Quantcast
PplWare Mobile

Silicon Sisters – A pensar nas mulheres!

                                    
                                

Autor: Paulo Silva


  1. kekes says:

    Uma coisa que eu acho engraçada e que dantes as mulheres criticavam os homens por jogar, agora são o mercado mais apetecivel do mundo, viciam-se mais facilmente que os homens, temos o exemplo dos jogos sociais… Eu já vi cada coisa que nem comento 😀

    Mulheres, um mercado de milhões, lamentavelmente algo que se está a tornar muito assustador do meu ponto de vista, pois promove-se um jogo continuo e sem fronteiras.

    Deu uma vista de olhos na intervista quando tiver tempo leio tudo, mas pareceu um optimo trabalho, parabens 🙂

    • kekes says:

      Prontos acabei de ler lol

      Mesmo sem ter lido tudo anteriormente o conteudo foi de encontro ao que pensei. Eu não sou mulher e desconhecia o School 26 mas fui ver se percebia do que se tratava e pelo que percebi parece mais um daqueles dating games asiaticos mas com amigos. Eu percebo o jogo dos Sims, as minhas irmãs jogam e eu adoro a parte de construir casas 😀 a sorte é que elas deixam-me fazer essa parte 😀
      Os dating games japoneses sempre existiram, apenas não tiveram grande penetração nos nossos mercados porque não habia muitos interessados, este aqui baseia-se no mesmo mas fazer amigos… agora entra a parte do marketing e das plataformas moveis. As plataformas moveis vieram modificar o mercado, deixou-se de dar tanto valor a certas coisas para se dar a outras, o que foi engraçado e devido a isso creio que o jogo posso ter sucesso devido a isso, as plataformas moveis.
      Agora uma coisa lamento que ainda não se tenha encontrado uma formula extra The Sims, um jogo muito bem construido, para entertenimento femenino de qualidade.
      Jogos de fazer amigos, de tratar de quintas, todos acabados em Ville, de fazer cafés e afins são uns consumidores de tempo incrivel e com pouca capacidade de diversão, apenas competitivos. Não considero gaming de qualidade.

  2. M.Manuelito says:

    Se eu lê-se inglês de forma fluente era um espectáculo 🙂

  3. teca says:

    De facto, seria de muito bom grado terem feito a tradução da entrevista para Português. Seria nada mais nada menos que uma questão de respeito pelos leitores e pelas leitoras que têm como sua língua materna o Português.

    Eu percebo Inglês, mas o facto de tal entrevista, num blogue Português, estar em Inglês, tira a vontade de a ler.

    Obrigada

    • Vítor M. says:

      Nada que dar um pouco de cultura, por isso somos conhecidos como um povo culto em termos linguísticos. Qualquer pessoa em Portugal “arranha” o inglês, o espanhol ou o francês, somos hospitaleiros até na percepção de outros idiomas.

      É com desafios que se consegue mais performance, mesmo ao nível linguístico 😉 e a preguiça é inimiga dos audazes… és preguiçoso ou audaz?

      • Sim, mas cultura e hospitalidade é uma coisa e falta de orgulho na lingua Portuguesas é outra.
        Já estive em vários paises que posso considerar hospitaleiros ( o povo), mas todo o meio de multimédia desses paises está na sua própria lingua, se um estrangeiro tiver que ler uma revista, ver televisão ou consultar um blogue das duas uma ou fala a lingua desse país ou tem de prócurar uma tradução em Inglês . No meu caso falo tão bem Inglês como português , mas se é para “puxar” linguisticamente pelo nivel cultural do artigo , então que tal em vez do idioma Inglês usar o Latim, Grego, ou até mesmo em Acadiano? Isso sim era cultura! ( não se percebia quase nada , mas que era lindo era).

  4. tiago says:

    Qualquer profissional hoje em dia tem de dominar pelo menos o inglês. E caso não domine, tem de se desenrascar recorrendo às ferramentas que temos à nossa disposição pela web fora.
    Português é mestre na arte do “desenrascanço”.

    • Vítor M. says:

      Bem verdade… dura para muitos, mas uma regra de ouro!

      • luislelis says:

        Realmente o= portugues gostade baixar a cabeca.
        Nunca em tempo algum vi um site ingles frances ou chines meter um artigo portugues e nao o traduzir.
        Mas o tuga q se acha inferior acha que todos temos a obrigacao de saber ingles.
        Como disse o Lula uma vez que lhe perguntaramse sabia ingles para poder governar. respondeu simplesmente Se alguem perguntou ao Clinton se sabia falar Portugues.
        Victor essa desculpa e de preguicoso.
        Eu nem devia reclamar pq como podes ver pelo meu ip vivo fora de portugal.
        E choca me ver esse subalternismo ao ingles.
        O portugues e tao giro e moderno.

  5. C.Oliveira says:

    Se fosse um estúdio a produzir conteúdo exclusivo para homens, diriam (alguns) que seriam logo gays.
    Mas como é para mulheres, chamam de “feminismo”. LOL

  6. avocunha says:

    atençao Kekes “Deu uma vista de olhos na intervista ” seria bem “dei uma vista de olhos na entrevista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.