Quantcast
PplWare Mobile

Existem pelo menos 18.796 modelos de dispositivos Android

                                    
                                

Este artigo tem mais de um ano


Autor: Pedro Simões


  1. Gaius Baltar says:

    Creio que esses dados devam ser relativizados. Para 90% dos utilizadores de Android as actualizações são desnecessárias/desconhecidas. São pessoas que compravam telemóveis para fazer chamadas e enviar SMS e com o desaparecimento dos “features phones” passam a usar o Android, e como bonus ainda podem ter Facebook no aparelho. Para quem é geek e preocupa-se com a fragmentação há os aparelhos topo de gama que recebem um pouco mais de atenção dos fabricantes. Até por isso é uma asneira comparar o iOS com o Android. É como comparar o grupo VW com a Mercedes. A primeira tem desde topos de gama (Lamborghini, Audi ou Bentley) até marcas populares como a Skoda ou a Seat, enquanto a segunda fica-se apenas nos segmentos médio-alto e alto.

    • Miguel says:

      quem quer uma coisa boa compra windows phone

      • Boa e sem aplicações lol…

        • Miguel says:

          lol vai pesquisar…..

          • Rui Silva says:

            Pesquisar para que, se a loja do WP esta cheia de apps maliciosas, tal como o Android?

          • Neopunk says:

            @ Rui Silva. É preciso definir malicioso.

            Na Store Android existem apps com malware para efeitos de botnet, roubo de credenciais, click-jacking e afins para efeitos de fraude online, assim como SMS’s de valor acrescentado, para além disso existem App’s falsas semelhantes a App’s e serviços credíveis que apenas servem para levar o utilizador a gastar dinheiro sem ter qualquer nível funcional em troca.

            Aquilo que existe na Store no WP são Apps falsas e não Malware tal como no Android. Aliás este tipo de situação acontece em muito maior escala também na Apple Store.

            Aquilo que levou a este alarido todo foi o facto da MS ter um processo de validação e certificação de Apps e que mesmo assim deixou aprovar este tipo de Apps. Pelo que li há 2 dias já estão a fazer a limpeza de imensas App’s e vão adotar um processo mais rigoroso.

    • João Reis says:

      O problema das actualizações são desnecessárias se o sistema funcionar bem. Se dependeres da actualização para ter uma APP especifica ou corrija um erro qualquer de estabilidade no teu telefone, vais ficar agarrado ao terço à espera que se lembrem de um dia mais tarde teres essa actualização.

      Quem é conhecer contorno o problema, mas como dizes e bem, 90% não é conhecedor e não tem culpa de o sistema não estar a funcionar em condições.

    • Sergio J says:

      é como dizes, quem compra um android de 100€ é para o usar como feature phone, usar o facebook e no máximo instalar um candy crush. Até instalar um faceboook Messenger, uma segunda app já lhe faz confusão.
      Portanto para esses é indiferente se é 2.1.3, 4.1, 4.4 ou 5.0. Mas tal como diz o Carlos mais abaixo é muito mau é para os programadores.

      Tem que se usar a velha máxima de desenvolver para a plataforma mais antiga. Por exemplo nós na nossa empresa nem nos atrevemos a desenvolver para mais que .NET 2.0. Depois nas empresas é uma carga de trabalhos, pois os computadores não estão preparados.

      • Neopunk says:

        O problema da fragmentação para o consumidor final centra-se na dificuldade em manter um telefone atualizado, a grande maioria dos equipamentos Android morre com a mesma versão com que nasce.

        Qualquer sistema operativo tem imensos bugs não só de segurança, mas também funcionais, performance e outros.

        Existem alguns equipamentos (nexus e alguns Samsung) que são atualizados com regularidade, os restantes é uma treta.

  2. Miguel says:

    è normal esta fragmentação do android com tantos dispositivos vendidos, desde os 50 aos 100 euros. só não percebo pq isto é mau?

    • Azaxel says:

      É mau do ponto de vista que não estão todos a ser atualizados e os buracos na segurança são complicados de tapar assim.

    • Carlos says:

      A fragmentação é má em relação ao programador, pois é muito problemático (ou quase impossível) desenvolver uma aplicação ou mesmo um website responsive para android que tenha sempre o mesmo comportamento em todos esses quase 19000 androids.

      Eu sou um android user, mas neste ponto tenho de dar muita razão à apple, em não deixar fragmentar tanto o seu sistema.

      Acho ridiculo (no caso da samsung) que tenha modelos em que diferem uns meros milimetros uns entre os outros, podem ver a parte do “SCREEN SIZE FRAGMENTATION” do mesmo estudo “http://opensignal.com/reports/2014/android-fragmentation/”.

      Como podem ver, desenvolver um site/app que tenha o mesmo comportamento de medidas nesta fragmentação é muito trabalhoso 🙁

      • Nelson says:

        É, porque primeiro fragmentaram e agora pensam numa solução para isso…

        A Apple com o Xcode 6 lançou um interface builder que permite fazer aplicações para qualquer tamanho de ecrã, qualquer orientação, qualquer tipo de dispositivo (iPhone ou iPad) mesmo fácil…

        • ANDROID +1 says:

          Então e o Android Studio é o que? É um programa de edição de vídeo… LOL

          • Nelson says:

            Eu sei que existe o Android Studio… que é uma “distro” do IntelliJ IDEA… grande coisa…

            Mas tem design de aplicações responsive?

            Nenhum IDE tem uma facilidade para design de interfaces como o Xcode… e com o Xcode 6, agora na WWDC 2014, antes de lançarem modelos novos, e complicarem os ecrãs, eles fizeram uma revolução espetacular.

            É que é isso que interessa para o caso…

        • Carlos says:

          Sim correcto para apps, mas quando o assunto é sobre criar website’s responsive aí não existe Xcode ou Android Studio que nos salve.

          o design do site pode ter comportamentos bastante diferentes com a quantidade de “screen size fragmentation”, e depois temos os clientes que não conhecem esta realidade e implicam que no android deles o site tem 1px a mais do que no design.

  3. Marco says:

    A partir do momento que estamos a falar de um sistema aberto consedero normal vermos esta situaçao, produtos nexus e google edition não tem esse problema, já os outros dependem dos fabricantes actualizarem onde a google pode entrar e nos google services que são actualizados todas as semanas e obrigar a que os telemóveis que vem com gapps venham com o sistema mais recente. Agora quanto aos updates penso que e algo que a google podia sensibilizar as actualizações. Mas o grande problema vem dos dispositivos low end, contudo a google vai combatar esse problema com o projecto Android one que visa em distribuir terminais com qualidade optimizados e com actualizações directas da google.

  4. Gonçalo Oliveira says:

    Artigo interessante.
    O Android é como se fosse o SLB em Portugal 😛
    Ora é o sistema do povo que toda a gente tem ora é um sistema que é “bom” que as pessoas gostam.
    Fora de brincadeiras… eu sou a favor de sistemas que as pessoas possam “manusear” à vontade… Só não gosto de iOS devido a ter certas restrições… é claro que isso tem as suas vantagens e desvantagens.
    Para quem não queria chatices até acredito que o iOS seja um sistema mais apelativo mas pronto… eu é que não gosto de dar acima de 200€ por um tlm 😛
    E nesse aspecto por 200€ arranja-se mts bons tlm’s. Já para arranjar um iPhone é mais complicado 😛
    Daí haver esta fragmentação e diferença nos dois sistemas.

  5. Miguel Sousa says:

    Com o IOS até acho estranho conseguirem 1% de outras versões… pois quem tem o IOS6 já não se consegue ligar à internet desde que a Apple bloqueou os sistemas e obriga os utilizadores a fazerem o update para o ios7.

    O Android transformou-se no SO para as “marcas brancas”. Basta fazer pequenas alterações introduzindo alguns drivers e tem um sistema operativo.
    E muitas dessas marcas acabam por só dar suporte à versão base sem existir outro tipo de suporte… pois 2-3 meses depois já é lançada uma nova versão com algo diferente.

    Claro que os que tem suporte mais prolongado (grandes marcas) acabam por ficar com a maior quantidade de utilizadores.

    • Sergio J says:

      achas estranho é ser tão poucos. Então e os milhões de 3GS que andam por aí ainda.

      • Nelson says:

        Eu não me lembro de ver um 3GS no activo.

        Esses números, tanto no iOS, como no Android, são de utilizadores activos no último mês.

        • Benchmark do iPhone 5 says:

          Ói, o que te lembras já faz estatística? Cá por casa há um, muito apreciado pelo actual utilizador. O iOS terminou no iOS 6.1.6

          É de meados de 2007 e só não teve actualização, para o iOS 7, em finais de 2013.

          Como lhe conheço bem o design vejo muitos por aí (ou anteriores, que tinham o mesmo design). Em rigor, custa-me a crer que alguém o tenha “arrumado” e não o tenha vendido/encontrado outro utilizador. Grande máquina.

    • Klaus Castro says:

      Desculpe, mas com o iOS 6 consegue-se ir à net… falo por experiência própria…

    • Nelson says:

      “pois quem tem o IOS6 já não se consegue ligar à internet desde que a Apple bloqueou os sistemas e obriga os utilizadores a fazerem o update para o ios7.”

      Ai jazuz… as lojas da Samsung (e as outras) a fazer as das suas…

    • Nuno says:

      Se de quem tem um IPhone 3G com iOS 4.2.1 e vai á net com ele todos os dias…

    • Benchmark do iPhone 5 says:

      O iOS 6 é um sistema operativo totalmente funcional, usado no iPhone 3GS. Só tem a limitação de, uma vez que o iOS 7 trouxe novas APIs, não poder instalar novas appp que as tragam (ou, não as tendo, o developer não esteve para se chatear com compatibilidades), ou novas versões das apps que as tragam (utiliza versões anteriores dessas apps).

      Quem tinha versões posteriores aos 3GS se não quisesse não actualizava para o iOS 7. Era uma estupidez não actualizar, exceto para os que tinham o iPhone 4, que teve problemas (só mais tarde saiu uma versão do iOS7 que os resolveu). Estes é que, se quisessem voltar para o iOS6 não podiam (de forma simples, porque complicada há formas para tudo).

  6. Helder Coelho says:

    Muita parra e pouca uva este Android… xD

  7. okapi says:

    Por outro lado, bem lhe pode ser atribuído o prémio de o maior contribuidor de lixo eletrónico do planeta.

    • ARG says:

      Nisso concordo. A conta da política da Google em fornecer o SO em código aberto e não impor standards de hardware ve-se por ai muita tralha mesmo… Em que as pessoas compram pork é giro e é Android… Resultado instalam uma ou duas aplicações e tcham…. Lifam wi-fi e já esta 1/2 minutos para abrir pagina web. Video… Por isso estou feliz por ter fugido de lá… Mas minha opinião real… Quem quer IOS sabe o que comprar. Quem quer Android compre Nexus. E Quem quer WP compra Lumia sem hesitar. E muita gente diz a dar 300/400/500€ por telemóvel não era eu e tal… Mas porra so gasta uma vez e tem telefone para alguns anos.. Conheco gente que gasta quase isso por ano a trocar de equipamentos porque andava lento e não havia solução…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.