PplWare Mobile

Finanças: Finalmente acabou-se a applet Java no IRS


Pedro Pinto

Pedro Pinto é Administrador do site. É licenciado em Engenharia Informática pelo Instituto Politécnico da Guarda (IPG) e obteve o grau de Mestre em Computação Móvel pela mesma Instituição. É administrador de sistemas no Centro de Informática do IPG, docente na área da tecnologia e responsável pela Academia Cisco do IPG.

Destaques PPLWARE

44 Respostas

  1. Zinco says:

    Orla bolas. Todos os anos fazia uns dinheiritos a preparar os browsers para a grande colecta. Lá se vai o meu ganha pão.

  2. A.Martins says:

    É melhor corrigir a notícia!!! Porque o JAVA não acabou totalmente no Portal das Finanças!!
    Tentem enviar o ficheiro SAFT por exemplo, e logo vêem!!!

  3. David Guerreiro says:

    Ainda falta é alterarem o Citius do Ministério da Justiça.

  4. 34 says:

    De notar que o fim das aplets java no formato da declaração periódica de IVA versão 5X ditou o fim do programa de preenchimento offline das finanças, que era gratuito e quase independente de plataforma, ou seja ou se é um contabilista com programa pago para Windows, ou se tem que fazer a declaração no site (no entanto as finanças reactivaram e mantem activa a aplet, numa página “adicional” a trabalhar com a versão 3X, o que permite que a aplicação da versão 3X continua a funcionar, e até tem sido alvo de actualizações).
    Outra coisa boa da aplet era que, ao iniciar o preenchimento da declaração na página o utilizador era desligado, funcionando tal e qual um programa “normal” até ao momento de simular ou submeter, o que ajudava a evitar subcargas no site, agora os utilizadores autenticados vão permanecer autenticados durante todo o preenchimento e submissão.
    E uma terceira coisa boa da applet é que sem pagar programas caros, unicamente com o programa das finanças o utilizador conseguia preencher e enviar a declaração quando o site estava “avariado” (usando o webservice desde que os servidores deste permanecessem a funcionar).

    Ou seja, vamos ver…

    • Jorge Carvalho says:

      Nada disso é impossível com outras soluções que não java.

      Abc

      • 34 says:

        A AT deixou de fornecer programas grátis, fornece apenas as especificações técnicas para as ligações para quem quiser fazer, fazer, mas ninguém faz de graça, os que há são pagos.

    • lmx says:

      Com Certeza que a Ferramenta Java, era Brutal!
      Era a melhor coisa que as finanças tinham..

      Porque o Java é Multi Plataforma e Multi Sistema Operativo.
      Não conheço nada parecido que possa sequer estar perto do Java no que toca á libertade de execução de Aplicações.

      Cada vez mais as Pessoas teem sistemas Operativos Variados.
      Basear estas aplicações em Browsers, parece ser uma decisão pouco ponderada.

      Numa máquina com 1 GB de ram vejo-me grego para correr um Browser…mas a Applet das finanças funciona que é um charme!

      Parece que vão haver pessoas vedadas do Acesso ao Portal das finanças, pois os Browsers, para além de nem todos suportarem as mesmas Features, consomem toneladas de Ram,
      O estado tem a obrigação de criar Soluções para todos..

      Uma coisa é certa, Eu de Sistema Operativo e de máquina não mudo, so quando ela der o berro 🙂

  5. lmx says:

    Não era a Aplet Java que dava problemas…

    Era a Microsoft que restringia o uso de Ferramentas Java, para puder oferecer as dela…
    Ou seja Abuso de Posição dominate no Mercado.

    Ora isso deveria ser altamente penalizado pela EU, mas nunca foi..
    Por isso é que no Windows ha alguns problemas com Ferramentas Java,
    No Linux correm que é um Charme.

    Espero que as Finanças, não Elimine a Compatibilidade com outros sistemas Operativos,
    Porque eu não vou mudar o meu SO.

    • 34 says:

      Não.
      Foi a Apple, a Google e a Mozila que decidiram proibir os seus browsers de comunicarem com os plugins papi e remover o suporte a applets (e também ao flash, mas o flash é irrelevante para o site das finanças) com a única finalidade de exterminar a Adobe e a Sun hoje absorvida pela Oracle.

    • Tiago says:

      Não é o gasóleo que dá problemas, é o carro a gasolina que não aceita o gasóleo.

      • lmx says:

        Boas Tiago,
        Essa comparação não faz sentido aqui.

        O que puderias dizer é que a Marca X de motores, que é lider de mercado…so trabalha com um combustivel, o seu proprio…
        ao invés de trabalhar num mercado aberto e concorrencial, …

        Ai estarias com uma comparação mais proxima.

        É que apesar de Portugal ser um País de 3º Mundo existem leis anti-monopólio, quem quiser trabalhar cá, deveria ser obrigado a segui-las..

    • kekes says:

      Pois depende, eu na minha universidade tinha que fazer a matricula numa Aplet Java, e do meu grupo de amigos era o único que tinha Windows em dual boot e fazia a matricula a todos. Em linux era impossível. Eu não percebo porquê eles não faziam aplicações para Desktop pois seria menos uma dor de cabeça lidar com o browser.

  6. falcaobranco says:

    Vamos esperar por abril e verificar isso em primeira mão… porque sinceramente sempre fiz pelo IE ( apenas usava ele para isso todos os anos ), actualizado, obviamente, e nunca tive problemas!

    Mas fico feliz pelos informáticos do ministério das finanças porem as cabecinhas e as mãos a trabalharem para mudar isso…

  7. falcaobranco says:

    Vamos esperar por abril e verificar isso em primeira mão… porque sinceramente sempre fiz pelo IE ( apenas usava ele para isso todos os anos ), actualizado, obviamente, e nunca tive problemas!

    Mas fico feliz pelos informáticos do ministério das finanças porem as cabecinhas e as mãos a trabalharem para mudar isso…

  8. Mario Pereira says:

    Um dia gostaria de ver sites como das finanças a correr na cloud, a usar serviços como por exemplo Kubernetes (GKE), com código escrito em GO e numa arquitectura de micro serviços.

  9. Pedro says:

    Ferramentas de desenvolvimento dos browsers… Estou a ver muito menino a investigar toda a comunicação entre o computador e as finanças 😀

  10. Ze das Couves says:

    Finalmente! 🙂

  11. Tiago says:

    Finalmente. Agora vai ser possível declarar o IRS através de um tablet, telemóvel, etc.

  12. Ana Paula Cabrita says:

    Com ou sem Java eu não consigo submeter muitas declarações. Tenho que ir ao google e a partir do hppts. Porquê não sei.Tenho o Windows 10

  13. Eurico Inocencio says:

    Há muitos anos que a applet é disponibilizada em formato aplicação offline e funcionou sempre bem. Infelizmente muitos utilizadores não sabiam como usar esta alternativa que evita as dores do Java em browers.

    • País de Chicos-Espertos says:

      É verdade o que está a dizer, só que nos anos da TROIKA foi FUNDAMENTAL aceder às declarações pré-preenchidas. Vi contabilistas experimentados a preencher declarações de IRS que depois não correspondiam ao que aparecia pré-preenchido. Claro que o que era enviado era o que aparecia no site da AT. Cautela e caldos de galinha…

  14. Zinco says:

    viva la revolucion, viva la liberdad.

  15. FilipeOS says:

    Acho que acabou a forma mais óbvia de chular o estado todos os anos… apesar que acho que as empresas são as mesmas..

  16. dajosova says:

    adoro “funcionismo” público :\

  17. duarte says:

    boa noite, pessoal
    Desculpem a intromissão na conversa, mas preciso de uma ajuda para enviar o ficheiro saft para as finanças.
    Até a pouco tempo com o fier Fox dava.
    Qual o browser que devo usar ?

    Sempre a considerar
    Duarte

  18. Margarida Vieira says:

    Hoje, dia 1 de abril tentei ver como se submete este ano o IRS e não funciona no Chrome e no Explorer.

  19. jony says:

    Mais valia o java, pelo menos preenchia-se offline agora sem aplicação tá impossivel

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.