Quantcast
PplWare Mobile

O seu telemóvel tem mais micróbios que uma sanita!

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pplware


  1. N_Lite says:

    LOL! Esta agora… É bom saber destas coisas. Felizmente não uso muito o telemóvel.

    http://www.nyzux.net

  2. Nastase says:

    HeHe… Nada que me espante. É normal tendo em conta as condições de utilização (muito bem abordadas) de um telemóvel. E há para aí tanta coisa que nos pode infectar ao mínimo descuido: telemóvel, teclado (um verdadeiro ninho também), multibancos, etc, etc, etc.

    Graças a Deus que temos anticorpos 😀

    [ http://www.revolucaodigital.net ]

  3. aospapéis says:

    Então e os teclados e ratos de computador? Meu Deus!!!
    Eu meto o dedo no nariz e escrevo… depois, coço a cabeça e escrevo… depois, volto a meter o dedono nariz e, como entretanto me deu comichão no ouvido, também meto o dedo lá para tirar um bocado de cera e… escrevo. Depois, está na altura de comer qualquer coisa: como e… escrevo. Entretanto, como a pele é gordurosa, vai deixando uma camada nas teclas…

    Conseguem imaginar o estado de higiene de um teclado ao fim do dia?

    http://aospapeis.blogspot.com

  4. Luis Miguel says:

    Há uns tempos dizia-se o mesmo do teclado do nosso PC.
    Lanço o desafio para saber qual o mais infeccioso …

  5. Filipe Chaves says:

    Correcção.
    Segundo um outro estudo que não me lembro que vez mas vi no canal natGeo a casa de banho é o local com menos micróbios em uma casa

  6. Nuno José says:

    Outro método é aceitar a natureza como ela é e perceber que viver num mundo asséptico faz mal.

  7. Ora cá está. Obrigado Nuno José, já começava a ficar preocupado. Não em relação a esses micróbios mas em relação à picuinhice das pessoas. A sério que começo a ficar preocupado com o estado a que isto chegou. Já não se pode fazer nada sem que isso de alguma maneira ou de outra seja logo posto em causa e qualificado de perigoso para a segurança nacional.
    Depois, põem-nos à frente artigos como este, onde nos falam mal da higiene dos telemóveis usando como base os de médicos e enfermeiros que, não será preciso lembrar, trabalham o dia todo num sítio cheio de PESSOAS DOENTES e potencialmente contaminadoras. Não quer isso dizer que os nossos telemóveis sejam mais sujos.

    Anyway, mesmo que sejam. Mesmo que o PC tenha lá por baixo das teclas um eco-sistema de bicharada. Mesmo que os bancos do metro e do comboio sejam ninhos de procriação viral. As pessoas morrem por isso? Com certeza haverá. Mas na generalidade as pessoas morrem é por usarem trinta pares de calças acoplados a dois cachecóis de gola alta para não apanharem constipaçõezinhas.

    A sério que isto já roça um bocadinho o ridículo.

  8. jean says:

    esse estudo é a maior furada.
    nao é tao simples assim pegar uma placa de petri e falar que os celulares veiculam mais micro-organismos que vasos sanitários.
    qual foi o tipo de micro-organismo analisado? quantas espécies patogenicas estava em contato com o celular?? e q1uantas estavam em contato com o vaso sanitário??

    manda o cara do estudo beber a água da privada para ver o que ele irá dizer…

  9. diniska says:

    Apesar de concordar com alguns comentarios e outros um pouco menos, acho que informações destas são sempre positivas, para nos relembrar que os microbios existem. Quem quiser minimizar riscos, que o faça, para quem não se preocupa com este tipo de coisas que o faça também.
    Cada um sabe de si.
    Venha mais relembradelas destas.

  10. Hélio Félix says:

    Eu acho que isto dava origem a um negócio.

    Imaginem que vão a um centro comercial e têm uma loja de esterelização de aparelhos electrónicos, Telemovel: 5€; Teclado: 10€.

    Uma boa demonstração baseada em marketing daria a volta à cabeça de muita boa gente.

  11. aospapéis says:

    @Hélio Félix, isso já existe! As máquinas que estão nalguns centros e que têm carregadores gratuitos para uma série de telemóveis, têm um modo de “limpeza” :))

    Hoje, todos ao Atlântico que o Metal está à nossa espera e faz bem à saúde. Mata todos os germes…

    http://aospapeis.blogspot.com

  12. Hélio Félix says:

    @aospapéis, certo… ideia fraca!

  13. Rascunho says:

    lembrem-me para não usar os teclados do aospapéis…

    http://www.jogosecharadas.com

  14. Scorpion27 says:

    Já é muito normal encontrar-se maquinas que carregam a bateria do telemóvel e os “esteriliza” nos centros comerciais junto a casas de banho… não sei se será muito eficaz mas….é um começo…..ou apenas uma maneira de fazer marketing à empresa que presta o serviço….mas uma coisa é certa…muitas bactérias devem ter os bichinhos…como muitas outras coisas que utilizamos no nosso dia a dia várias vezes…as coisas mais simples…

    Parabéns pelo artigo.

  15. Violas says:

    Ainda um dia nas maternidades será obrigatório o letreiro a dizer “Viver Mata”

  16. Rui says:

    Quando se tentou introduzir a obrigação dos médicos lavarem as mãos e a noção de que estes transportavam germes, virus, microbios, etc de um paciente para outro e que tal afectava a doença ou trazia novas doenças, tal foi considerado ridiculo… até se começar a usar o microscopio…

    Já vi um documentário que apresentava ricos, ilustres e reis que faleceram com ferimentos ligeiros, enquanto o povo sobrevivia, isso devia-se a ter 20 médicos diferentes a mexer na ferida e colocar lá doeças… Os números pareciam bastante convincentes.

    Talvez um dia os teclados tenham modo de esterilização….

  17. Ricardo Silva says:

    acho que ja vi num documentário que a nossa língua tem + micróbios que a tampa de uma sanita!!
    são inofensivos mas são mais. xD

  18. Ricardo Fernandes says:

    Uau!! novidades não? xD

  19. @aospapéis

    Deves ter o teclado que é uma nojeira 😉
    ___________________________
    http://kulcinskaia.blogs.sapo.pt/

  20. Jaime says:

    E com o avanço tecnológico e a total inação física o físico vai dando lugar ao
    cérebro e vai reduzir-se a uma ínfima partícula e por último só ao espírito e, então a partir daí deixam de existir estas preocupações.Só telepatias.
    Já cá não vou estar fìsicamente. Será que os meus descendentes vão chegar
    a beneficiar de alguma coisa ?
    Desde que apareceu a primeira merda esta tem vindo a aumentar e isto digo
    francamente com muita preocupação !

  21. keops says:

    olha que surpresa.

    eu tenho microbiologia e fizemos vários testes, tiramos amostras do sitio que queriamos e metiamos numa placa de petri esterilizada. Sitios como casa de banho, chão, maquina do café (que foi a que ficou mais pestilenta diga-se…)

    até uma placa esterelizada só de estar com em contacto com o ar durante uns segundos desenvolveu várias colónias de microorganismos.

    Se fosse a me preocupar com isso andava dentro duma bolha… 😉

  22. Rui says:

    Saiu recentemente um estudo que indica que o número de estudos que são feitos todos os dias aumentam o stress das pessoas e que provoca o aumento de ataques cardiacos……

  23. HikariKyubi says:

    É a conta destas paranóias que hoje em dia há putos (e pessoas já mais crescidas) que aparecem nos hospitais com infecções de bactérias contra as quais já estávamos imunes antes de aparecerem os produtos anti-bacterianos para as cozinhas, casas de banho, etc… que fodem (agora não resisti a mandar uma abébia) o sistema imunitário.

    Francamente, cada vez que ouço alguém (peço perdão às senhoras mas vocês são 99%) a falar destes produtos como bem essencial só me apetece pegar num shinai e praticar um pouco… sem magoar ninguém, claro… 😛

    E depois aparecem todas preocupadas com as crianças ao colo a chorar e coisas afins…

  24. Luís says:

    E eu que estava a pensar em ter telemovel…

  25. UKN says:

    Já alguém disse que o melhor negócio para a àrea da saúde é levar as pessoas a pensar que estão doentes.

    Os putos de hoje de tão protegidos que se querem, à minima merdice … ficam todos rotos …
    Tiram-se as imunizações naturais … depois lixam-se …

    Eu sempre me dei bem com a lama … gosto de brincar bastante nela 😀

  26. Yua says:

    Sejamos realistas.

    – Lavem as mãos com sabão azul, antes de se alimentarem;
    – Se estiverem engripados, usem um cascole a tapar a boca e o nariz;
    – Desinfectem todas as superfícies de toque comum pelo menos uma vez por semana com lixívia, vapor de água a elevadas temperaturas, água oxigenada ou álcool (conforme o tipo de local / objecto)
    – Mantenham separados carnes, peixes, saladas, e por em diante por categorias e não usem as mesmas ferramentas entre diversos tipos produtos nem nos mesmo produtos antes e após confecção (para evitar infecções cruzadas).

    Vejamos o cascole testei eu na escola, andei cerca de 15 dias com gripe e nem um colega meu ou alguém da escola apanhou gripe… sei porque nenhum ficou infectado nem doente durante essa altura ou durante o mês seguinte.
    Logo, a prevenção resulta!

    Ter cuidados na confecção de alimentos tem se provado como um esforço que dá resultado, na escola tem um curso de cozinheiros… e uma das coisas pelas quais eram gozados por outras escolas era o cuidado que tinham em desinfectar tudo perdendo (obviamente) várias horas com isso… a resposta de um deles, na vossa escola já tiveram uma intoxicação alimentar grave… e nós nunca.
    Logo, a prevenção resulta!

    Como diz o outro, nem tanto ao mar… nem tanto a terra… mas certos cuidados preventivos são de facto a melhor maneira de resolver as coisas.

    Porque em países onde não tem cuidados de higiene, aliás nem acesso a esses meios… tem tantos problemas de saúde? Deve ser por seguir as ideias de alguns de vós.

    Ainda hoje à infecções diariamente transmitidas entre médicos e pacientes porque estes continuam a não desinfectar a mão antes e depois de estar com cada paciente. Muitos dos que desinfectam, não o fazem bem! E é realmente necessário desinfectar as mãos entre cada paciente! Não sou eu que o digo, são mesmo responsáveis na área da saúde a nível Internacional… muitas infecções e problemas podem ser prevenidos se os médicos, enfermeiros e pessoal auxiliar fizesse uma correcta desinfecção das mãos tal como estipulado por diversos organismos, e seguindo os procedimentos adequados a cada caso.

    Aliás… vêem alguém nos centros de saúde / hospitais (médicos, enfermeiros, pessoal auxiliar, administrativo) a usar fatos completos de protecção, com máscara e luvas? Eu não… e eles vivem num ambiente altamente perigoso… para onde vai toda a gente que realmente pode estar infectada com algo que vai do nada… à estirpe mais perigosa de bactéria existente.
    Estão imunizados? Talvez eles pessoal de lá até sejam muito resistentes… mas mesmo assim podem pegar aos utentes, desde os que estão lá a acompanhar… aos outros que estão realmente doentes e que podem piorar bastante.

    Nas alturas de gripes, deveriam fazer o mesmo que fazem em outros países, quarentena e/ ou obrigação de usar máscaras que tapem completamente a boca e nariz… certamente que não ajuda o desgraçado que já está mal, mas evita que os outros sejam também contaminados. Eu experimentei e asseguro que resulta.. nem que seja um simples cascole.

  27. PXL says:

    Epá…!!! Então e o auricular não tem micróbios?
    Bom não entra pela boca… mas entra pelo ouvido…. 🙂

  28. ex0 says:

    @N_Lite

    felizmente, usaste um teclado infecto 😉 lolololol

    pplware rules!!

  29. Barros says:

    Hummm!! E as moedas??? E as notas??? Nem queiram saber os “micrólitos” que têm!! Aconselho-vos a enviarem-mas para eu tratar da sua… desinfestação! 😛
    Faz-me lembrar eu tirar um lenço de pano e para limpar o pingo.. E olharem-me espantados a dizerem-me! É pah! Isso já não se usa! É um contágio permanente… E os nossos paizinhos.. avós… não sobreviveram? 😉 E as árvores? Para se fazerem os lenços de papel? Enfim… Lembram-se de cada estudo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.