Quantcast
PplWare Mobile

ITCenter implementa projeto de Recuperação de Desastres..

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Pinto


  1. Jacinto says:

    Baixaram custos de licenciamento, quando começarem a ter problemas parvos com o linux todos os dias, os custos vão subir em flecha em técnicos. Mas esse custo as empresas ignoram. 🙂

    • João Mascarenhas says:

      Isso dos problemas parvos todos os dias, num servidor bem configurado não acontece. Nos desktops, com muitos updates diários já é possível. Mesmo assim os custos de manutenção de um servidor unix normalmente são muito inferiores a outros sistemas, como por exemplo microsoft.

    • Joaquim Silva says:

      Problemas parvos têm com windows, e muitas vezes a solução é um format… Em linux tudo tem solução e simples para quem é um bom administrador de sistemas…

    • Ruben says:

      Este tipo de trabalhos especializados é realizado por técnicos certificados nas respectivas tecnologias. “Problemas parvos”, ao contrário das soluções proprietárias e fechadas, como por exemplo o BSOD, é algo que não existe nas tecnologias open-source e abertas, visto que a capacidade de debug e de consulta de código-fonte não está limitada.

      • Mais um says:

        Antes de mais, fico triste pela publicidade gratuita num artigo do pplware…

        Em relação aos BSOD dos windows, os Linux de facto não tem, mas tem “Kernel Panics”, podem não ser tão frequentes como num windows, mas já à muitos anos que não vejo um BSOD num Windows…

        • Vítor M. says:

          @Mais um – Não fiques triste, nós temos de ter oa nosso lado grandes empresas da área onde actua,ops, que dominam a evolução, que estão na vanguarda, são essas empresas que potenciam o futuro e nós queremos estar na linha da frente e junto dessas empresas podemos retirar mais e melhores informações e passar-vos, a vós que nos visitais, as melhores e mais relevantes informações.

          Alegra-te pela informação relevante e gratuita que podes absorver. Tudo graças ao que nós trabalhamos como estratégia de parceria junto destas fantásticas pessoas ligadas à tecnologia portuguesa. Portugal tem grandes empresas que vivem dos grandes tecnólogos que as nossas faculdades colocaram cá fora, somos muitos melhores que muitos dos países que são badalados por esse mundo fora… o mal é que temos o fado,e a gente que fica triste e tem pena… 😉

          Abraço.

        • João Oliveira says:

          Já tive o privilégio de trabalhar com alguns serviços desta empresa (servidor VOIP e Server Virtualization) alguns anos atrás e posso confirmar que os custos descem (e não é pouco)além de que se essa empresa mantiver (pelo que sei melhoraram) os padrões de qualidade e eficácia que conheci, melhor ainda

    • Pai Natal says:

      “quando começarem a ter problemas parvos com o linux todos os dias”

      lololol, ó jacinto ve-se mesmo que percebes da poda 😉

    • Alo says:

      Tu não sabes do que falas. tenho um servidor Linux a fazer de e-mail desde 2005 e o único problema que me deu foi uma placa de rede queimar. Agora dos servidores Windows que tenho já não posso dizer o mesmo é uma desgraça, infelizmente tenho de ficar agarrado ao Windows porque se não já tinha mudado tudo para Linux.

    • José Maria Oliveira Simões says:

      Entre ter servidores Linux e Windows, eu prefiro Linux. O windows é muito atreito a ter problemas. Quanto aos servidores Linux, às vezes até me esqueço que eles existem. São servidores que muito raramente dão problemas. Enquanto são necessários N tecnicos para andar em cima das maquinas windows, as maquinas Linux quase que funcionam sozinhas.

  2. O brasileiro says:

    não ha sistema Operativos perfeitos por isso penso que nao devas de estar ai a mandar “Bitaites” sobre o linux ou outro qualquer sistema operativo

    Fica aqui desde o meu concelho

  3. Bacano says:

    olha um M$ lover!!
    Por norma estes serviços já têm pacotes de assistênca técnica incluida.

  4. Bacano says:

    para alem disso impõe-se formação aos técnicos residentes e acompanhamento por parte dos solution providers.
    não é vamos lá instalar isto e logo se vê…

  5. Daniel Gomes says:

    Viva,

    Mais um artigo de teor comercial? Também pode, a empresa onde trabalho, apresentar aqui sob forma de “press-release” os projectos que tem desenvolvido?

    Obrigado

    • JJ says:

      Qualquer empresa pode emitir “press-release”. Basta para isso enviar um email (por exemplo) para os meus de comunicação. Depois, cabe a cada meio de comunicação decidir se apresenta/faz um artigo sobre essa informação.

      Independentemente disso, até mesmo nos jornais e telejornais existem noticias pagas. Por isso o pplware, se fizer isso, será para se manter em funcionamento e julgo não haver problema. Apesar de trabalhar-se por gosto, um projectos destes não vive apenas de gosto, precisa de dinheiro para se manter.

    • Hugo says:

      O conceito é engraçado.
      Agora ficou-se a saber como se pode atacar a GOPACA.
      É que empresas destas são efémeras, e o suporte ao software personalizado, sem documentação, tem 3 V’s (Vem e Vai).
      Boa sorte!

      Não fossem os geeks do costume nos comentários a criticar a microsoft, e teríamos um artigo de publicitário perfeito.

      Mais um prego para o caixão do pplware. Estão a ficar demasiado comerciais e a dispersarem-se daquilo que realmente interessa e que vos trouxe até onde estão…

      Bem hajam!

  6. Jonhy says:

    Disaster Recovery site a 400m de distância…realmente é dificil compreender. Um disaster recovery site muito provavelmente sujeito aos mesmos riscos do principal.

    • JJ says:

      Realmente, fazia mais sentido ser noutro País ou até outro continente. Normalmente este tipo de serviços, ficam localizados bem longe das instalações.

      Pois se houver uma tempestade que arrace o local, não é 400 metros que livran os dados…

    • Ricardo says:

      Pois… 🙁

    • Gerardo says:

      Um formador de um software de backups lider mundial, disse-nos numa das formações que uma empresa que estava sediada numa das torres gêmeas tinha os backups todos bem configurados e afinados.
      Seguia os protocolos e recomendações e inclusivamente tinha backups off-site ……. na outra torre 😀

      True Story

    • Hugo says:

      Não é assim tão difícil… Uma solução “low cost” é mesmo isso.
      Sabes lá se o local alternativo não é uma garagem ou armazém nas proximidades, com renda baixa?

      Soluções de DR devem ser adequadas à dimensão e criticidade do negócio.
      A empresa não pode gastar tudo o que ganha em salvaguarda da informação.
      O mínimo recomendado é de 200 Kilometros de separação geográfica.
      No entanto como a fibra é cara, e nalguns locais impossível, quanto mais próximos (e com menos elementos de rede) estiverem os sistemas melhor por causa da latência.
      Mas 400m parece-me pouco aceitável. Basta um incêndio de grandes proporções na àrea, ou uma inundação e o risco de perda de daods e de falha na laboração mantêm-se elevado.

  7. tony says:

    Não falam em Base de dados será de proposito

  8. J says:

    Honestamente o artigo não me parece por aí além. Existem bastantes empresas com sistemas semelhantes implementados. De qualquer forma, percebo pela explicação do Vitor M.

    Já agora, sobre virtualizadores, existem problemas em todos.
    Já tive Citrix’s a crashar sem razão aparente (e sem nada nos logs) e a pendurar 70 VMs. Depois de alguma pesquisa percebi que tinha a ver com o high load nas NICs (bugfix disponibilizado).
    Em Hyper-v não lido directamente mas tenho colegas que lidam diariamente, e também tem os seu “senãos” – o Hyper-V tem, actualmente, vantagens de custos significativas para quem quiser ter VMs em windows (liceça de windows datacenter) – Existem os custos das CAL’s que não podem ser esquecidos. Linux não precisa disso 😀
    Em VMWare também já tive problemas de gestão de discos/memoria/Cpu que demoraram a descobrir..

    Sobre custos de administradores de sistemas.. acho que isso é muito equilibrado – Admin de Windows/ Admin de Unix. Anyway, um administrador de sistemas tem que se adaptar às tecnologias e ser MUITO auto-didata e com espírito pro-activo.

    Voltando ao Disaster Recovery, actualmente, com 3-5 mil euros assegura-se um DR para 1 servidor (dependendo das caracteristicas, claro. (Se não se pensar numa solução estilo cloud, que nunca tem a mesma versatilidade, mas será partida mais barato a curto prazo.)

    A verdade é que por vezes as empresas não pensam no custo/hora de ter todos os colaboradores parados e não investem neste tipo de soluções. Cabe aos Sysadmins / IT’s alertar quem de direito sobre esses pormenores, pois vão ser os telefones deles a tocar quando a coisa der para o torto.

  9. sakura says:

    Citrix XenServer até já tenho o cliente instalado….

    para f. ha ck . deve ser do tabaco mas citrix não é da “micorsoft”?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.