Quantcast
PplWare Mobile

Linux em 99% das máquinas mais poderosas do mundo

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Pinto


  1. Pedro Pinto says:

    Mercado empresarial ao nível dos utilizadores, nada ao nível de servidores ou supercomputadores.

  2. Ms Dude says:

    Isto é treta não tem nada a ver com segurança e capacidade dos sistemas em si mas mais com custos operacionais €€€€€€€€€€€€€€€€€€€€€€

    • ChZ says:

      Claro. Porque num supercomputador que custa milhões o mais importante é ter um SO baratinho…

    • Daniel says:

      É precisamente o contrário daquilo que estás a dizer. Estabilidade, fiabilidade e escalabilade dos sistemas Linux vs Windows para servidores e não me parece que quem paga estes sistemas tenha grandes problemas em pagar pelo SO se este valer a pena.

      • Grem says:

        o problema não é o custo dos SOs…é a manutenção dos mesmos.

        • M.Manuelito says:

          Eu nem imagino quanto levava a Microsoft por licenciar um super computador destes, com centenas de processadores, mais o contrato de manutenção, etc. etc. Quem conhece os custos de licenciamento de um simples PC, através de um mero EA, pode fazer uma pequena ideia da enormidade de verbas que isso envolveria 🙂 Apesar disso também penso que Linux é a opção mais válida para este tipo de máquinas.

    • Rui says:

      Nada disso… Do a fragmentação dos sistemas de ficheiros do Windows mete logo o Windows longe dos servidores.
      Começa a usar linux e vais perceber porque é tão bom… Aquilo simplesmente funciona e bem…

      • Ms Dude says:

        LOOOL
        que sabes tu dos meus conhecimentos na area de ti ??? para tua informação sou rhce e mcse por isso sei muito bem do que falo 🙂 ao contrario de muitos por ai andam nao sou fanboy de uma certa tecnologia ou sistema tudo tem as suas vantagens e desvantagens conforme o contexto em que se integram, o mal destes “informados” e pensarem a partida “windows=Lixo” ou vice versa , ah e isso da fragmentação só prova que não estas por dentro das tecnologias desenvolvidas na microsoft …

        • Lopes says:

          We got a badass over here

        • Cris says:

          >não sou fanboy
          >Ms Dude
          Bem, se tu o dizes, vou ter de confiar em ti.

        • NT says:

          Carraio para além do RHCE e MSCE porque não o BSDP ? Acho que a nível de fragmentação os sistemas windows (embora tenha melhorado com o 8.1, depois portado para o 7) ainda têm esse problema.
          No linux o ext também fragmenta embora MUUUUITO menos(SIM existe esse problema ver o manpage para o comando e4defrag).
          Porque não um ZFS? Acho que neste momento é o sistema de ficheiros que tem mais ‘funções’ e é super rápido. Tens um port para linux mas ainda está atrás do freebsd.

          Mas sem dúvida fez bom comentário independentemente de ter certificados a fragmentação ainda é um problema nos sistemas windows, já não é o mesmo problema dos windows 9x/me/xp mas continua a ser.

          Experimenta ter o Windows Server com 3120000 cores e depois diz qualquer coisa. Já que tens o MCSE deves saber qual o o limite máximo, sem bem me lembro são 64 processadores, mesmo que sejam octacores 64*8 são 512 cores…

          • Ms Dude says:

            Nao ha tempo pra tirar todas 🙁
            sim sao 64 phis e 640 logic na versao datacenter 🙂

            e mantenho a minha opiniao , ha mais “interesses” do que questoes “tecnicas” nestes 99 %

    • Pll says:

      nao tem a ver com segurança?Para começar consegues estruturar o sistema operativo de forma a ser optimo para as tarefas especificas que se querem desempenhar.

    • Vlad says:

      Presumo que nunca tenhas visto o preço de um destes clusters. O preço do software é quase nulo quando comparado com o hardware e custos de manutenção e funcionamento. Ou seja o teu motivo não é só inválido como é ridículo.

    • Paulo Henrique Luvisoto says:

      Então essas empresas investiram milhões nesses computadores, mas resolveram desperdiça-los com um sistema operacional inferior apenas por economia. É isso mesmo??? Me desculpem, mas essa não cola…

  3. gsilva says:

    Já viram se estes supercomputadoes tivessem windows, tinham de fazer reboot dia sim dia nao, para instalar updates.

  4. MS says:

    Só significa que WIndows não necessita de supercomputadores para fazer o que se propõe…

  5. pentestbox says:

    Nenhuma novidade, é dato que vão optar por sistema Open Source, o Linux é um sistema muito poderoso, dando pra fazer qualquer customização nele, o windows é uma caixa fechada que não permite nada, fora que nunca iriam usar windows nesses servidores por motivos de segurança, falhas,etc…
    nenhum desses super computadores gostaria de ter um backdoor NSA , viva ao software livre, viva o linux e todo seu desempenho.

  6. Janus says:

    Questão?

    A verde está Linux, e por exemplo Cent OS é o que Mac OS?!

    Lol

  7. Jorge Rosa says:

    – O meu PC tem GNU\Linux. Por isso é considerado um super PC também!!!… jk 😉
    – E pensar que o GNU\Linux esteve instalado em camaras municipais e organizações estatais, e depois foi retirado porque era demasiado complicado para ser usados pelos idiot…, digo, funcionários públicos. Os botões vêm com outras cores e isso requer anos de aprendizagem e formação especializada, claro….
    – E lá se está outra vez a pagar licenças à MS… Assistência técnica por pessoal certificado MS, licenças de anti-vírus, licenças mensais, licenças anuais, licenças por posto, por quantidade, por se ser esperto, por se ser burro, etc, etc, etc… Ou seja, milhões de euros por inutilidades, pagos por todos nós… (Milhões que tanta falta fazem noutros lados)

    • Janus says:

      É tudo uma Questão de QI… As funcionários residentes são munidos de QI = +/- o 🙂

    • NT says:

      Muitas vezes não são os funcionários em si, mas sim as administrações. (tirando o ALEGADO dinheiro por baixo da mesa) São os Sr. Eng. que só vêm microsoft à frente e pensa que o linux ainda é aquela coisa da consola com letras verdes como aparece no MATRIX. Tens várias formas de meter o linux com a cara do Windows e funcionar quase tudo da mesma forma (até tens screensavers que emulam os BSOD) basta para isso instalar um icon pack e deixar 2 ou 3 atalhos numa barra no fundo do ecran que os ‘utilizadores’ comem isso como se fosse papas ao pequeno almoço.

      • Jorge Rosa says:

        – Exacto! – “Antigamente” eu compreendia essa dificuldade. Mas os actuais “linuxes” estão muito bem concebidos, com designs bonitos, funcionais e bem simples. Claro que requer sempre aprendizagem (mas sempre que sai um novo windows também!), mas… qualquer utilizador, mesmo com pouca experiência, “chega lá”…
        Além disso 90% do tempo são utilizados a “postar e pastar” nos “facebooks e afins”, e aí até os “browsers” são iguais…
        – Enfim, era só as administrações (políticos) quererem… Mas nós bem sabemos que têm outras prioridades fúteis (fúteis para nós, claro)……………

  8. xupiter says:

    CentOS é uma versão (distribuição) de linux na mesma

  9. Cris says:

    O que é que “Linux” representa? Todas as distros usam o kernel Linux.. não há nenhuma chamada Linux.

  10. SrBla says:

    Há aqui informações um pouco estranhas, falam em linux, mostram um gráfico com linux e distros de linux à parte…. Porquê?
    E se 99% dos super computadores correm linux, mas nenhum dos top 500 corre windows onde 494 correm linux, o que é que os restantes correm? OSX?! Haiku?! SOs feitos à medida, especificamente, para um dado super computador?!

  11. Tiago C. says:

    Não há nenhum windows no top 500 porque ninguém usa estas máquinas para jogar.

  12. Daniel Vieira says:

    É claro que um super computador ia usar Windows ou OSx! Tão claro como achar que um computador é igual a um consola de jogos 😉

  13. HB says:

    Os supercomputadores têm que ter um sistema operativo adaptado às suas capacidades pelo que apenas um sistema operativo open source como o Linux é possível fazer essas adaptações.
    Os sistema operativos proprietários (Windows ou OSX) não permitem essas adaptações feitas por terceiros. Apenas os proprietários desses SO Microsoft e Apple é que poderiam adaptar os seus SO para poderem gerir um supercomputador, situação que não tem qualquer interesse.

  14. Gouveia says:

    UAU, obvio que usam todos SO open source, sao super maquinas com super hardware que têm de ter SOs feitos a medida, logo tem de ser open source, a nao ser que queiram ter empresas de software, tipo microsoftou apple a meter o bedelho, sendo que estas tb iriam quererosseus devidosdividendos!!!

    ps
    posso ser um ignorante ao que de muito existe no mundo da tecnologiastecnologias, mas qq “cérebro” percebe isto

  15. Tony says:

    objectivos diferentes, SOs diferentes. Em desktops, o Windows corre em cerca de 90% deles
    Tem piada era uma gerra nos anos 80, depois 90, em 2000 abrandou e agora nos anos 2010 regressou a guerra Apple/Microsoft e Linux/Windows

  16. zrcz says:

    Tentem por windows a gerir 64TB de RAM

  17. Wagner Arestides says:

    Que gráfico sem sentido! Não entendi porque as distribuições Red Hat, CentOS, SUSE foram classificadas separadas do kernel Linux. o_O Qual a diferença?

    • Kernel Dude says:

      É simples, agarras na source, faz as alterações todas que te apetecer e bem entenderes no nucleo, compilas, e fazes deploy na tua plataforma, seja ela qual for x86, x64, mips, arm, powerpc whatever. Que nome darias?

  18. Nome says:

    Ninguém quer ter sevidores reféns da Microsoft.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.