Quantcast
PplWare Mobile

Facebook aposta em drones para levar a Internet a todo o Mundo

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Marisa Pinto


  1. int3 says:

    Bom artigo marisa 🙂 Este sim.

  2. É um conceito bastante interessante (digo o mesmo dos balões da Google) no entanto não sei ao certo o quão concretizavel será, tanto pela manutenção, quantidade de aviões por área, eventual segurança e dificuldades técnicas.

    Ainda assim, o que interessa é dar o primeiro passo!

    • Nelson says:

      Eu só não sei porque é que os africanos são diferentes de todos os outros, e não têm direito a uma rede de fibra, normal…

      Com alto débito, baixa latência e estável… Que sirva para mais que facebook e youtube…

  3. Dav7 says:

    Será só para dar internet ou para outro tipo de controlo sobre a população?

    • Marisa Pinto says:

      O objectivo é a ampliação das zonas que têm acesso à Internet.
      Contudo, uma vez tendo esse acesso, sabemos que há ‘um controlo’ mas não sei se será a partir do Facebook.

    • pixar says:

      Essa é uma boa questão. Dadas as notícias que vão saindo, apenas podemos desconfiar da oferta. Pode não se tratar de um simples drone de fornecimento de Internet, mas mais uma forma de espiar.
      Mas pronto, vamos ter fé que a ASAE vai inspecionar cada um dos drone antes de serem lançados 😀

  4. Blop says:

    O ThePirateBay já tinha uma ideia semelhante de migrar os seus servidores para drones, tornando-os “legais” em toda a parte.
    Acho que a ideia do Facebook deve apróximar-se deste conceito também.

    • pixar says:

      Não sei se seria bem assim. O espaço aéreo, até 100km de altitude, sobre cada país é sua propriedade. Logo, só com a sua autorização é que o drone o poderá sobrevoar.

      • Gerardo says:

        “What if the drone was over international waters? Who could stop The Pirate Bay then!”

        Retirado do artigo da gizmodo

        • pixar says:

          Ok. Assim já ninguém tinha nada a dizer. Mas assim até podia ser um barco que tinha o mesmo efeito e saía mais barato dado o peso de todos os servidores do Pirate Bay.

  5. Mateus says:

    Com fome, mas com internet!

    • Marisa Pinto says:

      Que comentário…
      Sabias que a internet não é só entretenimento? E que pode ser também uma ajuda para casos de fome, uma vez que nos deixa a todos mais próximos.

      • Mateus says:

        Obrigado Marisa!

        Espero não estar a ofender ninguém.
        Com tantas questões pendentes em África: Guerras e fome, não me parece na minha humilde opinião que a internet seja prioritária!

        • Marisa Pinto says:

          Onde leste que a internet era prioritária? O problema é que metem palavras onde não existem e depois tiram conclusões errada 🙂

          • P0s3da1 says:

            Olha concordo com o Mateus as pessoas nao tem dinheiro para comprar comida e achas que vao ter para comida??? Marisa Pinto o que preferes Comida ou Internet se viveses la

          • Marisa Pinto says:

            Oh meu deus.. então mas agora as pessoas só podem ter uma coisa? Escolhe Internet ou comida, àgua ou comida, àgua ou Internet…

            Até te enganas a escrever, tal não é a raiva…
            Senta-te e pensa no que acabaste de perguntar. Assumo então que não tenhas comida, uma vez que estás a Internet… -> Santa ignorância!!!

      • Luís Santos says:

        Sim Marisa…concordo plenamente consigo.
        Quando por vezes vou a um site como a SAPO.PT ou outro que disponibilize informação atual, fico até mais próximo daqueles que a cada 3 segundos morrem com fome. Fico mais próximo daqueles que, nem um teto e nem um lar têm para se abrigar. Fico mais próximo daqueles que realmente necessitam de ajuda. Porém, não sei se sou eu que estou a ficar mais estúpido, ou se serão pessoas como…no seu caso estão mais inteligentes. Se analisarmos realmente como o mundo se encontra, sem dúvida que, os biliões gastos em investigações para as “unhas encravadas”, para os “perfumes que atraem”, sistemas de controle e monitorização de pessoas ao redor do globo…etc… CREDO!!! Até o próprio Papa usa vestidos bordados a Ouro que poderiam matar a fome a uns bons bilhões de crianças. A internet não o faria porque as pessoas não comem dados. Mas… se gastássemos o dinheiro “BEM GASTO” e quando digo bem gasto, é parar de olhar para as coisas ridiculas que atualmente pensamos que temos falta, ou temos que adquirir, para depois voltarmos a consumir mais e mais… Portugal e o mundo vai saber do que falo quando sentirem na pele que, um iphone ou a porcaria de um drone, até mesmo a net não consegue alimentar ninguém.

        O mal do ser Humano é querer sempre mais do que aquilo que necessita.

        • Luís Santos says:

          Façam um drone que, ao invés de disponibilizar internet, disponibilize paletes com comida para distribuir em territórios de dificil acesso.

          E essa hein?

          • Marisa Pinto says:

            É uma ideia, mas mandar fazer é muito fácil. 🙂

          • Marisa Pinto says:

            É uma ideia, mas mandar fazer é muito fácil 🙂
            A mudança deve estar dentro da cada um de nós, nas nossas ações e no nosso comportamento perante o outro.
            Não é só em África que se passa fome (não é a filha do presidente angolano que se tornou agora a bilionária??), mas aqui em portugal também, portanto a fome é também universal, e se a Internet for uma ajuda para se encontrarem soluções, seja ela muito bem vinda! 🙂

        • Marisa Pinto says:

          Olha, então desliga a Internet e vai ajudar quem passa fome também em Portugal, certo?

          O mal do ser humano é ser mesquinho e criticar tudo sem conseguir ver as vantagens disso…
          Sabias que também se passa fome no teu país? O que já fizeste para atenuar isso?
          Começa tu por usar o teu € bem gasto antes de assumires que os outros não o fazem.
          E insultos só mostram mesmo a pequenez da tua personalidade!

          • Luís says:

            Cara Marisa,
            Penso que ninguém está contra o desenvolvimento, mas sim contra a definição de prioridades…
            Para compreenderes melhor o que o pessoal está a dizer, era ires para lá passar um mesito e no fim dizes ao pessoal do “contra” quais foram as tuas prioridades nesse tempo! 😉

          • Marisa Pinto says:

            Quantos meses ja lá passaste tu? Só pode falar quem tem experiência

          • Luís says:

            Já vi que tens toda a razão do mundo… não vale a pena…

    • Miguel says:

      Nem mais… O ppl a passar fome e eles andarem a brincarem aos drones!

      Isto não passam de ideias que nunca chegam a ser postas em prática porque sabem que são impraticaveis. Existe outras tecnologias já testadas e que tem mais cobertura e com menos depesas…

      • Marisa Pinto says:

        Grande parte dos projectos não vão avante porque existe mais gente a criticar que a dar soluções :/

        • Luís says:

          De facto é mais fácil criticar do que apresentar soluções… Mas esta ideia é muito bonita para os países desenvolvidos… mas para aquela gente… não contribui em nada no que toca às necessidades básicas.
          Em vez de levar a Internet a estes locais, porque não levar primeiro o que eles precisam de facto?

          • Sergio J says:

            Porquê gastar dinheiro na cultura, ou na investigação em Portugal quando estamos em crise?

            Porque gastas dinheiro com a internet todos os meses e não pegas nesse dinheiro e mandas para as ONG em África. Porque gastas dinheiro em música ou cinema? Porque gastas dinheiro no café. Há tanta coisa mais prioritária.

            Na realidade quem pensa assim está a ser ofensivo para com as estas pessoas. Estão a dizer-lhes que só devem pensar em sobreviver, que não tem direito a mais nada.

          • Luís says:

            Caro Sergio J,

            As opções políticas de cada governo estão ligadas às suas ideologias e valores de cada membro em funções. Certamente haveriam outras soluções… mas claro que deve haver sempre uma boa dose de racionalidade… entre o que são necessidades (saúde, educação…), a menos que defendas que a investigação e cultura deve estar acima de tudo 🙂
            Se leres bem o meu comentário com atenção… não digo lá que estou contra isso… pura e simplesmente digo que há coisas mais importantes… em muitos desses locais onde se pretende levar a internet há certamente coisas mais importantes.
            Experimenta por um mês ter o mesmo modo de vida que aquela gente… e depois diz se a tua prioridade é ter internet! 😉

          • Marisa Pinto says:

            Sim, há coisas mais importantes, mas então isso quer dizer que tens que ter só o que é importante e não ter mais nada?
            Vamos pegar na pirâmide das necessidades de Maslow que, na base tem as básicas como comer, dormir, etc…
            Sim, temos que ter isso de forma prioritária, mas então quer dizer que a Internet (um pouco mais acima, nomeadamente nos laços de afectividade, falar com familiares, segurança e conhecimento) não deve chegar a essas pessoas só porque não têm comida em tanta quantidade como nós?

            Então por essa lógica ninguem mais pode ter Internet sem seres tu (leia-se, quem tem comida)…
            A Internet tem muitas coisas boas e vocês, como utilizadores, deviam ser os 1ºs a ver isso.

            A partir da Internet organizam-se INUMERAS ações de solidariedade e conseguem-se fazer INUMERAS mudanças no que de mal está no mundo.

            Temos é que a utilizar para esse fim.
            Cumps.

          • Luís says:

            Deve ser triste não se conseguir ver mais.
            Acham mesmo que essa fotografia descreve África??
            Gente mimada!

          • Nelson says:

            Temos africanista…

            Para ti, todos os africanos são aqueles que cê menos pacotes de leite, com barriga inchada e cheios de moscas à volta…

            Muitos são assim, mas nem todos…

          • Luís says:

            Não sou africanista, simplesmente tenho uma perspetiva diferente da tua.
            O importante é que sejas feliz com a tua forma de ver as coisas.

      • Mateus says:

        Infelizmente só acabam com “problemas” onde há petróleo!

    • Nelson says:

      Sim, porque a única necessidade do ser humano, é comer.

  6. jose says:

    Mas são 100kg de carga ou 32kg como diz no video?
    Depende do modelo?

  7. Gerson Simões says:

    Ficam a falar da fome como soubessem do que estão a falar! A internet é mais essencial do que sinal de tv, por exemplo. Com ela chega-se a informação, saúde e educação mais rápido… E esses Africanos que dizem por aí que passam fome por vezes é uma questão de produção… ou melhores conhecimentos de produção (Não dê peixe a quem tem fome, dá-lhe uma cana e ensina-o a pescar). Usem a internet para irem mais longe do os noticiários dizem, tirem a cabeça da areia. A internet é o meio de comunicação mais revolucionário que existe, porque se chegar a todos, muita coisa vai mudar para melhor! Projectos como esse e o da Google são importantes para toda Humanidade!

    Ps: Fica a pergunta, porque razão a internet na Finlândia é um direito?

    Gosto de artigos assim que dão uma noção do que está para vir em relação tecnologia! Um bem haja pplware.sapo.pt directamente de Angola, ainda bem que há internet por cá, da para manter informado.Porque o meu problema não é fome, só se for de informação!

    • Marisa Pinto says:

      Bem haja pela opinião fundamentada! 🙂

    • Pedro Anjes says:

      Comentario com 2 partes:

      1ªParte:

      @Gerson Simões
      Explique la como é que é que é possível colocar um dispositivo qualquer nas mãos de alguém que não tem dinheiro sequer para comer, e dar Internet e ensinar a pescar, cultivar etc etc, agora se por ventura me disserem que vão colocar la pessoas já com alguma formação para treinar e ajudar no desenvolvimento do seu país, e que essas pessoas vão sim ter a necessidade de estarem contactáveis com o resto do mundo, parece-me bem…
      Falo por experiência própria, nasci em África, fui criado la e agora estou na Europa, e sim la vou com frequência.

      2ªParte:

      @Marisa Pinto

      Mas porque que raio sempre que escreve um artigo e alguém coloca alguma objecção ao mesmo um pouco mais agressiva, tem a tendência a defender a ideia com unhas e dentes como se tivesse sido sua, e em alguns dos casos, vai mesmo ao extremo com frases do género, (https://pplware.sapo.pt/multimedia-2/imagem/wallpapers/faca-download-dos-wallpapers-do-samsung-galasxy-s5/)”Não gostam, não comam, simples.”.
      O seu papel aqui é claramente NOTICIAR, moderar, não é fazer disto um circo, penso eu… Se não consegue levar uma critica ou outra num Post seu, deveria abster-se de escrever.
      PS: reveja os seus artigos com corrector ortográfico antes de os postar, faz melhor figura do que andar as guerrinhas com comentários. “No entanto, nem o Facebook nem a Titan Aerospace se mostraram disponíveis para tecer quaisquer coemntários.”

      • Luís says:

        Ora aí está um comentário onde chega ao que tento explicar.
        Um certo jornalista perguntou uma vez ao Bill Gates, qualquer coisa como “Qual seria o computador que daria aos filhos?” Ao que ele respondeu, o melhor computador que lhes posso dar para já são os livros!
        Para as pessoas que colocam a tecnologia à frente de tudo… parece-me óbvio… primeiro temos que criar condições para usar o computador.
        A minha perspetiva relativamente ao artigo é mesmo essa… há outras coisas a resolver antes de fornecer a Internet.

        • Marisa Pinto says:

          E a minha pergunta mantém-se… o que já fizeste tu para mudar o panorama?
          Acima não me respondeste.

          • Luís says:

            Não vale a pena responder sobre o que já fiz ou deixei de fazer para ajudar os outros… não ia mudar nada na tua visão.
            Não sou a Santa Casa, mas para satisfazer a tua curiosidade, sempre que posso ajudo com bens materiais que mais precisa, entregando mesmo nas instituições que entendo.

          • Marisa Pinto says:

            Não se trata de curiosidade, meu caro… Mas uma vez que vens cheio de moralismos a dizer que deviamo-nos preocupar com outras necessidades, deves ser tu primeiro a dar o exemplo pois só assim tens credibilidade para dizer o que os outros deviam fazer.
            Quanto ao outro teu comentário… e não sou jornalista, cada um de nós aqui tem o seu trabalho e dá parte do seu tempo a escrever, levar a informação o mais rápido e melhor possível. Fora do post tenho a minha opinião, tal como já havia dito.

            Cumps.

      • Marisa Pinto says:

        Pedro Anjes, mas quem és tu para dizer qual é o meu papel?
        É noticiar sim, e está noticiado, é moderar, sim e está moderado, mas sabias que também tenho a minha opinião, como qualquer um de vós?
        Ou não a posso mostrar só porque 1. Não te agrada nem sabes lidar com ela, 2. Porque escrevi o post?
        Quem faz disto um circo são pessoas como tu, e volto a dizer, não gostas não comas, não leias, nem comentes.

        PS. Aprende o que são erros ortográficos e depois conversamos.

      • Vítor M. says:

        Pedro Anjes que comentário triste. A Marisa é simpática, atenta às questões que colocam nos comentários, adora participar numa boa troca de ideias e responde, simplesmente não ignora.

        Depois a questão não é NOTICIAR meu caro 😉 aqui é muito mais, aqui é dar voz a quem quer debater os temas, partilhar opinião e sustentar o seu ponto de vista… sempre à luz do tema e sem trollar, sem patetices e com vontade de acrescentar algo 🙂 (vou meter aqui pelo meio smiles para não achar a seguir que sou também arrogante 😉 )

        Este projecto é fantástico, abre portas e muitas outras excelentes oportunidades de comunicar, de ter liberdade de expressão, de oportunidade de evolução. Não acredito que haja um “toupeira” que confunda isso com ajuda humanitária… não deve haver um toupeira que veja isso destas forma #ou tecnologia ou comida na mesa”… essa malta não existe aposto!

        Quanto ao que tenta passar 😀 é mais do que sabemos, aposto que o amigo Pedro Anjes não encontrou argumentos para refutar e foi descobrir que a Marisa não inseriu uma vírgula algures :D, verdade? 😛 🙂 😀

        Aquele abraço e com este sol alterem o humor para modo “social”…

        • Mateus says:

          Vítor, será o meu último comentário nesta noticia.
          Os meus parabéns por tentar apaziguar a discussão.

          Não conheço a Marisa, mas pela forma como escreve é bem agressiva sim.
          Defender a sua ideia é uma coisa mas não me parece: “Que triste comentário” ou “Quem és tu para me criticar” que seja algo de muito construtivo ou de abrir uma discussão saudável.

          • Pedro Pinto says:

            Boas Mateus,

            A história é sempre a mesma…cada vez que se fala em tecnologia em sociedades emergentes…há sempre quem se queixe que é preciso comida. É verdade, totalmente a favor que devem existir prioridades (esta nem é questionável!!!). No entanto, neste como noutros artigos, estamos a falar de tecnologia…nao vale a pena mudar o contexto. A questão da agressividade é relativa, se meteres uns smiles pelo meio…tudo fica diferente. Os chats não são o decididamente o melhor canal para perceber quem está do outro lado.

          • Marisa Pinto says:

            Podias dizer ‘parece agressiva’ pois ao estares a afirmar estás, mais uma vez, a induzir-te em erro.
            Mateus, lá por eu ter uma ideia diferente da tua, não significa que eu a tenha que alterar para te agradar, nada disso, sempre soube defender as minhas ideias, e, numa discussão, deves tentar mostrar os teus argumentos e contrapô-los aos meus, isso sim é como se ‘conversa’.
            Como pudeste ver, a ‘discussão saudável’ não foi aberta por mim, e o meu comentário foi uma resposta no seguimento do nível com que me abordaram.

            Se queres mostrar o teu ponto de vista relativamente à questão, fá-lo com raciocínio e estrutura lógica, mas se começas a levar isto para o amuo.. nada posso fazer!
            Tem um bom dia, 😉

    • pixar says:

      Concordo em pleno.
      O problema é as pessoas olharem para a Internet e pensarem logo em facebook e pouco mais. Desse ponto de vista a Internet é uma coisa fútil com pouca utilidade.
      Mas a Internet é muito mais que isso. É fonte de informação e, melhor ainda, de formação. E ninguém tenha dúvidas de uma coisa: a maior poder que existe hoje, é a informação. Quem não a tem, vive mal.
      Deste ponto de vista, é essencial chegar informação a todo o mundo para evitar que o fosso entre ricos e pobres continue a aumentar.

  8. Nuno Silva says:

    Sempre que surgem noticias de drones, tipo esta, fico com um pé atrás. Tal como as supostas entregas da amazon. As elites estão a começar a querer demonstrar que os drones são algo útil para a sociedade.

    Relativamente ao comentário de os aviões terem que ter permissão para sobrevoar o nosso espaço aereo, estão bem enganados, pois hoje em dia temos centenas de aviões que andam a dispersar chemtrails na nossa atmosfera e ninguém os pára. Vejam os diversos grupos no facebook que divulgam isto.

  9. Mateus says:

    Fique claro que apenas achei engraçado o facto de haver muita gente que não tem acesso a comida tal como nós temos aqui!

    Nada contra a tecnologia.
    é o mesmo que ter um DVD e depois não ter TV.

    África é muito grande e nem todos os países passam as mesmas dificuldades.

  10. Palavra do senhor says:

    Bem, isto era um simples notícia de drones para dar acesso à internet. Toda a gente pensa que onde não há internet não há comida…e isso não é verdade! Há zonas rurais onde as pessoas têm comida, têm bebida…mas não têm acesso à internet simplesmente porque o seu país não acha isso prioritário ou não existe “business case” para fornecer internet a uma determinada área.

    Porque é que tiram 500 ilações sobre um tema simples e directo?

    Também é importante perceber que o modelo de negócio do facebok (de forma simplista) está assente em publicidade direccionada aos utilizadores. Portanto, quantos mais utilizadores mais receitas, certo? Ai está o grande “mote” para fornecer internet a mais sítios do planeta! Sem isso nao haverá crescimento de negócio e o facebook deixará de se tornar atractivo aos olhos dos investidores.

    É preciso pensar sempre “em que é que isto vai trazer vantagem para o negócio?”, pois estas empresas têm sempre como principal “drive” o seu negócio.

  11. egnestle says:

    É algo interessante, porém para aceder a rede além de sinal é preciso rede electrica e equipamentos. Neste mundo capitalista nada é feito eficazmente a ser que dê proveito…..aos investidores..mas não deixa de ser uma ideia interessante….

    • Nelson says:

      Ora aí está um ponto muito interessante e atual…

      Muitos africanos fazem quilometros com o seu smartphone barato… Para o carregar, para o poder usar!

  12. Diogo says:

    “Esta rabanada de vento mandou me a net a baixo […]” (O novo problema do sec. XI)

  13. Cris says:

    11,000 botnets espalhados pelo mundo, perfeito!

  14. Deus says:

    Não é muito a minha área de interesse mas parece ser uma ideia muito engraçada e talvez um pouquinho humanitária 😀

  15. PGA says:

    Não são 100 Kg que pode transportar…. são 32kg segundo a VOSSA fonte!!!
    E comprar 11 000 drones????? Por 60 milhões? Hmmm… Ficaria a pouco mais de 5000 euros cada um???? Really?? Na verdade o artigo original não refere a quantodade a comprar pelo Facebook mas sim a quantidade que vai ser produzida…
    Cara Marisa.. não leve a mal ok? 🙂

    • Marisa Pinto says:

      Calma… O modelo Solara 60 consegue transportar 250 pounds/100kg como podes ver no próprio site da empresa: http://titanaerospace.com/platforms/solara-60/
      Relativamente aos drones, como pudeste ver pela nossa fonte ou pelas diversas fontes, sim, serão 11.000 que o Facebook tem a intenção de mandar construir. Assumindo que sabes ler inglês: “Facebook may be preparing its next major purchase. According to TechCrunch and CNBC, Facebook will buy drone manufacturer Titan Aerospace for $60 million and plans to use its vehicles to help spread internet access worldwide.”

      Sim, são os que a empresa vai produzir, mas para essa mesma iniciativa: “From our understanding, Facebook is interested in using these high-flying drones to blanket parts of the world without Internet access, beginning with Africa. The company would start by building 11,000 of these unmanned aerial vehicles (UAVs), specifically the “Solara 60″ model.”

      “TechCrunch reports that on closing, Titan Aerospace’s entire production would go toward Internet.org. The initial goal is reportedly to build 11,000 of its Solara 60 model drones for the initiative.”.

      Como podes ver no post, ainda não houve uma declaração oficial, portanto estes dados/numeros não são, para já, oficiais, mas é o que a nossa, e as outras fontes escrevem

      Cumps.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.