PplWare Mobile

iPhone – O smartphone mais hackeado…


Autor: Pedro Pinto

Destaques PPLWARE

  1. Gualter says:

    Sequer ao menos reina em tudo LOL
    Mas penso que apenas foi hackeado por um grupo chamado evasi0n.

    • Pedro Costa says:

      evasi0n foram os primeiros a lançar e os outros vão guardando as falhas que encontraram até ao momento para que a Apple não repare essas falhas e possam ser usadas numa próxima versão de firmware.

  2. Pedro Costa says:

    Estes estudos são sempre tendenciosos. Ou melhor, a leitura que se faz a partir deles é que é. Obviamente que seja software, seja hardware quanto mais massificado é um determinado produto, mais olhos postos nele vai ter e consequentemente mais falhas vão ser encontradas.
    Fico sempre séptico quanto à segurança que um determinado aparelho ou sistema operativo aparenta ter, pois total segurança não existe.

    É preciso é educar os utilizadores sobre segurança e prevenção pois esse é um dos pontos cruciais para haver mais segurança nos seus dispositivos.

    • Nuno Mendes says:

      Concordo em absoluto … a questão da massificação dá para a apple no iphone (?!) como para a microsoft no windows …

      • Carlos Carvalho says:

        Nuno Mendes ,

        Boa tarde , não vás por aí existem mais equipamentos com Android do que com IOS .

        Cumprimentos

        • Vítor M. says:

          Há mais equipamentos móveis com iOS do que equipamentos móveis com Android…

          • Malamen says:

            A Apple anda a dar-te a volta ao miolo Vitor.

            http://androidcommunity.com/android-vs-ios-by-the-numbers-as-2013-kicks-off-20130123/

            Feliz Páscoa. 🙂

          • HB says:

            Mais uma asneira. O android é claramente o SO móvel mais massificado.

          • Vítor M. says:

            Mentira, e lá está, é o que dá não perceberes nada disto. O iOS, incluindo os iPods, é o sistema operativo móvel mais utilizado. Pena não perceberes nada disto. mas, há muitos como tu, não fiques triste.

          • Antonio Domingues says:

            VM dizes isso baseado em quê???

          • Vítor M. says:

            António, podes ver isso em vários sites que compilam esses dados.

            Por exemplo aqui: http://marketshare.hitslink.com/

            Mas há dados relativos ao ano de 2012 que mostram que a Apple com os dispositivos iPhone, iPod Touch e ipad, combinados, têm mais de 50% do mercado.

          • Manel says:

            Temos de ver que apesar dos i tabs e outros aparelhos que queiras intruduzir, o android tem varias marcas a utilizar NAO é so a samsung, que tabem teem tab s.
            De relembrar que os androids tentam chegar aos varios patamares do mercado enquanto a apple so a um nicho que tenha algum poder de compra.
            Aonde a apple ainda tem a maior parte do mercado é nos USA, mas esta a perder e eles nao representam o Mundo.
            Podes chamar o que quiseres mas da um motivo valido, coerrente e fundamentado, senao parece que se esta de pala nos olhos..
            Tipo o do Malamen.. atenção na procura na fiadibilidade dos dados..

            cumpls

          • Hugo Vaz says:

            Não sei onde leste isso, segundo os dados de mobile market share, existem mais equipamentos Android que iOS. A distribuição é ainda mais vincada quando se olha somente para telemoveis, no entanto o iOS ganha em tablets, mas o mercado é ainda enormemente menos expressivo que o de smartphone (mas a tendência é de crescimento para os tablets, e a tendência também mostra um crescimento mais acentuado nos tablets Android, mas sem abrandamento para os iOS). O mercado iPad e iPhone na China é quase inexistente, face aos asiáticos Samsung, ZTE, Huawei e afins (com equipamentos Android, e tirando a Samsung, os restantes têm equipamentos de baixo custo que a Apple não pode competir sequer). Eu acho estranho esse dar uma percentagem tão grande ao iOS tendo em conta que a Canalys, Gartner, comScore e muitos outros dão ao Android (em smartphone) market share superior a 50%, tudo bem que em tablets ficam muito aquém do iOS, mas o mercado de tablet também é infinitamente menor. É que ainda por cima nesse site quando faço as estatísticas de mobile ele pega somente em phone+tablet, não nos iPod, o que mesmo considerando uma share inflacionada, estaria sempre longe dos mais de 50%. Isto porque pela primeira vez a Apple apresentou as sale figures dos iPod touch, e os iPod venderam entre 2007 e 2012 metade do que os iPhone venderam, e pouco mais do que os iPad venderam (iPod touch foi lançado em setembro de 2007, daí ter em conta que o que foi apresentado eram números de 2007 até 2012, e o iPhone foi lançado a meio de 2007 – somente nos US – com lançamento em 3 países europeus em novembro e no “resto da europa” só em finais de 2008; o iPad só foi lançado em 2010). Daí eu dizer, os números avançados tem que se diluir pelos anos, e de lembrar que o iPhone canabalizou as vendas dos iPods (só assim se justifica as sale figures apresentadas).

          • Vítor M. says:

            Mas desapareceram os iPods Touch? Claro que não. E ainda se vendem. Os valores nas estatísticas pro norma só se balizam nos smartphones, mas nos tablets e iPods vendidos desde que saiu o iPod Touch e que utiliza iOS, é um número bastante substancial ainda, o que ainda mantém o sistema operativo da Apple como o mais usado. Alias, se não me engano isso foi referido por Tim Cook na última Keynote da Apple.

            Depois há outra questão fundamental, no segmento iPad, ainda são os tablets mais vendidos, logo, isso juntando todos os modelos ainda em utilização, é fácil ver que o mercado não é de todo Android maioritariamente.

            Mas, as pessoas como normalmente vêem as estatísticas em smartphones, confundem as realidades.

          • Hugo Vaz says:

            Os iPods não desapareceram, mas em 5 anos venderam mais 10 milhões de unidades que o iPad em 2 anos.
            Daí eu dizer, sendo o mercado de tablets menor que os de smartphones e esse valor de iPods vendidos se dilui ao longo de 5 anos e não de 2 (comparativamente aos iPads), somando a venda de iPads e iPods, segundo as sale figures, dá um valor pouco menor do que os iPhones vendidos desde 2007 até hoje mesmo assim.

            Portanto, tens ao longo de ciclo de vida de todos os equipamentos (iPhone, iPod Touch e iPad), algo deste genero: vendas de iPhone = vendas de iPad + vendas de iPod.

            Agora:
            Segundo os dados da IDC a média de market share global (worldwide) nos 4 quarters de 2012 foi de cerca de 70% e o do iOS foi de perto de 20%. Ora, se foi cerca de 20% (worldwide) e as vendas de iPad e iPod, somados, dão basicamente o mesmo que os iPhones (isto número de vendas desde 2007 a 2012, sem ter em conta substituições, troca por novo modelo, desuso, nem vamos ligar a isso, vamos fazer de conta que nunca houve nada disso – porque como disse, estamos a contabilizar um espaço temporal em que ainda não havia iPhones a não ser, inicialmente, em um mercado – limitado a unidades – e que só foi lançado a restantes mercados mais de um ano depois, e vamos assumir que o market share do iPhone é igual ao market share dos iPad e iPod somados), daria mesmo assim perto de 40%~45%. Sim, terá muito possivelmente maior market share que o Android ainda, no entanto não chegaria aos 50%, que é esse o meu descrédito face ao site que deste que ultrapassa, por pouco mas ultrapassa, os 50%. Basicamente é isso, é somente esse o meu descrédito quanto ao site que indicaste, de resto não acho a diferença entre todos os equipamentos iOS e os equipamentos Android existentes seja tão grande (naquele site dava menos de 25% a android e pouco mais de 50% a iOS, o que basicamente contradiz todos os indicadores existentes, como tinha dito no meu comentário anteriormente).

          • eduardo says:

            Há mais Androids vendidos do que aparelhos com iOS… nesta altura já nem é coisa para discutir.
            Contudo, há significativamente mais aparelhos iOS com o sistema actualizado do que Androids com a versão 4 ou superior, e esta é uma situação que deve continuar durante mais uns anos e tem algumas consequências.

          • p. says:

            Diacho, baseia-te em factos e não em religiões!
            Segundo a forbes no último trimetre de 2012 (há 6 meses atrás!) por cada dispositivo movel iOs (iphone ipad e ipod) há 3 dispositivos androids. Factos amigo… factos.

            http://www.forbes.com/sites/darcytravlos/2012/08/22/five-reasons-why-google-android-versus-apple-ios-market-share-numbers-dont-matter/

          • Vítor M. says:

            Se soubesses ler, nem citavas esses artigo que só me dá razão. Ora lê bem a que se refere o relatório da Gartner… eu ajudo-te:

            Gartner Says Worldwide Sales of Mobile Phones Declined 2.3 Percent in Second Quarter of 201

            Mobile Phones e eu falei em dispositivos móveis, incluindo os iPods. Lê e deixa-te de fanatismo e de cegueira.

            Depois lê, a Google tem mais activações, mas a Apple ganha mais dinheiro com o hardware. Lê, abre bem esses olhos 😉

  3. Oh, deixem-me adivinhar que aquela % de vulnerabilidades na microsoft é graças ao IE … lol

  4. CMatomic says:

    “Kernel Linux ter o mais numero de vulnerabilidades”

    É fácil de explicar esse numero de vulnerabilidades , a fundação Linux não tem nada a esconder , por isso qualquer pessoa pode detectar uma vulnerabilidade e reportar a mesma a fundação , já o mesmo não se passa com Microsoft ou Apple como são empresas de software proprietariado tendem esconder os relatórios sobre as suas vulnerabilidades o que leva serem sistemas mais inseguros , que os sistemas Linux , no Linux qualquer vulnerabilidade é corrigida de imediato .

    • Carlos Carvalho says:

      Boa tarde ,

      Sem dúvida , a maior parte das pessoas não sabe que é o SO que mais depressa corrige as vulnerabilidades , e isso evita muitos estragos e até tem uma característica dissuasora .

      Cumprimentos

      Carlos Carvalho

  5. CMatomic says:

    “e já que falamos em distribuições Linux, há que referenciar que o Red Hat ocupa o primeiro lugar (uma boa percentagem), seguido do Suse. O Ubuntu, apesar de ser o mais popular, ocupa o ultimo lugar neste ranking (..onde os últimos são os melhores).”

    Estes números tem haver com numero de vulnerabilidades detectadas, e não a quer dizer que a Red Hat ” fedora ” seja mais vulnerável que outros sistemas , como isto se trata de sistemas Linux quando um problema é detectado e corrigido , todas as outras distros podem fazer a actualização do software ou kernel , já agora falta ai as estatísticas da Debian que das distros mais importantes no mundo linux .

  6. CMatomic says:

    “iPhone – O smartphone mais hackeado”

    O termo mais correcto seria crackado “Cracker” , acerca da vulnerabilidade do suposto iPhone , para mim vulnerabilidade de um aparelho é quando ele esta ligado a uma rede e alguém entra nesse aparelho sem autorização do dono do aparelho .
    Aqui neste caso do iPhone é de quem compra , portanto pode fazer o quiser dele inclusive crackar o aparelho .

    • Ruaben says:

      por muito que tenhas razão em “cracker” e “hacker”, hacker está mais enraizado, e quem lê cracker talvez não vai perceber da mesma forma que lê hacker

      • CMatomic says:

        hacker é enraizado pelos jornalistas , devido a um filme dos anos 80 , mas não é correcto , pois no mundo OpenSource existe hacker não como mal feitor mas sim como alguém ajuda os outros a melhorar o seu software , logo leva interpretações erradas , devido ao jornalismo parcial em que da grande destaque a grandes monopólios como é o caso da Microsoft e da Apple .

  7. golias17 says:

    Por acaso esperava que o android fosse mais vulnerável, pelos visto não é assim tão inseguro como fazem querer. Também esperava que a apple tivesse menos falhas, mas como dominante do mercado também tem mais olhos postos em cima.

  8. Francisco Pinto says:

    Quem é que tem interesse nestes estudos??? Pois é quem o faz….! A que mercado é que estas empresas não tem “acesso”???? Pois… ao mercado do iphone….! tenho tudo dito…

    • Nelson Vasconcelos says:

      Tens dito e não disses-te nada de jeito 😉 óbvio que no estudo podem existir outros dados que provavelmente não foram revelados, pois não são do interesse de quem pediu o estudo… agora os que lá estão não estão incorrectos.

      • Francisco Pinto says:

        Hoje como é Páscoa também acredito no menino Jesus 🙂 🙂
        para este existem outros tantos estudos a dizer na pratica o contrário!
        Boa Páscoa

      • MAC says:

        Ó Nelsinho, já nem sabes escrever português. Queres dizer “disseste” e dizes “disses-te”. Não me digas que não sabes a diferença entre lavas-te e lavaste. Ah, estes crackers/hackers da língua portuguesa são mesmo uns tadinhos.

  9. Benchmark do iPhone 5 says:

    Devo dizer que achei as listas de vulnerabilidades do iOS e do Android bastante interessantes:

    http://www.cvedetails.com/product/15556/Apple-Iphone-Os.html?vendor_id=49
    http://www.cvedetails.com/product/19997/Google-Android.html?vendor_id=1224

    No iOS a maior parte são vulnerabilidades no Webkit. Parece ter havido um concurso “Se aceder a uma página web que tenha o código que descobrimos crashamos-lhe o browser”. O iPnone tem 120 casos de “denial of service (Dos) e o Android 10. Já nas vulnerabilidades mais graves, como seja “obter previlégios de acesso”, está mais equilibrado – 5 para o iPhone e 4 para o Android.

    Não esquecer é que quando se fala em segurança do iPhone vs. segurança do Android se está a falar em SO + app instaladas (ou instaláveis). Aqui só se está a falar das vulnerabilidades do SO, reportadas, exploradas ou não, em que o número total não reflecte a sua gravidade.

    • golias17 says:

      Boa partilha, gráficos bastante interessantes.

      Afinal andava com um sistema mais seguro do que o que pensava.

      • Benchmark do iPhone 5 says:

        Tem uns “senãos”. Se leres a descrição da vulnerabilidades, vês que existem, por exemplo nas “versões anteriores à 2.3 (Girgerbread)”. Se leres no iOS lês que existem “nas versões anteriores à 5 (ou à 6)”.

        Agora compara o número de smartphones com Android anterior à 2.3, que nunca puderam fazer a actualização e corrigir essas vulnerabilidades, com os que têm iOS com versões “anteriores à 5 ou à 6” – ou seja, nas versões recentes essas vulnerabilidades já estão corrigidas e chegaram a todos os iPhones dos últimos 4 anos (a partir do 3GS).

        Uma coisa é dizer que nos últimos anos se verificaram X (vs. Y) vulnerabilidades, que são os dados do post, e outra é dizer que hoje existem Z (vs. W) vulnerabilidades que podem ser exploradas.

        • golias17 says:

          Nisso tens toda a razão mas também estas a comparar suporte de aparelhos de custos diferentes, comparado o OS mais recente vês que a google está bem posicionada, isso é que interessa a google, e os seus aparelhos são actualizados em quanto viáveis.

      • eduardo says:

        Se reparares bem nessa lista verificas que são poucas as vulnerabilidades que são acompanhadas por informação da Google – e nem sequer é detalhada! Nem sequer há um site do Android para acompanhar os problemas de segurança e se foram corrigidos, deve ser tudo feito em segredo para não pôr em risco os 90% de utilizadores que têm um sistema com mais de um ano

  10. eduardo says:

    há algo de muito estranho nestes números!
    Toda a gente sabe que a Google vai lançando correcções de segurança no Android e só houve 24 coisas neste tempo todo?
    Por isso olhei para o que aparece nesta lista e a coisa não bate muito certo!
    Para 2013 só aparecem 2 casos e esses já são conhecidos desde 2011, mas não aparece o caso relatado nesta noticia
    http://www.geek.com/articles/mobile/google-security-updates-a-prime-example-of-whats-wrong-with-android-20130218/

    Em 2012 aparecem 8 casos, mas basta pegar noutra notícia de problemas detectados (em 2012) e vemos que não aparece na lista
    http://www.theregister.co.uk/2012/11/08/android_vulnerability_in_adware/
    http://www.csc.ncsu.edu/faculty/jiang/smishing.html

    O que leva a concluir que esta lista é muito incompleta, provavelmente pela forma como os problemas são comunicados.
    Todos os problemas no iOS que aparecem na lista têm uma informação detalhada da Apple, cada um individualmente. No casos relativos ao Android são poucos os que aparecem com uma informação da Google e não são detalhadas, donde se conclui que esta lista tem pouco acesso ao que a Google corrige e descobre no Android.

    É possível que realmente no iOS sejam descobertos mais problemas; dado ser tão complicado que as pessoas descarreguem malware nos aparelhos, só descobrindo vulnerabilidades no sistema e aplicações é que se contornam as medidas de segurança.
    Mas o facto é que os dados desta lista estão verdadeiramente incompletos

  11. dmc says:

    Desde quando o internet explorer é um dos menos vulneráveis?
    Façam-me rir

  12. Arcadiy Kulchinskiy says:

    1 de abril?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.