Quantcast
PplWare Mobile

Facebook cada vez mais usado para tráfico de seres humanos

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Goncalo Pinto says:

    Acho que esta na hora de usar AI, obrigar todas as redes sociais a usar reconhecimento facial, impressao digital, Iris, para se poder continuar a usar um perfil de rede social. O AI poderia ser usado para interpretar se ha pulsacao, movimento, ou algo do genero, para evitar possiveis esquemas na criacao de um perfil. E de tempos a tempos obrigar o utilizador a fazer verificacao desses mesmos dados.
    Sei que muita gente nao iria concordar com isso, mas da maneira como o cibercrime esta a evoluir ja nao da para fazer de outra forma.

    • Jn says:

      Ou seja, responsabilizar as pessoas pelo que fazem, a maior parte das vezes de forma anónima, escondidos por um ecrã. Concordo com o que dizes, pelo menos era uma forma de reduzir ao mínimo, ou pelo menos ter um meio de controlar, os cyber criminosos e os covardes armados em “heróis” que proliferam pela internet e que no dia a dia não valem um chavo!

    • Hugo says:

      Vejo aí dois grandes problemas:
      A privacidade e o facto de isso não resolver a situação pois nenhum sistema é perfeito.

      • Jn says:

        Sistemas perfeitos não existem, mas a anarquia não é a melhor solução. Têm que existir regras e algum controle. Quanto à privacidade, é o pior argumento que se pode utilizar, é o mais fácil e o mais usado, mas a privacidade tem que ter limites quando estamos num “espaço” de todos e onde a forma como o utilizamos e nos comportamos pode afetar de alguma forma os outros. A nossa privacidade não é mais importante que o respeito pelos outros e pelas regras de conduta decentes. Privacidade não é o direito ao anonimato, para usar como se bem quer! A Internet não é o nosso quarto, a nossa casa, mas sim a “casa” de todos. Achas que na privacidade de cada um se tem o direito de fazer coisas como a que é referida no artigo, ou que podemos insultar a torto e a direito quem queremos, como é hábito ver por toda a net? Mesmo sem saber quem és, não creio que penses assim, mesmo que anonimamente me dissesses que sim 🙂

    • Fábio says:

      concordo plenamente, quanto mais segurança, melhor!

    • Zé da Privacidade says:

      Depois já não podes ir ao facebook enquanto estás a enviar aqueles faxes urgentíssimos. Coisa tola a privacidade.

    • Allez Allez says:

      A outra forma é através da educação e pelo cultivo de valores de compaixão e justiça…

    • Antunes says:

      Sim e já agora o tipo de sangue, assim a informação fica mais completa 😉

      • Zeque Tefodd says:

        Se fosse fácil ler o adn, porque nao adicionar isso também? Quem nao deve nao teme, e pelo que se vê seria benefico para todos nos.

        • Hugo says:

          A sério?
          Acho que é óbvio. Quem “não deve” andará cada vez mais controlado…e quem “deve” acaba por arranjar alternativas.

        • MiguelP says:

          Ora nem mais assim sempre fica mais fácil quando alguém precisar de um orgão.

          E deixem já agora a que horas saiem de casa e a que horas chegam, assim fica tudo mais fácil.

  2. Miguel Madeira says:

    Lendo o artigo, “tráfico de seres humanos” parece ser simplesmente uma forma assustadora de dizer “imigração ilegal”

    • Hugo says:

      Sendo ilegal e suportada por terceiros a troco de dinheiro…estes praticam tráfico.
      Caso contrário a droga que por aí anda também cá apareceu por “osmose” 😛

      • Miguel Madeira says:

        Não exatamente – muitas definições usam “tráfico de seres humanos” apenas para referir os casos de pessoas compradas e vendidas, estilo trabalho escravo (e a imagem com o “help me” remete para isso). Mas isso é capaz de ser em primeiro lugar um problema da própria expressão “tráfico de seres humanos”.

        Em tempos li qulquer coisa que faz algum sentido:

        «’trafficking’ is confused with three different things: Any kind of prostitution; any kind of forced labour; illegal immigration using any kind of facilitator (which is likely most of it). Maybe that is why so many people like to campaign about it: they can take the moral indignation from ‘forced prostitution’ and the large numbers from illegal immigration, and apply it to a campaign on any vaguely related topic that they feel strongly about.»

  3. david says:

    Os Trumps do mundo salivam por tanto poder, os hackers russos e as mafias tambem, quando vos quiserem encontrar por alguma razão sinistra já sabem quem são e onde param, o capitalismo tornou-nos todos umas grandes pvtas abertas!

  4. José nicolau says:

    Julgo haver muita falta de cuidado dos adultos, principalmente dos pais , em ligar os seus filhos a estas redes sociais crianças de 9 , 10 ,11, etc. anos terem conta , e acesso livre a estes serviços porque não os deixam viver infância da sua idade , julgo também que muitos pais ,têm pressa de ver os seu filhos desenvolvidos nestas áreas antes do tempo ,no meu tempo não avia disto quando criei as minhas filhas também não , dar ao tempo ao tempo segundo o ditado dos antigos creio que será a melhor maneira de evitar muitos dissabores amargos isto refiro-me a menores ,aos adultos cada um é maior e livre , mas a falta de informação e conhecimentos a máfia é muito forte e até mais esperto num pequeno descuido cai ,quanto menos informados como eu , o melhor e não confiar e não aceitar ,penso eu

  5. MikeB says:

    A sério que li em 2017, num fórum de tecnologia alguém escrever que “a privacidade tem que ter limites ” ?!?!?! P.A.D.!!!
    Se isto fosse uma rede social apareceria algo como *kim jong un gosta disto

  6. Luis Marques says:

    Os inimigos do Facebook – os media do liberalismo selvagem – que querem o controlo da informação global total – estão sempre a inventar pretextos para ver se também açaimam as redes sociais, que, de resto já estão bem controladas – Tudo isto não passa de cantiga de uma media manipuladora e intriguista ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.