar a bicicleta. Esta é uma luta perdida, até porque para cada utilizador de Linux neste fórum deves ter uns 100 utilizadores de windows ou “OS Crap for sheep”. Um abraço!

          • N'uno says:

            Certo, neste último até me permiti alongar mais um pouco, pensando ser o último! 🙂
            Obrigado. Abraço!

        • Glaydson Alves de Moraes says:

          Concordo com o Nuno, mas há de convir que a idéia de usar o SO como desktop ainda é muito nova para o Linux pois o minix foi desenvolvido basicamente para usuários avançados e sem interface gráfica alguma. O que está começando a pesar para empresas é o custo/licenciamento de software. O fato de as distribuições de linux serem totalmente free pode levar a uma nova ideologia dentro de empresas. Dificuldade de utilização dos SO existe em qualquer aprendizado como o amigo disse, pra mim no início de meu contato com windows também foi muito difícil de usar a parte gráfica (por incrível que pareça) para manipular arquivos e pastas (sempre havia feito via prompt) mas logicamente depois fui me habituando, e usar ambientes de programação então (TC, PASCAL, CLIPPER etc), com o linux foi mais fácil um pouco pois a ideia de ambiente gráfico já estava implementada, mas houve necessidade de estudar a distribuição de arquivos e diretórios do sistema. Acho que hoje a maioria das pessoas quer sentar na frente do computador e utilizar apenas mas ler um pouco faz toda a diferença no utilizar os sistemas.

      • LMF says:

        a sua opiniao vale o que vale. como tecnico de informatica n me revejo no que escrevei, e “experimentei uma vez uma distribuição Linux em dual-boot no meu PC e aborreci-me tanto que passado 1 dia desinstalei-a de imediato” ou o senhor não sabia o que estava a fazer ou experimentou uma distro errada para si, o que demonstra que n sabia o que estava a fazer, já testei varias distros e em todas elas perco um dia no minimo a testar e a ver as suas opçoes de costumização sem me aborrecer.

      • Augusto says:

        Se eu usasse Windows tinha de fazer 10 rebouts por dia devido à fraca gestão de memória. No entanto reconheço que o win10 está melhor.

      • RubenS says:

        Praticamente nem experimentaste. Apenas completo se é para jogares deixa de lado o Linux, mas se é para usar no dia a dia como um utilizador caseiro então digo que nem o experimentaste para estares a opiniar.

      • Vando says:

        A questão não é procurar um técnico e perguntar qual sistema ele tem preferência, o problema do brasileiro é cultural.

  3. Duke says:

    Ainda não chegaram sequer ao OSx já estão a pensar no Windows?! Epá… isso é que é meter a fasquia bem lá no topo!!

    • paulo g. says:

      Sempre se pensou nisso… o difícil é fazer algo sem marketing e que não se vende. Digo isso, porque se vamos a uma loja não vamos comprar, por exemplo LibreOffice, porque não se pode, logo impinge-se o M$Office e assim a loja ganha a sua percentagem. O mesmo se passa com o impo$to do ruim.

      • Duke says:

        Porque é que te haviam de “impingir” o Libre Office numa loja se é grátis?! Não faz sentido, pois não?

        • Xinuo says:

          As lojas de aplicativos das diversas plataformas, possuem app grátis.

          Entendo que o conceito de loja e venda é forte, mas no mundo do software é até comum ter software grátis, visto que não é um bem tangível e fácil de obter cópias.

          • Duke says:

            Sim, mas porque é que a loja te ia “vender” um Office grátis?
            Se a loja ganha com a venda de software pago, porque é que te vai dar um office grátis?!

            Claro que há muito software grátis, mas não são as lojas que o têm de promover.

          • Leonardo says:

            Não se vende o software propriamente dito e sim a embalagem ou CDs de instalação, mas mesmo assim seria algo bem simbólico.

          • Daniel says:

            Duke, fidelização dos clientes. Embora que em informática seja algo “complicado” pois compras um computador e não te preocupas durante uns anos, no entanto eu vou sempre às mesmas lojas comprar os componentes quando monto novo pc (ou faço upgrades), e quando me pedem opinião eu aconselho essas lojas pelo bom serviço e/ou preço… tivesse eu uma má experiência ou sentir que estou a ser enganado em qualquer uma delas e deixaria de lá ir e além de não aconselhar ainda faço lobby para que não comprem lá e conto a minha experência (e posso dizer que há em Lisboa duas casas bem conhecidas que simplesmente deixei de comprar coisas por trafulhices deles por meros 10 ou 20 euros, num por troca de equipamento – que eles sabiam ser incompativel e não avisaram – e na altura de retificar a compra descontaram a descida de preço/promoção que fizeram de um dia para o outro – nem me quis chatear, aceitei e disse-lhes para fazerem bom proveito, que tinham ganho uma pessoa a fazer marketing negativo em relação a eles; na outra por trocarem as ventoinhas silenciosas de uma caixa atx, o produto era mesmo caixa+ventoinhas, por ventoinhas normais e ganharem uns trocos com a diferença na venda das silenciosas).

            E com isso falo-te da compra do híbrido da minha mãe: o uso que ela dá ao computador é ler umas notícias, ler mail, jogar solitaire ou outro joguinho, ir ao facebook, usar skype e pouco mais. Quando a “office” a única necessidade que tem é para abrir um doc ou ppt de x em vez que lhe chega por mail, nem precisa de alterar nada e como tal basta as apps grátis do office (as do office mobile que existe na windows store, sem subscrição). Não é que na loja queriam impingir uma subscrição do office? Até usaram o argumento de “ah, mas e depois os documentos excel de simulação de impostos?!”… ridículo… virámos costas, saímos da loja sem sequer dar resposta ao rapaz (efectivamente cortamos a conversa por ali e nem ai nem ui), “arrastamos” a minha mãe para outra loja e compramos o que queriamos. Conclusão: a outra loja perdeu uma venda, mas não tenho dúvidas que haja tolos que caiam.

    • Glaydson Alves de Moraes says:

      OSx?? Amigo, acorda pra vida nem o Windows chegou perto do OSx! Uma arquitetura muito mais estável que o Windows e que é amplamente utilizada em empresas de publicidade pois é muito potente e eficiente para tratar mídias.

      • bruno says:

        “Amigo, acorda pra vida nem o Windows chegou perto do OSx”
        O windows possui cerca +90% do mercado global de Sistemas Operativos, sendo o Windows 7 ainda com a maior fatia.

        • VC says:

          O windows 90% mercado é falso! Isso é uma análise à anos 90!.

          Um sistema operativo hoje em dia não é apenas que está instalado em um computador…o Ubuntu (ou Linux) é muito mais que isso… estás a comparar Windows (Desktop) com Ubuntu(Desktop, áreas da Cloud, Internet of Things, segmento automóvel, switches, equipamentos móveis, o próprio Android, etc,etc,etc)… Com estes dados o windows nem a metade chega dos equipamentos todos que existem com Ubuntu ou Linux como lhe quiseres chamar… O Linux e a grande potencialidade dele, é poderes fazer dele o que quiseres… Isto são factos!

      • fernandovsky says:

        hehehe, mete mais tabaco nisso 🙂

      • Duke says:

        Não sei o que estás a fumar, mas já partilhavas com a malta! Essa é da boa!

      • zecolmeia says:

        isto dá um bom meme para o 9gag! ahahahaha

    • Deadpool says:

      Ninguém pensou! Falou-se em será que.

  4. Miguel says:

    Não gosto da interface Unity do Ubuntu, nem tão pouco de ser necessário um curso de gestão de redes e outro de engenharia informática com 5 anos de componente prática simplesmente para ter som em condições configurando o alsamixer…

    Ainda no mês passado instalei Ubuntu, Mint, Elementary, puppyLinux e esquece, não vale a pena. Porque raio um ficheiro fica em /mnt e tem outro para /media?!?! Detesto isso tanto no Linux como no Android, sempre que quero buscar um ficheiro é preciso percorrer as pastas todas, pois não tem uma logica coerente.

    Linux tem um sistema de ficheiros que parece o sistema americano de quantificação.

    • Miguel says:

      Mais, ao instalar o Linux no disco aquilo cria partições: DEV; SWAP; EXT4… wtf?!?!?!?!
      É muito difícil criar uma partição com X Gb em vez de meia dúzia?!

      Quero alocar o disco com 250Gb apenas para ficheiros média, fica-se a olhar para as partições.

      • Miguel says:

        Instalar um software qualquer onde não exista gestor de pacotes = vamos lá abrir o terminal e digitar umas dezenas de linhas de código…

        Por amor de deus!

        • Miguel says:

          Outra do Linux:

          Quero obter três ficheiros de um software que se encontra instalado no sistema:
          – um ficheiro de um plug in;
          – o logo do ícone;
          – o executável.

          Para isso tenho que ir a /usr e depois:

          /Bin para o executável;
          /lib para o plugin
          /share para o ícone

          Por amor da santa, não pode estar tudo na mesma pasta como no Windows em C:\PROGRAMAS\programa X?!

          Tanto no meu telemóvel, tablet ou pc:
          C:\PROGRAMAS\programa X

          É difícil?

          Linux e Windows é como comparar o sistema métrico com o sistema imperial… conseguem fazer a mesma coisa, mas o Windows é mais simples, prático eficaz e por causa disso mais usado em todo o mundo!

          • Glaydson Alves de Moraes says:

            Amigos, não entendi o questionamento… Bom pra começar quem acha que os softwares do Windows guardam tudo na mesma pasta, sinto lhes informar, mas tem vários arquivos (libs, plugins, etc) em Windows e em System32, as vezes em system, as vezes em pastas de programas específicas do usuário (pra tirar a prova, basta copiar a pasta de instalação e tentar rodar em outro micro que não tenha o software instalado). Quanto a engenharia para configurar o audio, hoje não está mais assim a coisa, e também sabemos que o Windows, mesmo tendo uma equipe maior, sendo pago, tendo muito mais tempo de mercado, etc, ainda tem problemas grotescos como por exemplo a configuração de um modem 3g, que pode trazer muuuuita dor de cabeça, desligamentos espontâneos, etc. Acho sim que o Ubuntu pode alcançar o Windows pois apesar de ser relativamente novo tem muita coisa que funciona muito melhor que no windows; tanto é que o windows já copiou algumas coisas de interface e também de sistema.

          • Xinuo says:

            Se alguém faz um programa pode colocá-lo aonde quiser, da maneira que achar melhor.

            Quanto ao software que integrado ao S.O. eles têm sua própria lógica de instalação, se não vais lidar com os softwares específicos, qual o motivo da reclamação.

            Existem outras distribuições Linux que organizam o software em pastas separadas. Uma coisa boa com o mundo open source é que existem diversas opções, basta procurar.

          • Miguel says:

            Certo, isto está tudo certo, mas a norma é c:/programas e siga para bingo, está lá praticamente tudo.

            Quanto ao 3G nunca tive problemas (nem em Linux, nem em Windows) é sempre ligar e siga.

            Agora adaptar-me ao Linux e onde estão as coisas e para além disso ter que saber mil e uma linhas de código para fazer as coisas = esquece!

            Prefiro um Windows Pirata do que um Linux Oferecido.

          • Joao says:

            Nao existem normas, essa é a pasta do Windows…

          • Filipe Coelho says:

            Miguel, no Windows também não está tudo em C:\Programas\…, tens ficheiros também em C:\ProgramData\, C:\User\Username\AppData\Roaming, C:\User\Username\AppData\Local, C:\User\Username\AppData\LocalLow e ainda um monte de configurações no registry que muitas vezes ficam espalhados por aí a ocupar espaço quando as aplicações são desinstaladas. Acho que só estás a querer arranjar problemas sem sentido. O Windows pode parecer mais simples mas não é nem de longe nem de perto um SO perfeito. Nem ele, nem nenhum.

          • Miguel says:

            O Windows não é perfeito, se fosse perfeito não era necessário mais nenhuma versão. 🙂

            Mas é, para o utilizador comum como eu, o mais simples e prático de usar.

          • Leandro Vieira says:

            Porque mais de um programa pode usar a mesma biblioteca… Se vc instalar um programa em Python, por exemplo, não precisa instalar o python de novo, e assim vai…. Já o windows, a maioria dos programas vem com dependências sanadas, a um custo de grandes pacotes….

        • ZéZé says:

          Instalei o programa do IRS… não precisei de ir à linha de comandos…

        • Pedro says:

          É bem verdade. Mais ainda – cada versão do Linux usa um sistema de diretorias diferente. Quere-se comfigurar o Apache – se for no Debian as diretorias são umas, se for red hat são outras… Por vezes é desesperante. Queres dar uma formação em Linux, se cada um levar uma máquina diferente vais passar mais tempo à procura das diretorias do que de outra coisa.
          No windows consegue-se fazer uma instalação facilmente. No linux raramente se consegue sem linha de comando e quando temos de andar a compilar makefiles que dão erros, editar os ficheiros .h em C… Realmente não é para um utilizador comum.
          A verdade é que o OSx é contruido em cima de BSD e funciona muito bem. Se não houvesse tanta dispersão de energia entre as várias versões de linux, gestores de janelas, etc. e houvesse maior enfoque, certamente seria o melhor SO de sempre.

      • ZéZé says:

        A Swap tem uma razão de ser, assim como o /dev

        Aquilo que tu te queixas, é um dos motivos pelo qual eu prefiro usar linux. PS é possivel alojar media em Ext4 sem swap nem /dev como é obvio.

        • Miguel says:

          ??!?!?!

          Simplicidade também tem uma razão de ser… eu pelo menos ainda não entendi para que servem as duas coisas. A learning curve no Linux é demasiado grande para o utilizador comum como eu.

          (Sim, e já testei Linux à muitos anos atrás e está melhor mas mesmo assim a uma distância enorme da simplicidade do Windows)

          • N'uno says:

            Sim, sim, simplicidade. Eu chamo-lhe mais ignorância! Os sistemas estão cada vez mais complexos, e uma maneira fácil de esconder esta complexidade é simplificar, mas só aparentemente, pois a simplificação é feita à base de demasiadas opções desconhecidas do comum utilizador. Mesmo que se apresente uma janela ao utilizador para ele fazer next/next, por baixo muita coisa acontece. Não será necessário saber o quê nem porquê, mas dá muito jeito e, acima de tudo, poder!

          • Miguel says:

            Pois, é o que eu referi no post inicial: É preciso ter um curso de engenharia e outro de redes.

            Essa “ignorância” é o mesmo que afirmares que para conduzir um carro também é necessário saber o que são injetores ou siglas como cdti, gti, tdi e afins…

          • N'uno says:

            Aproveitando a tua sugestão de analogia, sim, para conduzir um carro não necessito de saber o que são essas coisas todas, mas quando acende uma luz do computador de bordo é conveniente saber, não? É por essas e por outras que muita gente gripa motores… Já essas coisas, invertendo a analogia, corresponderão a teres que saber o que é o logotipo do windows, ou a etiqueta “intel inside”, não?

          • Miguel says:

            O meu carro, só acende UMA luz quando necessita de alguma coisa, o que, pela analogia, não sei conduzir nem devo conduzir este carro que possuo.

            Aliás carros anteriores a 1985 sem sensores não devem ser conduzidos de todo uma vez que não apresentam qualquer aviso!

            Ou então significa que até existirem luzes indicadoras ninguém saberia conduzir nem deveria o fazer para não gripar o motor.

            Poupa-me…

          • N'uno says:

            Já não estás a seguir um raciocínio lógico… O que tem a quantidade de luzes e a razão de ser de acenderem a ver com isto? Mas fico contente que pelo menos a “intel inside” não rebateste.
            Não vou continuar esta linha de pensamento. Acho que já explanei o meu ponto suficientemente.

          • Daniel says:

            Aí é que está, linux é simples desde que tenhas conhecimento básico.

            É normal que se queres ignorar todo o conhecimento que necessitas ter para usa-lo a um nível mais baixo, em que passas logo para uma camada de abstração bem maior, em que “por magia” já tens pacotes compilados e prontos a instalar via um gestor de pacotes, quando confrontado com um nível mais baixo aches que é “um bicho de 7 cabeças impossível”, mas isso é porque não sabes o que estás a fazer nem para onde te virar.

            Eu quanto a isso estou como o ZéZé, aquilo do que te queixas é precisamente o motivo pelo qual eu gosto de linux, como não tenho necessidade de todo o overhead e camadas de abstração (ou simples eye candy) o linux é-me perfeito para os usos que lhe dou. Mas cuidado, isto não é uma crítica a dizer que devas ir a um nível mais baixo no uso de linux, digo sim que o uso que dás a informática não te interessa ir mais baixo, mas isso não dá razão para dizer que tenha de ser assim para todos. Pensa desta forma: é como ser destro ou sinistro (canhoto): usas o que te dá jeito, quando não há ferramentas feitas para ti então ou reclamas para que haja ou metes mãos à obra e tratas de as fazer.

      • Xinuo says:

        O SO têm que está instalado em algum lugar, não é? A partição de SWAP é opcional, principalmente para quem têm muita memória RAM. Se não gosta da forma como o SO particiona o seu disco, então na instalação peça para definir o particionamento do seu jeito. EXT4 é um tipo de partição que não é reconhecida pelo Windows nativamente, mas se não gosta existem programas que instalam o Ubuntu (ou outro SO semelhante) na partição do Windows, configurando o Boot Loader do Windows para carregar o Ubuntu.

        E agora haverá um método mais fácil ainda e que permitirá rodar em paralelo o Windows e subsistemas do Ubuntu, daí não ver se necessário particionar nada.

      • Miguel Porto says:

        Viva
        Também podes fazer uma só partição em linux.
        Curiosamente o windows cria 2, boot e sistema

    • Xinuo says:

      Hoje em dia para mim é raro o hardware onde se tenha que fazer malabarismos para que funcione. Talvez seja sorte minha onde tudo é reconhecido e raras vezes eu tenho que instalar algo a mais, como no caso de um teclado sem fio que tenho.

      • Miguel says:

        Teclado!!

        Outro problema que já tenho à anos e é independente do teclado que use… (já testei com dezenas)

        O Raio do Caps é lento e quando escrevo acabo por ficar com duas letras maiúsculas no inicio da frase!! Este problema, para mim tem ANOS…

        • N'uno says:

          Isso é certamente uma questão de configuração. Mas estranho que alguém use o CAPS para tornar maiúscula a primeira letra de uma frase. Não tens a tecla “shift”?

          • Miguel says:

            Uso o caps para colocar em maiúsculas qualquer letra… é para isso que ela serve exclusivamente, já o shift serve para maiúsculas como para os caracteres especiais. Por uma questão de habito uso o caps mas ele sempre causou problemas com Linux numa coisa tão básica como escrever um documento.

        • Mario Junior says:

          Eu achava que era apenas eu que tinha esse problema com o caps lock.

          • Miguel says:

            Há mais gente, pelo menos à uma década havia mais gente a queixar-se do mesmo. E até encontrei uma solução num fórum dedicado ao Ubuntu à uns anos atrás, mas passava por alterar o esquema do teclado – pela consola claro está – e com bastantes linhas de código pelo meio.

            Fiz uma vez e resultou, depois esqueci do comando (quem fixa essas coisas?!).

          • N'uno says:

            Hoje em dia há coisas como o Evernote que memorizam por nós! 🙂

          • Miguel says:

            Não estou ligado às tecnologias, tenho o OneNote e uso-o para questões profissionais e pessoais, não para andar a escrever cabulas de código linux.

            Se calhar deveria ter o Evernote apontado também os códigos do comando universal da minha TV para não me esquecer assim como os códigos de erro do meu fogão, micro-ondas assim como do carro…

          • N'uno says:

            Talvez, dependendo do grau de paranóia.

        • Xinuo says:

          Não uso Ubuntu, uso o Fedora, uma distro patrocinada pela RedHat. Fiz aqui um teste para escrever isto:

          AaAaAaAaAaAaAaAaAaAaAaAaA

          Não houve nenhum problema, fiz rapidamente e não obtive nenhum erro, mas creio que o mais indicado é usar a tecla SHIFT para casos comuns. A sequência que testei colocando um dedo no CAPS Lock e outro na letra A, prova que não há atrasos e tudo funciona corretamente e rapidamente.

          Por outro lado tentando com a tecla SHIFT, me atrapalhei e cometi vários erros. 🙁 Mas, como disse, em casos comuns: só a primeira letra de uma frase é que está em maiúscula, então o uso do CAPS Lock não compensa, visto que será necessário 3 toques, seis movimentos (apertar e soltar cada uma das teclas), ou passo que com o SHIFT, bastariam 2 teclas, 4 movimentos.

    • Oscar says:

      O sistema é simples, você que está complicando aí. Vou usar o Ubuntu como exemplo: /media é o ponto de montagem automático, quando você conecta um dispositivo USB ele logo é montado em /media. O Nautilus cria um atalho rápido no menu a esquerda pra você entrar no diretório e o Unity também cria um atalho no Launcher. /mnt é como uma sugestão de diretório para você montar manualmente um dispositivo ou uma partição, não precisa mexer nele se não quiser. Os diretórios seguem o padrão FHS e deixam o sistema muito mais organizado, flexível e personalizável.

  5. bruno says:

    Não.
    E não tem sentindo nenhum comprar o Windows com o Ubuntu, estes SO tem publico muito diferente.
    O Ubuntu não é um SO para o público em geral é um SO para pessoas e trabalhos mais em especifico.

    O Windows é para quem trabalhar EM o computadores
    O Linux/Ubuntu é para quem trabalha COM o compuator

    • Tony says:

      Totalmente errado!

    • Tony says:

      Se trabalhasses em informática em empresas de média/grande dimensão com variadíssimas aplicações e requisitos, não dirias isso. Precisavas dos dois sistemas e para fazeres as duas coisas que mencionas em cada um deles. E ter os dois sistemas ligados ao mesmo file system em simultaneo, é mesmo muito bom.

      • Xinuo says:

        Grande empresas, como a que me emprega atualmente, possuem muita especialização. Eu trabalho só com servidores GNU/Linux e o meu S.O. na estação tb é o mesmo, raramente preciso acessar servidores Windows.

    • Tony says:

      Uma coisa é a guerra Apple/Android/Windows e desktop a nível pessoal
      Outra é a nível empresarial e profissional, todos os sistemas são importantes e complementares

  6. Roque says:

    Penso que a estratégia deles não passa pelo mercado domestico dominado pelo windows, basta ver o que eles andam a fazer , por outro lado o mercado domestico e mesmo o empresarial esta em declínio já a vários anos .. penso que não é por ai que eles “queriam ir” …

    • Tony says:

      Completamente errado, quer se verificares empresas, quer se verificares os números disponíveis por rankings na internet e várias agências umas mais outras menos conhecidas

  7. jesus jones says:

    Ainda estão nas bolas do pai e já querem ser adultos pffffff

    • paulo g. says:

      20 anos de linux não chegam?

    • Roque says:

      desculpa-me , esse feedback que tens do linux … mostra que tens usado muito pouco linux , e não estou a falar somente do Ubuntu , o MINT é “poderoso” , arch … o Manjaro ( arch) ( extremamente rápido e robusto ) … o numero de utilizadores de linux no mercado domestico é “peanuts” ….

  8. Luis Cabral says:

    Sou o único que acha as cores standard do ubuntu pouco apelativas?

  9. RubenS says:

    Ubuntu so nao evolui mais por causa das pessoas. Felizmente ha cada vez mais empresas a utilizar este excelente SO. O proximo passo sera no gaming, ai sim este SO ira atingir um patamar diferente que fara as pessoas domesticas o utilizar e depois conversamos.

  10. ZéZé says:

    O Linux é tão melhor em alguns aspectos técnicos que o windows, só é pena o utilizador comum não fazer ideia das potencialidades do mesmo. Algum utilizador windows a titulo de exemplo sabe a diferença entre o NTFS e o Ext4 ? Muito poucos.. e este é só um exemplo.

    • Xinuo says:

      Eu diria mais, a maioria dos utilizadores não saberá nem mesmo o que é FAT ou NTFS, que dirá a diferença entre elas, ficando pior o caso que tu citas, onde o EXT4 nem é de conhecimento do Windows.

      • Miguel says:

        É requisito obrigatório saber o que isso é para usar um computador pessoal?

        • N'uno says:

          Nos dias de hoje, cada vez mais, quanto mais não seja pela segurança da informação. É claro que se pode fechar os olhinhos e deixar a segurança a cargo do fabricante, optando por sistemas como a FAT32 e esperando que não se consiga aceder à informação sem saber a password…

  11. N'uno says:

    A base Windows está a definhar, e provavelmente vai continuar a decrescer a ritmos crescentes. Por outro lado, o Ubuntu só não é tão usado por causa do seu estatuto Open, que incomoda muita gente e não dá margem aos comerciantes. Não tem, por isso, força comercial, tanto mais que não tem a máquina de marketing da M$. Dito isto, não me admiraria que num futuro próximo o paradigma mudasse e sistemas como o Ubuntu crescessem exponencialmente.

    A ver vamos, portanto. Dependerá da forma como tanto a M$ como o Ubuntu se adaptarem à rápida evolução dos tempos, e nesta frente o Ubuntu está muitíssimo bem posicionado.

    • Duke says:

      Sim… está a definhar. O ritmo de instalação do w10 diz isso… hum, hum…
      Achas que está a definhar?! Se disseres que o mercado do PC está a cair, ok. é visivel, mas esta quebra também afecta o Linux (já que usa os mesmos PCs).
      Achas que o Ubuntu está bem posicionado nas novas tendências?! Mobile está pior que o Windows Mobile. Mercado dos híbridos e tablets, Ubuntu é praticamente inexistente.
      Está bem posicionado onde? Nos servidores?! Mas isso é um mercado à parte – a Volvo é lider nos camiões e nos carros é o que se vê (ou não se vê).

      • N'uno says:

        O ritmo de instalação do w10 só me diz que há muitos utilizadores passivos, e outros que toleram o abuso da M$ ao impor-lhes tal coisa só porque sim, são Windows-dependentes…
        Nos híbridos concordo, mas lá está, não tem o poder de uma M$ por trás. Mas também não sei se será uma tendência tão à frente, pois já temos surfaces há algum tempo e a coisa parece que não descola. Veremos se esta coisa dos ambientes “propagantes” vinga. Por outro lado, a tecnologia do Ubuntu não fica nada, mesmo nada, atrás.
        Está bem posicionado nos servidores, na IoT, nos activos de rede, nos wearables e embebidos, nos PCs lá de casa e de PMEs que não sejam viciadas na M$, na Cloud e até nos super-computadores. Onde é que está a dúvida?

      • Rudi says:

        A razão pela qual a Canonical ainda não envergou a toda a força em mais mercados e plataformas, é derivado a vendor locks, portateis pré instalados, e patentes como aquelas que a Microsoft cobra a quem fabrica androids, patentes como por exemplo “criar um evento num calendário a partir de uma dispositivo movel” e nem sequer é o algortimo ou o monitor ser especial, é só a capacidade de o fazeres num telemovel…

        É fácil dizer-se que é o campeão quando não deixas ninguém competir, compras os arbitos e mudas as regras do jogo conforme te são vantajosas.

        só tenho é medo da conversa do ms <3 linux

        • N'uno says:

          Certo. É a lógica do poder desmesurado. Mas costuma-se dizer que quanto mais alto maior é o tombo. Dito de outra forma, pode ser que o monstro colapse um dia destes. Práticas monopolistas deviam simplesmente ser erradicadas…
          O namoro M$/linux é deveras intrigante e preocupante, concordo.

    • RubenS says:

      É verdade o que falta ao ubuntu é marketing, que por ser open é mais complicado.

  12. Nome says:

    Será que algum dia vamos pôr um ser humano em Marte?

  13. Alisson says:

    SIM! no dia que acabar a corrupçao mundial, e o windows phone for utilizado por mais de 56% nos eua!

    ou seja NUNCA!

  14. Arthur Gomes says:

    Do jeito que os smartphones e tablets estão tomando o lugar dos PCs nos lares aqui no Brasil, talvez a melhor pergunta fosse: Será que algum dia o Ubuntu e Windows vão alcançar o Android?

    • Tony says:

      Os sistemas mobile e as suas apps são desenvolvidos em desktops/portateis, só para começar. A maior parte das apps necessita de um backoffice em servidores. Basicamente quanto mais evoluir o mercado mobile, mais evolui o mercado desktop/portateis e servidores

    • RubenS says:

      Atenção que smartphones/tables não vão tomar o lugar de PC’s, diferença performance/utilização são totalmente diferentes. Agora se disseres são cada vez mais utilizados, sim! A tua questão alcançar o Android? Talvez, visto que o Windows está a evoluir e Ubuntu ainda é um bebé recem nascido nessa matéria e não te esqueças da Apple. Assim que as pessoas começarem mais neste caso o Windows, acredita que será um forte concorrente, apenas falta aquele impulso para as empresas perceberem o mercado.

    • VC says:

      Disseste “Ubuntu e Windows vão alcançar o Android?” Mas… o que é o Ubuntu e o Android?

      “Android is just as much ‘Linux’ as Ubuntu, Debian, Red Hat, or anything else that uses the Linux kernel. Technically, a better term would be ‘Linux distribution’, since Linux in and of itself is just a kernel.”

    • Joao Carvalhinho says:

      Finalmente… Alguém que acerta na mouche. Neste momento, na questão das guerras de sistemas operativos (domésticos), “RemixOS” prepara-se para tomar de assalto os desktops da malta. O tão almejado “continuum” que a ubuntu e a MS tanto falam, vai passar a ser universal para o utilizador do sistema operativo com mais quota de mercado em todo o mundo…
      Se eu instalar um jogo no telemóvel que fica também disponível no meu portátil… se toda a minha informação estiver disponível nos dois equipamentos na mesma forma e com a mesma “configurabilidade”… e pelo menos até os telemóveis terem SSd 256Gb… RemixOS/android em desktop será mais “perigoso” para o windows do que o Ubuntu.

    • tiburscyo says:

      Concordo contigo Arthur.
      Quando o Google finalmente colocar o Android em desktops, e essa possibilidade existe com a nova versão N, ai sim a Microsoft terá que se preparar para enfrentar um concorrente de peso em desktop de residências de empresas. Até hoje não entendo qual a função do ChromeOS e o quanto tempo o Google perde com ele ao invés de forcar exclusivamente no Android.

      Existe o RemixOS que também está se saindo como uma boa promessa nesse sentido.

  15. pedro silva says:

    Eu julgo que num plano global considerando utilizadores passivos e activos tal poderá acontecer mas não ao nível de utilizadores “conscientes”/activos, ou seja, englobando tudo que corre alguma instância de Ubuntu é possível todavia não em termos de computadores, portáteis ou smartphones.
    A Canonical tem feito um trabalho excepcional na divulgação do Linux (abrindo caminho ao uso de outras distribuições, uma espécie de porta de entrada), estabilidade para o utilizador comum e ligações comerciais/empresariais. É a única, neste momento, que poderá assumir as despesas de criar uma marca Linux forte que acabará por beneficiar todo o ambiente GNU/Linux no geral por o trazer mais para as “luzes da ribalta”, para os olhos do utilizador comum.
    O cenário dos jogos tem vindo a mudar e o Snappy pode alterar drasticamente a portabilidade de programas (incluindo jogos) para o Ubuntu (e, consequentemente, outras distros).

  16. 208_high says:

    Faz-se um post… deste género -> automaticamente gera x comentários, visto que este debate Windows/Linux não tem fim. Mas uma coisa é garantida: o Windows é muiiiiito melhor. Mete-os todos no bolso das calças do Bill.. The Buffalo Bill man.

    • ZéZé says:

      A unica coisa que mete o Linux no bolso “na minha opinião que uso diariamente linux” é o Microsoft Office, de resto tudo mas tudo para mim é melhor no linux. Quanto aos jogos rodarem em windows e não rodarem em linux, well a microsoft paga a peso de ouro o desenvolvimento de alguns jogos para trabalharem me DirectX : Quantum Break, Gears Of War, entre outros. Mas a longo prazo não acho que vá vingar, basta ver que o desenvolvimento para jogos multiplataformas “PC Windows/ Linux, PS4, Xbox” está cada vez mais alargado, “Assim como o target do jogo”.

      • Ruben says:

        Concordo contigo. Neste momento o grande ponto negativo do Linux face ao Windows, é mesmo o Office, que é na minha opinião a melhor ferramenta que a Microsoft efetivamente tem. Digo isso não pelos editores de texto ou Excel mas essencialmente Outlook que faz muita falta e que ainda não existe um cliente robusto o suficiente para o mercado empresarial (entenda-se mundo Exchange) que satisfaça as necessidades diárias corretamente. Posto isso a linha de aprendizagem do Linux acaba por ser a mesma que no Windows. O facto deste existir á muitos anos leva a que muitos se esqueçam que no início houve igualmente um período de aprendizagem natural! O mesmo se passará para aqueles que queiram entrar dentro do mundo Linux.

        • N'uno says:

          Concordo, mas não pelo Outlook. Só sente falta de Outlook quem usa Exchange. E não faltam servidores e email no mundo Linux, nem LDAPs que garantam autenticações tão bem ou melhor que ADs. Para mim o calcanhar de Aquiles é mesmo o Office, e dentro deste Excel. Esta é a ferramenta que bate todas as outras, principalmente se lhe abrirmos as entranhas e a ligarmos a bases de dados e outras fontes.
          De resto, sim, a questão é que todos cresceram com o Windows, por isso aprenderam desde cedo os meandros M$. Não é fácil admitir que há outros sistemas tão bons ou mesmo melhores.

        • Xinuo says:

          A empresa onde trabalho usa Lotus Notes, nem sei o que é Exchange.

      • VC says:

        Wine e fica a que estão do Office resolvida.

  17. 208_high says:

    Alguém ainda acha que o LibreOffice está sequer perto do Ms Office? Dou como exemplo o Excel. Alguém que trabalhe com fórmulas vá ver a diferença entre a velocidade de processamento do MS Excel. Eu uso os dois, em casa qd tenho que preencher cenas para o IRS e tenho o meu template feito o computador arrasta-se dentro do Libre Office e não é problema do Pc concerteza pois com Excel não se nota lag.. Não sei… não estou a ver a empresa onde trabalho a desinstalar o Office ou a deixar de usar o Outlook para passar a usar Thunderbird. Depois queres uma assinatura com banner ou algo assim e tens de apontar para um ficheiro qualquer em vez de simplesmente inserires a imagem. Além de que se queres, faz um backup com o Thunderbird e espera até seres avô…

    • pedro silva says:

      Sim. O LO tem a mesma qualidade do MO, instalado em Linux (experimente lá o MO em Linux e veja o mesmo a suceder…).
      O Windows não é melhor que o GNU/Linux nem que o Mac. São plataformas diferentes com as suas falhas e vantagens. Dizer categoricamente que um é melhor é não olhar à realidade (finalidades e funcionalidades pretendidas).
      A questão é trabalhar de forma diferente para os mesmos resultados e em Linux. A nossa empresa desenvolve templates financeiros com modelos complexos exclusivamente em Calc, e de gestão em Base, e não existem os problemas de que fala por serem criados de forma nativa no LO. O Excel usa determinadas funções específicas para as quais o Calc faz exactamente o mesmo mas de forma diferente. Não procure extrapolar práticas de um para o outro (Windows > Linux; Windows > Mac) mas sim funcionalidades.
      O que indicada do Thunderbird não é bem assim. Simplesmente desconhece a forma correcta de o fazer, tanto das assinaturas/imagens quanto dos backups (faço um backup de todos os emails da empresa em cinco minutos, e são 16 caixas independentes…; informe-se sobre a forma adequada de fazer o que deseja, nomeadamente nos fóruns e documentação).

      • Miguel says:

        “informe-se sobre a forma adequada de fazer o que deseja, nomeadamente nos fóruns e documentação”

        EXACTAMENTE.

        É este o problema do Linux!!!
        Demasiado complicado!!!!

        Quem é que no seu perfeito juízo vai perder tempo a ler documentação para fazer uma coisa tão simples?? Por amor de deus, se forem estudantes tem tempo para fazer este tipo de coisas, mas no mundo do trabalho não dá para andar a pesquisar por soluções deste género!

        • pedro silva says:

          Eu estou no mundo do trabalho e posso contar a minha experiência. Passei de Windows para Linux como sistema primário há cinco anos (ainda mantenho um disco em cada PC com Windows só para Premiere Pro, After Effects, Encore – por motivos de trabalho, empresa onde acontece o mesmo, o Windows é para uso destes programas – e uns quantos jogos)

          O mesmo se dirá de quem passa de Mac ou Linux para Linux… sempre que há mudança é necessária aprendizagem e esforço. Quando se pretende mudar ou simplesmente procurar alternativas o esforço compensa quanto mais não seja pelo conhecimento. E não tem de ser imediato (aliás, não será) mas progressivo.

          Claro. Tem de haver um período de adaptação e o tempo não é exagerado. Sejamos realistas, em poucos minutos se sabe como fazer as coisas e depois é só replicar. É uma questão de aprendizagem.

          A questão que se deve perceber é que não se pode esperar trabalhar anos (ou até décadas) com um programa e pensar que em dias se aprende outro. Não é realista. Não se pode usar o M Office há anos e depois dizer que o LibreOffice não é funcional ou que com ele não se é tão produtivo quando se começou a usá-lo há pouco tempo…
          Eu não aprendi de um momento para o outro mas sim numa demorada transição ao longo de cinco anos

      • N'uno says:

        Exacto! São sistemas diferentes, com maneiras diferentes de atingir os mesmo fins! “Complicado” é sinónimo de desconhecimento aqui, diria. O pessoal iniciou-se na informática na era Windows…

    • Xinuo says:

      Talvez as macros feitas para funcionar no Excel sejam incompatíveis ou precisem de adaptação.

      Não gosto de usar macros pois depois de um tempo geralmente fica difícil a manutenção, mas reconheço o seu poder pois já usei muito, tanto no Excel quanto em outros programas de planilhas.

      No LibreOffice se têm possibilidade de usar diversas linguagens para programar as macros como a Python.

  18. O Movimento Livre says:

    O argumento dos jogos em Ubuntu e também em Linux já enjoa um bocado – eu sei que é um mercado importante, mas temos que considerar que a maioria desse mercado ainda não quer saber do Linux para nada.

    Pensem que o Windows também não é só para a jogatina – senão mais valia à Microsoft eles vender consolas.
    Felizmente vê-se algum processo nesse sentido no mundo open-source com a API Vulkan – mas primeiro falta aprimorar os drivers gráficos e abrir o código destes (os drivers proprietários da AMD são uma desgraça em Linux…)

    • Xinuo says:

      A Valve têm um projeto de console de jogos, a Steam Machine. E está a trabalhar para que mais jogos estejam funcionando nessa plataforma. No futuro um utilizador pode comprar essas máquinas e não precisará saber qual é o S.O. Assim como compram TVs, roteadores, etc. que têm o kernel Linux por baixo, mas isso não têm importância.

  19. Wilson says:

    Eu decisivamente excluir o Windows de meus PCs.E outra…tem pessoas que criticam por não saber usar ou simplesmente porque não sabem que Windows é um preço absurdo e só usam piratas.Enquanto o Ubuntu é grátis e capaz sim de substituir o Windows. Eu não troco meu Ubuntu por nenhum Windows.

    • Rudi says:

      Concordo.
      Muita gente que apanho a dizer que linux não presto e windows é o melhor, só pergunto se o windows é legal começam logo a falar de futebol.

  20. Joao says:

    O que a malta ainda n percebeu é que o linux n foi feito para ser simples, mas para um dev, usar linux muitas vezes é mais fácil.

  21. tiburscyo says:

    A Canonical perdeu uma grande chance de conquistar mais alguns % de mercado desktop com o fracasso que foi o Windows 8. Era nessa hora, com vários usuários insatisfeitos com o novo menu iniciar, que a Canonical deveria oferecer o Ubuntu como uma alternativa mais rápida, segura e com um visual clássico para o usuário comum. Mas não foi isso que aconteceu, pois a interface unity é ainda mais complicada que o menu do Windows 8. Se essa chance fosse aproveitada, hoje teríamos um Ubuntu com mais mercado e, talvez, mais empresas interessadas em desenvolver aplicações comerciais para Linux (games, office e photoshop).

    Bem, a Microsoft aprendeu a lição que o usuário comum quer um sistema sem grandes mudanças visuais e lançou o Windows 10 com o menu clássico. Enquanto isso só agora que o unity vai permitir mover a barra de menu para a parte inferior…. =/

    Entre as distribuições creio que o Linux Mint está no caminho certo, pois é bastante rápido, seguro e tem uma interface fácil para o usuário. Eu uso e sempre recomendo para amigos.

  22. Gil says:

    Realmente a guerra linux vs windows vs “osx crap” nunca vai acabar nos foruns…. por isso só tenho a dizer uma coisa em relação a parte dos comentários que li e que não concordo: o ser humano tende a desdenhar daquilo que não compreende. O linux como sistema operativo é poderosissimo. Quem não entende isto porque não compreende nada de computação e não quer aprender devia ficar calado em vez de falar daquilo que não entendem. Se querem simplicidade entreguem os vossos dados á Apple e à Microsoft mas depois não se queixem do big brother. Quem usa linux tem um sistema que é seu e à sua medida. Quem não usa sujeita-se a utilizar o computador da forma que as duas grandes corporações no mundo dos SO querem. Claro que essas pessoas não têm a capacidade de entender isso sequer, falo do conceito de liberdade de utilização claro…. e eu não tenho a paciência para explicar. Na verdade, sinto-me mais cansado depois de escrever este comentário do que se tivesse escrito 1000 linhas de código. Fui!

    • nelson N says:

      Exactamente, não entregam os dados à Apple ou à Microsoft mas entregam-nos à Google que é a pior de todas! Há uns anos atrás (já disse isto neste sítio mais de uma vez) fui administrador deste Condomínio, arranjei um Pc com Ubuntu e OO para fazer os recibos dos Condóminos. Nunca acertava! 50 páginas A5 nunca ficavam no mesmo sitio! A formatação desaparecia! E para imprimir? Começava a imprimir, ia dormir a sesta, e quando voltava ainda não tinha acabado.
      Ainda vai demorar muitos anos para ultrapassar o Win. E não se esqueçam (também já o disse aqui) a pior coisa que podem fazer ao Linux é dizer que é o melhor dos So’s.

  23. Paulo says:

    Sem office e com interface gráfica ultrapassada não sairá do servidor nunca.

  24. Nuno Santos says:

    Boas,

    Este tipo de perguntas vai sempre gerar inumeras respostas em que cada um ira puxar a brasa a sua sardinha.
    No meu caso uso W10 pirata e o linux Mint e não me queixo em nenhum dos aspectos, seja nas instalações (partiçoes), seja no office com/sem macros seja nas linhas de comando (nao sei procuro e sempre encontro), seja na instalação de apps. Quando nao consigo emulo no linux o que existe so para win.

    Não sou nenhum expert mas desenrasco-me o melhor que posso e como sei. Hoje em dia o google é nosso amigo e so nao aprende (como eu) quem nao quer.

  25. Anónimo says:

    O Ubuntu não é sequer líder dentro do Linux. Tanto o Debian como o Mint (de longe o meu favorito e de longe o atual líder) são melhores alternativas.

    Quanto ao Windows, falar de uma só distro como concorrência é errado, pois estão a comparar um sistema (tudo o que é windows) com uma só versão de outro sistema (Ubuntu é uma pequena parcela do Linux).

    Portanto, o Ubunto não pode alcançar o Windows.

    Já se a pergunta for: o Linux poderá alcançar o Windows? Aí a resposta depende da plataforma: nos PC, quase exclusivamente devido ao monopólio do DirectX, o Windows é rei e senhor. Já em tablets e smartphones, o Linux (Android) é o campeão e o único concorrente à altura, mas mesmo assim a milhas de distância em penetração de mercado, é o iOS.

    Nos tablets e smartphones, as coisas indicam que vão continuar na mesma mais alguns anos, já nos PCs o Windows está cada vez mais ameaçado, desde logo com a Steam e daqui em diante com o concorrente aberto (já apoiado por quase todos os gigantes das TI) que pretende destronar o DirectX do seu trono monopolista.

    Se eu estiver certo, todos ficaremos a ganhar.

    • Xiano says:

      Se baseaste o teu comentário na Distrowatch, estás errado amigo, de facto Ubuntu é o mais usado…
      Na distrowatch não aparecem algumas das melhores distros para mim como Parrot OS, Pear, etc….
      Direct X está a perder neste momento para a Vulkan, por isso se achas que é ai que a microsoft vai ganhar pensa outra vez…

  26. CMatomic says:

    Eu pergunto se o windows alcançará a qualidade dos sistemas GNU/linux ?
    Podemos ver que a Microsoft cada vez mais se aproxima do sistema GNU a Bash é o principio , o Ubuntu a sua qualidade é notável pela sua simplicidade na instalação de programas e não só , para mim é mais agradável navegar na net com Ubuntu do que no Windows da Microsoft , pela qualidade gráfica , onde para mim é mais fácil ler um artigo onde a fonte das letras apresentam uma melhor qualidade do que no windows .
    O ubuntu é mais flexível que o WIndows posso alterar tudo ao meu gosto se me fartar do ambiente trabalho unity posso instalar outro qualquer ( sem reinstalar o sistema operativo ) desde do mais simplista ate ao mais completo , enquanto no windows não pode fazer tal coisa é sempre o mesmo ambiente de trabalho .

  27. Balearic Soul says:

    O problema do Ubunto é que perdes mais tempo a procurar as ferramentas do que a trabalhar e ninguém está disposto a isso. O Windows é só abrir e começar a trabalhar. Simples!

    • RubenS says:

      Atualmente não é assim, se disseres já foi hmm concordo. O problema é que já se vem utilizando o Windows de à muitos anos, e como é sabido pessoa que se habitua a uma coisa não descola. Ainda por cima falando tecnologicamente, já que ninguém nasce aprendido na matéria, será mais difícil aprender um sistema novo e visto que o marketing conta muito, em Linux podemos dizer que é 0.

      Como sabeis um pouco de historia, o Windows tomou o ambiente gráfico muito mais cedo que o Linux, e já que é facílimo mexer com um ratinho vamos lá nos entreter no PC. Em linux a coisa é outra, fundo preto, letras brancas, linhas e mais linhas de “chinês” era este o Linux anteriormente chamado de Unix.

      Saindo um pouco do tema, atualmente nos smartphones/tablets sucede-se o mesmo. Android todos conseguimos adquirir com facilidade, outro sistema hmm acho que nem tão cedo toma o mesmo lugar do Android (sem tirar o valor ao iOS). Apenas fiz esta comparação porque o mesmo se sucede nesta área que é cada vez mais usada.

    • Rafael says:

      Ai é?
      Experimenta fazer uma carta ou uma folha de cálculo ou um documento de apresentações…!

  28. Alvaro Martins says:

    Ubuntu dentro de Windows 10, 14 LTS. Nao é VM é através de bash. Ler artigo.
    https://www.linkedin.com/pulse/linux-windows-10-yes-its-true-%C3%A1lvaro-martins

    • CMatomic says:

      Não é o ubuntu pois o ubuntu é composto pelo sistema GNU e o Kernel Linux , o windows utiliza os repositórios do Ubuntu para instalar programas de origem UNIX através da Bash GNU no Windows .

  29. yaclicka says:

    Depois de ler os comentários acima, para mim destacou-se 1 “Nuno Santos” pela positiva…… 100%. Manitas, mexer, mexer, mexer, tentativa erro, dá trabalho mas não têm outro jeito. Para mim, o Windows corre numa máquina virtual……….. e mais não digo.

    • Nuno Santos says:

      Obrigado.

      Como disse nao “pesco” nada disto mas ca me desenrasco e tudo o que faço no Windows tambem faço no linux, basta procurar que tudo se encontra.

      Só tenho pena de nao conseguri por o Mint num tablet da Asus e nos meu Wiko Ridge

  30. Leonardo says:

    Linus quer o linux no mundo da informática?
    Então ele vai ter que pegar toda a verba da linux foundation e investir em propaganda!
    E isso é só o começo!
    Vai ter que desbancar a microsoft na instalação padrão dos PCs e notebooks, em que todos carregam as versões mais recentes do windows!
    Vai ter que conseguir o povo mais básico do mundo da informática, para depois conseguir os intermediários e os avançados! (passando por essas etapas naturalmente o linux terá mais programas e jogos!)
    e depois de toda essa conquista, ver fóruns cheios de perguntas de como mexer com o mouse no linux!
    é só a propaganda… o resto acontece naturalmente!

  31. Carlos says:

    O Ubuntu já chegou ao Windows.
    Eu tenho 16 anos e passei um ano a usar ubuntu sen qualquer problema amo a sensação de liberdade que o Linux me proporciona. as únicas vezes que uso o Windows é na escola pk me obrigam. Na minha opinião o Ubuntu em 5 anos consegue ghegar aos pés do Mac osx e quem sabe deixar a Microsoft furiosa

  32. Felizberto says:

    Não sei se sabem mas Android é Linux. Acham assim tão dificil usar Android?
    Bom dia!

  33. Mendes says:

    No dia em que o Linux (Ubuntu,Mint….) correrem as aplicações de Windows/OSX sem ser preciso 20 anos de experiência como programador, mudo sem olhar para trás. Enquanto isso não acontecer, Windows será sempre o melhor SO….

    • Gil says:

      E porque é que havias de mudar para Linux nesse caso? Se queres correr as aplicações Windows utilizas windows. Se queres correr as aplicações OSX utilizas um mac. Assim, e de uma forma lógica, nunca vais precisar mudar para linux, porque o que queres é correr as aplicações desenvolvidas para o Windows e OSX. Por isso, mais vale a pena roda-las no seu ambiente nativo e no qual foram desenvolvidas.

  34. ...wtf... says:

    Na minha opinião, 99% das pessoas que usam PC ”doméstico” aprenderam com o Windows e habituaram-se a esse sistema, o que é normal. Eu quando aprendi, comecei no básico ”cmd” (cd..) (dir) etc, etc, etc, e depois passei para windows 95 e por ai fora. Agora toda a gente aprende directamente num ambiente gráfico como windows xp, 7, 8 e 10, e que instalar um programa e só ”sacar” e correr o *.exe. Agora instalei o Lubuntu lá num Magalhães que me arranjaram, e noto que é um pouco há base do ”cmd”. Tem que se fazer muitas coisas pela Bash, tem que se aprender como funciona essa Bash, e as linhas de comando são enormes. mas acredito que em vez de aprender a ”cmd” do windows, começa-se com a Bash do linux, que agora tinha mais preferencia pelo linux. O windows para o utilizador comum, é muito bom, porque inicia-se facilmente. O Linux para o utilizador comum, já não é tanto porque tem que se passar por um periodo de aprendizagem de todo o eco-sistema. E muita gente não está para isso.

  35. Paparuco says:

    É curioso saber que o Dropbox usa o Ubuntu, funcionando pessimamente para o Xubuntu (pelo menos para muita gente) que tem a mesma base…

  36. Nuno Santos says:

    O meu 1º Windows foi o 3.11 com o Dos 6.22, varias disquetes e varias horas perdidas, o meu 1º linux se nao tou em erro foi o Suse e a instalação era feita por comandos (acho que e assim que se diz) neste momento tenho o Win10 pirata e genuino e o mint (que agora tudo e grafico tal e qual windows so para facilitar o user.

  37. portaro says:

    Será que algum dia o Ubuntu poderá alcançar o Windows?
    O título acho eu ficaria melhor , poderá concorrer com … ; coisa que já faz.
    São coisas distintas , sistemas e ambientes distintos portanto não se alcançam um ao outro mas concorrem um com outro acho eu.
    Hoje em dia a Micosoft tem poucas vantagens perante os concorrentes assentes em produtividade comunitária devido à grande capacidade da mesma (comunidade) que cresceu muito e é por si uma concorrente pelo seu valor, por isso os sistemas assentes em núcleo privado têm muita mais dificuldade em diferenciar-se e perdem vantagem , isso significa que se isto fosse uma corrida – já teriam sido “alcançados” e até à meta vão ter de se adaptar ao ritmo dos concorrentes assentes em contribuição aberta ou comunitária algo que até à poucos anos não acontecia, as recentes estratégias da microsoft demonstram isso mesmo recolocar-se perante o modelo presente.

    • jf says:

      Poucas vantagens? Onde? Sim as correcções de pacotes em linux sempre foram rápidas e a comunidade enorme falando entre dirstribuições ou mesmo dentro da maior de todas (debian, mas não foi por isso que Linux alcançou Windows. Alcançou alguns utilizadores específicos, mas ainda assim esses utilizadores podem ter windows ao mesmo tempo logo não eliminou concorrência. Introduziu algumas novidades e uma forma diferente de trabalhar? correcto. Mas também não foi por isso que eliminou concorrência. Pois falando mal ou bem da microsoft esta sempre teve um suporte fora de serie na medida da grande quantidade de maquinas em que pode operar comparando com os outros sistemas. Tem uma politica de empresa – fabricante excelente daí o seu bom suporte. Criou e mantém uma ferramenta sem igual que transcende o próprio sistema (o office) e digam os utilizadores comuns o que disserem, não tem comparação e por ai vamos

  38. Augusto says:

    Faltou a google

  39. Emanuel Vitorino says:

    Adoro o Ubuntu, super rápido! Apenhas tenho pena que não haja ferramentas de produtividade decente porque as grandes empresas não suportem. Tenho pena que o cliente Spotify do Linux seja uma valente porcaria! E tenho pena que as drivers nomeadamente as gráficas para os portáteis estejam super mal feitas… Já agora, o Ubuntu 15.10 e o 14.04 com a stack do 15.10 estão com um valente problema nas drivers gráficas que têm que resolver…

  40. delaorden says:

    Aquela velha história….Eu gosto do Linux, sempre tenho um Mint em uma partição no meu laptop. Hoje me serve apenas para resgatar possíveis catástrofes ocorridas no windows, se bem que hoje com o Windows 10 estas se tornaram bem raras. Olhem, após vários anos lendo este magnífico sítio tirei algumas conclusões sobre esta digamos, guerra entre usuários Windows x Linux….. Uma delas é a a velha mania dos usuários Linux se autodenominarem “usuários avançados” … ora, avançados porque decoraram algumas linhas de comando ? Outra conclusão; as distros Linux com mais apelo popular e mais baixadas são aquelas que imitam descaradamente ou o sistema da Apple ou o próprio Windows…. Por outro lado, após o lançamento do Windows 10 o “mundo Linux” literalmente caiu, com exceção dos ambientes corporativos etc… Bom, finalmente e respondendo à pergunta: NÃO; enquanto o Linux for pulverizado por centenas de distribuições, nessa guerra ridícula para ver quem é o mais “bonito” JAMAIS chegarão perto do Windows. Ou se centraliza tudo em torno de uma empresa somente, ou a curto prazo o Linux para usuários home morrerá definitivamente, pois em coma já se encontra.

    • Gil says:

      Por norma os utilizadores de GNU/Linux acabam por se tornar sim utilizadores avançados. E não é por decorarem umas linhas de comando… isso é apenas o começo da jornada que culmina num conhecimento do sistema operativo muito superior aos utilizadores do windows ou osx, que no segundo caso não têm a necessidade de aprofundar os seus conhecimentos nem o querem fazer. O utilizador Linux depressa ganha aquela curiosidade de querer saber mais, de querer configurar o sistema ás suas necessidades e ao seu gosto pessoal.
      Ter uma partição com o linux apenas para resgatar possiveis catástrofes ocorridas no windows é, no mínimo, bizarro. Por duas razões: a primeira é que muito dificilmente ou raramente existirá essa necessidade no windows 10. O windows tornou-se muito estável a partir do xp sp3. Segundo, para quê uma partição dedicada quando basta inserir uma pen com uma live distro? Não faz sentido algum!
      Os DE têm que se parecer com alguma coisa. Se por exemplo o gnome é parecido consigo mesmo, há outros que se parecem com osx, com windows ou com uma mistura dos dois, em maior ou menor grau. Mas isso pouco importa. Âliás, apenas traduz a versatilidade dos sistemas GNU/Linux. Eu consigo fazer o meu debian ficar muito parecido com o windows ou com o OSX se quiser. Não o faço porque não gosto nem de um nem do outro. Mas consegue um utilizador destes dois sistemas operativos fazer o seu desktop parecido com o meu mate? Não me parece. No caso do OSX é impossível mesmo! A beleza está nos olhos de quem a vê.
      A base de utilizadores do Linux não tem vindo a decrescer. Antes pelo contrário, fico com a ideia de que cada vez mais temos mais utilizadores no desktop. Continuamos a ser uma pequena percentagem, talvez abaixo do 1%. Mas nunca fomos mais do que isso. O kernel então domina o mercado dos dispositivos, se incluirmos televisões, smartphones, etc. Dizer que o Linux para o desktop está em coma parece-me exagerado. Na verdade, se existe sistema operativo que sempre vai resistir é justamente o GNU/Linux, porque não depende de uma empresa. Haverá sempre alguém no mundo que nunca deixará o sistema morrer. Se um dia a MS ou a Apple fecham as portas…. o código é fechado. O SO morre. Não há nada a fazer!
      Temos que ter algum conhecimento dos assuntos para comentar de uma forma séria.

      • N'uno says:

        A experiência de cada um dita o nível que alcançará. Estou como o GIL: tendencialmente os utilizadores de Linux atingem facilmente o nível “avançado”. O facilitismo sempre foi o maior entrave para essa evolução. Se um aluno aprender a fazer contas básicas com uma calculadora, sem passar pelo tradicional papel e lápis, dificilmente evoluirá para um utilizador avançado da matemática. O mesmo se aplica aqui: muitas janelas, um rato e poucas ou nenhumas intervenções de baixo nível, sem uma base profunda sobre o funcionamento de um sistema operativo e o hardware que o suporta, restringe o nível de competência a um simples utilizador, eventualmente especializado nalgumas funcionalidades específicas, como usar (não configurar) um browser, um cliente de email, etc. O Ubuntu já é suficientemente confortável para um utilizador “funcional”, mas permite que se aprofundem conhecimentos e se tire partido disso!
        Em termos de risco de obsolescência, linux será o mais seguro, precisamente pela diversidade. Já o mesmo não se pode dizer de sistemas proprietários, que morrem quando a empresa centralizada que os produzem e mantêm morrem.
        Por último, e numa perspectiva de segurança de informação, encaro a dependência de sistemas proprietários como um risco elevado em qualquer plano de continuidade de negócio. Quem lida com estas coisas perceber-me-á!
        Uma partição para socorrer o W10? Nem é pelo W10, mas sim pelo ridículo de se gastar disco e complicar a gestão do mesmo sem qualquer necessidade…

  41. Paulo Guarnieri says:

    Linux, de um modo geral, me deu muito, mais muito mais dor de cabeça que Windows. Só alguns problemas que eu tive no Ubuntu recentemente:
    – O botão de desligar do menu Cinnamon ( uso ambiente Cinnamon no Ubuntu ) sumiu de repente. Desligar só com comandos no terminal ou puxando o fio da tomada!
    – Nenhum pendrive montava, nem alterando as permissões pelo terminal com chmod, simplesmente diz que não sou proprietário dos meus pendrives nem HD externo.
    – Pedir senha para ejetar os pendrives em modo de segurança.
    – Vídeos com qualidade de imagem horrível.
    – Conversão de formatos de vídeo que duram dez horas, fica sem som, e que um simples video após convertido tem 52gb de tamanho! Testei diversos conversores, nenhum funcionou direito. No Windows uso só o Format Factory, e fica perfeito, imagem, audio, converte vídeo, musica, imagem, dá pra editar os vídeos, embutir legenda e editar tambem. E o programa é gratuito.
    – Não imprime de jeito nenhum frente e verso, mesmo pelo aplicativo HPLIP, para imprimir frente e verso novamente tenho que recorrer ao Windows.
    Ao pedir ajuda para solucionar esses problemas ( alguns gravíssimos ) em fóruns da internet, ninguém conseguiu me ajudar, digita comandos e mais comandos no terminal, tenta isso tenta aquilo, perde tempo e não resolve. Então é mais lógico formatar e reinstalar o sistema… tentar outra distro, que vai ter outros problemas, etc…
    No Windows é rarissimo ter ( eu ), problemas. Fico anos sem fazer reinstalação do sistema. Então, não conheço o Linux que o pessoal fala, aquele que nunca trava, não dá problema, que não precisa ficar formatando.
    Tem também a questão dos aplicativos. No Windows tem muito mais aplicativos, todos instalam, não ficam procurando dependências. Eu implico não com a forma de instalar, tanto faz se é dar dois cliques ou digitar apt-get install, desde que o programa instale. No Linux, seguido dá conflito com alguma dependencia, não sei direito, mas por alguma razão o programa não é instalado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.