Quantcast
PplWare Mobile

Documentos portugueses da NATO estão à venda na darkweb

                                    
                                

Autor: Pedro Pinto


  1. Joseph Goebbels says:

    O governo português só soube porque foi informado pelos Serviços de Informações norte-americanos, através da embaixada em Lisboa malditos XUXAS nao fazem nada e nao sebem nunca de nada a nao ser fazer leis ridiculas com ideologias baratas de esquerda radical

    • PorcoDoPunjab says:

      Og Goebbels, tenha calma, a culpa disto foi do Passos ou do Trump.
      Está tudo sereno…

      Atenciosamente, PorcoDoPunjab, o encantador de burros

  2. Castro Verde says:

    Portugal na nato e so para andar la a servir cafes. Ate Marrocos enviava para aqui meia duzia de mamelukos e era deles. O melhor que nos acontecia era Inglaterra nos comprar como fez com Chipre, Gilbraltar e Malta

    • Joao Ptt says:

      Portugal tem importância estratégica, com os arquipélagos dos Açores e da Madeira (base de reabastecimento e pode ser utilizado para controlo oceânico), e ainda com a entrada para o mediterrâneo, sem falar que é uma porta de entrada para o resto da Europa… e se tudo isto não justifica estar na OTAN, existem cerca de 600 mil homens que em caso de guerra podem ser recrutados, fazendo de Portugal o 3.º país mais importante da OTAN em número de homens que podem ser disponibilizados para uma guerra.

      A Portugal falta é tudo o resto, como terem esses 600 mil homens todos muito bem treinados e com o equipamento todo para actuação imediata e eficaz… que não é pormenor nenhum, e que será crucial em caso de guerra em larga escala.

      Se Portugal tivesse estes 600 mil homens todos com treino e equipamento a importância para a Aliança seria enorme e certamente faria de nós alvos prioritários, que já somos de qualquer forma por causa de instalações na OTAN, mas não por causa das forças armada que são consideradas ridículas do ponto de vista prática… por muito que existam alguns grupos de militares bem treinados, numa guerra em larga escala não serão suficientes para fazer diferença, como a guerra que virá e afectará Portugal o irá comprovar na prática para grande desgraça de nós portugueses. Neste momento ainda estamos a tempo de mudar isso, só que os políticos só navegam à vista curta e preferem ignorar as previsões de tendências futuras que indicam que Portugal será conquistado, com maior ou menor dificuldade, mas que será sem qualquer dúvida conquistado e provavelmente até numa fase inicial da guerra sem obter de facto apoio relevante dos outros parceiros que também estarão em apuros… que talvez mais tarde consigam ajudar, mas nos primeiros tempos não o farão ou não terá expressão.

      • Jose says:

        Concordo. Só há um detalhe, os portugueses sob ocupação dão problemas sérios a qualquer um. Ninguém sairá incólume, isso é certo. Fui tropa especial, temos métodos de combate apurados com a experiência- no fim de contas, não há geração alguma em Portugal que não tivesse experiência de guerra, mesmo a actual apesar fo número ridículo -, trmos outra coisa, um método de combate único, mesmo com a uniformização NATO, há desde sempre uma forma portuguêsa de fazer a guerra. Até que sempre que adoptamos outras formas de combater raramente tivemos sucesso. Temos de ter os nossos homems e mulheres bem equipados e, sobretudo, evitar uma vergonha como esta.

        • Bruno M. says:

          @Jose:
          Achas mesmo!?

          OS Portugueses de há 20/30 anos atrás, sim!
          Os de hoje?! Metade fugia para outros países, 1/4 era capaz de vender a mão e o outro 1/4 eram capazes de serem delatores!

          • Jose says:

            Talvez. Como eu disse, dar a vida por esses era uma aberração e até anacronismo. Mas os portugueses já noutros tempos foram considerados “fáceis” e pouco dados ao confronto mas tal aferição saiu completamente errada. Há gente muito valente calada e escondida, que dá sempre a conhecer o seu melhor nos momentos mais duros. Tem razão, há hoje demasiados “choninhas”, querem uma nação quieta e de brandos costumes, de preferência “multicultural” e de outras origens, por forma a diluir o amor à pátria e mais aos beneficios que podem obter dis políticos. Um “vicio” velho nesta terra à beira-mar.

        • gambuzino says:

          “os portugueses sob ocupação dão problemas sérios”
          A serio ? Só se for no tempo do Viriato, hoje em dia as tropas especiais só existem para usar as insiginias em dias de festa.

          • Jose says:

            Sou historiador, certamente e infelizmente no que respeita ao estudo da História, conheço episódios na nossa História onde aquilo que afirmo é perfeitamente provado. Note, sou daqueles que defende o estudo da História de modo científico por forma a evitar a especulação política e a “opinião pessoal” que podemos expressar num local como este, mas não numa obra feita para dar a conhecer o fruto do nosso trabalho. Na realidade defendo o estudo interdisciplinar por forma a evitar erros, muito graves, que hoje em dia cometem-se de forma abusiva e até irresponsável e infantil. A nossa História não é tão infame como agora a retratam, nem tão mistificada como foi tratada no Passado algo próximo.

      • PorcoDoPunjab says:

        Joao Ptt, mas que 600 000 homens está vc a falar?
        Desses 600 k metade nem portugueses são e os restantes são florzinhas de estufa e idiotas chapados que ao primeiro sinal de perigo metiam logo o rabo ao léu…

        Olhe, tenho um segredo para lhe contar, quer ouvir, só para nós que ninguém nos ouve?
        Vc tem andado muito distraído, Portugal já está a ser conquistado, só que de modo mais silencioso mas igualmente letal.
        Vá para a rua e preste mais atenção ao que vê e depois diga-me algo…
        Não lhe dou 30 anos até Portugal, como nação, desaparecer, se nada for feito para o impedir.
        E sabe que mais? Tudo isso é permitido e encorajado pela corja que nos desgoverna.
        Votaram nisto não votaram? Agora aguentem…

        PorcoDoPunjab, o encantador de burros

        • Joao Ptt says:

          A maioria ainda é portuguesa de Portugal, mas sim, existem cada vez mais estrangeiros, a percentagem está a aumentar de ano para ano, e actualmente já se deve situar nos 7%, aqui na rua nos últimos dois anos passei de ver só portugueses para haver dias que quase só vejo estrangeiros de países de fora da Europa, daí que certos partidos políticos estejam a ganhar tracção que é a resposta natural do povo quando sente que a nação está a ser invadida por pessoas de outros níveis espirituais que não se coadunam com a predominante e que têm um tipo de cultura diferente que entra em choque com a predominante no país. E isto é válido em todos os países, ainda que a forma de reacção seja diferente de ambiente para ambiente conforme as circunstâncias.

          Quanto aos 600 mil… até acho que em caso de guerra a sério arranjam bem mais que isso… talvez 1 milhão e tal, à força, claro, que não acredito que exista muita gente a oferecer-se para ir levar um balázio. Especialmente porque a maioria não terá um bom treino e menos ainda equipamento e logística adequada… e claramente o país não tomou todas as medidas necessárias para reforçar o país para uma guerra… nem até agora o fez e tudo nos políticos faz indicar que estão a fazer como os Ucranianos e está tudo a assobiar para o ar a fingir que nada pode acontecer… até acontecer e então já será tarde demais.

  3. eluminado says:

    Vergonha nassionale

  4. Joao Ptt says:

    Boa sorte com proteger informações confidenciais, mesmo que não existissem espiões nas forças armadas, e provavelmente existem, os sistemas informáticos têm tantos buracos que é impossível prevenir os atacantes de entrarem se eles fizerem mesmo questão… por muito competentes que fossem os operadores de todo o sistema.

    Claro que estou a dar muito crédito e a achar que mantêm tudo actualizado, e configurado de tal forma que não tem absolutamente mais nada no sistema operativo e demais dispositivos do que o estritamente necessário, e tudo com o mínimo de privilégios possíveis… mesmo num caso idílico desses, ainda assim os atacantes têm muitas vulnerabilidades para explorar que ainda não estarão solucionadas de forma correcta, se forem sequer conhecidas.

    Por algum motivo os militares de topo ainda hoje em dia mandam mensagens uns aos outros por carta lacrada e entregue em mãos por militares que as transportam, e este infelizmente ainda hoje em dia é na prática o método menos inseguro que existe.

    • Sujeito says:

      Nem é preciso muito. Ainda há uns anos se soube que os locais onde guardavam os tais segredos da Nato estavam com as camêras desligadas e que o sistema era um queijo suíço cheio de buracos. Já ninguém se lembra.

      Além disso, quando se fala de privacidade vem logo toda a gente dizer que “quem não deve não teme”. Mas, para defender segredos de Governos e instituições de guerra já se os defende. É um belo double standard que por aqui se vê.

      • Joao Ptt says:

        Nem para guardar armamento o Estado quer saber, não só não tinha vários militares a proteger as instalações físicas onde as mesmas estavam, como até a mais miserável das lojinhas consegue ter câmaras de vigilância a funcionar e os militares não.

        Sou daqueles que defende que que privacidade é um direito, e todos têm direito à sua privacidade independentemente da opinião dos outros acerca disso, alguns outros não quererem saber da sua própria privacidade não invalida que os outros queiram saber… e mesmo quem diz que não quer saber da privacidade geralmente nunca se oferece para dar acesso ilimitados a tudo o que faz online para um qualquer jornalista vasculhar, analisar e publicar o que achar interessante.

  5. Filipe says:

    Falem com aquele barbudo do Pôr-do-Sol, que ele tem contatos na Darkweb e resolve isso.

  6. Anti Ácaros says:

    Agora já sabem, basta fazer o que as empresas portuguesas têm feito a nível de segurança com os dados dos seus clientes, protegem-nos de tal forma que nunca acabam por ser acedidos sempre que existe um ataque!

    De qualquer das formas, o governo já está a tratar do assunto, criando uma taxa adicional e garantindo que quem vender estes documentos paga o IVA.

    • Jose says:

      Essa fez-me rir. Ė isso mesmo. Paga o iva e mão-de-obra com factura passada.

    • sergio says:

      eu sou webmaster e tenho uns 6 websites.
      Querem saber uma triste realidade? As empresas de web hosting estão se a lixar para nós e não garantem a segurança dos servidores (dos nossos sites alojados neles), eles só fornecem alojamento web. Está nos contratos em letras pequenas.
      Já usei alojamentos web nacionais, como o da “Amen” entre outros, tudo merda. A maioria deles são revendedores e revendem hosting e os servidores estão nos Estados Unidos ou na Holanda, e eles acedem remotamente aos servidores.
      Já tive chatices com um hacker, e a porcaria do alojamento web dizia que não garantem a segurança nem impedem ciber-ataques. Isso é “responsabilidade” do cliente.

      Talvez empresas que paguem alojamento premium (tipo 39 euros mensais) tenham melhor segurança.

      mas ninguém está livre de um hacker habilidoso, a própria CIA e o Pentágono já tiveram os seus sites invadidos imensas vezes.
      Hoje, existem hackers de 17 ou 18 anos que são grandes crânios, pois começaram aos 11 anos de idade a ficar fechados no quarto dias inteiros, a estudar manuais e a praticar pequenas invasões web.

      • Bruno M. says:

        O que se passou no EMGFA não tem a ver com webmastwrs ou websites.

        Os ficheiros estão alojados em espaço próprio, infelizmente e aparentemente com brutais falhas de segurança para poderem ser acessíveis na internet.

        Não foi através do website, mas sim através dos servidores directamente cuja firewall estava muito mal implementada.

        Já para não falar da parte humana, que muito possivelmente foi tão ou mais culpada por este hack/leak.

  7. AlexS says:

    São as consequências da cultura anti-mérito criada pelo regime. Agora começa a pagar-se e vai ser bem pior.

  8. AlexS says:

    Claro que uma das consequências é a diminuição ainda mais da informação que chega da NATO.

  9. Jorge says:

    E então, já está pronta a Comissão de Inquérito?
    Quais são os veneráveis parasitas que vão ser nomeados para andarem meses a concluir que afinal era o mesmo porteiro de Tancos?

  10. Jose says:

    Este país ou é neste momento um país faz-de-conta ou faz-l questão de nos envergonhar a todos humilhando-nos a nós e aos feitos dos nossos gloriosos ancestrais que tanto sangue e lágrimas deram por ele. Por vezes, creio que vivo num pardieiro, ou terra de loucos, onde cada um faz o que quer em prejuízo dos demais, sem qualquer noção de dever para com a pátria e a sua nação qye lhe dão o Ser e a Alma. Jurei eu um dia, já distante, defender com o sacrifício da própria vida, esta velha, milenar e outrora nobre pátria de todos que amam dizer com orgulho que são portugueses. Para quê? Proteger anormais, corruptos e irresponsáveis? Certamente que, exercendo o meu direito constitucional à resistência, que jamais venderia a minha vida de forma tão gratuita e aceito de bom grado esta deriva suicida do meu país.

    • PorcoDoPunjab says:

      Jose, infelizmente, e como já eu disse aqui mesmo bastantes vezes, Portugal é cada vez mais um Estado falhado.
      É uma pena, mas é a triste realidade.

      Em relação aos nossos ancestrais e à coragem deles, há hoje muita gente que está contra a melhor estirpe de Portugueses que alguma vez houve ou haverá; os Portugueses dos Descobrimentos.
      Temos os Blocos de Esterco e outros que tais a difamar e denegrir todos esses heróis.
      Vê alguém a repelir essa gente e a metê-la na ordem?
      Não, não vê.
      O que vc vê é um pateta como presidente dos bananas a tirar selfies com bandidos e a ridicularizar a polícia.
      O que é que vc quer com um povo destes, diga-me lá?
      É o que temos, e nem vejo solução para isto, sinceramente.

      • Jose says:

        Como cidadão concordo consigo. O que afirma, esta à vista de todos. Prefiro morrer antes de ver o meu país enterrar-se de vez neste neste descalabro.

  11. Castro Verde says:

    Alguem da nato deve questionar o porque deste territorio governado por corruptos e cheio de ignorantes pertence a uma alianca militar quando ca nem temos artilharia. Desde 1580 que Portugal acabou, não ha nada que se aproveite

  12. Rui Flores says:

    O governo e os orgãos do estado são uma autêntica vergonha nacional. O Costa pode enganar este povinho ignorante e ingénuo mas aos parceiros da NATO a conversa fiada dele não pega. Vai levar um puxão de orelhas valente e pode custar a credibilidade e milhões a Portugal.

  13. Micas says:

    descobrimos hoje que o significado de “transição digital” entre nós é mais no sentido dos documentos fazerem trânsito digital por estas bandas, antes de os sacarem para outros destinos. Muito contrato manhoso prá amigos, muito ajuste directo com lucros a dividir por X é no que dá. Nada é invulnerável por estes dias, mas basta olhar para as plataformas em funcionamento na administração pública para ver que parecem manteiga ao Sol. Deve ser esta a dimensão da “administração aberta”.

  14. Horácio says:

    Á muito tempo que o especialistas andam a dizer que Portugal está muito venerável ás ameaças cyber. Que mais investimento deveria ser feito e principalmente mais formação e educação na prevenção de fugas de informação e respectivos ataques.
    Mas como falta de tudo deste país atrasado, óbvio que tomar iniciativa de investimento em cyber não deve ter sido muito grande a prioridade nesta área.
    Para finalizar existe o hábito do tuga pensar que nada acontece e que ninguém quer nada connosco, ninguém mexe, ninguém abre, ninguém vêm cá, ninguém nos faz mal….somos o paraíso da segurança.
    Podemos constatar agora o quanto estamos errados e como temos sido negligentes.

    Agora olha….lá vai o Costa levar um encosto da Nato para abrir a pestana.
    Se sempre fomos os pobres pareceiros da nato, a juntar agora….. somos os palhaços.

  15. PorcoDoPunjab says:

    Os hackers que se mostrem, o Papagaio quer tirar uma selfie com eles…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Aviso: Todo e qualquer texto publicado na internet através deste sistema não reflete, necessariamente, a opinião deste site ou do(s) seu(s) autor(es). Os comentários publicados através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. A administração deste site reserva-se, desde já, no direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação do seu autor (nome completo e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.