PplWare Mobile

Última Hora: Tiroteio junto à sede do Youtube

Marisa Pinto

Editora no Pplware e psicóloga de profissão. Desde cedo que a tecnologia é uma paixão, interessando-se em particular com o impacto que esta tem na nossa vida e nos comportamentos que as pessoas adotam nas redes sociais.

Destaques PPLWARE

24 Respostas

  1. Helder says:

    Este mundo está cada vez pior…ainda gostava de saber qual é o intuito destas pessoas para fazerem uma coisa deste calibre

    • Tiago says:

      Aparecerem no jornal uma vez na vida!!!

    • ACS says:

      Cada vez pior? Há coisas destas todos os dias. só é noticia porque foi no youtube e ao que parece uma mulher.

      • Helder says:

        Pois é, caro amigo.

        O problema é que temos todas as condições (i.e. comparando com o passado) para criar um mundo melhor, mais feliz e isso tudo…mas pelos vistos, há sempre quem queira ver o mundo arder.

        • Bruh says:

          Com 7 biliões de pessoas neste mundo, achas mesmo que tens todas as condições para criar um mundo melhor lol
          Primeiro tinhas que diminuir, e em muito, este número. E tão cedo isso não vai acontecer por isso, boa sorte.

          • Helder says:

            O problema nem é tanto o número de pessoas, mas sim como elas estão distribuídas pelo globo.

            Basta o mundo querer (principalmente, os ricos) e de certeza que não havia tanta miséria neste “pobre” planeta.

          • Brasão SS says:

            7 biliões? Não será um exagero?
            Os últimos censos apontam para mais de 7 mil milhões. Perto dos 8 mil milhões, em 2017.
            Ai essa Matemática!

            https://www.matematicaviva.pt/2012/07/milhoes-mil-milhoes-bilioes-ou-trilioes.html?m=1

          • Rafael says:

            “Em termos demográficos, a população mundial é o total de humanos atualmente vivendo no planeta Terra. Estima-se que a população global chegou a 7,6 bilhões, em outubro de 2017.[1] As Nações Unidas estimam que a população humana chegará até 11,2 bilhões em 2100.[2]” -Wikipédia

          • Brasão SS says:

            @Rafael
            Não sei se o comment é para mim ou para o @Bruh.
            Essa é a escala usada no Brasil. 7,6 bilhões.
            Em Portugal a escala usada é 7,6 mil milhões. No português de Portugal o termo correto é este último que mencionei.

    • Rafael says:

      Já ouviu falar da África?
      É cada um viu.
      Vê se cresce meu.
      Pára de tomar leite.

  2. Asdrubal says:

    Epá….

  3. pedro says:

    alguém publicou um video que não devia ???

  4. Hefesto,o Grande says:

    Como o mundo anda.É só dementes e chalados que por aí andam.Eu estou completamente por fora e à parte desses doidos !! Graças a Deus que não me misturo com malucos,foge !!

  5. Kommissar Lohmann says:

    O problema não é haver muitos dementes e chalados (sempre os houve, mas mesmo que hoje em dia possam ter aumentado), o problema é que nos EUA estes dementes e chalados até armas automáticas e semi-automáticas conseguem arranjar por meia dúzia de tostões, como se fosse a coisa mais normal do mundo. Já é assustador pensar que pessoas saudáveis possam andar com metralhadoras em casa, quanto mais um doente mental.

    • Avoz says:

      +1 um doutorado em que, va-se la saber….
      Ja alguma vez te deste ao trabalho de pesquisar o que se passa por essa Europa fora, Portugal incluido?
      Acho hilariante e a arrogancia Europeia perante a cultura America, enquanto ao que se passa ca vira-se a cara ao lado.
      Talvez nao o saibas, mas pesquisa, estatisticamente a probabilidade de seres roubado em casa e bastante superior na Europa do que nos EUA, porque sera?

      Deixa-me la ver aqui o tipo descriminado socialmente ( criminosos ) entra numa habitacao que nao e dele, rouba, talvez mate ou viole, fuma um cigarrito no final e prontos o seu servico e esta feito, a vitima nada pode fazer pq se reage, defende e o agride ou mata passa a ser considerado o agressor ( plus 1 )

      Nos states o criminoso, dificilmente comeca a pensar ” ora bem as probabilidade de que o dono desta casa tem uma arma sao elevadissimas e segundo a lei, muito simples entro em casa alheia sem autorizacao, levo bala no mesmo sitio em que me encontro ” bom e melhor eu ir procurar um emprego.

      Outra parte que nao deves ainda ter reparado e no enfase que se da aos states e a omissao que se da na Europa, va-se la saber p? e esta hein!!!

      • pedro says:

        A frequência de desatarem aos tiros numa escola também tem sido maior na Europa…
        As probabilidades são sempre boas quando as balas atingem outros que não nós ou alguém próximo.

  6. Miguel Ribeiro says:

    … “Vadim Lavrusik, um dos gestores de produção no YouTube deixou, no seu Twitter, um alerta para a situação de um atirador no campus, que estaria barricado numa sala com outros funionários da empresa” …

    Creio que o Vadim é que estava barricado numa sala com os colegas. Não a atiradora!

  7. Arlindo says:

    “Ativista dos direitos dos animais” que se esqueceu pelo menos de uma espécie, a dos humanos. Há muito ativista assim.

    Também sou pelos direitos dos seres vivos, mas nunca acima das pessoas. É que depois dá nisto… (nos casos mais extremos, claro)

    • VC says:

      …nunca se esqueça Sr.Arlindo que o único animal que acha que tem direito a usufruir deste planeta e se acha o dono disto tudo, é quem comete os maiores crimes, não só desrespeitando os outros seres vivos como a ele mesmo. Basta observar ao seu redor e pensar um pouco. Partilhamos este planeta com biliões de outras espécies (das quais dependemos) sem qualquer respeito por elas achando que elas são menos importantes do que nós, no entanto elas existem neste planeta muito antes da humanidade, devemos lhes esse respeito, pois se não fosse o homem nem sequer existiria essa coisa de “direitos dos animais”. Se acha que conseguiria viver sem as restantes espécies, escolha outro planeta, se não agradeça à mais insignificante bactéria, por existir e nos ter proporcionado viver neste planeta talvez único no universo.

      • Arlindo says:

        Amigo, como disse, sou pelos direitos de todos, inclusive dos animais.

        Agora não alinho nessa ideia de que devemos apaparicar o nosso cãozinho no nosso apartamento e gastar balúrdios com ele, quando há seres da nossa mesma espécie a precisar de muito mais. Exemplo: é impensável em Lisboa estar-se a investir em ambulâncias para cães e gatos quando é público que faltam ambulâncias para pessoas.

        Desculpe-me a crueza. De qualquer forma, percebo o seu ponto.

        • VC says:

          Não tem que desculpar Sr.Arlindo, eu também respeito o seu ponto de vista, o problema é das politicas humanas, que decerto já verificou servirem os grandes lobbys, esquecendo que deveriam estar ao serviço das pessoas, os animais não têm nada a ver com isso e merecem o melhor que lhes podemos dar, posso lhe dar um exemplo, se me permite, tenho um familiar que é invisual e não pode passar sem o seu cão no seu quotidiano, o animal tem uma relação tão especial (e visse versa) que choca qualquer humano. Os animais também salvam vidas humanas, eu mesmo já assisti a treinos, quando fazia parte de uma cooperação de bombeiros, o amigo mais fiel que alguma vez já tive. No entanto nós humanos somos capazes de interpretar uma tourada como um espectáculo ou um bailado, o que me leva a concluir que os animais por vezes conseguem ser mais humanos e compassivos que o ser humano, o que me deixa realmente triste. No entanto continuo a ter alguma esperança que um dia, mesmo que muito remoto, consigamos coabitar com todas as criaturas vivas com o mesmo respeito que deveríamos ter com o nosso semelhante.

  8. bom senso says:

    e mais uma vez onde? nos Estados Unidos para não variar…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.