PplWare Mobile

Sistema usa fibra ótica para converter energia solar em energia luminosa


Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

  1. Joaquina de Melo says:

    Não quero receber estas publicações, agradeço que não me enviem mais nada
    Obrigada

  2. Alexandre Trindade says:

    Alguém está chateada…

  3. Joao Ptt says:

    Boa ideia, será que funcionará mesmo?

  4. gaguiel says:

    Já existe um brasileiro que faz isso com garrafas de água… ao tempo que veículos como a mercedes usam fibra óptica para levar iluminação dos leds até ao botão que se pretende iluminar, por exemplo o botão de regulação de saída do AC…

    Nada de novo…

  5. ze says:

    Boas , para quem tem um barracão e precisa de estar dentro a trabalhar durante o dia :
    https://www.youtube.com/watch?v=FcW3dL0mlYo
    Procurar tambem por : luz solar usando garrafas pet

  6. rjSampaio says:

    “converter” e “transformar” são garantidamente duas palavras que não deviam vir no artigo, é literalmente canalizar a luz.

    • Vítor M. says:

      Não, isto porque ele transforma energia solar em energia luminosa. Depois converte os 100 mil lúmenes do Sol em 10 mil lúmenes disponíveis via o conjunto de fibras.

      • rjSampaio says:

        isso não é o mesmo que dizer que uma lupa também transforma energia solar em energia luminosa?

        Não se esta a converter/transformar nada, esta a concentrar e canalizar apenas, entra luz, sai luz, sem existir nenhuma conversão.

        • Vítor M. says:

          A sério que disseste isso? Vamos lá então…

          Uma lupa é uma lente convergente. Ela forma a imagem de um objeto que incida luz sobre ela. Nesse caso, temos a imagem do Sol, concentrada num único ponto de luz, chamado de Foco. Com a concentração de energia, é possível queimar-se uma folha de papel ou outros objetos fáceis de queimar. Há uma transformação do ponto dos raios luminosos paralelos que atravessa a lenta.

          • LP says:

            o rjSampaio tem razão. se tivesses um painel fotovoltaico no telhado, que transformasse a energia solar em electricidade, para depois transformar em energia luminosa, haveria transformaçao.

            neste caso é apenas transporte da energia.

            o mesmo se passava se se pusesse um funil no telhado, e através de canos ter água dentro de casa quando chovesse.

          • Vítor M. says:

            Neste caso a energia que chega ao fim da linha não é igual á que o sol projeta. Menos intensa, com alteração da temperatura…. entre outras características. Se o teu funil conseguir receber a água e distribuir vapor… então sim é a mesma coisa, mas há uma transformação e uma conversão.

      • rjSampaio says:

        inclusive a fonte nem menciona em conversão ou transformação, apenas distribuição do que é captado.

        • Vítor M. says:

          O sistema entrega tudo que capta? Não, ele transforma a energia do sol em energia luminosa com características diferentes. Não é o mesmo que abrir a janela e deixar entrar a luz. Há um processo de recolha, arrefecimento, transporte e distribuição de algo convertido, que não é o produto original.

          • rjSampaio says:

            nem acredito que estamos a discutir isto, nada é transformado, entra luz, sai luz.

            Arrefecimento? mas qual arrefecimento, novamente outra coisa que a fonte nem fala.

            Continuas a insistir que energia solar é convertida em energia luminosa, mas a realidade é que a energia solar são duas coisas, ou calorifica ou luminosa, e como eu tenho a certeza que uma fibra óptica não transforma calor em luz, então so sobra a luz solar, entra luz solar, sai luz solar.

          • Vítor M. says:

            Lá está, quiseste ir à fonte e não deste conta dos pormenores. Procura por cooling flange. Porque não pesquisam antes de afirmar disparates…. não percebo.

            Como a luz do sol traz calor, há uma transformação dessa luz para uma luz luminosa com características diferentes.

            Já te falei no fluxo luminoso que passa dos 100 mil (no pico do Sol) para os 10 mil (valor distribuído), já te falei no arrefecimento dessa luz. Quer dizer, podes ficar aí sempre a esconder cada argumento que te dou, por mim estás à vontade.

          • rjSampaio says:

            1º, nao encontro “cooling flange” na pagina deles nem no kickstart, procurei antes e procurei agora, podias dizer onde diz isso?

            2º “Como a luz do sol traz calor, há uma transformação dessa luz para uma luz luminosa com características diferentes.”
            troca isso por miudos… nao estou a ver a direrença entre isso e uma janela de vidro.

            3º Dizeres que perdes luz quando se esta a distribuir por múltiplas areas algo completamente óbvio e não uma transformação, é uma perda mesmo.

            Não estou a esconder nenhum argumento, continuas a não ter nenhuma transformação, nem nenhum argumento, nem eles próprios falam nisso, nem na fonte nem no kickstart, apenas tu.

          • Vítor M. says:

            Falar falam, tu é que ainda vais descobrir, mas tens tempo.

          • rjSampaio says:

            Ainda tens de dizer onde é que os developers falam em converter e transformar, incrível como raramente o pplware admite erros…

            Vai falar com alguém com conhecimentos “básicos” de física. depois se eles te derem razão, vai falar com pessoal da solros, porque aparentemente sabem mais que eles…

          • Vítor M. says:

            Agora já são os developers que não falam, como não falavam em arrefecimento… ó… nem vou perder mais tempo.

          • rjSampaio says:

            ja nao vais perder tempo? fogo é assim tão dificil encontrar eles a mencionarem converter e transformar? é basta isso estar la explicado para me calares logo…

          • Valdemar says:

            Caro Vitor. O facto de o sistema não entregar tudo que capta não significa que transforma noutra coisa embora nem todas as propriedades se mantenham. Quando a água passa por um filtro, não a transforma, quando a luz passa por um filto UV não a transforma, etc. A energia luminosa é um conjunto de comprimentos de onda com a característica de serem percepcionados pela nossa vista. A luz do sol tem além da luz visível outras formas de radiação não percepciondas pela nossa vista, radiação ultravioleta, infravermelha, etc. . A energia neste caso é transportada pelos fotões de cada comprimento de onda. Assim um fotão na zona do ultravioleta tem mais energia que um fotão na zona do vermelho, mas a forma de energia é a mesma. O transportador ( fibra ótica) pode ser mais eficiente a transportar um tipo de fotões do que outro e daí que o produto entregue não tenha a mesma composição ( mesmo tipo e quantidade de fotões) que o produto no final da fibra. Mas, isso não é transformação de nergia – é sempre energia radiante – é sim uma modificação da “composição” em termos de comprimentos de onda transmitidos da radiação. Por isso o título não está correto e deveria ser modificado. Note-se que esse sistema de fibra ótica além de transportar, como maior ou menos eficiência, a radiação visível também transportará outras radiações, como por exemplo a da zona dos infravermelhos não percepcionados pelos nossos olhos. mesmo que o sistema transformasse radiação de um determinado comprimento de onda noutro comprimento de onda (por exemplo por um fenómeno de fluorescência) ainda assim a forma de nergia seria a mesmas (teríamos igualmente fotões, mas agora com quatidades de energia diferentes- comprimentos de onda diferentes – entre o início e o final). Espero ter contribuído para o esclarecimento deste assunto.

          • Vítor M. says:

            Boa informação. Contudo pelo que referiu, e pelas alterações desde a fonte até ao produto final, segundo as suas afirmações, mais correto está o título. Porque, como falou é bem, o que é entregue é diferente do que chegou da fonte.

        • rjSampaio says:

          Finalmente encontrei o “cooling” porque não existem em texto em lado nenhum da partes deles, esta numa única imagem e só no kickstart, e diz claramente que é apenas para não queimar a fibra pura e simplesmente.

      • Pedro says:

        Muito bom. Grande ideia. Já Gaudi usava os mesmos princípios nas casas que desenhou em que encaminha a luz através de espelhos de forma a que divisões interiores ficassem iluminadas dessa forma.
        De facto este sistema reencaminha a luz solar até vários locais em casa. As perdas são devidas às características da própria fibra ótica que dissipa/perde luz à medida que é atravessada. Daí o facto da distância máxima seja de 100 metros. O mesmo princípio é usado na aviação para enviar sinais óticos/luminosos entre várias partes do avião e mesmo em carros topo de gama. A fibra é usada por ser mais leve que o cobre e ter mais “largura de banda”.

  7. Arlindo says:

    Aqui o ponto é que o desperdício energético pode ser menor convertendo diretamente energia luminosa, enquanto no caso dos painéis solares é: energia luminosa -> energia elétrica que depois é novamente convertida em energia luminosa. Uma excelente ideia.

    Há de chegar o tempo em que a própria energia há de ser transportada até nossas casas por cabos de fibras ótica.

  8. Ricardo Ferreira says:

    Bem amigos isto não é nada novo, eu próprio já vendi sistemas destes em portugal (parans), devido ao elevado preço deste sistema este não teve grande saída, dai a empresa ter deixado de o vender. Mas para quem quiser comprar pode entrar em contacto com a empresa que os faz.

  9. Ze says:

    Farto de sustentar a EDP estou eu…
    Mesmo que mude de operador os gajos conseguem encaichar sempre…

    Irei ver alternativas!

  10. Pedro says:

    Tudo correto e bem escrito, exceto o caso das comunicações serem nos infra-vemelhos 🙂 Tipicamente usam-se na casa dos 193HGz (DWDM) que, no espetro, é para lá dos ultravioletas . Como disse e bem, o tipo de fibra faz também variar a atenuação ao longo do espetro. Penso que a característica especial destas será terem uma menor atenuação dentro do espetro de luz visível, algo para o qual as fibras das telecomunicações não estão desenhadas.

    • Tax payer says:

      Obrigado pelo seu comentário educado.
      Infelizmente não posso concordar consigo quando diz que “é para lá dos ultra-violetas”. Se pesquisar em qualquer livro ou uma simples e rápida consulta à Wikipédia verá que 193 THz então abaixo da frequência da cor vermelha.
      Outro pormenor: repare que são terahertz e não gigahertz como indicou.

  11. Carlos says:

    A cereja em cima do bolo, é fazer com que estas instalações possam ser efectuadas em maiores distancias ( acima dos 100 mt previstos pelo projecto ) , só dessa forma poderemos pensar em criar um sistema de iluminação solar ou numa torre de escritórios ou em fábricas ou nos prédios com apartamentos que por cá é o que mais existe, essa limitação é que é na minha perspectiva o calcanhar de Aquiles deste projecto.

    Fala.se também que este projecto é desenhado para ser acessível monetariamente, mas não vejo em lado nenhum preços estimados, assim não é fácil atrair investidores.

  12. ff says:

    É triste perder se tempo com algo que não funciona!
    que eu saiba de noite não à sol!
    e para fazer o que estes iluminados fizeram, faço com uma garrafa de plastico, e papel de aluminio!
    enfim só burros mesmo

    • rjSampaio says:

      passar luz para caves varios niveis abaixo do solo é capaz de ser dificil com apenas uma garrafa de plástico e papel de alumínio, e a ideia é ter luz “natural” onde ela não chega, como uma cave, não como substituto de lampadas a noite.

  13. Vítor M. says:

    Obrigado pela informação, mas tal não se adequa por excesso (e desenquadramento) ao ponto mostrado. Argumenta bastante, pena que não usa dados que sejam úteis á tecnologia mostrada, pena.

    Colocar tantos argumentos que não fazem falta não é nada útil, só um pouco de show off, isso sim mostra uma espécie país atrasado, mas OK!

    Mas voltemos ao assunto, até porque o seu texto tem algumas partes que foram decalcar o que o texto refere.

    “A fibra óptica é um guia de ondas electromagnéticas. As fibras não guiam as ondas de igual modo. Há zonas do espectro onde as perdas são menores.”

    Por isso mesmo há uma transformação do que chega ao prato e do que é entregue na lightbox. Parece simples, mas se houver dúvidas há em cima vídeo e imagens que podem ajudar.

    Esta alteração faz toda a diferença, fora outras que foram acontecendo noutros processos e por isso é que há um produto final diferente do produto (luz solar) que chega ao prato. Penso que é fácil perceber.

    Depois uma outra frase interessante: “Assim, usualmente usa-se “energia luminosa” para se referir à energia das ondas electromagnéticas no espectro visível que iluminem um objecto”

    Pois claro, mas isso foi o que descrevi, mediante a informação disponível do produto. Se reparar diz lá isso mas sem floreados (palha), porque os nossos leitores não são burros.

    Quando se falou nos luménes foi porque o produto entrega energia luminosa e por isso não tem qualquer interesse em falar de hertz. Se o fez foi apenas para juntar mais palha.

    Depois o restante nada diz que possa ser utilizado para descrever as tecnologias usadas, é apenas retórica para palmas. O que considero que poderia ser mais útil comentar (a ser possível) com argumentos úteis.

    • Marco guilherme oliveira albuquerque says:

      Boa tarde, Mas unidades nao tem plural.

      • Vítor M. says:

        Obrigado pelo comentário, mas, de facto, é a própria Academia das Ciências de Lisboa que consagra os plurais das unidades de medida no Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea. Além disso, parece-me que o carácter científico dos termos de unidades de medida não é impeditivo da formação do plural. Com efeito, o plural, em português como noutras línguas, é uma categoria linguística e, como tal, resulta de uma representação da realidade, a qual, não ignorando a configuração do mundo físico, nem sempre se rege pelos critérios mais objectivos.

  14. someone says:

    só para dizer que isto é uma ideia roubada a um grupo de estudantes de secundário de 2013 que foi apresentada num concurso nacional de ciencia e engenharia…..acho que isto deveria ser passado ao público pois estas empresas que tem ideias inovadoras afinal não as tem, simplesmente roubam-nas, e digo isto dizendo também que não é a primeira vez que um projeto de estudantes é roubado por uma empresa que depois faz lucro com isso, mais concretamente, no mesmo concurso de ciencia e engenharia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.