PplWare Mobile

Usa caderneta do banco? Acabaram-se os levantamentos e transferências de dinheiro


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. Nelito says:

    Deviam ser totalmente abolidas…. coisa de pré-história bancária

  2. Joao says:

    Mais uma maneira para virarmos para os cartões de debito e por sua vez pagar anuidade e dar mais dinheiro aos bancos

  3. Nunes says:

    Esta medida vai criar MAIS, problemas as pessoas de idade. Que não sabem usar o multibanco.

    • Joao Ptt says:

      Vão ao balcão, coisa que já faziam antes, ou então pedem o cartão e adaptam-se às novas circunstâncias… é para o interesse delas, certamente que mesmo gente idosa consegue.

    • censo says:

      Isso não existe. Se levantavam dinheiro nas máquinas com a caderneta, qual é o problema em fazê-lo com um cartão ? Isso é estigmatizar as “pessoas de idade”. Já agora, que idade ??

      • JLB says:

        Caro “Censo”…
        Não é estagmatizar, mas é uma forma de nos referirmos uma pessoa idosa.
        Como diz o ditado: “Para bom entendedor, meia palavra basta !”

        • censo says:

          Mudaste de Nunes para JLB ? Associaram problemas a pessoas de idade, se isso não é estigmatizar, é o quê ? Os novos não tem problemas ?? Nascem logo ensinados ?

  4. Luis Silva says:

    Que pelo menos ponham cartões gratuitos para sempre o de débito claro já que as cadernetas não vão ter grande uso agora.

  5. JLB says:

    Não esquecer que se calhar existem muitas pessoas idosas que só sabem trabalhar com a Caderneta.
    Além de que a CGD é uma autêntica máquina de chular as pessoas.
    No meu caso, que tenho uma pessoa idosa a cargo e esta tem uma conta na CGD; por mês a CGD cobra 5E e tal por manutenção de conta, por cada levantamento ao balcão mais 2E e tal, por uma transferência bancaria online 0,55Cent cada, mais a anuidade por cada cartão e por aí a fora…
    Estou mesmo a pensar mudar de banco, mas tem de ser para um que exista lá “terra” e só existe mais um !!!
    Quem julgue que é só acabar assim com as cadernetas não deve ter a noção da realidade que se vive em muitas povoações do interior em Portugal.
    Por acaso a CGD fez algum estudo da real necessidade da utilização da caderneta por cada pessoa?
    Sim em termos de segurança não são lá muito seguros, e os cartões só são mais seguros porque começam a existir 2,3,4,…FA para os tornar mais seguros !!! 🙂

  6. Manuel says:

    Parece absurdo ainda existir esta opção mas para vários milhares de pessoas vai começar um pesadelo. Toda a vida usaram as cadernetas. Os balcões da caixa vai ficar ainda mais entupidos.

  7. Nuno Fernandes says:

    Isto é só para dificultar a vida às pessoas é o que é! Além de que é uma maneira da caixa mamar mais uns milhares em anuidades do cartão! Era esses 250mil fecharem conta lá e eles pensavam duas vezes!

    • Joao Ptt says:

      E depois mudavam para lado nenhum, problema não resolvido.
      Mudar para o cartão de débito/ crédito não vai resolver o problema de segurança mas alguém vai ficar mais cont€nte.

    • Pedro says:

      Para o típico utilizador da caderneta,ou seja,o pensionista/reformado, o cartão é gratuito. Uma vez mais. Está no preçário do banco.

  8. Ricardo says:

    Terão então de aumentar o limite diário de cada cartão de 400 para o mesmo que cada caderneta tem associado, pois muitas pessoas têm caderneta mesmo por isso, para poderem levante valores muito superiores aos 400 sem ter de ir ao balcão…

  9. Tiago says:

    A alternativa é aderir aos serviços mínimos bancários, coisa muito pouco divulgada pelos próprios bancos (vai-se lá saber porquê) hahaha

  10. Bruce says:

    Os idosos que aprendam a usar cartão pois é mais fácil.
    Sei do que falo, minha mãe já ficou com a caderneta presa na máquina várias vezes, uma delas por desgaste!

    Acho mais difícil usar a caderneta face ao cartão de débito, eu mesmo usei a dela e já me pediu várias vezes para tentar novamente, numa delas até escreveu por cima da página errada ficando sobreposta a informação.

    Abri uma conta para ela no banco CTT com cartão e ponto final. Zero comissões!

    Se um idoso aprende a usar um smartphone também pode aprender a usar um cartão de debito, deixem-se de mariquices.

  11. Carlos says:

    Oportunidade bancária em ganhar mais dinheiro, apresentando desculpas técnicas, a sociedade, enfim tempos modernos, pagar,pagar a qualquer preço, sem possibilidade de defesa…

  12. Tiago Ferreira says:

    Eu acho que todos nós estamos aqui a especular as capacidades de cada um. Em 1990 quando a TMN, lançou os telemóveis portáteis, a Telecel em 1992 e a Optimus em 1998, muitos idosos não tinham telemóvel porque não sabiam usar, outros porque não se entendiam com eles. Hoje em dia tantos idosos usam telemóvel, com tarifários que em 1990 e 1992 eram impensáveis pois as mensalidades e o preço das chamadas eram muito elevadas. Em 1995 a TMN foi pioneira ao lançar o primeiro tarifário pré-pago onde lhe deu o nome de MIMO, em 1996 a Telecel (Vodafone atualmente), lançou também o seu primeiro tarifário pré-pago onde lhe deu o nome de Vitamina T. E daí para a frente tudo mudou e começou a ser mais acessível ter telemóvel. Esta pequena explicação para vos dizer que a evolução das coisas é assim mesmo. A partir do dia 14 de Setembro acabam-se as cadernetas para levantar dinheiro ou transferências e as pessoas tiveram tempo durante muitos anos adaptar-se aos cartões de débito que já existe desde 1983 e as pessoas tiveram mais de 35 anos para se adaptar à evolução, se não o fizeram, não foi só devido aos custos, mas sim o português não é adepto de mudanças. Nós somos um povo que gosta de viver na sua zona de conforto e quando há mudanças, leva tempo a aceitá-las, e esta situação vai ser mais uma. Daqui a uns anos quem sabe possamos ter em todos os bancos o cartão de débito inteiramente livre de custos, da mesma forma como aconteceu com os tarifários dos telemóveis. Daqui a um futuro próximo, acreditem que o futuro passará pelo fim dos cartões físicos e nessa altura será tudo feito de forma digital nos smartphones e nessa altura acreditem que haverão muitos clientes a reclamar que preferem o cartão físico e por ai fora. Portanto nunca seria benéfico se não houvesse evolução e crescimento das novas tendências e tecnologias, ou então também nós não evoluíamos e ainda vivíamos no tempo da Internet dial-up a 10kbps de velocidade.

  13. Rui says:

    Percebi que vai deixar de dar para levantar dinheiro com a caderneta no MB, não percebi é se continua a ser possível ou não levantar dinheiro com a caderneta no balcão.
    Obrigado.

  14. Ricardo Gomes says:

    Infelizmente não é essa a verdadeira razão para a limitação da caderneta… 🙁

  15. JLB says:

    Já percebi que nem te deste ao trabalho de ler o artigo da DECO e comparar com o que CGD tem escrito… EH EH EH !!!
    E nem percebeste que quem te respondeu lá em cima foi mesmo o JLB (eu) e não o Nunes…
    Terminamos a conversa por aqui, fica lá com a bicicleta que eu vou a pé ! 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.