Quantcast
PplWare Mobile

Já pode indicar que é dador de orgãos pelo Facebook

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Marisa Pinto


  1. Diogo Ribeiro says:

    Isto é só para armazenar mais dados sobre nós, qualquer dia à um calendário com as nossas gripes…etc..

    • José Bernardes says:

      Tem toda a razão, mas só são armazenados os dados de quem os coloca,

      Isto da invasão da privacidade por parte do facebook e da Internet em geral é mau mas é para quem coloca a sua privacidade lá, o facebook não adivinha que eu a semana passada assaltei um banco, mas se eu lá colocar isso e eles armazenarem já é invasão da privacidade.

      • Miguel Ribeiro says:

        Mais ou menos… tu podes colocar informação sobre outras pessoas. E quando metes as tags que associa a outros utilizadores, facilita-lhes o cruzamento de dados. Um exemplo disto é a sincronização de contactos no android que envia (ou enviava, nao sei) tambem os numeros de telefone, email, morada (caso tivesse) etc…

        • Paulo Pereira says:

          Continuas a esquecer o princípio básico: se não colocares lá informação ninguém a consegue obter!
          E se não quiseres ter amigos também podes.

          Por vezes acho que as pessoas se esquecem que a internet só imita a realidade. Sempre existiram as coscuvilheiras e calhandreiras de aldeia. Sempre existiram os gabarolas de tasca. etc, etc.
          Agora se a malta vai tirar fotos e coloca logo via telemóvel porque nem pode esperar um segundo para que os outros vejam, depois não venha falar que quer privacidade!

  2. Rodrigo Hernandes says:

    é “dador de orgãos” mesmo ou foi erro de escrita

  3. Complex says:

    serei o único a pensar que isto vai ajudar a aumentar o numero de pessoas no “mercado” dos órgãos ?

    alguém precisa de um rim vêm que moras perto… e de um dia pro outro tens a família na policia a apresentar queixa de desaparecimento.. e alguém recebe um transplante teu….
    acordas numa banheira com gelo isto é se acordares…

    pode parecer um bocado pro “filme” demais mas se eu penso assim de certeza que não falta para aí mais gente com o mesmo pensamento ou até piores…

    • Marisa Pinto says:

      Mas as pessoas também têm que ser bastante responsáveis e há a opção, como em tudo no facebook, de só se partilhar com quem se quer.

    • fiendmost says:

      não, com certeza não é o único.
      FB (e similares) são péssimas ferramentas para quem não tem juízo… quem tem nem mesmo possui uma conta… mas vai de cada um né… tem gente que gosta de ser vigiado e faz tudo por atenção..

    • Daniel Luz says:

      Que perfeita parvoice. Qual é a lógica de raptar uma pessoa só porque esta se identificou no facebook como doadora de orgãos? O resto do mundo não tem orgãos também?

      • Tcoiso says:

        Sabes quanto movimenta o mercado negro de órgãos humanos? Um rim, que até é dos órgãos mais fáceis de obter pelo facto de termos 2 mas só necessitarmos de 1 para sobreviver, atinge valores de 5 dígitos, imagina corações e pulmões…
        E não é necessário ser rapto, provocar um “acidente” ou “suicidar” a pessoa de forma a manter a mercadoria intacta é garantia de disponibilidade para quem possa estar interessado ou mesmo em desespero.

        É muito estranho, tanta coisa que podiam implementar para cultivar mais a cusquice e saírem-se com esta. Nem sei se isto é legal no nosso país.

        • Daniel Luz says:

          Ok imaginemos que vamos os dois na rua, na esquina está um raptor que sabe que eu sou doador de orgãos. Ou seja, sabe que eu até posso já só ter um rim, no entanto, é bastante provável que tu tenhas os dois como a maioria dos seres humanos. Achas mesmo que ele me vai escolher a mim por eu ter posto no facebook que sou doador de orgãos?

          • Paulo Pereira says:

            Daniel: Tu já és um dador agora. Portanto cuidado com as esquinas!
            Não inventem e não sejam líricos!

  4. fiendmost says:

    nada melhor do que ajudar as pessoas do mercado negro de órgãos…

  5. Luis Braz says:

    Eu já não posso! Cancelei a conta na semana passada! 🙂

  6. Sergio says:

    A seguir o Facebook vai permitir que coloquemos o nosso tipo de sangue e a nossa lista de antígenos. Daqui a uns anos até permitirá colocar a sequenciação do nosso DNA.

    • Marisa Pinto says:

      Mas isso também podes, basta escreveres. Eu sinceramente até acho a ideia pertinente. Talvez se conhecemos melhor a realidade da espera/urgência do transplante de orgãos, fossemos mais receptivos a este género de ideias. 😉

      • Sergio says:

        Marisa, não sou contra a colocação da informação que somos Doadores de Órgãos. Apesar de achar que essa informação deveria ser privada. Não tem qualquer interesse ser de domínio público. Apenas os hospitais ou outras entidades da área é que deveriam ter acesso a essa informação.
        Agora a lista de antígenos, ou num futuro a sequenciação do nosso DNA, seria de todo desaconselhável, pois, como já foi referido, tornava-nos em alvos ambulantes.

        • Marisa Pinto says:

          mas essa funcionalidade não está disponível. Mas quando o Zuckerberg ler o teu comentário… não sei 😉

          • Sergio says:

            tu sabes que eu estava a ser irónico.
            Estava a esticar até ao absurdo a colocação de informação, para mostrar que deverá haver um limite do que se coloca. Seja porque não tem interesse, seja por questões de segurança.
            Afina para que serve essa informação? Para nos gabarolar?

        • Vítor Moreira says:

          Sérgio, concordo a 100% contigo. Este género de informação deve ser privada… Basta que a Organização Mundial de Saúde se mexa e crie mecanismos mundiais com isso.

          Como comentei com amigos meus: abrir a época de caça (especialmente em países com máfias à séria…)

  7. Leandro Pereira says:

    Sinceramente não lhe vejo nenhuma utilidade a não ser como disseram atrás mais recolha de informação por parte de uma entidade. Quem necessita de saber se somos dadores é o SNS, no caso de Portugal, e não o vizinho do lado.

  8. JOTAM says:

    Acho que cada vez mais somos tentados a expornos online, hoje em dia já é bastante simples, para alguém sem grandes conhecimentos descobrir e traçar o perfil dos menos precavidos nas redes sociais, pelas fotos, comentarios, posts, info pessoal, é simples ver com quem as pessoas se comunicam e a relação entre elas, isto como tudo tem os dois lados da moeda.
    A minha questão aqui é a seguinte, não haverá bases de dados dos varios SNS de cada país, ou mesmo mundial com este tipo de informação? qual o objectivo do facebook com isto? venda por catalogo as redes mafiosas? ou agora os hospitais vão começar a ver no facebook os possiveis dadores num caso de emregência? A césar o que é de césar, a certos pontos que não se devem misturar. tenho dito

    • Marisa Pinto says:

      Acho que o objectivo principal de acções como estas é informar e sensibilizar cada vez mais pessoas para este realidade, levando a essas mesmas pessoas a tornarem-se dadoras de orgãos, e consequentemente fazer diminuir o número de espera por um transplante.

      Na realidade nós sabemos que existe dadores, e existe quem precise de um transplante, mas ‘passa-nos um pouco ao lado’, e só nos começamos a preocupar verdadeiramente quando somos confrontadas com os factos, os dados, a realidade as historias, etc…

      Sabemos que existe fome em África, mas é isso que nos tira o sono? Não, mas se fossemos intervir para a etiópia talvez sim.

      • Sergio says:

        bom argumento

      • Leandro Pereira says:

        Só um pequeno reparo, em Portugal todos somos dadores a não ser que expressemos vontade em contrário.E quanto a doar órgãos em vida, ser dador de medula não custa, doar um rim ou parte do fígado só o vão fazer se for alguém chegado, para os restantes órgãos existe uma condição que infelizmente é necessária, ter morrido à pouco tempo.

        • Sergio says:

          na medula óssea não é verdade. A compatibilidade dos teus antigenos com outra pessoa é que é muito baixa

          • Leandro Pereira says:

            Não estava a falar na facilidade de compatibilidade, estava era a falar da facilidade do processo em si para a nossa qualidade de vida no pós-operatório.

  9. jack says:

    Desculpem mas para quem paga BEM não há praticamente espera, essa é para os penduras????Quanto aos comentários que referem o PERIGO também comungo, e olhem que sei do que estou a escrever, CUIDADO, eles andam por aí e há quem pague bem

  10. m4x says:

    Olha que boa cena para fazer “target” de pessoal para assassinar quando precisamos de órgãos…. bonito isto.

  11. Navyseal says:

    Enfim, o que virá a seguir? O tamanho do soutien? Se meteu implantes novos? Já para não mencionar outros tamanhos…

    Acho que começa a ir longe de mais nos dados que armazena.

    Pode-se continar apregoar que eles não têm culpa de nada, a culpa é de quem lá põe os dados. Curiosamente ninguém diz aos africanos que o problema da epidemia da SIDA que existe nos seus países é da sua exclusiva responsabilidade. Porquê? Porque é sabido que não existe um sistema de educação adequado ou nalguns países nem existe, a taxa de iliteria é muito alta.
    O mesmo se passa com quem usa o Facebook, a taxa de iliteracia informática continua a ser muito elevada. Lá porque sabem usar o google, um pouco do Word e o MSN, não significa que saibam algo sobre segurança informatica, por norma este tema nem sequer é abordado nos mais variados cursos básicos de informática… E algo me diz que mesmo quem trabalha em IT devia receber umas lições.

  12. Ricardo Neto says:

    Para nós Portugueses essa funcionalidade não faz muito sentido porque TODOS NÓS somos dadores de orgãos a menos que digamos o contrário

  13. Fernando says:

    Que eu saiba todos nós portugueses de Portugal somos potenciais dadores em caso de acidente e seja possível colher os órgãos á morte cerebral da pessoa.

  14. Anti-social says:

    Facebook: sempre na vanguarda da inutilidade 🙂

  15. Daniel Luz says:

    Vejo o pplware a regredir, normalmente tenho este site como referência e costumo sugeri-lo mas sinceramente acho que isto vai mudar, os artigos têm qualidade, no entanto os comentários que os acompanham são de uma vulgaridade que não devia ser aceitável.

  16. Paulo Bastos says:

    Isto cheira a teoria da conspiração do tipo X-Files, a brincar a brincar a muitas teorias que devem estar certas, e um gajo desaparece sem deixar rasto porque alguém com dinheiro comprou um órgão e precisava dele urgentemente para viver, e ter cuidado especialmente quem tem conta no facebook em países como os de Leste, Asiáticos (não querendo ofender ninguém).

  17. guilherme says:

    Em portugal somos todos dadores por defeito, so nao somos se expressarmos antes que nao queremos doar.

  18. Pedro says:

    Desnecessário (em Portugal). Em Portugal somos automaticamente dadores… a não ser que assinemos o Registo Nacional de Não Dadores.

  19. Jorge Costa says:

    Bem isto só vai trazer mortes por encomenda.

    Ah e tal aquele gajo dá órgãos e por acaso é o meu tipo de sangue, pode ser que se o matar eu venha a ter o órgão que preciso.

    Não acham que pode vir a existir casos destes?

    • Daniel Luz says:

      Orgãos toda a gente tem, não é por se nomear como doador no facebook que se torna mais ou menos apelativo para um eventual raptor.

  20. Texugoelectrico says:

    Ah, e não se esqueçam também de meter o tipo de sangue, a ver se algum malandro vos manda uma facadinha para vos roubar um rim ou coisa assim…

    A verdade é que isto para Portugal não faz muito sentido, afinal somos todos dadores por defeito, mas realmente é uma opção que começa a entrar em níveis pouco recomendáveis. Perante a situação do país e ao ver estas coisas, cada vez mais me parece que estamos a chegar aquele ponto que se vê em alguns filmes, tipo Robocop e assim, onde vivemos todos na escuridão pobres e sem acesso a nada de bom, tudo em favor das grandes e gananciosas corporações. Será este o 1º passo para nós lhes dar-mos o nosso historial médico? E depois o que é que falta? O criminal, o financeiro… :p

  21. Tcoiso says:

    Acho que no nosso país nem podem pensar sequer numa coisa dessas, ou melhor, está escrito na lei que não podem:

    Lei de Protecção de
    Artigo 7.

    Tratamento de dados sensíveis
    1 — É proibido o tratamento de dados pessoais referentes a convicções filosóficas ou políticas, filiação partidária ou sindical, fé religiosa, vida privada e origem
    racial ou étnica, bem como o tratamento de dados relativos à saúde e à vida sexual, incluindo os dados
    genéticos.

    Depois há uns pontos que referem excepções nas quais não se inclui ser o/a gajo/a com mais laikes da freguesia.

    Como disse conforme está escrito não podem, mas como são uma empresa poderosa, podem estar à vontade neste belo país à beira mar plantado.

    • Paulo Pereira says:

      O facebook não faz tratamento de dados (exceto os de criação da conta) pois não faz inquéritos.
      São as pessoas que divulgam a informação.
      Tal como a calhandreira da aldeia não faz tratamento de dados e não é abrangida pela lei de proteção de dados!

  22. Hawk says:

    Esta opção de “doador” ainda não aparece para mim.

  23. Dnaboy says:

    Eh pah, tava mesmo a precisar de um fígado novo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.