PplWare Mobile

Há agora uma religião construída sobre o Blockchain: A Criptoreligião


Responsável pelo Pplware, fundou o projeto em 2005 depois de ter criado em 1993 um rascunho em papel de jornal, o que mais tarde se tornou num portal de tecnologia mundial. Da área de gestão, foi na informática que sempre fez carreira.

Destaques PPLWARE

  1. Hefesto,o Grande says:

    Ah,ah,ah,só faltava agora esta !! A salvadora da pátria é agora a moeda digital e as religiões daí derivadas !! Ah,ah,ah !! 😀 😀 😀

  2. Calvin says:

    É o que mais tem na internet, basta entrar no fórum do TudoCelular
    Falou mal do bitcoin ou criticou qualquer criptomoeda que chegam os defensores
    Mano, parece uma religião, onde há dogmas e qualquer um que critique é fuzilado.
    Ai que eu critico mesmo kkkkkk

    • Hugo says:

      Cada qual acredita no que quer e age de acordo com as suas crenças. Nada contra, mas para mim estes fanáticos são pessoas mal educadas, inconvenientes e muitas vezes ignorantes.
      Acontece com a religião, música, marcas etc. Ultimamente tenho levado com os vegetarianos, que por força me querem fazer sentir mal ao comer um leitão assado. Pah..não querem não comam. No dia em que eu vos tentar convencer a deixar de comer alface digam-me o mesmo por favor. Seremos uma sociedade melhor 🙂

  3. pia says:

    Quando a bolha estourar não adianta ficar a chorar.

    Até rimou lol

  4. nkp says:

    vão bater porta a porta também? XD

  5. Heldr says:

    Cheira-me a esquema para fugir aos impostos.

  6. Hefesto,o Grande says:

    Já agora um off-topic,e desculpe-me Vítor Martins,se fizer favor.Li hoje este artigo(https://www.theverge.com/2018/6/5/17424580/mozilla-firefox-experimental-extensions-color-side-view),e fiquei maravilhado !! Primeiro tem que se ir ao browser(Firefox,Firefox Developer Edition,Firefox Nightly ou Firefox ESR),e activar a extensão Test Pilot program.Depois é só activá-la(https://testpilot.firefox.com/experiments/color).Depois entra-se na página da extensão(https://color.firefox.com/?theme=XQAAAALfAAAAAAAAAABBqYhm849SCiazH1KEGccwS-xNVAVLGkArGe4EcCMIjlq6Z24cXzGo2H5ww8m-19_q-hY0s2dkKL5_WO5Bl4jyH20fj40vBzxoYvFj89Rh4ADWJF-h-zufZ0AlB7q4ZqNti7ldheoAZe04hp3VwfF8Fy5oyQoV_sHS4G4tS_Jq-cs04W8GLqIPGY0X2pTlySKBDqWN6unsE611GVcX2WhuAv8CFUAA),e escolhe-se um dos 24 temas e cores para todo o uso !! Excelente,fiquei vidrado !! Já agora,a Mozilla pretende implementar um novo protocolo para diminuir o consumo de RAM que vai ser um luxo.Isto está previsto até ao fim deste mês (dias 25 a 26 de Junho),quando o Firefox ir para a versão 61.Que fixe. 😀

  7. TugAzeiteiro says:

    Mais uma religião? As que temos já chegam e sobram para a quantidade de mer%# que fizeram e continuam a fazer em nome de alguém/entidade que nunca se viu! A minha esperança é que as futuras gerações consigam libertarem-se desta “coisa”..

    • Hugo says:

      As gerações actuais já pouco ligam a religião. E os que ligam dificilmente conseguirão evangelizar novos seguidores.
      Por outro lado temos uma geração de jovens completamente ausente de espírito crítico…e se um youtuber disser que devem ir à missa…assim o farão.
      Sei que isto se passa num intervalo de idades muito específico, mas ainda assim assusta-me o facto das crianças poderem ser tão facilmente manipuladas no que respeita a educação.

      • ivan says:

        Concordo com o que dizes, percebo o que queres dizer posso não ter muita idade (20) mas neste momento vejo que quem é mais novo leva demasiada influência dos vloggers atuais. Podem não ligar a religião mas seguem cegamente os youtubers, não tenho nada contra youtubers porém também fico assustado com a influência que eles têm e as marcas também já vêem isso

      • Mentecaptor says:

        Os mesmos influenciados cegamente pela religião são os que agora são influenciados pelos tais (e mais outros), o que me parece mais perigoso, por sinal.

  8. Toni da Adega says:

    Nada de novo, muito pessoal dos iPhones e Androids comportam-se exactamente como fanáticos religiosos. Parece que o objectivo de vida deles é andar a defender marcas e empresas.
    Pior ainda andam a tentar “converter” pessoal para a sua religião.

    • zeca says:

      ^isto 😀
      muitos já seguem várias religiões, só não lhes dão esse nome 😀

    • Mentecaptor says:

      Estás a misturar conceitos. Fanatismo há por muita coisa, religião, marcas de telemóvel, clubes de futebol, etc. Faz parte da natureza humano, o sentimento de pertença a um grupo e a necessidade de o defender.

      • Toni da Adega says:

        Nao vejo diferença nenhuma. Qual é a diferença entre estar num esplanada com o telemóvel em cima da mesa e vir um gajo chatear-te a dizer: devias comprar um iPhone/Andoid é melhor sabes. E vir alguém de uma religião qualquer “vender” a fé deles?

        Ou quando partilho um post de tecnologia virem sempre com comentarias: devias comprar um iPhone/Andoid é melhor sabes. E vir alguém de uma religião qualquer “vender” a fé deles?

        O pior é que a maioria deles nao percebe nada do assunto, estao tao focados na fé deles quaenao conseguem ver outra coisa

    • Calvin says:

      As marcas nem sabem que eles existem… Coitados, acham que defendendo X ou Y irão ganhar alguma coisa.

      • Toni da Adega says:

        E muitos perdem horas a defender isso. É a forma que arranjam para se sentirem importantes:
        Olha para mim sou muito importante e sei muita coisa porque uma empresa estrangeira anda a ganhar muito $$$ ás minhas custas.

        É um pouco como os fanáticos do futebol:
        eu sou muito melhor que tu porque um gajo qualquer que nem me conhece marcou um golo. E tu como nao gostas do mesmo clube devias “falecer”.

        Respondo: eu sou fan do Jeff Bezos, simplesmente o homem mais rico do mundo por isso sou muito superior 😀

  9. Cortano says:

    “Estudos mostram que as pessoas são mais generosas com suas doações quando sabem exatamente para onde vai o seu dinheiro, de modo que essa sensação de poder seria capaz, de facto, de aumentar os benefícios caridosos dos fiéis.”

    Aqui está o segredo do negócio!!!
    Venha a mim o vosso dinheiro, ou criptomoedas… ou ouro, ou cheques… who cares… mas doam-no a mim.
    Obrigado.

  10. José says:

    Agora também temos os cripto-estúpidos? Boa!

  11. Mentecaptor says:

    Não digam “religião”, que vivemos atualmente numa sociedade “religiofóbica” e “quem tem crenças religiosas é ignorante”.

    • Hugo says:

      Não diria “religofóbica”. Eu sou ateu e não tenho absolutamente nada contra qualquer religião.
      A diferença é que não tento “vender” ateísmo a ninguém e no entanto muito frequentemente me encontro em conversas nas quais me tentam “vender” religião. Como é óbvio, nada me resta a não ser contra-atacar.

      Por exemplo os jeovás,
      -“truz truz”…Bom dia senhor, tem 5 minutos para falar de religião?
      Eu: Claro que sim.

      …e passados 2 minutos estão eles a ir embora ofendidos por me terem batido à porta a oferecer o que eu não pedi 😀

    • Simples assim says:

      Também não vejo nenhuma “religiofobia” na nossa sociedade, só vejo é pessoas que não admitem ver as suas crenças desafiadas sob o pretexto “tu tens que respeitar a minha religião”. Ora, respeitar não significa ficar calado e engolir as histórias em que cada um tem todo o direito de acreditar. É que eu também tenho o direito de questionar essas crenças e de as classificar como fantasiosas, até que me sejam apresentadas provas da sua veracidade.

  12. Hugo Nobre says:

    “Sobre o blockchain ethereum”
    Isto que dizer que utiliza a mesma blockchain?
    Que é sobre esta crypto moeda ?
    Ou é uma token?
    Fiquei confuso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.