PplWare Mobile

ChaletOS: Dê mais uma oportunidade ao GNU/Linux


Autor: Pedro Pinto


  1. JJ says:

    Quando vi o titulo deste artigo, pensei que era desta que ia dar mais uma oportunidade ao linux…

    Mas ao ler o artigo, assim que encontrei esta frase: “Chama-se ChaletOS, é baseado no Xubuntu 14.04.2 LTS e é uma das distribuições GNU/Linux que tem estado a ter algum destaque.”

    Perdi logo esse pensamento…

    Mais uma distro… mais do mesmo!

    • Ruben says:

      já somos 2… só sabem copiar e modificar

      • RR says:

        …Sem comentáios….”Copiar e modificar”?! Não, sabem fazer melhor, muito melhor, problema é que os utilizadores se habituaram a usar o windows e a mudança tem sempre custos… Depois dos disparates que a MS tem andado a fazer em termos de SOs, a resposta à utilização de linux é “Sim” sem pensar duas vezes.
        Usem-no, se não for esta distro usem outra, há milhões delas, maior parte delas muito boas, depende apenas do que pretendem.

        • JJ says:

          A questão é essa… há milhões de distros!!!

          • VaGNaroK says:

            Esse é o ponto, pra que ficar trancado em uma coisa, não gostou vai para outra distro, seja uma mais fácil ou mais difícil o usuário tem escola… agora faz o mesmo no windows, e quando muda vêm a droga do windows 8 que todo mundo “ama”.

    • Glink says:

      mas vocês querem que se esteja sempre a reinventar a roda, por ser baseado em Xubuntu não quer dizer que não dê muito trabalho fazer uma distro.

      enfim quando não se sabe do que se fala dá nisto.

      • JJ says:

        Não é reinventar a roda.

        Mas quando vejo distro atrás de distro que se baseia noutra distro, não vejo o universo Linux a melhorar, mas sim a ficar mais um pouco “atrapalhado”.

        Acho que seria muito mais produtivo para o universo Linux e para o mundo das tecnologias, se todos esses programadores se juntassem e criassem uma única distro realmente poderosa.

        E em vez de gastarem tempo a fazer novas distro, deviam sim gastar esse tempo a fazer e a melhorar os programas para o Linux. Isso sim era tempo bem gasto.

        Agora gastar tempo em fazer mais uma distro para que? Para “encher” o ego do(s) programador(es) que trabalharam nessa distro?

        • RR says:

          Quase parece fazer sentido, até que pensas no que escreveste. Trata-se de liberdade, as pessoas não querem todas o mesmo tal como os programadores, quando fazem uma nova distro acabam por usar um conceito já existente e molda-lo de forma diferente.
          Eu por exemplo comecei a utilizar o linux com a distro Bodhi, mas não foi algo que tivesse gostado, depois passei para a Deepin, achava-a fluída, fácil de utilizar, user friendly era genial (muito parecida ao IOS), depopis mudei para o Mint, porque para a utilização que dava ao computador e pelo facto de ter muito mais apoio da comunidade, esta ERA a distro!, para mim é claro, felizmente há outras pessoas que gostam mais de outras distros. Eu não consigo perceber o problema de haver N distros, elas servem para que cada um use a que mais gosta.
          Ao ler o que escreveste quase parece que poder de escolha para o utilizador não deve ser considerado…E isso na minha perspectiva é uma filosofia no mínimo triste.

          • JJ says:

            Não tenho nada contra em haver mais que uma distro… o que eu acho que o Linux já devia estar numa face mais madura e tornar-se mais “comercial” (não falo em ganhar dinheiro/vender).

            A questão é que a existência de tantas distro (centenas ou talvez milhares), não ajuda a tornar um SO comum.

            Alem disso, apenas algumas distros, (como eu posso dizer isto!?…) usa a base original (salvo seja/digamos assim/acho que entende o que eu quero dizer), quanto as outras centenas simplesmente se baseia em outras distros. Ou seja a distro da distro… e isso é um ciclo vicioso.

            Depois só vimos duas ou três empresas a realmente trabalharem, porque as outras simplesmente se baseiam naquilo que as outras empresas já fizeram, mesmo que acrescentem algumas coisas diferentes/novas.

            Isto que eu estou a dizer, é algo um pouco radical, logicamente. Mas é apenas para conseguir transmitir a ideia que tenho sobre estas centenas de distro. Nada contra elas, só acho que são feitas porque muitos querem dizer “eu também quero ter um SO, feito por mim”, julgo que não enriquecem verdadeiramente o universo Linux.

          • Alucard says:

            Exacto, no dia em que só houvesse uma distribuição de Linux, o Linux deixava de ser Linux a meu ver. É contra toda a filosofia do software livre, se querem um SO que não vos dá possibilidades de escolha, já tem o Windows para isso, o Linux é para aqueles que sabem o que querem e que um só tamanho não serve para todos.

        • Estavão Piro says:

          O problema do Linux nunca foi a facilidade ou dificuldade de uso, mesmo por que hoje em dia, os Windows possuem certo grau de dificuldade para qualquer iniciante. O problema do Linux, foi, é e sempre será a falta de compatibilidade de programas entre as distros, a falta de um instalador universal (talvez resolvesse este problema), a flata de programas comercialmente conhecidos (dane-se a GPL e GNU). Ninguém quer investir num aplicativo no qual seja obrigado a criá-lo livre.

          • TuxPT says:

            Falta de compatibilidade? Não vejo os jogos do steam a terem problemas nas várias distros que existem.
            Instalador universal… Já existe: PackageKit
            Programas pagos: Não há porque não os fazem, ninguém proíbe de os fazer. Olha o Steam, tem paletes de jogos que são pagos 🙂

          • Estevão Piro says:

            Não? Deixe-me então clarear sua memória: Estou com um HD para testes aqui com o Mint. Não gosto do Firefox bugado do Linux, então resolvi baixar o Chrome (que todo o reino mineral conhece por este nome, mas no Linux tem que chamar CHromiun) Pois bem, vou lá em gerenciamento de arquivos, escolho o que está disponível para baixar do mesmo e…e…instala, mas em inglês. Daí, se quiser em português, tem que adicionar um repositório não sei de onde e com sorte encontrar um do BUG-Untu que tenha o Crhomiun XYZ-ptbr. Ou então, gostei de um aplicativo que vi no baixaki para Linux, mas tem que converter de RPM para deb pois este não tem para Debians like. Os menus sempre (SEMPRE) estão com traduções incompletas assim com altuns itens do menus. Resumindo, sisteminha porcamente mal acabado.

          • Falconet says:

            Estevão,

            O Chromium é a base do Google Chrome. Podes usar o Chromium no windows se quiseres. Não tem nada a ver ser chamado um nome especial no Linux.

            Eu estou a usar o Chalet OS e já usei o Linux Mint. Traduções inacabadas? Depois de as escolher e de ele instalar, não sei o que isso é.

            Em relação aos programas, de facto isso é um problema. Já experimentaste ir ao synaptic ou ao software centre ver se lá tem o programa que queres?

          • Estevão Piro says:

            Sério? Então vai lá e procure Chrome para Linux e veja se acha… Achou na página do Google apenas, certo? E vem no formato compactado que, o Linux por ser muito fácil de suar, todo mundo sabe que não precisa de instalador então, adivinhe qual sistema foi empacotado e instale… Ainda bem que este sistema não sai dos 3% de usuários de Desktop…

          • Falconet says:

            Eu nunca disse que o Chrome estava disponivel nos respositórios do Ubuntu/Linux.
            Na página do Chrome, está disponivel para download em formato .deb que é extremamente fácil de usar. É download, abrir, carregar em instalar e escrever a password. Feito

            Se quiseres o Chrome nos repositorios do Linux, podes usar os repositorios da google.

            Mas ok.

          • Estevão Piro says:

            Aí é que está Falconet, não, não é “simples” de usar. os pacotes DEB deveriam por padrão serem abertos pelo manipulador de pacotes DEB. No entanto não o é por padrão. E quem adquire um PC com configuraçao de fábrica irá se deparar com diversos problemas chatos, como os navegadores virem sem um flashplayer atualizado. Até ele descobrir que terá que instalar o Chrome via página de download do Google, é uma caminhada e tanto.

          • Falconet says:

            O pacotes .deb não são abertos por padrão pelo software? Todos os Linux Mint, Ubuntu, ChaletOS, ZorinOS que já usei, discordam.

            O Flash Player para Linux já não é actualizado – a Adobe desistiu.
            O que progressivamente será menos importante pois é cada vez menos utilizado e o html5 está a ocupar o seu lugar.

            Isso também não será tanto assim – uma pessoa que venha do Windows está habituada a fazer download de programas a ir aos sites oficiais ou a softpedia ou download.com – Mas sim, era bom que o Chrome e outros programas estivessem já disponiveis nos repositórios e que as actualizações fossem mais frequentes – se bem que prefiro o Chromium, menos “espionagem” 🙂 e é a mesma coisa – o flash dá para utilizar no chromium (http://www.webupd8.org/2014/01/pepper-flash-player-installer-for.html)

          • Estevão Piro says:

            Aí é que está Falconet. Você citou Mint, Ubuntu, ChaletOS, ZorinOS ou seja, os derivados do Debian (gostei muito do Mint, tanto que indico ele ao invés do Bug-untu). Quanto ao flash não importar por um dia o HTML5 ´ra ser padrão…bem, dizem também que Jesus vai voltar, então até lá quem optar ppor Llinux será “livre” para não ver videos em flash no youtube e páginas associadas…

          • Falconet says:

            Ubuntu, Mint, etc trazem todos a ultima versão do flash, 12 qualquer coisa para linux.

            Por isso, qualquer pessoa consegue ver vídeos que usem flash (hoje em dia Youtube, Dailymotion, etc ja usam html5 como padrão pelo que nem precisam de flash) – também consigo jogar jogos flash se quiser.

            Não tive nenhuma página até hoje que não conseguisse visualizar devido ao flash do linux. Sim, todos esses lêem pacotes .deb.

            Já outros que não sejam derivados do Debian/Ubuntu, então não sei mas acho que não dá. Só usei Fedora há muitos anos atrás.
            Também gosto muito do Mint.

  2. Glink says:

    depois de ver a pagina deste projecto arrisco-me a dizer que este é provavelmente um dos projectos com melhor aspecto e com maior potencial.

    Adorei o site e adorei as screenshots, entre este e o zorin, escolho este para fazer uma transição windows -> Linux.

    • paulo says:

      Concordo Glink, em outra oportunidade falava justamente do defasamento gráfico do linux que não o tornava atrativo a um ‘test drive’. Acho que seguindo essa linha, basta juntar com o proposto pelo JJ: melhorar as apps e voilá teremos um belo sistema.

  3. Joao says:

    o pplware sempre a pressionar para instalar o linux, quando apenas usa linux quem n tem um bom pc. com bom hardwre windows e melhor.

  4. EmanuelP says:

    Aproveitando este post…

    Que distro recomendam para um Toshiba T110-11L?
    É para browser, basicamente.

    Specs

    Processador Intel® Celeron® 743
    Disco 320 GB
    4Gb DDR3 RAM
    Mobile Intel® GMA 4500M

    Tenho a Manjaro neste momento, mas queria algo diferente. Existe algo melhor?

    Obrigado!

  5. Bruno Fernandes says:

    Se eu instalar este sistema,será fácil depois desinstalar? Tenho Windows 8.1 e queria ter os aplicativos que uso mais, como Skype,footballmanager, etc a funcionar corretamente.
    Alguém me pode auxiliar nesse senfudo?

    • marcosr. says:

      Procure saber se esses programas possuem suporte para o Linux(o Football Manager 2015 e Skype possuem), mas você não precisa apagar o seu windows, pode particionar o HD e ter dois OS em seu PC.

  6. Linux Tugaz says:

    Aguardo o dia em que o pplware não trate estas Distribuições GNU/Linux apenas como mais uma no meio de muitas…

    Esta por exemplo, tem alguns destaques que mereciam estar no artigo ( no meu entender claro )..

    Por exemplo : A pessoa que a fez é a mesma que fez Great Little Radio Player, Great Little Book Shelf que estão na ChaletOS…

    ChaletOS Style Changer que permite a qualquer um mudar o visual da Distro sem ter que instalar temas nem abrir o tão temido terminal, etc, etc…

    Estes pequenos pormenores contam na hora de muitos novatos escolherem uma Distribuição GNU/Linux…

    Peace!

  7. Luis Pires says:

    Já o tentei instalar em 2 pc’s e no final da-me sempre erro no instalador. porque será?

  8. Alucard says:

    Honestamente, tenho pouca paciência para as distribuições de Linux que tentam imitar o aspecto dos outros sistemas, quer seja Windows ou Mac.

    O Linux é um sistema operativo fantástico e tem uma identidade própria, não precisa de se parecer com aquilo que não é. Vejam o GNOME 3, a Unity, o novo KDE ou mesmo o Enlightenment, isto são a identidade do Linux e são interfaces muito boas e inovadoras.

  9. Shynkendo says:

    Boas, amigo Pedro, parece queà semelhança por exp no site do baixaki,deixou de existir no cabeçalho a robrica “LINUX”, existe algum inconveniente?
    Abraço.

  10. R says:

    Esta distro não aparece no distrowatch o que me leva a perguntar se há outro site do género para poder explorar novas distros?

  11. sakura says:

    já que tem o UI falta o resto.
    e o runtime mono? *.dll y *.exe? opencv, Cocos2d-x v3.4, cordova…….
    https://github.com/MSOpenTech/

  12. Mário César says:

    Adorei a UI. Quem me derá que houvesse algo semelhante para o Mint. Eu gosto do aspecto do cinnamon, mas este é bem mais clean.

  13. Tupa says:

    Pessoal , sou do Brazil …e quero dizer que o Linux é muito usado por aqui….seja ela a distribuição qual for…

    Queria uma dica, o KDE 5.0 Plasma , me interessei por este ambiente de trabalho mas não acho em nenhuma distro ainda, alguém ai sabe qual distro já esta usando este ambiente ??

    Obrigado

  14. Luiz Peteri says:

    Eu já acho que essa diversificação de distros é a vida do Linux!

    Pela minha experiencia em TI, eu já percebi que um usuário novo só vai migrar do sistema windows para o Linux caso ele tenha a ajuda de alguém que que ele confie e já trabalhe com o Linux, para assim poder o conduzir por esse universo que todo mundo pensa que é só linha de comando.

    Mediante isso, pra eu formar a minha opinião e experiência, a experimentação de pontos fortes e fracos de cada distro que eu já usei, é o carro chefe para passar a confiança para os novos usuários.

    Como meu exemplo comecei no mundo Linux com a distro Brasileira (minha compatriota) Kurumin, logo depois migrei para o Ubuntu, em seguida fui para área de servidores com o Debian, em seguida precisei me especializar em CentOS, nesse mesmo tempo já pulei nos meus desktops do Ubunto para distros Like Ubuntu como o Lubuntu (mais leve e rápida), NetRunner (a distro mais bonita com KDE), ZorinOS (prático e fácil para um primeiro contato com o Linux), Peppermint (outra distro rápida e leve), Deepin (Bonito e bem feito, capaz de fazer até usuários Apple olharem o Linux com outro jeito), e a minha distro preferida para trabalho o ElementaryOS (Rápido, prático, bonito, leve e customizável).

    Assim, esse meu passeio pelas distros existente me levou a formar opiniões sobre aplicações, como o Thunnar (um dos melhores navegadores de arquivos que eu já experimentei), o Midori e o Vivaldi (navegadores que oferecem qualidade ao Chrome e ao Fire-fox), o VLC e o Música (os players que eu mais me identifiquei, fáceis, rápidos e práticos), e por ai vai…

    Claro, uma chuva de distros sempre confunde mais do que ajuda, mas graças a essas minhas experiências, hoje eu sei oque indicar de melhor para os meus clientes e amigos, conheço os pontos fortes e fracos das aplicações e sistemas, além de me tornar muito mais maleável aos problemas específicos que cada sistema apresenta.

  15. Amigos, Linux é questão de amar ou odiar!
    Quem gosta, como eu, gasta tempo para aprender, fuça, mexe, descobre…
    Quem só quer sentar na frente do computador pra fazer coisas automáticas, tem que ficar como ruwindows mesmo…
    Achei essa distribuição fantástica para instalar em computadores de pessoas que querem mudar e acham que Linux é um bicho de 7 cabeças.
    Estou testando ela a mais de 2 semanas e ainda não tenho nada a reclamar.
    A minha distro predileta é a LinuxMint, mas como disse, Linux é questão de amar ou odiar…

    • marcosr. says:

      E as desculpas dos odiadores vão mudando com o passar do tempo.

      Antes falavam que o Linux não tinha jogo mas agora possui um grande acervo de jogos sem contar os emuladores totalmente funcionais(MAME 152, ZSNES, FCEUx, EPSXE etc).

      Agora a nova desculpa é que o “Office” do Linux é medíocre, como se a pessoa usasse(e sempre) 100% dos recursos dos da microsoft.

      Vamos ver qual será a próxima.

      • joao says:

        As desculpas para com o linux são sempre as mesmas. Vão desde os dispositivos não suportados ou não suportados totalmente pela falta de desenvolvimento de drivers próprios para linux (e temos o caso da tecnologia Optimus da Nvidia), passando pela suite de office que para o utilizador normal é indiferente mas falando em Macros o caso muda de figura. Podemos falar também em software de modelação 3D para engenharia que seja superior a Autocad ou 3DS. E por ultimo podemos falar na autonomia(portáteis) e mesmo até no peso do sistema. É banal haver uma grande discrepância na autonomia da bateria entre linux e windows. E falando em performance e peso do sistema, hoje, as distro não estão assim tão leves quanto isso. Entre ter um sistema que gaste uns 500 Mb de memória ou 1G e qq coisa não é problema para os novos pcs que no minimo trazem sempre uns 4Gb de memória.
        Por isso no final é uma questão de gosto e paciência para utilizar linux.Porque não é pela performance e leveza que se escolhe linux hoje para o utilizador comum. já foi, hoje não o é. Porque afinal para navegar na internet, entretenimento e trabalhar em office(ou semelhantes) qualquer sistema serve.
        E isto é um desabafo de um utilizador já sem paciência que desde à alguns anos se debate com problemas de hardware, software de CAD em linux algum tempo antes de haver ubuntu e seus derivados tão bem desenvolvidos que vao fazendo as delicias de alguns hoje. 😉

    • eligamer says:

      Gostei do comentário e eu acho a mesma coisa que vc, muitos por aí dizem que “linux é bom apenas para empresas”,mas eu acho o contrário, se vc for no wikipedia, vc vai ver a infinidade de linux que são pefeitos para jogos.
      Agradecendo ao comentário Eligamer.
      🙂

  16. RJCA says:

    ui mais uma para testar… 😀

  17. Falconet says:

    Estou a usar desde 11 de Março, dia o qual o Windows 7 deixou de funcionar (mais tarde vi que o problema foi do Panda Free Antivirus). Já há dois dias que tinha instalado nos meus portateis.

    O Chalet OS é bonito, rápido, traz o WPS Office que é um clone do MS Office na minha opinião (para alguém que disse que não há office no linux), eu uso Libreoffice, traz o browser, traz dois softwares do próprio criador (um para ler Ebooks e outro para ouvir rádio) entre outros.

    Instalei os programas que quero (Libreoffice, BOINC, Deluge, Peerguardian, Chromium, Pinta, Ubuntu Tweak, F.Lux etc), desinstalei o que não quero e meti as definções ao meu gosto. Instalei também alguns jogos da Steam e o 0 A.D (muito bom jogo de estratégia open-source).

    Primeira vez que usei Linux foi há uns 8 anos, tendo tido períodos em que uso muito o Windows e depois o Linux e depois Windows outra vez. Agora só tenho o Chalet OS instalado e não quero voltar. Open Source dá uma sensação de liberdade e modernidade, não sei porquê 🙂 mas adoro.

  18. João says:

    Bom dia. Estou neste momento a usar esta distro e está bastante apelativa. Boa para iniciantes e não só. Bastante windows like e uma boa maneira de começar no linux. Realmente entre o Zorin e ChaletOS estou a gostar mais do ChaletOS. Estou a testar no meu Magalhães e é mesmo rapida e fluida.

    Experimentem!!!

  19. Joao says:

    Instalei ontem esta distro num portátil de um amigo que queria experimentar linux e consegui por o boot theme do windows a funcionar bem. O feedback ate ao momento é positivo pois têm tudo o que precisa para entretenimento, trabalho e lazer.

  20. joao says:

    update de ChaletOS. Após uma tentativa bem sucedida nunca mais consegui instalar em outros pcs pois dá erro no final da instalação. Como resolver????

    • Falconet says:

      Faz assim, quando der o erro tenta instalar outra vez. Não reinicies depois do erro!!! Faz o processo outra vez!
      Também me dava erro ao tentar a primeira vez em cada um dos 3 PC’s em que instalei e depois ao tentar uma segunda vez já dava.

  21. Fernando Lopes says:

    Gostaria de saber se essa Distro tem tradução para o Português! Se a tradução é 100% ou parcial.

  22. Pedro Henrique says:

    Só tem umas poucas coisas que deixam o chalet os a se pensar, como a falta de suporte a Portugues, que não é 100%, somente instala somente configurações regionais de números e datas. Outro ponto é que você não consegue manipular algumas configurações do gconf e etc.

  23. eligamer says:

    Olha me desculpe mas, vôces já erraram o nome do linux em que ele é baseado, e para provar isso veja em uma das suas fotos o ícone “install chaletOS 14.04” o ícone do UBUNTU. Da próxima vez que for falar de algum linux, primeiro veja em que linux ele é baseado!

    • Vítor M. says:

      Prova que estamos errados 😉 é que se fores ler ao site diz assim: “This system is not too different from Xubuntu, on which it is based…” portanto… não, não erramos nada meu caro 😉

      Da próxima vez que apontares o dedo, dá um look primeiro nas tuas fontes, assim até poderemos dar uma ajuda se precisares de alguma informação.

      Cumprimentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.