PplWare Mobile

95% dos Portugueses nas redes sociais têm conta no Facebook


Editora no Pplware e psicóloga de profissão. Desde cedo que a tecnologia é uma paixão, interessando-se em particular com o impacto que esta tem na nossa vida e nos comportamentos que as pessoas adotam nas redes sociais.

Destaques PPLWARE

  1. Johnnyboy says:

    Na minha opinião é impossível 95% dos portugueses terem conta no facebook.

    • Marisa Pinto says:

      Isto é com base numa amostra… como indica o artigo. Leiam até ao fim.

      • Diogo Sa says:

        Entao o titulo esta mal redigido. Publicidade enganosa eheh

        • Marisa Pinto says:

          Está? Acho que é mais a tua preguiça. Se não leste o artigo, deverias tê-lo feito.
          Quando se trata de estudo, começa-se por dizer os resultados evidentes, neste caso 95% dos portugueses estão no FB.

          Agora, sendo um estudo, é normal que haja uma amostra, não é um censo, verdade?

          😉

          • naodigo says:

            Ai a culpa dos títulos sensacionalistas agora é do leitor?

            Realmente é verdade, a culpa é nossa por clicar em títulos enganadores.

          • Marisa Pinto says:

            Ou por não lerem até ao fim.

          • Sara says:

            Por uma questão de rigor, apenas considero que o titulo deveria ser: ‘95% dos portugueses com acesso à internet tem conta no Facebook’

          • Marisa Pinto says:

            Isso é errado.

            Nem todos com acesso à Internet, têm conta nas Redes Sociais. O Estudo indica que 95% dos inquiridos (que tinham que ser utilizadores de redes sociais), utilizam o Facebook.

          • naodigo says:

            Imagino que se realmente tem os conhecimentos que tem, então deve saber que se a mensagem não é entendida pela audiência alvo, então a culpa é de quem está a transmitir a mensagem.

            E volto a dizer, o título devia ser mais claro. Da forma que está escrito é enganador. Não interessa se no fim do artigo tem uma nota a desmentir tudo ou a clarificar. O título está errado.

          • JGF says:

            O que não deixa de ser uma estupidez este estudo. Porque se baseia em dados irreais, numa amostra pouco representativa! Faz lembrar aqueles estudos em que queremos obter um determinado resultado e inventamos um estudo para confirmar o que queremos à partida e usá-los para fazer publicidade… se os meios de comunicação “comerem” aquilo que cozinhamos! De facto acho que isso não tem discussão, cada um deveria usar a sua cabecinha para tirar conclusões, mas também acho que em nome do profissionalismo, da ética e do bem senso determinadas coisas não deviam ser publicadas… 😛

          • Marisa Pinto says:

            Tens a tua opinião, e respeito-a

            Agora, é claro que estes dados devem ser divulgados… então? Temos que estar informados do que anda a fazer no nosso país..
            Só quando as coisas são estrangeiras é que são boas? Não podemos ser assim.
            Não vejo o mal neste estudo, contribui para termos uma noção do dados das redes sociais. Se era necessario mais? Claro que sim!

          • JGF says:

            Também não concordo! A manipulação da informação não contribui nada, mesmo nada para ninguém, e a sua divulgação também não nesses casos! E não é o facto de ser português ou não que passa a ter outro valor. Eu quero saber o que se passa neste país, todos queremos! Mas fazer de nós parvos, manipulando um estudo encomendado ou mal feito, isso não! Eu penso pela minha cabeça, outros são mais fáceis de manipular, por isso nos devemos insurgir e por em causa determinadas coisas que são ditas e publicadas, por isso pensamos!Por amor de deus!

          • Marisa Pinto says:

            Isso também é uma opinião, e cada um tem direito a sua.

          • JGF says:

            Também é uma verdade… 🙂

          • Mário Mendes says:

            95% de..
            O “de” faz toda a diferença.

        • Ricardo says:

          O título serve sempre para aguçar a curiosidade para a notícia. Se quiseres exemplos, podes ir dar uma vista de olhos aos títulos do Correio da Manhã, pois são todos sensacionalistas.

      • Kakai says:

        Então a amostra que eles escolheram não é significativa.

        • Marisa Pinto says:

          Como sabes?
          Eu acho que é, fiz a minha tese acerca do Facebook e olha que quase que tenho a certeza que será significativa, cada vez mais são as pessoas nas redes sociais, velhos e novos.

          Mas se tens dúvidas, terás que esclarecê-las com a Marktest.

          • Vítor M. says:

            Lá está, falam falam, falam falam… mas tu tens conhecimentos de causa, já eles…

          • kekes says:

            Marisa não questiono nada mas a conclusão do estudo está muito mal feita. Como e possível considerar que a população sob vai dentro desse limite de idades? Como e possível mesmo assim que 95℅ use o facebook. Das duas uma, ou foi super mal feita a selecção da amostra ou não sei. Como dizia o meu professor de epidemiologia, os estudos valem o que valem, quando lemos como foram feitos alguns valem bogalhos. Esse PDF tem pouquíssima informação não da para sacar nenhuma conclusão espero que uma empresa dessas tenha realmnet bem feito o trabalho.
            Este estudo diz que de 12 milhões de português só 600 mil não usam o facebook.
            Criticar as criticas dos leitores e dizer que não percebem nada do assunto e feio e mais não digo. Um abraço.

          • Marisa Pinto says:

            O PDF não tem nada porque é para o comprares 😉

            É um estudo de mercado que, como tal, é pago.

          • kekes says:

            PS. A amostra esta bem li agora melhor, mas esse titulo e de revista cor de rosa. Tecnicamente um artigo informativo deve ser informativo não sensasionalista.

          • Marisa Pinto says:

            Não sei, não leio revistas cor-de-rosa.

          • kekes says:

            Marisa não e o facto de ler ou não ler a cultura e importante. Sabes que eu sou leitor deste site a muito tempo, leio ainda o site tinha um endereço manhoso. O site cresceu muito melhorou muito principalmente em conteúdo e passou a ser cada vez melhor escrto. Eu tenho bastante carinho por este site. Agora chateia por vezes escreverem as coisas com “armadilhas”, não faz falta, eu por vezes farto-me e deixo de me preocupar com o assunto mas fico triste pelo caminho que por vezes levam. O artigo não estava transparente leva a erros de interpretação eu interpretei mal admito o meu erro mas acho feio nunca se admitir o erro também da vossa parte, tentam sempre tapar o buraco, fica feio. Um abraço espero que não me levem a mal mas e o meu ponto de vista.

          • Marisa Pinto says:

            E se leste o que tenho vindo a escrever, os erros de interpretação passam pela não leitura do resto do artigo, e por isso reforçou-se o subtitulo.

            Cumprimentos.

          • JGF says:

            Se fizeste uma tese acerca do facebook (???!!!) sabes que o “quase que tenho a certeza” baseia-se em dados muito pouco fiáveis, tem muito pouco rigor. E se tens conhecimentos em estatística (eu fui aluno de 19 nessa cadeira) sabes que podes conseguir resultados rigorosos e fiáveis, mas também sabes que podemos “manipular” os nossos dados para obter o que queremos. Isso fazemos constantemente nas sondagens a pedido do cliente… 😉

          • Marisa Pinto says:

            Explica o teu ‘???!!!’ se faz favor.
            Ser aluno de 19 também não é significativo de que se saiba tudo, certo?
            Sei perfeitamente que há estudos tendenciosos, mas isso já nos ultrapassa uma vez que não somos a marktest

          • JGF says:

            hei! Eu não vos estou a acusar de nada! Sei que o estudo é da markest e não vosso!! Apenas me refiro ao estudo em si! Sobre o !!!??? é porque tenho uma ideia sobre a “publicidade” gratuita ao facebook que segue a “escola” francesa e se bem que considere que em termos sociológicos possa ter algum interesse um estudo sobre o facebook, considero que tantas referências e estudos ao facebook não são mais que uma forma de tornar mais forte e enriquecer “à borla” os acionistas de um empresa e impedir que a concorrência possa existir. Estes estudos, referencias, etc… deixam normalmente as outras redes sociais de lado e a publicidade que se faz não contribui um cêntimo para os cofres dos estados dos diferentes paises onde são feitos, quando se sabe que a publicidade não é barata para as outras empresas e todas contribuem. O facebook é uma empresa cotada em bolsa como as outras. Mas enfim, isto daria muita conversa…

          • Marisa Pinto says:

            Sim, eu percebi isso.
            Mas, caso não saibas, há cada vez mais estudos sobre o Facebook, estudos científicos (como é o caso da minha tese.. que não é uma publicidade ou algo do género).

            A questão é, perceber o papel e a potencialidade desta rede, assim como o porque de cada vez mais pessoas estarem a aderir e quais as vantagens que daí podem tirar para o seu dia a dia.

            Acho que por vezes as pessoas limitam-se ao ‘rede social’ mas o Facebook acaba por ser muito mais que isso, e hoje praticamente todos estamos lá, de uma maneira ou de outra, pessoas, empresas, marcas, … e é necessário determinar o impacto que isto tem nas nossas vidas.

          • JGF says:

            Por acaso o crescimento e a utilidade não é tão evidente quanto isso. Existem estudos que apontam para uma diminuição de utilizadores em países desenvolvidos, EUA e nos mais ricos da Europa, e um crescimento exponencial no Brasil (mas vê a utilização que lhe é dada, até qdo vão ao WC avisam no facebook!!) e Índia, tal com aconteceu, se bem se lembra, com o orkut. O orkut a determinada altura eram só indianos e brasileiros. As grandes empresas começam a chegar à conclusão, segundo alguns estudos, que afinal as vantagens da sua presença são mínimas (é normal que outras ganhem com isso, depende do negócio). Eu não sou nenhum visionário, mas se o facebook continuar a crescer graças a falsos/multi perfis e a idiano/brasileirar-se tipo orkut, vai-se orkutizar rapidamente e a “moda” passa… até porque algo novo surge, e isso é bom, a mudança! Mas também tenho a opinião de que não há nada no face que não se possa fazer fora dele. Aliás o melhor é não estar “agarrado” a nada, mas obviamente “vícios” ou dependências só os tem quem é fraco… 😛

        • Ricardo says:

          Pelo que li do estudo, parece-me ser bastante significativa. O universo parece-me bastante coerente para estudar o comportamento dos portugueses nas redes sociais. É verdade que pela forma como recolheram as respostas, excluíram as pessoas que não utilizam Internet, mas essas pessoas não têm nenhum comportamento nas redes sociais, o que para o estudo não devia ser considerado. As 826 entrevistas parecem-me as suficientes para realizar uma extrapolação bastante precisa da amostra para o universo.

          • kekes says:

            Como não importa quem não usa internet para o estudo? Como podes afirmar assim que 95% dos portugueses usam o facebook? Esses são aliens?

          • Ricardo says:

            Kekes, essa parte da população não importa para o estudo que eles fizeram. Eu também sou da opinião que devemos “olhar” para toda a população e não só para quem usa a Internet. Mas o contexto é esse mesmo e nesse contexto a amostra é significativa, já o universo é que poderia ser outro, mas opção da Marktest foi ter feito com este universo.

          • JGF says:

            Mas as conclusões é que podem estar erradas, apesar do universo da amostra estar correto! As conclusões são demasiado simplicistas e enganosas….

          • Serva says:

            Boa noite ,

            As minhas sinceras desculpas , mas esta é uma sondagem que eu não acredito nem um bocadinho nela , baseia-se em falsos pressupostos , eu diria que o @JGF tem um ponto muito positivo na sua intervenção , eu também já li que o FB está a perder o interesse de quem mais vale e pode alavancar uma rede deste tipo a curto médio prazo podemos de facto ter um cenário como o descrito no seu post .

            Cumprimentos

            Serva

      • nf says:

        A amostra não é representativa e o estudo não tem assim qualquer valor

      • Carlos says:

        Ou lerem o título bem, isso também ajudava 🙂

        Eu que não li o artigo todo, sou preguiçoso, percebi que não são 95% dos portugueses, são 95% dos portugueses que usam redes sociais.

        Talvez se o título estivesse a vermelho e a piscar… 😛

    • FB says:

      Também tenho muitas dúvidas em relação a essa percentagem. Tendo em conta que é dos 15 aos 64 anos de idade a amostra, está desde logo a desvalorizar quase metade da população. E provavelmente, as pessoas inquiridas, são provavelmente aquelas que terão mais acesso às tecnologias. Mas que existem bastantes pessoas com idade mais avançada, acima dos 40 ou 50 anos, isso é verdade.

    • Joao says:

      É uma pequena diferença no português que faz toda a diferença no entendimento das coisas…

      95% dos portugueses que usam redes sociais têm FB.

      que é bem diferente de:
      95% dos portugueses usa o FB.

    • Observador says:

      Pois é! ainda bem que pelo menos 5% dos portugueses nõ adere o link onde as comadres põem a conversa em dia.

  2. Diogo Sa says:

    Impossivel! 95%?!? Por amor de Deus…

  3. WTF says:

    95% ? A sério? Acreditam nisso?

    Com uma população cada vez mais envelhecida, parte desta que nem lida com computadores, outra que não quer saber de redes sociais; adicione-se a isto que nem tudo o que é da geração mais nova quer saber de redes sociais ou mesmo “tem pó” ao Facebook por invasão de privacidade e afins.

    São estatisticas e acho que por isso mesmo é inevitavel que o grupo de amostra tenha pegado muito em pessoas que por acaso lá utilizam Facebook, mas dai à realidade ser 95%, duvido.

    • Marisa Pinto says:

      “Este estudo foi conseguido através de 826 entrevistas a individuos com idades compreendidas entre 15 e 64 anos, residentes em Portugal Continental e utilizadores das redes sociais. A recolha de informação foi realizada em Setembro de 2012.”

      Leiam…. se não leram não vamos a lado nenhum.

      • Miguel Sousa says:

        O problema é a forma como o título está descrito.
        Ao terem “Redes Sociais:”
        Leva a que as pessoas pensem que isso é o grupo onde está inserida a notícia e não a amostragem base que foi usada para o estudo.
        Depois de lêr percebi que se referem realmente a “95% dos portugueses que têm contas em redes sociais, têm conta no facebook”.
        Quando li o título também disse que era impossível pois existe milhares que não dão os seus dados e direitos a uma empresa que ganha dinheiro com isso.

        • Marisa Pinto says:

          *estava descrito, já foi alterado para não haver mais confusão 😉

          • Sergio says:

            Marisa, não sei onde inserir este meu comentário, porque muita ente já abordou o assunto. Dizes que no no estudo está descrito que a amostra é sobre pessoas que tem conta em rede sociais. O que está completamente errado (e não é só no titulo) é que em vários sitios fazes a extrapolação para o resto dos Portugueses. A amostra não está a representar os Portuueses. A amostra está a representar os Portugueses que tem conta em rede sociais.
            Já vi esse erro cometido aqui no Pplware várias vezes. Em todos esses casos citei sempre um comentador de TV (não sei ao certo quem. Não se pode fazer uma sondagem sobre a simpatia clubistica dos Portugueses para a porta do estádio da Luz (ou outro qq)
            Uma das coisas mais importantes em estatistica é a definição da amostra. Na realidade o grande segredo está aqui. Vou voltar a citar um exemplo futoblistico. A maior parte das sondagens nas eleições nos clubes dá asneira da grossa porque não existe uma amostra tipo.
            Claramente esta amostragem não é a amostragem tipo. E “toda” a gente que conheço que não tem conta no facebook encaixai-se num destes dois perfis (não tem qualquer contacto com computadores e são bem mais que 5% dos Portuueses logo cai por terra o 95% dos Portugueses) ou simplesmente é “contra” qq tipo de rede social, o que demonstra que a amostra não é válida. E peruguntas porque não é válida? Simples, porque em lado nenhum está dito qual é percentaem de Portugeses que não usa qq rede social. Imaginemos por absurdo que era 99.99999% dos Portugueses. 95% de 0.000001 significava que apenas 0.000000095% dos Portugueses teriam conta no facebook.
            O estudo não é tendencioso. As conclusões que tiras dele é que estão erradas

          • Marisa Pinto says:

            Sergio

            O estudo tem um nome claro
            A Marktest define a amostra como tal
            o artigo todo fala nos portugueses e nas redes sociais

            Mais que isto não te posso fazer.

            Cumprimentos.

          • Sergio says:

            Marisa,

            Na parte final do artigo tens que o estudo conclui que 95% dos portugueses ten facebook.

          • Marisa Pinto says:

            Sérgio,
            Vamos lá a ser racionais.
            Se o artigo tem um contexto, e esse contexto é o estudo dos portugueses que usam as redes sociais, é natural que essa seja a conclusão para esse estudo.

            As vezes complicam porque querem.
            Se quiseres comentar agora o artigo em si, está à vontade.

          • Sergio says:

            A conclusao do estudo é dimples: para is poetry guesses rede social = Facebook. É esta a grande conclusao do estudo
            A segura conclusao é a ainda grande importância do msn. Ainda nao esta tão morto assim
            A terceira conclusão ê a relevância do Google plus

          • Marisa Pinto says:

            Para mim a maior surpresa foi a pouca utilização do twitter…

    • Marisa Pinto says:

      Se dizes que o estudo é tendencioso, mais uma vez digo que terás que te informar com a Marktest 😉

      http://www.marktest.com/wap/

  4. ked says:

    Eu não tenho e lutarei sempre contra as redes sociais.

  5. Paulo says:

    desculpem mas acho que 95% é exagerado, e isto é sobre quem usa a internet? se sim o titulo está incorrecto deveria ser 95% dos portugueses que usam internet(algo deste genero), senão é incorrecto porque 95% é um valor exagerado porque não existe assim tantos utilizadores de internet no nosso país, depois só eu conheço umas 15 pessoas que usam a internet e não têm perfil em qualquer rede social.

  6. Dário says:

    No texto diz claramente que a amostra é de pessoas entre 15 e 64 anos, por isso é de esperar que das pessoas entre os 65 e os 10.000 anos de idade a percentagem de utilizadores seja diferente.
    Não se enervem com os títulos e etc, por vezes vejo malta a reclamar de tal forma que até parece que paga uma taxa para ler o PplWare. Se for preciso nem consultam a publicidade patrocinada, que é o que alimenta isto tudo…

  7. Tiago Costa says:

    Não concordo com este resultado de 95%…e a amostra escolhida poderá ser bastante “tendenciosa” neste aspecto.

    Posso simplesmente rebater esses dados com a minha própria “amostra”: num leque familiar de 4 pessoas, apenas 1 tem Facebook. Ou seja 20%. Que conclusão poderei tirar disso?

    Outro ponto que não é referido: 95% dos portugueses…mas quais portugueses? Se limitarmos a amostra ao leque de portugueses com acesso à internet, provavelmente obteremos esse número.

    Mas se abrangermos a amostra para pessoas sem computadores, sem acesso ou acesso bastante limitado à internet, se a sua localização de acesso é no Interior ou no Litoral, etc, etc, etc…duvido seriamente que se atinja esse valor tão “redondo”.

    • Tiago Costa says:

      E para o caso de perguntar, sim li.

      E está bem explícito neste ponto:

      “Assim sendo, este estudo concluiu que:

      95% dos portugueses tem conta no Facebook”.

      Não delimita em nada a amostra, nem se refere que abrange apenas pessoas com acesso a redes sociais.

    • Marisa Pinto says:

      Tiago, vamos por partes…

      Aqui não se está a concluir se TODOS os portugueses usam ou não o Facebook.
      Se vocês não lerem o artigo, torna-se dificil perceberem os numeros… per alguma coisa está escrito, e por alguma coisa se chama Portugueses e as Redes Sociais.

      Ora, simplificando:

      95% dos portugueses (da amostra como é claro) que USAM AS REDES SOCIAIS (pois foram escolhidos apenas os que usam), utilizam o Facebook

      Mais esclarecido?

      • Tiago Costa says:

        Tudo bem Marisa, dessa forma até entendo…mesmo se não concorde com esses valores (voltamos à questão dos 20% “familiares”, todos eles com acesso à internet).

        Mas fica a resalva que o título não está de todo explícito…

        • Marisa Pinto says:

          Pronto, mas como já expliquei, noutros comentários, não se pode colocar tudo no titulo, e o subtitulo explica que é o comportamento dos portugueses NAS REDES SOCIAIS, e o artigo trata do resto.

          E como é um estudo… ha uma amostra, como é natural.

          • Miguel Santos says:

            Mas o problema não é só no título, é também no corpo do texto, no que se refere às conclusões do estudo… e aí há espaço suficiente para referir que se tratam dos portugueses utilizadores de redes sociais e não “Os Portugueses”

          • Marisa Pinto says:

            Desculpa mas está lá BEM explicito que são os Portugueses nas Redes Sociais.

      • Pedro says:

        PDF da Markest:
        “Sabia Que entre os utilizadores de redes sociais:
        – 95% tem conta no Facebook e 52% no MSN/Windows Live;”

        Texto escrito:
        “Assim sendo, este estudo concluiu que:
        95% dos portugueses tem conta no Facebook”

        No artigo não é claro que o estudo considera apenas utilizadores de redes sociais.

        Já para não falar do título: “95% dos Portugueses tem conta no FB” e “95% dos portugueses que usa redes sociais, tem conta no FB”, são coisas totalmente diferentes.

        • Marisa Pinto says:

          Entre aquilo que está escrito e o que tu interpretas, há uma discrepância enorme.

          • Pedro says:

            Desculpe, mas entre o que está no estudo e o que escreveu é que há.

            Prova disso são os comentários, anteriores e posteriores, ao meu.

            Ou acha que todas as pessoas que comentam estão erradas?

          • Marisa Pinto says:

            Se o titulo diz que 95% dos portugueses utilizam o Facebook, e no artigo EXPLICA que é o comportamento nas redes sociais que se está a analisar com base numa amostra de pessoas que usem as redes sociais, a minha conclusão é obvia:

            Não Leram o artigo. É simples. Leram o titulo e comentaram.

            Agora se quiser comentar o artigo, sinta-se à vontade.

            Se quiser continuar a não aceitar estes resultados, terá que, naturalmente, queixar-se à Marktest.

        • Marisa Pinto says:

          O artigo, todo ele, fala dos comportamento NAS redes sociais

          Que mais queres que te diga… continua a bater no ceguinho. Boa sorte com isso…

      • Sérgio Miranda says:

        Só faltava incluir essa parte no título do artigo e evitar-se esta conversa toda (e já agora corrigindo a acentuação):
        Redes Sociais: 95% dos Portugueses que usam redes sociais têm conta no Facebook

        A amostra continua a ser pouco representativa e os resultados deturpados nas suas conclusões.
        Ou isso ou amanhã faço um estudo com 2000 bebés dos 0 aos 2 anos e declaro que 99% dos portugueses usam fralda e fazem xixi na cama.

  8. Miguel Santos says:

    O título também me espantou!!

    Julgo que o título mais acertado seria “95% dos utilizadores de redes sociais portugueses tem conta no Facebook”.

    Se a amostra é de indivíduos “… utilizadores de redes sociais”, o universo será “utilizadores de redes sociais” e não os portugueses em geral.

    • Marisa Pinto says:

      Para isso é que temos um subtitulo, right? 😉 Nem sempre cabe tudo no titulo

      “Estudo da Marktest demonstra o comportamento dos Portugueses nas redes sociais”

      E depois há o artigo que elucida tudo o resto, é é necessário lê-lo.

      • Miguel Santos says:

        Acredito que no título nem sempre cabe tudo, mas da forma que está exposto está incorrecto.

        A não constar a informação toda no título, a hipótese “Redes Sociais: 95% dos Utilizadores tem conta no Facebook” seria mais “comestível”. Depois especificar-se-ia que se trata de uma estudo em Portugal, que é para isso que servem os subtítulos.

        Aproveito para acrescentar que os resultados que constam no folheto informativo são:
        “Sabia Que entre os utilizadores de redes sociais…
        95% tem conta no Facebook e 52% no MSN/Windows Live” que é substancialmente diferente do presente artigo, que refere “…onde, entre outros resultados, se chegou à conclusão que 95% dos Portugueses têm conta no Facebook.

  9. joao says:

    Faço parte dos 5% que nao tem conta no facebook =)

    Sou um atrasado para este país

  10. joao says:

    Temos uma grande percentagem de velhos, reformados, que alguns nem ler saber, que nem tem dinheiro para medicação ou alimentação, mas segundo este estudo, mais de metade deles têm que ter conta no facebook.

    A velhotes malandros xD

  11. Tiago Santos says:

    Em primeiro, acho mal todos voçês estarem a ter este tipo de comentários sobre algo que a Marisa Pinto teve trabalho ao verificar o estudo e ao partilhar com toda a comunidade do Pplware! Acho que merece mais respeito.
    Depois, voçês por acaso já aprofundaram a questão que ronda à volta do Facebook? Sabem quantos utilizadores existem? Contas multiplas, etc? Informem-se e depois venham criticar o trabalho dos outros!

    Cumprimentos,
    Tiago Santos

    • Tiago Costa says:

      Comentar e apontar alguns detalhes não implica não respeitar.

      Mas se entendes assim, paciência.

      Penso que a Marisa não se sentiu ofendida pela minha intervenção.

      Cumprimentos

    • Marisa Pinto says:

      A verdade é que, para muitos acredito que pode ser admiração este numero, mas para mim até nem é, porque como fiz a tese acerca do Facebook, li muitos outros estudos que indicam que a tendencia é para que, cada vez mais, as pessoas aderirem a esta e outras redes sociais.

      Muitos dizem aqui ‘ai os velhinhos nem pc têm’, isso é uma ideia muito retrógrada.. há muitos, mas muitos idosos com computador e um perfil no Facebook e muitos, se não têm conta, já tiveram contacto com computador/alguma tecnologia.

      *Por vezes somos nós mesmos a fazer com que o nosso país parece mais atrasado do que na realidade é.

  12. John says:

    Então o titulo está mal redigido. Deveria ser:

    Redes Sociais: 95% dos Portugueses que usam redes sociais têm conta no Facebook.

    Estatística é mais interpretação do que propriamente números.

    Nunca na vida, nem mesmo nos países mais desenvolvidos 95% da população tem conta no Facebook.

    Podem-me chamar velho do Restelo, mas eu acredito que ainda muita tinta vai correr acerca destas ditas redes sociais, mas não é agora, daqui a uns 20 ou 30 anos veremos o reverso da medalha, a Internet não esquece.

    • Marisa Pinto says:

      Amigo, o titulo está bem redigido uma vez que demonstra um resultado do estudo, qual é a duvida?

      Se são utilizadores das redes sociais, isso está explicado tanto no subtitulo, como no artigo/indicado mais ainda na amostra.

      Têm que ler as coisas, e saber de antemao que um estudo requer uma pesquisa a um determinado nr de pessoas. Não sou eu que vos vou estar a explicar isso, acho.

    • Nelson N says:

      Assim estou de acordo, e acho que o estudo está certo; 95% dos que usam redes sociais; também gostaria de saber dos que usam a internet quantos têm contas em redes sociais.
      É um facto que qualquer “clic” encontra o FB.
      Não tenho, nunca tive, e enquanto tiver o juízo que tenho hoje nunca terei!

  13. Eu Mesmo says:

    AhAhAhAhAhAhAhAh
    95% só acredita nisso quem nao vive em Portugal
    então 60% da pop está na reforma e dizes que 95% tem facebook
    Lares com acesso à Internet 39,6%
    Subscrições de banda larga por cada 100 habitantes 14,4%
    Portugal 95% LOL

    • Marisa Pinto says:

      1. leiam, por amor da Santa! (são utilizadores com REDES SOCIAIS)
      2. que tem a ver a reforma com redes sociais??????!!!! Não podem ter facebook porque estão na reforma??

      • Eu Mesmo says:

        Utilizadores com redes sociais?
        95% dos utilizadores com redes sociais tem conta no facebook?
        lol isso é alguma noticia?
        quais as redes alternativas hi5, orkut lol
        95% das pesquisas são feitas na google
        95% videos vistos online são do Youtube
        por aí
        sempre foi assim a net é de 10 grandes empresas

      • Ivan says:

        Apenas venho aqui para comentar algo muito pequenino mas tão significativo:

        A GRANDIOSA E HEROICA PACIÊNCIA da Marisa! Mais de 40 posts a criticar um título!
        E sempre com resposta a rigor da Marisa!

        A continuação de um excelente trabalho!

  14. Bruno Pereira says:

    “Este estudo foi conseguido através de 826 entrevistas a individuos com idades compreendidas entre 15 e 64 anos, residentes em Portugal Continental e utilizadores das redes sociais”

    Isto nitidamente não é uma amostra.
    É o mesmo que ir ao estádio do Benfica em dia de jogo perguntar quem é que gosta de futebol.

    • Marisa Pinto says:

      Segundo a Marktest:

      Amostra
      826 entrevistas. Amostra estratificada por região Marktest, sendo
      proporcional à população que constitui o universo, de acordo
      com as variáveis género e idade.

      Logo.. terás que clarificar com eles essa questão.

      • Bruno Pereira says:

        Olá Marisa,

        A partir do momento em que seleccionas os elementos da amostra com base num critério que tem uma influência ENORME nos resultados deixa de ser uma amostra.
        Uma amostra deve ser aleatória e representativa do conjunto de resultados que queres amostrar/estudar. E isto não está dependente da Marketest, é matemática.

        O título deveria ser qualquer coisa como: 95% dos utilizadores Portugueses de redes sociais têm conta no Facebook.

        Posso fazer um título semelhante: “100% dos portugueses ganham mais de 3000€”.
        E no fim dizer que a amostra são os deputados.

        Tenham algum espírito crítico naquilo que publicam….

        • Marisa Pinto says:

          Caro Bruno…
          Temos um subtitulo a complementar a informação do titulo (uma vez que não vamos colocar tudo no titulo).

          Depois a questão a amostra ultrapassa-nos. É na Marktest que terá que se esclarecer, como tenho vindo a dizer.

          Cumprimentos.

          • Pedro says:

            Mas se o título está errado o que vai o subtítulo fazer?

            A confusão já está criada na cabeça das pessoas!

            O problema é o título! Está errado, ponto final.
            Induz as pessoas em erro (como é visível nos comentários) e prejudica o bom nome do vosso site.

            Sê humilde e corrige isso! Ou começam a ser vistos como sensacionalistas com falta de bom senso.

        • Ricardo says:

          Sobre a parte final do teu comentário, tenho a dizer que está correcto e pode ser feito. Escolheste um universo em que são os deputados portugueses e depois escolhes uma amostra de 10 ou 20 deputados para saber quanto é que eles ganham. Se na amostra todos ganham mais de €3000, então podes extrapolar (através das muitas formas de extrapolação estatística) que todos os deputados portugueses ganham mais de €3000.
          No caso da Marktest é o mesmo, eles “fecharam” o universo aos portugueses entre os 15 e 64 anos com acesso à Internet e que responderam aos inquéritos na Internet. Depois escolheram uma amostra (presumo que aleatória) de 826 respostas e fizeram os cálculos. Dessa amostra, 95% tinham conta no Facebook, logo podem extrapolar para o resto do universo. O problema pode estar relacionado com o facto de não estar quantificado o universo, mas isso são decisões da Marktest ou que estão apenas no DVD que têm à venda. De resto, tudo normal.
          Só para que não haja dúvidas, não estou a referir-me ao título, mas apenas ao estudo realizado.

  15. Vasco says:

    Epa, Marisa e Vitor, apesar dos vossos muitos e significativos argumentos e remessa de responsabilidades para a marktest, *não há* maneira deste título não ser absolutamente disparatado, amostra ou não amostra. Não se atirem para dentro do poço atrás da marktest, se for esse o caso. Ou pelo menos adicionavam ao titulo “…diz a marktest”.

    Cada vez vejo mais artigos assim, mesmo fora das nossas guerrinhas iOS vs WP vs Android, e isto é muito facilmente associavel a um declinio na qualidade do blog.

    Adoro o pplware, é a minha primeira paragem obrigatória todas as manhãs, mas dar voz a estas coisas e depois ainda para mais baterem-se com unhas e detes por elas em vez de admitirem que o titulo (responsabilidade da marktest) é triste, ridiculo, mal conseguido, enganoso… etc, não contribui em nada para a seriedade dos conteudos.

  16. Eu Mesmo says:

    Para acabar com a discussão vejam isto:
    O número membros do facebook em Portugal tem variado bastante ao longo dos últimos meses.
    Nesta altura é de cerca de 4.000.000, o que é de facto um valor extraordinário considerando que o país tem apenas 10 milhões de habitantes. Noticia Publico
    Facebook monitoring helps to improve your business and social media marketing strategy in every country. Currently, there are 4640080 Facebook users in the Portugal, which makes it #39 in the ranking of all Facebook statistics by Country.

    LOL
    95% da pop que seja 4 milhoes então temos aproximadamente 3.7 milhoes de habitantes em Portugal
    Incrivel nos anos 80 quando estava na escola era perto de 10 milhoes, será que emigraram todos
    LOL secalhar
    agora somos perto de 12 milhoes com imigrantes
    95%….lol
    No Comments

    • Marisa Pinto says:

      São, repito!!!, utilizadores das REDES SOCIAIS

      ja foi reforçada essa informação no subtitulo, espero que agora fiquem todos esclarecidos!

    • Miguel Sousa says:

      Mesmo esses 4 milhões, há gente que têm mais de 10000 contas para usarem nos passatempos e concursos. 😀

      Mas a Marisa têm razão. O problema é que estamos habituados a ver que o que está antes dos : é o tema geral. Quando vi as redes sociais e 95% dos utilizadores, também fiquei assustado. Tanta gente a oferecer a vida a uma empresa que ganha dinheiro com isso?

      Mas lendo a notícia percebe-se que o estudo foi feito só a a pessoas que usam redes sociais. O resto foi eliminado das contas.

  17. Marisa Pinto says:

    Para os mais confusos,
    Foi reforçada a informação dos utilizadores DAS REDES SOCIAIS, ao subtítulo.

    Cumprimentos.

  18. naodigo says:

    Queria apenas alertar para o titulo do artigo que é enganador.

    “Redes Sociais: 95% dos Portugueses têm conta no Facebook”

    “Este estudo foi conseguido através de 826 entrevistas a individuos com idades compreendidas entre 15 e 64 anos, residentes em Portugal Continental e utilizadores das redes sociais.”

    A lógica não bate certo 😛

    Se só entrevistaram utilizadores de redes sociais como é que podem concluir no artigo que 95% dos Portugueses usam o Facebook? Por isto entende-se população portuguesa e não utilizadores de redes sociais portugueses.

    • Marisa Pinto says:

      queria dizer-te que:
      Redes Sociais: 95% dos Portugueses têm conta no Facebook

      Resultados dizem respeito aos utilizadores das redes sociais que participaram na amostra. Estudo da Marktest demonstra o comportamento dos Portugueses nas redes sociais

      Cumprimentos.

      • naodigo says:

        Eu percebi muito bem o artigo e percebi muito bem o estudo, apenas estou a dizer que o título não é claro e infelizmente no jornalismo de hoje em dia é algo muito comum.

        Em vez de meter o resultado de forma enganadora no título não seria melhor ter algo do género: “Estudo das Redes Sociais: Portugueses preferem o Facebook.

        Não sou o jornalista nem o expert aqui mas eu diria que este título apesar de não ser tão “click-grabber” é mais honesto.

  19. César Assombro says:

    Eu pertenço aos 5% que não tém facebook 😉

  20. Mike Bern says:

    Li um estudo que dizia que 95% das percentagens são inventadas…

    🙂

  21. Duvido de todos os resultados que foram aqui apresentados e digo isto, não para tentar baixar o trabalho de ninguém, mas para responder à pergunta final.

    A Marktest como tantas outras já provaram ter estudos para tudo e quem sabe o mínimo de estatística sabe que muitas vezes os resultados tecnicamente até podem estar correctos, mas que não estão de acordo com a realidade. O numero de 95% na minha opinião é exagerado, e para isso basta ter em conta outros factores, como o acesso à internet, a taxa de alfabetização, mesmo tendo em conta a idade dos entrevistados.

  22. sednasapo says:

    …pertenço aos 5% !!!!!

  23. lol says:

    Pelo que li por aqui devo ser doente pois não tenho nada disso, seja em que rede social for. Antes pelo contrario ( nem a tiro alinho nessas … ) Essas amostras lembram-me algumas outras que bombardeiam os meios de comunicação ou “de informação… ” . Talvez estejam só a excluir os velhotes ( com o devido respeito que lhes tenho ) do interior …. Mas até acredito . Afinal neste mundo as pessoas andam como andam … enfim vale o que vale .

    • Marisa Pinto says:

      Resultados dizem respeito aos utilizadores das redes sociais que participaram na amostra. Estudo da Marktest demonstra o comportamento dos Portugueses nas redes sociais

      • lol says:

        Isso já se entendeu Marisa,eu li tudo.E é como disse, vale o que vale…Como será possivél fazer uma amostra dentro de um dado nucleo e o resultado ser esse ?! Então perguntar a quem tem conta no FB se tem conta no FB ou noutra qual será a resposta ?! lol

        • Marisa Pinto says:

          Penso que as pessoas devem dizer em que redes sociais têm conta e não referir apenas uma.

          ‘quais as redes sociais em que tem conta?’
          -facebook, twitter e g+…

          Por exemplo, decerto que não foi dada apenas uma hipotese de resposta, isso seria enviesar o estudo.

  24. Nuno de Sousa says:

    A conclusão apresentada aqui está errada, como é obvio. O estudo original diz que:

    Sabia Que entre os utilizadores de redes sociais…
     95% tem conta no Facebook e 52% no MSN/Windows Live”

    E não os portugueses. É o problema de não saber ler associado à errada interpretação de resultados.

  25. coiso says:

    Titulos sensacionalistas e estudos com conclusões imaginárias, que só servem para confirmar alguns interesses…é coisa que não falta.

  26. s-k says:

    “Para o efeito, o grupo Marktest levou a cabo o estudo d’ Os Portugueses e as Redes Sociais onde, entre outros resultados, se chegou à conclusão que 95% dos Portugueses têm conta no Facebook.”

    Quero lá saber se foi a marktest ou a nasa que fez o estudo. O titulo é ambíguo. Só falta saber se foi propositado 🙂

    Um estudo interessante era saber qual a percentagem de utilizadores do Facebook que utilizam a rede social para saciar a carência, e alimentar o ego 😛
    Eu sei que utilizar uma rede social também tem algumas vantagens. Mas a grande maioria não usa essa ferramenta com bom senso. E quando falamos em privacidade, as desvantagens são muitas. Nem quero imaginar o que anda a Google e o Facebook a fazer com esses dados. Agora imaginem se todos esses dados forem parar nas mãos erradas. Um ditador por exemplo.

  27. Ana says:

    Atenção ao titulo! deveria ser 95% dos portugueses com ligação á Internet, pois o titulo conforme voçes demonstram até a grande maioria dos idosos no interior do nosso país têm Facebook. E ainda á pouco tempo ficamos a saber que 20% dos portugueses são idosos mais de 10% em solidão extrema.

  28. Manuel says:

    Eu sugeria que alterassem o títule deste artigo.

    Não é por nada mas induz qualquer um em erro como se demonstra pelos comentários aqui presentes.

    O estudo não procura saber o que o título deste artigo diz mas sim no universo dos utilizadores das redes sociais, o que é completamente diferente!!!

    Cump,
    Manuel

  29. Miguel Santos says:

    Conclusões da Marktest:
    http://www.marktest.com/wap/a/p/id~121.aspx

    Conclusões do Semanário Sol (e da autora Marisa Pinto):
    http://sol.sapo.pt/inicio/Tecnologia/Interior.aspx?content_id=63345

    Se calhar a marktest, que até fez o estudo, é que está errada, no que respeita às conclusões.

    Pergunto-me Qual terá sido a informação base que deu origem a este artigo?

  30. Marisa Pinto says:

    Segundo update..

    A pedido de muitas famílias, o título foi alterado. 🙂

    Espero que seja agora da compreensão de todos, o artigo 😉

    Cumprimentos,
    Marisa Pinto

  31. Jorge Pinheiro says:

    Não! 95% dos portugueses não têm Facebook!

    Na minha opinião é um péssimo titulo, é um titulo sensacionalista , só acho engraçado como não dão o braço a torcer! baseado numa amostra… tangas, este estudo, tendo em conta a forma como foi feita a recolha de dados, nunca pode dar origem a um artigo com este titulo!

    Viram como foi feita a recolha dos dados?

    Técnica de recolha : Entrevista online, através de questionário estruturado de auto-preenchimento

    Logo aqui vemos que esta amostra não é uma amostra qualquer, significa que quem respondeu teve de alguma forma acesso à Internet, e aqueles que nunca acederam à Internet? e os outros que mesmo com acesso á Internet não usam o facebook? são bem mais que 5%…

    • Vítor M. says:

      Jorge, e quanto ao assunto mais importante, que tens a dizer? É que o mais fácil é ler o título, isso é fácil, tirar até considerações do título também é simples e quanto ao assunto?

      Não achas que as Redes Sociais são um fenómeno que está a aumentar o contacto de uma faixa etário mais velha, com as novas tecnologias?

      • John says:

        Exemplifico a minha opinião acerca de redes sociais com o seguinte:

        Um administrador (ou pseudo administrador) de uma “empresa” xpto faz um comentário na rede social acerca de um acontecimento em que duas entidades estão em choque.

        Aqui temos 2 situações ou concorda com uma parte, ou concorda com outra. Qualquer que seja a sua opção estará sempre em discordância com uma das partes.

        Ora essa parte com a qual está discordante passados 2 anos precisa de um novo administrador. Tendo a informação do passado disponível será que o comentador original será elegível para ocupar o cargo? Duvido.

        Quem diz este caso simples diz, milhões de comentários, fotos, ligações que são o nosso quotidiano mas ficam para nós e para os nossos.
        Numa rede social tudo fica registado, toda a gente tem acesso a tudo. E podem vir com perfis e grupos privados, eu digo, isso é tudo fachada, quem quiser e tiver dinheiro tem acesso a informação.

        Podem me chamar maluco, teórico da conspiração, o que quiserem, mas não gosto de exposição, e só acho que o deva fazer quem tem tempo, ou necessidade, mas sempre e sempre com consciência e responsabilidade, dois itens que faltam a muita gente.

      • Y-lhaK says:

        … CEO Vítor… e por falar de coisas importantes…para um quando um artigo do Hugo Cura, que tem acompanhado a novela TDT, a dar-nos conhecimento do estudo realizado pelo Sérgio Denicoli (que pode ser visualizado aqui: http://www.lasics.uminho.pt/ojs/index.php/TDT_Portugal/ ) no qual concluiu que “há indícios de corrupção no processo de implementação da TDT em Portugal e que isto deve ser apurado.”
        😉

        • Vítor M. says:

          O TDT é uma vergonha, em Portugal. Grande tema e acho que o Hugo aceita esse desafio, alias, são tantas as queixas e, realmente, é já uma triste novela mexicana.

          Obrigado pela sugestão.

          • Y-lhaK says:

            … e para quem achar por bem deixar uma mensagem de apoio ao Sérgio Denicoli, por demais merecida, e que até já anda a ser ameçado com processos judiciais, como se não estivesse à vista de toda a gente a “palhaçada” que a PT/ Anacom resolveram fazer com a implementação do TDT em Portugal, ” processo que que sacrificou sobretudo os mais pobres e os mais idosos “, aqui fica o endereço do seu blog pessoal: http://tvdigital.wordpress.com/

            🙂

  32. João Meixedo says:

    Sou dos que acha que o título está bem melhor assim.

    Tenho de me considerar utilizador de redes sociais, porque uso o msn messenger, no entanto não tenho conta no facebook, nem em nenhum outro serviço análogo. Não por ter algo contra, mas porque sinceramente não sinto a necessidade nem o conceito me atrai.

    No entanto, não me choca minimamente que 95% dos inquiridos mantenham, ou tenham tido, conta activa no facebook. É o serviço mais usado e como tal parece-me perfeitamente aceitável.

  33. André Vieira says:

    Marisa Pinto, eu admiro-te! Pois tens uma paciência sem fim…
    Esta gente so sabe criticar e vem para aqui mandar bitaites a tentar “desvalorizar” o vosso trabalho. Não entendo, e realmente não percebo como se pode ser tão mal agradecido.
    Vocês dão-se ao trabalho de nos actualizarem sempre com as mais novas informações e curiosidades, depois vem para aqui meia dúzia de “linguarudos” só para deitar abaixo os que fazem alguma coisa em condições! Se gastassem o latim deles a fazer alguma coisa de útil era bem melhor…
    Enfim, tristeza.

    Parabéns PPlware 🙂

  34. jeton90 says:

    Eu nao tenho face e agora

  35. Joselito says:

    Olha outros … o jornal sol também compartilha do título sensacionalista do pplware

  36. Diogo R. says:

    Eu não tenho conta no facebook, mas tenho no exo…, media…,4sh… lol

    acabei com a minha a meio deste ano e não me arrependo 🙂

  37. Madeira says:

    Acho que alguns aqui precisavam de ter umas aulas de Estatística… enfim. Digam-me um estudo que vocês já devem ter enumerado que engloba toda a população, exceptuando os sensos?

  38. Nuno Preto says:

    Cheguei a duas conclusões: 1ª 95% dos leitores deste post são preguiçosos…

    2ªA Marisa é fera…

    O Facebook já é bem mais na minha opinião que uma rede social, prova disso é o seu sucesso e o tempo dele(sucesso), que ira continuar na minha opinião.
    Como tal o estudo eo seu resultado são possiveis…
    Tenho clientes que para eles a internet é o facebook:-)

  39. Carlos says:

    Agora que li o artigo…

    Há 5% de utilizadores de redes sociais que *não* têm conta no Facebook?

    Também é verdade que o critério da Marktest para “rede social” é um bocado abrangente, suponho que por MSN estejam a falar do defunto Windows Live Messenger, que pode ser muitas coisas mas “rede social” não é uma delas.

    E onde anda o Twitter? Não vi lá nada sobre o Twitter.

    Mudando de assunto, ao pessoal que critica a amostra, vocês tiraram o vosso curso em Estatística onde mesmo? É que dizer “eu não acredito nisso porque dos meus amigos só 3 é que usam o Facebook” é sinal que não percebem nada de estatística. É que uma amostra é muito mais que “os meus amigos”.

  40. TI&TI says:

    Desculpem lá ser chato e não ter lido todas as intervenções. Mas, sim o título do artigo induz em erro e chama a atenção. Propositadamente.

  41. i always win says:

    quando li o titulo pensava que era 95% dos portugueses todos, o que estaria errado obviamente, agora 95% dos que usam redes sociais, e bem provável, hoje em dia qualquer “zé ninguém” tem facebook, eu cancelei a minha conta porque, perdoem me a expressão, mas as pessoas vão “cagar” a vida toda pro facebook, e não se lembram que ninguém quer saber da porcaria do dia deles, e que de certeza um dia mais tarde vão se arrepender de muita coisa que escreveram…

    penso que é uma rede social que vai acabar nos próximos anos, o futuro serão as redes sociais 3d, para ser mos ainda mais vigiados…

  42. fire says:

    Pelo que li nos comentários, 95% das pessoas que escreveram aqui não sabem ler, …, texto está bem explicado e tem um link para o pdf com o estudo. Está tudo bastante claro e não é muito surpreendente.

    • Carlos Ferreira says:

      Diria eu que tu é que não sabes ler. No texto tem frases como “95% dos Portugueses têm conta no Facebook”, o que é falso, mesmo tendo noutros lugares a correcta afirmação, que é dos portugueses com redes sociais.

      • Marisa Pinto says:

        Se o estudo era sobre o comportamento nas redes sociais… Eu pensei que fosse um pouco obvio. Até porque tem explicado.

        Mas adiante,

        Quando quiseres comentar o artigo, espero que tenhas também tao bons argumentos 😉

  43. Filipe YaBa Polido says:

    …Só uma opinião…

    95% dos portugueses tem conta no Facebook
    – Faço parte dos 5% 🙂

    52% tem conta no MSN/Windows Live
    – Só para manter contacto com um par de colegas no estrangeiro

    39% abandonou uma rede social no último ano
    – Been there, larguei umas quantas, é sempre a mesma m*

    15% visita sites de redes sociais assim que acorda
    – Mas ninguém tem mais nada q fazer? trabalhar? estudar? ver outro tipo de sites mais importantes?

    24% acha que dedica demasiado tempo a sites de redes sociais
    – Depois de visitar alguns clientes e cada vez que olho para o monitor está lá a porra do Facebook… no comments.

    As fotos são o tipo de conteúdo mais partilhado
    – Pitas no WC com duck faces… ARRRGHHHHHHH

    62% segue marcas nas redes sociais
    – Pois, opinião própria é coisa do passado 🙁

    A presença das empresas e marcas nas redes sociais é entendida como muito importante
    – Desde o momento que uma GRANDE empresa americana disse publicamente que retirou o perfil no FB porque só teve despesa, nunca teve lucros à conta da publicidade lá, acho que está tudo dito…

  44. João Fonseca says:

    uso tudo menos facebook e hi5

  45. Ruben says:

    O Social Bakers diz que são 43,22% da população portuguesa, vale o que vale mas acredito mais nestas estatísticas http://www.socialbakers.com/facebook-statistics/portugal

  46. Carlos Ferreira says:

    Uma coisa eu sei. A Marisa Pinto é que tem sempre razão e os leitores do Pplware não!!! 🙂 🙂 Longe vai o tempo do cliente ter sempre razão! 😛

    O texto começa bem, mas tem várias gralhas, queiras ou não admitir e pouco me importa a tua tese. A frase está assim e assim só: “95% dos Portugueses têm conta no Facebook”. O que é falso. 95% dos inquiridos têm conta no Facebook e os inquiridos foram um grupo de pessoas com contas em redes sociais.

  47. Pedro Queiroga says:

    Estes comentários fazem-me lembrar uma anedota bem conhecida, do homem que liga à mulher “cuidado na estrada, vi na tv que há um maluco qualquer a conduzir em contra-mão” e vira-se a mulher “um? são todos!!”

    isto para dizer que é impressionante como toda a gente diz que o titulo está mal, mas continuam a bater na mesma tecla. uma coisa é acreditar no que faz, mas a linha é ténue e já passou claramente a casmurrice.

    eu para interpretar uma frase apenas preciso de ler essa frase, não preciso de me meter a ler o resto do artigo. e a frase “95% dos portugueses têm facebook” está claramente errada. a Marisa se quisesse efectivamente dizer a percentagem total de utilizadores de facebook diria como? não seria “x% dos portugueses têm facebook”? então se quer dizer outra coisa qualquer, tem que o dizer de outra forma, não? é que errar é normal, insistir no erro eu chamo-lhe outra coisa…

    • Marisa Pinto says:

      Tens que começar a ler mais estudos então. E vais verificar que normalmente o título evidencia os resultados mais salientes, e que vêm depois explicados no resto do artigo.

      Para isso servem os artigos, para serem lidos.

      Mas as informações foram alteradas para que toda a comunidade se sinta esclarecida.

      Agora estou à espera que comentem o artigo em si. É que para criticar eu também sirvo 😉

      • Pedro Queiroga says:

        outra vez arroz…

        o titulo pode evidenciar o que quiser, desde que seja verdade. e “95% dos portugueses…” não é verdade, não entendo onde está a dúvida. verdadeiro e correcto ficaria se estivesse “95% dos utilizadores portugueses de redes sociais…” ou algo semelhante

        eu comentei o artigo em si, agora se comento a forma ou o conteúdo, parece-me que me cabe a mim decidir, não?

      • Joselito says:

        Gostava de saber onde foste buscar essa que o titulo de estudos evidencia os resultados mais salientes….normalmente os resultados mais salientes são evidenciados numa coisinha chamada abstract…isto caso o estudo seja meritótio de ser publicado numa revista cíentifica…e mesmo estudos feito por empresas a avaliar o mercado de certo “produto”…como por exemplo este estudo feito pela Marktest…”Os portugueses e as redes sociais 2012″…não vejo resultados no título…

  48. NazgulTuga says:

    Acho que não era necessário fazer um estudo estatístico sobre qual das redes sociais é a mais utilizada pelos portugueses, que usam redes sociais ou que têm internet…

    • Marisa Pinto says:

      Certo, isso é evidente, mas este estudo vai mais para além disso.

      Estuda o que os portugueses fazem nas redes sociais, o que acedem, o que comentam, que marcas gostam…

      Basicamente é mais direccionado para as empresas e marcas de forma a tirarem o melhor partido das redes sociais para promoverem os seus produtos.

  49. Pedro Mariz says:

    95% dos portugueses não é igual a 95% dos portugueses com redes sociais !

    É muita diferença, 1º deveria-se saber a percentagem de portugueses com rede social para depois se tirar os 95% desse numero 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.