PplWare Mobile

Tem um drone? Há novas regras que deve conhecer


Pedro Pinto

Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

34 Respostas

  1. Pintor says:

    Por aqui ainda vai aparecer um imposto anual para quem tem drone.
    E ainda pagamento de taxa para. A RTP pelo carregamento do mesmo.

  2. Pedro Barbosa says:

    Não te ponhas a dar ideias… lol

  3. Pepe Aviador says:

    Está perto o final dos drones em Portugal. É aproveitar enquanto não vem por aí uma série de leis e regras, taxas e seguros que vai fazer com que ninguém queira ou possa ter um drone. Sim, concordo que devem existir regras.

  4. José Matias says:

    Já existem as ditas regras, ter que solicitar com antecedência de 10 dias úteis a captação de imagens/vídeo à ANAC, por exemplo, não voar acima de 120mt’s e seguros ainda são facultativos, eu tenho, a título de exemplo para Mavic Air pago 80,25€ e para o Spark 84,00€, preços anuais. Qualquer coisa visitem o “voanaboa”

    • Pedro Barbosa says:

      estranho a ultima simulação que fiz era qq coisa como 350€ anuais…

    • Rui Martins says:

      Olá José Matias, podes pf indicar qual a seguradora onde fizeste os seguros e qual a responsabilidade civil pf?
      Eu também tenho um drone com seguro, uso-o principalmente como hobby, apesar do seguro ser opcional, preferi faze-lo, mas paguei 168 euros e tenho responsabilidade civil de 50 000.00 euros.
      A minha seguradora é a Fidelidade, pretendo renovar com a melhor proposta no mercado.
      Cumprimentos

    • Fernando says:

      Sai mais caro para o pequeno Spark? Não parece lógico…

      • Rui Martins says:

        O meu é um Phantom 3 SE, não é Spark, nem Mavic.
        Cumpz

        • José Matias says:

          Boa tarde, com certeza que esclareço a seguradora é a FIDELIDADE50.000€, fiz quando da compra do mesmo através da loja “HPMODELISMO”. Adquiri este ano em maio. Serve o mesmo para o seu comentário anterior, a responsabilidade civil é de 50.000€

        • José Matias says:

          Em caso de dúvida, posso enviar-lhe scan da apólice! matiasjlv-2 “correio….”

          • Rui Martins says:

            Ok, obrigado, já foi bastante esclarecedor, eu conheço esse seguro, mas é uma parceria entre a HPModelismo e a Fidelidade para drones comprados nessa mesma loja, esses preços não são praticados para drones comprados noutras lojas.

      • José Matias says:

        Fernando, também sou da mesma opinião, a não ser, que seja pela discriminação, eu tenho o Mavic Air pago 80,25€ e a minha esposa com o Spark, pagou 84,00€

        • Fernando says:

          José Matias, só pode mesmo ser descriminação 🙁
          Se as companhias não podem aferir a coisa pela cilindrada então devia ser ao peso… Mais pesado mais consequências. Sempre ficava mais leve para mim com o “light” Spark 🙂
          Enfim, uma enorme indefinição e falta de critérios…

    • Joao Dias says:

      José Matias para voar um drone que tenha camera incorporada necessita de autorização da AAN e não da ANAC. http://www.aan.pt/subPagina-AAN-001.005.005-aeronaves-nao-tripuladas-drones

  5. José Fernandes says:

    Estranho, sou operador de drone e fui informado pela ANAC que tenho que ter um seguro de responsabilidade civil e cada vez que preciso de operar com o drone para poder fazer os trabalhos de fotografia e vídeo tenho que solicitar autorização…

  6. Linuxo Lord says:

    Tenho drone e assapo-o o bem.

  7. ZMR 250 says:

    Tenho um ZMR 250 que voa todos os dias com camera e sem licença 😉

    • Carimbo Tochas says:

      Parabéns?

    • José Matias says:

      Ai, isso é que não é exemplo, só falta dizer que também é daqueles que voa junto aos locais proibidos. 🙁

      • ZMR 250 says:

        Tem de haver um pouco de bom senso da parte dos pilotos 🙂 Tenho sempre o cuidado de voar no campo e sem ninguém por perto.
        Sinceramente nem tenho nada contra as regras para o voo em si, agora a licença para ter camera no quadcopter é que não faz sentido. Acho ridículo ter de ir tirar uma licença para voar 5min em FPV (ainda por cima é preciso ter leitor de C.C. para pedir).

        No mínimo acho que era bom fazer a distinção entre o video FPV que está a ser transmitido e vídeos gravados na gopro etc.
        É que eu posso voar com camera mas não estar a gravar esse video, não passa de uma transmissão, não estou a guardar imagens/video/dados

      • Gaspar says:

        José Matias, drones não apenas Phantoms e outros semelhantes que andam a filmar a altas altitudes, por cima de auto-estradas e multidões, etc com ou sem as devidas autorizações. Drones como os racers voam a menos de 3 metros do solo, em locais controlados e sem multidões.
        Já agora se não conhece as leis:

        Artigo 10.º
        Voos sujeitos a autorização da ANAC
        1 — Sem prejuízo do disposto no n.º 10 do artigo 3.º, na alínea a)
        do n.º 2 do artigo 6.º, no n.º 1 do artigo 8.º e do Anexo ao presente
        Regulamento, a realização de voos noturnos, de operações BVLOS, e
        de voos acima de 120 metros acima da superfície (400 pés) carece de
        autorização expressa da ANAC.
        2 — Exceciona -se da necessidade de autorização referida no número
        anterior relativa às operações BVLOS, os voos de RPA com massa
        máxima operacional igual ou inferior a 1 kg, que podem operar em
        BVLOS, desde que, cumulativamente:
        a) Não excedam a altura de cinco metros acima do nível da superfície
        (16 pés);
        b) Estejam munidas de equipamento FPV;
        c) O voo se situe num círculo de raio de 100 metros, com centro no
        piloto remoto;
        d) A RPA voe afastada de pessoas e bens; e
        e) O voo seja realizado em espaço delimitado que evite o risco de
        colisão com pessoas e bens de terceiros.

        DRONES NÃO SÃO SÓ PHANTOMS

        • José Matias says:

          Gaspar, drones não são só Phantom´s, existem tantos, agora quanto a leis, qualquer pessoa responsável, as sabe, agora cumprir ou não fica ao critério de cada um, agora os dito “racers” creio não ter cabimento de se vir falar deles , note, não que não sejam drones, apenas faço a ressalva porque se comparar-mos o código de estrada é para os carros comuns e não para os F1, se é que me faço entender, decerto que ninguém utiliza “racers” normalmente como quem usa os ditos “Phantom” e afins.

  8. Pedro says:

    Aceito que têm de haver regras mas se visitarem o site voanaboa e o site da ANAC e se descarregarem os PDFs com a legislação, os ficheiros que depois podem carregar no Google Earth e que contém as zonas interditas a voo de drones, se lerem tudo muito bem, vão chegar à triste conclusão que se quiserem andar dentro da lei, compram, por exemplo um Mavic Air, que tem o tamanho de um iPhone X, chegam a casa e põem-no dentro duma gaveta porque não compensa o trabalho para andar dentro da lei.
    Isto é um país de palhaços. A culpa foi dos labregos que começaram a voar por cima da piscina do vizinho do lado para ver se viam a mulher dele nua ou, mais grave ainda, a ir para os aeroportos, meterem os drones em corredores aéreos.
    No entanto, reafirmo, isto é um país de palhaços, começando pelos que legislam.
    Mas cabe na cabeça de alguém, ir por exemplo dar uma volta de bicicleta, levar um Mavic Air dentro do Camelbak para gastar 10 minutos de bateria num qualquer lugar isolado e ter de pedir autorização com, salvo erro, 10 dias úteis de antecedência?
    Está tudo grosso.
    Sei lá eu quando é que me dá vontade para mijar, quanto mais agora, quando está bom para fazer um videozinho ou tirar uma foto com o drone.
    Ir como amador ou profissional, filmar eventos, situações onde existem direitos de exclusividade, lugares cheios de pessoas, onde existe perigo real de poder aleijar alguém em caso de alguma avaria, ainda admito. Agora, generalizar, é uma autêntica palhaçada já a antever o crescimento do mercado e a tentar começar a inventar mais uma via para chular o ‘zé’.

    • José Matias says:

      Pedro compreendo a sua “revolta”, mas nada acontece por acaso, tudo se deveu à grande polémica de estarem a grande altitude e junto aos corredores aéreos. Não foi apenas um caso isolado, note, por causa do pecador, paga o justo!
      Atualmente, aí sim, quase é necessário tirar um curso de cartografia para se pedir autorização com 10 dias de antecedência! Se é de dia, noite ou ambos; se é à vista ou não; se é em circulo ou não; se tem câmera original ou não; peso; se é para transmissão em direto, publicação nas redes sociais ou “para consumo pessoal”, etc.
      Qualquer esclarecimento; “voanaboa.pt”

    • Jp Ab says:

      Completamente de acordo, fundamentalmente à referência de isto ser um país de palhaços.

      • José Matias says:

        Discordo na sua alusão a isto ser um país de “palhaços”, sou português e não me considero palhaço na verdade aceção da palavra, agora se quiser referir como sendo um país de oportunistas, aí já concordo plenamente e aplaudo!

  9. PCTecnic says:

    Sou operador de Drone e uso somente dji para trabalho e para lazer alguns racers caseiros com fpv que adoro. Parece que somos todos uns criminosos. Voo com medo, medo que apareça a policia e me multe por estar a fazer algo que nem sei bem se posso ou não fazer, não incomodo ninguém e levo a segurança muito a sério…licenças com 10 dias de antecedência..para lazer..e depois nesse dia está a chover e no dia a seguir está um dia brutal…enfim. Já para não falar da chulice da Policia marítima, sim tirar uma foto com o drone perto do mar custa no mínimo 30€, ou pagam ou pagam multa que eles não perdoam.
    Solução: Registo obrigatório para operadores e para drones, seguro mediante o equipamento e uma app/site decente, onde mediante registo posso “agendar o voo” com tudo o necessário e num só sitio. Assim a informação flui e a comunicação entre tanta entidade (ANAC, AAN,Policia Marítima, Parques naturais nacionais) será efectuada atempadamente. Eu não me importava de pagar e andar descansado, mas nem isso posso. Se houvesse essa plataforma era mais simples e seguro ao mesmo tempo, neste momento sinto-me frustrado com esta burocracia que assombra este tema que é somente o meu hobby há largos anos.

    • Pedro says:

      Como já escrevi algures, neste post. Está tudo grosso.
      Não tarda, estão a exigir o brevet e se for para voar no litoral, carta de Patrão de Costa, também.
      Se por hipótese eu lançar um ‘papagaio’ daqueles já para o grandinho com um gimbal e uma GoPro lá agarrados, quem vai topar? 🙂
      É só palhacinhos à caça de dinheiro, licenças, seguros, etc.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.