PplWare Mobile

Chegou o Ubuntu MATE Remix…e agora Unity?


Autor: Pedro Pinto


  1. Shynkendo says:

    Bom para quem gosta do compiz no ubuntu.

  2. Rodrigo says:

    Eu sempre gostei do mate, pela sua facilidade e simplicidade. O conheci através do mint e o adotei por eleição (atrsvés do mint debian testing; mas lá este ambiente é muito bugado. Hoje estou rodando o Mate – livre, leve e solto, via Manjaro 8.10

    Mas, não importa de onde e/ou com quem venha, o mate; sempre será meu amhiente grafico predileto

  3. magamig says:

    Posso fugir à regra, mas eu gosto bastante do Unity da Canonical, é o que estou a usar mesmo agora 🙂

  4. Hubert Delacroix says:

    Qualquer DE (desktop environment) pode ser usado com qualquer Linux (distribuição). Por exemplo, para quem usa Debian Testing (o MATE já faz parte dos repositórios do Debian Testing) e quer instalar o MATE juntamente com aquele que já tem – GNOME por exemplo – é só dar os seguintes comandos:

    apt update
    apt install mate-desktop

    e depois pode escolher na tela do login em qual dos DE quer entrar.

  5. Nuno Correia says:

    Acho que o Unity e/ou Gnome Shell mostram ser ambientes de trabalho que estão um passo à frente. Obviamente que a performance destes nem sempre é a desejada; possuem muitos efeitos.

  6. Pedro says:

    Estavam a ficar para baixo no Distrowatch, muita gente largou o ubuntu por causa do Unity, e passou para Mint. Foi o meu caso, instalei com XFCE (que em Mint vem bastante agradável à vista) e agora tenho Cinnamon. Maravilha.

  7. ElectroescadaS says:

    Quer então dizer que os vários “Buntus” existentes são todos de empresas diferentes e apenas partilham o nome? Sempre tive a ideia que tanto o Xubuntu, Lubuntu e até o Kubuntu eram da Canonical mas com ambientes de trabalho diferentes…

    Já não percebo nada disto…

    • FTeixeira says:

      As comunidades q suportam é q são diferentes

    • Woot! says:

      É por confusões como essa e por existirem tantos interfaces e distros que o Linux nunca vai ser adoptado mundialmente como é o Windows.

      • Hubert Delacroix says:

        Não existem muitos interfaces nem tão pouco muitas distros. O que existe é uma gabarolice de alguns que pegam no trabalho dos outros e acrescentam um papel de parede que eles sacaram de algum sítio da internet. Por exemplo, se eu pegar no qualquerbuntu que por sua vez deriva do emmabuntu que por sua vez deriva do lubuntu que por sua vez deriva do ubuntu e acrescentar um papel de parede com gajas boas e fizer uma remasterização e dar-lhe o nome de gajasboastutu e enviar para a distrowatch, já está! É mais uma distro para confundir as cabeças já de si muito confusas dos novos usuários.

        • paulo says:

          mas se fizer com as gajas me avisa…eu baixo na hora.

        • ElectroescadaS says:

          Plenamente de acordo. Linux nunca terá a notoriedade que se pretende enquanto as pessoas não começarem a deixarem de ser crianças e trabalharem um produto que valha a pena instalar destronando o Windows o que alias não irá acontecer tão cedo…

          • flavio says:

            Exacto, mas numa altura em que cada vez mais se fala em smartphones e tablets e na palavra ecosistema, a canonical parece-me a mais próxima no mundo linux

        • Woot! says:

          Sim tecnicamente não existem Na prática, para a maioria dos utilizadores que não conhecem o mundo Linux todas estas peudo-distros e pseudo-interfaces são coisas diferentes. Já é difícil explicar a uma pessoa desentendida o que é um sistema operativo quanto mais uma distro e um ambiente gráfico.

          Gosto muito de Linux principalmente Fedora e Ubuntu no entanto, quanto às pessoas a quem recomendei mudar de Windows para Linux sei das dificuldades em intalar, configurar e perceber tudo o que é o mundo Linux. A maioria acabou por desistir do Linux e vai continuar a ser assim. O Linux nunca se vai afirmar como uma SO dominante por ser de código aberto e todos fazerem o que lhes dá na real gana.

          • Maurilio says:

            Woot, é bem verdade que dificilmente o Linux vai dominar mercado de desktops, porém em outros mercados o Linux é praticamente invencível. Por exemplo, Linux está na maior plataforma móvel do mundo que é o Android, logo Linux é o maior sistema operacional móvel do mundo. A maioria dos supercomputadores do mundo utilizam Linux, como é o caso do supercomputador chinês mais rápido do mundo que utiliza Ubuntu. A maioria dos servidores do mundo utilizam Linux. O interessante é que Linux só não domina o mercado de desktop, pois quando a Microsoft surgiu não tínhamos empresas especialistas em Linux para competir com a Microsoft, com isso o Windows foi crescendo e crescendo e cada vez mais surgindo programas para serem utilizados no Windows. Por isso o mundo Windows hoje em desktop é mais atrativo e mais fácil, mas o Linux em desktops de hoje é muito, mas muito mais fácil, e para facilitar o ideal é buscar distros baseadas no debian. O problema não é o Linux, mas a “falta” de programas para ele. Mas uma coisa tambem é fato, cada vez mais as pessoas e empresas estão buscando utilizar Linux, prova disto é a própria Nasa que recentemente está migrando o sistema operacional de suas máquinas por Debian, que é muito estável. Mas não nos iludimos, sabemos que este é um mercado (desktop) que dificilmente o Linux dominará, a não ser que uma grande empresa esteja por trás como por exemplo, a Google ou outras gigantes da tecnologia.

          • Woot! says:

            Concordo com quase tudo excepto quando comparas Android a Linux. O Android nada tem a ver com o Linux a não ser a base (baseado em kernel Linux) a partir dai o resto é história. São 2 SO’s completamente distintos. É como dizeres que os carros são carroças já que a base dos carros são as rodas. Não faz sentido.

            O resto é verdade, no entanto eu estava a falar de adopção desktop para o utilizador comum e não como adopção profissional.

  8. Glink says:

    “Inicialmente esta versão do Mate era para ser baseada no GTK3 mas a equipa voltou atrás na decisão e manteve o GTK2, por questões de estabilidade.”

    exactamente, tanto quanto percebi, eles vão tentar que na proxima versão ja venha vaseada em GTK3 🙂

  9. Unity = demónio, e mais não digo. says:

    Unity é uma aberração da natureza. Mas não vão por mim, basta fazer uma pesquisa no Google e perceber que o ódio a essa coisa a que chamam ambiente de trabalho Unity, é generalizado. Claro que há sempre papalvos sem gosto nenhum que comem tudo os que lhes metem no prato, daí lerem-se comentários de adoradores de interfaces gráficas do demónio. Quem gosta do Unity não devia poder votar. Meu querido Xubuntu e Mint Cinnamon não largo estes 2 por nada.

    • flavio says:

      Falas em papalvos adoradores de interfaces, mas depois dizes que não largas o xfce e o cinnamon por nada. A tua inparcialidade é boa
      Unity era péssimo no início, mas está cada vez melhor, e passo u a ser o meu ambiente gráfico principal

    • Nuno Vieira says:

      Estranho,… Se é assim tão odiado poruê que o Ubuntu com o Unity é a versão com mais sucesso da família e não o Kubuntu, o Lubuntu, o Xubuntu ou o Ubuntu Gnome? É obvio que para criticar as pessoas são muito rápidas a escrever, para elogiar já são mais comedidos.

  10. Shynkendo says:

    Boas, alguem sabe o que esta a acontecer á distrowatch?

  11. joaquim says:

    Uso o Ubuntu com o Unity, creio que por razões de segurança e estabilidade será sempre de preferir um distro mainstream.
    Apesar de tudo o Unity custou a entrar nos meus hábitos, razão pela qual uso o cairo-dock, e escondi a barra lateral do Unity.
    A propósito, podemos usar o Ubuntu com praticamente todos os ambientes de trabalho, basta fazer um pouco de pesquisa na net.

  12. Miguel says:

    O meu PC está longe de ser TOP, mas o Mate é o mais rápido e o unico com que consigo ver filmes HD sem falhas.
    O Unity já está ultrapassado, ou evoluem ou vão perder muitos utilizadores.

  13. Mark says:

    Isso nao interesa para nada porque uma das vantagens do Linux é que podemos programar o nosso ambiente grafico.

  14. Maurilio says:

    A verdade é que a canonical nunca deveria ter entrado com o Unity, foi uma queda muito grande, durante muito tempo ca Canonical manteve o Ubuntu como distro mais popular na Distrowatch, porém quando mudou para o Unity, fez com que milhares de usuários migrassem para a belíssima distro Linux Mint que a cada diz fica melhor.

  15. ze says:

    Por alguma razão a Canonical está a colocar uma alternativa ao Unity !!!!

    Eu sempre que que ia testar o Unity , bastavam 2 minutos para estar a rogar $”%”%$#%#”%

    Unity está para Linux como o Windows 8 sem botão iniciar está para windows = “Epic Fail” tal não foi a debanda de utilizadores pra outras distros , ficaram aqueles que se entendem com a maneira de trabalhar , mas são bem menos do que o esperado pela canonical.

    Tá tudo dito ,

  16. Bruno says:

    Boas pessoal,

    Sou meio leigo em Linux… por isso deixo aqui umas questões caso saibam!

    Primeiro qual a Diferença entre o Unity e o Mate? 🙂

    O Lubuntu, Xubuntu, não são dos mesmo criadores do Ubuntu?

    E já agora deixo uma sugestão, um comparativo entre vários Linux 🙂

    Penso que para melhor decisão deviam ser avaliados (Desempenho; Consumo de recursos; Facilidade de instalação e manuseio; Estabilidade; Suporte e Actualização; Segurança).

    Desde já obrigado!

    • paulo says:

      A Canonical só responde pelo Ubuntu. Já ajudou o Kubuntu mas tirou o investimento. Lubuntu, xubuntu e outros são derivados, criados e mantidos pelas comunidades.

      Unity é a interface grafica do ubuntu feita pela canonical em cima do Gnome. Mate é um projeto que mantém a antiga interface Gnome 2 viva. Hoje o gnome está no 3 e é bem diferente.

      Distro grande é sempre fácil de instalar. O ubuntu e seus derivados provavelmente são os mais fáceis. Mas todas precisam de uma partição no hd, que é a parte mais ‘avançada’.
      Arch , gentoo e outros exigem muitos conhecimentos para instalar, é uma ótima forma de aprender.

    • Maurilio says:

      Bruno, para iniciantes no Linux com certeza a melhor opção são distribuições baseadas no debian. Isto porque o debian possui muitos, mas muitos usuários e consequentemente mais desenvolvimento. Não estou falando da distribuição Debian em si, pois ela ainda é um pouco mais “complicada” visto que você não teria como instalar softwares proprietários nela. Mas existem algumas distros baseadas no Debian que são muito fáceis de usar. Por exemplo, Linux Mint e Ubuntu, o Linux Mint é maravilhoso, muito simples e muito fácil de usar, existem dois ambientes muitos fáceis e intuitivos no Linux Mint, é o ambiente Mate e o Cinnamon, quando falamos de ambiente, estamos falando de parte gráfica. Estes dois ambientes são muitos fáceis de usar e muito intuitivo, pois possuem menu iniciar “semelhante” ao do Windows e por eles você consegue navegar no sistema operacional tranquilamente. Já o Ubuntu, embora ele seja uma ótima distribuição Linux, ele possui uma interface gráfica não muito agradável que é o Unity, pesado e chatinho de usar, mas ainda sim é uma ótima distro. Alguma pessoas que usam Ubuntu optam em instalar outro ambiente gráfico como Mate ou Cinnamon, mas se for pra fazer isto, é melhor instalar o Linux Mint. Outro ponto agradável nestas duas distros são os programas disponíveis, são vários e o gerenciador de pacotes deb é muito fácil de usar é como se fosse o next next do Windows. Enfim, muita coisa teríamos para falar destas duas distros, mas o espaço aqui na permite. Mas com certeza o Linux Mint e o Ubuntu são ótimas distribuições para quem está iniciando no mundo Linux.

  17. Ricardo says:

    Agora que ganhei o habito no unity não quero outra coisa. É uma questão de habito.

  18. Cátia says:

    Alguém experimentou instalar o mintmenu nesta distro? Experimentei uns métodos e não consegui, mas não sei se foi por ter utilizado na virtualbox, apesar de já ter instalado outras coisas e não ter dado problemas..

  19. Ricardo Oliveira says:

    As interfaces gráficas de um modo geral são por definição intuitivas e fáceis de utilizar.

    Tive uma fase de ficar testando interfaces e dessas mais modernas acho que já experimentei todas e sinceramente? Com todas elas depois de um pequeno tempo de adaptação conseguir realizar as tarefas rotineiras com bastante facilidade.

    Depois de passar por todas essas, hoje estou no gnome-shell e qual o motivo? Gosto, não por que eu ache muito melhor do que as outras e sim por que o seu formato foi o que mais me agradou.

    Interface é o de menos. Existem áreas do conhecimento dentro do universo linux muito mais interessantes para despendermos nosso tempo do que ficar tentando convencer aos outros de que nossa interface preferida é a melhor de todas.

  20. Matheus Vinicius says:

    Só falta o Ubuntu Cinnamon.

  21. Razor says:

    A Canonical fez um bom trabalho com o Unity, é uma interface simples focada no usuário, sem muitas perfumarias. Acho bem mais prático também.

    O MATE é uma interface muito boa, tradicional. Eu só acho que deveria vir no próprio DVD oficial do Ubuntu (Ubuntu com Unity), e na instalação o usuário escolheria se quer instalar o MATE OU UNITY! Pois o Unity não roda bem dependendo da placa de vídeo (radeon fica uma porcaria no unity). Nessas situações um D.E alternativo deveria estar presente na .iso oficial.

  22. Marcelo Aguiar says:

    Acho que Ubuntu Mate traz de volta ao ubuntu a facilidade aliada a acessibilidade em ,maquinas modestas como a minha.,..

  23. Paulo says:

    Com todo respeito a todos você, em minha opinião o Linux só começou a ser visto com bons olhos por usuários comuns depois do UNITY, minha esposa só parou de reclamar do ambiente gráfico do Ubuntu depois do Unity, ela sempre achou muito esquisito. Tenho um pc e dois notes em casa, todos com ubuntu Unity.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.