Quantcast
PplWare Mobile

ArchLinux – Como instalar sem espinhas (Parte 1)

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. kekes says:

    Parabéns pelo artigo, que lancem mais deste tipo que é o que a malta gosta, aprender as coisas de zero 🙂

  2. SuperTx2 says:

    Muito bom!

  3. Lino Lisboa says:

    Uau!!! e um Uau para o wallpaper também

  4. Ricardo Gaio says:

    Parabéns pelo artigo Pedro!! A ver se é desta que me converto ao ARCH.
    PS: Não te esqueças de indicar o wallpaper… 😀

  5. Willian says:

    Uma coisa que é boa explicar nesse “tutorial”, é como alterar a linguagem do teclado.

  6. coder says:

    Como instalar Arch Linux
    • Loadkeys pt
    • setfont Lat2-Terminus16
    • Cfdisk:
    o Boot 512mb
    o Swap 6144mb
    o Ext4 1 20000MB
    o Ext4 2 rest
    • Mkfs.ext4 /dev/sda1
    • Mkfs.ext4 /dev/sda3
    • Mkfs.ext4 /dev/sda4
    • Mkswap /dev/sda2
    • Swapon /dev/sda2
    • Mount /dev/sda3 /mnt
    • Cd /mnt
    • Mkdir boot home
    • Mount /dev/sda1 boot
    • Mount /dev/sda4 home
    • Pacstrap /mnt base base-devel -> time to zzzZZZZzzzz
    • Genfstab /mnt >> /mnt/etc/fstab
    • Arch-chroot /mnt
    • Passwd
    • Nano /etc/locale.gen (EN UTF)
    • Locale-gen
    • Nano /etc/locale.conf (PT?)
    • Ln –s /usr/share/zoneinfo/Atlantic/Azores
    • Echo name-pc > /etc/hostname
    • nano /etc/pacman.conf
    o [multilib]
    Include = /etc/pacman.d/mirrorlist
    • pacman -S gksu sudo grub-bios
    • Useradd –m –g users –s /bin/bash username
    • Passwd username
    • Grub-install /dev/sda
    • Grub-mkcofing –o /boot/grub/grub.cfg
    • Systemctl enable dhcpcd.service
    • Exit
    • Unmount –R /mnt
    • Reboot and go Root
    • nano /etc/sudoers e editar:#User privilegie specification => ADD: “username ALL=(ALL) ALL”
    • pacman -S alsa-utils nvidia lib32-nvidia-utils xorg-twm xorg-xclock xterm ttf-dejavu gnome gnome-extra gnome-tweak-tool -untested- ntp lib32-alsa-plugins rdesktop gvim?
    • systemctl enable gdm.service

  7. Nuno says:

    Estava a espera deste tutorial, para instalar o ArchLinux através de CLI. Sempre se aprende mais uns comandos 😉

    Thanks

    Cumps

  8. Marzkor says:

    Por que não seguir o guia “oficial” ?

  9. Nimboos says:

    Muitos parabéns Pedro Pinto!!! Quero continuar a ler artigos destes aqui no pplware! 😀

  10. int3 says:

    “Sem espinhas”. Ainda dizem que o Arch é user-friendly. xD Eu tenho a certeza que Arch é das distros que mais quer complicar o user. Isto é uma distro para pessoas entendem já bem de Linux. 🙂

  11. Alvaro Costa says:

    Corri o manual para instalar o Arch numa VM em VirtualBox e no arranque fica com “Booting…”
    Fiz a instalação 2 vezes só para o caso de ter falhado algum passo. Mas não, fiz tudo bem….
    O que estará errado?

    • int3 says:

      “booting…”? ele chega a dar o grub? Se sim então correu mal no pacstrap ou no genfstab.

      • Alvaro Costa says:

        Depois de escolher “Booting existing OS” fica em “Booting…” tão simples quanto isso.
        Não há atividade na VM….
        Em relação aos pacstrap ou genfstab confirmei os comandos praticamente carater a carater…
        Pode ajudar o seguinte: retirei o ISO da VM e quando arranca apresenta a seguinte mensagem: “FATAL: No bootable medium found! System halted.”
        Estranho esta mensagem já que lhe disse qual era a partição de arranque aquando o CFDISK…

        • TuxPT says:

          É normal que aconteça, não tens nenhum bootloader instalado. O tutorial não ensina a instalar o grub (bootloader) para arrancar com o SO.

        • TuxPT says:

          … nem a definir password de utilizador root, nem a criar um outro utilizador. Portanto, no limite, no fim de seguirem este guia têm um disco cheio de ficheiros que não servem para nada 🙂

          Pode ser que a parte 2 resolva a situação. até lá, é melhor não o seguirem. ou então, façam como está ali no post do @coder, pelo menos está completo 😉

          • Pedro Pinto says:

            Calma TuxPT, como está referido no artigo esta é a Parte 1…é extensa.. Brevemente terás a parte 2.

          • lmx says:

            “… no limite, no fim de seguirem este guia têm um disco cheio de ficheiros que não servem para nada”

            não é bem assim, o SO já fica instalado, agora falta criar o resto 😉

          • TuxPT says:

            lmx, eu sei disso, tu sabes disso 😉 para nós basta pegar numa “livepen” fazer chroot e acabar a coisa. para quem nunca viu isto à frente o que achas que vão fazer? há aí pessoal já a dizer que tentaram instalar duas vezes 😛

          • lmx says:

            “há aí pessoal já a dizer que tentaram instalar duas vezes” 😀

            Nem sabes o que me fizes-te lembrar com o teu comentário 😀

            Quando eu comecei a usar linux, isto era o prato do dia, mas como eu não tinha conhecimento…só aquelas distros que funcionavam é que eu usava…

            Ás vezes chegava a tentar 3 vezes, mas era cada knockout 😀 , relembraste me esses tempos, que na altura não tinham graça nenhuma, e agora fazem-me rir a gargalhada 😀

          • Pedro Pinto says:

            eh eh eh, de facto ha muitos anos isso também me aconteceu 🙂

          • TuxPT says:

            bons “velhos” tempos 😉

            bem… agora que penso nisso…. já são mesmo velhos porque já vai para lá de 13 anos a 1ª vez 😛

          • lmx says:

            😀 😀

            O que a malta sofria, sem Internet, sem acesso rápido a informação, etc…

            E é engraçado(para quem já superou essa limitação,para os outros é o horror actual…)…
            mesmo com a evolução, as pessoas acabam numa ou noutra situação por passar por estes problemas…

            A força de vontade, acaba por obrigar a malta, a “se levantar”, e continuar a tentar, e toca a reinstalar, até funcionar 😀 😀

            Uma grande prova de que os obstáculos, para o ser humano, são para serem conquistados… 😉

        • TuxPT says:

          @Pedro Pinto

          Nada contra o autor claro. Simplesmente o corte foi feito pelo sitio errado e estão a deixar sistemas em muito mau estado 😉

          • TuxPT says:

            Hein?! Então publicam um tutorial de instalação em que, obviamente, os mais curiosos vão testar. O que é que acontece, ficam com um sistema sem maneira de fazer login (caso consigam por o sistema a arrancar), ou no pior caso, simplesmente não arranca porque não tem bootloader.

          • Pedro Pinto says:

            Ahh.ja te disse que é na segunda parte.

          • TuxPT says:

            Ok pronto, mas então faz só uma nota para o pessoal não seguir este tutorial sem estar *todo* disponível 🙂

          • Alvaro Costa says:

            Depois de ter lido a tua resposta (à qual agradeço), fiquei a saber em que estado ficou a minha instalação. E tens razão em relação ao corte. Poderia ter sido depois da instalação do GRUB ou de outro bootloader qualquer. Habitualmente no CentOS não tenho estes problemas.
            Ficarei à espera da 2ª parte 🙂
            E obrigado pelo artigo! Até onde chegou funcionou!!!! 🙂

          • Pedro Pinto says:

            Sem perder tempo…Já está pronta a parte 2 🙂

        • Pedro Pinto says:

          Alvaro, faz assim. Tira o .iSO do arranque e depois escolhe a opção Boot Arch Linux

        • int3 says:

          se tiras o ISO e dá “FATAL: No bootable medium” significa que a BIOS do VB não encontrou o MBR do disco virtual.

          • TuxPT says:

            Claro, não tem grub instalado. Onde é que no tutorial ele instala o grub? 😉

          • lmx says:

            Boas…

            Ora ai está, é isso mesmo 😉

            Normalmente deve-se escolher o mbr para instalar…

            Normalmente instala-se a primeiro estagio no mbr, o estagio 1.5 imediatamente a seguir ao mbr(existe um espaço de cerca de 1MB vazio que é aproveitado…63 sectores), e o estagio 2 fica no disco do SO…

            O estagio 1.5 normalmente é o que faz aparecer o menu de escolha no ecran…mas pode haver boot loaders apenas com estagio 1 e 2, nesse caso o estagio 1.5 está no estagio 2…

            O que pode ser um “pincel”, porque se apagarmos a partição desse SO…lá se vai o menu de escolha dos outros….dai ser preverivel ter 3 phases de boot(sendo que a 1.5 fica a seguir ao mbr, pois é mais seguro, se apagarmos um disco ela continua lá…) 😉

          • int3 says:

            @lmx e quando dá erro no initramfs é porque no grub está mal especificado a imagem do kernel ou então está mal instalado o kernel /vmlinux
            http://en.wikipedia.org/wiki/Vmlinux
            🙂

          • Alvaro Costa says:

            Exato, sem o ISO da erro fatal.
            Foi como o TuxPT escreveu: falta o bootloader.
            Eu espero pelo resto 🙂
            A máquina fica parada, sem problemas 🙂

          • Alvaro Costa says:

            Resolvi olhar para o “script” do coder e já cá canta!!!
            O grub está instalado e já o tenho a rolar 🙂
            Obrigado pela ajuda!

          • lmx says:

            @int3

            sim 😉

            talvez possa haver algum outro problema, mas pode ser 😉

            Normalmente os sistemas que fazem detecção de hardware, precisam de uma initramfs…

            Mas por exemplo se tiveres um parque com 1000 maquinas, e se forem todas iguais, podes criar uma imagem sem initramfs, porque não precisas de fazer deteção de hardware no arranque, as maquinas são todas iguais, pelo que os módulos de kernel a carregar são sempre os mesmos, e poupas no tempo de boot 😉

            Mas se futuramente instalares uma placa pci em uma maquina, tens que ser tu a carregar os módulos correspondentes, porque não há initramfs, para fazer deteção de hardware… 🙁

            As distros actuais veem com initramfs, porque o propósito é servirem o maior numero de hardware possível. 😉

  12. superneo says:

    Se ele é assim para instalar, então o resto…
    Prefiro o mint. user-friendly.

    • Luís Nabais says:

      O resto é a parte fácil 🙂 E aí não há distro que bata Arch. A instalação é o único grande trabalho e só é feita uma vez. Depois é (usando alguns estrangeirismos) rolling release, bleeding edge, rápido como tudo e não precisas de reinstalar novamente.

  13. Sérgio Lackmann says:

    Quais os pré-requisitos necessários pra rodar o ARCH, tenho um pc com 256mb em desuso, seria possível? grato!

    • Ricardo Gaio says:

      Sim, é. Nunca usei Arch, mas pelo que sei, o “problema” são os gestores de janelas (KDE, Gnome, LXDE, XFCE, …), independetemente da distro, sendo que os mais “gulosos” são o KDE e o Gnome.
      Se instalares o ARCH, já de si uma instalação “enxuta” e se usares o LXDE ou XFCE, em principio, não terás problemas de performance. 😉

  14. Roney says:

    Muito útil!

  15. Brito says:

    Obrigado pelo artigo , logo vou testar a ver se funciona 🙂

  16. Marlon says:

    Poderia compartilhar vosso papel de parede?!

  17. sfhhfghfgh says:

    so o facto de precisar de um tutorial para instalar levanta logo questões acerca do “user friendlyness” da coisa…

  18. Saw says:

    faz logo a segunda parte eu preciso

  19. Paulo Ferreira says:

    Este método aplica-se a versão atual? 2016.04.01????

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.