PplWare Mobile

Debate: Microsoft Office, Google Drive ou LibreOffice?


Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

  1. Carlos says:

    Até pode haver alternaivas gratuitas e viáveis ao Office, mas no que toca ao segmento empresarial, nada que se compare com o Excel e Access com VBA para criar soluções de gestão de empresas com poucos/alguns conhecimentos…

    • Caro Carlos
      O único problema que actualmente impede a adopção a nível empresarial do LiBo é o problema herdado do OpenOffice da má gestão de memoria com milhares de linhas no Calc (que está a ser estudado e futuramente resolvido).
      Para tudo o resto há solução, não é VBA mas sim BASIC (que é mais simples no meu entender).
      Bases de dados em Access foi sempre um mau principio, nem sequer é considerado um SGBD. Base trabalha ate com Oracle.

  2. Carlos Silva says:

    Os campos referentes ao “Compatibilidade/formatação” parecem-me um bocado tendencialistas… Estam a comparar com o quê? MS Office? É claro que o MS Office é compatível com MS Office. Não percebo aqueles campos.

    • Pedro Pinto says:

      Informação dos campos é genérica

      • Lamento Pedro Pinto, mas desta vez o meu amigo não esteve bem. E sim dá a entender ser tendencioso.
        Porque eu comecei a usar produtos Microsoft, e quando passei para o Open Source pensava que ainda caminhava muito longe da Microsoft. Mas a verdade está à vista de todos, Quando o Bill Gates viajou pelo mundo para que a norma odf não fosse aprovada pelos países. E sim a incompatibilidade é do lado da Microsoft e não da “concorrência”. Isto faz lembrar a luta de normas pela Web nos anos 90, com a Microsoft se lembrou de clonar o Java. e formatações especificas para o HTML. Por isso e por experiência posso dizer, que desta vez o tema não foi aprofundado. Mas como já nos habituou a colocar matérias com qualidades, porque diga-se a verdade se não for o Pedro não vejo muitas pessoas a o fazerem. Bem haja e Bom Ano. PS-Já agora veja esta comunidade. https://plus.google.com/communities/116263501379882421864

    • lmx says:

      pois eu ai tenho que dizer a M$ suporta muito mal o formato ISO odf

      cmps

    • Carlos says:

      Porque as empresas normalmente têm milhares e milhares de documentos em formato .doc e carradas de folhas de cálculo em formato .xls porque são formatos que já existem há 20 anos.

      Como deixar de ter acesso integral a esses documentos e folhas de cálculo é inconcebível, precisam de aplicações que os abram de forma perfeita.

      E isso, só o Microsoft Office faz.

      Pode ser chato, mas é assim.

  3. Hélio Félix says:

    Cada um á sua aplicação.

    O Ms office é o que dá para fazer tudo a nivel de funcionalidade.
    O Libreoffice é para as empresa que utilizam o minimo.
    O G drive sempre que é necessário colaboração online.

    • Carlos Carvalho says:

      Hélio Félix ,

      Boa tarde não concordo quando dizes que o Libreoffice é para empresas que utilizam o mínimo , depois existe um post muito interessante do Carlos Silva que se refere a formatação/compatibilidade , neste campo ganha claramente o Libreoffice , sabes porquê porque lê todos os formatos e grava em todos os formatos , coisa que o Office da Microsoft mesmo de versão para versão se não instalares o pack de compatibilidade lá ficas sem ver népia e gravar noutros formatos naaaaa … pois existem essas vantagens com o Libreoffice a grande desvantagem está ainda na folha de calculo e nas macros , mas o que é certo é que esta ferramenta tem vindo a evoluir e esperam-se grandes melhorias para a 3.7 .

      Cumprimentos

      Carlos Carvalho

      • PT says:

        O Office da Microsoft grava em dezenas de formatos entre os quais ods…

        • lmx says:

          O office da M$ suporta muito malo formato ISO odf, e essa é que é a realidade…

          cmps

          • quimkaos says:

            a realidade é que a MS grava é muito mal também os formatos .doc(x), .xls(x), etc., porque apesar de ser a entidade responsável pelo o lançamento dos ISOs destes ficheiros, nunca os usa. Os programas da MS usam sempre ISOs extendidos (ou seja com especificações extra além da ISO publicada) pelo que só estes programas conseguem abrir correctamente os ficheiros por eles produzidos, criando sempre problemas de formatação quando aberto/editados por outros programas: open/libreoffice, google drive, staroffice…

  4. Ricardo Mestre says:

    iWork too! A 4ª opção!

  5. Alucard says:

    Como utilizador de Linux, a minha escolha é o LibreOffice naturalmente. O Microsoft Office será porventura muito bom e melhor, não nego, mas o LibreOffice já não é só para o “desenrasque”, é uma suite de escritório muito completa e com mérito. Talvez seja só eu, mas já me sinto mais confortável a escrever no Writer que no Word (gosto mais da implementação que o LO faz de funções como estilos de texto e editor de fórmulas matemáticas…), e a fazer folhas de cálculo no Calc do que no Excel. Para apresentações, concedo que o PowerPoint é ainda muito melhor que o Impress.
    As Google Apps não uso e não tenho opinião, prefiro uma suite de produtividade à antiga.
    Já agora seria interessante o pplware falar de outras suite de produtividade para Linux, para além de OpenOffice/LibreOffice. A Calligra Suite(antigo KOffice) tem evoluído a bom ritmo.

    • Bovidino says:

      Concordo e avaliso.

    • lmx says:

      completamente…

      o libreoffice 3.4 já foi marcado como Enterprise Ready!!

      cmps

      • Carlos Carvalho says:

        Boa tarde ,

        e já vamos na 3.6 e a 3.7 está a caminho .

        Cumprimentos

        Carlos Carvalho

        • lmx says:

          boas…

          Carlos

          Exactamente, não percebo alguma relutância que tenho visto contra um software que é livre para todos puderem usufruir independentemente das condições económicas que tenham e ainda por cima…

          Quanto o nosso governo já aprovou formatos abertos na assembleia da Republica, sendo o ODF escolhido para texto.

          cmps

    • Mauricio says:

      Você não está sozinho, Alucard.

      Até acho que as pessoas consideram o Word mais fácil, porque sempre usam o word.
      Trabalho no serviço público há mais de 7 anos, sempre com o libreoffice/openoffice. Tenho o word em casa, mas não uso pois tenho certa dificuldade.
      Gosto da forma como o Writer trata seções, por exemplo, muito mais lógico que o word. O writer salva em código html limpo, e salva em PDF, muitas vezes, melhor que o próprio adobe acrobat (tenho os dois e já testei).

  6. Zé de Gaia says:

    O LibreOffice que além de ser gratuito tem uma funcionalidade que te permite enviar ou guardar directamente em PDF sem utilizar outro software.
    Mas também não dispenso o MSPowerPoint

    • Carlos says:

      O Office pelo menos desde a versão 2010 que também grava em PDF. E até ODF, para os maluquinhos dos formatos “abertos”.

      • rand says:

        Não é maluquinhos dos formatos “abertos”, são utilizadores do formato que foi definido como standard (e que na minha opinia a microsoft devia ajudar a melhorar).

        • Carlos says:

          O formato nativo do Office 2007 também faz parte do standard.
          Pode-se discordar da forma como os standards são definidos (e a forma realmente é um bocado para o duvidosa) mas isso já é outra conversa.

      • JS says:

        E no 2007 há uma aplicação da microsoft que também dá se nao quisermos os SPACKS alias instalando o serviço pack 3 do office ja fica com os varios formatos PDF e ODF

      • lmx says:

        Gravar em ODF grava…mas não no verdadeiro formato ODF…grava num pseudo formato ODF que foi a forma como a M$ quis interpretar o formato ODF…

        Já agora tenta abri-lo no OpenOffice, ou noutro qualquer, e diz-me depois se aparece tudo formatado tal e qual como no M$Office(antes de gravar)….

        pois é… esse formato é ODF para Inglês ver…é uma péssima implementação do formato ODF, e não é 100% compatível com a verdadeira especificação do formato ODF.

        Coisas á lá M$…

        cmps

        • Carlos says:

          Bom, os ficheiros em ODF do Office 2010 passam a 100% nos validadores da norma.

          Se a norma está mal feita e deixa que coisas dessas aconteçam, o problema é da norma, não te parece?

          A Microsoft fez uma maningância ao explorar essa falha da norma (falha que, aliás, tinha apontado precisamente durante o processo de aprovação da norma) mas o buraco é da norma.

      • João Campos says:

        I have a dream…

      • Mauricio says:

        O Word salva em PDF, mas muito mal. O arquivo fica de 3 a 5 vezes maior do que ele ficaria caso salvo no Acrobat e LibreOffice.
        Além disso, ele tem poucas opções de personalização (como a opção de abrir arquivos e exibir marcadores)

  7. paulo says:

    Ultimamente descobri mais umas opções como seja o FreeOffice da SoftMaker.
    Consegue abrir os ficheiros de Word por exemplo sem perder tanta formatação como o LibreOffice..
    O ficheiro com tudo tem 60 mb.

    O interface é mais tipo word 2003 e funciona em Linux.

    Tem uma promoção actual onde por cada cópia descarregada oferecem 10 cêntimos para uma entidade de beneficência.

  8. Serginho M says:

    Microsoft Office sem dúvida! Não sei trabalhar sem o Publisher.

  9. ElectroescadaS says:

    Por acaso comecei a usar o LibreOffice há pouco tempo. Recorda-me o Offfice 2003 se não estou em erro e sendo gratuito ainda melhor. O Google Drive nunca usei. Não sabia que o Google Drive era na verdade uma espécie de Office… 😮

  10. André says:

    Sinceramente este ponto é de rebolar a rir:

    Edição de documentos.

    O Microsoft office é muito bom, o Google Drive (admito que não conheço) e o LO tem problemas com documentos de outros editores.

    Gostava de saber como foi feita esta comparação? Com um formato especificado por uma das empresas (doc, docx e equivalentes para as outras aplicações da suite) ou na interpretação de formatos abertos (até há algum tempo o office da Microsoft não suportava nenhum desses formatos).

    Quanto ao assunto, acho que para o uso que a grande maioria de utilizadores dá a estas suites a solução LO é mais do que suficiente.

    • Alucard says:

      Concordo, a comparação nesses termos pouco sentido faz. Gostaria de referir que enquanto toda a gente se queixa que o LO “não abre bem os docs do Office”, o contrário também é verdade. O Microsoft Office 2010 tem uma compatibilidade anedótica com o standard ODF. Qualquer documento OpenDocument que eu crie e tenha a infelicidade de ser posteriormente digerido nas entradas do MS Office, nunca mais é o mesmo em qualquer outro programa. Sendo o ODF um standard aberto e público, a situação é ainda mais caricata do que qualquer problema do LO em processar documentos num formato proprietário e envolto em secretismo como o docx. Espero sinceramente que com o novo Office 2013, a situação melhore, porque por enquanto a funcionalidade ODF do Office 2010 é só para inglês ver.

      • Carlos says:

        Ah, sabes que os formatos de ficheiros do Office também fazem parte do padrão ISO de formatos abertos de documentos, certo?

        • Carlos Gomes says:

          Não é bem assim… Isto porque o formato XML da MS (como o docx) permite extensões proprietárias. Logo, este deixa de ser um formato completamente aberto. O LibreOffice é neste aspeto o mais completo, abrindo de forma mais adequada formatos não nativos. Quando se leva em conta a relação custo benefício, e pondo de lado algumas situações mais excecionais, é motivo para perguntar porque é que ainda há gente usando o MS Office.

          • Pedro Tavares says:

            Porque continuam usando o MS Office?
            Simples, a maioria das cópias instaladas são piratas.
            Acreditam que alguem pague por uma suite de produtividade (a maioria usa as versões professional) quase tanto como pagam por um PC/Laptop?
            O memso se passaria com os SO se apenas fosse vendido o hardware.
            Reconheço contudo que a nivel de funcionalidade o MS Office está à frente dos outros.

            PS: Já agora, sou utilizador de arch linux.

      • Carlos Carvalho says:

        Alucard ,

        Boa tarde , já experimentei o Office 2013 e para além de não ter melhorado é uma desilusão completa esperava sinceramente mais desta suite , já sei que me vão dizer se já está boa pouco mais há para inventar/criar , para quem tem 2 dedos de testa sabe que isso é uma falácia .

        Cumprimentos

        Carlos Carvalho

        • José says:

          Gosto de ler algumas opiniões tuas, mas começo a achar que te limitas a dizer mal por dizer.. Então sobre a MS ainda pior.. É pena.. Retira-te credibilidade..

  11. ubunt says:

    Boas a todos!
    O M§ Office ñ tem concorrente! É claramente o melhor.
    Não podemos comparar…
    Agora, google docs é ferramenta em nuvem, muito interessante para trabalhos simples.
    LibreOffice tb é uma boa opção, para aqueles que ñ precisam de grandes floreados… Em ambiente doméstico, chega para as encomendas, julgo eu. Sua grande vantagem é a gratuitidade do produto.
    Este produto necessita urgentemente de uma repaginada… sua aparência, “interface” está ultrapassada, menus muito antigos etc.
    A canonical deveria pegar o touro pelos cornos… Pegar no libreoffice e eleva-lo a patamares de exigência tal que não oferecesse dúvida alguma. A comunidade linux ficaria com excelente alternativa ao M§ e seria de capital importância para o próprio ubuntu em particular.
    Estou convicto que isso vai ser uma realidade, num futuro ñ muito distante.

    Cumprimentos a todos

  12. Tiago says:

    Uso o LibreOffice por uma questão de principio de utilizar sempre que possível software livre a nível pessoal. A nível profissional sou ‘obrigado’ a usar o MS Office.

    Tenho que admitir que o MS Office continua a ser o melhor a milhas, no entanto não vou deixar de usar o LibreOffice pq se ninguém usar…então de certeza é que não melhora 🙂

    • lmx says:

      boas…
      o libreoffice é usado por centenas de milhões de pessoas a nivel mundial 😉

      mas é sempre bom fazer crescer a base de utilizadores…

      “Between January 2011 (its first stable launch) and October 2011, LibreOffice was downloaded approximately 7.5 million times”

      O próprio estado Francês distribui pens aos alunos com o LibreOffice, aqui em Portugal é que a malta é rica e continua a comprar productos caros…

      Sempre que falo disto lembro-me do caso dos submarinos, e em relação ao email que, o cônsul Americano em Portugal, enviou para algum dirigente Americano…

      cito parte,

      “Os Portugueses gostam de brinquedos caros…” 🙂 lol

      cmps

      • lmx says:

        penso que seja dezenas de milhões…

        Existe uma estimativa de 200 milhoes para 2020…estamos a falar apenas de libre office, falta o Apache Office(antigo openoffice) e todos os outros derivados…

        cmps

  13. Alberto Flores says:

    A questão colocada acima pelo Carlos Silva (Compatibilidade) é bastante pertinente. Também me parece que a tendência é usar o MS Office como bitola, e misturar isso com uma avaliação do próprio no campo compatibilidade é “má política”. Obviamente, nada vai ser mais compatível com o MS Office que o próprio.

    Quanto ao Google Drive, é perfeitamente possível utilizá-lo em modo offline. Desde que se tenha a app Google Drive instalada, basta aceder às definições da conta Drive e permitir a edição offline.

    Outra dúvida com que fiquei foi: o que é que mede/avalia exactamente o campo “Produtividade”? Por mais voltas que dê à cabeça, as hipóteses que encontro são sempre subjectivas.

    No geral, bom artigo, e é sempre de saudar quando se apresentam e avaliam várias alternativas. (o que o Pplware habitualmente faz bastante bem)

  14. David says:

    Uso o MS Office para tudo, de longe o mais completo mas nem sempre o melhor para certas operações mais delicadas onde o Open Office faz maravilhas… ou seja, sem os dois o meu PC era manco… o Google drive não preciso porque além de usar um PDA com MS Office, na web tenho sempre lá o meu “cantinho” microsoft.

  15. Quim Berto says:

    Vamos pôr o problema assim:
    O LO abre documentos do MS Office. O MS Office não abre documentos do LO. Logo: LO – compatibilidade 100% e MS Office – compatibilidade 0%!
    o LO tem 90% da funcionalidade do MS Office. Os menus são “antigos” -o que é isso?
    Ambas as suites são boas. O LO é mais modesto mas grátis.

  16. Kekes says:

    Pessoalmente gosto muito mais do Office da MS.
    Usei quase exclusivamente Linux durante 3 anos, adorava, mas detestava quando tinha que fazer apresentações, relatorios etc, pois o LibreOffice não me satisfazia.
    Actualmente mudei-me quase exclusivamente para Windows, por varios motivos um deles é menos tempo a resolver problemas, e outro é o facto do Office da MS. Não consigo viver sem ele. No meu entorno ninguem consegue viver sem ele. No meu seio familiar tenho Linux em todas as maquinas e acabam todos por me “roubar” o computador quando necesitam de ferramentas Office.
    Uso tambem muito o google drive para o desenrasca, principal vantagem é o facto de estar sempre disponivel.
    Com o LibreOffice tenho uma relacção de odio.
    Na minha faculdade temos os dois offices para escolher o da MS e o Libreoffice. Até aqui perfeito, mas depois de guardar o quer que seja e voltando a abrir o ficheiro seja odt o odp, fica tudo diferente do que fiz, insisti muito até que tive uma vez um problema 5 minutos antes de uma presentação que todas as imagens sairam fora do sitio mas de um modo absurdo, não imaginam o stress que foi.
    Prefiro fiabilidade por vezes o barato sai caro em termos de productividade e infelizmente este e um desses pontos. Consigo por o documento tambem muito mais rapidamente segudo as formatações que tenho que seguir usando o Office da MS.
    Meu voto MS Office, se bem que para situações “apertadas” o google docs funciona maravilhosamente.

    • Carlos Carvalho says:

      Boa tarde ,

      Mas lá está fizeste numa suite e converteste para outra , aí não sei se a culpa foi do Libreoffice se foi do Office da Microsoft , se de facto foi isso que se passou , pelo menos foi o entendi .

      Cumprimentos

      Carlos Carvalho

  17. Caro Pedro Pinto
    Como fundador da Comunidade LibreOffice Portugal sinto que não posso deixar de dar a minha opinião.
    Infelizmente o seu artigo deixa-me um pouco triste quanto à independência, tendência e ao conhecimento um pouco mais técnico das várias plataformas. Como blogger que acompanho e respeito, devia ser menos tendencioso e mais analítico.

    Obviamente podemos discordar quanto ás variadas funcionalidades especificas de cada um, mas neste momento considero que, fora a discussão da beleza e apresentação do ambiente gráfico, o LibreOffice tem mais e melhores funcionalidades que qualquer um dos que apresenta. Posso deixar alguns exemplos, como a gestão de estilos correcta (e não aquela confusão que a Microsoft cria cada vez que faz uma alteração), a alteração de páginas vertical e horizontal num documento, a gestão e utilização de fórmulas, incluindo a possibilidade de utilização de fórmulas no Writer, e a fácil criação de gráficos com 2 escalas, vulgo termo-pluviométricos. Acrescento ainda o Draw e o editor de formulas bastante usado a nível secundário e universitário.

    Quanto à plataforma colaborativa, o que apresenta é falso. Embora ainda muito limitada e em fase de testes, essa funcionalidade existe, por exemplo em Calc (http://help.libreoffice.org/Common/Collaboration).
    Curiosamente, o MsOffice 2003 já permitia trabalho colaborativo (pelo menos) em Excel, portanto, mais uma vez, o desconhecimento técnico da sua parte.

    Quando fala em interface “aceitável” consigo-lhe provar que é o inverso. Estudos de usabilidade profundos e independentes (note-se) demonstram que os menus ainda conseguem ser mais rápidos que aquele modelo de separadores. Mas obviamente isso é uma discussão de académicos. Questão pessoal, não me consigo adaptar aquele modelo, e sou mais rápido em LiBo que em MsOffice (sou formador e trabalhador em ambos há mais de 6 anos).

    Quando se refere à edição de documentos, calculo que se esteja a referir a formatos proprietários, e não aos formatos livres e abertos ISO/IEC 26300:2006 ratificado pela união europeia e muito recentemente lei das normas abertas aprovada pelo nosso governo. A implementação do ODF no MsOffice é deficiente e não cumpre normas, embora esteja muito melhorada no MsOffice 2010. Acho que não preciso de dizer mais nada… A (in)compatibilidade é da parte das empresas monopolistas e não do lado do software livre / normas abertas.

    A versão para Android está em desenvolvimento: http://distanciazeroopensource.wordpress.com/2012/11/29/versiones-de-prueba-de-libre-office-para-android-y-ios/

    Cuidado com as confusões das licenças, deve dizer GNU GPLv3 ou Livre e não apenas gratuita.

    Boas festas a todos
    Disponível para qualquer esclarecimento adicional a toda a comunidade.
    https://plus.google.com/communities/116263501379882421864

  18. Filipe Teixeira says:

    Os poucos documentos que necessito criar faço-o no Google Drive.
    Documentos importantes faço em LaTeX.
    Só utilizo o Office da Microsoft em situações excepcionais e maioritariamente por me enviarem documentos nesse formato.
    Caso dependesse de uma ferramenta de produtividade mais completa usaria o iWork.
    O LibreOffice tem sido a minha última escolha.

  19. TesteSom says:

    Não olhando ao preço o MS Office é 1000 vezes melhor do que o LO.

  20. Francisco says:

    Microsoft Office no PC e Quickoffice Pro HD no tablet.

    Já agora seria uma pergunta interessante, utilizam suite office no tablet, qual?

    • Felipe Rei says:

      Tenho um ASUS Transformer Prime (TF201), e nele tenho instaladas várias suites, inclusive a Quickoffice Pro HD, de sua eleição.

      Minha primeira opção é o Polaris Office, que veio pré-instalado, mas também gosto muito do Zoho Docs, do excelente Documents to Go e dos elegantes Thinkfree e Quikoffice Pro HD. Este último é sensacional porque permite ligar a diversos serviços online (Evernote, GDrive, Box.net, Dropbox, etc).

      Tenho, ainda, Officesuite (feio, porém funcional), Smart Office 2 (funcional, mas parece desenhado para crianças, muito colorido), Kingsoft Office (se o LibreOffice tivesse uma versão Android, seria igual) e o péssimo Android Office. Mantenho alguns só para ver o que acontecerá nas próximas atualizações.

  21. El Lentinho says:

    Tudo depende do utilizador.

    Eu sou advogado e por isso o google drive é o melhor porque tem possibilidades de colaboração excepcionais e para edição de textos é à medida – não preciso de mais nem de menos. Além disso fica tudo disponível em qualquer equipamento.

    Por outro lado, acho mal colocarem o Ms Office como compatível com o Linux porque penso que a Microsoft não o fez especialmente para Linux. Por isso, p. ex., o Outlook não funciona.

    Cumprimentos e parabéns pelo tema interessantíssimo,

    • Caro El Lentinho
      Sendo o senhor um advogado, questiono-o até que ponto conhece o enquadramento legal que o permite usar serviços dependente de terceiros e que não são claros quanto à possível consulta por terceiros.
      Leu os termos e condições?

  22. Felipe Rei says:

    Qual dos três? Esta pergunta faria sentido há 10 anos, mas não hoje, quando temos uma infinidade de plataformas e necessidades.
    Minha resposta é: prefiro todos, acrescentando ainda o excelente Zoho e o editor de textos Abiword, e uma mão cheia de outras suítes para Android.
    A maioria, claro, usa mais o MS Office, por causa do trabalho. Quanto mais as empresas migrarem, maior será a “miscigenação” dos usuários.
    Abraços.

  23. L.Casais says:

    Permitam-me a minha opiniao que não tem nada a ver com as opiniões abalizadas dos “expert” que acima fazem as suas análises.
    Sou um vulgar utilizador caseiro do LO. Porquê ?
    1.-Satisfaz as necessidades que tenho em processamento de texto, folhas de cálculo, base de dados e apresentações.
    2.É grátis.
    Admito que qualquer uma destas funções apresenta alguns inconvenientes ( ou pelo menos eu não os consegui resolver) ou até poderia ser um pouco melhor. Por exemplo: a base de dados LO não é exportada para o MSOffice ( não sei se o contrário é verdade por não usar o MSOff).
    Como alguém disse acima ” O LO é mais modesto mas grátis.”
    Admito , também, que para um uso mais profissional o MSOffice possa ser melhor. Assim sendo como ferramenta profissional deve ser paga.

  24. Carlos Gomes says:

    Eu também escolho por uma opção não contemplada neste artigo. Para produzir texto com qualidade profissional uso LaTeX, nomeadamente recorrendo a um «frontend» como o LyX (não necessário, mas funcional). Para folhas de cálculo, uso o Gnumeric pois possui todas as funcionalidades de que tenho necessitado e é mais leve do que o Calc do LibreOffice. Para base de dados muito simples, uso o «forms mode» do emacs (para bases de dados mais complexas há outras soluções de que em geral não tenho necessitado). Ou seja, a visão exposta neste artigo é muito básica e é mais do que motivo para salientar que existem muitíssimas mais alternativas do que aquelas aqui apresentadas. Mas de uma forma geral, por razões que se prendem com a liberdade de escolha, deve-se usar sempre formatos verdadeiramente abertos, algo que o formato XML do MS Office não é devido às extensões proprietárias que o mesmo admite. Aliás, a sua aprovação como formato ISO só foi possível pelas irregularidades que foram cometidas no processo que culminou com a sua aprovação.

  25. Carloz suarez says:

    Yo soy Libre…Office! Hehehe 🙂

  26. rand says:

    Infelizmente enquanto o libreOffice não suportar Macros como deve ser não o poderei utilizar

  27. Tiago says:

    o grande problema do google drive é o corrector ortográfico. muito fraco mesmo. Até o do chrome é melhor.
    mas de resto já está bem evoluído em comparação a uns tempos atrás.
    E claro a compatibilidade de fichiros também tem muito a desenvolver.

  28. LaTeX é o que uso para coisas importantes.

  29. Ruaben says:

    Eu uso msoffice 2013 e libreoffice, devo dizer que gosto de ambos, o ultimo libre está muito bom, mais rapido a abrir até e uma bonita interfase. penso que o libreoffice ganhava, pois(além de ser free) tem compatibilidade com todos os formatos, o que não acontece no msoffice. quanto a nova versão do msoffice(2013) em relação ao ultimo, não teve impacto tão grande em mim, só na criação de alguma coisa(quando abrimos o msword, ex. aparece os varios temas para diferentes coisas, ou a classica folha em branco) e a sicronização com o skydrive. o resto, é só para adaptar ao grafico metro.
    quanto ao GD, nunca usei, não tenho conta google, e não me trás grande interesse, mas caso precise fazer alguma coisa na cloud, tenho o msofficelive(something like that), não é tão completo, mas uso sempre o meu pc para trab. com os meus programas instalados, sem que ter necessidade de internet, e caso esqueça de alguma coisa para fazer e não tenha o pc, tenho salvo no skydrive e edito.

  30. PT says:

    O problema é simples:
    A maior parte das pessoas em casa e mesmo muitas vezes no escritorio não precisa de mais nada a não ser o LibreOffice.
    Tudo o que é normalmente preciso está lá e é GRATIS.
    Mas toda a gente sabe trabalhar no MS office e se toda a gente tem pirata, com a “benção” da MS porque mudar?
    Se a MS deseja-se era possivel ser mais complicado piratear mas se as pessoas usarem outro em casa e habituarem-se, não irão passar a oferecer resistencia a trabalhar no emprego com o LO!
    As empresas não iriam fazer contas?
    Se os donos da PME portuguesas passasem a usar em casa não iriam passar a usar no escritorio?
    No emprego, uma dessas PME, instalei em metade dos computadores.
    Depois da normal resistencia toda a gente se habituou.
    E assim se poupa….

    A MS sabe que a inercia é seu aliado, e embora o produto seja excelente, que o é, para a maior parte é como andar de Ferrari no meio da VCI em hora de ponta.
    Nunca tiram partido do que é capaz e justifica o seu preço!

  31. Carlos Gonçalves says:

    O melhor programa de todos, é o LaManete !

  32. WILL1AN says:

    Apesar de odiar a Microsoft, acho q esse é um dos poucos pontos que ela se sai bem. O libreoffice também é bom, mas por ter que fazer trabalhos nas norma ABNT, não consigo formatar com o libreoffice, até que eu consiga algumas coisa, vai sair desformatado por quem vai ler, pois geralmente usa o Microsoft office. Já o Google Docs é limitado.

  33. Fábio says:

    Uso o Office 2007, para mim o mais leve dos Offices da MS com a vantagem de possuir praticamente todas as ferramentas principais.

  34. Emanuel Alves says:

    Acho que um dos maiores trunfos que a Microsoft tem neste momento é a sua suite de produtividade. Não há nenhuma outra suite, nem de perto, que forneça metade das funcionalidades e das possibilidades que o Office fornece.

    Qualquer empresa dirá o mesmo, professores universitários na área das tecnologias e gestão idem aspas. A facilidade de uso e “mainstream” do Office tornam-no no ponto de referencia da produtividade – simples.

  35. Navyseal says:

    Muita opção ficou de fora da tabela, compreendo que o assunto era tentar criar uma rivalidade entre as 3 suites, mas podiam ter colocado a opção “outro”.

  36. João Campos says:

    Num ambiente empresarial as pessoas esperam sempre o Microsoft Office. Sou o responsável informático de uma pequena empresa com cerca de 10 workstations e por motivos de custo instalei primeiro o OpenOffice e mais tarde o LibreOffice. Tenhos a fazer os seguintes reparos:
    * Nunca ninguém disse que prefere o LibreOffice ao MS Office;
    * Mesmo ao fim de alguns anos algun empregados se queixam que o MS Office é melhor / mais fácil / mais bonito;
    * É frequente virem ficheiros “de fora” em formato Microsoft que não ficam bem formatados no LibreOffice.

    Ou seja, o LibreOffice é uma dor de cabeça. No entanto, mantenho-o como escolha, porque sinceramente acredito que chega perfeitamente para as nossas necessidades e que 99% das queixas dos utilizadores se resolvem olhando para o manual / pesquisando no Google. Aliás, olhando para alguns dos ficheiros que os empregados produzem, eu diria que eles não sabem trabalhar bem quer num quer noutro, mas isso são outros tostões.
    Para concluir, resta-me dizer que me chateia o facto dos formatos fechados da Microsoft .doc/.docx/.xls/.xlsx serem o standard “de facto” deste mundo, e tento neste meu cantinho combater um pouco isso. Mas é uma poça de água contra um oceano.

  37. Jorge Pereira says:

    Realidade do meu trabalho (250 postos de trabalho + portáteis pessoais): Vista(muitos)/W7 com MsOffice 2007/2010
    Futuro prevísivel devido à crise: LibreOffice
    Se estivesse na cloud, a rede entupia.
    Além disso, confiar a disponibilidade dos documentos e o ritmo de trabalho a um cabo da grossura de uma bic … vai lá vai …

  38. Merry X-mas says:

    Boas,

    Pessoalmente, e enquanto estudante, uso o LibreOffice por ser gratuito. Não tenho nada contra o MS Office, acho-o muito bom mas como não posso usufruir $…e além disso o LibreOffice tem-me servido bem. Até à bem pouco tempo usava exclusivamente o Google Docs do qual também gosto, principalmente para colaboração, mas encontrei algumas limitações quando tentava fazer uns trabalhos.

    Em conclusão quando perguntam “qual a melhor solução?” isso vai da situação de cada um, para mim neste momento a solução que melhor serve a minha condição é o LibreOffice.

    Votos de boas festas para todos!

  39. É uma discussão absurda classificar estes 3 softwares!É o chamado discutir o “sexo dos anjos”
    Cada um tem as suas vantagens e desvantagens!
    Sou gerente/responsável de uma empresa com vários PC’s/colaboradores além dos meus pessoais e uso as 3 aplicações! São todas excelentes:
    – MS Office, o que tem mais funcionalidades!!!! Para alto nível, VB, Macros, EXCEL avançado Excelente -Word avançado, excelente. Só uso em 30 % dos PC’s, onde tentamos tirar proveito destas vantagens. É um desperdício para o utilizador normal.
    – Libreoffice, Excelente, menos funcionalidades que o MS Office, mas chega para a esmagadora maioria dos utilizadores! Excelente para utilização básica/média. Uso em 70 % dos PC’s
    – GDrive, um sonho em colaboração! Uso em 100 % dos PC’s.

  40. Carlos says:

    O problema do LibreOffice (e do OpenOffice) e do Google Docs é, precisamente, não serem tão completos como o Micrsoft Office (na versão desktop).

    Uma aplicação que só tenha 70 a 80% das funções doutra só vai servir para as pessoas que precisamente só precisam dessas funções, e não vai servir para quem precise duma das outras.

    Seria de pensar que com 70 a 80% das funções, desse para 70 a 80% das pessoas. Mas não dá, dá para muito menos.

    A questão é que uma pessoa comum não usa todas as funções do Office, mas pessoas diferentes usam conjuntos diferentes de funções.

  41. Rui says:

    Debate muito pertinente e útil. Foi graças a este debate que descobri 2 programas de produtividade totalmente gratuítos para instalar no ipad 2 🙂 LibreOffice e Google Drive!

    Comprei o pages, numbers e keynote da Apple, mas talvez por ser um utilizador intensivo do MS Office, nunca consegui fazer nada de jeito com os programas da Apple!

    Já utilizei no passado o oppenoffice, mas confesso que o MS Office sempre esteve à frente!

    Abraço

  42. EDU MELO says:

    Engraçado é que foi citado acima que o LibreOffice às vezes não evolui muito. Nisso eu concordo. Os menus tem uma aparência um pouco ultrapassada sim. na verdade, vejo que a evolução deste se deu com outro nome: o BrOffice. É uma pena que este também está um pouco meio largado, acho que aqueles que auxiliam no desenvolvimento e apoio do LibreOffice deveriam conhecer o BrOffice e observar que esse não perde no quesito modernidade, os menus evoluiram muito acima. Afinal de contas, são todos derivados do OpenOffice, mas meu voto fica para o Broffice.

  43. Ricardo says:

    LateX… 🙂

  44. Valentim says:

    Kingsoft Suite Free 😉

  45. Olá pessoal,preciso de ajuda de alguém que esteja mais à frente do que eu… não será difícil… eu comprei um híbrido (Asus Transformer Pad 10.1), quero instalar o libreoffice disponível nas aplicações (LibreOffice-Style-Template (Integral Apps)… a trasferência é indicada como bem sucedida mas depois surje uma janela dizendo… “Lamentamos, o 03 Styleand template foi interrompido”… opção… relatório… com opção de pedido de ajuda ao Google… não deixa de ser ridículo… (Open source vs monolpólio?!)

    • Caro Francisco.
      Há a possibilidade de nesses híbridos instalar a partir do sítio oficial?
      Como não me especificou qual a versão do Windows, calculo que seja a 8.1, não encontramos até agora problemas desse tipo.
      Pode descarregar a partir do nosso sítio em www,libreoffice.pt.

  46. redefoca says:

    Não percebo como podem comparar dois softwares totalmente comerciais com pessoas a ganhar dinheiro para tronar eles produtos com um software (libreoffice) que é projetado por uma comunidade que oferece o seu trabalho pelo bem comum. Ainda se dizem um orgão de comunicação. Mas, deixem lá que a exame informática é 1000 pior. Vocês são uma referência contudo ainda assim muito aquém.

    Depois não sei quem classificou os serviços a nivel de produtividade. Dizer que o libreoffice tem uma produtividade média é uma coisa um pouco estranha… se o utilizador que escreveu este artigo pensa que o office da microsoft tem elevada então é porque usa-o muito certamente.

    Enfim, uma avaliação mal elaborada com comparações que não têm muito haver… Nem vou comentar mais nada porque neste artigo não vale mesmo a pena. Cumprimentos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.